Artigo françoise debelle

649 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
649
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo françoise debelle

  1. 1. Revista Portuguesa de PsicossomáticaSociedade Portuguesa de Psicossomáticamedisa@mail.telepac.ptISSN (Versión impresa): 0874-4696PORTUGAL 2005 Françoise Debelle dos Santos AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH: REFLEXÕES E PARTILHA DUMA PRÁTICA Revista Portuguesa de Psicossomática, janeiro-dezembro, año/vol. 7, número 1-2 Sociedade Portuguesa de Psicossomática Porto, Portugal pp. 207-217 Red de Revistas Científicas de América Latina y el Caribe, España y Portugal Universidad Autónoma del Estado de México http://redalyc.uaemex.mx
  2. 2. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 207AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DEABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALATEACCH:REFLEXÕES E PARTILHA DUMA PRÁTICAFrançoise Debelle dos Santos* Resumo INTRODUÇÃO: O presente artigo tem por objectivo Para recordar as condições de im-apresentar uma prática de psicologia plantação do programa Teacchclínica de inspiração psicodinâmica comcrianças autistas numa Sala Teacch No fim dos anos 60 nos Estados Uni-cujas bases teóricas são de orientação dos, Eric Schopler insurgiu-se contra a tesecomportamentalista e cognitivista. Ten- de Bettelheim que tornava os pais respon-tamos indicar as divergências e propo- sáveis pelo autismo das suas crianças recu-mos alguns argumentos em favor da sando-se a qualquer colaboração com eles.complementaridade entre as duas abor- Em ruptura com esta orientação, que sedagens no seio duma equipa multidis- apresentava como psicanalítica, Schoplerciplinar. A questão da inclusão é breve- põe então, como postulado, que o autismomente evocada. Tentamos mostrar o pa- seria um distúrbio de origem orgânica pas-pel específico do psicólogo clínico ao lado sando a incluir activamente os pais no pro-não só das crianças mas também das cesso terapêutico, dando-lhes um estatutofamílias das crianças autistas. “de co-terapeutas”. Em 1972 é criada na Palavras-chave: Autismo; Psicolo- Caroline do Norte a Divisão Teacchgia clínica; Educação especial; Síndro- (“Treatment and education of autistic andme autístico; Sala Teacch; Abordagem related Comunication in handicapeddinâmica e Sala Teacch; Inclusão; Per- children”), constituindo assim um progra-turbação global de desenvolvimento; ma educativo e de saúde que tem a seuAlentejo. cargo não só criar serviços e formar técni- cos, mas também fazer investigação. O programa Teacch tem uma orienta- ção cognitiva e comportamental. A força deste programa vem da sua coerência, do* Psicóloga Clínica. Os meus agradecimentos sin- esforço desenvolvido em proporcionar os ceros a todas pessoas que me ajudaram na instrumentos necessários e da estratégia redacção deste artigo e mais especificamente à Dr.ª Carlota T. Ribeiro Ferreira que fez uma clara com que tenta responder às necessi- leitura minuciosa do conteúdo e da tradução dades específicas de cada criança. do texto. (E-mail: f.debelle@megamail.pt). R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A
  3. 3. 208 FRANÇOISE DEBELLE DOS SANTOS Actualmente, numerosos países adop- (Ver o jornal Público, 13 de Novembro de taram o programa teacch2. Em Portugal, a 1999). Da mesma maneira, aquando do primeira sala foi aberta em 1996, impulsi- 7º Congresso Internacional de Autisme – onada pela Equipa de Tratamento do Europe, organizado em Novembro de Autismo do Prof. Luís Borges, no Hospital 2003 em Lisboa pela APPDA; a aborda- Pediátrico de Coimbra. Seguidamente ou- gem psicanalítica brilhou pela sua ausên- tras salas foram sendo criadas no país, en- cia, embora tivessem sido apresentadas tre as quais a Escola Integrada de Vila várias intervenções e investigações sobre Boim, criada há dois anos, que iremos a questão da emoção e do afecto nas cri- apresentar mais adiante. anças autistas. Por conseguinte ter-se-a compreendido que a prática clínica