UEM, O FUTURO COMEÇA AQUI
                                                                                                ...
A                                                                                CARTAS                                   ...
C     Recicladores pedem socorro                                                                                          ...
Pdf...EdiçãO 4
Pdf...EdiçãO 4
Pdf...EdiçãO 4
Pdf...EdiçãO 4
Pdf...EdiçãO 4
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pdf...EdiçãO 4

1.232 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • não estou conseguindo dar dowload. Será que não poderiam usar o 4-shared ou e-esnips? esse site não é bom não. até agora não consegui baixar o PDF do jornal
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.232
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
49
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pdf...EdiçãO 4

  1. 1. UEM, O FUTURO COMEÇA AQUI Maringá, 2ª quinzena de maio de 2009 - Ano 1 - Nº 4 O porta voz da comunidade S Amanda, O Giovani, Rafael, Fábio e Acauã, estudandes Foto: Assessoria de Imprensa da UEM C do curso de Engenharia de Produção I A Alunos de Psicologia (Rafael Escudeiro, Ana Eliza Ferreira, Lorena Camargo e Regina Semedo) Angélica Marluce Meronha de Oliveira, Aline L Tavares e Marcela Bataline, alunas de Letras Maysa Viana faz Mestrado em Biociências em Farmácia Gabriela Fernandes (Engenharia de Alimentos) e Rafael Martinelli (Ciências Biológicas) Franciele Alves, estudante de Ciências Sociais Keylla Regina da Silva e Paula Nicolau, alunas de Psicologia UEM - Usina do saber Lorena Fiorotto Moreno, aluna do curso de.Administração Em 1970 foi o início, hoje uma grande referência Ferdnando, Amanda e Edson, estudantes de História Lucélia de Moura Pereira, ENTREVISTA: Arinéia Martins, Presidente da ENTREVISTA aluna de Zootecnia Associação das Profissionais do Sexo – Pág. 05 UEM: Uma usina do saber – Págs. 08 e 09 ORION: Uma constelação de primeira grandeza – Pág. 10 Patrícia Keiko Asakawa, estudante de Administração RECICLADORES: Um grito de socorro – Pág. 14 Sanuei e Gamal, são da Guiné Bissau e fazem especialização em Ciências Mariana e Michelle, estudantes do curso de Farmácia Contábeis IDOSO: O Estatuto ainda não é respeitado - Pág. 15 Página 16 2ª quinzena de maio/09
  2. 2. A CARTAS D Editorial Venho parabenizar a Gaze- ta Maringaense pelo conteudo ravilhoso de excelente qualida- de com matérias interessantís- ber notícias da cidade como um todo. Dificilmente encontramos Idosos têm R diferenciado de suas notícias, dando maior atenção aos bair- simas. E já que estou aqui reco- assuntos que nos façam sentir tão próximos e tão íntimos de I Estatuto que De acordo com a Constituição da UNESCO o direito à Educação é ros e sua população, mostran- nhecendo o trabalho de vocês, um jornal. A sensação que tive um direito humano fundamental e ocupa um lugar central nos Direitos do aos próprios moradores as gostaria de dar uma ideia. Po- ao ler algumas matérias é que Humanos e é essencial e indispensável para o exercício de todos os belezas, vida noturna, e outras deriam fazer uma matéria so- parecia que tudo foi feito e es- T outros direitos humanos e para o desenvolvimento. Baseados nessa atividades de lazer que as ve- zes passam despercebidas bre as lendas e os pioneiros de Maringá. crito diretamente para mim. Essa proximidade do leitor que R vigora desde 2003 afirmação como podemos transformar o conhecimento em um bem público e elaborar novas políticas regionais para a educação superior no aos nossos olhos. Muito sucesso e parabéns o jornal apresenta é a caracte- Desejo muito sucesso a pelo trabalho desenvolvido. rística que achei que mais se Brasil? I E