Índice 0- Introdução1- Da Manufatura à Industrialização 1.1- A Situação dos Operários durante a revolução industrial 1.2- ...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica0- IntroduçãoEste...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica“progresso”      ...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicamas que proporcio...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja CatólicaA situação dos op...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicaindustrial, motiv...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicainício, provocou ...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicamovimento Ilumini...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicaem termos prático...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja CatólicaNo campo dos dire...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos          Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicadevem proteger-...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicadireitos humanos ...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica      lutas pela ...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica3- ConclusãoA Rev...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos           Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicado ser humano,...
ISCAD – Gestão De Recursos Humanos        Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica    http://revis...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se transformassem por completo

6.927 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.927
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos se transformassem por completo

  1. 1. Índice 0- Introdução1- Da Manufatura à Industrialização 1.1- A Situação dos Operários durante a revolução industrial 1.2- A revolta dos Operários e o Movimento de Entreajuda 1.3- A Declaração dos Direitos do Homem2- Os direitos Humanos e Sociais e influência da Igreja Católica3- Conclusão4- Bibligrafia 6
  2. 2. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica0- IntroduçãoEste trabalho foi realizado no âmbito da disciplina Gestão de Recursos Humanos docurso de Administração e Gestão Pública - ISCAD, orientado pelo Sr. DoutorProfessor Elias Quadros e tem como principais objectivos: Abordar a evolução do reconhecimento direitos fundamentais desde a influencia da Revolução industrial, Revolução Francesa e Igreja Cristã. Compreender a importância dos direitos fundamentais na sociedade dos dias de hoje. Sensibilizar para a importância do bem estar-social e reconhecimento dos valores e liberdades humanas.Ao longos dos tempos e após o estudo dos direitos fundamentais do homem nasociedade dos dias de hoje, é possível verificar a influência de diversos factores nasua constituição, entre eles e no âmbito do trabalho, torna-se indispensável interpelara revolução industria, a revolução francesa e a igreja cristã, na sua importância paraa formação do direito natural como base nos princípios estruturantes dos sistemasnormativos hoje em dia.A revolução industrial fez com que economia e a noção dos valores humanos setransformassem por completo. A actividade industrial passou a ocupar a vidaeconómica e como resultado a sociedade tornou-se capitalista. Com a revoluçãoindustrial, os trabalhadores da sociedade capitalista que antes eram detentores doseu próprio trabalho e tinham o controlo total sobre o processo produtivo, foramobrigados a negociar a sua força de trabalho em troca de remuneração, o salário dashoras passadas nas fábricas.Algo estava prestes a acontecer. Pela primeira vez na história da humanidade,a união entre a ciência, técnica e indústria estava a dar frutos. A palavra MADALENA PASSEIRO Nº20100117 4