de in- fluência psicanalítica não é actualmente a 1. ABORDAGEM PSICODINÂMICA abordagem dominante em Portugal. Ape- E ORIENTAÇÃO COMPORTA- sar de tudo, vamos tentar demonstrar MENTALISTA: O DEBATE como um psicólogo clínico de orientação dinâmica, pode trabalhar com toda a legi- A orientação organicista de Schopler timidade no âmbito das salas Teacch, ape- teve consequências importantes nos Esta- sar das divergências entre as duas aborda- dos Unidos não só para a definição do gens. Veremos seguidamente como estas autismo, mas também para a orientação da duas abordagens não são irremediavel- intervenção terapêutica, dado que a tónica mente incompatíveis. Por último, descre- vai passar a ser colocada no comportamen- veremos a nossa prática clínica na Escola to. Assim, o tratamento do autismo passa a Integrada de Vila Boim e apresentaremos ser encarado, essencialmente, como um alguns argumentos a favor da introdução tema relevante da educação especializada do psicólogo clínico de abordagem dinâ- e não um tema da psiquiatria. Teve ainda mica nas escolas portuguesas onde as sa- outra consequência importante que foi a las Teacch são implantadas. rejeição radical da teoria psicanalítica que inspirara Bettelheim3. Sabe-se hoje que a criação da Escola Ortogénica por Bettelheim se relaciona mais com a expe- riência traumática que ele viveu nos cam- pos de concentração em 1938 do que com a teoria psicanalítica4. Contudo, ainda 2 No caso de desejar mais informações acerca hoje em dia, os adeptos do método Teacch do método Teacch, consulte o site no Internet em português www.amams.hpg.ig.com.br e denegam e ocultam a abordagem psica- o site em inglês www.teacch.com. nalítica não só nos E.U.A., mas também 3 Havia, na mesma altura a psicanalista em Portugal. Recorde-se as reacções viru- Margaret Mahler que trabalhava nos E.U. com as crianças autistas, incluindo as mães no lentas na imprensa, de especialistas do processo terapêutico. autismo, no momento em que foi tradu- 4 Pollak Richard (1997) Bettelheim ou la fabri- zido em português o livro «Vers la parole» cation d’un mythe. Paris, les Empêcheurs de da psicanalista Marie-Christine Laznik tourner en rond, 2003. V O L U M E 7, N OS 1/2, JANEIRO/DEZEMBRO 20 0 5
  4. 4. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 209 1.1 Análise das divergências e even- Uma outra diferença deve notar-se no tuais compatibilidades entre as que diz respeito à questão dos problemas duas abordagens de comunicação das crianças autistas. As duas abordagens não se focalizam nos Dum ponto de vista teórico, vamos mesmos apoios para desenvolver as suastentar, agora, analisar o que diferencia es- intervenções.tas duas abordagens. O programa Teacch Com efeito, a hipótese de insuficiênciaparte do princípio que a criança autista de tratamento da informação conduz a in-tem um défice cognitivo de tratamento da tervenção comportamental a ter em containformação. A intervenção terá por objec- de maneira prioritária a insuficiência da re-tivo como diz Teo Peeters “estruturar ao lação entre os canais perceptivos. Conside-extremo o mundo externo da criança para ra que existe uma fraqueza cognitiva intra-fazer face à ausência de estruturação in- -individual que está na origem dos proble-terna da criança autista”5 (Constant J., mas relacionais da criança com o meio que1996). Essa estruturação vai ter como a rodeia. A constatação da fragilidade dasbase a organização do espaço/contexto da relações intersensoriais levou a uma inter-criança e a filtragem dos inputs externos venção que privilegia a percepção visual,para que a criança possa ir construindo minimizando a importância de outros estí-uma percepção do mundo e de si com mulos ambientais que a criança tambémmais coerência o que tornará possível o não integra satisfatoriamente.desenvolvimento. Esta abordagem ba- Face à paragem precoce de desenvolvi-seia-se na teoria da aprendizagem e apoia- mento da criança autista e do défice grave-se em estratégias da teoria do comporta- de comunicação, a