O QUE ENSINAR SOBRE VERBO

567 visualizações

Publicada em

LIVRE

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O QUE ENSINAR SOBRE VERBO

  1. 1. COMPONENTES: CHAPADINHA - MA
  2. 2. NÚMERO PESSOA TEMPOS MODALIDADE VOZ ASPECTOS CONCORDÂNCIA VERBAL REGÊNCIA VERBAL EXEMPLOS DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DO VERBO Tipos de atividades
  3. 3. Agora iremos visitar o Campo de Marte onde vivem acampados os VERBOS, uma espécie muito curiosa de palavras. Depois dos Substantivos são os Verbos as palavras mais importantes da língua. Só com um Nome e um Verbo já podem os homens exprimir uma ideia. Monteiro Lobato, Emília no País da Gramática.
  4. 4. O que a escola tem trabalhado nas atividades de ensino de verbo? Para responder esta pergunta vamos nos valer dos estudos feitos por Nunes, G. (2001) “Partindo do pressuposto de que os professores ensinam basicamente o que está proposto pelo livro didático [...] Nunes, G. (2001) fez um levantamento do que tem sido ensinado sobre verbo nas escolas de ensino fundamental (5ª a 8ª séries) Para fazer seu levantamento Nunes usou quinze coleções de livros didáticos num total de sessenta volumes (quinze de cada série). Dez dessas coleções eram classificadas pelo MEC com três, duas ou uma estrela como forma de orientação do professor na adoção ou não dos livros didáticos e cinco não contavam da relação de coleções analisadas pelo MEC. Segundo Nunes, G. (2001) não há diferença notável entre as primeiras e as segundas no que dizem respeito ao ensino do verbo.
  5. 5. “O estudo é predominantemente teórico e voltado quase exclusivamente para as formas (flexão, identificação e denominação), pois o trabalho com a significação é raro. Na verdade, a preocupação com a significação parece ocorrer só com uma coleção em atividades de gramática reflexiva em que o autor busca incorporar sugestões feitas por Travaglia 1996), todavia sem maior amplitude de aplicação [...] suas possibilidades significativas e sua adequação à produção de efeitos de sentido e às situações de uso, nem mesmo ao que diz respeito ao já registrado nas Gramáticas tradicionais e nos estudos de Estilísticas. MAGNO
  6. 6. 85 83 77 71 80 100 100 0 23 67 73 38 21 31 17 15 18 20 33 23 25 23 50 40 0 0 100 23 33 73 69 43 46 67 67 55 87 27 8 25 31 14 27 0 0 100 92 11 33 23 57 62 33 23 64 53 60 0 8 8 0 7 0 0 0 8 22 13 8 14 31 33 8 18 80 60 Síntese da análise geral dos conteúdos sobre verbos em livros didáticos 5ª 6ª 7ª 8ª MAGNO
  7. 7. Nos itens anteriores ficaram sugeridos alguns tópicos sobre o verbo que pensamos poderia ser objetos das atividades de ensino / aprendizagem no Ensino Fundamental e Médio. “Vamos, a seguir, elencar de forma mais explícita e organizada uma série de itens que podem ser objeto de atividades de ensino / aprendizagem do tópico “verbo” dentro do ensino de gramática.[...] 1) Trabalhar os itens, elencados nos diferentes planos da língua, quando este for o caso e se isto for possível ou, pelo menos, com consciência sobre a qual plano determinado o fato se refere:
  8. 8. a) fonológico: por exemplo, a flexão do verbo e a alternância vocálica: eu durmo, tu dormes, ele / você dorme; b) “morfológico: por exemplo, a flexão do verbo e os morfemas flexionais. c) “sintático: por exemplo, a flexão do verbo e a concordância com o sujeito e outras formas de concordância. d) “semântico: por exemplo, a flexão verbal e a categoria que expressa ( tempo, modalidade, número, pessoa).
