MaísaAno 1 | Edição nº 02 | Setembro / Outubro - 2009
Novo lançamento dos produtos VÉX VEGETAIS!!!!!!!
A união da manteiga de ucuhuba (originária do Amazonas)
com o óleo de Cas...
Revista Maísa - Julho/Agosto - 2009
Editorial Nesta Edição
Expediente
04 - a minha história
	 A história da Véx
05 - Depoi...
4
A MINHA HISTÓRIA
N
o ano de 2001 eu
trabalhava como
instrutora num salão
escola e fui participar de um
congresso de bele...
5Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
DEPOIMENTO aconteceu com o meu
cabelo
D
esde pequena sempre tive os cabelos lon-
...
6
CABELO COM PH
DESEQUILIBRADO
na visão de
uma aluna de
tricoterapia
Q
uando fazemos
uma consulta, ou-
vimos a queixa da
c...
7
U
mestudodetalhadosobreoqueaconte-
ce com as fibras do cabelo quando inte-
ragem umas com as outras deve ajudar
cientist...
8 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
REPORTAGEM escova progressiva a
base de glutaroldeído
O
Glutaraldeido é uma subs...
9Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
liação epidemiológica e de estatística direta que
comprove que sua toxicidade tem...
10 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
síveis; pela necessidade de se buscar sempre o
índice de exposição química zero...
11Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
A
tualmente existem no mercado vários tipos de es-
covas progressivas que promet...
12
TRICOTERAPEUTA Como o tricoterapeuta
recupera o cabelo de uma
tricopaciente
Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
T
u...
13
MESA REDONDA com os alunos do primeiro
período do curso avançado de
Tricologia
Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
...
14 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
SOS
CABELO
Sala de
Tricoterapia
Farmácia
Capilar
Farmácia
Localização
Consultór...
15Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
16 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
17
VEGETAIS Conheça o jaborandi e a manteiga de
bacuri
JABORANDI
Histórico:
O jaborandi é originário da América do Sul.
Se...
18
RODADA DE
EMPREENDIMENTOS
ab
Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
VÉX VEGETAIS ação social
Ape
PROGRESSIVE
FLUÍDO VEGETAL DE
BACURI E COPAÍBA
Novo lançamento dos produtos VÉX VEGETAIS!!!!!!!
A união da manteiga de bac...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista maisa ed2

1.163 visualizações

Publicada em

Segunda Edicão da Revista Maísa e Você

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.163
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revista maisa ed2

  1. 1. MaísaAno 1 | Edição nº 02 | Setembro / Outubro - 2009
  2. 2. Novo lançamento dos produtos VÉX VEGETAIS!!!!!!! A união da manteiga de ucuhuba (originária do Amazonas) com o óleo de Castanha do Pará deu origem a esta nova manteiga que trata, nutre e recupera cabelos danificados e ressecados. Recuperação, brilho, maciez e sedosidade são as marcas registradas da Manteiga Vegetal de Castanha do Pará. Livre de óleo mineral ou vaselina. À venda a partir do mês de Julho. MANTEIGA VEGETAL DE UCUHUBA E CASTANHA DO PARÁ N OVO
  3. 3. Revista Maísa - Julho/Agosto - 2009 Editorial Nesta Edição Expediente 04 - a minha história A história da Véx 05 - Depoimento Aconteceu com o meu cabelo 06 - CABELO COM PH DESEQUILIBRADO na visão de uma aluna de tricoterapia 07 - cIÊNCIA E TRICOLOGIA um estudo abre caminho para shampoo do futuro 08 - REPORTAGEM escova progressiva a base de glutaroldeído 11 - TRATAMENTO como recuperar cabelos danificados por escova progressiva 12 -TRICOTERAPEUTA Como o tricoterapeuta recupera o cabelo de uma tricopaciente 13 - MESA REDONDA com os alunos do primeiro período do curso avançado de Tricologia 14 - Empresa Clínica de Tricoterapia Saúde do Cabelo 17 - VEGETAIS Conheça o jaborandi e a manteiga de bacuri Direção Geral Maísa Stuani dos Santos Projeto Gráfico e Diagramação César P. Souza Impressão Sempre Editora Ltda. Fale conosco E-mail: maisastuanisantos@hotmail.com Telefone: (31) 88016805 (31) 34126914 3
  4. 4. 4 A MINHA HISTÓRIA N o ano de 2001 eu trabalhava como instrutora num salão escola e fui participar de um congresso de beleza que acontecia todos os anos na minha cidade. Lá, assisti a uma palestra sobre a recuperação de cabelos danificados usando óleos vegetais e plantas naturais. Era uma palestra da VÉX VEGETAIS ministrado por Maísa Stuani. Para mim, aquela seria mais uma palestra entre várias que já havia participado. Engano meu... Dias depois Maísa Stuani estava na escola que eu trabalhava dando um curso básico de terapiacapilar.Estecursomudou meu conceito sobre tratamento de cabelo. Fiquei tão encantada por sua filosofia de trabalho que passei a usar os produtos no meu cabelo e das minhas clientes e o resultado foi fantástico. Nunca vi coisa igual! No mesmo ano iniciei o curso profissionalizante de terapia capilar e daí em diante não parei mais. Hoje sou uma tricoterapeuta, profissão que mudou minha vida para sempre. Nestes 8 anos criei uma história de amor e respeito com os produtos VÉX VEGETAIS, uma empresa que realmente se preocupa com a saúde do cabelos de seus clientes. E me sinto muito orgulhosa em fazer parte hoje da equipe de funcionários da VÉX VEGETAIS. Helena Ferreira Gomes Participe, conte sua história também! Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 e a história da Véx