abordagem dinâmicamento. privilegia a relação interpessoal na interven- Para a abordagem psicanalítica, o ção. O suporte teórico é a modelação daautismo é uma paragem de desenvolvi- constituição precoce do Ego [ver os autoresmento muito precoce como o recordaGeneviève Haag com “as clivagens possí-veis e de hiperdesenvolvimento de umsector ou hipodesenvolvimento de ou-tros”6 (Haag G., 1991). Constata-se umisolamento social e afectivo e a interven- 5 Constant Jacques (1996) Réflexion critiqueção visa uma reactivação dos processos sur la méthode Teacch à partir de cinq anspsíquicos da criança através da relação te- d’expérience en Hôpital de jour public..In: Handicap et inadaptation, les cahiers durapêutica. Jacques Constant constata que CTNETRHI, nº69-70."a hipótese psicodinâmica, intervém ao 6 Haag Geneviève. (1991) Les points de vuenível da génese simbólica entre o agido e éducatifs et psychothérapeutique concernanto representado enquanto que nos méto- l’autisme infantile éléments d’espoir pour leur rencontre et leur meilleure coordination. In:dos comportamentais, é a função de re- Cahiers de l’Education. Pédagogies- informa-paração directa (actual) que é privilegia- tique, nº7, Janvier-Mars 1991, pp.10-14.da“7 (Constant J., 1996). 7 Constant Jacques (1996). Ibid. R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A
  5. 5. 210 FRANÇOISE DEBELLE DOS SANTOS seguintes: Geneviève Haag8 (1991), Didier vo, considerado por D. Meltzer como o Houzel9 (1985), Donald Meltzer10 (1975), sistema defensivo fundamental do Frances Tustin11 (1990)]. O terapeuta pro- autismo. Para este mesmo autor, "o pen- curará, dentro dum quadro terapêutico samento se constrói sobre a experiência estruturado, a comunicação e a relação emocional ...” 12 (Haag G., 1990). com a criança. A observação fina dos Apesar de tudo, eleger o tipo de co- comportamentos, a análise da contra- municação em que se vai apoiar a inter- transferência, o recurso à atenção flutu- venção ou escolher “alvos” preferenciais ante, para usar a noção de Freud, serão para intervir junto da criança não signifi- alguns instrumentos que permitirão ao cam, em caso algum, que uma abordagem terapeuta restituir à criança o que ele exclua a outra, pois sabemos que ao nível compreende dos seus estados psíquicos no do desenvolvimento, a relação consigo decorrer das sessões. próprio e a relação com o mundo se en- Dito duma outra forma, o modelo edu- trelaçam não se podendo pensar em afec- cacional preocupar-se-á, na sua interven- to e em cognição como factores autóno- ção, em promover uma melhor autonomia mos e independentes. pessoal e em desenvolver na criança uma Refiro-me novamente a Geneviève comunicação funcional no dia-a-dia (SPC Haag13 (1990) que traduz perfeitamente o ou Makaton), enquanto o psicoterapeuta que a prática me ensinou, trabalhando com dinâmico visará a comunicação relacional e os docentes e as crianças autistas: " …Os psi- afectiva com o outro com o objectivo de re- canalistas nem sempre se preocupam em organizar os processos psíquicos. encontrar – ou nem sempre encontram – Geneviève Haag analisa esta divergên- um meio psicopedagógico que esteja ele cia entre as duas abordagens pelo facto de mesmo em busca e adaptado ao momento hipóteses de base radicalmente inversas: de desbloqueio de algumas capacidades in- “Para os adeptos da teoria cognitivista, os telectuais, desbloqueio bem identificável distúrbios da cognição (percepção, aten- ção, memória, julgamento, pensamento), instaurados precocemente, fazem obstá- culo à empatia, à identificação e ao reco- 8 nhecimento das emoções de outrem. Os Haag G. (1991). “Nature de quelques identi- fications dans l’image du corps”. In: Journal psicanalistas na esteira de M.Klein, vêem de la psychanalyse de l’enfant, 10, 73-92. as coisas completamente no outro senti- 9 Houzel D. (1985). “Le monde tourbillonnaire do: por exemplo para D. Meltzer e W. de l’autisme”. In: Lieux de l’enfance, 3, 1985. Bion, “a atenção”, função primordial de- 10 Meltzer