Teoria freiriana

297 visualizações

Publicada em

Dialogicidade e a teoria freiriana

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Teoria freiriana

  1. 1. TEORIA FREIRIANA ALMEIDA, Laura Isabel Marques Vasconcelos de 1 laura.isabel@terra.com.br 1. A Dialogicidade Este é um dos eixos principais e fundantes de toda a teoria freiriana, o diálogo, nascido na prática da liberdade, enraizado na existência, comprometido com a vida, que se historiciza no seu contexto. No seu livro, Pedagogia do Oprimido, escrito há 40 anos, depois de justificar o título “Pedagogia do Oprimido”, expor a educação bancária onde inexiste o diálogo, dedica os capítulos 3 e 4 à ação dialógica e antidialógica. A dialogicidade é a essência da educação como prática da liberdade. O diálogo é tratado como um fenômeno humano em Paulo Freire, “se nos revela como algo que já poderemos dizer ser ele mesmo: a palavra. Mas, ao encontrarmos a palavra, na análise do diálogo, como algo mais que um meio para que ele se faça, se nos impõe buscar, também seus elementos constitutivos” (Pedagogia do Oprimido, 2005, p.89). Não há palavra que não seja práxis, ou que não surja da práxis, quando pronunciamos a palavra, estamos pronunciando e transformando o mundo. Na dialogicidade estão sempre presentes as dimensões da ação e da reflexão. Ao pronunciar o mundo mostramos que humanamente existimos, se existimos, agimos e modificamos o mundo dado. Quando não há verdadeiro diálogo, não há encontro, amorosidade e respeito. Podemos sintetizar isso expondo que: “O diálogo é este encontro dos homens, imediatizados pelo mundo, para pronunciá-lo, não se esgotando, portanto, na relação eu-tu. Esta é a razão por que não é possível o diálogo entre os que querem a pronúncia do mundo e os que não querem; entre os que negam aos demais o direito de dizer a palavra e os que se acham negados deste direito” (Freire, 2005, p. 91). Daí que concluímos que o diálogo é uma exigência existencial, é encontro 1 Professora da Rede Municipal de Cuiabá/MT e aluna do Programa de Pós-Graduação de Doutorado em Educação da PUCPR.
  2. 2. respeitoso e solitário entre aqueles que acreditam que o mundo pode ser transformado, pronunciado. Uma educação pautada na dialogicidade, fundada no diálogo, é que se dá numa relação de humildade, encontro e solidariedade, ou seja, numa relação horizontal, de muita confiança. O diálogo leva os homens e mulheres a serem mais homens e mulheres, pois é sempre gerador de esperança. Na questão da educação, ou melhor, da escola, a opção pelo conteúdo programático deve dar-se no diálogo o qual se insere em todos os segmentos sociais, porém devemos nos preparar para essa ação mediatizada entre todos os segmentos. O contexto social-político- econômico-cultural do educando deve ser bem considerado ao se pensar em traçar os conteúdos programáticos. Sendo assim, numa relação horizontal, a educação terá sentido, pois prolongará o projeto de cada um, encharcando-os de sentido. Desse diálogo, nascem os temas geradores, componentes do conteúdo programático. Segundo Freire: É na realidade mediatizadora, na consciência que dela tenhamos educadores e povo, que iremos buscar o conteúdo programático da educação. O momento deste buscar é o que inaugura o diálogo da educação como prática da liberdade. É o momento em que se realiza a investigação do que chamamos Universo Temático do povo ou o conjunto de seus temas geradores” (2005, p.101). Daqui aduzimos que o diálogo é a atividade pedagógica por excelência, mas que já começa mesmo antes da ação pedagógica, propriamente dita, e é na investigação temática e na busca dos conteúdos programáticos que a ação dialógica se faz presente. Para finalizar este item, expomos a definição de diálogo que Paulo Freire propõe em Educação como Prática da Liberdade: E que é o diálogo? È uma relação horizontal de A com B. Nasce de uma matriz crítica e gera criticidade (Jaspers). Nutre-se do amor, da humildade, da esperança, da fé, da confiança. Por isso, só com o diálogo se ligam assim, com amor, com esperança, com fé um no outro, se fazem críticos na busca de algo. Instala-se, então, uma relação de simpatia entre ambos. Só aí há comunicação. O diálogo é, portanto, o indispensável caminho(Jaspers), não somente nas questões vitais para a nossa ordenação política, mas em todos os sentidos do nosso ser. Somente pela virtual da crença, contudo, tem o diálogo estímulo e significação: pela crença no homem e nas suas
