Desenvolver-se desenvolver: como puxar o fio do texto
O Objetivo desta aula é demostrar algumas estratégias argumentativas...
Desenvolvimento 1

Introdução

O Desenvolvimento
Desenvolvimento 2 e 3

O Desenvolvimento
Conclusão

O Desenvolvimento

Na conclusão, o escrevente opta por retomar genericamente sua tese enunciada na
introdução e...
Coerência e Coesão
Coerência = plano da ideia: mudar uma situação vigente, fugir da monotonia e uma realidade
hostil à vid...
Estratégias Argumentativas
Estratégias Argumentativas

(1) Certamente, é muito mais prejudicial à imagem da USP, sendo a universidade mais
importante...
Estratégias Argumentativas

Essa ponderação ganha ainda mais razoabilidade, diante do contexto fático citado acima,
de (3)...
Estratégias Argumentativas

Alusão Histórica
“Até meados do século 19, cinco milhões de africanos negros foram aprisionado...
Dados estatísticos

Invisível, acuada por baixos salários e destituída das prerrogativas primárias da cidadania
--moradia,...
Estratégias Argumentativas

Dados estatísticos e comparação

“A taxa de homicídios no Brasil chega a 20 assassinatos por g...
Exemplificação

“Voltamos as costas ao outro --seja ele o imigrante, o pobre, o negro, o indígena, a
mulher, o homossexual...
Citação
Segundo o escritor Luiz Ruffato, carregamos conosco o genocídio indígena,
já que dos 4 milhões que aqui viviam, ho...
Fonte
http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/guia_participante/2013/guia_participante_redacao_enem_2013.pdf
http...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Desenvolver-se e desenvolver: como puxar o fio do texto

731 visualizações

Publicada em

O Objetivo desta aula é demostrar algumas estratégias argumentativas e capacitá-lo a desenvolver os argumentos na redação de acordo com sua introdução, tornando o texto um todo coeso.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
731
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolver-se e desenvolver: como puxar o fio do texto

