Biologia

92 visualizações

Publicada em

PCN

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
92
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biologia

  1. 1. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE BIOLOGIA ENSINO MÉDIO APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina de Biologia tem como objeto de estudo o fenômeno Vida. Ao longo da história da humanidade muitos foram os conceitos elaborados sobre este fenômeno, numa tentativa de explicá-lo e, ao mesmo tempo, compreendê-lo (PARANÁ, 2008, p. 38). Desde o homem primitivo, em sua condição de caçador e coletor, as observações dos diferentes tipos de comportamento dos animais e da floração das plantas foram sendo registrados nas pinturas rupestres, representando seu interesse em explorar a natureza (PARANÁ, 2008, p. 38). O conhecimento da Biologia deve subsidiar a análise e reflexão de questões polêmicas que dizem respeito ao desenvolvimento, ao aproveitamento de recursos naturais, interações entre os seres vivos e a utilização da tecnologia que implica em intensa intervenção no ambiente, levando em conta a dinâmica dos ecossistemas, dos organismos, enfim, o modo como a natureza se comporta e a vida se processa, oportunizando a construção de uma visão de mundo permitindo a formação de um sujeito crítico, dando subsídios para a tomada de decisões . Partindo da dimensão histórica da disciplina de Biologia foram identificados os marcos conceituais da construção do pensamento biológico, está construção ocorre em movimentos não-lineares, com momentos de crises, de mudanças de paradigmas e de busca constantes de explicações sobre o fenômeno Vida. São eles: • Pensamento biológico descritivo; • Pensamento biológico mecanicista; • Pensamento biológico evolutivo; • Pensamento biológico da manipulação genética. Organizar os conhecimentos biológicos construídos ao longo da historia da humanidade e adequá-los ao sistema de ensino requer compreensão dos contextos em que a disciplina de Biologia é contemplada nos currículos escolares. Ao final da década de 1980, foi proposto a Re-estruturação do Ensino do Segundo Grau sob o referencial teórico da pedagogia histórico-crítica, na qual o conteúdo é visto como produção histórica e social, a educação escolar tem a obrigação de oferecer e o
  2. 2. aluno tem o direito de conhecer. Mas este documento ainda apresentava os conteúdos de Biologia divididos por blocos tradicionais, reunidos em temas geradores, reproduzindo o padrão dos livros didáticos (PARANÁ, 2008, p. 49). Em 1998, foram promulgadas as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio, que passou a ser organizado por áreas de conhecimento, ficando a Biologia dispostas na área de Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias (PARANÁ, 2008, p. 49). Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) enfatizaram o desenvolvimento de competências e habilidades em prejuízo de uma abordagem mais aprofundada dos conteúdos, direcionado o ensino para temas e desenvolvimento de projetos considerados necessários para ávida do aluno. Os conceitos básicos de Biologias foram apresentados de forma reducionista, sem uma abordagem histórica, e controlados pela competência individual (PARANÁ, 2008, p. 49). Estes marcos foram utilizados como critérios para escolha dos conteúdos estruturantes e dos encaminhamentos metodológicos. Cabe ressaltar que a importância desta compreensão histórica e filosófica da ciência está em conformidade com o atual contexto sócio, econômico e político, estabelecido a partir da compreensão da concepção de ciência enquanto construção humana (PARANÁ, 2008, p. 49). Entende-se assim, que a Biologia contribui para formar sujeitos críticos e atuantes, por meio de conteúdos que ampliem seu entendimento acerca do objeto de estudo, o fenômeno Vida, em sua complexidade, ou seja: na organização dos seres vivos, no funcionamento dos mecanismos biológicos, no estudo da biodiversidade em processos biológicos de variabilidade genética, hereditariedade e implicações dos avanços biológicos no fenômeno Vida . A disciplina de Biologia se pauta na valorização do conhecimento disciplinar, na compreensão da ampla rede de relações entre a produção científica, a validade ou não das diferentes teorias científicas. Para o ensino da Biologia compreender o fenômeno Vida e sua diversidade de manifestações significa pensar uma ciência em transformação, cujo caráter provisório do conhecimento garante uma reavaliação dos seus resultados e possibilita um repensar e uma mudança constante de conceitos e teorias elaboradas em cada momento histórico e social . OBJETIVOS GERAIS