  5. 5. 5Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 DEPOIMENTO aconteceu com o meu cabelo D esde pequena sempre tive os cabelos lon- gos e sempre relaxei e tingi meu cabelo em casa. Em setembro de 2008 eu resolvi passar duas tintas a base de sais metálicos no meu cabelo e deixei agir normal. Eu já era acostumada a usar essas tin- tas. Dei um intervalo de duas semanas e daí fui rela- xar os meus cabelos somente na parte de cima e na franja. Deixei o relaxamento agir e quando percebi minha franja estava soltando aos pedaços. A parte de cima também. Eu fiquei apavorada com o que estava acontecendo. Fiquei assustada, comecei a chorar muito. Desesperada com a situação fui cor- rendo enxaguar. Durante o enxágue meu cabelo continuou soltan- do. Como de costume, eu sequei com um secador e rodei uma touca e fui dormir, esperando que aque- le pesadelo havia passado e no outro dia meu ca- belo teria parado de quebrar. Confesso que demorei muito a dormir, estava mui- to descontente e sem entender nada do que tinha acontecido, pois já era acostumada a usar aquela tintura com aquele relaxamento e ambos eram da mesma marca. Será que o fato de eu ter passado duas tintas tinha alterado alguma coisa? Passava muita coisa pela minha cabeça... Bem, no outro dia acordei e fui imediatamente soltar a touca. Você acredita que os meus cabelos continuavam soltando aos pedaços? Eu comecei novamente a chorar, estava desespera- da, pois aquele cabelo longo estava aos pedaços, quebrando todo. Foi muito difícil chegar a conclusão de que a única solução era cortar os cabelos. Meu cabelo, mesmo cortado, estava esquisito, es- pigado, sem cor, sem vida. As pessoas ficavam me olhando na rua, eu nem queria mais sair de casa. Fiquei com a auto-estima muito baixa e resolvi en- tão colocar um alongamento. Com tudo que aconteceu com o meu cabelo, eu co- mecei a ter um novo hábito: ir de salão em salão e perguntar ao cabeleireiro o que poderia fazer para resolver o meu problema. Cada um falava alguma coisa e eu ia comprando e usando. Mas nada resolvia o problema do meu cabelo, pois além de quebradiço ele ficou seco, esquisito, pare- cia morto. Com um mês que eu havia colocado o alongamen- to, conheci uma tricoterapeuta no qual me convi- dou para fazer uma consulta. Durante a consulta foi detectado também, através de um aparelho, que a raiz do meu cabelo estava muito fraca e atrofiada. Fui orientada pela tricoterapeuta a tirar o alon- gamento, pois o mesmo iria prejudicar os meus cabelos. A tricoterapeuta explicou tudo que ocor- reu no meu cabelo e sai de lá muito bem, pois ela trabalhou muito o meu emocional. Me senti mais tranqüila, pois sabia que tinha encontrado a pes- soa certa. Graças a Deus conheci os produtos VÉX VEGETAIS. Ele recuperou os meus cabelos. Depois de tratar os fios, já cheguei a fazer um alon- gamento de raiz e já tonalizei. Fiz isto com outro tricoterapeuta. Meu cabelo ficou saudável e não quebrou nada. Hoje eu prefiro um tricoterapeuta que seja cabelei- reiro para cuidar dos meus cabelos. Aprendi muito com a lição. Parei de cuidar dos meus cabelos em casa. Aprendi que a maioria dos produtos que tem no mercado jamais tratam os ca- belos, pois usei muitas marcas, da mais cara a mais barata e nenhuma deu resultado. Hoje estou feliz, posso sair de casa sem vergonha e tenho de volta a minha auto-estima. Leila Lopes SE VOCÊ TEM UMA HISTÓRIA INTERESSANTE PARA CONTAR, POR FAVOR ENVIE UMA CARTA PARA O ENDEREÇO: “ACONTECEU COM O MEU CABELO” RUA RITA FERREIRA, 23 - BAIRRO CAIÇARA BELO HORIZONTE MINAS GERAIS - CEP 30750-190
  6. 6. 6 CABELO COM PH DESEQUILIBRADO na visão de uma aluna de tricoterapia Q uando fazemos uma consulta, ou- vimos a queixa da cliente, fazemos o questio- nário de hábitos, o questio- nário do pH do cabelo e o exame físico e detectamos se o cabelo está com o pH desequilibrado. Quando o cabelo está com tricoptilose (pontas duplas), triconodose (nós nos fios), tricoclasie (pontas parecendo um pincel), muitas vezes os fios ainda estão com ondulações (como incha- ços), chamamos este cabelo de asfítico. Passamos então para as tricoterapias que são tratamentos com produtos fitocosmecêuticos contendo grandes concentrações de princípios ativos naturais. Mas antes de iniciar estas tricoterapias, estes ca- belos precisam ser preparados através de uma limpeza química, onde retiramos os resíduos de todas as substâncias nocivas que estão dei- xando estes cabelos encapados, impedindo que recebam nutrientes (óleo) e hidratação (água). Após esta limpeza daremos início ao tratamento que seriam: cicatrizações, nutrições, hidratações, onde os cabelos recebem uma carga de até 95% de princípios ativos. Receitamos para que o tricopaciente faça uma manutenção em casa, onde continuará com os tratamentos. Depois solicitaremos que esta tri- copaciente retorne a clínica