Universidade Presbiteriana MackenzieVIRTUAL MATH TEAMS: DESENVOLVENDO ATIVIDADES DE CALCULODIFERENCIAL EM UM AMBIENTE VIRT...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011IntroduçãoDevido à evolução nas teorias de aprendizagem, cada dia torna-se maior...
Universidade Presbiteriana Mackenzietornando assim possível a troca de informações entre esses e a obtenção de uma saídapa...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011modificar o software de acordo com os usuários, o que o caracteriza como um soft...
Universidade Presbiteriana MackenzieCriando assim uma relação de interligação entre aluno e professor. Essa conclusão éret...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011   •   Ferramentas de avaliação automática para alguns tipos de avaliação.   •  ...
Universidade Presbiteriana MackenzieO Math Forum conta com uma página intitulada “Ask Dr. Math” no qual o usuário podedeix...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011                                Figura 1: Whiteboard e chat no VMTE caso algo se...
Universidade Presbiteriana Mackenzieantes de realizar esse tipo de operação em softwares como no próprio Geogebra e depois...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011segundo o site Google Apps for Education (2011), podemos ver um ambiente queatua...
Universidade Presbiteriana Mackenzieo espaço de trabalho continua sendo criado como uma nova página abaixo da anterior, se...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011vez que todos estivessem dentro de uma sala, seria explicado o tutorial do ambie...
Universidade Presbiteriana Mackenzieproblema que tivesse relações com práticas da engenharia civil, que necessitasse dauti...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011Como o VMT é um ambiente focado em atender os profissionais e alunos da área dem...
Universidade Presbiteriana Mackenzieprofissionais envolvidos na área, e assim por consequência uma parte dos físicos eenge...
VII Jornada de Iniciação Científica - 2011Caso essa visão fosse mais explorada há mais tempo, poderíamos obter ferramentas...
Universidade Presbiteriana MackenzieTELEDUC EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (2006b), Quem usa: Instituições. Disponível em:http://www...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fabio melle

251 visualizações

Publicada em

Em parceria com a Professora Helena Abascal, publicamos os relatórios das pesquisas realizados por alunos da fau-Mackenzie, bolsistas PIBIC e PIVIC. O Projeto ARQUITETURA TAMBÉM É CIÊNCIA difunde trabalhos e os modos de produção científica no Mackenzie, visando fortalecer a cultura da pesquisa acadêmica. Assim é justo parabenizar os professores e colegas envolvidos e permitir que mais alunos vejam o que já se produziu e as muitas portas que ainda estão adiante no mundo da ciência, para os alunos da Arquitetura - mostrando que ARQUITETURA TAMBÉM É CIÊNCIA.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
251
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fabio melle

  1. 1. Universidade Presbiteriana MackenzieVIRTUAL MATH TEAMS: DESENVOLVENDO ATIVIDADES DE CALCULODIFERENCIAL EM UM AMBIENTE VIRTUAL ON-LINEFabio Melle da Silva (IC) e Gisela Hernandes Gomes (orientadora)Apoio: PIBIC CNPqResumoNesse trabalho é apresentada a evolução de uma pesquisa, que foca a utilização de ambientesvirtuais para auxiliar no ensino de conteúdos, esses que façam parte de disciplinas dos cursos deEngenharia, utilizando como base conceitos do cálculo diferencial. O ambiente escolhido é o VirtualMath Teams, desenvolvido pela Drexel University, e que apresenta ferramentas que podem serusadas para a discussão e desenvolvimento de soluções de problemas de Engenharia a distancia.Em função de alguns problemas técnicos nesse ambiente, foi estudada a possibilidade da aplicaçãode uma atividade da Disciplina de Resistência dos Materiais I para alunos da 3ª etapa do curso deEngenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie, usando um ambiente similar ao VMTchamado Google Docs. O ambiente permite utilizar todas as ferramentas do Microsoft Office, taiscomo gráficos, planilhas, texto, entre outros. A vantagem de usar esse ambiente virtual é que além dafamiliarização que o usuário tem como essas ferramentas, é possível interagir com outros usuáriossimultaneamente, tanto na folha em branco como na janela de chat. Os resultados mostraram queesses ambientes podem facilitador o ensino e aprendizado de conteúdos matemáticos à distância, emfunção das ferramentas algébricas e gráficas que ele propicia. Entretanto, esse assunto ainda requermais pesquisas.Palavras-chave: Ambientes virtuais de Aprendizagem, Virtual Math Teams, Google DocsAbstractIn this paper is presented the evolution of a research, which focuses on the use of virtualenvironments to assist in the teaching of content, those are part of the disciplines of engineeringcourses, building on concepts of differential calculus. The environment chosen is the Virtual MathTeams, developed by Drexel Univesity, which presents tools that can be used to discuss and developsolutions to engineering problems from distance. Due to some technical problems in this environment,we studied the possibility of applying an