Catedral da Sé - A História da construção

8.792 visualizações

Publicada em

Catedral da Sé - A História da construção

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • GOTHIC VAULTS MYSTERY- BOVEDAS GOTICAS

    The vaults of Gothic cathedrals have subliminal symbolism. I inform also with photos, and who will have read, never get into a Gothic cathedral and continue seeing the temple as before. http://webspace.webring.com/people/or/ramonetriu/gotic-enigmatic.html

    SPANISH TEXT BELOW

    EL MISTERIO DE LAS BOVEDAS GÓTICAS: OFRECEN UNA IMAGEN DE ROSTRO

    Las bóvedas de las catedrales góticas de los siglos XI al XIV, incluyen un símbolo subliminal consistente en un rostro humano en esquema. Después de conocer esta investigación personal, que está ilustrada con fotos y dibujos, quien la haya leído no volverá a entrar en una catedral gótica sin observarla de modo diferente ha como la veía antes.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.792
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Catedral da Sé - A História da construção

  1. 1. Sua História
  2. 2. Biografia do Arquiteto Maximilian Emil Hehl (1861-1916) Foi um arquiteto e engenheiro alemão. Estudou engenharia em Hanôver eatuou profissionalmente no Brasil. Sua chegada ao país foi em 1888, quando foicontratado para trabalhar na construção de estradas de ferro em Minas Gerais. Mais tarde mudou-se para São Paulo e em 1898 tornou-se professor daEscola Politécnica da Universidade de São Paulo. Suas principais obras incluem aCatedral Metropolitana de São Paulo, a Catedral de Santos e a Igreja da consolação,todas em estilo neogótico.
  3. 3. Sumário1. Apresentação do Trabalho2. Biografia do arquiteto3. Apresentação da obra4. História da obra5. Apresentação do período Neogótico6. Restauração da obra7. Comparação com outra obra8. Referências da pesquisa
  4. 4. Catedral da Sé• Localizada: Praça da Sé, no centro da cidadede São Paulo• Arquiteto: Maximilian Emil Hehl• Obra iniciada em 1912;• Obra finalizada no dia 25 de janeiro de 1954(sem as duas torres principais);• Em 1589 - Igreja principal (Matriz) -Piratininga. Terminada em torno de 1616.• Em 1745 - Antiga igreja foi demolida esubstituída por uma nova, construída em estilobarroco, terminada em torno de 1764.Esta modesta igreja seria a catedral de São Cerca de 1900 – Antes do monumento gótico, o Largo da Sé contavaPaulo até 1911, quando foi demolida. com uma igreja matriz simples, de estilo colonial, derrubada em nome do progresso trazido pela riqueza do café
  5. 5. Catedral da Sé• Localizada: Praça da Sé, no centro da cidadede São Paulo• Arquiteto: Maximilian Emil Hehl• Obra iniciada em 1912; Catedral da Sé 1954• Obra finalizada no dia 25 de janeiro de 1954(sem as duas torres principais);• Em 1745, a "velha Sé", como era chamada, foielevada à categoria de catedral;• Em 1911 - Alargamento da Praça da Sé e,finalmente, à versão atual da catedral.• Em 2001 até 2002, a Catedral passou por umprocesso de restauração. Catedral da Sé
  6. 6. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica• Estilo Neogótico• Utilização de granito na maior parte das paredes• Utilização de cerca de 800 toneladas demármores raros• Maior igreja de São Paulo, com 111 metros decomprimento, 46 metros de largura,torres com 92 metros de altura cada, cúpula comaltura de 65 metros e capacidadepara oito mil pessoas.• Os mosaicos, esculturas e mobiliário quecompõem a igreja foram trazidos por navio daItália Catedral da Sé
  7. 7. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica• Possui forma de cruz latina, com cinco naves e transepto com cúpulasobre o cruzeiro. Planta Cobertura esc.: 1:300
  8. 8. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica• A fachada, dotada de um portal principal e uma grande rosácea, é flanqueadapor duas altas torres. Rosácea da Catedral da Sé
