SlideShare uma empresa Scribd logo
Se é o dom de servir, então devemos servir;
Rm 12.7a
Romanos 12.4-7
4.Porque assim como num só corpo temos muitos
membros, mas nem todos os membros têm a mesma
função,
5.assim também nós, conquanto muitos, somos um só
corpo em Cristo e membros uns dos outros,
6.tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos
foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé;
7.se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o
que ensina esmere-se no fazê-lo;
A partir de hoje, veremos a cada semana, um
dom espiritual descrito na Bíblia de um total de
treze dons propostos nesta série de estudos.
Começaremos com o Dom Espiritual do Serviço ou
Ministério.
É muito difícil examinar e descrever um dom
longe do seu exercício. Por isso, vamos construir
uma definição e observar situações práticas que
envolvam o exercício dos dons.
O que seria o dom de serviço?
Lit."se serviço, na medida do serviço“
No grego, diakonia significa ministério ou serviço,
no sentido de apoio e auxílio, mas sem se limitar a
algum tipo de atividade em particular. Assim,
chamar de ”dom de serviço” é mais compreensível,
porque hoje em dia a palavra ”ministério” tem sido
usada para se referir a um cargo, comunidade ou
maneira de servir que não implica necessariamente
que se tenha o dom de servir.
Uma boa história bíblica que, embora não tenha sido
contada por Jesus com a finalidade de falar deste dom,
ilustra algumas características do dom do serviço é a
Parábola do bom samaritano.
30. Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e
veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe
causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto.
31.Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o,
passou de largo.
32.Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também
passou de largo.
33.Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o,
compadeceu-se dele.
34.E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e,
colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou
dele.
35.No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo:
Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando
voltar.
Lucas 10.30-35
Podemos extrair deste conceito uma definição:
Aquele que possui o dom espiritual do serviço é
poderosamente motivado por Deus a suprir a necessidade
que uma pessoa ou grupo tem de realizar certas tarefas,
mas não sabe, ou talvez não tenha condições ou tempo
necessário para fazê-las.
Ele percebe por si mesmo qual tarefa precisa ser feita
logo a seguir, e quer tomar a iniciativa de se responsabilizar
por ela, executando-o a seu modo.
Parábola do bom samaritano.
a)Ele percebe de imediato a necessidade prioritária do
homem –primeiros socorros –e se põe a servi-lo com suas
próprias mãos e recursos (v.34a).
b)Abre mão do seu conforto para suprir a necessidade do
outro (v.34b).
c)Providencia o suprimento da necessidade prática e
circunstancial buscando quem poderia substituí-lo na sua
impossibilidade (v.35).
a)É alguém que percebe com muita facilidade as
necessidades práticas circunstanciais de pessoas ou
grupos. (Ex. Neemias)
b)Tem iniciativa própria para suprir a necessidade
identificada.
c)Tem disposição para usar bens pessoais para
evitar atraso em suprir a necessidade.
(Frequentemente possui também o dom de
repartir).
d)Assume a responsabilidade de realizar uma
tarefa a seu modo, muitas vezes sem ser
convidado. (Toma a iniciativa de resolver a seu
modo)
e)Sua motivação está em atender necessidades
práticas, as mais variadas. Por isso, é uma pessoa
pouco teórica;não dada a divagações, reflexões ou
muito planejamento. Sua visão é: há uma
necessidade imediata que precisa ser suprida com
ações práticas.
f)Não gosta e evita burocracia e protocolos que
atrasam a solução.
g)É muitas vezes incapaz de dizer ”não”, o que pode
levá-lo a envolver-se em uma variedade de
atividades.
h)Gosta de mandar, mas não se importa em ser