activity of the Department of Mechanical of Materials I to thestudents in Stage 3 of the Civil Engineering course at the University Presbyterian Mackenzie using anenvironment similar to VMT called Google Docs. The environment provides all Microsoft Office toolssuch as charts, spreadsheets, text, among others. The advantage of using this virtual environment isthat in addition to familiarizing the user has tools like these, you can interact with other userssimultaneously, both in blank and in the chat window. The results showed that these environmentscan facilitate teaching and learning of mathematical content at a distance, depending on the algebraicand graphical tools that it provides. However, this issue still requires more research.Key-words: Virtual environments, Virtual Math Teams, Google Docs 1
  2. 2. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011IntroduçãoDevido à evolução nas teorias de aprendizagem, cada dia torna-se maior a necessidade deaperfeiçoar os métodos de ensino. Outro grande ramo que está sempre sofrendo grandeatualização é o da tecnologia e informação, então cabe a pergunta: Por que não utilizar deferramentas tecnológicas para ajudar a desenvolver atividades de aprendizado? Mas essaideia já tem sido implantada em escolas de ensino fundamental, médio e em parte começa aatingir o nível superior. Porém, essa pesquisa pretende alcançar um novo horizonte e utilizarambientes virtuais para ajudar e porque não facilitar o aprendizado nas disciplinaslecionadas nos cursos de Engenharia.Atualmente existem diversos ambientes virtuais, no Brasil e em todo o resto do mundo,usados para a realização de ensino a distância, sendo que cada um possui um foco principalquanto a sua finalidade de utilização. Cada um, assim, tem a sua aplicação voltada a umadeterminada atividade acadêmica, como a publicação de materiais para consulta ou atémesmo conteúdo de aula, a aplicação de atividades para avaliar os alunos e também adivulgação de notas obtidas em exames.Porém a ideia é de avaliar um ambiente virtual conforme a sua utilização para o ensino dedisciplinas ligadas ao cálculo diferencial aplicada nas disciplinas profissionalizantes doscursos de Engenharia. Então foi selecionado um ambiente que oferecesse as melhoresferramentas que tivessem ligadas a esses temas, que pudesse lidar com operadoresmatemáticos desde os mais simples, como soma e produto, até os mais complexos comosomatória, logaritmos e integrais; ferramentas para a visualização de ilustrações, como porexemplo, plantas arquitetônicas ou plantas de execução sendo essas necessárias para acompreensão das condições a qual se encontra o objeto de estudo; e por fim execução dedesenhos ilustrativos, que estivessem ligados a simplificação das condições citadasanteriormente.Um ponto importante para o curso de Engenharia é a execução de atividades não somentedurante, mas também fora do período de aula. Executando a resolução de problemasadicionais que possuem a intenção de fixar conceitos aprendidos em sala de aula e praticá-los, para tornar o raciocínio do aluno mais ágil e coerente, características importantíssimasque são requisitadas pelo mercado de trabalho para o profissional de Engenharia.Porém, essa necessidade de realizar exercícios fora da sala de aula acaba se tornando umproblema ao mesmo tempo com a aparição de dúvidas em conceitos ou mesmo em certaspassagens da resolução de um problema. Nesse momento entraria a concepção dorelacionamento virtual através de ferramentas de chats de alunos e até mesmo professores, 2
  3. 3. Universidade Presbiteriana Mackenzietornando assim possível a troca de informações entre esses e a obtenção de uma saídapara o problema.Com a necessidade de um ambiente que envolvesse a utilização de termos de cálculodiferencial e Engenharia e a possibilidade de desenvolvimento de diálogos entre osparticipantes, não necessitando da instalação de ferramentas adicionais, conhecimento delinguagens de programação e outros recursos que seriam considerados complexos paraleigos foram escolhidos como alvo de estudo o Virtual Math Teams, também conhecidocomo simplesmente VMT.Ao longo da pesquisa, esse ambiente apresentou inconsistências relativas ao seudesempenho, pois se trata de um modelo ainda em desenvolvimento. Para que o trabalhofosse concluído de acordo com os objetivos estipulados, optou-se pela indicação de umnovo ambiente para ser estudado, que compartilhasse da mesma ideologia de interação.Após alguns estudos concordou-se que o Google Docs poderia ser utilizado paradesenvolver atividades bem próximas as que seriam realizadas no VMT.Referencial TeóricoOutros ambientes virtuais também foram objetos de nosso estudo para que fosse possívelanalisar quais ferramentas eram oferecidas e qual o diferencial que o ambiente Virtual MathTeams teria em relação aos que atualmente encontram-se disponíveis no mercado. NoBrasil destacamos a utilização do TelEduc e do Moodle que também é utilizado em outrospaíses e o WebCT que é muito utilizado em outros países mas que não conseguiu umespaço no Brasil.Para começar direcionamos os estudos ao ambiente virtual utilizado no Brasil: o TelEduc.De acordo com a própria página do Teleduc Educação a Distância (2006a) ele foi concebidobaseado na metodologia de formação desenvolvida por pesquisadores do NIED (Núcleo deInformática Aplicada a Educação) da Unicamp (Universidade de Campinas), desenvolvidona Unicamp no ano de 2006. Segundo Teleduc Educação a distância (2006b) eleatualmente é utilizado por alunos e professores da própria Universidade e de outrasuniversidades federais brasileiras como a do Rio Grande do Norte, Rondônia e Minas Gerais(onde é usado por cursos de Turismo, Medicina e pelos cursos de Engenharia Civil,Mecânica, Metalúrgica e Produção) e também pela Universidade Estadual de São Paulo.O Teleduc, segundo Ferreira (2007), foi criado através de opiniões e necessidades dosalunos, que tinham contato direto com os programadores do ambiente, podendo assim 3