  3. 3. O objetivo geral da disciplina de Biologia está pautado no fenômeno Vida, ou seja, compreender e relacionar a vida e seus fenômenos influenciado por um pensamento historicamente construído, correspondente à concepção de ciência de cada época e à maneira de conhecer a natureza e relacioná-la com seu cotidiano no sentido de melhoria de qualidade de vida além de propiciar um aprendizado útil à vida e ao trabalho, no qual as informações e os conhecimentos obtidos se transformem em instrumentos de compreensão, interpretação das mudanças e previsão da realidade. CONTEÚDOS ESTRUTURANTES • Organização dos seres vivos • Mecanismos Biológicos • Biodiversidade • Manipulação Genética Em concordância com as Diretrizes Curriculares da Educação Básica do Ensino de Biologia, a abordagem dos conteúdos ocorrerá integrando os quatros conteúdos estruturantes de modo que, ao introduzir a classificação dos seres vivos, por exemplo, como tentativa de conhecer e compreender a diversidade biológica, agrupando-os e categorizando-os, será, também, discutido o mecanismo de funcionamento, o processo evolutivo, a extinção das espécies e o surgimento natural e induzido de novos seres vivos (PARANÁ, 2008, p.74) 1º ANO CONTEÚDOS Conteúdos Básicos Conteúdos Específicos Classificação dos Seres Vivos: critérios taxonômicos e filogenéticos Objeto de estudo da biologia. Níveis de organização. Características dos seres vivos. Métodos científicos Relações entre os seres vivos e o meio ambiente Fatores bióticos e abióticos Ecossistema
  4. 4. Biosfera Equilíbrio biológico Fluxo de energia A formação da Terra Abiogênesebiogênese Abiogênese: Aristóteles Biogenese: Redi, Spallanzani, Pasteur Criacionismo Teorias modernas sobre a origem da vida Panspermia cósmica e evolução química: Oparin e Haldane Terra primitiva: Stanley Miller Hipóteses (heterotróficas x autotrófica). Mecanismos celulares biofísicos e bioquímicos A química e a vida Constituintes da matéria viva A água e os seres vivos Sais minerais Carboidratos Lipídios Proteínas Vitaminas Ácidos nucléicos Microscopia: tipos de microscópios, partes, funcionamento A célula observada ao microscópio Revestimentos celulares: membrana plasmática permeabilidade celular e envoltórios celulares O citoplasma Organelas celulares Aspectos gerais do núcleo celular Componentes do núcleo celular Características gerais dos cromossomos Cromossomos e genes Cariótipo Natureza química do gene
  5. 5. Estrutura molecular do DNA Genes e RNA: a transcrição gênica Mecanismo de síntese das proteínas: tradução gênica Divisão celular: mitose e meiose A importância da divisão celular Metabolismo energético (I): respiração celular e fermentação Metabolismo energético (II): Fotossíntese e quimiossíntese Sistemas biológicos: anatomia, morfologia e fisiologia A diferenciação celular e a caracterização dos tecidos Tecido epitelial Tecido conjuntivo Tecido sanguíneo Tecido muscular Tecido nervoso 2 ° ANO CONTEÚDOS Conteúdos Básicos Conteúdos Específicos Classificação dos Seres Vivos: critérios taxonômicos e filogenéticos O desenvolvimento da classificação biológica A sistemática moderna Características gerais dos vírus A estrutura dos vírus Ciclo de um vírus bacteriófago Ciclo do vírus de gripe Ciclo do HIV Reservatórios virais Formas de transmissão de doenças virais tratamento e prevenção de doenças virais Viroides Príons Sistemas biológicos: anatomia, morfologia e fisiologia e Mecanismos de desenvolvimento Reino Monera: características e organização morfológica das arqueobactérias e eubactérias. Reino Protista: características e organização morfológica de organismos unicelulares e pluricelulares. Reino Fungi: características e organização anatomomorfofisiológica dos fungos e liquens.
