História da vida privada no Brasil- Caras e modos dos migrantes e imigrantes

809 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
809
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da vida privada no Brasil- Caras e modos dos migrantes e imigrantes

  1. 1. CARAS E MODOS DOS MIGRANTES E IMIGRANTES
  2. 2. D. João VI ainda como regente (1808)
  3. 3. • Tarifas aumentadas em 150% para que pudessem desembarcar no Brasil • Incentivos para a vinda de europeus Tarifas aumentadas Recursos seriam utilizados para bancar a vinda dos imigrantes brancos e católicos
  4. 4. Março de 1845
  5. 5. A eficácia da legislação se provou quando o número de africanos desembarcando no Brasil, após atingir o patamar de mais de 380 mil indivíduos na década anterior, foi para pouco mais de 6 mil entre os anos 1851 e 1855
  6. 6. Trabalhar por conta própria? Trabalhar para outra pessoa (fazendeiro) Seriam Teria que estar Os imigrantes concedidas aos de acordo com seriam um consulados os requisitos instrumento para o brasileiros na impostos pelo “embranquecimento Europa lotes de governo imperial. ” da nação. terras para venda. Substituição, nas Qualquer raça ou fazendas, de credo. escravos fugidos, mortos e os que não vinham mais para o Brasil. Governo brasileiro pagaria o translado e a hospedagem dos imigrantes europeus.
  7. 7. Na década de 1810, os primeiros chineses chegaram ao Rio de Janeiro para introduzir a cultura do chá no Brasil. A ilustração do pintor alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858) registrou a plantação chinesa de chá na região do Jardim Botânico.
  8. 8. • Chegada pioneira com D. João VI, em 1812 • Trabalhar na produção de chá • Quais foram os resultados?
  9. 9. • “quando procurávamos escoimar a nossa civilização da barbárie africana, (vamos) colonizar o Império com o indolente asiático, escravo da rotina e da superstição” • “O chim não sai do seu país, senão com o fito de adquirir algum dinheiro, formar um pequeno pecúlio, e sempre com a ideia fixa e com a condição expressa de regressar ao seu país no fim de três, quatro ou cinco anos (...) jamais o governo tivera a ideia de querer aumentar a população brasileira por semelhante meio”
  10. 10. foto de 1900 de um trabalhador coolie, em Zhejiang, na China
  11. 11. Africanos livres e escravos 183 mil Portugueses 121 mil Alemães 46 mil
  12. 12. • Primeiros conflitos culturais atingem fazendeiros e trabalhadores europeus, mais precisamente alemães. • Quais eram os motivos dos protestos? • O que faziam para protestar?
  13. 13. • 1850, novos hábitos alimentares são introduzidos no Brasil - Guisado de carneiro, cerveja, pão, vinho, manteiga, ameixa, presunto . • Com o aumento da demanda, tem-se o aumento nos valores dos produtos importados: - manteiga: 27% - Carnes 3x • Crítica de um alemão pela falta de manteiga
  14. 14. • Predominância na Colônia e no Império do feijão, farinha de mandioca e de milho. No caso de províncias marítimas, muito peixe; • No interior, predominava a polenta e as broas de milho; • Em várias cidades da corte, o pão se impõe; • Responsáveis por essa mudança de hábitos alimentares: Imigrantes portugueses;
  15. 15. • Quando imigrantes morriam sem testamento, sua loja e mercadorias ali consignadas podiam ser embargadas pelos juízes de órfãos e ausentes; • Se o comerciante estrangeiro falecido tivesse filhos, os juízes de órfãos incorporavam os bens sob guarda dos pais à herança do menor; • Os estrangeiros recebiam instruções para não casar nem ter filhos com brasileiras; • Jornais criticavam a postura dos estrangeiros, afirmando que queriam apenas namorar por divertimento com as brasileiras; • Apenas quando os tratados internacionais sobre as heranças do estrangeiro mudou, os estrangeiros passaram a agir normalmente;
  16. 16. • Após Sete de Setembro de 1822 os portugueses teriam que escolher entre voltarem para Portugal ou permanecer no Brasil, como brasileiro; • Oficiais das tropas lusitanas retornam a Portugal; • Grandes fazendeiros e proprietários de terras permanecem no Brasil • Aqueles que tinham comércio, negócio de importação e de distribuição de importados, retornam a Portugal; • Inicia-se uma época de lusofobia
  17. 17. • A concentração de imigrantes pobres nas cidades confunde aqueles que contavam utilizar a imigração branca para “civilizar” o país. • Surgem protestos na imprensa contra a “escravidão branca” • “A que classes da sociedade pertenciam os primeiros colonizadores portugueses no Brasil? De que categoria de indivíduos descendemos?”
  18. 18. • A importância do livro entre os luteranos; • Lesezirkeln em Blumenau • Associações que tinham por objetivo manter os costumes • Edificação da igreja e escola • A religião apresentava-se no campo da vida privada
  19. 19. • Nas bíblias e em livros de canto se anotavam as datas dos eventos mais importantes dos membros da família • A bíblia era o principal livro de leitura na escola • As práticas religiosas alemãs levaram o protestantismo a ser fator de preservação da cultura germânica • Atrito entre católicos e protestantes • “Só tem religião quem a pratica“ • Kulturvereine - associações agrícolas criadas para a discussão de problemas relativas ao setor produtivo.
  20. 20. • A escrita era uma maneira de manter viva a unidade cultural germânica • O catolicismo lusitano desobriga os fieis de aprender a ler • O protestantismo exige a alfabetização • Livros didáticos e cartilhas escolares.

×