periodicamente para fazer um tratamento de manutenção (retorno), onde analisaremos os cabelos e fotografaremos novamente para comparar o resultado final das tricoterapias e se for o caso, mudaremos os pro- dutos de manutenção em casa. É muito importante informar ao tricopaciente quais são os produtos que deixam ou deixaram os cabelos asfíticos, ensinar ao tricopaciente a cuidar e manter os cabelos saudáveis. Devemos fazer com que eles entendam que os produtos que contenham substâncias nocivas, tais como: silicone, petrolato, vaselina, óleo mineral, coran- te, queratina, etc., deixam os cabelos encapa- dos. Devemos explicar também para o tricopaciente que o prontuário que foi feito para ele é dele e que poderá no futuro tirar uma cópia, caso ne- cessite, para que ele se sinta livre para consultar outros profissionais, etc. É importante também ter no nosso espaço seja salão, clínica ou centro de tricoterapia produtos fitocosmeceuticos para manutenção dos tricopa- cientes que já receberam alta. Está sempre com a carteira da associação e diploma exposto para que os clientes sintam seguros. Resumindo: o cabelo com pH desequilibrado ou asfítico é um tipo de cabelo que a maioria das clientes que já passaram por processos químicos, tinturas com produtos de má qualidade, desco- loração, excesso de escova e prancha possuem. Tudo isto deixa o cabelo com muitas patologias. A mudança de hábitos é um dos melhores alia- dos para sanar este problema. Aluna Sandra Santos Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
  7. 7. 7 U mestudodetalhadosobreoqueaconte- ce com as fibras do cabelo quando inte- ragem umas com as outras deve ajudar cientistasadesenvolverprodutospararepararca- belos danificados, dizem pesquisadores alemães. O trabalho foi apresentado durante um congres- so da American Chemical Society, na Filadélfia. “Pela primeira vez, estamos apresentando um modelo experimental que permite que forças sutis, físicas e químicas, que entram em ação quando fios de cabelo friccionam uns aos outros ou são pressionados uns contra os outros, sejam medidas”, disse a co-autora do estudo, Eva Max, da Universidade Bayreuth, na Alemanha. “Os resultados vão ajudar a oferecer estratégias claras para melhorar os produtos para cabelo”, acrescentou. Segundo a pesquisadora, a abundância de tra- tamentos existentes hoje - como tingimentos e técnicas de alisamento - cria uma demanda para produtos que dêem aos cabelos uma aparência mais natural, especialmente no caso das mulhe- res. Max explica que os métodos convencionais para testar a eficácia de produtos para cabelo me- dem as forças necessárias para pentear o cabe- lo sob condições de laboratório padronizadas. Estes métodos também usam voluntários que fa- lam de suas impressões ao tocar os cabelos. Para a pesquisadora, abordagens como esta são subjetivas. Ela diz que é preciso um método mais científico de análise. A nova técnica criada pelos pesquisadores envol- ve colocar os fios de cabelo em um microscópio e medir suas interações à medida em que os fios tocam uns nos outros. A técnica foi usada para analisar amostras de ca- belo coletadas de voluntários. As amostras, que tinham sido descoloridas e tingidas, apresenta- vam tonalidades que variavam do louro claro ao louro escuro. Cabelo rebelde Os pesquisadores verificaram que o cabelo fica rebelde e difícil de pentear por duas razões prin- cipais. Na primeira, danos mecânicos à superfície do ca- belo criam escamas que se projetam em ângulos perpendiculares sobre outras fibras de cabelo. Quando as fibras de cabelo deslizam umas so- bre as outras, essas escamas geram mais fricção, produzindo uma sensação áspera e tornando o cabelo difícil de pentear. A outra explicação para cabelos rebeldes são mudanças químicas que ocorrem quando as fi- bras de cabelo interagem. Cargas negativas se acumulam na superfície do cabelo, causando repulsão entre os fios. A repulsão provoca fricção e torna o cabelo re- belde. Para resolver o problema, polímeros com carga positiva que neutralizam as superfícies carrega- das negativamente são incluídos em fórmulas de condicionadores para tornar o cabelo sedoso. Os cientistas explicam, no entanto, que além da interação entre os fios, outros fatores interferem no estado geral dos cabelos, entre eles, umida- de, conteúdo de água no cabelo e aderência dos fios. A chave para neutralizar esses processos é en- contrar a dose certa de componentes benéficos em um condicionador ou em um shampoo, di- zem a pesquisadora Max e sua equipe. CIÊNCIA E TRICOLOGIA um estudo abre caminho para shampoo do futuro Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