mandado (bem mandado).
i)Tem satisfação com alvos a curto ou médio prazo,
mas fica frustrado com alvos a longo prazo. Não
gosta de ações ou planos que demorem muito
tempo para conclusão ou resultados.
j)Acha mais importante fazer do que falar.
k)Possui facilidade de discernir a falsidade ou
malandragem, recusando-se a suprir necessidades
alegadas.
Aquele que possui o dom do
serviço é canal para Deus atrair outros
para mais perto dEle por meio dos
serviços prestados à medida que o
possuidor do dom esteja em
comunhão com Deus.
O aperfeiçoamento do caráter a semelhança de
Jesus Cristo, ou em outras palavras, o fruto do
Espírito Santo.
Lembre-se sempre: O fruto do Espírito é um pré-
requisito para o exercício efetivo de dons
espirituais. Dons sem Fruto do Espírito não tem
nenhum valor.
É importante lembra-se disso porque a
responsabilidade daquele que possui este
dom é manter-se sensível ao Espírito de
Deus na sua vida para que tenha condições
de ser um canal à disposição de Deus para
servir o próximo. Assim, é preciso também
crescer espiritualmente, evitando ser infeliz
ou imaturo no exercício do seu dom.
Pode ser tachado de: Pode agir da seguinte maneira:
Ser intrometido Pela rapidez em resolver casos sem ser chamado
Querer autopromoção Pela ânsia de servir
Não ser espiritual Por se preocupar mais com tarefas práticas
em vez de falar muito no evangelho*
Ser autossuficiente ou de Por tomar a iniciativa de fazer as coisas a se
não confiar no trabalho dos outros próprio modo com ou seu auxílio de outros
Pensar mal dos outros Detectar facilmente a falsidade antes de outros
Há erros e perigos específicos relacionados a cada
dom espiritual, geralmente não percebidos por
aquele que o possui. São decorrentes apenas do
fato de sermos pecadores, propensos ao erro e
tropeço.
a)Corre o risco de negligenciar a família,
resultando no ressentimento do cônjuge ou filhos
contra Deus ou a Igreja.
b)Pode ter dificuldades em estabelecer e manter
prioridades conforme a vontade de Deus.
c)Pode errar ao cobrar daqueles que não correm
para suprir necessidades práticas, tal como ele
mesmo supre.
d)Pode ter dificuldades em ser servido e ficar
impaciente com quem procura ajudá-lo.
e)Pode ter dificuldades para delegar tarefas, ao
tentar resolver sozinho.
f)Pode tornar-se controlador, sendo tido por
mandão ou prepotente.
g)Errar ao confiar demais em sua capacidade de
tomar decisões rápidas e unilaterais, quando é
necessário conhecimento técnico.
h)Pode aparentar ou tornar-se irresponsável ao
assumir tarefas demais.
i)Pode desrespeitar as prioridades e afazeres dos
que são chamados para ajudar, mesmo que tanta
pressa não seja necessária.
A ocorrência destes erros diminui a medida que há maior comunhão íntima com
Cristo, no aperfeiçoamento do caráter e produção do Fruto do Espírito.
O dom do serviço, dinamizado pelo Espírito Santo, transmite o amor de Deus. Sem
este amor, o possuidor do dom parece eficiente e dinâmico, mas convencido.
Amor, quebrantamento e humildade são virtudes que devem ser necessariamente
desenvolvidas lado a lado com o exercício dos dons espirituais.
Lembre-se sempre: dons espirituais são diferentes
das virtudes que todo cristão deve desenvolver.
Assim, mesmo quem não tem este dom deve
tornar-se servo, cada um conforme o dom que
recebeu.
Questões para reflexão e prática...
1.Você se identificou com o dom do serviço?
2.Como você pode a partir de agora desenvolver melhor seu dom?
3.Se você não se identificou com este dom, você identificou alguém
que conheça que o possui?
4.Como você pode ajuda-la a desenvolver seu dom de maneira
eficaz?
5.Como você pode ajuda-la a não cair nos erros e perigos
adjacentes ao dom?
6.Como você pode evitar identificações ou taxações equivocadas
daqueles que possuem o dom espiritual do serviço?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalÉder Tomé
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosmgno42
 