  9. 9. 2) Mostrar o funcionamento dos verbos nos níveis lexical, frasal e textual . a) lexical: itens como classe de palavras, significado de itens lexicais ( por exemplo, distinção de verbos sinônimos) b) frasal: itens como regência, concordância, predicado com seus argumentos, transitividade, etc.; c) ”textual, em que os fatos como: a) coesão ( continuidades de tempo e aspecto ); b) relações entre categorias e tipologia de textos e estruturas d) verbos usados como marcadores conversacionais e ordenadores de elementos no texto; e) formas e categorias verbais estabelecendo relevo etc.
  10. 10. 3) Na organização da atividade, como proposto no capítulo 4, usar duas formas básica: a) organizar pelo tipo de recurso; b) organizar pela instrução de sentido.
  11. 11. “Em nenhum momento queremos sugerir que a listagem abaixo contém um levantamento de tudo o que se pode trabalhar a respeito do verbo [...] Considerando apenas o básico sobre o verbo e que não pode ser esquecido no ensino / aprendizagem sobre o mesmo.” 1) Tipos de verbo Há diversas classificações, como a de Borba (1990), a tradicional usando o critério de transitividade, a de Travaglia (1981 e 1991). A) verbos lexicais: “expressam situações identificáveis no mundo biopsicofísicossocial, funcionando como lexemas: 1) de situação dinâmica: de ação ( comprar, escrever, andar etc.); b) de acontecer B) verbos gramaticais: “não expressam situações, mas exercem outras funções tais como: 1) marcar categorias verbais ( tempo, modalidade, aspecto e voz) 2) se simplesmente um “carregador” ou “suporte de categorias 3) indicar noções gerais e abstratas em relação a uma situação apresentada por outro verbo 4) exercer funções ou papeis textuais-discursivos determinados tais como: a) marcar relevância ( Foi Maria que limpou a casa / / Importa ou É importante/fundamental/crucial fazer justiça); indicar tempo ( Faz duas horas que ele chegou)
  12. 12. SOCORRINHA Ao trabalhar com o verbo é preciso: a) “distinguir coisas como: tempos flexionais do verbo [...] tempo verbal [...] modalidade [...]” b) no que respeita às formas verbais, trabalhar as flexões dentro dos grupos de conjunção, tanto dos chamados verbos regulares, quanto irregulares, anômalos, defectivos e abundantes. c) confrontar flexões de variedade culta , como flexões das variedade não-cultas da língua tais como: seja/seje, tesse/tivesse, ponhá/pôr etc.
  13. 13. Neste tópico, não só mostrar a flexão de número em singular e plural, que na verdade é uma flexão de nome que se “reflete” no verbo pelo processo da concordância, mas também fazer com que o aluno: a) saiba usar automaticamente as desinências. b) ao estudar a concordância, possa discutir as diferenças de efeitos de sentido nos textos. c) distinga certos efeitos do uso no plural pelo singular e vice-versa em termos de determinados usos. NÚMERO
  14. 14. “No trabalho com a pessoa mostrar que: a) as pessoas estão relacionadas como o discurso em termos de sujeitos envolvidos [...] a) b) como o número, a pessoa é mais uma categoria dos nomes (substantivos) e dos pronomes que “passa” para o verbo no processo da concordância; a) c) algumas pessoas (segunda do singular e plural) tem pouca produtividade no Português do Brasil, ficando mais restritas a alguns dialetos regionais. PESSOA
  15. 15. Trabalhar com o tempo enquanto categoria verbal mostrando: a) ”o que é uma categoria dêitica de tempo. b) “que o Português faz ( 6 ) seis marcações temporais distintas. c) as noções temporais que cada forma verbal pode exprimir; d) “as perífrases que podem expressar a categoria de tempo. e) “usos textuais dos tempos, TEMPOS
  16. 16. Trabalhar as modalidades mostrando: a) que são indicações de atitudes do falante em relação ao que diz; b) “os recursos para expressão da modalidade. c) os usos argumentativos da modalidade; d) “um quadro sempre o mais completo possível de modalidade. MODALIDADE