D. (1975) Exploration dans le monde de l’autisme. Paris, Payot, 1980. senvolvida nas primeiríssimas relações, mas talvez tendo também qualidades de 11 Tustin F. (1990) Autisme et protection. Paris, Seuil, 1992. bases inatas diferentes, organiza a percep- 12 Haag G. (1990). “Abordagem psicanalítica do ção por uma sorte de função agrupadora autismo e da psicose da criança”. In: Autismo que teria no autismo, a propriedade de se e psicose da criança , Porto Alegre, Artes Médicas, pp.128-139. “afrouxar”, permitindo o mecanismo de 13 desmantelamento do aparelho percepti- Haag G. (1990), ibid. V O L U M E 7, N OS 1/2, JANEIRO/DEZEMBRO 20 0 5
  6. 6. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 211no interior dos tratamentos psicanalíticos. do por uma Professora e uma Educadora,Isto suporia um diálogo, uma pesquisa co- todas as crianças têm sessões semanais demum entre os psicanalistas – psicoterapeu- musicoterapia, actividades equestres etas, os educadores e os pedagogos. (...). De psicomotricidade na água; duas delas têmmaneira inversa, é realmente lamentável um acompanhamento psicológico indivi-que alguns cognitivistas, parecendo aplicar dual.suas descobertas com tacto e numa atmos- A criação da Sala Teacch em Vila Boimfera calorosa, privem-se dos tratamentos resultou em grande parte da determina-psicanalíticos, numa aliança que seria sem ção da coordenadora dos apoios educati-dúvida preciosa, uma vez que estes méto- vos de Elvas da altura e das professoras dedos pedagógicos se destacam de um condi- apoio que trabalhavam com várias crian-cionamento operante rígido e mecanizan- ças autistas nas turmas do ensino regularte, cuja aplicação, por sua vez, seria sem do concelho de Elvas. Confrontadas nadúvida incompatível com uma abordagem prática com dificuldades em atingir os ob-psicanalítica paralela”14 (Haag G., 1990). jectivos educativos de crianças com autismo grave, optaram com entusiasmo por um projecto de sala Teacch. Nesta al- 2. APRESENTAÇÃO DA SALA TEACCH tura, a signatária destas linhas recebia em DE VILA BOIM psicoterapia, na Associação Portuguesa de Paralisia Cerebral de Évora, uma menina Feitas estas observações, podemos autista de Elvas e reunia regularmenteapresentar a sala de Vila Boim e a nossa com a sua professora de apoio, envolvidaprática de psicóloga clínica no seio duma no projecto da criação da Sala.Equipa educativa que utiliza o programaTeacch. A sala da Escola Integrada de VilaBoim no Alentejo (Portugal) recebe 5 cri- 3. O PAPEL DO PSICÓLOGO CLÍNI-anças. Três delas foram diagnosticadas CO DE ABORDAGEM DINÂMICAcomo autistas pela Equipa de Autismo do NUMA SALA TEACCHHospital Pediátrico de Coimbra, outraapresenta uma Trissomia 21 com traços O papel do psicólogo numa sala Teacchautísticos; a quinta é uma criança com é múltiplo e o tipo de intervenção queepilepsia associada a uma hidrocefalia. pode desenvolver é tributário da sua for-Esta última é a única que usa a fala, em- mação inicial (educacional, clínica debora esporadicamente e com ecolalia. Os abordagem comportamental ou dinâmi-cinco alunos apresentam um grave atraso ca, etc.).mental. Além do ensino na sala, orienta- Apresentarei, no que segue, de manei- ra sucinta a minha prática de clínica dinâ- mica. É obvio que a vertente de avaliação14 Acrescentamos que manter um condiciona- é necessária no âmbito da sala. Todavia, a mento operante rígido com as crianças au- solicitação expressa pelos responsáveis co- tistas arrisca-se a aumentar as perturbações emocionais e cognitivas no período crítico da locava a prioridade na intervenção junto adolescência. dos pais das crianças autistas. De facto, R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A