Uma visão bíblica da liderança
Uma visão bíblica da liderançaUma visão bíblica da liderança
Uma visão bíblica da liderançaViva a Igreja
 
QVCC12 o dom espiritual de administração ou governo
QVCC12   o dom espiritual de administração ou governoQVCC12   o dom espiritual de administração ou governo
QVCC12 o dom espiritual de administração ou governoCleudson Corrêa
 
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germanoA importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germanoJoary Jossué Carlesso
 
O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroIPB706Sul
 
A ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoA ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoElaine Marques
 
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdfMarina de Morais
 
Liderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixãoLiderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixãoFernando Balthar
 
Poder de-disciplinas-espirituales
Poder de-disciplinas-espiritualesPoder de-disciplinas-espirituales
Poder de-disciplinas-espiritualesRAMÓN HERNANDEZ
 
princípios de liderança
princípios de liderançaprincípios de liderança
princípios de liderançaSamuelWesley31
 
Transição e Implantação de Células nas Igrejas
Transição e Implantação de Células nas IgrejasTransição e Implantação de Células nas Igrejas
Transição e Implantação de Células nas IgrejasEdinéia Almeida
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisMichel Plattiny
 

Mais procurados (20)

250681181 o-verdadeiro-natal
250681181 o-verdadeiro-natal250681181 o-verdadeiro-natal
250681181 o-verdadeiro-natal
 
O poder das primicias
O poder das primiciasO poder das primicias
O poder das primicias
 
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja LocalLição 5 - A Mordomia da Igreja Local
Lição 5 - A Mordomia da Igreja Local
 
Apostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreirosApostila preparacao obreiros
Apostila preparacao obreiros
 
Uma visão bíblica da liderança
Uma visão bíblica da liderançaUma visão bíblica da liderança
Uma visão bíblica da liderança
 
Como atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célulaComo atrair novos membros para a célula
Como atrair novos membros para a célula
 
QVCC12 o dom espiritual de administração ou governo
QVCC12   o dom espiritual de administração ou governoQVCC12   o dom espiritual de administração ou governo
QVCC12 o dom espiritual de administração ou governo
 
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germanoA importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
A importância da liderança para o fortalecimento do discipulado pr. joão germano
 
O cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiroO cristão e o dinheiro
O cristão e o dinheiro
 
A ordem no culto cristão
A ordem no culto cristãoA ordem no culto cristão
A ordem no culto cristão
 
Os 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons MinisteriaisOs 05 Dons Ministeriais
Os 05 Dons Ministeriais
 
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
2019 - 1° trim. - Aula 1 - BATALHA ESPIRITUAL - pdf
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Mordomia Cristã
Mordomia CristãMordomia Cristã
Mordomia Cristã
 
Liderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixãoLiderando a célula com paixão
Liderando a célula com paixão
 
Poder de-disciplinas-espirituales
Poder de-disciplinas-espiritualesPoder de-disciplinas-espirituales
Poder de-disciplinas-espirituales
 
princípios de liderança
princípios de liderançaprincípios de liderança
princípios de liderança
 
Transição e Implantação de Células nas Igrejas
Transição e Implantação de Células nas IgrejasTransição e Implantação de Células nas Igrejas
Transição e Implantação de Células nas Igrejas
 
SEMINARIO DO LOUVOR.pdf
SEMINARIO DO LOUVOR.pdfSEMINARIO DO LOUVOR.pdf
SEMINARIO DO LOUVOR.pdf
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
 

Destaque

QVCC - 08 Dom espiritual de profeta
QVCC - 08   Dom espiritual de profetaQVCC - 08   Dom espiritual de profeta
QVCC - 08 Dom espiritual de profetaCleudson Corrêa
 
QVCC - 07 O dom espiritual de contribuir repartir
QVCC - 07   O dom espiritual de contribuir   repartirQVCC - 07   O dom espiritual de contribuir   repartir
QVCC - 07 O dom espiritual de contribuir repartirCleudson Corrêa
 
QVCC - 10 o dom espiritual de ensino
QVCC - 10   o dom espiritual de ensinoQVCC - 10   o dom espiritual de ensino
QVCC - 10 o dom espiritual de ensinoCleudson Corrêa
 
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada umQvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada umCleudson Corrêa
 