  4. 4. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011modificar o software de acordo com os usuários, o que o caracteriza como um software livre.Segundo a Free Softwares Fundation (2010), criadora do conceito, por definição umSoftware livre é todo programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado eredistribuído sem nenhuma restrição. A possibilidade de mudar o programa, segundo osusuários, tornou esse ambiente mais simples para ser utilizado, com ferramentas que nãonecessitam de muito conhecimento dos professores e dos próprios alunos tornando-seassim um sistema rápido devido a sua simplicidade.Mas existem ainda pontos negativos no Teleduc, como a necessidade de executar odownload do programa fazendo-o perder praticidade, e de acordo com o curso que o usuárioesta inscrito ainda existe requisitos mínimos para que esse possa usufruir de todos osrecursos disponíveis ao mesmo, como ferramentas adicionais e maior velocidade denavegação. Outro ponto negativo a ser destacado, em comparação aos outros ambientesmais usados, é a deficiência de uma ferramenta que possa ser usada pelos professorespara realizar avaliações dos alunos e falta de praticidade, porque muitas vezes se tornanecessário a realização da mesma tarefa varias vezes, uma vez para cada aluno cadastradono cursoApesar dos pontos negativos, ainda temos um bom ambiente, principalmente na idéia deconcepção, mas que ainda esta em fase de evolução e precisará de um tempo para setornar completo e eliminar erros que ainda existem.Outro ambiente analisado foi o Moodle, utilizado atualmente não só aqui no Brasil, mas emvários outros países da America do Norte, como Estados Unidos e Canadá, América do Sulrepresentado pelo Brasil, Argentina, Paraguai e outros e também na America Central, sendousado no México, Ásia e até da Europa.Definido pelo próprio site Moodle (2010), o termo Moodle é uma abreviação que significaModular Object Oriented Dynamic Learning Environment. Mas existe também umaambiguidade, pois o verbo to Moodle é utilizado para descrever o processo de navegardespretensiosamente por algo, enquanto é possível fazer outras coisas ao mesmo tempo. OMoodle também é classificado como um software livre, portanto aberto a reformulações, quetem como finalidade apoiar o aprendizadoSegundo Dougiamas (2001), educador e cientista computacional, o conceito de to Moodlecom foco voltado para os programadores e acadêmicos da educação, forma-se com umsistema de administração de atividades educacionais, com intuito de realizar umaprendizado em ambos os lados, o do educando e o lecionado. No qual somos instruídospara a formação de um grupo de usuários conectados através de ambientes virtuais. 4
  5. 5. Universidade Presbiteriana MackenzieCriando assim uma relação de interligação entre aluno e professor. Essa conclusão éretirada com a leitura do texto original de Dougiamas: Minha firme convicção no potencial ainda não realizado das possibilidades da educação baseada na Internet, me levaram a completar um Mestrado e depois um Doutorado em Educação, combinando minha carreira anterior em Ciência da Computação com o recém construído conhecimento sobre a natureza da aprendizagem e da colaboração. Em especial, eu fui particularmente influenciado pela epistemologia do construcionismo social - que não só trata a aprendizagem como uma atividade social, mas focaliza a atenção na aprendizagem que acontece em quanto construímos ativamente artefatos (como textos, por exemplo), para que outros vejam ou utilizem.Antes de ser lançado oficialmente para uma pequena turma de nível universitário o Moodleteve várias versões descartadas, porém no dia 20 de agosto de 2002 o ambiente virtualentrou em operação pela primeira vez e desde então tem disponibilizado novas versões comacréscimo de novos recursos e para que possa atingir um melhor desempenho.Atualmente o Moodle conta com o auxilio da empresa moodle.com que oferece suporteadicional, em termos comerciais, para aqueles que precisarem, e para oferecemhospedagem gerenciada, no qual a empresa se responsabiliza por executar atividadesadministrativas no lugar da instituição que desfruta do ambiente, além de consultoria paraquem deseja realizar essas atividades por si mesmo.Apesar dos recursos pagos oferecidos pela moodle.com, o software é gratuito e pode serinstalado em vários ambientes operacionais como no Unix, Linux, Windows e Mac OS,sendo apenas necessário um sistema que possa executar linguagem PHP.Outro ambiente avaliado foi o WebCT, criado