  7. 7. 212 FRANÇOISE DEBELLE DOS SANTOS embora as professoras assegurassem uma taram vir com a esposa tiveram a possibi- presença atenta aos pais, depressa se aper- lidade de exprimir na presença da mulher ceberam que as dificuldades emocionais a sua ferida, proporcionando aos dois uma dos últimos ultrapassavam as suas com- melhor compreensão do sentir do outro. petências educativas e pedagógicas. Consoante as necessidades das famí- lias, instaura-se um apoio psicopedagógi- 3.1. Avaliar com instrumentos adap- co, ou uma psicoterapia quando esta é pe- tados dida ou sentida como necessária para o equilíbrio do casal e da família. Neste Uma das áreas da intervenção psicoló- apoio psicológico é abordada a questão do gica refere-se à avaliação. De facto, para de- equilíbrio familiar com os irmãos e/ou ir- finir a intervenção educativa, as professo- mãs da criança autista, que podem, espe- ras têm necessidade de conhecer as capaci- cialmente, quando chega o período da dades das crianças. A equipa de Schopler adolescência, mostrar grandes dificulda- desenvolveu instrumentos psicométricos des relacionais e emocionais, aumentan- específicos para as crianças autistas que do do lado parental o sentimento de não permitem, por exemplo, avaliar os níveis serem “bons pais...”. O psicólogo clínico de desenvolvimento das crianças ou dos tem aqui um papel de suporte a diversos adolescentes para domínios dados (a imi- níveis. A escuta clínica permite acolher a tação, a percepção, a motricidade fina e raiva, o desespero, a incompreensão, a global, a coordenação oculo-manual, a ver- negação, sem julgar. O psicólogo ajuda, balização, a autonomia, a socialização). Em em articulação com a equipa, na procura função dos resultados obtidos pela criança de soluções para o dia a dia, mas também em cada domínio, a equipa de Schopler pro- apoia no sentido de diminuir sentimentos pôs uma série de actividades educativas de culpa dos pais que, às vezes, deixam adaptadas ao nível do desenvolvimento da não só de sair com a criança – tanto o criança. O psicólogo pode, ainda, sentir ne- olhar social é insuportável – mas também cessidade de utilizar outros testes, não es- deixam de conviver como casal fora da pecíficos ao autismo, para obter uma com- casa, pois a ideia da criança ficar com a preensão mais ampla do funcionamento ama ou com os avós é, muitas vezes, im- da criança. pensável... 3. 2. Os pais 3.2.2. Grupos de pais Também instituímos com as professo- 3.2.1 Apoio individualizado ras um grupo de pais que se reúne men- Uma outra vertente da nossa interven- salmente. A iniciativa tem a vantagem de ção psicológica é o apoio emocional aos reforçar as relações entre a escola e a fa- pais para fazerem face às dificuldades que mília, de permitir uma partilha do dia-a- estes encontram. Procuramos, desde o -dia entre pessoas com necessidades e pre- início, ter a presença do pai e da mãe, em- ocupações semelhantes, de facultar uma bora saibamos que a tendência para a mãe troca indispensável sobre a evolução da vir sozinha é frequente. Os pais que acei- criança, os seus progressos ou as suas re- V O L U M E 7, N OS 1/2, JANEIRO/DEZEMBRO 20 0 5
  8. 8. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 213gressões eventuais. Uma das riquezas des- tanto, o recurso a um profissional expe-tes encontros é que permitem uma trans- riente e/ou a um psicanalista é-lhe útilmissão de vivência entre os pais. Por para um trabalho reflexivo e de supervi-exemplo, o impacto do testemunho de são sobre a sua prática terapêutica juntouma mãe foi insubstituível para fazer das crianças.compreender a outra a importância que Privilegiando a relação no âmbito tera-teve a utilização das imagens SPC (cartões pêutico, as sessões como diz J. Hochmann,de comunicação alternativa) para comu- “visam abrir a criança à relação com os ou-nicar com a criança no dia-a-dia. As dis- tros e consigo mesma, para, progressiva-cussões às vezes são vivas e permitem mente, ir criando capacidade de represen-uma troca intensa ao nível emocional. tação e tornar-se capaz de reinvestir o seuEste tempo reservado aos pais faz emergir aparelho psíquico ”15 (Hochmann J, 1997).perguntas, dúvidas, revoltas, mas também Quais são os instrumentos do terapeuta?esperanças. Como já o assinalei, principalmente a ob- O grupo quebra o isolamento de al- servação