Qvcc 03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituais
Qvcc   03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituaisQvcc   03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituais
Qvcc 03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituaisCleudson Corrêa
 
QVCC - 09 o dom espiritual de exortação
QVCC - 09   o dom espiritual de exortaçãoQVCC - 09   o dom espiritual de exortação
QVCC - 09 o dom espiritual de exortaçãoCleudson Corrêa
 
Qvcc 01 - introducao - a vontade de deus para cada um
Qvcc   01 - introducao - a vontade de deus para cada umQvcc   01 - introducao - a vontade de deus para cada um
Qvcc 01 - introducao - a vontade de deus para cada umCleudson Corrêa
 
QVCC 11 o dom espiritual de liderança
QVCC 11   o dom espiritual de liderançaQVCC 11   o dom espiritual de liderança
QVCC 11 o dom espiritual de liderançaCleudson Corrêa
 

Destaque (9)

QVCC - 08 Dom espiritual de profeta
QVCC - 08   Dom espiritual de profetaQVCC - 08   Dom espiritual de profeta
QVCC - 08 Dom espiritual de profeta
 
QVCC - 07 O dom espiritual de contribuir repartir
QVCC - 07   O dom espiritual de contribuir   repartirQVCC - 07   O dom espiritual de contribuir   repartir
QVCC - 07 O dom espiritual de contribuir repartir
 
QVCC - 10 o dom espiritual de ensino
QVCC - 10   o dom espiritual de ensinoQVCC - 10   o dom espiritual de ensino
QVCC - 10 o dom espiritual de ensino
 
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada umQvcc   02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
Qvcc 02 - O Que São Dons Espirituais - A Vontade de Deus para Cada um
 
Qvcc 03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituais
Qvcc   03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituaisQvcc   03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituais
Qvcc 03 - quais os resultados do exercício dos dons espirituais
 
QVCC - 09 o dom espiritual de exortação
QVCC - 09   o dom espiritual de exortaçãoQVCC - 09   o dom espiritual de exortação
QVCC - 09 o dom espiritual de exortação
 
Qvcc 01 - introducao - a vontade de deus para cada um
Qvcc   01 - introducao - a vontade de deus para cada umQvcc   01 - introducao - a vontade de deus para cada um
Qvcc 01 - introducao - a vontade de deus para cada um
 
Igreja Projeto de Deus
Igreja Projeto de DeusIgreja Projeto de Deus
Igreja Projeto de Deus
 
QVCC 11 o dom espiritual de liderança
QVCC 11   o dom espiritual de liderançaQVCC 11   o dom espiritual de liderança
QVCC 11 o dom espiritual de liderança
 

Semelhante a Qvcc 04 o dom espiritual do serviço ou ministério

Curso de liderança Igreja Urbana
 Curso de liderança Igreja Urbana  Curso de liderança Igreja Urbana
Curso de liderança Igreja Urbana IgrejaUrbana
 
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfAPOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfDivinoHenriqueSantan
 
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptx
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptxestudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptx
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptxTiago Silva
 
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministérioRev. Giovanni Guimarães
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministérioJoel Silva
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministérioJoel Silva
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministérioJoel Silva
 
O noivado que Deus aprova para casais.ppt
O noivado que Deus aprova para casais.pptO noivado que Deus aprova para casais.ppt
O noivado que Deus aprova para casais.pptValdineyRodriguesBez1
 
005 pratica pastoral
005   pratica pastoral005   pratica pastoral
005 pratica pastoralEder Silva
 
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundânciaxukizintrachuk
 
Carla geanfrancisco conflitos e questoes polemicas na igreja
Carla geanfrancisco   conflitos e questoes polemicas na igrejaCarla geanfrancisco   conflitos e questoes polemicas na igreja
Carla geanfrancisco conflitos e questoes polemicas na igrejaCarla Geanfrancisco Falasca
 

Semelhante a Qvcc 04 o dom espiritual do serviço ou ministério (20)

Curso de liderança Igreja Urbana
 Curso de liderança Igreja Urbana  Curso de liderança Igreja Urbana
Curso de liderança Igreja Urbana
 