este jornal e a toda sua equi- Tiago Silva Capela destaca, nos prendendo e fa- Sabemos que a universidade brasileira atravessa um momento difí- pe. Parabéns. (Representante comercial) zendo com que esperemos a cil, resultado de um contexto socioeconômico não adaptado para a Ezio Crispim - Gerente próxima edição com ansieda- realidade contemporânea. Isso faz com que os currículos tenham que Comercial de. Isso só acrescenta e soma Eu, como leitora, gostei mui- para o jornalismo local. G I ser rediscutidos, pois não se encaixam à expectativa dos alunos e à Gazeta Maringaense quero to do jornal. Achei muito agra- Desejo ao jornal vida longa realidade do País. Outra consequência dessa inadequação é o fato do dar as boas-vindas! dável, com leituras leves e gos- e próspera! Que cresça cada dia mercado de trabalho não absorver a massa de profissionais formados. Não posso deixar de enviar tosas de ler. Acho muito impor- mais, junto com nossa cidade! Isso ocorre em virtude da falta de planejamento e localização e opções palavras de reconhecimento tante termos informações mais Grande abraço A luta para que tenham seus direitos O T de cursos oferecidos pelas faculdades. Além disso tudo, ainda há o pro- pela forma que está sendo fei- internas de nossa cidade. Fernanda Becker Arcaldi to esse jornal, um trabalho ma- Estamos acostumados a rece- Jornalista e Empresária blema da elitização do ensino, visto que a grande maioria das faculda- garantidos é uma constante des pertence às redes particulares e cobram taxas altas para a popula- OPINIÃO ção estudantil de baixa renda. Por outro lado as poucas instituições de S O ensino gratuito existentes têm seu acesso restrito aos estudantes pro- Jaqueline Souza Estatuto é garantir boas condi- que uma das dificuldades que “Não é porque é velho que do o fato ocorrido. venientes das classes mais abastadas, pois eles têm mais condições de “A inação produz dúvida e ções de vida independente- o Conselho tem é a falta de tem esses benefícios, mas por- Um dos trechos chama a disputar uma vaga em função de ter tempo e condições financeiras para se prepararem para os vestibulares tão concorridos. Falta de pudor ou desrespeito? medo. A ação produz confian- ça e bravura. Se você deseja mente da condição socioeconômica. “O foco é a recurso próprio e que o CMDI precisa produzir mate- que eles já pagaram tanto que lhes foi dado esses direitos”, fi- atenção pela consciência de- monstrada por essa mulher, Isso acontece desde a chegada ao Brasil da família real portuguesa. A educação no Brasil, já nasceu sob o signo da distinção social. Os portugueses proibiram a instalação das universidades na colônia, for- Malu Pedarcini (Jornalista responsável) jóias roubadas e agressão. Foi ele que evitou a cassação do fato isolado. Aqui mesmo no nosso Estado temos vários vencer o medo, não sente em sua casa pensando nisso. Saia e comece a agir ”. (Dale idade e não a condição finan- ceira”, enfatiza Eloacy. Uma das atuais lutas do riais de campanhas, mas en- contram dificuldades, mesmo tendo o direito de ficar com naliza Eloacy. As dificuldades e as lutas tri- lhadas pelos idosos não são que finalizou com uma lição de moral que serve para todos refletirem. S mando assim, uma resistência à idéia de um projeto de ensino no país, Ouvindo o noticiário um dia deputado Paulinho da Força exemplos disso. Maus políticos Carnegie), Conselho é o transporte as multas dos comerciantes. apenas dos paranaenses. Gilda “Nosso País está envelhe- principalmente quando, naquele período, os portugueses mandavam destes fiquei estarrecida com a Sindical num processo de que usam a máquina adminis- Esse dizer resume bem ao intermunicipal o que facilita- “Isso dificilmente acontece, Diniz Silva, é