da criança e a análise da contra-guns e permite encontrar soluções práti- transferência perante a “ausência” da cri-cas como, por exemplo, preparar as férias ança. Note-se que, mesmo que estas crian-escolares de verão – terrivelmente longas ças a maior parte do tempo não falem, elaspara estas crianças. têm, em maior ou menor grau, acesso à Este espaço de diálogo permitiu-nos, compreensão da língua e, por conseguin-igualmente, introduzir a questão da se- te, às palavras do terapeuta. É a partir daxualidade, que “coloca problemas” na nossa compreensão do funcionamento psí-medida em que as crianças autistas têm, quico precoce que o trabalho terapêuticomuitas vezes, gestos ou comportamentos vai realizar-se e que o terapeuta tentará tra-sexuais que são socialmente inadaptados. duzir os comportamentos observados (an-Se esta questão da sexualidade pode ser gústia, “autosensorialidade”, penetraçãoevocada durante os encontros de casal, do olhar ou, o inverso, fuga do olhar,discuti-la em grupo é construtivo para os medo, apreensão, etc.)16 (Haag G, 1991).pais que, em comum, reflectem e discu- A análise da contratransferência é es-tem o problema e apontam estratégias. sencial para poder traduzir em palavras os movimentos, os olhares, os picos de an- 3.3. Psicoterapia para as crianças au- gústia, para tentar conter as angústias ar- tistas caicas destas crianças e para trabalhar os processos de diferenciação dentro/fora, Uma outra competência que o psicólo- ou ainda bom/mau. É evidente que a in-go clínico de abordagem dinâmica pode tervenção é difícil, delicada e fastidiosapôr ao serviço das crianças autistas é o tra- porque visa “um emparelhamento psíqui-balho psicoterapêutico. É de recordar queo psicólogo clínico de abordagem dinâmi-ca pode fazer uso do modelo freudiano do 15 Hochmann Jacques (1997) Pour soigner l’enfant autiste. Paris, Odile Jacob.funcionamento psíquico do ser humano 16 Haag Geneviève (1991) Ibid.sem, no entanto, ser psicanalista. No en- R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A
  9. 9. 214 FRANÇOISE DEBELLE DOS SANTOS co” com a criança, que esta procurará des- criança portadora duma deficiência pro- truir sistematicamente17 (Debelle dos San- funda (o que é verdade quer se trate de tos F., 1999). Retorno às numerosas pu- uma criança autista, psicótica ou atingida blicações da Dr.ª Geneviève Haag, psi- por uma paralisia cerebral severa). quiatra e psicanalista, que me foram es- Nestas condições, era difícil insistir – e senciais para tentar abordar o funciona- às vezes mal percepcionado também por- mento psíquico destas crianças e poder que em contradição com as ideias estabe- iniciar terapias com eles. Sem podermos lecidas – no facto que a inclusão destas entrar nos pormenores sublinharemos crianças não devia significar necessaria- que a especificidade da psicoterapia de mente a sua presença física e a tempo in- abordagem dinâmica é de propor à crian- teiro numa turma do ensino regular. Com ça “uma mente para poder pensar” reto- efeito, incluir as crianças com autismo se- mando a formulação de W. Bion. vero não acarreta que se deva levá-las a Enfim, pensamos que seria mais ade- viver na fusão e na indiferenciação numa quado realizar uma intervenção psicote- sala do ensino regular, por receio da dis- rapêutica fora do quadro escolar e educa- criminação. A inclusão será, pois, constru- tivo. Mas não existem, ao que parece, em tiva se houver uma capacidade dos docen- Portugal, ao contrário do que acontece tes para identificar as diferenças e as ne- noutros país da Europa, infra-estruturas cessidades de cada aluno e para poder dar- públicas de Saúde que proponham esta -lhes uma resposta adaptada. Nos casos orientação terapêutica. em que o “handicap” é profundo e seve- ro, pode revelar-se indispensável criar es- paços específicos para responder às suas 4. DISCUSSÃO necessidades próprias. A criação de uma sala Teacch só faz sentido quando pensa- 4.1. Criar uma sala Teacch prejudica da deste modo. à inclusão da criança