  6. 6. embriológico Reino Animal: características e organização anatomomorfofisiológica dos grupos de invertebrados e vertebrados. Fisiologia: processos metabólicos dos seres humanos. Embriologia animal Reino Vegetal: características e organização anatomomorfofisiológica dos grupos vegetais. 3 ° ANO CONTEÚDO Conteúdos Básicos Conteúdos Específicos Transmissão das características hereditárias As bases da hereditariedade Descoberta dos cromossomos e das divisões celulares A descoberta da lei da segregação Bases celulares da segregação dos fatores genéticos Primeira Lei de Mendel Os conceitos de genótipo e fenótipo Interação entre alelos de um mesmo gene Variação na expressão dos genes Herança dos grupos sanguíneos A base celular da segregação independente Interações de genes não alelos Herança quantitativa Teoria cromossômica da herança Ligação gênica Mapeamento de cromossomos Herança de genes localizados em cromossomos sexuais Tipos de herança relacionada ao sexo Anomalias na espécie humana Organismos Geneticamente Modificados Biotecnologias Nanotecnologias Teorias Evolutivas O conceito de evolução biológica Evidencias da evolução biológica Teoria moderna da evolução Os fatores evolutivos
  7. 7. Bases genéticas da evolução Dinâmica dos ecossistemas: relação entre os seres vivos e interdependência com o ambiente Conceitos básicos em ecologia Fluxo de energia e níveis Ciclos biogeoquímicos Biomas terrestre e aquático O impacto da espécie humana sobre a natureza Interferência humana em ecossistemas METODOLOGIA O avanço da Biologia é determinado pelas necessidades materiais do ser humano com vistas ao seu desenvolvimento, em cada momento histórico. Como construção, o conhecimento é sempre um processo inacabado. No processo ensino e aprendizagem, quando uma resposta se põe a priori, impedindo que o aluno exponha suas hipóteses, sua formulação de resposta a questão, também podemos considerá-la como um obstáculo á aprendizagem (PARANÁ, 2008, p. 50). O surgimento de novos paradigmas promoveu mudanças fundamentais na construção de conceitos biológicos surgindo os conteúdos estruturantes para a disciplina de Biologia a partir dos quais, abordam-se os conteúdos básicos e os específicos (PARANÁ, 2008, p. 51). Desta maneira para cada conteúdo estruturante a metodologia descritiva, utilizada no momento histórico em que foi sistematizado o pensamento biológico, propõe a observação e descrição dos seres vivos, utilização de situações que propiciem a problematização, superação das concepções alternativas visando à aproximação das concepções científicas e experimentais. A análise da Biologia como resultado da problematização, investigação e transformação do conhecimento deve estar associado a fatos históricos, sociais, políticos, econômicos e culturais de cada realidade. Superando ou adequando conceitos a fim evitar o efeito enciclopédico considerado por Krasilchik (apud PARANÁ, 2008). Diante dessas argumentações o ensino de Biologia prima por um estudo que considera as características biológicas do ser humano e o classifique como dentre tantas espécies existentes na biosfera. Para tanto, os conteúdos específicos devem ser trabalhados de forma contextualizada e articulada aos conteúdos básicos e estruturantes, favorecendo a compreensão da diversidade biológica e cultural, visando contemplar as legislações: Educação Ambiental (Lei nº 9.795/99), Educação Fiscal (Portaria 413/2002),
  8. 8. Cidadania e Direitos Humanos: Enfrentamento a Violência na Escola, Prevenção ao Uso indevido de Drogas e a Diversidade Educacional: Educação para as Relações Étnico Raciais e Cultura Afro-brasileira e Africana (Lei nº10.639/03), Educação Escolar Indígena (Lei nº 11.645/08), Proteção dos Animais ( Lei nº 14.037/03), Lei da Biossegurança. Saviani (1997) e Gasparin (2002) apud PARANÁ (2008) apontam que o ensino dos conteúdos, neste caso conteúdos específicos de Biologia, necessita apoiar-se num processo pedagógico em que: • A prática social se caracterize como ponto de partida, cujo objetivo é perceber e denotar, dar significação às concepções alternativas do aluno a partir de uma visão sincrética, desorganizada, de senso comum a respeito do conteúdo a ser