  3. 3. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica“progresso” entusiasmava o homem da rua: falava-se de máquinasinteligentes, de robots, de barcos submarinos e novos meios de comunicaçãoultra-rápida com a emoção de quem sabia estar perto de assistir a umaautêntica revolução. Naqueles últimos anos do século XIX, o que eraverdadeiramente humanista, progressista e chique era acreditar no progressoda tecnologia. “Como íamos ser”, Superinteressante, Março de 1999, p.32Com o aparecimento de novas tecnologias, como o uso de electricidade e petróleo,foi possível a criação de novas máquinas e ferramentas. A ausência de organizaçãointerna nas fábricas, com existência trabalhadores desregrados e o desconhecimentode rotinas, bem como a má gestão de tempo por parte dos trabalhadores e gerentes.Assim a Revolução Industrial do século XVIII teve como ênfase a questão social,percebida como "o problema ou a procura das causas das perturbações quedificultam a realização do justo social na totalidade da sociedade e igualmenteo esforço para encontrar os meios para superar essas causas."(ENCICLOPÉDIALAROUSSE CULTURAL, v. 13, p. 3085).O advento das máquinas, o crescimento da indústria e achegada do proletariado,desencadearam um dilema na exploração da mão-de-obra. Assim, puderam verificar-se condições indignas de trabalho, como a exploração das mulheres e menores,ossalários baixos, a precariedade dos locais de trabalho ( em relação à higiene, aosinúmeros incidentes laborais e à insegurança quanto ao futuro) e a inexistência deleis que auxiliassem o trabalhador, entre outros problemas sociais relevantes.A Revolução Industrial provocou, sem sombra de dúvidas, diversas mudanças tantona sociedade quanto na forma de produção dos bens em geral. Antes,predominavam a manufatura e o artesanato, formas primitivas e lentas de produção, MADALENA PASSEIRO Nº20100117 5
  4. 4. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicamas que proporcionavam produtos personalizados a quem os comprava. Não existiaum produto que fosse igual ao outro. Mas nessa forma de produção, os preços aindaeram relativamente elevados, devido justamente à sua individualidade e ao tempoque tomavam do artesão.1- Da Manufatura à IndustrializaçãoInicialmente com o aparecimento de burgueses capitalistas e artesãos, paramanterem sua subsistência, submeteram-se a uma nova forma de produção. Antesda indústria, surgiu a manufatura, método de produção feito em etapas, marcado poruma excessiva divisão do trabalho entre os operários, que ainda assim eraineficiente, pois criou uma necessidade de produção que os próprios manufatureirosnão poderiam suprir. Assim, continuava a existir a limitação da força humana, queimpedia que a produção fosse contínua, provocando crises com a interrupção daprodução. Nesta fase o artesão ainda era dono do seu tempo.Devido à necessidade de se ter uma produção em massa, continua e a baixo custorecorreu-se ao uso de máquinas e foi assim que a industria deu os primeiros passos.As mudanças na sociedade inglesa tinham como objectivo a obtenção lucro eestimulação da concorrência entre outros povos, pois suas mercadorias tornaram-sede baixo custo através da produção em larga escala e melhoramento técnico, comonovas invenções, financiadas pelos “burgueses industriais”, a nova classe social quesurgia no âmbito da revolução.As fábricas não surgiram de repente. Foi necessário um processo de transição doartesanato à manufatura, e desta para as indústrias, que foi progressivamenteaperfeiçoada em termos de meios de produção até se tornar completamentemecanicista.1.1- A Situação dos Operários durante a revolução industrial MADALENA PASSEIRO Nº20100117 6
  5. 5. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja CatólicaA situação dos operários nas primeiras fábricas inglesas era deprimente, tantohomens, mulheres e até crianças de quatro a seis anos, eram exploradas comtrabalho; a carga horária era abusiva, chegava a 16 ou 18 horas diárias; aalimentação era escassa; os salários reduzidos; as pessoas viviam em máscondições com pouca qualidade de vida.As crianças eram as mais exploradas pelo sistema, embora a maior parte dosoperários fosse composta por mulheres. Em relação às crianças, a sua debilidadefísica era garantia de docilidade, recebendo apenas entre 1/3 a 1/6 do pagamentodispensado a um homem adulto e, muitas vezes, recebiam apenas alojamento ealimentação, muitas das crianças eram contratadas em algumas paróquias, estasque, estando abarrotadas, entregavam as crianças para reduzir suas despesas epagamento de impostos.As mulheres perderam completamente a função de donas-de-casa, e as criançasforam obrigadas a fazer parte da fonte de sustento da família.Com o passar do tempo começou a surgir um desemprego em