Migração para Software Livre

435 visualizações

Publicada em

Estruturação de migração de ambiente computacional para software livre.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
435
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Migração para Software Livre

  1. 1. Migração paraMigração para Software LivreSoftware Livre Magno A. Cavalcante (Engenheiro de Software) Março de 2006
  2. 2. 2 Software Livre • Uma vez que a empresa ou instituição decidiu migrar sua estrutura de tecnologia da informação para Software Livre, alguns passos deverão ser seguidos para que isto ocorra com o menor impacto possível.
  3. 3. 3 Normas de Software • Implementar ações com base nas normas brasileiras e internacionais que regem diversos procedimentos de software: – NBR ISO/IEC 12207: Tecnologia da Informação – Processos de Ciclo de Vida de Software. – NBR 13596: Tecnologia da Informação – Avaliação do Produto de Software. – ISO/IEC 9126: Tecnologia da Informação – Qualidade do Produto de Software.
  4. 4. 4 Normas de Segurança • Implementar ações com base nas normas brasileiras e internacionais que regem diversos procedimentos de segurança em informática: – ISO/IEC 17799: Tecnologia da Informação – Código de Prática para Gestão da Segurança de Informações.
  5. 5. 5 Normas Gerais • Implementar ações e procedimentos com base nas regulamentações da empresa e na legislação federal. • Procurar os órgãos brasileiros que padronizam as normas para tirar dúvidas (ITI, INMETRO, SERPRO, MCT).
  6. 6. 6 Núcleos de Decisão • Criar comitês de responsabilidade para cada sub-área a ser migrada. Em geral serão: – Hardware e Sistemas Operacionais; – Redes e Telecomunicações; – Automação de Escritório; – Estação de Trabalho e Emulação de Legado; – Migração do Legado;
  7. 7. 7 Núcleos de Decisão – Segurança (firewall, anti-spam, antivírus, ferramentas de backup); – Bancos de Dados Corporativos e Pessoais; – Aplicações Corporativas; – Gerenciamento de Projetos; – Apoio à Gestão Operacional de TI; – Ambiente Web.
  8. 8. 8 Núcleos de Conhecimento • Os Núcleos de Decisão servirão de base para se estabelecer Núcleos de Conhecimento, de onde sairá a documentação sobre como será realizada a migração. • Estes Núcleos de Conhecimento também serão responsáveis por difundir o conhecimento e treinar pessoal técnico necessário.
  9. 9. 9 Inventário • Deverá ser feito um levantamento da situação atual de hardware e software da empresa. • Também deverá ser avaliada a necessidade de uso de software e processamento paralelo para um período futuro maior que 2 anos.
  10. 10. 10 Laboratórios de Validação • Deve-se criar laboratórios específicos para que sejam feitos testes de usabilidade, qualidade e performance nas aplicações de Software Livre em uso presente e futuro. • Nestes laboratórios deverão ser feitos testes para análise do hardware em uso em comparação com as reais necessidades de desempenho e confiabilidade do software.
  11. 11. 11 Sistema de Controle de Versão • Deverá ser implantado um sistema de controle de versão das aplicações e recursos existentes no ambiente de TI. • A partir deste sistema os usuários remotos poderão instalar e atualizar os recursos necessários para o respectivo trabalho, sendo que estes já deverão ter sido homologados pelos Núcleos.
  12. 12. 12 Migração dos Sistemas de Retaguarda • Deverão ser migrados em primeiro lugar, já que serão os que vão causar maior impacto na empresa. • Deverá ser atestada a compatibilidade com as estações de trabalho e com as aplicações servidoras já existentes.
  13. 13. 13 Migração das Estações de Trabalho • Migração para a distribuição Linux homologada, com a respectiva customização e emulação de legado (formas de se utilizar programas legados no sistema atual e/ou novo para propiciar uma sobrevida a esses sistemas mais antigos). • Migração das suítes de automação de escritório para compatibilidade com padrões abertos para trânsito de documentos.
  14. 14. 14 Treinamento dos Usuários • Os técnicos que vão operar os servidores e realizar os procedimentos de migração deverão ser treinados antecipadamente. • Os usuários das novas tecnologias deverão ser treinados depois que as mesmas forem implantadas, de modo que eles possam exercitar no dia-a-dia o que vão aprendendo durante o curso.
  15. 15. 15 Segurança, Backup e Contingência • Reavaliação dos procedimentos, com sua respectiva atualização para a nova realidade da empresa, em termos de Software Livre. • Atualização constante dos sistemas anti- vírus, firewall e de detecção de intrusos. • Planejamento, implementação e testes dos planos de contingência para salvaguarda das informações.
  16. 16. 16 Desenvolvimento de Novas Aplicações • Para as novas aplicações deverão ser utilizadas linguagens e tecnologias compatíveis com padrões abertos e que sejam livres. • Java, PHP e C++, como linguagens, serão uma boa escolha, nesta ordem. • As aplicações deverão obedecer às formas de licenciamento expressas nos módulos que as compõem, bem como ao regulamento da empresa.
  17. 17. 17 Auditoria • Deverá existir um controle automático do software em uso na empresa. • Deverá ser mantida a qualidade de uso e nível de serviço dos sistemas em operação. • Deverá ser observado o comportamento dos usuários com o uso das tecnologias baseadas em Software Livre, de forma a antecipar problemas futuros. • Deverão ser colhidas sugestões dos usuários e técnicos quanto ao convívio com o Software Livre.
  18. 18. 18 Reavaliação e Planejamento Futuro • Deverão ser observados, anotados e armazenados os erros cometidos para que sejam evitadas falhas futuras. • Todas as informações recolhidas, durante e após o processo de migração, deverão fazer parte de uma base conhecimento para uso futuro. • Deverão ser planejadas as formas de atualização das versões de Software Livre em uso.
  19. 19. 19 Reavaliação e Planejamento Futuro • Deverá ser promovido o intercâmbio com outras empresas que também usam Software Livre para que ocorra uma constante troca de informações. • Deverão ser executados treinamentos periódicos, tanto dos técnicos quanto dos usuários, com o objetivo de aumentar a produtividade e o nível de uso do software.
  20. 20. 20 O Desafio • Migrar para Software Livre é apenas “o primeiro passo da caminhada”. • A grande dificuldade estará na manutenção dos sistemas livres e abertos em uso e na intercomunicação deles com outros sistemas externos. • O grande desafio será a expansão gradativa do Software Livre na empresa, mantendo-se um padrão alto de qualidade e de nível de serviço.
  21. 21. 21 Fim

×