  8. 8. 8 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 REPORTAGEM escova progressiva a base de glutaroldeído O Glutaraldeido é uma substância co- mumente utilizada para desinfecção a frio nos hospitais e afins da rede pú- blica e privada no Brasil. Os profissionais de saúde (auxiliares de enfermaria, enfermeiros, pessoal de limpeza, entre outros), e possivel- mente os pacientes em regime de internação, podem estar sendo expostos em razão do em- prego deste e de outros agentes químicos tó- xicos em expurgos e processos de desinfecção e que possivelmente pode estar causando um problema de saúde pública e meio ambiente não notificado e que requer estudo a respeito. O GLUTARALDEIDO, utilizado neste processo de desinfecção e que em muitas vezes o pessoal que manipula tal agente, sequer é orientado so- bre como utilizar e seus possíveis efeitos sobre a saúde humana. Ressaltamos aqui os danos cau- sados à saúde de um destes profissionais, a Sra. TâniaPellaVenturi,quesofreuum“acidente”com a substância e que tem nos alertado através de seus estudos a potencialidade desta substância de causar danos à saúde humana o que nos leva a acreditar que há possibilidade de estar tam- bémcausandoproblemasàsaúdedeoutrospro- fissionais em outros estabelecimentos e pessoas não relacionadas ao trabalho (pacientes). Ressal- tamos este fato de intoxicação ao Glutaraldeido não deverá, provavelmente, ser um problema exclusivo no local de trabalho da Sra. Tânia, mas sim uma forte possibilidade de estarmos diante de um caso potencial de intoxicação sutil e ge- neralizado de trabalhadores, com sérias reper- cussões necessitando de pronta investigação. Pesquisas preliminares, junto a alguns profissio- nais de saúde nos levam a crer que tal substân- cia poderá estar causando problemas que não estão sendo notificados. Nossa experiência nos diz que apenas os casos mais graves se tornam passíveis de registro, sendo que uma grande par- cela de trabalhadores passa uma vida, expostos aos efeitos subagudos e crônicos, convivendo com problemas de saúde sérios que lhes redu- zem consideravelmente sua qualidade de vida, podendo evoluir para quadros terminais e fatais, sem,porémjamaisteremsidorelacioná-losàsex- posições químicas sofridas no local de trabalho. Outro fato a destacar é que os acidentes mui- tas vezes são encarados como situação indi- vidual e/ou pessoal, e o atendimento médico oferecido não leva em consideração a neces- sidade da adequação do local de trabalho e de mudança de padrões e procedimentos. A visão empresarial corrente que leva em conta a redução de custos e a competitividade den- tro de um modelo de globalização não pode continuar nos levando a tomada de decisões e implementações de práticas que desprezam os testes, a proteção e segurança dos trabalhado- res e terceiros, afetados pelos novos métodos, muitas vezes pouco experimentados para uso em larga escala. O GLUTARALDEIDO, Fórmula molecular: C5H8O2, Fórmula estrutural: CHO-(CH2)3-CHO, de Densidade: 0.72 e CAS: 111-30-8 é uma des- tas substâncias tóxicas que além dos possíveis benefícios registrados, podem estar trazendo terrível prejuízo a uma parcela de pessoas que não estão enquadradas a qualquer tipo de ava- O que é o Glutaraldeído?
  9. 9. 9Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 liação epidemiológica e de estatística direta que comprove que sua toxicidade tem causado da- nos irreparáveis a estas pessoas que entram em contato com o agente pelas diversas vias. O GLU- TARALDEIDO tem as seguintes características: Propriedades Físicas No estado puro, o Glutaral- deido apresenta-se sob a forma de um líquido oleoso ou de cristais incolores, de cheiro carac- terístico. É solúvel em todas as proporções na água e no etanol. Na prática o produto encontra-se sob a forma de soluções aquosas contendo geralmente 25 ou 50 por cento em peso de Glutaraldeido. São líquidos incolores, pouco voláteis, de reação ligeiramente ácida. Propriedades Químicas O Glutaraldeido é um produto muito reativo que pode se polimerizar na presença da água. A reação de condensação é mais rápida em meio alcalino e pode tornar- se violenta em contacto com bases fortes. -As soluções aquosas de Glutaraldeido levemente ácidas, são relativamente estáveis. A ação de um estabilizante (por exemplo, o metanol) permite conservá-las por mais tempo. O Glutaraldeido e as suas soluções aquosas corroem numero- sos materiais, nomeadamente o aço, o ferro galvanizado, o alumínio, o estanho e o zinco. Para o armazenamento das soluções aquosas de Glutaraldeidoéconvenienteusaroaçoinoxidável e certo plásticos reforçado de fibra de vidro. Cor- rentementeutilizam-serecipientesrevestidosin- teriormentecomresinafenólica,oumelhor,barris em polietileno protegido por invólucro metálico. Aplicações Componente de preparações bac- tericidas, nomeadamente para a desinfecção a frio de instrumentos médicos. Microbicida para o tratamento das águas de refrigeração industriais, agente para curtimento de couros, agente de melhoria da resistência à água nas in- dústrias de papel e têxtil. Mecanismo de Ação O Glutaraldeido tem potente ação biocida, é bactericidas, virucida, fungicida e esporicida. Sua atividade é devida a alquilação de grupos sulfidrila, hidroxila, carboxila e amino dos mi- crorganismos alterando seu DNA, RNA e sínte- se de proteínas. A atividade esporicida se deve ao fato do Glutaraldeido reagir com a super- fície do esporo, provocando o endurecimen- to das camadas externas e morte do esporo. Efeitos à Saúde Humana Outros efeitos