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdfAPOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
APOSTILA-TEONTOLOGIA a doutrina de Deus.pdf
 
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptx
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptxestudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptx
estudos-vocaoeministrio-160302141634 (1).pptx
 
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério
4 práticas para recuperar a paixão pelo ministério
 
Treinamento embaixadores
Treinamento embaixadoresTreinamento embaixadores
Treinamento embaixadores
 
Atributos da dinvindade
Atributos da dinvindadeAtributos da dinvindade
Atributos da dinvindade
 
aconselhamento.ppt
aconselhamento.pptaconselhamento.ppt
aconselhamento.ppt
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
Estudos vocação e ministério
Estudos  vocação e ministérioEstudos  vocação e ministério
Estudos vocação e ministério
 
O noivado que Deus aprova para casais.ppt
O noivado que Deus aprova para casais.pptO noivado que Deus aprova para casais.ppt
O noivado que Deus aprova para casais.ppt
 
Liderança ao estilo do mestre 1
Liderança ao estilo do mestre 1Liderança ao estilo do mestre 1
Liderança ao estilo do mestre 1
 
Dom de Ciência
Dom de CiênciaDom de Ciência
Dom de Ciência
 
1 dons espirituais testes
1 dons espirituais testes1 dons espirituais testes
1 dons espirituais testes
 
005 pratica pastoral
005   pratica pastoral005   pratica pastoral
005 pratica pastoral
 
Treinamento de gc
Treinamento de gcTreinamento de gc
Treinamento de gc
 
Carla geanfrancisco adoracao biblica
Carla geanfrancisco   adoracao biblicaCarla geanfrancisco   adoracao biblica
Carla geanfrancisco adoracao biblica
 
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância
5 Etapas Para Desenvolver Uma Mentalidade de Abundância
 
Downloads aula_09_1814
 Downloads aula_09_1814 Downloads aula_09_1814
Downloads aula_09_1814
 
Carla geanfrancisco conflitos e questoes polemicas na igreja
Carla geanfrancisco   conflitos e questoes polemicas na igrejaCarla geanfrancisco   conflitos e questoes polemicas na igreja
Carla geanfrancisco conflitos e questoes polemicas na igreja
 

Último

Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxIgreja Jesus é o Verbo
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...edsonjsmarques
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaNilson Almeida
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2emprego2
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptxPIB Penha
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.pptNuno724230
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]ESCRIBA DE CRISTO
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxCelso Napoleon
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfFrancisco Baptista
 

Último (10)

Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada _ Oséias - slides powerpoint.pptx
 
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptxBíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
Bíblia sagrada - JOel - slides powerpoint.pptx
 
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
João Calvino e o Cânticos dos Salmos: uma introdução ao pensamento de Calvino...
 
Oração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De CássiaOração De Santa Rita De Cássia
Oração De Santa Rita De Cássia
 
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
Letra A reforma versão - atos 2 letra a reforma atos 2
 
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptxLivro Atos dos apóstolos  estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
Livro Atos dos apóstolos estudo 12- Cap 25 e 26.pptx
 
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
1- Chuvas de Graça - Hino da Harpa Cristã.ppt
 
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
JUIZO FINAL [ DOUTRINA DA ESCATOLOGIA E FIM DOS TEMPOS]
 
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Lição 8 - Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdfEVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
EVOLUÇAO EM DOIS MUNDOS FRANCISCO (1).pdf
 

