LUGAR NENHUM <br />É <br />NENHUM LUGAR<br />MAQUETEAR<br />É UTOPIAR<br />
Maquete abandonada por alunos após a entrega<br />
Maquete colada no trem, quando o aluno vinha para a aula<br />
Apoio de papelão para proteção na caixa de pc e monitor<br />
Até o final: maquetes abandonada após entrega<br />
As maquetes feitas por nós, alunos, são utopias <br />nascidas numa agonia. <br />Na angústia de produzir às pressas um mu...
LUGAR NENHUM <br />É <br />NENHUM LUGAR<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lugarnenhum

432 visualizações

Publicada em

Sempre achei as maquetes de alunos muito bonitas. Mesmo as mal-coladas ou desestruturadas. Como aluno sei do empenho por trás de cada uma, algumas delas até desnecessárias, mas cobradas como exercício projetual. Estes predinhos e casinhas de papel são desprezados após a entrega. Sempre achei q elas mereciam melhor destino que o lixo. Propus ao Dafam recolher as melhores e expô-las, mas ninguém se preocupa com maquetes de alunos. E mais curioso: os novatos fazem as mais ousadas! Esta apresentação vai como homenagem e brinde a todos os maqueteiros não profissionais, alunos agoniados da Arquitetur

Publicada em: Design
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
432
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lugarnenhum

  1. 1. LUGAR NENHUM <br />É <br />NENHUM LUGAR<br />MAQUETEAR<br />É UTOPIAR<br />
  2. 2.
  3. 3.
  4. 4.
  5. 5.
  6. 6.
  7. 7.
  8. 8.
  9. 9.
  10. 10.
  11. 11.
  12. 12.
  13. 13. Maquete abandonada por alunos após a entrega<br />
  14. 14.
  15. 15. Maquete colada no trem, quando o aluno vinha para a aula<br />
  16. 16.
  17. 17.
  18. 18.
  19. 19.
  20. 20. Apoio de papelão para proteção na caixa de pc e monitor<br />
  21. 21.
  22. 22.
  23. 23.
  24. 24.
  25. 25.
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28.
  29. 29.
  30. 30.
  31. 31.
  32. 32.
  33. 33.
  34. 34.
  35. 35.
  36. 36. Até o final: maquetes abandonada após entrega<br />
  37. 37.
  38. 38.
  39. 39.
  40. 40.
  41. 41.
  42. 42.
  43. 43.
  44. 44.
  45. 45.
  46. 46.
  47. 47.
  48. 48.
  49. 49.
  50. 50.
  51. 51.
  52. 52.
  53. 53. As maquetes feitas por nós, alunos, são utopias <br />nascidas numa agonia. <br />Na angústia de produzir às pressas um mundo que jamais existirá.<br />São as aldeias fantasmagóricas de uma cidade que nunca aconteceu, exceto em nossos delírios.<br />Descobrimos, tempos depois, que todos temos aldeias secretas, lugares particulares nunca mapeados e nunca sobrevoados pelo correio áreo de Exüpery. <br />Acabamos por compreender que elas são as casinhas de brinquedo de nossa infância, distorcidas sob a neurose das entregas na faculdade. <br />Mal tivemos tempo de contemplá-las: eram pedaços de nós que recortávamos e colávamos às pressas, <br />em oferenda à academia.<br />Então fica claro: todo artefato carrega um pouco da alma do artesão. Banais, toscas, exímias ou fora de escala – são nossas aldeias e não um lugar nenhum.<br />
  54. 54. LUGAR NENHUM <br />É <br />NENHUM LUGAR<br />

×