de su- perexposição: Pode causar leve sensibilidade na pele em uma pequena proporção de indivíduos e apresentar-se como uma dermatite alérgica de contato. Isto geralmente resulta do contato com o líquido, mas ocasionalmente poderá ha- ver uma reação ao vapor de Glutaraldeido. Pode causar asma, particularmente em indivíduos com maior tendência em desenvolver reação alérgica a alergênicos ambientais comuns. Sen- sibilidade estudos em animais e em seres huma- nos, evidência de hiper-sensibilidade ao contato a longo prazo em 68% dos animais testados. Taiza Florêncio Costa, em sua dissertação de mestrado (2002), conclui que as substâncias químicas no ambiente hospitalar são em gran- de número detectadas pelos trabalhadores de enfermagem, e que mesmo apontando os efeitos e propondo soluções, há carência de informações claras sobre os riscos da exposi- ção, fato este comprovado pela reduzida noti- ficação de acidentes com substâncias químicas. Em síntese, este estudo contribuiu para subsi- diar propostas de prevenção. - Pesquisa Rede WWW no período de 01 a 30 de Janeiro de 2003. AssimpelapericulosidadedoGlutaraldeido,pela possibilidade de interação com outras substân- cias químicas que pode resultar na potenciali- zação dos efeitos tóxicos, sobretudo dentro dos hospitais; pelo fato de existirem pessoas ultra- sensíveis a determinadas substâncias (suscepti- bilidade), o que não afasta os efeitos crônicos e subagudos sobre aquelas pessoas menos sen- PESQUISAS REVELAM QUE O VAPOR DE GLUTARALDEIDO PODE CAUSAR RENITES, SINUSITES, PNEUMONITES, CONJUTIVITES, GRAVES IRRITAÇÒES OCULARES OU ATÉ CEGUEIRA, DERMATITES, SENSIBILIZAÇÃO, FORA OUTROS AGRAVAMENTOS QUE PODEM ADVIR DE CADA AMBIENTE ONDE USADO E DE HISTÓRICOS PESSOAIS. “ ”
  10. 10. 10 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 síveis; pela necessidade de se buscar sempre o índice de exposição química zero e que as taxas mínimas recomendadas para efeitos severos não contemplam adequadamente efeitos crônicos causados pelos agentes tóxicos que reduzem sensivelmente a qualidade de vida do cidadão e; pela incerteza científica que se arvora sobre conhecimento das ações e interações químicas em face das novas descobertas de interferências hormonais causadas pelos agentes químicos (os hormônios ambientais) que afetam pontos sutis em nível de DNA; pelos dados disponibilizados que dão conta que em nível de Brasil, as médicas jovens (da 3ª década) morrem mais de tumor de mama do que as outras profissionais, e que tam- bém se constatou que o índice de mortalidade por suicídio entre os médicos é bem superior àquele encontrado na população em geral. Recentemente, foi publicada a Resolução RDC 36, de 17 de junho de 2009, que proíbe a comer- cialização do formol em estabelecimentos como drogarias, farmácias, supermercados, empórios, lojas de conveniências e drugstores. A finali- dade dessa Resolução é restringir o acesso da população ao formol, coibindo o desvio de uso do formol como alisante capilar, protegendo a saúde de profissionais cabeleireiros e consumi- dores. Dados recebidos pela Anvisa mostram que as notificações de danos causados por pro- dutos para alisamento capilar triplicaram no 1º semestre de 2009 em comparação com todo o ano de 2008, sendo que na maioria dos casos há suspeita do uso indevido de formol (e também de glutaraldeído) como substâncias alisantes. O uso do formol como alisante capilar NÃO é permitido pela Anvisa, pois esse desvio de uso pode causar sérios danos ao usuário do produ- to e ao profissional que aplica o produto, tais como: irritação, coceira, queimadura, inchaço, descamação e vermelhidão do couro cabelu- do, queda do cabelo, ardência e lacrimejamen- to dos olhos, falta de ar, tosse, dor de cabeça, ardência e coceira no nariz, devido ao contato direto com a pele ou com vapor. Várias expo- sições podem causar também boca amarga, dores de barriga, enjôos, vômitos, desmaios, feridas na boca, narina e olhos, e câncer nas vias aéreas superiores (nariz, faringe, laringe, traquéia e brônquios), podendo até levar a mor- te. Para saber mais, acesse o material disponí- vel em nossa página sobre Formol e Alisantes. Recentemente, a Anvisa também tem sido ques- tionada quanto ao uso de glutaraldeído ou glutaral, que, devido a sua semelhança quími- ca com o formol, apresenta também os mesmos riscos e restrições. É importante esclarecer que o que está proibido éodesviodeusodessassubstâncias.Alegislação sanitária permite o uso de formol e glutaraldeí- do em produtos cosméticos capilares apenas na função de conservantes (com limite máximo de 0,2% e 0,1%, respectivamente), durante a fabri- cação do produto, somente. A adição de formol, glutaraldeídoouqualqueroutrasubstânciaaum produto acabado, pronto para uso, constitui in- fração sanitária, estando o estabelecimento que adota esta prática sujeito às sanções administra- tivas,cíveisepenaiscabíveis,sendoqueadultera- ção desses produtos configura crime hediondo. Lembramos que somente os produtos definidos como cosméticos estão sujeitos às normativas vigentes para cosméticos. Como alisar os cabelos de forma segura Os produtos alisantes devem ser registrados na Anvisa. Existem substâncias ativas específicas com propriedades alisantes como ácido tiogli- cólico, hidróxido de sódio, hidróxido de potás- sio, hidróxido de cálcio, hidróxido de lítio, hidró- xido de guanidina permitidas pela legislação. Substâncias como formol e glutaraldeído NÃO são permitidos como alisantes. Formol e Glutaraldeído como alisantes: Diga NÃO ao Uso Indevido