por um grupo de tecnólogos educacionaisliderados por Murray W. Goldberg da University of British Columbia, que oferece umconjunto de ferramentas para facilitar a criação de cursos educacionais a distância e paracomplementar um curso já existente.A possibilidade de lidar com um curso totalmente a distância sem a necessidade dapresença do aluno o diferencia dos demais ambientes estudados. Porém, o WebCT tambémpode ser usado para complementar um curso presencial já existente utilizando-o como umaferramenta para a entrega de arquivos dos alunos para os professores e para disponibilizarmaterial didático para os alunos pelos professores.Segundo o projeto de Harris (2003) o WebCT foi comparado com o Teleduc durante agraduação no curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Campinas, no qual foradestacado alguns pontos positivos do ambiente segundo a opinião da mesma. Entre elesestão: • Sua interface pode ser configurada para funcionar em vários idiomas (Inglês, Frances, Espanhol, Português e outros) 5
  6. 6. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011 • Ferramentas de avaliação automática para alguns tipos de avaliação. • Possibilidade de execução de testes rápidos com respostas instantâneas. • Ferramentas para avaliação quantitativa do aluno. • Possibilidade de boa interatividade, com videoconferências, materiais com multimídias e avaliações automáticas. • Permissão de adição de glossários com links para os textos nas páginas. • Permissão de execução de backup datado do curso quando desejado. • Facilidade para reaproveitamento da estrutura criada. • Possibilidade de cadastramento de alunos a partir de listas. • Possibilidade de gerar diferentes tipos de avaliação. • Possibilidade de criar bancos de dados de questões para novas avaliações. • Possibilidade de criação de subpastas organizadas.No projeto também existe a citação de pontos negativos em relação ao TelEduc, o quecorrobora com os citados anteriormente: • Dificuldade de gerar perfil em cursos novos para alunos que já utilizaram o ambiente em outros cursos. • Interface pouco amigável. • Navegação complexa para se estruturar uma simples avaliação. • Personalização parcial do ambiente. Apenas nas cores e fontes. • Opções de barras nem sempre adequadas. • Colocação limitada de banners. • Módulos internos com a navegação cruzada para determinados objetivos. • Necessidade de muitos links para operação de download e upload.O ambiente escolhido para esse estudo, inicialmente, foi o VMT criado na Drexel Universityno ano de 2003 por um grupo de estudantes de PhD que faziam parte do Math Forum,sendo esse basicamente um fórum, ou seja, um espaço na internet criado para umadiscussão pública, formado por alunos, matemáticos, pesquisadores e professores que sedisponibilizaram a auxiliar outros estudantes em problemas matemáticos, propor enigmas erealizar pesquisas matemáticas através do uso da internet. Atualmente o VMT proporcionauma ligação direta para o site do Math Forum. 6
  7. 7. Universidade Presbiteriana MackenzieO Math Forum conta com uma página intitulada “Ask Dr. Math” no qual o usuário podedeixar suas dúvidas e de acordo com seu nível, um profissional que leciona ou temconhecimento sobre o assunto entra em contato com o aluno e tenta resolver o pontolevantado através de uma sala do fórum. Caso esse assunto já tenha sido tratadoanteriormente ele fica armazenado e é repassado para o usuário que apresentou essadúvida recentemente.Além da biblioteca virtual contida no próprio Math Forum, também existem links parapáginas de sites parceiros ou que são considerados confiáveis pelo Math Forum comconteúdo matemático.Segundo Stahl (2009), professor e pesquisador especializado em Ciências da Informação,que realizou uma pesquisa e publicou um livro sobre o Virtual Math Teams chamado“Studying Virtual Math Teams”, o VMT apresenta dois grandes objetivos iniciais. O objetivoprincipal seria: “(...) fornecer uma fonte de experiências e dados para explorações teóricas epráticas de construção de conhecimento de grupo (..)” e outro seria: “(...) desenvolver umambiente on-line eficiente e serviços educacionais para a aprendizagem colaborativa damatemática.”Com o cadastro realizado no próprio site do VMT tem-se acesso a diversos recursos comoum acervo com material para consulta a conteúdos matemáticos de todos os níveis deensino, desde os da educação básica até os mais avançados como o cálculo diferencial.Mas o VMT não é apenas uma ferramenta de consulta, pois essa função é apenas umsuporte para quem utiliza uma sala com um workspace que é a principal ferramenta doambiente virtual, que consiste em uma janela na qual existe a interação de várias pessoas,formado por um quadro branco e uma barra lateral de chat para a comunicação entre osusuários, sendo aqui o espaço no qual se deseja alcançar os objetivos iniciais do VMT.No whiteboard (quadro branco) temos ferramentas de desenhos e de texto, a possibilidadede exportação de imagens em todos os formatos e arquivos de vários programas e o maisinovador é a possibilidade de fazer alterações nos desenhos ou textos executados poroutros usuários, como copiar, mover ou modificar. Para melhor organização da ordem daspassagens, existe também uma ferramenta que cria “balões” e os conecta criandofluxogramas, que assim como os desenhos, podem ser modificados por qualquer um queesteja na sala.Durante o chat (Figura 1) entre os usuários, esses podem conectar uma fala com umelemento existente do quadro, criando uma seta da fala até o item escolhido, e assim todavez que algum usuário clicar na mensagem com uma indicação, a seta reaparecerá na telanovamente, indicando o item selecionado. 7