Qvcc 04 o dom espiritual do serviço ou ministério

  • 1. Se é o dom de servir, então devemos servir; Rm 12.7a
  • 2. Romanos 12.4-7 4.Porque assim como num só corpo temos muitos membros, mas nem todos os membros têm a mesma função, 5.assim também nós, conquanto muitos, somos um só corpo em Cristo e membros uns dos outros, 6.tendo, porém, diferentes dons segundo a graça que nos foi dada: se profecia, seja segundo a proporção da fé; 7.se ministério, dediquemo-nos ao ministério; ou o que ensina esmere-se no fazê-lo;
  • 3. A partir de hoje, veremos a cada semana, um dom espiritual descrito na Bíblia de um total de treze dons propostos nesta série de estudos. Começaremos com o Dom Espiritual do Serviço ou Ministério. É muito difícil examinar e descrever um dom longe do seu exercício. Por isso, vamos construir uma definição e observar situações práticas que envolvam o exercício dos dons.
  • 4. O que seria o dom de serviço? Lit."se serviço, na medida do serviço“ No grego, diakonia significa ministério ou serviço, no sentido de apoio e auxílio, mas sem se limitar a algum tipo de atividade em particular. Assim, chamar de ”dom de serviço” é mais compreensível, porque hoje em dia a palavra ”ministério” tem sido usada para se referir a um cargo, comunidade ou maneira de servir que não implica necessariamente que se tenha o dom de servir.
  • 5. Uma boa história bíblica que, embora não tenha sido contada por Jesus com a finalidade de falar deste dom, ilustra algumas características do dom do serviço é a Parábola do bom samaritano.
  • 6. 30. Jesus prosseguiu, dizendo: Certo homem descia de Jerusalém para Jericó e veio a cair em mãos de salteadores, os quais, depois de tudo lhe roubarem e lhe causarem muitos ferimentos, retiraram-se, deixando-o semimorto. 31.Casualmente, descia um sacerdote por aquele mesmo caminho e, vendo-o, passou de largo. 32.Semelhantemente, um levita descia por aquele lugar e, vendo-o, também passou de largo. 33.Certo samaritano, que seguia o seu caminho, passou-lhe perto e, vendo-o, compadeceu-se dele. 34.E, chegando-se, pensou-lhe os ferimentos, aplicando-lhes óleo e vinho; e, colocando-o sobre o seu próprio animal, levou-o para uma hospedaria e tratou dele. 35.No dia seguinte, tirou dois denários e os entregou ao hospedeiro, dizendo: Cuida deste homem, e, se alguma coisa gastares a mais, eu to indenizarei quando voltar. Lucas 10.30-35
  • 7. Podemos extrair deste conceito uma definição: Aquele que possui o dom espiritual do serviço é poderosamente motivado por Deus a suprir a necessidade que uma pessoa ou grupo tem de realizar certas tarefas, mas não sabe, ou talvez não tenha condições ou tempo necessário para fazê-las. Ele percebe por si mesmo qual tarefa precisa ser feita logo a seguir, e quer tomar a iniciativa de se responsabilizar por ela, executando-o a seu modo.
  • 8. Parábola do bom samaritano. a)Ele percebe de imediato a necessidade prioritária do homem –primeiros socorros –e se põe a servi-lo com suas próprias mãos e recursos (v.34a). b)Abre mão do seu conforto para suprir a necessidade do outro (v.34b). c)Providencia o suprimento da necessidade prática e circunstancial buscando quem poderia substituí-lo na sua impossibilidade (v.35).
  • 9. a)É alguém que percebe com muita facilidade as necessidades práticas circunstanciais de pessoas ou grupos. (Ex. Neemias) b)Tem iniciativa própria para suprir a necessidade identificada. c)Tem disposição para usar bens pessoais para evitar atraso em suprir a necessidade. (Frequentemente possui também o dom de repartir).
  • 10. d)Assume a responsabilidade de realizar uma tarefa a seu modo, muitas vezes sem ser convidado. (Toma a iniciativa de resolver a seu modo) e)Sua motivação está em atender necessidades práticas, as mais variadas. Por isso, é uma pessoa pouco teórica;não dada a divagações, reflexões ou muito planejamento. Sua visão é: há uma necessidade imediata que precisa ser suprida com ações práticas.
