Triduo Sr Angela Vallese_3 giorno por

332 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
115
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Triduo Sr Angela Vallese_3 giorno por

  1. 1. 1 3° Dia: 16 de agosto de 2014 ANGELA, A «MÃE BONDOSA» Dir: No Sistema Preventivo, a bondade, o ser bom, é um elemento essencial; é um modo de ser que distingue um educador salesiano de todos os outros. É a bondade que conquista e transforma, aproxima e compreende, ama e educa. Por trás da bondade, do ser bom, esconde-se o bem, o verdadeiro, o belo! Ir. Angela Vallese era chamada pelas pessoas, especialmente pelas crianças e mulheres com as quais vivia, “a Mãe bondosa”. As pessoas a reconheciam não somente como “Mãe”, mas como uma “Mãe boa”. Nesta missionária da primeira hora encontra-se o bem, o verdadeiro, o belo segundo o Evangelho. Encontra-se uma Mãe de coração grande, olhar atento e mãos empreendedoras. Invocação ao Espírito Santo… (escolher um canto ou oração) Da vida de Ir. Angela Vallese Leitor 1: Tendo deixado definitivamente a Ilha Dawson, os missionários, as missionárias e um grupinho de indígenas chegam a Punta Arenas para, em seguida, partir para a missão da Candelária. No porto, espera-os Ir. Angela Vallese. No momento do desembarque os indígenas, tímidos, embaraçados, meio perdidos, repetem humildemente: “Mãe bondosa... Mãe bondosa!...”. Ir. Angela chama-os um a um pelo nome, e a cada um dirige uma palavra materna. Leitor 2: Na comunidade ela é capaz de intuir toda pequena ou grande necessidade. Quantas vezes, secretamente, conserta as roupas das Irmãs! E quando percebe que alguém precisa cerzir o próprio hábito – pois nenhuma delas tinha dois – espera que a Irmã vá dormir e depois, «cautelosa e silenciosamente leva-o consigo». Trabalha a noite toda. De manhã a Irmã, ao se levantar, encontra o hábito em ordem. Leitor 1: Quando alguma das Irmãs adoece, é Ir. Angela que cuida da enferma noite e dia. «Sabe intuir um simples mal-estar, uma fugaz melancolia; até mesmo pelo modo de falar, de olhar, de rir compreende se as suas filhas têm alguma coisa. Então, aproxima-se com pronta caridade e sussurra delicadamente: O que você tem? Posso ajudá-la? Estou aqui para você...». Leitor 2: «E quanta solicitude para conservar a harmonia em casa, para manter alegres suas filhas tão sacrificadas e tão longe de todos, para preparar-lhes uma agradável surpresa, lembrar de um especial aniversário, oferecer um pouco de descanso através de um belo passeio». Da Palavra de Deus (Mc 10, 17 – 18a) «Quando Jesus saiu de novo a caminhar, um homem foi correndo, ajoelhou-se diante dele e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?” Jesus respondeu: “Por que você me chama de bom?” […].» De uma carta de Madre Mazzarello «Viva Jesus e Maria!
  2. 2. 2 Minha sempre querida Irmã Angiolina, já faz um ano que não nos vemos, não é mesmo? Como o tempo passa! É preciso que aproveitemos de verdade, adquirindo muitos merecimentos, e assim podermos estar prontas, quando o Senhor nos chamar. Fico feliz de que essas Irmãs sejam boas e trabalhem; cabe a nós fazê-las crescer sempre na virtude, primeiro com o exemplo, porque as coisas ensinadas com o exemplo ficam muito mais impressas no coração, e fazem um bem muito maior; depois, com as palavras. Anime-as sempre a ser humildes, obedientes e amantes do trabalho; a agir com reta intenção, a ser francas e sinceras, sempre e com todos. Conserve-as sempre alegres; corrija-as sempre com caridade, mas não perdoe nunca nenhum defeito. Um defeito corrigido logo, às vezes é nada; ao invés, se a gente deixa que crie raízes, depois é preciso muito esforço para arrancá-lo.» Da Exortação Apostólica Evangelii Gaudium (259) Juntas: «Jesus quer evangelizadores que anunciem a Boa Nova, não só com palavras mas sobretudo com uma vida transfigurada pela presença de Deus.» Dir: Rezemos em coros alternados. Dir: O que importa? 1. «Para Ir. Angela Vallese os sacrifícios não contam mais quando a graça triunfa nas almas!» 2. O que importa se na casa falta o necessário? O que importa gastar as mãos, lavando no tanque ou amassando o pão...? 1. O que importa se falta a lenha e é preciso percorrer seis ou sete quilômetros, faça chuva ou faça sol? 2. O que importa ter as mãos inchadas por causa do frio ou das frieiras, arrebentadas pelos espinhos, endurecidas pelo uso da enxada com a qual se cava com esforço o árido terreno...? Juntas: «Tudo é nada, desde que Deus reine! Este é o estilo de Ir. Angela Vallese». 1. “Mãe bondosa”. “Mãe dos Índios”. “Mãe branca”. Não importa como a chamam. 2. Para os seus fueguinos, Ir. Angela Vallese foi verdadeiramente Mãe. Nela eles encontraram o bem, o verdadeiro, o belo, segundo o Evangelho. Concluir com um canto apropriado: Reflexão pessoal: Encontrando as Irmãs da Ilha Grande, Ir. Angela Vallese encoraja-as a não terem medo do frio austral, mas daquele que petrifica o coração dos índios Onas: «Ah, minhas filhas, eu bem sei que os índios são selvagens, repugnantes na sua imundície e nudez, às vezes com instintos ferozes e brutais, dispostos à violência, mas como diz Monsenhor [Fagnano], procuremos ser para eles pais e mães... Nenhum sacrifício é demais... Sejam fervorosas na oração, ardentes na caridade recíproca: Deus e Maria Auxiliadora farão o resto!» Assim que chegaram Mons. Fagnano, Ir. Angela Vallese e outras duas irmãs à Ilha Dawson, para uma visita, os indígenas fugiram. Mas depois, pouco a pouco, foram se aproximando. Ir. Angela olha-os um a
  3. 3. 3 um sorrindo, aproximando-se e abrindo-lhes os braços como uma mãe. Mais tarde dirá: “Estavam todos vestidos como S. João Batista!...” Os indígenas estudam as missionárias. Estimulados por seu sorriso, querem vê-las de perto, tocá-las, mas com os pés estão prontos para fugir. Mistério demais naquelas três figuras brancas e pretas. São homens, são mulheres, são pinguins? “Kasteciaci?” (pinguins), perguntam. “Não”, responde Mons. Fagnano, “mães bondosas”. “Ah!...” Então, as mulheres tomam pela mão as Irmãs e as acompanham para visitar as suas misteriosas moradias: cabanas circulares nas quais vivem apertados homens e cães, os preciosos companheiros de caça dos indígenas. Daquela visita, Ir. Angela levará consigo a certeza de que Deus a chama a sacrificar- se para salvá-los! Deus a convida para ser “Mãe bondosa”! * * * * *

×