  8. 8. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011 Figura 1: Whiteboard e chat no VMTE caso algo seja apagado ou removido existe a possibilidade de rever tudo o que foi feito oudesfeito através de uma barra localizada na lateral esquerda da janela, que mostra todas asmodificações e o horário que ocorreu cada modificação. Assim as ações desfeitas ou aordem na qual foram feitas não é perdida.Além dessas funções há também uma divisão de tabs na sala do workspace, na qualpodemos criar novos quadros, que auxiliam fazendo com que o usuário tenha um espaçoilimitado para a exposição de suas idéias, pois cada nova tab tem a opção de adicionar umanova whiteboard, ou até mesmo adicionar uma página da Internet, porém, sem apossibilidade de seguir pelos hiperlinks existentes nela.E para aqueles que tiverem dificuldades em utilizar as ferramentas disponíveis nawhiteboard, a sala dispõe de uma tab adicional com tutoriais para aperfeiçoar à utilizaçãodos recursos.Recentemente, já durante a execução dessa pesquisa fora adicionado um novo tipo de tabque pode ser criado nas salas, que conta com os recursos do Geogebra, essa tab foiadicionada depois de uma parceria com o retentor dos direitos autorais do mesmo.Entretanto essa ferramenta ainda está em fase de adaptação para o VMT, porque oprograma original não conta com o recurso de outros usuários modificarem criaçõesrealizadas por um segundo usuário.Entretanto a tab do Geogebra disponibiliza ao usuário ferramentas para o desenvolvimentode gráficos como: parábolas, hipérboles, elipses, etc, através de botões ou de uma barralocalizada na parte inferior da janela na qual pode ser escrita a equação que da origem a umgráfico e o mesmo ser reproduzido na janela, eliminando assim a necessidade existente 8
  9. 9. Universidade Presbiteriana Mackenzieantes de realizar esse tipo de operação em softwares como no próprio Geogebra e depoisimportar a imagem para o quadro branco. Porém algumas adaptações tiveram que ser feitase algumas funcionalidades do Geogebra original foram removidas, como personalização datela e algumas funções que eram realizadas através da barra do programa original nãoestão disponíveis no VMT.O VMT por ser um ambiente em desenvolvimento apresentou problemas durante aexecução das atividades e por esse motivo foi escolhido um ambiente virtual que pudesserealizar as mesmas tarefas que no VMT. Após alguns estudos, foi selecionado o GoogleDocs por apresentar ferramentas semelhantes ao do VMT.O Google Docs possui uma base muito parecida com o VMT, sendo constituído de um chatpara debate entre os participantes e uma área para realização de diversas atividades.O primeiro diferencial é que o usuário necessita de uma autorização do administrador dasala que é nomeado automaticamente, sendo aquele que cria a sala, para que esse possaparticipar da atividade. Já o VMT é originalmente público, ou seja, aberto a qualquer outrousuário até que o administrador decida tornar o espaço de domínio privado.Já dentro da sala, o ambiente oferece algumas formas de trabalho diferentes, podendo seroptado em trabalhar com documentos (Figura 2), apresentações, planilhas, desenhos eoutros. Nessas opções observa-se um visual próximo ao exibido nos programas doMicrosoft Office, com ferramentas muito parecidas também, o que deixa os usuárioshabituados a essas interfaces em condição de familiaridade. Figura 2: Google Docs no formato documento com chatAtualmente o Google Docs esta sendo empregado para fins educacionais, profissionais epessoais. Focando-nos em seus fins educacionais, que recebem a atenção desse projeto, 9
  10. 10. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011segundo o site Google Apps for Education (2011), podemos ver um ambiente queatualmente esta sendo utilizado em larga escala nos Estados Unidos e que esta rumandoem passo acelerado para se disseminar em outros países, também já sendo utilizado emalguns países da Europa e na America Central.Ainda na própria página do ambiente podemos obter informações sobre os limites dosformatos usados para trabalho no Google Docs, por exemplo, no formato de documento oambiente tem a capacidade de suportar 512000 caracteres, e delimita os arquivos enviadospara no máximo de um megabyte, sendo esse o formato que possui menores capacidades,outros como o de apresentação possuem limites bem mais elevados podendo chegar a dezmegabytes de arquivo produzido ou enviado.No site temos também guias que vão desde a execução de tarefas simples até algumasmais complexas para cada tipo de formato, o que ajuda os usuários que estão entrando emcontato com o ambiente pela primeira vez e aqueles que já conhecem, mas que encontramalguma dificuldade durante certo procedimento.O ensino a distância atualmente é uma ferramenta muito presente nas instituições de ensinocomo suporte