trabalhado; • A problematização implique o momento para detectar e apontar as questões a serem resolvidas na prática social e, por consequência, estabelecer que conhecimentos são necessários para a resolução destas questões e as exigências sociais de aplicação desse conhecimento; • A instrumentalização consiste em apresentar os conteúdos sistematizados para que os alunos assimilem e os transformem em instrumento de construção pessoal e profissional. Os alunos devem se apropriar das ferramentas culturais necessárias à luta social para superar a condição de exploração em que vivem; • A catarse seja a fase de aproximação entre o conhecimento adquirido pelo aluno e o problema em questão. A partir da apropriação dos instrumentos culturais, transformados em elementos ativos de transformação social, o aluno passa a entender e elaborar novas estruturas de conhecimento, ou seja, passa da ação para a conscientização; • O retorno à prática social se caracterize pela apropriação do saber concreto e pensado para atuar e transformar as relações de produção que impedem a construção de uma sociedade mais igualitária. A visão sincrética apresentada pelo aluno no início do processo passa de um estágio de menor compreensão do conhecimento científico a uma fase de maior clareza e compreensão, explicitada numa visão sintética. O processo educacional põe-se a serviço da referida transformação das relações de produção. Os encaminhamentos metodológicos nas aulas de biologia envolverão realizações de pesquisas, estudo do meio, aulas expositivas dialogadas, atividades individuais e em grupo, atividades experimentais, leitura de textos, aplicações dos conhecimentos em situações reais do cotidiano, análise e discussão de temas variados que favorecem
  9. 9. informações, espírito investigativo e estimulam o desenvolvimento de comunicação buscando atingir o objetivo de compreender o fenômeno da vida e sua complexidade de relações associadas à história da ciência, ao cotidiano e as conquistas tecnológicas e suas implicações éticas. Os recursos tecnológicos disponíveis na escola como: TV Multimídia, projetor de multimídia, retroprojetor, microscópios e laboratório de informática serão utilizados nas aulas de biologia. AVALIAÇÃO Na disciplina de Biologia, avaliar implica um processo cuja finalidade é obter informações necessárias sobre o desenvolvimento da prática pedagógica para nela intervir e reformular os processos de ensino-aprendizagem. Pressupõe-se uma tomada de decisão, em que o aluno também tome conhecimento dos resultados de sua aprendizagem e organize-se para as mudanças necessárias (PARANÁ, 2008, p. 69). A avaliação deve se fazer presente, tanto como meio diagnostico do processo ensino aprendizagem quanto como instrumento de investigação da pratica pedagógica. Para cumprir esta função a avaliação deve possibilitar o trabalho com um novo, numa dimensão criadora e criativa que envolva ensino e aprendizagem, visando contribuir para a compreensão das dificuldades de aprendizagem dos alunos, com vistas ás mudanças necessárias para que esta aprendizagem se concretize e a escola se faça mais próxima da comunidade, da sociedade como um todo, no atual contexto histórico e no espaço onde os alunos estão inseridos. Os critérios avaliativos a serem utilizados terão pautas na avaliação diagnóstica cognitiva e cumulativa, sendo utilizada como instrumento de intervenção e reformulação dos processos de aprendizagem, a avaliação em Biologia feita através de trabalhos, debates, seminários, provas, produção e análise de textos que levarão em consideração os seguintes pontos: uso da modalidade padrão da língua portuguesa, capacidade argumentativa, compreensão de leituras e pesquisas realizadas extra classe e durante a aula, produção de análises críticas (neste ponto serão observados os seguintes critérios: embasamento teórico de fontes fidedignas, coerência, senso comum, conhecimento cientificamente e historicamente construído e validado e ordem formal do uso da escrita). Nesse sentido, pautar-se-á por instrumentos e critérios claramente definidos no Plano de Trabalho Docente para cada série, a partir da Proposta Curricular para o Ensino de