autista? Tendo em conta as dificuldades de so- cialização e de interacção que caracteri- Uma das principais reticências com zam o autismo, é óbvio que elas exigem que se deparava o projecto da sala Teacch adaptações, tanto técnicas como organi- relacionava-se com a questão da inclusão zacionais, que envolvem o conjunto do das crianças. E sabemos que a Declaração estabelecimento e dos actores. Será por de Salamanca em 1994 estipula que “to- exemplo, necessário criar um espaço que dos os alunos aprendam juntos sempre lhes seja reservado, na cantina para o al- que possível, independentemente das di- moço ou então durante os recreios, susci- ficuldades que apresentam”. Na prática, contudo, muitos professo- 17 Foi o que me motivou para orientar a minha res de apoio que encontrávamos na APPC tese de Mestrado: Debelle dos Santos concordavam em reconhecer grandes di- Françoise. (1999) Si ça le touche: à la recherche d’une assise sensorielle chez ficuldades para estabelecer uma rotina e l’enfant autiste, DEA de Philosophie, Option um programa fortemente estruturado no Etudes psychanalytiques, Université Paul meio duma turma do regular, com uma Valéry, Montpellier. V O L U M E 7, N OS 1/2, JANEIRO/DEZEMBRO 20 0 5
  10. 10. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 215tar os encontros e as interacções entre to- Em suma, é o olhar que dirigimos parados alunos da escola, aceitar as idas e vin- a criança autista que determinará, no fi-das dos alunos entre a sala Teacch e as sa- nal de contas, que uma inclusão seja oulas do regular. Considerando as caracte- não bem sucedida Para poder olhar semrísticas do autismo, é obvio que tanto “a mal-estar sem indiferença, sem piedade,logística” como o funcionamento global temos de aceitar em nós a “estranheza in-da escola têm que dar provas de flexibili- quietante” que estas crianças gerem. É sódade e de criatividade para permitir que com esta aceitação que poderá emergiras crianças autistas possam estabelecer um sentimento de respeito em face dauma interacção com o meio que seja es- particularidade e do enigma dos compor-truturante e não fonte de angústia suple- tamentos autisticos; (a etimologia latinamentar. de respeitar significa “a acção de olhar Se todas estas adaptações forem imple- para trás”)19 (Kristeva J., 1985). A criaçãomentadas no seio da escola, por que razão de espaços sociais susceptíveis de instau-deveria a criança autista integrada numa rar relações fundadas no respeito supõe,sala Teacch sofrer de exclusão? Na práti- por conseguinte um trabalho reflexivo deca, se o sucesso da inclusão depende em cada um de nós, mas também um traba-parte dos meios mobilizados pelas insti- lho colectivo, o que permite avaliar a pro-tuições educativas, temos de constatar fundidade das mudanças de mentalidadesque depende também da capacidade para que exigem estas perspectivas, e tambémdefrontar questões mais abrangentes, que o tempo necessário para atingir tais objec-são de ordem filosófica e ética, tanto ao tivos.nível dos indivíduos como ao nível colec-tivo. CONCLUSÃO 4.2. “Uma estranheza inquietante” O psicólogo clínico de abordagem di- O que é que, em definitivo, a criança nâmica tem competência para intervirautista vem pôr em questão, com a sua junto das famílias e das crianças autistas.diferença? Por que razões tenderá a sua Contribui, na abordagem educativa dapresença a suscitar mal-estar? De facto o Equipa, avaliando as crianças com instru-portador de autismo activa uma zona de mentos adaptados e propondo sugestõessombra, uma parte de nós próprios que de actividades de acordo com o modelopermanece alheia ao controlo e enigmáti- de Schopler.ca, região psíquica que temos dificuldadeem pensar, em simbolizar e é, portanto,difícil de reconhecer e aceitar enquanto 18 Freud Sigmund (1919). “L’inquiétante étran-tal. O autismo suscita, para utilizar a ex- geté et autres essais”. Paris: Gallimard, 1985, p.215.pressão de Freud, “uma estranheza inqui- 19 O livro de Julia Kristeva “Etrangers à nous-etante” 18 (Freud, 1919), que cada um de -mêmes », Paris Fayard, 1988 é uma referên-nós tenta gerir em função da sua história cia importante para pensar a diferença, qual-e da sua vivência pessoal. quer que seja. R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A