  • 11. f)Não gosta e evita burocracia e protocolos que atrasam a solução. g)É muitas vezes incapaz de dizer ”não”, o que pode levá-lo a envolver-se em uma variedade de atividades. h)Gosta de mandar, mas não se importa em ser mandado (bem mandado).
  • 12. i)Tem satisfação com alvos a curto ou médio prazo, mas fica frustrado com alvos a longo prazo. Não gosta de ações ou planos que demorem muito tempo para conclusão ou resultados. j)Acha mais importante fazer do que falar. k)Possui facilidade de discernir a falsidade ou malandragem, recusando-se a suprir necessidades alegadas.
  • 13. Aquele que possui o dom do serviço é canal para Deus atrair outros para mais perto dEle por meio dos serviços prestados à medida que o possuidor do dom esteja em comunhão com Deus.
  • 14. O aperfeiçoamento do caráter a semelhança de Jesus Cristo, ou em outras palavras, o fruto do Espírito Santo. Lembre-se sempre: O fruto do Espírito é um pré- requisito para o exercício efetivo de dons espirituais. Dons sem Fruto do Espírito não tem nenhum valor.
  • 15. É importante lembra-se disso porque a responsabilidade daquele que possui este dom é manter-se sensível ao Espírito de Deus na sua vida para que tenha condições de ser um canal à disposição de Deus para servir o próximo. Assim, é preciso também crescer espiritualmente, evitando ser infeliz ou imaturo no exercício do seu dom.
  • 16. Pode ser tachado de: Pode agir da seguinte maneira: Ser intrometido Pela rapidez em resolver casos sem ser chamado Querer autopromoção Pela ânsia de servir Não ser espiritual Por se preocupar mais com tarefas práticas em vez de falar muito no evangelho* Ser autossuficiente ou de Por tomar a iniciativa de fazer as coisas a se não confiar no trabalho dos outros próprio modo com ou seu auxílio de outros Pensar mal dos outros Detectar facilmente a falsidade antes de outros
  • 17. Há erros e perigos específicos relacionados a cada dom espiritual, geralmente não percebidos por aquele que o possui. São decorrentes apenas do fato de sermos pecadores, propensos ao erro e tropeço.
  • 18. a)Corre o risco de negligenciar a família, resultando no ressentimento do cônjuge ou filhos contra Deus ou a Igreja. b)Pode ter dificuldades em estabelecer e manter prioridades conforme a vontade de Deus. c)Pode errar ao cobrar daqueles que não correm para suprir necessidades práticas, tal como ele mesmo supre.
  • 19. d)Pode ter dificuldades em ser servido e ficar impaciente com quem procura ajudá-lo. e)Pode ter dificuldades para delegar tarefas, ao tentar resolver sozinho. f)Pode tornar-se controlador, sendo tido por mandão ou prepotente.
  • 20. g)Errar ao confiar demais em sua capacidade de tomar decisões rápidas e unilaterais, quando é necessário conhecimento técnico. h)Pode aparentar ou tornar-se irresponsável ao assumir tarefas demais. i)Pode desrespeitar as prioridades e afazeres dos que são chamados para ajudar, mesmo que tanta pressa não seja necessária.
  • 21. A ocorrência destes erros diminui a medida que há maior comunhão íntima com Cristo, no aperfeiçoamento do caráter e produção do Fruto do Espírito. O dom do serviço, dinamizado pelo Espírito Santo, transmite o amor de Deus. Sem este amor, o possuidor do dom parece eficiente e dinâmico, mas convencido. Amor, quebrantamento e humildade são virtudes que devem ser necessariamente desenvolvidas lado a lado com o exercício dos dons espirituais. Lembre-se sempre: dons espirituais são diferentes das virtudes que todo cristão deve desenvolver. Assim, mesmo quem não tem este dom deve tornar-se servo, cada um conforme o dom que recebeu.
  • 22. Questões para reflexão e prática... 1.Você se identificou com o dom do serviço? 2.Como você pode a partir de agora desenvolver melhor seu dom? 3.Se você não se identificou com este dom, você identificou alguém que conheça que o possui? 4.Como você pode ajuda-la a desenvolver seu dom de maneira eficaz? 5.Como você pode ajuda-la a não cair nos erros e perigos adjacentes ao dom? 6.Como você pode evitar identificações ou taxações equivocadas daqueles que possuem o dom espiritual do serviço?