Conclusão: como salvar o mundo em um parágrafo

1.862 visualizações

Publicada em

O Objetivo desta aula é capacitá-lo a elaborar uma proposta de intervenção para o problema apresentado na proposta de redação do ENEM.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
53
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conclusão: como salvar o mundo em um parágrafo

  1. 1. LETRAS REDAÇÃO
  2. 2. AULA DE HOJE: ÃO: LUS EM NC CO NDO MU RO LVA SA AFO MO GR O C RÁ PA UM
  3. 3. TEMAS ABORDADOS: ü  ELABORAÇÃO DA POPOSTA ü  INTERVENÇÃO PARA O PROBLEMA
  4. 4. PROFESSOR NORIVAL LEME NORIVAL  LEME  JUNIOR  É  FORMADO  EM  LETRAS  PELA   USP.  LECIONA  LÍNGUA  PORTUGUESA,  LITERATURA  E   REDAÇÃO.  POETA  E  BLOGUEIRO,  É  AUTOR  DO  LIVRO   POEMAS  INCOMPLETOS  E  OUTROS  TEXTOS.     SEMPRE  QUE  PODE  FOGE  PARA  O  SAMBA  PARA   RECARREGAR  AS  BATERIAS.  
  5. 5. ro.pos.ta) (p sf. 1.  Ação ou resultado de propor 2. Aquilo que se propõe, que se oferece; PROPOSIÇÃO; MOÇÃO; OFERTA
  6. 6. ro.pos.ta) (p sf. Projeto, plano que se submete à apreciação de outrem [+ de, para, sobre: Discutiu-se a proposta de negociação: Fez uma proposta para o chefe: Sua proposta sobre a reforma era a mais viável.]
  7. 7. so.lu.ção) ( sf. Aquilo que encerra um assunto; CONCLUSÃO; DESENLACE; DESFECHO: Chegara, afinal, à solução do conflito [ antôn.: Antôn.: começo, início. ] [Pl.: -ções] [F.: Do lat. solutio,onis. Ideia de 'solução', usar suf. - sol]
  8. 8. MAIS Visando aproveitar tais benefícios, o ARREDAÇÃO DO INSS governo poderia começar a implantar, nas regiões por onde chegam os imigrantes, mais órgãos e agências que oferecessem serviços de regularização do visto e da carteira de trabalho, posto que ainda há muita deficiência de controle nesse setor. Além disso, nos destinos finais desses imigrantes poderiam ser oferecidos cursos de português e cursos qualificantes voltados para os mesmos. Isso facilitaria muito a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho formal e poderia inclusive suprir a alta demanda por mão-de-obra em setores como o da construção civil, por exemplo.
  9. 9. Nesse sentido, é preciso que atitudes mais energéticas sejam tomadas a fim de que o país não deixe escapar essa oportunidade: a de transformar o problema da imigração crescente em uma solução para outros. A questão merece mais atenção do governo, portanto, pois não deve ser a toa que o Brasil , além de ser conhecido pela hospitalidade, também o é pelo modo criativo de resolver problemas. Prestemos mais atenção aos olhares que nos cercam; deles podem vir novas oportunidades. REDAÇÃO DE: CAROLINE LOPES DOS SANTOS Santa Maria/RS – P.32 – GUIA 2013
  10. 10. CONCLUSÃO O Brasil é destino cobiçado na mente de empresários, trabalhadores e turistas hoje. Para aproveitar esse momento, o governo deve inserir esses imigrantes no mercado de trabalho, aproveitar sua qualificação e incentivar o intercâmbio cultural . Dessa forma, a herança das imigrações será bem utilizada. Redação de PEDRO IGOR DA SILVA FARIAS Teresina/PI – p. 34 – Guia 2013
  11. 11. EXCESSO Diante disso, é necessária a aplicação de medidas visando a um maior controle da internet. A implantação, na grade escolar brasileira , do estudo dessas novas tecnologias de informação, incluindo as redes sociais, e a , consequente , formação crítica dos brasileiros, seria um bom começo. DE EXPOSIÇÃO, FALTA DE PRIVACIDADE Só assim, poderemos negar as previsões feitas por George Orwell e ter um futuro livre do controle e da alienação. REDAÇÃO DE: ISABELA CARVALHO LEME VIEIRA DA CRUZ RIO DE JANEIRO (RJ). P. 32 – GUIA 2012
  12. 12. INTRODUÇÃO Têm sido alvo de muitas polêmicas no Brasil, o assunto sobre a redução, ou não da maioridade penal. O seu objetivo principal é a diminuição dos índices de criminalidade, muita das vezes cometida pelos menores infratores. Contudo, será mesmo que é essa a melhor saída?! Não teriam outras soluções para essa problemática? DESENVOLVIMENTO Uma parcela significativa da população apoia a redução da maioridade, que passaria de dezoito anos para dezesseis. Eles firmam-se nessa opinião, crendo que os jovens não têm devida punição e que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) “passa muito a mão na cabeça deles.”
  13. 13. DESENVOLVIMENTO Entretanto, aprisionar mais quantidades de jovens sem sequer um regimento interno dos presídios adequado, é tentar resolver um problema sem que realmente essa seja a solução; com isso haveria superlotação do sistema penitenciário, que geraria fuga dos detentos, etc. É como pessoas que possuem gastrite tomarem leite na tentativa de amenizar a sua dor e passando-se um tempo essa dor volta com mais intensidade. Cabe mencionar ainda que esses menores, não dispuseram de educação de qualidade, muitos deles não tiveram a figura paterna ao seu lado para aconselhálos, e cresceram indignados com a sua situação. Eles viram no mundo do crime uma “luz no fim do túnel”. O fato de eles terem vivenciado tais situações não impede que eles sejam “punidos”, pelo contrário, mas que isso ocorra de uma forma didática.