  3. 3. possibilidades, pela crença de que somente chego a ser eles mesmos” (2007, p.115-116). Então podemos dizer que o diálogo consiste numa relação horizontal e não vertical entre as pessoas implicadas e entre as pessoas em relação. No seu pensamento, a relação homem/mulher/mundo são indissociáveis. Nós, homens e mulheres, nos educamos juntos, em solidariedade e diálogo, na transformação e modificação do mundo dado. O saber de todos deve ser valorizado. O diálogo produz a conscientização libertadora e transformadora, ou seja, dialógica. Muito unida a dialogicidade está a politicidade que apresentamos a seguir. 2. A Politicidade Outro eixo fundamental da teoria freiriana é a politicidade, gerada também da pronúncia da palavra, da ação dialógica. Todo ato educativo é um ato político, que leva a um compromisso social de transformação e libertação. Se a educação é neutra, não é educação, mas pura repetição, transmissão que está longe da ação reflexiva, da práxis. A politicidade é aquela que concebe a educação como problematizadora fundada na relação dialógica e dialética entre educador e educando, que ao dialogar e politizar, problematizam e aprendem juntos. A política, entendida como luta do bem-comum é que pode, mediatizada pelo diálogo, buscar ou almejar a transformação através da consciência crítica. Não se consegue educar um povo imerso na passividade, que já tem como hospedeiro o opressor, apesar de continuar oprimido. Uma ação política que não esteja entranhada de uma ação libertadora, jamais poderá ser uma verdadeira ação pedagógica em que a educação é vista como prática de liberdade. Quando há a ausência de liberdade, há também a ausência de conscientização. Uma política educacional que aposta mais na ingenuidade da consciência mágica do que na consciência crítica das pessoas está longe de ser educacional, mas massificadora e manipuladora das consciências. A esse respeito Freire diz que:
  4. 4. “ A consciência crítica é a representação das coisas e dos fatos como se dão na existência empírica. Nas suas correlações causais e circunstâncias. A consciência ingênua, se crê superior aos fatos, dominando-os de fora e, por isso, se julga livre para entendê-los conforme melhor lhe agradar. A consciência mágica, por outro lado, não chega a acreditar-se superior aos fatos, dominando-os de fora, nem se julga livre para entendê-los como melhor agradar. Simplesmente os capta, emprestando-lhes um poder superior, que a domina de fora e a que tem, por isso mesmo, de submeter-se com docilidade. É próprio desta consciência o fatalismo que leva ao cruzamento de braços à impossibilidade de fazer algo diante do poder dos fatos, sob os quais fica vencido o homem”. ( 2007, p.113). Sem uma consciência crítica que nos integra à realidade não pode haver politicidade. Por isso a conscientização é base primordial da politicidade, que só se dá na dialogicidade. Numa perspectiva de uma educação para a transformação, para a liberdade e para a autonomia é central a questão da politicidade e da consciência crítico-reflexiva, pois estas são que suscitarão uma nova práxis. Depois de entendermos os dois eixos centrais da teoria freiriana,a dialogicidade e a politicidade, podemos adentrar no seu “método” e como se efetua a aprendizagem do sujeito. 3. O Método Rigorosamente não é um método o de Paulo Freire, mas uma teoria do conhecimento, uma filosofia da educação. Paulo Freire nunca afirmou ser ele o inventor de um método. Quando falamos em “método Paulo Freire”, não podemos entendê-lo como uma técnica, mas como já afirmamos, é uma teoria do conhecimento, um modo de como se realiza a aprendizagem, enfim, uma filosofia da educação. A base da sua teoria está assentada numa antropologia, numa visão de mundo, de homem, que só alguém que compartilhe tal visão poderá entender e aplicar o referido método. Parte-se do seguinte questionamento: Como é que o ser humano aprende? Porque aprende? Freire dá-se conta que o ser humano aprende por sucessivas aproximações e ele fica sempre como ser aprendente, porque o objeto sempre revela coisas novas, tem sempre dimensões que escapam à primeira vista, é um método que reconhece esse processo. A partir da obra: Paulo Freire uma biobibliografia, especificamente da página 37,