  11. 11. 11Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 A tualmente existem no mercado vários tipos de es- covas progressivas que prometem milagres. Com váriosnomesdeapeloaopúblico,comoporexem- plo:escovamarroquina,escovademorangocomchampag- ne, escova inteligente, escova defrizante temporária, escova demel,escovadeleite,etc.,todasprometemacabarcomos problemas da cliente. Na verdade, as escovas estão trazendo sérios danos à saúde dos fios de cabelo e muitas vezes ao couro cabeludo tam- bém. Muitos cabeleireiros e tricoterapeutas reclamam que che- gam no salão várias clientes com os cabelos elásticos, que- bradiços e sem vida devido ao procedimento da escova progressiva. Mascomorecuperarestescabelos? Eporqueestãoassim? Oscabelosquepassamporqualquerprocessodeprocessa- mentocapilarnoqualincluemtambémasescovasprogres- sivas devem primeiramente passar por uma consulta onde o profissional vai avaliar os cabelos da cliente, seus hábitos em casa, os produtos que ela usa para cuidar no cabelo no dia-a-dia, etc. Após realizado a consulta e analisado o pH do fio de cabelo, o profissional vai chegar no seguinte diagnóstico: • O cabelo está em condições de passar por um processodeescovaprogressiva • O cabelo não está em condições de passar por umaescovaprogressiva Casoocabeloestejaemcondiçõesdepassarporumaesco- va progressiva, o profissional vai explicar ao cliente quais os produtos ele deve usar em casa, pois de nada adianta usar um shampoo, condicionador ou finalizantes comuns. Se o cabelo está sem condições de passar por uma escova progressiva, o mesmo deve ser tratado com pelo menos 4 sessões de tricoterapia para depois ser feita outra consulta com o objetivo de diagnosticar a viabilidade de uma quími- ca capilar. Um dos grandes problemas é que esta consulta acima deve ser feita por um profisssional especializado em tratamento capilar: o tricoterapeuta. Na maioria das vezes, o cabeleireiro não tem formação sufi- ciente para dignosticar os cabelos ou por ganância em ga- nhar dinheiro autoriza o cliente a fazer a escova progressiva. Se você tem o desejo de fazer uma progressiva procure um tricoterapeutaparaavaliarosseuscabelosesomentedepois procure um cabeleireiro para realizar o procedimento. Um dias antes da realização da escova progressiva, o cabelo tem que ser preparado. Chamamos este procedimento de pré-química. Os produtos usados para preparar o cabelo devem contem em sua composição alta concentração de água e óleo, elementos essenciais para preparar os cabelos. Nada de banho de creme com queratina, silicone, óleo mi- neral ou vaselina achando que vai preparar os cabelos!! No dia da química com o procedimento já realizado, o ca- belo deve passar por outro procedimento chamado terapia pós-química. Todo este processo faz com que os cabelos fiquem saudá- veis após uma escova progressiva. E lembre-se: todo este processo vai continuar em casa, com o uso de produtos naturais fitocosmecêuticos. No caso da escova progressiva, vale ressaltar que a cliente deverá usar o xampu fortalecedor na primeira lavada pois o mesmo vai fortalecer a fibra capilar e as ligações do cabelo para que o mesmo se recupere internamente e não quebre. Na segunda lavada usar o xampu remédio que deve ser usado durante 7 higienizações. Funciona como se fosse um antibiótico. Depois do xampu os produtos indicados são: restaurados nutritivo ou nanovitamina que penetram nos fios e repõe água e óleo. Como finalizantes o uso do soro vegetal e restaurex são im- portantíssimos. Não podemos esquecer também do uso do PROGRESSIVE: umprodutolíquidodetratamentoquepenetranafibra,for- talece, hidrata e nutre os fios que passaram por progressiva. Este produto é o mais avançado que tem no mercado para recuperar cabelos danificados pro progressiva. Mas quando a escova progressiva danificou os cabelos da cliente e ela procura um cabeleireiro para tratar, como deve proceder. O ideal é o cabeleireiro indicar um tricoterapeuta para fazer uma consulta, pois de nada adianta ir fazer hidra- tações neste cabelo. Este cabelo precisa de um profissional especializado para diagnosticar o nível de danos no fio e tratar corretamente, afinal de contas o cabelo deve se recuperar e nunca só ma- quiar o problema. TRATAMENTO como recuperar cabelos danificados por escova progressiva Curiosidade: PORQUE ALGUNS CABELOS QUE PASSARAM POR ESCOVA PROGRESSIVA FICAM COM UM ASPECTO DE PLÁSTICO? O uso da progressiva, com o produto dentro do fio de cabelo, juntamente com o calor da prancha, acabam derretendo as cutículas dos cabelos, obstruindo os poros por onde passam os nutrientes para o fio, daí este aspecto elástico.