  9. 9. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica Arco em Ogiva
  10. 10. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica • O estilo elegido foi o neogótico, então em voga no Brasil, mas a cúpula é inspirada por estruturas renascentistas como o célebre domo da Catedral de Florença. Domo da Catedral de FlorençaCúpula da Catedral da Sé
  11. 11. Catedral da Sé Arquitetura Neogótica• A cripta localiza-se debaixo do altar principal e é um vasto salãosuportado por várias colunas e arcos, sendo um espaço no qual pessoasimportantes ou relíquias são enterradas. Nela estão sepultados bispos earcebispos de São Paulo e vários personagens importantes da história doBrasil. Cripta da Catedral da Sé
  12. 12. Catedral da Sé• No meio da Praça da Sé, de frente para a Catedral, possui o Marco Zero dacidade, datado de 1934. Obra de autoria de Gabriel Villin e Américo R.Neto, do qual conta-se a distância - para o Centro - de qualquer ponto dacidade, além de indicar as direções dos Estados que fazem limite com SãoPaulo. Nesse Marco passa a linha imaginária do Trópico de Capricórnio. Marco Zero da Cidade de São Paulo
  13. 13. Catedral da Sé Restauração• Passou por uma intensa reforma e agora está em processo de tombamento peloDepartamento do Patrimônio Histórico de São Paulo.Ano de Execução: 2001 á 2002Construtora: Concrejato S/AArquiteto: Paulo BastosMaterial Utilizado: GRC ( Glassfiber Reinforced Concrete - Fibra de vidro, Reforçadoe Concreto) com estrutura metálica.
  14. 14. Catedral da Sé Restauração TORRE A• Torreões existentes - Engastou umaestrutura metálica nos platôs existentes,(fig. 1), e fixar os painéis de GRC sobre amesma, (fig. 2).• Levantamento dos painéis, ocorreatravés de dois guinchos, (fig. 2).• Paginação - as peças teriam que termodulações grandes sem perder osnível de detalhes, isto proporcionouuma redução significativa das juntasentre pré-fabricados. Figura 1 - Platô de alvenaria e granito. Figura 2 - Edificação sobre platô.
  15. 15. Catedral da Sé Restauração TORRE ANa figura 3, pode-se visualizar as etapas básicas da montagem das torres tipo A,sendo, 1º colocação de peças da base do octógono; 2º painéis com telhado acoplado;3º montagem de arcos botantes; 4º montagem de peitoril com colunetas. Figura 3 - Perspectiva ilustrativa das etapas de montagem.
  16. 16. Catedral da Sé Restauração TORRE AFigura 4 - Face montada, já com osarcos botantes inseridos nosvértices.Depois ocorreu o selamento dasjuntas com silicone estruturalRhodia, (fig. 5).A montagem dos quatro torreões dotipo A levou individualmente 90 diaspara sercompletada sem auxílio deequipamentos especiais. Figura 4 - Detalhe face torreão A Figura 5 - Selamento das juntas.
  17. 17. Figura 6 – Resultado final dotorreão A.
  18. 18. Catedral da Sé Restauração TORRE B• O baixo peso das peças - manuseiodentro dos andaimes, (fig. 7).• O içamento (levantamento) das peçasdentro dos andaimes foi realizado portalhas manuais (fig. 9).• Montagem - revestimentode uma estrutura metálicaprincipal existente, (fig. 10 e 11). Figura 7 – peça embalada Figura 9 – detalhe de montagem• Os torreões do tipo B foram osúltimos a serem fabricados emontados, levando aproximadamente60 dias para serem entregues.Sua altura máxima é de 20 metrossendo a mais alta dos trêstipos. Figura 10 – detalhe de montagem Figura 8 – Içamento da peça
  19. 19. Catedral da Sé Restauração TORRE B• Em um número total de 6 torreões do tipo B, elas • Colunas, pilaretes, painéis,fazem conjunto as torres principais dos sinos guarda-corpos e capitéis (fig. 12 elocalizadas em frente a praça da Sé (fig. 14). 13).Para sua montagem foram erguidos 110 ton. deandaimes ao seu redor.
  20. 20. Figura 13 –Elevação doconjunto
  21. 21. Sua História

×