de São Paulo e cendo, em poucos anos sere- seus filhos estudarem em Coimbra. A dificuldade do acesso à universida- de pela população menos favorecida, a falta de investimento, os baixos fala de um deputado chamado corrupção que tramitava no trativa em benefício próprio. que se refere o Estatuto do Ido- ria para os idosos que preci- porque antes de se aplicar a encontrou algumas dificuldades mos um número enorme de salários dos professores fazem parte do cotidiano e constituem um fator Sérgio Moraes (PTB-RS). Esse Conselho de Ética da Câmara. Alguns foram até presos e mes- so, sob a lei 10.741 que vigo- sam viajar dentro do Estado. multa é feito um acordo, o ao levar sua mãe de 78 anos, idosos. Porque ignorar? Porque E de desmotivação. O que se vê por aí são universidades sem as mínimas condições de oferecer conhecimento e formação para que o aluno seja um bom cidadão que é relator no Con- selho de Ética da Câmara, ao defender o deputado Edmar E não para por aí não. Quan- do prefeito em Santa Cruz do Sul-RS mandou instalar um te- mo assim reeleitos. Londrina é uma prova disso. Então va- mos dar a mão à palmatória. ra desde 1º de outubro de 2003. Foram oito anos na ba- talha para obter direitos com- “Há idosos que precisam ir se consultar em Curitiba, mas devido a questões financeiras que deixa de arrecadar, e a verba que há no fundo da As- sistência Social fica restrito que tem Alzheimer, para se consultar no Hospital do Ser- vidor Público Estadual – SP In- . não aceitar que devemos tra- tar bem o nosso passado, isso é história gente, isso é a me- profissional. Na prática isso se traduz nos milhares de formandos em patíveis as suas necessidades. não vão. Outros vão até para pessoas carentes.” dignada com a administração e mória de nossa sociedade, da Moreira (o encastelado) disse lefone público na casa do seu Precisamos sim, votar com Agora a luta é de como fazer Blumenau, já que tem direito No Estatuto consta que o do serviço social, que não que- humanidade. Porque esse des- Direito que não conseguem passar no exame da OAB, em médicos antiéticos, em engenheiros que fazem cálculos errados, em resumo, com todas as letras que está se pai. Sua ficha é extensa, res- mais critério, fazer uma análi- valer na prática. a viagem interestadual, e de idoso, ou seja, pessoas acima riam permitir que acompa- dém? Porque esse preconcei- profissionais sem condições de exercer a profissão colocando em risco a lixando para a opinião pública e ponde a oito acusações no se do passado político do can- Para a Assessora Técnica do lá vão para Curitiba e para de 60 anos, têm direito a ali- nhasse sua mãe durante a con- to? STF (Supremo Tribunal Fede- Conselho Municipal dos Direi- voltar fazem o mesmo pro- mentação adequada a suas ne- sulta, mesmo sabendo que a E vou lutar para que um dia C vida de pessoas. Felizmente ainda restam algumas universidades que que a população não acredita no didato para que fatos como conseguem fazer seu papel de levar conhecimento com qualidade e que os jornalistas escrevem. ral). E apesar de tudo ele foi esses não se tornem corriquei- tos do Idoso de Maringá cesso, e isso é muito cansati- cessidades e prioridades nos idosa não tinha condições de o Estatuto do Idoso seja tão dentre essas se destaca a UEM (Universidade Estadual de Maringá) eleito várias vezes vereador, (CMDI), Eloacy Maria Prado vo para eles.” caixas, entre outros, mas isso ficar sozinha, Gilda fez uma respeitado quanto o Estatuto da E ainda afirmou que quan- ros e a população não come- que é objeto de nossa matéria de capa. Tavares, o principal objetivo do A Assessora conta ainda nem sempre é cumprido. carta de reclamações relatan- Criança e Adolescente.” to mais nós (jornalistas) escre- prefeito