para as aulas presenciais. Em muitas instituições como a UniversidadePresbiteriana Mackenzie, por exemplo, os ambientes virtuais já são utilizados, no caso oambiente usado nessa instituição é o Moodle, porém apenas alguns professores executamatividades frequentes através do ambiente, outros apenas disponibilizam materiaiscomplementares para os alunos, na forma de depositório.Porém, há um grande passo a ser dado antes que a educação a distância se torne maispresente nos processos de educação de todos os níveis.MétodoO método citado a seguir é uma simulação das passagens a ser aplicadas durante aaplicação de uma atividade toda ambientada no Virtual Math Teams. Pois não foi possívelrealizar essa parte do estudo devido a problemas técnicos apresentados no próprioambiente, que atualmente se encontra fora de utilização devido a serviços de ajustes ereconfigurações.Foi cogitada a utilização do programa Google Docs para executar a tarefa não concluída noVMT, pois ele possui ferramentas muito parecidas com a sala com workspace e chat doVMT, contando com as ferramentas de importação de imagens e arquivos, porém não contacom as tabs existentes no VMT, mas o seu espaço também é praticamente ilimitado, porque 10
  11. 11. Universidade Presbiteriana Mackenzieo espaço de trabalho continua sendo criado como uma nova página abaixo da anterior, sehouver a necessidade.Para a utilização do Google Docs também existe a necessidade de realizar um cadastro,entretanto esse seria através de uma conta no gmail, ou seja, através da criação de uma“Conta do Google”, que é bem versátil por atualmente estar sendo integrada com outrossites.O Google Docs apresenta como diferencial a possibilidade de criar salas em formatodiferentes, como por exemplo, em formato de documento, apresentação, planilha de dados,planilha de desenho ou pode ser usado um modo em que podem ser inseridas questõesdissertativas ou de múltiplas escolhas. Entretanto cada um só executa uma função única,como por exemplo, no documento são realizados textos e suas ferramentas sãodirecionadas para essa área. Assim haverá a necessidade de escolher a ferramenta quemelhor se adéque ao problema proposto.A proposta da atividade seria executada com o auxílio de alunos da 3ª etapa do curso deEngenharia Civil da Universidade Presbiteriana Mackenzie e que já tiveram experiência coma disciplina de Resistência dos Materiais I, sendo necessária a introdução de conceitossobre momento fletor, força cortante e relações matemáticas entre eles.Seria desejável que houvesse no mínimo três alunos executando a atividade, tornandoassim possível que um aluno pudesse ter uma interação com ao menos dois outros alunos eassim caso tivesse dúvidas conceituais pudesse ouvir mais de uma opinião sobre o assunto,evitando assim que a atividade fosse encerrada devido insuficiência conceitual.A atividade seria realizada no campus da Universidade Presbiteriana Mackenzie em um dosseus laboratórios de informática. No qual os seus computadores contariam com a instalaçãodo software para o uso de linguagem Java, para que assim fosse possível utilizar as salasdo VMT; já para a utilização do Google Docs não haveria problemas com softwaresnecessários para que o programa fosse utilizado, a não ser que fosse utilizada a planilha dedesenhos, que também necessita que o usuário esteja utilizando o Google Chrome, comonavegador para ser executada.Os alunos mencionados utilizariam um computador cada, sem ter acesso visual ao monitordos outros participantes, para que houvesse assim uma simulação no qual cada alunotivesse que se comunicar através do ambiente virtual.Para a aplicação no Virtual Math Teams: os alunos seriam levados ao laboratório citadoacima, criariam um cadastro no VMT, depois que todos já estivessem na mesma etapa,então haveria uma apresentação do ambiente virtual em geral com as suas ferramentascomplementares, deixando para o final a apresentação das salas com o workspace. Uma 11
  12. 12. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011vez que todos estivessem dentro de uma sala, seria explicado o tutorial do ambiente com oauxílio da coordenadora da pesquisa e os outros alunos que atualmente estudam oambiente virtual VMT, fazendo com que os alunos então se familiarizassem com o ambientee tirassem dúvidas sobre o seu funcionamento.Depois dessa introdução, o problema seria apresentado aos alunos através da própriawhiteboard. Seria fornecido um tempo limite para a execução do problema, levando emconsideração o tempo de interação, debate entre os alunos sobre os conceitos utilizados naresolução do problema e as ferramentas apresentadas que podem ser usadas para facilitara comunicação entre os usuários e para execução do problema.Durante esse tempo seria observado o debate realizado entre os alunos através do chat,levantando quais ferramentas foram mais usadas, mais úteis e também as que não tiveramtanta funcionalidade e que não se destacaram durante a realização do problema. Outro itemimportante, talvez o mais importante entre todos, seria quais conflitos poderiam ocorrer entreeles quando um começasse a interagir com as criações alheias.E assim finalmente após a atividade já realizada o chat seria copiado e analisado, owhiteboard observado e