  14. 14. CONCLUSÃO A solução para a não redução da maioridade penal seria a base de tudo, ou seja, a educação. Medidas preventivas, como maiores investimentos na educação, aulas mais interessantes, que incentivem o raciocínio do aluno, que farão com que esses adolescentes não tenham como única opção na vida, o crime. E as corretivas que seriam a socialização dessas pessoas, através da cultura, dos esportes, cursos profissionalizantes, ou seja, atividades interessantes que ocupem o tempo desses menores com coisas produtivas, e que os incentivem a continuarem estudando e se preparando para o mercado de trabalho.
  15. 15. NTÁRIO GERAL COME ü  O tema de fato é polêmico, mas começar destacando a polêmica cai no clichê. Não raro, a polêmica já passou e ainda estamos falando como se ela estivesse aí. ü  Citar o ECA como exemplo de legislação que “passa a mão na cabeça”, ficaria melhor se houvesse um exemplo. ü  O redator demonstra conhecimento dos recursos discursivos do gênero dissertativo- argumentativo ao utilizar “Cabe dizer ainda”, “Entretanto”., “ou seja” entre outros ü  Os trechos destacados merecem revisão: Em vermelho, a expressão deve ser substituída por equivalente. Já as partes em marrom, podem reformuladas sem maiores prejuízos. ü  A solução passa inevitavelmente pela educação, mas é preciso ser simples e tentar não ficar apenas no óbvio. A generalização sobre o crime como única opção é limitada.
  16. 16. TÍTULO: Saúde Pública: a fronteira entre o discurso e a ação. INTRODUÇÃO Em nosso dia a dia ouvimos, lemos e assistimos nos mais variados meios de comunicação sobre as mazelas do serviço público de saúde oferecido pelo governo brasileiro à sua população. Determinada como direito a todos e dever do Estado pela Constituição de 1988, muitas vezes não é disponibilizada com a qualidade necessária. Um grave problema que tem provocado indignação por parte da população e a esperança de uma solução urgente vinda dos nossos governantes. DESENVOLVIMENTO A prestação do serviço público de saúde obteve avanço considerável nas ultimas décadas, principalmente após a criação do SUS ( Sistema Único de Saúde ). Mas as conquistas obtidas pelo setor muitas vezes são esquecidas em vista a precariedade de alguns serviços oferecido pelo sistema, especialmente no que diz respeito a infraestrutura de hospitais e postos de saúde, nas condições dos profissionais da área exercerem suas funções e nos longos períodos de espera em alguns setores de atendimento ( deficiências estas, escancaradas pelos veículos de mídia ).
  17. 17. DESENVOLVIMENTO Vale ainda ressaltar e relacionar o descaso na prestação do serviço de saúde com a sua grande importância na economia ( setor farmacêutico e cirúrgico, principalmente ) do país e nos jogos de interesses políticos e individuas de uma minoria detentora do poder. Também, consideravelmente a ‘’transposição’’ de atendimentos que deveriam ser de disponibilização estatal para o setor privado gera lucros extraordinários a empresários do ramo, provocando uma privatização maquiada do SUS. RESSALVA / REFUTAÇÃO / CONTRA ARGUMENTAÇÃO Contudo, a saúde pública oferecida pelo governo não se apresenta apenas dos pontos negativos. Programas de prevenção, como os das DST’s, dengue, a oferta de fármacos de forma gratuita a população carente tem reduzido casos de epidemias e mortes e elevado a expectativa de vida do brasileiro, atingindo grande parcela populacional.
  18. 18. CONCLUSÃO Porém, algumas soluções para os problemas do setor precisam de providencias. O descaso claramente ofende os direitos do cidadão definidos pela Constituição. Decisões devem ser tomadas com urgência, como obras de infraestrutura e planos de carreiras aos profissionais da área, mais programas preventivos oferecidos pelo governo, maior acessibilidade para a população de regiões de difícil acesso e até ações voluntárias da população. As fronteiras entre o que se promete e o que se faz precisam ser destruídas
  19. 19. NTÁRIO GERAL COME ü  Bom texto. Demonstra desde o início conhecimento do tema e trouxe conhecimentos de outra área, embora pudesse ter traçado comparações com outros serviços públicos e privados – da saúde e de outras áreas. Pouco termos para reformular e o erros ficaram pelo esquecimento de alguns acentos e pontuação: nada grave. ü  A contra argumentação/ refutação foi muito bem explorada e o candidato utilizou muito bem a conjunção adversativa. ü  A proposta de solução poderia ficar um pouco mais sucinta, mas o assunto chama mesmo ideias. A primeira oração começando com porém, não é proibido, mas bom evitar, já que estamos encerrando o texto.
  20. 20. HORA DE PRATICAR!
  21. 21. OBRIGADA POR PARTICIPAR!

×