  12. 12. 12 TRICOTERAPEUTA Como o tricoterapeuta recupera o cabelo de uma tricopaciente Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 T udo começa com uma cliente com algum tipo de patologia no seu cabelo. A cliente insatisfeita procura um pro- fissional que possa solucionar o seu problema capilar: o tricoterapeuta- um profissional especialista em trata- mento capilar. O tricoterapeuta inicia o processo atra- vés de uma consulta, onde irá coletar todos os dados necessários sobre a patologia, irá diagnosticar descobrin- do a causa da patologia e orientar a cliente sobre o que ela deve fazer para recuperar a saúde do seu cabelo. Após a consulta, a cliente se transfor- ma numa tricopaciente, na qual irá ini- ciar o processo terapêutico através de 4 sessões de tratamento capilar na clínica ou centro de tricoterapia, mais a manutenção em casa com pro- dutos fitocosmecêuticos. É muito importante nesta fase o com- promisso da tricopaciente em fazer tudo certo em casa e principalmente, mudar os seus hábitos capilares, ou seja, como ela cuida do seu cabelo no dia-a-dia. Terminado as sessões de tricoterapias, a tricopaciente recebe alta e volta depois de 30 dias para um retorno, onde o tricoterapeuta vai fazer uma evolução do tratamento e ao mesmo tempo acompanhar os cuidados da tricopaciente em casa. O trabalho de acompanhamento do tricoterapeuta é constante. É importante salientar que o tricotera- peuta atua na área da saúde capilar, ao contrário do cabeleireiro que atua na área da beleza capilar. A Escola Profissionalizante Hospital do Cabelo é a primeira empresa do Brasil a oferecer curso profissionali- zante de Tricoterapia ( terapia capilar) volta para o diagnóstico das causas e recuperação de cabelos com patolo- gias. A escola oferece um curso ao ano ofe- recendo o curso de tricoterapeuta. Neste curso o aluno tem aula de ética profissional, comunicação, eletrotera- pia, psicologia, programação neuro- linguistica, tricologia, cosmetologia, química capilar, caspa, queda, sebor- réia, cabelos quebradiços, etc. Ao sair do curso o aluno entra na ATT- MG: Associação dos Profissionais Tricoterapeutas de Minas Gerais e pode montar uma clínica ou centro de tratamento capilar. Para pessoas que desejam conhecer ou se inscrever na próxima turma o site é: www.escolahospitaldocabelo.com.br Outras informações também são dadas pelo telefone (31) 32225531
  13. 13. 13 MESA REDONDA com os alunos do primeiro período do curso avançado de Tricologia Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 E você, tem ética profissional? Em todas as profissões, seja ela qual for, não basta apenas ter conhecimentos técnicos, teóricos, respeito e seriedade, enfim, todos adjetivos cabíveis. O bom profissional deve acima de tudo exercer ética profissional. Com esta atitude, ele desenvolverá um trabalho seguro e eficaz. Sônia Maria de Andrade “ ” Hoje em dia, todos os segmentos frisam a importância de ser um profissional com ética, porém acredito que há um longo caminho a ser percorrido. Como tricoterapeuta percebo que ter ética é muito importante, pois influi na confiança que o tricopaciente deposita na recuperação de sua tricose. Ana Carolina Prates “ ” Em toda profissão é de extrema importância se ter ética profissional. Na tricoterapia não é diferente, pois lidamos com pessoas e tratamos diferentes tipos de tricoses. Além de ter conhecimentos, é necessário entender e respeitar o tricopaciente. Genadice Evangelista Barboza Oliveira (aluna e proprietária da S.O.S. Clínica de Tricoterapia em Unaí). “ ” Um bom profissional tricoterapeuta precisa ter um bom conhecimento do assunto, ter uma boa postura e transmitir confiança para o seu tricopaciente, e acima de tudo, ter ética profissional, pois qualquer profissão que exercemos acima de tudo está o respeito pelas pessoas. Márcia Silva Lacerda (aluna e proprietária da Clínica Capilar Evolução em Bom Despacho) “ ” “A ética é fundamental em qualquer espaço habitado por um ser humano, em qualquer profissão e em qualquer lugar. Não nascemos éticos. Temos que trabalhar a ética e evoluir dia após dia. Luciene Ferreira da Costa (aluna e proprietária da Clínica de Tricoterapia Vitalli em Nova Serrana) “ ” N esta edição, abordamos um as- sunto muito interessante: ética profissional. Masoqueééticaprofissional? Ética profissional são normas que regem a profissão, ou seja, estipula os deveres que devemserseguidosnodesempenhodeuma atividade profissional. É muito importante, principalmente, nos dias atuais, onde o ego- ísmo e a ganância tomam conta dos seres humanos, que passam a se preocupar so- menteconsigomesmo.Aéticavemmelhorar arelaçãoentreprestadoresdeserviçoseseus clientes. Pois, só assim, por exemplo, que o tricopacientedeixadeserumamerafontede dinheiro, para se transformar em um pessoa quepossuialgumtipodeproblemacapilar.