e deputado estadual. ce a achar que é comum, nor- A vemos, mais votos ele conse- gue nas urnas. Infelizmente isso não é um mal. R EXPEDIENTE Editora Novos Rumos Ltda Aí fico a pensar. Embora não concorde com o absurdo da afirmação desse indivíduo, DESIGN DE MÓVEIS MARINGÁ CNPJ 10.729.979/0001-97 talvez nela exista uma certa Seus móveis personalizados na medida T Av. Alexandre Rasgulaeff, 1149 - sobre loja verdade, pois esse mau políti- sala 2 - Fone (44) 3025 4378 / 9804-4303 co tem um currículo dos mais desabonadores. Segundo a certa. Cozinhas planejadas, armários Jardim Alvorada Maringá - PR Revista Veja da última semana embutidos, home theaters, closets, A e-mail: gazetamaringaense@gmail.com ele responde por exploração de prostituição, receptação de instalações comerciais. S Diretor: Antonio José Santiago Jornalista Responsável: Malu Pedarcini QUER COMPRAR? VENDER? ALUGAR? TROCAR? Jornalistas colaboradores: Jaqueline Souza e André Aqui na sua GAZETA MARINGAENSE você tem a oportunidade de anunciar gratuitamente! Leandro Venerucci Diagramação e arte: Vladmir Farias 43 8401-3175 Ligue: 44 3025-4378 www.designmaringa.com Impressão: Folha de Londrina - contato 43 3329-5407 Periodicidade: Quinzenal para Maringá e região. Tiragem: 5.000 exemplares e-mail gazetamaringaense@gmail.com 3246-2374-3253-6036-9953-2687 Página 2 2ª quinzena de maio/09 2ª quinzena de maio/09 Página 15
  3. 3. C Recicladores pedem socorro “Big Brother” da educação escolar E I O lixo, ou seja, os restos e refugos de toda a espécie que não tem serventia para o uso ceu parceria com os municípios menores. Nesse sentido, que a de Sarandi e Paiçandu, já que a catadora Sílvia Cardoso da Silva maioria dos trabalhadores das Sabiar, Presidente da Projeto de lei sugere a instalação de equipamentos de segurança em todas as 2.148 escolas estaduais D D humano apresentam-se como cooperativas de Maringá vinha Coopermaringá, após viagem de um problema enfrentado há dessas cidades. intercâmbio entre os empreen- do Paraná U muito tempo pela humanidade. Em dezembro de 2003, o dimentos de reciclagem, que Hoje a preocupação com o lixo, último grupo de catadores saiu ocorreu em São Bernardo do A tanto no que se refere a sua pro- do lixão, dando origem a Campo, Belo Horizonte e André Leandro Veneruci dução quanto a sua destinação Coopernorte (Cooperativa Nor- Brasília, tomou conhecimento de adequada, tornou-se pauta de te de Maringá de Separadores que algumas prefeituras pagam A violência cresce a cada dia C qualquer discussão ou política de Separadoras de Materiais às cooperativas que realizam a nas escolas paranaenses e a dis- N pública voltada para a preserva- Recicláveis e Prestação de Ser- coleta seletiva por tonelada cole- cussão sob a vigilância eletrôni- ção ambiental. viços) formada com mais de 60 tada. ca nas escolas chegou até na Atualmente, sabe-se que trabalhadores. Foi desse contato que as pri- Assembleia Legislativa, onde um nem tudo o que vai para o lixo é Mas ainda havia muitos meiras idéias do projeto de lei de A Projeto de Lei do Deputado I realmente descartável e na pers- carrinheiros, oriundos principal- Lei 10.986/08, de autoria do pectiva de preservação do meio mente do Conjunto Santa Felici- vereador Humberto Henrique Antonio Belinati (PP) está sen- Silvia Marini e Talitha Coelho são Psicólogas e técnicas do ambiente, reutilizar materiais projeto do Edital Universidade Sem Fronteiras da SETI, dade, João de Barro e do Jardim (PT), que autoriza e dispõe so- do votado. A proposta é que descartados tornou-se de fun- desenvolvido junto ao Núcleo/Incubadora Unitrabalho - UEM. Paris, coletando individualmente bre condições para a Prefeitura sejam instaladas câmeras de se- A damental importância. Porém, nas