  10. 10. Biologia. É preciso valorizar as diferenças individuais sem jamais perder de vista o contexto interativo. Escola é ambiente de interação. A recuperação dos estudos, visando a apropriação dos conhecimentos inerentes à disciplina e à série, será encaminhada de forma paralela sempre que se fizer necessário, mediante a articulação de novos encaminhamentos metodológicos. A recuperação de estudos será estabelecida em cada plano de trabalho docente. Critérios de Avaliação por série: 1º ano • Classifique os seres vivos quanto ao número de células (unicelular e pluricelular), tipo de organização celular (procarionte e eucarionte), forma de obtenção de energia (autótrofo e heterótrofo) e tipo de reprodução (sexuada e assexuada); • Reconheça e compreenda a classificação filogenética (morfológica, estrutural e molecular) dos seres vivos; • Identifique a estrutura e o funcionamento das organelas citoplasmáticas; • Reconheça a importância e identifique os mecanismos bioquímicos e biofísicos que ocorrem no interior das células • Compreenda os mecanismos de funcionamento de uma célula: digestão, reprodução, respiração, excreção, sensorial, transporte de substâncias; • Compare e estabeleça diferenças morfológicas entre os tipos celulares mais frequentes nos sistemas biológicos (histologia); 2º ano • Identifique e compare as características dos diferentes grupos de seres vivos; • Estabeleça relações entre as características específicas dos micro-organismos, dos organismos vegetais e animais, e dos vírus • Compreenda a anatomia, morfologia, fisiologia e embriologia dos sistemas biológicos (digestório, reprodutor, cardiovascular, respiratório, endócrino, muscular, esquelético, excretor, sensorial e nervoso) 3º ano • Reconheça e analise as diferentes teorias sobre a origem da vida e a evolução das espécies; • Reconheça a importância da estrutura genética para manutenção da diversidade dos seres vivos; • Compreenda o processo de transmissão das características hereditárias entre os seres vivos;
  11. 11. • Identifique os fatores bióticos e abióticos que constituem os ecossistemas e as relações existentes entre estes; • Compreenda a importância e valorize a diversidade biológica para manutenção do equilíbrio dos ecossistemas; • Reconheça as relações de interdependência entre os seres vivos e destes com o meio em que vivem; • Identifique algumas técnicas de manipulação do material genético e os resultados decorrentes de sua aplicação/utilização; • Compreenda a evolução histórica da construção dos conhecimentos biotecnológicos aplicados à melhoria da qualidade de vida da população e à solução de problemas sócio-ambientais; • Relacione os conhecimentos biotecnológicos às alterações produzidas pelo homem na diversidade biológica; • Analise e discuta interesses econômicos, políticos, aspectos éticos e bioéticos da pesquisa científica que envolvem a manipulação genética. REFERÊNCIAS AMABIS, José Mariano,1947-Biologia / José Mariano Amábis, Gilberto Rodrigues Martho.- 2. Ed. São Paulo: Moderna,2008. ARROYO, M. G. A função do ensino de Ciência. Em aberto. Brasília, n. 40 out/dez. 1988 BARNES.R.D. Zoologia dos invertebrados. São Paulo: RO,1984. BEHE,M.J. A caixa preta de Darwin. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1997. BRANCO,S.M. Ecologia em debate. São Paulo: Modern,1997. BIOLOGIA. Secretaria de Estado da Educação-SEED.Curitiba.2009. FREIRE-MAIA, N. A ciência por dentro. Petrópolis: Vozes, 1990 GARDNER,E.J. et al Genética.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1986. GASPARIN, J. L. Uma didática para a pedagogia histórico-crítica, Campinas: Autores Associados. 2002. JUNQUEIRA,L.C. et al Biologia celular e molecular.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1990. LOPES, A. Conhecimento Escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1999 ODUM,E. Ecologia.Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1988. OLIVEIRA,F.Bioética-uma face da cidadania.São Paulo: Moderna, 2004. PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Livro didático público – Biologia. 2. Ed.
  12. 12. Curitiba, 2007. PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares Estaduais – Biologia. Curitiba, 2008. STORER,T. et al Zoologia geral.

×