avaliado, haveria um levantamento de quanto espaço fora utilizadopelos alunos e a resposta final do problema. Enquanto a resolução estivesse sendoanalisada, os usuários seriam indagados sobre quais foram suas maiores dificuldades e emque pontos o ambiente ajudou na interação e realização do problema.O procedimento no Google Docs teria vários formatos para ser apresentado, cada um comsua devida finalidade. Como o problema selecionado envolve desenhos de momento fletor eforça cortante, durante a resolução do problema os desenhos poderiam ser executados emum programa a parte.Assim como o VMT, se a atividade fosse realizada no Google Docs, primeiro seria feito umaapresentação das ferramentas e depois os alunos teriam um tempo para interagir através doprograma, formar opiniões e apresentar resultados. Os quesitos observados seriam osmesmos, ferramentas mais usadas, as que tiveram mais utilidade segundo o observador equais menos foram úteis e usadas.Após o processo, as mesmas questões seriam direcionadas aos alunos como o que faltouem relação a ferramentas, para melhorar a interação dos envolvidos no problema e ospontos que destacariam como diferenciais durante essa experiência.Para poder entender um pouco mais do procedimento, foi feita uma simulação no GoogleDocs, através do auxílio de outro aluno também envolvido com a pesquisa do Virtual MathTeams, que cursa Engenharia Civil na Universidade Presbiteriana Mackenzie e que seenquadra nos pré-requisitos necessários para a realização do problema, sendo esse um 12
  13. 13. Universidade Presbiteriana Mackenzieproblema que tivesse relações com práticas da engenharia civil, que necessitasse dautilização de processos de diferenciações e envolvendo teoria da disciplina de Resistênciados Materiais.Entretanto a atividade foi realizada, com o usuário em sua própria residência, sem contatocom outro aluno. O diferencial é que como não houve outra pessoa realizando a atividade,essa simulação teve como objetivo avaliar as ferramentas do ambiente e verificar os pontospositivos e negativos de realizar um problema em um ambiente virtual.O problema proposto foi apresentado em uma sala no formato de documento. Inicialmentehouve um problema para inserir o gráfico que havia sido realizado com o auxílio do MicrosoftExcel no Google Docs, tendo a necessidade de utilizar um programa a parte para salvar ográfico no formato de imagem para que assim ele fosse inserido no documento do GoogleDocs.Já durante a execução do problema o usuário relatou não ter tido grandes problemas emlidar com a interface do ambiente, ele usou suas ferramentas para fazer a representaçãodas equações matemáticas necessárias para o desenvolvimento da resolução. Utilizou aárea do chat e o próprio espaço do documento para realizar comentários sobre aspassagens executadas durante a resolução.Por conta da atividade não necessitar de representações gráficas, o aluno não encontroudificuldades em executá-la sem a utilização de ilustrações. Entretanto se houvesse talnecessidade o formato de documento não disponibiliza ferramentas nesse campo.Resultado e DiscussãoPara a obtenção de resultados experimentais, os ambientes ainda necessitariam de umafase de aplicação com alunos. Assim seriam melhores discutidos os resultados encontradosem todas as áreas. Esse poderá ser o alvo de uma futura nova pesquisa, tendo em menteapenas aplicação e focando menos um desenvolvimento teórico dos ambientes.Talvez o ideal fosse realizar mais de um exercício, que tivessem procedimentos deresolução semelhante e que utilizassem mais do potencial de ambos os ambientes, o VMT eo Google Docs. Sendo as atividades assim realizadas pelo mesmo grupo de alunos e entãoseria possível indicar melhor as diferenças de trabalhar com cada um dos ambientesressaltando suas principais diferenças, tanto entre as ferramentas oferecidas por essesquanto pela capacidade de interação. Podendo assim apontar qual ambiente conseguemanter um melhor relacionamento entre os usuários envolvidos com a atividade. 13
  14. 14. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011Como o VMT é um ambiente focado em atender os profissionais e alunos da área dematemática, esse se torna um diferencial. Esse tipo de aplicação não ocorre com outrosambientes, o que acaba limitando os usuários, porque os outros ambientes tambématendem as outras áreas educacionais como, por exemplo, o Moodle que não tem restriçõesdesse tipo, mas assim o VMT pode se focar mais no seu campo de atuação e melhorar oseu enfocado e a si mesmo. Então ficamos com o questionamento sobre a existência deoutros ambientes focados em apenas uma área e como poderiam ser ampliados para outrosramos.A simulação no Google Docs (Figura 3) teve bons resultados, com o ambiente secomportando da maneira esperada, ele ainda apresenta em alguns momentos uma lentidão,mas se portou bem em um ponto de vista de conectividade entre os participantes. Figura 3: Problema utilizado na simulação aplicada no Google Docs.A ferramenta que mais uso teve, foi sem dúvidas a que possibilita a introdução de equaçõesmatemáticas, que possui uma boa variedade de opções, recebendo um destaque para osoperadores diferenciais de integrais. Porém, pouco foi usado das ferramentas deformatação, pois segundo o aluno, o documento teve um foco maior como um rascunhopara levantamento de idéias para cada ponto e a formatação teria mais importância se odocumento necessitasse de uma apresentação formal.ConclusãoDevido aos fatos apurados podemos obter como resultado que por ter sido criado por umgrupo focado em atividades matemáticas o Virtual Math Teams se direcionou a atender 14