  5. 5. expõe-se sinteticamente o método que descreveremos o nosso modo de entender. 3.1. Primeiro Momento - Investigação Temática: Leitura do Mundo É o primeiro passo, onde se descobre na criança, no jovem ou no adulto o que ele já sabe, partindo do que ele sabe, conhecendo melhor o que sabe, conhecer mais do que já sabe. Esse é o processo natural e, para isso, não há outra coisa, do que motivar, seduzir, porque já existe uma curiosidade no ser humano. Em seu livro “Leitura do mundo, Leitura da palavra”, Paulo Freire explica esse primeiro momento, que é a essência do método. A leitura do mundo sempre serve para me aproximar do mundo e retirar dele os elementos que servem para a minha vida e a vida dos outros e, para isso, não precisa muito, precisa apenas de curiosidade epistemológica, é o que Freire dizia. Ele havia lido Habermas, onde se afirma que o interesse precede o conhecimento. Freire diz que “antes de conhecer somos curiosos, porque todo ser humano é curioso”. Freire no seu método parte sempre das necessidades do ser humano, e é a partir destas necessidades, que são a extensão do projeto de vida das pessoas, é que poderemos construir o conhecimento. 3.2. Segundo Momento – Tematização: Compartilhamento do mundo lido Nesse segundo momento, descobre-se o significado das palavras e temas geradores investigados, através da conversa e diálogo com o educando, é uma tarefa interativa entre educador e educando, pois o construtor do conhecimento é o educando. O educador incentiva, coordena, ajuda e testemunha a importância do conhecimento e o outro, o educando se motiva para desabrochar o seu próprio conhecimento. O conhecimento só é válido segundo Freire, se é compartilhado com o outro. Por isso, nesse segundo momento, a exigência do diálogo é essencial, não é mais somente a curiosidade. Há o intercâmbio das diferentes leituras do mundo nesse diálogo que se estabelece. A validade do conhecimento, segundo Freire, é dada socialmente, pois eu posso me
  6. 6. equivocar, por isso se faz necessário o compartilhamento do mundo lido, assim, com o outro, vai-se construindo o mundo lido. 3.3. Terceiro Momento – Reconstrução do mundo lido: Problematização Aqui é o momento de descobrir o sentido, o significado daquele conhecimento para mim, para a minha vida. É o momento privilegiado da conscientização, da problematização. Isso é radicalmente contrário à visão tradicional de conhecimento, que era só você, enriquecer-se de conhecimento, para vender-se no mercado de trabalho. Você tem um diploma melhor do que o outro; essa lógica da competição capitalista não é de Paulo Freire. Essa reconstrução do mundo lido está ligada à leitura do mundo, se eu leio o mundo, compartilho o mundo, agora, devo reconstruir o mundo lido. Aí está o revolucionário do mundo, não é para contemplar o mundo lido, é para reconstruí-lo. Por isso, não se pode entendê-lo como uma técnica e daí, então, a dificuldade de aplicá-lo, porque não é aplicável, a não ser que se coincida com os pressupostos antropológicos de uma visão de mundo, transformadora de mundo, uma visão de ser humano, engajado na transformação do mundo. O conhecimento tem uma função emancipadora, por isso, o Método Paulo Freire, não é uma técnica. O conhecimento adquire uma função libertadora e isso é muito importante compreender quando se fala em Método Paulo Freire, do contrário, reduziríamos a uma pura técnica. Depois de trabalharmos este Método que dá ênfase ao educando como o sujeito da aprendizagem, apresentamos o que pensa e o que sonha sinteticamente, Paulo Freie, sobre a aprendizagem e sobre um outro mundo possível. 4. Educando: Sujeito da Aprendizagem Uma das definições mais importantes de Paulo Freire é: “Educar-se é impregnar de sentido cada ato cotidiano”. Impregnar-se é encharcar-se de sentido. Só se aprende quando aquilo que aprendo é significativo para mim. Eu me educo quando aquilo que aprendo é significativo para mim. As relações são conteúdos atitudinais, as minhas atitudes para com