  1. 1. Desenvolver-se desenvolver: como puxar o fio do texto O Objetivo desta aula é demostrar algumas estratégias argumentativas e capacitá-lo a desenvolver os argumentos na redação de acordo com sua introdução, tornando o texto um todo coeso.
  2. 2. Desenvolvimento 1 Introdução O Desenvolvimento
  3. 3. Desenvolvimento 2 e 3 O Desenvolvimento
  4. 4. Conclusão O Desenvolvimento Na conclusão, o escrevente opta por retomar genericamente sua tese enunciada na introdução e reforça seu último argumento, Luther King.
  5. 5. Coerência e Coesão Coerência = plano da ideia: mudar uma situação vigente, fugir da monotonia e uma realidade hostil à vida; muito além da recreação e pode salvar vidas. • A vida é bela • Naufrago • Martin Luther King Por meio de filmes e do famoso discurso do líder negro norte-americano, constrói-se um texto com progressão de ideias e que corresponde a tudo que foi exposto na introdução. Há evolução do texto dentro mesmo eixo temático (“Essas imagens exercem importantes papéis na alma humana...) Coesão = plano linguístico: Mesmo em(l2); seja com(l3 e l4); seja para(l4) ou (l5); Mas isso(l13); Ambos os exemplos dados (l18); Assim como(l19); A realidade, entretanto,(l24) e Após King(l26). Esses e outros conectores demonstram a capacidade de articulação e “amarração” do texto.
  6. 6. Estratégias Argumentativas
  7. 7. Estratégias Argumentativas (1) Certamente, é muito mais prejudicial à imagem da USP, sendo a universidade mais importante da América Latina, a desocupação de estudantes de um de seus prédios com o uso da tropa de choque, sem contar possíveis danos à integridade física dos estudantes, ratificando, mais uma vez, a tradição marcadamente autoritária da sociedade brasileira e de suas instituições, (2) que, não reconhecendo conflitos sociais e de interesses, ao invés de resolvê-los pelo debate democrático, lançam mão da repressão ou da desmoralização do interlocutor. Aqui, não se olvide que sequer escapa desse "pensamento único", infelizmente, a maioria da mídia e da própria sociedade, amalgamada, por longos anos, nessa tradição de pensamento autoritário. (1) Proporcionalidade (2) Causa-consequência
  8. 8. Estratégias Argumentativas Essa ponderação ganha ainda mais razoabilidade, diante do contexto fático citado acima, de (3) ausência total de disposição política da Reitoria de iniciar um debate democrático com os estudantes, professores e servidores a respeito de diversos temas sensíveis e relevantes à melhoria da própria qualidade da universidade. Um deles, sem dúvida, é o de eleição direta para Reitor. (3) O próprio Poder Judiciário do Estado de São Paulo sofre as agruras de normas editadas em regime de exceção, absolutamente antidemocráticas, para a eleição de sua cúpula administrativa. (3) Comparação
  9. 9. Estratégias Argumentativas Alusão Histórica “Até meados do século 19, cinco milhões de africanos negros foram aprisionados e levados à força para o Brasil. Quando, em 1888, foi abolida a escravatura, não houve qualquer esforço no sentido de possibilitar condições dignas aos ex-cativos. Assim, até hoje, 125 anos depois, a grande maioria dos afrodescendentes continua confinada à base da pirâmide social: raramente são vistos entre médicos, dentistas, advogados, engenheiros, executivos, jornalistas, artistas plásticos, cineastas, escritores”. Luiz Ruffato
  10. 10. Dados estatísticos Invisível, acuada por baixos salários e destituída das prerrogativas primárias da cidadania --moradia, transporte, lazer, educação e saúde de qualidade--, a maior parte dos brasileiros sempre foi peça descartável na engrenagem que movimenta a economia: 75% de toda a riqueza encontra-se nas mãos de 10% da população branca e apenas 46 mil pessoas possuem metade das terras do país. Historicamente habituados a termos apenas deveres, nunca direitos, sucumbimos numa estranha sensação de não pertencimento: no Brasil, o que é de todos não é de ninguém... Luiz Ruffato
  11. 11. Estratégias Argumentativas Dados estatísticos e comparação “A taxa de homicídios no Brasil chega a 20 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes, o que equivale a 37 mil pessoas mortas por ano, número três vezes maior que a média mundial. E quem mais está exposto à violência não são os ricos que se enclausuram atrás dos muros altos de condomínios fechados, protegidos por cercas elétricas, segurança privada e vigilância eletrônica, mas os pobres confinados em favelas e bairros de periferia, à mercê de narcotraficantes e policiais corruptos”. Luiz Ruffato
  12. 12. Exemplificação “Voltamos as costas ao outro --seja ele o imigrante, o pobre, o negro, o indígena, a mulher, o homossexual-- como tentativa de nos preservar, esquecendo que assim implodimos a nossa própria condição de existir. Sucumbimos à solidão e ao egoísmo e nos negamos a nós mesmos.” Luiz Ruffato
  13. 13. Citação Segundo o escritor Luiz Ruffato, carregamos conosco o genocídio indígena, já que dos 4 milhões que aqui viviam, hoje restam apenas 900 mil. “Nascemos sob a égide do genocídio.” Assim o escritor Luiz Ruffato retrata o nascimento do Brasil em seu discurso de abertura na Feira do Livro de Frankfurt de 2013...
  14. 14. Fonte http://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/guia_participante/2013/guia_participante_redacao_enem_2013.pdf http://www.fuvest.br/vest2010/bestred/102321.html http://educacao.uol.com.br/noticias/2013/10/09/justica-de-sp-nega-pedido-de-reintegracao-de-posse-da-reitoria-dausp.htm http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,leia-a-integra-do-discurso-de-luiz-ruffato-na-abertura-da-feira-do-livro-defrankfurt,1083463,0.htm

×