ruas de Maringá. E foi por contratar o serviço público de Ç gurança em todos os colégios para além da perspectiva realizavam, e lhes oferecem al- Um barracão foi alugado no meio da organização desses coleta seletiva do lixo reciclável, da rede estadual do Paraná, prou os equipamentos. “Todos aqui. Senão houver isso, será ambiental, o reaproveitamento ternativas mais dignas de garan- Jardim Cleópatra, na Zona 2, e catadores que em 2004 foi inau- foram originadas. do material reciclável se tornou tia de subsistência. as reuniões passaram a ocorrer gurada a Coopercanção (Coo- E no dia 03 de março, a Câ- transformando o local em um entenderam que com a instala- inútil tal ação, explica. A professora de Artes, fonte de emancipação social e Em Maringá não foi diferente neste local. Em outubro de 2001 perativa de Materiais Recicláveis mara Municipal de Maringá vo- verdadeiro “Big Brother” esco- ção desse sistema a entrada, Já a diretora auxiliar do Co- Cibele Cristina Telles à dignidade para diversas pessoas. e em 2001 foi emitida uma ação formou-se a primeira cooperati- dos Conjuntos João de Barro e tou e aprovou esse projeto. A lar. O sistema já é utilizado pelo permanência e saída ficaria mais légio Estadual Unidade Pólo, Campos, explica que a Assim, a figura do reciclador ga- judicial contra a Prefeitura va, a Coopermaringá (Coopera- Santa Felicidade), com aproxima- proposta original atribui às coo- menos há cinco anos em esco- segura inibindo possíveis atos de Dirce de Freitas, conta que tam- nha destaque e o que aparen- Municipal exigindo a retirada dos tiva Maringá de Seleção de Ma- damente 30 cooperados. perativas e associações a execu- violência que las particulares do Estado. violência e vandalismo aqui na bém não tem problemas com existe dentro das temente não tinha valor para a trabalhadores do lixão. O prefei- teriais Recicláveis e Prestação de Também foi formada a ção da coleta seletiva dos mate- grande maioria da população tor- to na época, José Cláudio Perei- Serviços), com 54 cooperados. Cooperpalmeiras (Cooperativa riais recicláveis em toda a cida- Belinati alega que a instala- escola. Antes pessoas entravam alunos. “É muito raro termos escolas é uma reprodu- O nou-se fonte de trabalho e ren- ra Neto (PT), teve que tomar E as conversações continuaram de Materiais Recicláveis do Par- de. Sendo que, a remuneração ção das câmeras “devolverá a despercebidas, ameaçavam os problemas com alunos. A ção do que há fora dela. Dizer da para diversos trabalhadores. uma atitude, pois se não fossem com os catadores que continua- que das Palmeiras), com aproxi- será definida pelo valor de mer- tranquilidade necessária para a alunos e até mesmo os profes- câmera está ligada na proteção que câmeras dão segurança é No entanto, a princípio, não tomadas providências, a prefei- vam no lixão, e em outubro de madamente 40 cooperados, em cado e a Prefeitura também po- direção, professores, funcioná- sores dentro das salas. Passamos do patrimônio público contra o foi a preocupação com o futuro tura teria que pagar ao Ministé- 2002, foi formada a segunda co- 2005. derá ceder, durante a vigência mentira, não existe. “Sou favo- rios e para a maioria dos bons a controlar de forma mais enér- vandalismo.” rável de usar câmeras do planeta que rio Público uma operativa a Cocarema (Coope- Todas essas do contrato, ins- levou essas pes- Coopermaringá - a multa diária de rativa de Catadores de Materiais Cooperativas Hoje são cinco as talações e equi- alunos que vão à escola para gica a presença de estranhos em Para a estudante Ana Caro- como forma soas a sobrevi- primeira cooperativa 5000 mil reais. Recicláveis de Maringá), de reciclagem cooperativas em todas pamentos para estudar