massa na Inglaterra.Inicialmente, com o surgimento da utilização de maquinaria, esta serviria apenaspara complementar o trabalho do homem tonando apenas mais rápidos os processosde produção, os trabalhadores ainda tinham que manuseá-lo, e eram necessáriasvárias pessoas para manusear uma mesma máquina, mas com o advento de novastecnologias rapidamente este cenário se alterou, gerando uma diminuição do númerode operários nas fábricas, uma produção maior a custos muito menores sendo agoraos homens o complemento das máquinas. Quanto mais aumentava a produção, maistecnologia, mais desemprego, e salários menores.1.2- A revolta dos Operários e o Movimento de EntreajudaCom más condições de trabalho consequente uma má qualidade de vida, ostrabalhadores rapidamente se revoltaram para superar as adversidades da revolução MADALENA PASSEIRO Nº20100117 7
  6. 6. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicaindustrial, motivados também por um espírito de entreajuda..Antes do advento da revolução industrial (1780), durante o período da manufatura,os trabalhadores já estavam em revolta.O aumento do desemprego, a produçãoaumentava e os preços diminuíam drasticamente, impedindo a concorrência entre osartesãos e os manufatureiros. Muitas destas primeiras máquinas foram destruídas eseus inventores perseguidos pelo povo revoltado. Posteriormente, para solucionar oproblema dos operários que não tinham meios de subsistência, o governo criou a LeiSpeenhamland que garantia subsistência mínima ao homem incapaz de se sustentarpor não ter trabalho. Um imposto pago por toda a comunidade custeava taisdespesas, este também obrigava os mendigos e desabrigados a procurar paróquiaspara que vivessem de doações da própria comunidade.Simultaneamente os trabalhadores ingleses que estavam assim submetidos a máscondições trabalho e ao desamparo por parte do governo, criaram soluções como aentreajuda para que fosse possível ascender socialmente amenizando assim, o climavivido na altura. Surgiu, então, o movimento da entreajuda.Criaram, as associações de socorro mútuo (compostas pelos próprios operários, quese associavam e depositavam certa quantia em dinheiro para que pudessem recorrercomo garantia em caso de doença); aplicavam o seu pouco dinheiro em fundos deinvestimento; tentavam adquirir instrução escolar, pois seu nível de escolaridade erareduzido.Várias universidades passaram a encarregar-se da instrução de operários, com oauxilio de alunos recém-formados dessas universidades.Também foram criadas as caixas económicas, com o intuito de proteger osoperários, que depositavam suas poupanças para recorrerem a esse dinheiro emcaso de doença ou desemprego, para que não dependessem da “caridade pública”.Porém, essas caixas económicas eram gerenciadas pela própria aristocracia e, de MADALENA PASSEIRO Nº20100117 8
  7. 7. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicainício, provocou desconfiança nos depositantes, mas rapidamente se difundiu porInglaterra e outros países, como França e Alemanha.1.3- A Declaração dos Direitos do HomemA Revolução Francesa foi um marco para a humanidade. Através dela houve aquebra total com o antigo regime absolutista europeu e ocorreu um fato inédito, umadeclaração universal dos direitos do homem. Através dela, diversos direitos foramestabelecidos, embora que ainda não respeitados em todo inicialmente. Mas aindaassim foi um avanço para a preservação dos direitos do homem.Pela primeira vez houve uma carta de direitos que trouxesse os direitos quepertenciam ao homem por natureza, baseando-se na teoria jusnaturalista,positivando alguns direitos imanentes ao homem, como, principalmente, a liberdadee a propriedade tão privilegiadas por Locke. O fato é que antes da declaraçãodosdireitos do homem francesa, que data de 1789, já havia a americana, que davadireitos às treze colónias, mas se dá maior respaldo à francesa, visto que é tomadapor base para vários outros modelos e é referência no assunto. Uma inovação dessacarta é que não se considerou mais que os direitos que os cidadãos possuemprovêm da boa vontade do soberano, mas esses direitos pertencem ao homemdesde sempre e devem ser respeitados. Em outras cartas, como o Bill ofRights inglêsisso não ocorria, já que, embora também fosse uma carta de direitos dos cidadãos,esses direitos foram dados pelo soberano a seus súditos, e não pertenciam a estespor natureza. Por isso, a declaração francesa dos direitos do homem diferencia-se demodelos clássicos de outras leis por não impor mais obrigações aos seus cidadãos,como o fizeram leis do tipo dos Dez Mandamentos e a Lei das Doze Tábuas, masestabeleceu direitos dos cidadãos que deveriam ser protegidos pelo Estado.A partir da Revolução Francesa de 1789, ocorreu a principal expressão política do MADALENA PASSEIRO Nº20100117 9