  7. 7. os outros não é só conhecimento. Deve-se considerar as atitudes, identidade, autonomia, sentido, para que realmente, o educando seja o sujeito da aprendizagem. O processo de aprendizagem, segundo Freire, dá-se da seguinte maneira: a) Somos seres inacabados, estamos aprendendo sempre; b) Aprender não é acumular conhecimento, os conhecimentos são voláteis, as informações envelhecem rapidamente; c) O importante é aprender a pensar, pensar a realidade e não reproduzi-la; d) É sempre possível aprender, é o sujeito que aprende, aprendemos em contato com o outro. Por isso a grande preocupação de Freire com a identidade, em respeitar a identidade. O diálogo com base no respeito é o centro da teoria freiriana. e) Só aprendemos aquilo que é significativo para a nossa vida. Quando o que aprendemos na escola, prolonga o nosso projeto de vida, deve haver uma identificação com a escola para que esta seja prazerosa. Daqui podemos com Freire, a modo de ilação, destacar algumas conseqüências dessa visão de aprendizagem, em que a escola deve impregnar-se de sentido: a) O professor deve ser o profissional que impregna de sentido a escola, o educando é o construtor de sentido. É um animador, mais que lecionador ou comunicador. O professor ajuda a autonomia do aluno e na organização do seu trabalho; b) A escola ensina para e pela cidadania, é formadora do cidadão pleno. A escola exerce internamente a sua cidadania e autonomia; c) O aluno deve ser o principal protagonista, participa de tudo o que diz respeito à sua vida e não recebe de fora; d) O sistema é que mais freia as idéias de Paulo Freire. É burocrático e hierarquizado, não permite a construção da liberdade, não aceita por isso a Freire; e) O diálogo, como já dissemos, é fundamental, na opressão é impossível o diálogo. O conhecimento não é só histórico, não é só epistemológico, não é só lógico, acima de tudo, é Dialógico. É no diálogo que se dá a construção do mundo, que apresentamos anteriormente; f) A educação é política na sua própria natureza. É política, ideológica e histórica, pois o conhecimento está impregnado de história, de existência humana; g) Um novo mundo é a condição de sobrevivência baseada na solidariedade e no
  8. 8. respeito. O conhecimento, infelizmente, chegou a produzir um modo de produção insustentável, que é o capitalista, baseado na opressão. Considerações Finais: O modelo de educação proposto por Paulo Freire se diferencia da educação tradicional, pois abomina, dentre outras coisas, a dependência dominadora, que inclui dentre outras, a relação de dominação do educador sobre o educando. Portanto, a teoria freiriana, considerada inovadora e diferente das técnicas até então utilizadas, foi diferente por possibilitar uma aprendizagem libertadora e não mecânica, mas uma aprendizagem que requer uma tomada de posição frente aos problemas que vivemos. Uma aprendizagem integradora, abrangente, não compartimentalizada, não fragmentada, com forte teor ideológico. Diferente, pois, promovia a horizontalidade na relação educador-educando, a valorização de sua cultura, de sua oralidade, enfim, foi diferente, acima de tudo, pelo seu caráter humanístico. Dessa forma, o Método proposto por Freire rompeu com a concepção utilitária do ato educativo, propondo uma outra forma de alfabetizar. Isso prova o quanto Freire estava à frente de seu tempo e o Método Paulo Freire continua vivo e em evolução entre aqueles que trabalham com as suas idéias, mas destacamos a necessidade de recriação constante em toda e qualquer prática educativa, inclusive no método em questão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro. Paz e terra, 42 ed. 2005. _____________.Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 30 ed. 2007. _____________. A educação na cidade. São Paulo Cortez, 6 2d. 2005. FREIRE, Paulo e FREI Betto. Essa escola chamada vida. São Paulo, Ática, 2003. GADOTTI, Moacir (org). Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo, Cortez e IPF, Unesco, 1996.

×