e não praticar vandalis- nossas dependências. Isso não lina Fabretti, nem sempre sor- educativa, ou seja, ver do lixo e sim instalada Então, a Se- estabelecida em um barracão continuam de- as regiões da cidade que as coopera- mo ou violência”. Segundo a é invasão de privacidade, afinal rir é um grande negócio. “É tris- usar a imagem para a extrema po- cretaria de Meio perto do lixão no Contorno Sul. senvolvendo tivas processem assessoria do parlamentar, ain- estamos em um local público”, te sorrir o tempo todo aqui na mostrar para os pais o que os explica. breza, discrimi- Ambiente orga- Os próprios trabalhadores suas atividades, porém em um os materiais recolhidos. da não há um estudo sobre explica. escola em dias de provas ou nação e exclusão social. Muitos nizou um projeto de ação, solici- adaptavam as instalações dos novo contexto econômico que O custo mensal para o mu- filhos fazem neste ambiente.” Segundo Peçanha, as quanto custaria a instalação das De acordo com a dona-de- entregas de trabalhos. Todo De acordo com o especia- câmeras podem ser boas para daqueles que são completamen- tando a parceria do Programa barracões para receber a coleta de maneira geral tem influencia- nicípio será muito baixo, face aos te excluídos do mercado formal Multidisciplinar de Estudos e Pes- e para ter condições de traba- do negativamente diversos seto- benefícios que o projeto vai pro- câmeras. casa Mariana Carvalho Guima- canto que eu olho vejo uma lista em educação Geraldo a escola, mas para o desenvol- do trabalho, só encontram nes- quisas sobre o Trabalho e os lho, fazendo baias, refeitórios e res. O mercado de materiais porcionar para a população, ao No Brasil há outras ações rães, a segurança na escola me- placa dizendo: ‘Sorria, você está Peçanha, nenhuma câmera vai vimento dos estudantes é pre- se contexto a forma de garantir Movimentos Sociais - Núcleo banheiros. recicláveis tem enfrentado um meio ambiente e às cooperati- parecidas como esse projeto de lhorou 100% sendo filma- substituir um bom pai e uma judicial. “A minha preocupação o sustento para si e de sua famí- Unitrabalho/UEM. Neste momento houve um dos piores momentos de sua his- vas. Lembrando que se o mate- Lei. O governo da Bahia, por com essa me- Os pais e diretores do!’ Detesto boa mãe, principalmente uma é que uma série de instituições lia. A partir daí, formou-se um trabalho de panfletagem e visitas tória com o agravamento da cri- rial não for coletado por essas co- exemplo, implantou a Patrulha dida. “Antes o têm de entender que isso. Sou Famílias inteiras encontraram grupo de trabalho (GT) que com nas escolas, feito pelos coopera- se financeira. Insumos como pa- operativas, se tornará responsa- boa escola. “Os alunos quando possuem, mas não elimina por e encontram nos famosos a aplicação de um questionário dos e pela prefeitura, para pel, papelão, plástico e metais bilidade da própria prefeitura e Escolar na área de abrangência povo entrava só com a presença da obrigada a fa- saem de um ambiente familiar completo a presença do ladrão. “lixões” de diversas cidades a identificou 102 famílias que vivi- conscientizar a população para a recicláveis agora encontram exigirá investimentos para a sua de Salvador e região metropo- e saia da esco- câmera o problema zer algo que e chegam até uma escola, vão Os pais e diretores têm de en- possibilidade de se alimentarem am do que coletavam no lixão e coleta seletiva. menor interesse das empresas, adequada destinação. litana. Está previsto a instalação la despercebi- da violência e até não quero. encontrar conflitos: o amigo tender que só com a presença (reaproveitando alimentos des- por meio de reuniões com esses Foi votada uma lei de incenti- que passaram a