  8. 8. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicamovimento Iluminista do século XVIII, é aqui que se inicia odecurso da ratificaçãodas novas exigências económicas e sociais, que rapidamente se disseminou portoda Europa.Apesar das ideias liberais e individualistas desta Revolução, as Declarações quedela emergiram indícios de novos direitos, os denominados direitos sociais. ADeclaração dos Direitos do Homem de 1789, artigo 21 previa auxílio aosnecessitados: "A sociedade deve a subsistência aos cidadãos infelizes, sejafornecendo-lhes trabalho, seja assegurando os meios de existência àqueles que nãoestão em condições de trabalho." A Constituição Francesa de 1791 antecipou aconcepção de um estabelecimento geral de Assistência Pública no antepenúltimoparágrafo do Titulo I:"... será criado e organizado um estabelecimento geral de assistência pública, paraeducar as crianças abandonadas, ajudar os enfermos pobres e fornecer trabalho aospobres válidos que não tenham podido encontrá-lo."2- Os direitos Humanos e Sociais e influência da Igreja CatólicaA doutrina dos Direitos Humanos tem, de certa forma, sua origem no Cristianismo, naconcepção de pessoa humana, deve se reconhecer que houve por parte da IgrejaCatólica, e das Igrejas Cristãs em geral, forte relutância em aceitar sua formulação.Essa dificuldade liga-se em grande parte ao modo e ao contexto como surgiuinicialmente a formulação filosófica dos Direitos Humanos. O contexto iluminista,anticlerical, e frequentemente agnóstico ou ateu, ao abordar os então chamadosDireitos do Homem colocava o acento, sobretudo na liberdade religiosa, sendo que, MADALENA PASSEIRO Nº20100117 10
  9. 9. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicaem termos práticos, principalmente no contexto europeu, a defesa da liberdadereligiosa vinha quase sempre acompanhada de ações contra a religião e a Igreja.Nos anos 60 coube ao Papa João XXII estabelecer na Encíclica PaceminTerris umaverdadeira recepção católica do paradigma dos Direitos Humanos abraçando naDoutrina Social da Igreja o paradigma dos direitos.“Em uma convivência humana bem constituída e eficiente, é fundamental oprincípio de que cada ser humano é pessoa; isto é, natureza dotada deinteligência e vontade livre. Por essa razão, possui em si mesmo direitos edeveres, que emanam direta e simultaneamente de sua própria natureza. Trata-se, por conseguinte, de direitos e deveres universais, invioláveis, einalienáveis.” (Papa em Encíclica PaceminTerris)Entre principais direitos estabelecidos pelo Papa encontram-se em primeiro lugar o“direito à existência, à integridade física, aos recursos correspondentes a um dignopadrão de vida”, o que inclui também o direito de ser amparado na doença, navelhice, assim como na viuvez, na invalidez e em caso de desemprego forçado.Neste sentido, na PaceminTerris, os direitos sociais encontram-se intima eindissociavelmente ligados ao direito fundamental à vida. Os direitos sociais não sãouma concessão ou um ato de caridade social, mas um dever de justiça que o Estadoé obrigado a garantir tendo em vista a dignidade da pessoa humana e o seu direito àvida. MADALENA PASSEIRO Nº20100117 11
