O CRIME DO VELHO PATRIARCA
Agora que me perguntas, rapaz, vou te contar.
Foi seu tio avô, o cego, quem me falou sobre o crime, quando completei quinze anos. Já tinha ouvido um rumor, pela boca de...
Ele morava longe, a pelo menos três dias de viagem da cidade  e poucos falavam dele.
A bem dizer já o tinham enterrado, pois  todo o clã disputava suas glebas e a posse dos lotes. Por estas terras se atracar...
Se queres saber, eu me lembro que o vi de  perto, uma vez. Distante de tudo seguia ele, nômade errante.  Sempre levantando...
Roça boa ou ruim lhe eram iguais. Raramente ficava para a terceira safra.
A mulher resignada sofria o desterro involuntário. Assim, ela acabou por adorar três deuses,  para nas festas, justificar ...
Após meu casamento me determinei decifrá-lo. Arrumei um álibi - uma paga: lhe devolver uma foice sua. Mera desculpa a fim ...
Consegui o intento e hoje me arrependo.
Encontrei longe da tenda grande, sob um pálio pobre:  seu pequeno e particular matadouro.
Acocorado abria, à faca, uma novilha, lentamente.  Sangue jorrando livre. O animal ainda se contorcia e suspeitei maltrato.
Toquei-lhe o ombro, ele se voltou.
Chocou-me a marca (não me lembrava dela!) de cor viva,  indo da testa ao queixo e olhos que me invadiram fundo.
Me ver chocado o fez curvar-se de novo e prosseguir com a lâmina.  Num gesto quis limpar o suor do rosto, mas o braço sujo...
A voz bem rouca,  como dos loucos, que alucinados, gritam há tempos pelas ruas e estradas.
Tentou ser gentil, mas já então, tudo nele me apavorava.
Ouvi-lhe um tanto e perguntei tolices. Logo me fui, muito mais velho e lento.
Hoje, eu te digo, talvez eu entenda a dor do velho.  A dimensão da dor!
Não só por ter matado o irmão.
O justo.
A dor maior de nunca, no mais que andasse, ter encontrado um abrigo.
A dor de buscar, em vão, a Terra da Fuga onde pudesse,  por fim, descansar.
O livro de Bere’shít, ou Gênesis, “No Princípio”, capítulo IV.
O CRIME DO VELHO PATRIARCA
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O crime do velho patriarca

949 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
949
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O crime do velho patriarca

  1. 1. O CRIME DO VELHO PATRIARCA
  2. 2. Agora que me perguntas, rapaz, vou te contar.
  3. 3. Foi seu tio avô, o cego, quem me falou sobre o crime, quando completei quinze anos. Já tinha ouvido um rumor, pela boca de outros, mas nunca assuntei.
  4. 4. Ele morava longe, a pelo menos três dias de viagem da cidade e poucos falavam dele.
  5. 5. A bem dizer já o tinham enterrado, pois todo o clã disputava suas glebas e a posse dos lotes. Por estas terras se atracaram alguns, outros foram escorraçados e houve até quem matasse – ofendendo assim, seu próprio sangue.
  6. 6. Se queres saber, eu me lembro que o vi de perto, uma vez. Distante de tudo seguia ele, nômade errante. Sempre levantando suas tendas, nunca ajuntando nada, nunca amealhando.
  7. 7. Roça boa ou ruim lhe eram iguais. Raramente ficava para a terceira safra.
  8. 8. A mulher resignada sofria o desterro involuntário. Assim, ela acabou por adorar três deuses, para nas festas, justificar viagens solitárias e ver velhas irmãs e primas enviuvadas.
  9. 9. Após meu casamento me determinei decifrá-lo. Arrumei um álibi - uma paga: lhe devolver uma foice sua. Mera desculpa a fim de ouvir sua versão do crime e vê-lo face-a-face.
  10. 10. Consegui o intento e hoje me arrependo.
  11. 11. Encontrei longe da tenda grande, sob um pálio pobre: seu pequeno e particular matadouro.
  12. 12. Acocorado abria, à faca, uma novilha, lentamente. Sangue jorrando livre. O animal ainda se contorcia e suspeitei maltrato.
  13. 13. Toquei-lhe o ombro, ele se voltou.
  14. 14. Chocou-me a marca (não me lembrava dela!) de cor viva, indo da testa ao queixo e olhos que me invadiram fundo.
  15. 15. Me ver chocado o fez curvar-se de novo e prosseguir com a lâmina. Num gesto quis limpar o suor do rosto, mas o braço sujo ensangüentou a face, sem que ele notasse.
  16. 16. A voz bem rouca, como dos loucos, que alucinados, gritam há tempos pelas ruas e estradas.
  17. 17. Tentou ser gentil, mas já então, tudo nele me apavorava.
  18. 18. Ouvi-lhe um tanto e perguntei tolices. Logo me fui, muito mais velho e lento.
  19. 19. Hoje, eu te digo, talvez eu entenda a dor do velho. A dimensão da dor!
  20. 20. Não só por ter matado o irmão.
  21. 21. O justo.
  22. 22. A dor maior de nunca, no mais que andasse, ter encontrado um abrigo.
  23. 23. A dor de buscar, em vão, a Terra da Fuga onde pudesse, por fim, descansar.
  24. 24. O livro de Bere’shít, ou Gênesis, “No Princípio”, capítulo IV.
  25. 25. O CRIME DO VELHO PATRIARCA

×