É claroquenãosepodegeneralizar,jáqueexis- tem muitos profissionais que amam o que fazemequedãosuavidapelaprofissão,esses sim,devemserseguidoscomoexemplos.Pois quemamaoquefaz,fazbemfeito-odinhei- roésóumagratificação. Convidamos os alunos do primeiro período do curso de tricologia para comentar sobre o assunto: Para qualquer profissional a ética é muito importante, porque primeiro nós temos que respeitar a profissão e os princípios éticos que formam ensinados. Nunca podemos pensar que só porque temos mais conhecimentos que os outros profissionais somos melhores. Rosani Almeida Aparecida “ ” Para oferecermos os melhores resultados para os nossos clientes é preciso ter ética. Não existe qualidade sem ética. O conhecimento aliado a ética tem que ser o diferencial do tricoterapeuta, pois ética gera confiabilidade, e confiabilidade fideliza os clientes, proporcionando assim, melhor resultado nos tratamentos. Flavia Biagini “ ”
  14. 14. 14 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 SOS CABELO Sala de Tricoterapia Farmácia Capilar Farmácia Localização Consultório Recepção Recepção SOS CABELO clínica de tricoterapia
  15. 15. 15Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
  16. 16. 16 Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
  17. 17. 17 VEGETAIS Conheça o jaborandi e a manteiga de bacuri JABORANDI Histórico: O jaborandi é originário da América do Sul. Seu princípio ativo, um alcalóide conhecido como pilocarpina é um poderoso sudorífico, age sobre as glândulas salivares e sobre glândulas la- crimais. Ele é conhecido popularmente como “remédio milagroso”que interrompe a queda e faz crescer cabelos, além de combater a seborréia. Constituintes: Alcalóides: pilocarpina, isopilocarpina, pilosina, pilocarpidina Óleo essencial Propriedades farmacológicas: Estimulante das glândulas. Tem ação sobre a mitose capilar, além de ser um vasodilatador natural. Mitose é o processo mediante o mate- rial genético é duplicado com precisão, gerando dois novos conjuntos de cromossomos iguais ao original. O jaborandi, por ser miótico, ajuda nes- te processo. Indicações: Uma das melhores ervas nas tricoterapias para queda e crescimento. Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009 MANTEIGA DE BACURI Bacuri-PlatoniainsignisMart.(Gutiferas)   Nome popular: Bacuri É uma árvore decídua de estação seca, de 25 a 40 metros de altura. Tem folhas de 8 a 15 centíme- tros de comprimento, lanceoladas, coriáceas, flo- res rosadas de 5 a 7 centímetros, com 5 pétalas e numerosos estames. O fruto são bagas grandes, globosas e amarelas, com polpa amarelada e epicarpo amarelo. Indicações: Uso popular: Possui muito fósforo, ferro e vi- tamina C. Do bacuri é feito refrescos e doces, cre- mes as sementes fornecem óleo que é utilizado como remédio caseiro no tratamento de doen- ças de pele. Sua casca exsuda resina usada em veterinária e sua madeira é nobre. Produção de compotas, doces, sorvetes, cosméticos, etc. Uso Industrial: Estudos mostram que o fruto possui ótimas características para obtenção de néctaresesucos.Apolpadeflavoragradavelmen- te forte, vem sendo desenvolvidos vários produ- tos alimentícios podendo ser bastante doce ou extremamente ácido.ambos são empregados na fabricação de sorvetes, sucos, doce enlatado, pu- dins, recheio para biscoitos, geléia, etc. A resina pode Ter uso industrial de modo similar ao látex extraído de outras Gutíferae. As sementes com alto teor de óleo e alta porcentagem de ácido graxos palmíticos e oleico, podem Ter uso indus- trial para cosméticos de tratamento capilar.
  18. 18. 18 RODADA DE EMPREENDIMENTOS ab Revista Maísa - Setembro/Outubro - 2009
  19. 19. VÉX VEGETAIS ação social Ape
  20. 20. PROGRESSIVE FLUÍDO VEGETAL DE BACURI E COPAÍBA Novo lançamento dos produtos VÉX VEGETAIS!!!!!!! A união da manteiga de bacuri (originária do Amazonas) com o óleo de copaíba deu origem a este produto que tem por função recuperar cabelos danificados por escova progressiva. Reduz o índice de quebra, fortalecendo, hidratando e nutrindo fios danificados por escova progressiva. Penetra no fio e retira o aspecto elástico que a escova progressiva deixa no cabelo. Livre de óleo mineral ou vaselina. À venda a partir do mês de Julho. N OVO

×