  10. 10. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja CatólicaNo campo dos direitos civis o Papa João XXIII também afirma a existências de direitomorais e culturais que incluem o direito à liberdade de pensar e expressar opensamento e a receber informações verídicas sobre acontecimentos públicos, bemcomo o direito à educação e à formação técnica e profissional. Assim pode afirma-setambém que também deve existir o direito à liberdade religiosa e à escolha do estadode vida. Outro campo de direitos é constituído pelos direitos económicos e políticosque incluem o direito ao trabalho e à justa remuneração, o direito de participarativamente da vida pública, o direito de reunião e associação. A igreja tambémreconhece o direito de emigração e imigração como um direito fundamental dapessoa humana. Tal afirmação ganha hoje particular expressão, uma vez que épossível verificar em diversos países o aumentoda xenofobia e de políticasfortemente repressivas face à imigração.O conjunto de Direitos defendidos pela Igreja Cristã ultrapassa os incluídos naDeclaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas, sobretudo pelaimportância facultada aos direitos sociais e económicos. Assim, estes direitostambém podem ser distintos da visão liberal dos Direitos Humanos ao integrar osdireitos individuais aos sociais, a partir do princípio da responsabilidade social e dodever de solidariedade que liga as pessoas humanas.A questão da liberdade Religiosa seria pouco depois desta Encíclica novamenteabordada na Declaração DignitatisHumanae do Concílio Vaticano II. NessaDeclaração destaca-se uma importante mudança de paradigma sobre o papel doEstado e sua função de garantir os direitos fundamentais, entre os quais se encontra,em posição central, juntamente com o direito à vida, o direito à liberdade: “Aliás, MADALENA PASSEIRO Nº20100117 12
  11. 11. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicadevem proteger-se na sociedade as normas da liberdade íntegra, segundo a qual sehá de reconhecer ao homem a liberdade em sumo grau e não há de restringi-la a nãoser quando e quanto for necessário”. O Concílio destaca que “É postulado da própriadignidade que os homens todos – por serem pessoas, isto é, dotados de razão e delivre arbítrio e por isso enaltecidos com a responsabilidade pessoal – se sintam pornatureza impelidos e moralmente obrigados a procurar a verdade, sobretudo no queconcerne à religião. São obrigados também a aderir a verdade conhecida e ordenartoda a vida segundo as exigências da verdade”.Não podem, entretanto, para isso sofrer coação, seja psicológica, seja externa.Segundo o Concílio, o direito à liberdade religiosa (e, pode-se dizer, de consciência)não se funda numcarácter subjetivo da pessoa, mas na sua natureza, e por isso “odireito à imunidade continua a existir, ainda para aqueles que não satisfazem aobrigação de procurar a verdade e a ela aderir”. O exercício da liberdade “não podeser impedido, contanto que se preserve a ordem pública”. Nesta Declaraçãofinalmente o princípio do Estado Democrático de Direito ganha sua plena cidadaniana Doutrina Social da Igreja.As Encíclicas subsequentes, da PopulorumProgressio de Paulo VI a CaritasinVeritatesde Bento XVI, dão continuidade a este paradigma que constitui abase doEstado Democrático. Na Encíclica Deus Caritas Est o Papa bento XVI frisaenfaticamente o papel do Estado na promoção e garantia da justiça social,compreendendo ser essa uma das ocupações centrais e primordiais da política e doEstado.Desde os anos 60, época do Concílio Vaticano II e da publicação da Encíclica Pacemin Terris, a Igreja Católica Latino-americana tem agidofixamente na defesa dos MADALENA PASSEIRO Nº20100117 13
  12. 12. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicadireitos humanos e da ação pela cidadania. Nos documentos de Medellín, PueblaSanto Domingos e Aparecida encontramos fortes afirmações que, de um lado,refletem a práxis da Igreja a favor dos Direitos Humanos e da ação pela cidadania ejustiça, e por outro, reforçam e dão impulso a novas ações abenefício dos DireitosHumanos e auxilio dos pobres e desassistidos.Na atuação da Igreja Católica a favor dos Direitos Humanos e da Cidadaniapodemos destacar três pontos:  Apreferência pelos pobres. A primeira dimensão consiste numa mudança de paradigma social que se expressa no ideal de “ver o mundo com os olhos dos pobres”, isto é, em identificar-se com suas necessidades, com o sofrimento, para assim compreender a Sociedade. A segunda dimensão, inseparável da primeira, é o objetivo de transformar o pobre em sujeito eclesial pleno e sujeito da história, isto é, sujeito evangelizador e sujeito de seu destino e da luta pela justiça, cidadania e Direitos. Esta segunda dimensão significa que a ação pastoral da Igreja não se faz tendo o pobre como objeto, isto é, não é uma ação que se faz pelo pobre, mas sim, uma ação na qual o pobre possa ser ele mesmo protagonista das transformações da história.  