reduzir sua pro- Porém, mesmo aprovado de câmeras de vigilância em do. Agora não. mesmo assaltos não Acho errado pensa diferente, o amigo veio da câmera o problema da vio- cartados) e de obterem alguma catadores identificaram como al- vo à coleta seletiva para que a dução, como forma de corte de quase que unanimemente pelos todas as 1,7 mil unidades de Tudo e todos acaba. isso.” renda com a coleta de materiais ternativa de trabalho ao lixão a prefeitura pudesse destinar re- custos e acompanhando a que- vereadores, o projeto continua de uma família diferente, a situ- lência e até mesmo assaltos não recicláveis ali encontrados. organização em cooperativa. cursos à coleta seletiva e às coo- da na demanda. Com isso, o a espera da assinatura do atual ensino do Estado. são monitorados aos olhares O estudante Daniel Milton ação financeira é diferente da acaba. A câmera prejudica o Contudo, a Promotoria Pú- Assim, a prefeitura se com- perativas que sobreviviam dela, preço dos materiais recicláveis foi prefeito, Silvio Barros Magalhães Em Maringá algumas esco- tecnológicos. Assim como ou- Ferreira gostou das câmeras na dele. Mas essa situação gera, que desenvolvimento do aluno por- blica iniciou um movimento de prometeu a oferecer infra-estru- por meio de incentivos como pa- diretamente afetado e, em al- Barros II. las estaduais contam com esse tras mães, aprovo essa medida escola por trazer mais seguran- que quando ele está num am- são salutares para o desenvolvi- intervir e pressionar os dirigen- tura para o início dos trabalhos gamento de aluguel do barra- guns casos, caiu pela metade. Enquanto isso, os trabalhado- sistema, como é o caso da Es- tomada na escola”, conta. ça. “Agora não tenho medo de mento do aluno. A violência é biente social ele precisa desco- tes de algumas dessas cidades da cooperativa que surgia. Para cão, cestas básicas e vale-trans- Assim, embora a quantida- res que vivem da coleta seletiva A diretora do Instituto de ser agredido pelos outros alu- cola Estadual José de Faria Pioli. mais um desse conflito que o brir as regras necessárias para para que retirassem essas famíli- tanto, foi reformulada toda a co- porte para os trabalhadores. de de materiais que chegam encontram-se em situação pre- as do lixão, em face da degra- leta seletiva na cidade, sendo Desde o início as cooperativas aumente a cária de vida, com suas contas Segundo a diretora Joana Benta Educação Estadual de Maringá nos. Embora isso nunca tenha aluno tem a aprender a lidar”, viver ali”, explica. dante e perigosa atividade que realizada uma campanha a Prefeitura cada dia, os ganhos com vencidas, e com renda de me- Palandré Peres, as câmeras fo- (IEEM), Neide Gomes Cle- acontecido comigo, mas sem- educativa com a população para de Maringá separar o lixo reciclável e entre- e s t a b e l e - sua separação e nos de meio salário comercialização são cada vez mínimo. ram instaladas após várias dis- cussões entre os estudantes, a mente, diz que não tem pro- pre tive medo. Meu primo já blemas com os alunos na es- foi espancado na escola onde Participe do seu jornal gar diretamente à cooperativa. APMF (Associação de Pais e cola. “As câmeras filmam todos ele estuda e nada foi feito com Mestres) e a própria direção que entram aqui. Tudo é os meninos que bateram nele. sobre a segurança na escola. tranquilo. Se for para colocar Muitos viram, mas nessas ho- Após o entendimento a APMF mais câmeras, tem de haver ras ninguém sabe quem foi. Mi- realizou várias promoções e, com a verba adquirida, com- uma discussão bem ampla com nha tia trocou ele de escola por todos que estudam e trabalham conta disso”, conta. Ligue: 3 0 2 5 - 4 3 7 8 Página 14 2ª quinzena de maio/09 2ª quinzena de maio/09 Página 3

×