  15. 15. Universidade Presbiteriana Mackenzieprofissionais envolvidos na área, e assim por consequência uma parte dos físicos eengenheiros.O VMT apresenta ferramentas que ajudam a lidar com operadores matemáticos, porem nãoexecuta as operações, deixando-as apenas representadas, o que pode ser considerado umponto negativo e positivo ao mesmo tempo.O ponto de vista negativo seria que a falta da execução da operação matemática e exibiçãodos resultados obrigaria o aluno ou usuário a executar a operação através de outrosprogramas ou até mesmo manualmente.Mas isso também tem um lado positivo, que a simbolização de operações citadas é umacaracterística pouco comum em ambientes de aprendizado e são necessárias para acompreensão das passagens que devem ser executadas para solucionar o problemarealizado, mas a simples simbolização oferece o custo de necessitar da realização daoperação em outro local o que teria seu aspecto positivo para a fixação de conceitos,aumento de raciocínio e daria ao aluno certa agilidade em encontrar resultados devido àrepetição do processo.Todavia o VMT ainda é uma versão alfa, ou seja, ainda não se encontra pronta para aapresentação aos usuários finais e assim apresenta ainda alguns erros e pode ter o seuacesso retirado para o público por algum tempo para manutenção, mas isso tambémacontece com muitos programas da internet, entretanto com pouca frequência diferente dasversões alfa, mas não é por isso que ele pode ser considerado ruim. Pois o ambienteoferece muitas inovações e recursos muito úteis.Não podemos deixar de mencionar a credibilidade do Google Docs que é inovador,atualmente ele esta sendo introduzido como uma parte do Google Apps, e que pouco apouco esta conseguindo se destacar junto aos outros grandes associados da empresaGoogle, tanto para fins empresariais em vários setores e de todos os portes, comoeducacionais, que tem voltado seus esforços principalmente para as universidades, mastambém se aplicando em todos os outros níveis educacionais.Após esse estudo um fato deve ser ressaltado, o de que atualmente os ambientes virtuaisnecessitam de uma expansão do seu grupo de usuários. Porque assim cada vez maisseriam encontrados mais problemas pelos usuários e esses seriam estudados esolucionados. Garantindo assim uma evolução do ambiente para melhor atender o usuárioem um ritmo mais acelerado.E mais ambientes deveriam seguir a concepção de ouvir as propostas dos seus usuários,pois esses mostrariam os pontos que podem tornar o ambiente mais apropriado para asnecessidades dos mesmos. 15
  16. 16. VII Jornada de Iniciação Científica - 2011Caso essa visão fosse mais explorada há mais tempo, poderíamos obter ferramentas deaumento de produtividade, como um Geogebra com suas adaptações para o VMTrealizadas tornando-se assim uma ferramenta que poderia ampliar as possibilidades deaplicação do ambiente.ReferênciasDOUGIAMAS, Martin. Moodle: open-source software for producing internet-based courses.2001. Disponível em: http://dougiamas.com/writing/herdsa2002/. Acesso em 25 abr. 2011FERREIRA, Zuleika Nunes; MENDONÇA, Gilda Aquino de Araújo. O perfil do aluno deeducação à distância no ambiente Teleduc, 2007, 10p. Disponível em:http://aveb.univap.br/opencms/opencms/sites/ve2007neo/pt-BR/imagens/27-06-07/Cognitivas/trabalho_101_gilda_anais.pdf, acesso em: 30 ago. 2009Free Softwares Fundation (s.d.). disponível em: http://www.fsf.org/. Acesso em: 23 abr.2011.GOOGLE APPS FOR EDUCATION. Ferramentas mais eficientes para um ensino maiseficiente (2011). Disponível em: http://www.google.com/a/help/intl/pt-BR/edu/university.html,acesso em: 18 abr.2011GOOGLE DOCS. Como obter informações do Google Docs: Limites de tamanho (2011).disponível em: http://docs.google.com/support/bin/answer.py?hl=pt-BR&answer=37603,acesso em: 18 abr. 2011GOOGLE DOCS. Google Documentos (2011). Disponível em:http://docs.google.com/support/bin/topic.py?topic=15114 , acesso em: 18/04/2011HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo. Análise Comparativa entre a Utilização dosAmbientes Webct e Teleduc como Apoio Didático às Disciplinas do Curso de Arquitetura eUrbanismo da FEC/Unicamp, 2003, 11p. Disponível em: http://e-spacio.uned.es/fez/eserv.php?pid=bibliuned:1318&dsID=n06harris03.pdf, acesso em: 30ago. 2009MOODLE. História do Moodle (2010). Disponível em:<http://docs.moodle.org>. Acesso em30 ago. 2009STAHL, Gerry. Studying Virtual Math Teams, 1ed, 2009, 628 p.TELEDUC EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (2006a). Apresentação: O ambiente. Disponível em:http://www.telecu.org.br/, acesso em: 30 ago. 2009 16
  17. 17. Universidade Presbiteriana MackenzieTELEDUC EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA (2006b), Quem usa: Instituições. Disponível em:http://www.teleduc.org.br/pagina/quem-usa/, acesso em: 19 set. 2009Contato: fabiom_fk@hotmail.com e gisela.gomes@mackenzie.br 17

×