SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
segunda aplicação do ENEM-2012
    Questões de Literatura
          Manoel Neves
TEXTO
                                      segunda aplicação do ENEM-2012
                                                                      CEGUEIRA	
  
Afastou-­‐me	
   da	
   escola,	
   atrasou-­‐me;	
   enquanto	
   os	
   filhos	
   de	
   seu	
   José	
   Galvão	
   se	
   internavam	
   em	
  
grandes	
   volumes	
   coloridos,	
   a	
   doença	
   de	
   olhos	
   me	
   perseguia	
   na	
   meninice.	
   Torturava-­‐me	
  
semanas	
  e	
  semanas,	
  eu	
  vivia	
  na	
  treva,	
  o	
  rosto	
  oculto	
  num	
  pano	
  escuro,	
  tropeçando	
  nos	
  móveis,	
  
guiando-­‐me	
   às	
   apalpadelas,	
   ao	
   longo	
   das	
   paredes.	
   As	
   pálpebras	
   inflamadas	
   colavam-­‐se.	
   Para	
  
descerrá-­‐las,	
   eu	
   ficava	
   tempo	
   sem	
   fim	
   mergulhando	
   a	
   cara	
   na	
   bacia	
   de	
   água,	
   lavando-­‐me	
  
vagarosamente,	
  pois	
  o	
  contato	
  dos	
  dedos	
  era	
  doloroso	
  em	
  excesso.	
  Finda	
  a	
  operação	
  extensa,	
  o	
  
espelho	
  da	
  sala	
  de	
  visitas	
  mostrava-­‐me	
  dois	
  bugalhos	
  sangrentos,	
  que	
  se	
  molhavam	
  depressa	
  e	
  
queriam	
  esconder-­‐se.	
  Os	
  objetos	
  surgiam	
  empastados	
  e	
  brumosos.	
  Voltava	
  a	
  abrigar-­‐me	
  sob	
  o	
  
pano	
   escuro,	
   mas	
   isto	
   não	
   atenuava	
   o	
   padecimento.	
   Qualquer	
   luz	
   me	
   deslumbrava,	
   feria-­‐me	
  
como	
  pontas	
  de	
  agulha.	
  [...]	
  
Sem	
   dúvida	
   o	
   meu	
   espectro	
   era	
   desagradável,	
   inspirava	
   repugnância.	
   E	
   a	
   gente	
   da	
   casa	
   se	
  
impacientava.	
   Minha	
   mãe	
   Unha	
   a	
   franqueza	
   de	
   manifestar-­‐me	
   viva	
   anUpaUa.	
   Dava-­‐me	
   dois	
  
apelidos:	
  bezerro-­‐encourado	
  e	
  cabra-­‐cega.	
  
                                    RAMOS,	
  G.	
  Infância.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Record,	
  1984.	
  (fragmento)	
  
QUESTÃO 01
                                     segunda aplicação do ENEM-2012
O	
  impacto	
  da	
  doença,	
  na	
  infância,	
  revela-­‐se	
  no	
  texto	
  memorialista	
  de	
  Graciliano	
  Ramos	
  através	
  
de	
  uma	
  aUtude	
  marcada	
  por	
  
uma	
  tentaUva	
  de	
  esquecer	
  os	
  efeitos	
  da	
  doença.	
  
preservar	
  a	
  sua	
  condição	
  de	
  víUma	
  da	
  negligência	
  materna.	
  
apontar	
  a	
  precariedade	
  do	
  tratamento	
  médico	
  no	
  sertão.	
  
registrar	
  a	
  falta	
  de	
  solidariedade	
  dos	
  amigos	
  e	
  familiares.	
  
recompor,	
  em	
  minúcias	
  e	
  sem	
  autopiedade,	
  a	
  sensação	
  de	
  dor.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                   segunda aplicação do ENEM-2012
A	
  alternaUva	
  que	
  se	
  aproxima	
  do	
  que	
  leva	
  o	
  locutor	
  a	
  reconstruir	
  sua	
  memória	
  é	
  a	
  letra	
  “e”.
                                                                                                                                             	
  
TEXTO
                                         segunda aplicação do ENEM-2012
                                                                         ERA	
  UMA	
  VEZ	
  
                                                 Um	
  rei	
  leão	
  que	
  não	
  era	
  rei.	
  
                                                 um	
  pato	
  que	
  não	
  fazia	
  quá-­‐quá.	
  
                                                 Um	
  cão	
  que	
  não	
  laUa.	
  
                                                 Um	
  peixe	
  que	
  não	
  nadava.	
  
                                                 Um	
  pássaro	
  que	
  não	
  voava.	
  
                                                 Um	
  Ugre	
  que	
  não	
  comia.	
  
                                                 Um	
  gato	
  que	
  não	
  miava.	
  
                                                 Um	
  homem	
  que	
  não	
  pensava...	
  
                                                 E,	
  enfim,	
  era	
  uma	
  natureza	
  sem	
  nada.	
  
                                                 Acabada.	
  Depredada.	
  
                                                 Pelo	
  homem	
  que	
  não	
  pensava.	
  