  11. 11. 216 FRANÇOISE DEBELLE DOS SANTOS A especificidade do psicólogo clínico de França, por exemplo), os avanços destes abordagem dinâmica reside, pela sua for- últimos vinte anos na prática psicanalítica mação, nomeadamente, na capacidade de com crianças autistas que muito contri- escuta clínica, centrada no sofrimento psí- buíram para uma melhor compreensão quico tanto da criança autista como dos do funcionamento psíquico do ser huma- seus familiares. no e para uma melhor resposta terapêuti- É porque se privilegia a relação e a pro- ca, são factores que solicitam uma recon- cura da emergência de processos psíqui- sideração das posições radicais dos profis- cos precoces que a psicoterapia de orien- sionais adeptos duma abordagem cogniti- tação dinâmica permite, tanto a médio vista. Da mesma maneira, os defensores como a longo prazo, reforçar e melhorar duma abordagem psicodinâmica não po- as aquisições escolares e a aprendizagem dem ignorar as investigações actuais na numa sala Teacch. área das neurociências. Enfim, fazer dos pais os “co-terapeutas” Por último, no estado actual dos conhe- como o propunha Schopler apenas será cimentos e face à ausência de investigação possível, do nosso ponto de vista, quando comparativa fiável que permita uma avali- os pais puderem ser acompanhados no so- ação da eficácia respectiva das diferentes frimento que vai do trauma do diagnóstico orientações terapêuticas para o tratamen- a uma transformação psíquica que lhes vai to do autismo – quer estas sejam farma- permitir fazer o luto da criança com a qual cêuticas, neurosensoriais, comportamen- sonharam, e conseguir afrontar uma reali- talistas ou psicanalíticas20 (Aussilloux C., dade difícil. Só depois desse caminho pode- Baghdadli A., 2000), parece-nos que o rão preencher o papel que lhes é reservado bom-senso será trabalhar com todas as no programa Teacch e só então, esse papel metodologias de intervenção ao dispor do fará realmente sentido. Pedir ao educador e psicólogo, reconhecendo e aceitando os à professora que acompanhem este doloro- paradoxos que podem emergir da diversi- so percurso emocional dos pais excede as dade das abordagens e das formações. suas competências, apesar da forte empatia e do grande investimento que põem ao ser- viço das crianças e das famílias. O breve resumo da nossa prática clíni- ca na Sala Teacch mostra que, talvez mais ainda que em outras equipas, a diversida- de de abordagem torna imperativa que cada técnico defina claramente as suas áreas de competências, conhecendo tam- bém os seus limites. O reconhecimento de erros passados, o desejo de numerosos psicanalistas em 20 Aussilloux Charles. Baghdadli A. Les autismes, realizar investigação de maneira multidis- présentation, informations récentes. Comu- ciplinar e com profissionais de abordagens nicação Reseau autime France Flandres Lys, diferentes (Investigação do Inserm em 26 Septembre 2000. V O L U M E 7, N OS 1/2, JANEIRO/DEZEMBRO 20 0 5
  12. 12. AUTISMO E PSICOLOGIA CLÍNICA DE ABORDAGEM DINÂMICA NUMA SALA TEACCH 217 Abstract This articles aims to present apractice of clinical psychologist ofpsychoanalytical inspiration, nearautistic children in a Teacch room,whose theoretical bases are behavioristorientation. We try to release thedivergences between the behaviorapproach and psychoanalytical and wetry to explain the complementaritybetween these two types of approachwithin a multidisciplinary team. Werefer then what makes the specificity ofour approach and in what it optimizesthe educational objectives to reach withthe autistic children in a Teacch room. Key-words: Autistic syndrome;Teacch; Clinical psychologist; Specialeducation; Autism; Inclusion. R E V I S TA P O RT U G U E S A D E P S I C O S S O M Á T I C A

×