Se inicialmente o pobre era definido, sobretudo, pela dimensão económica, isto é, pela situação de privação de bens materiais, pouco a pouco foi crescendo a consciência sobre as diferentes formas de despotismo tais como a cultural, étnica, racial, sexista, geracional, e outras, que não podem ser reduzidas à opressão económica. As distintas formas de dominação e exclusão geram resultados específicos e colocam a necessidade de determinadas ações para superá-las. O pobre não é uma única pessoa, as MADALENA PASSEIRO Nº20100117 14
  13. 13. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica lutas pela justiça e cidadania são múltiplas, onde se destaca a construção de uma comunidade mais inclusiva e onde os Direitos humanos e sociais sejam estimados.  A Igreja envolveo seu compromisso com a justiça, cidadania e defesa dos Direitos Humanos, fazendo parte da essência da sua missão. O exercício deste compromisso faz-se em diferentes dimensões, que incluem a denúncia profética, a formação de consciências, a promoção de lideranças e o apoio efetivo à organização popular, tendo sempre presente que esse apoio tem por objetivo fortalecer o protagonismo dos agentes sociais na transformação da realidade e não o de substituí-los como autores da história.No contexto atual histórico reconstrói-se o compromisso da Igreja com a combatepela cidadania, justiça e Direitos Humanos. Se, por um lado, nas últimas décadas setem incidido sobo movimento de redemocratização a nível global, substituindo asditaduras militares dos anos 60, 70 e 80 por governos democraticamente eleitos, deoutro, ainda existe a predominância da injustiça social, falta de cidadania, pobreza,dominação, e exclusão de diferentes tipos. MADALENA PASSEIRO Nº20100117 15
  14. 14. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica3- ConclusãoA Revolução tornou os métodos de produção mais eficientes. Os produtospassaram a ser produzidos mais rapidamente, a preços reduzidosestimulando o consumo. Por outro lado, aumentou também o número dedesempregados e fez com que se alterassem os direitos dos trabalhadoresdevido às condições precárias verificadas na altura. As máquinas foramsubstituindo, aos poucos, a mão-de-obra humana.Até os dias de hoje, o desemprego é um dos grandes problemas nos países emdesenvolvimento. Gerar empregos tem se tornado um dos maiores desafios degovernos no mundo todo. Os empregos repetitivos e pouco qualificados foramsubstituídos por máquinas e robôs. As empresas procuram profissionais bemqualificados para ocuparem empregos que exigem cada vez mais criatividade emúltiplas capacidades.Após esta grande mudança a nível social a Igreja e os Governos do mundo tiveramque modificar os seus paradigmas defendendo acima de tudo os direitos e liberdades MADALENA PASSEIRO Nº20100117 16
  15. 15. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católicado ser humano, adaptando-se assim, a esta nova realidade da forma mais justa eevoluída que entendem.4- Bibliografialivros:  ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, V. 13, P. 3085  Revista - “Como Íamos Ser”, Superinteressante, Março De 1999, P.32  RODRIGUES, Joaquim Vicente; CAMERA, Pedro B.; GUERRA, Paulo Balreira (2001) - Humanator – RecursosHumanos&SucessoEmpresarial, Lisboa, 6a Edição, colecção “ Gestão e Inovação” e Série “Ciências de Gestão”.  CUNHA, Miguel Pina; REGO, Arménio; CUNHA, Rita Campos; CABRAL, Carla (2007) – Manual de ComportamentoOrganizacional e Gestão, Lisboa, Editora RH, 6a Edição, ISBN: 978-972-8871-16-1  GIDDENS, Anthony (2008) - Sociologia, FundaçãoCalousteGulbenkian – 6a Edição, Lisboa ISBN: 978-972-31-1075-3Sites: MADALENA PASSEIRO Nº20100117 17
  16. 16. ISCAD – Gestão De Recursos Humanos Os Direitos do Homem com Revolução Industrial e Igreja Católica  http://revistas.unipar.br/juridica/article/viewFile/1332/1184, acedido em 10-11- 2010  http://jus.com.br/revista/texto/6/direito-natural-e-direito-positivo, acedido em 10-11-2010  http://www2.videolivraria.com.br/pdfs/10581.pdf, acedido em 10-11-2010 MADALENA PASSEIRO Nº20100117 18

×