  17. 17. Trabalhar a voz mostrando basicamente: a) “que é a categoria verbal através da qual se marca a relação entre o verbo e seu sujeito. b) pode considerar a existência de até quatro vozes c) “os recursos de expressão da voz do Português contemporâneo do Brasil. d) a existência da passividade do sujeito sem haver voz passiva; e)“as diferenças significativas de dizer a “mesma coisa”, usando uma voz ou outra. VOZ
  18. 18. Trabalhar o aspecto mostrando basicamente: a) “que é uma categoria de tempo, não-dêitica, que marca a duração da situação. b) “as noções aspectuais e os aspectos correspondentes. c) as principais formas de expressão do aspecto. d) os papéis textuais do aspecto na coesão textual e na caracterização de tipos de textos. e) os papéis textuais do aspecto na ordenação de situações. ASPECTOS
  19. 19. CONCORDÂNCIA VERBAL Trabalhar a concordância verbal mostrando basicamente: a) as regras de concordância entre sujeito e verbo da norma culta. b) que nestas regras de concordância entre sujeito e verbo, o que se observa é quase sempre a possibilidade de opção entre duas ou mais possibilidades de concordância. c) a variação da concordância entre verbo e sujeito de acordo com a variedade linguística.
  20. 20. REGÊNCIA VERBAL Trabalhar a regência verbal, atendendo a critérios de frequência, sempre dentro dos seguintes parâmetros: a) “observar a regência pela norma culta, confrontando com as regências autorizadas em outras variedades da língua. b) “trabalhar sempre com a regência, tendo em vista uma variedade linguística contemporânea. c) no caso de regências alternativas, trabalhar a diferença de significação, quando ocorre.
  21. 21. EXEMPLOS DE ATIVIDADES PARA O ENSINO DO VERBO “Os exemplos de atividades que aqui são apresentados, visam, tão somente, mostrar de modo mais concreto como poderiam ser abordados alguns itens do tópico “verbo”.
  22. 22. Tipos de atividades “Como foi sugerido, pode-se fazer uma abordagem teórica ou uma abordagem não teórica dos fatos da língua.
  23. 23. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais, enfatiza-se a necessidade de dar ao aluno condições de ampliar o domínio da língua e da linguagem, de desenvolver seus conhecimentos discursivos e linguísticos e de prepará-lo, dessa forma, para o exercício da cidadania. Nos Parâmetros Curriculares Nacionais − Ensino Médio, publicados dois anos depois dos PCNs do Ensino Fundamental, evidência de que as falhas se perpetuam no ensino da gramática. MAGNO
  24. 24. Nas gramáticas e nos materiais didáticos (livros, apostilas, manuais de orientação ao professor etc.), o tratamento dado ao verbo, em geral, limita-se à exposição de modelos de conjugação, com todas as formas temporais e modais, sem que se explique, por exemplo, por que alguns verbos permitem certas construções e outros não. Infelizmente, não se discute o essencial, isto ., as marcas que o sujeito enunciador deixa de si mesmo ao utilizar as formas verbais para expressar-se, oralmente ou por escrito, e, ainda, o que pretende dizer ao ouvinte/leitor e como quer que este interprete o que foi dito. MAGNO
  25. 25. MAGNO A expressão se constrói no interior da mente , sendo sua exteriorização apenas uma tradução. A enunciação é um ato monológico , individual, que não é afetado pelo outro nem pelas circunstâncias que constituem a situação social em que a enunciação acontece. [...] Presume-se que há regras a serem seguidas para a organização lógica do pensamento e, consequentemente, da linguagem, são elas que se constituem nas normas gramaticais do falar e Escrever bem. (TRAVAGLIA, 1996, p. 21).

×