O porquê da paixão

775 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
775
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O porquê da paixão

  1. 1. 2011 a. D.
  2. 2. Estrondoso sucesso depúblico: centenas de pessoas se aglomeraram para ver os cartazes!
  3. 3. Seguranças foram chamadospara organizar filas e conter a multidão!
  4. 4. A África nos envia a primeira prancha! Obrigado Rima!
  5. 5. A Rima estuda aqui:Ecole Nationale d‘Architecture Paris val Seine
  6. 6. O impulso de elogiar foi muito forte – há gesto melhor?
  7. 7. Marcão reorganizou o texto para destacar as letras dapalavra “paixão”. Veja o original do poema a seguir.
  8. 8. “Constrói teu bloco de pedra com carinhoSuspenda-ao ao céu e imagine-o tocando suavemente o infinito Pinte-o com cores próprias Com cores que preencham todo o necessário Toque-o suavemente Sinta sua força Experimente-o e lhe faça adequado Ame-o Deixe-o livre sob um céu azul para que floresça Deixe-o conquistar o êxtase de tornar-se perene Deixe-o flutuar em direção ao sublime...” Marco Aurélio de S. Paula
  9. 9. Marco Aurélio Dawi dobrou o cartaz e as marcas fazem parte da composição. Afixei-o meio dobrado para referir àessa criatividade do Dawi: elementos menores compondo um tema maior.
  10. 10. Miguel Lima, entre uma pugna estudantil e outra, fez seu cartaz para mostrar aescala humana no contexto planetário da arquitetura: um grande mundo lidando com o ser humano.
  11. 11. O professor Guilherme Castro compôs uma imagem com vários níveis: sob o manteiga cenas de escombros. Por cima, recortes e elásticos representando Sampa, o que pode ser constatado na tira que mostra calçadas paulistanas. O título da peça, infelizmente perdi, cita exatamente a cidade que sofre sob seus destroços, como Berlim.Os elásticos conferem uma textura tridimensional ao cartaz e reforçam o seu colorido À primeira vista uma simples arte abstrata. Quando compreendida melhor, se apresenta como fruto de um pensamento. Pensamento de urbanista, tudo bem – mas pensamento, de qualquer modo.
  12. 12. O professor Ronaldo Suzuki foi entusiasta dessa mostra de arte coletiva desde o começo. Vejam que delicado croqui! É fácil reconhecer o prédio representado, não é?Este traço seguro e preciso mostra que seu contato com a Elétrica e com a Engenharia ainda não sufocaram nele sua verve arquitetônica.
  13. 13. O professor Vicente Paolillo Filho apoiou prontamente nossa iniciativa e entregou não só um, mas dois croquis muito bonitos! O uso da perspectiva e a simplidade no traço da escalahumana são algumas coisas que aprendemos em seu trabalho.
  14. 14. Beatriz B. Gomes
  15. 15. O código neste cartaz é a catalogação na biblioteca da tese de mestrado do professor Ricardo Luiz Silva: “Uma Odisséia Paulistana” na qual ele analisa, em 520 páginas, o edifício São Vito e seu entorno.
  16. 16. Os professoresCarlos Hernadez Arriagada e Ricardo Luis Silva formaram-se noMackenzie e lencionam aqui.
  17. 17. Esta imagem do Felipe fazendo planurb numa madrugada,véspera de entrega, é tão legal que, penso eu, se basta pararesponder algo sobre a paixão por arquitetura & urbanismo.
  18. 18. Fernanda Motta, Viviane Oda, eRenata, estudam aqui.
  19. 19. Natalia Mutafei estuda aqui.
  20. 20. Jamile é a gerente da copiadora do Dafam, há alguns meses. Ela prometeu fazer uma prancha para o PORQUÊ DAPAIXÃO, mas não teve tempo. A gente perdoa. Até porquê ela financiou cartazes para os professores e foi de ajuda de várias maneiras. Valeu, Jamile! Sucesso prá ti!

×