CUNHA,	
  L.	
  A.	
  In.:	
  KOCH,	
  I.;	
  ELIAS,	
  V.	
  M.	
  Ler	
  e	
  escrever:	
  estratégias	
  de	
  produção	
  textual.	
  São	
  Paulo	
  Contexto,	
  2011.	
  
QUESTÃO 02
                                       segunda aplicação do ENEM-2012
São	
   as	
   relações	
   entre	
   os	
   elementos	
   e	
   as	
   partes	
   do	
   texto	
   que	
   promovem	
   o	
   desenvolvimento	
   das	
  
ideias.	
   No	
   poema,	
   a	
   estratégia	
   linguísUca	
   que	
   contribui	
   para	
   esse	
   desenvolvimento,	
  
estabelecendo	
  a	
  conUnuidade	
  do	
  texto,	
  é	
  a	
  	
  
escolha	
  de	
  palavras	
  de	
  diferentes	
  campos	
  semânUcos.	
  
negação	
  contundente	
  das	
  ações	
  praUcadas	
  pelo	
  homem.	
  
intertextualidade	
  com	
  o	
  gênero	
  textual	
  fábula	
  infanUl.	
  
repeUção	
  de	
  estrutura	
  sintáUca	
  com	
  novas	
  informações.	
  
uUlização	
  de	
  ponto	
  final	
  entre	
  termos	
  de	
  uma	
  mesma	
  oração.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                     segunda aplicação do ENEM-2012
O	
   principal	
   recurso	
   linguísUco	
   presente	
   no	
   poema	
   é	
   o	
   paralelismo	
   sintáUco:	
   todos	
   os	
   versos
                                                                                                                                             	
  
apresentam	
   a	
   mesma	
   estrutura	
   gramaUcal	
   [arUgo,	
   substanUvo,	
   pronome	
   relaUvo,	
   advérbio,                    	
  
verbo].	
  
Marque-­‐se,	
  pois,	
  a	
  alteranUva	
  “d”.	
  
TEXTO 01
        segunda aplicação do ENEM-2012
                           A	
  CANÇÃO	
  DO	
  AFRICANO	
  
                   Lá	
  na	
  úmida	
  senzala,	
  
                   Sentado	
  na	
  estreita	
  sala,	
  
                   Junto	
  ao	
  braseiro,	
  no	
  chão,	
  
                   entoa	
  o	
  escravo	
  o	
  seu	
  canto,	
  
                   E	
  ao	
  cantar	
  correm-­‐lhe	
  em	
  pranto	
  
                   Saudades	
  do	
  seu	
  torrão...	
  
                   De	
  um	
  lado,	
  uma	
  negra	
  escrava	
  
                   Os	
  olhos	
  no	
  filho	
  crava,	
  
                   Que	
  tem	
  no	
  colo	
  a	
  embalar...	
  
                   E	
  à	
  meia-­‐voz	
  lá	
  responde	
  
                   Ao	
  canto,	
  e	
  o	
  filhinho	
  esconde,	
  
                   Talvez	
  p’ra	
  não	
  o	
  escutar!	
  
                   “Minha	
  terra	
  é	
  lá	
  bem	
  longe,	
  
                   Das	
  bandas	
  de	
  onde	
  o	
  sol	
  vem;	
  
                   Esta	
  terra	
  é	
  mais	
  bonita,	
  
                   Mas	
  à	
  outra	
  eu	
  quero	
  bem.”	
  
ALVES,	
  C.	
  Poesias	
  completas.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Ediouro,	
  1995.	
  (fragmento)	
  
TEXTO 02
                                         segunda aplicação do ENEM-2012
No	
   caso	
   da	
   Literatura	
   Brasileira,	
   se	
   é	
   verdade	
   que	
   prevalecem	
   as	
   reformas	
   radicais,	
   elas	
   têm	
  
acontecido	
  mais	
  no	
  âmbito	
  de	
  movimentos	
  literários	
  do	
  que	
  de	
  gerações	
  literárias.	
  A	
  poesia	
  de	
  
Castro	
   Alves	
   em	
   relação	
   à	
   de	
   Gonçalves	
   Dias	
   não	
   é	
   a	
   de	
   negação	
   radical,	
   mas	
   de	
   superação,	
  
dentro	
  do	
  mesmo	
  espírito	
  românUco.	
  
                          MELO	
  NETO,	
  J.	
  C.	
  Obra	
  completa.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Nova	
  Aguilar,	
  2003.	
  (fragmento)	
  
QUESTÃO 03
                                      segunda aplicação do ENEM-2012
O	
   fragmento	
   do	
   poema	
   de	
   Castro	
   Alves	
   exemplifica	
   a	
   afirmação	
   de	
   João	
   Cabral	
   de	
   Melo	
   neto	
  
porque	
  
exalta	
  o	
  nacionalismo,	
  embora	
  lhe	
  imprima	
  um	
  fundo	
  ideológico	
  retórico.	
  
canta	
  a	
  paisagem	
  local,	
  no	
  entanto,	
  defende	
  ideais	
  do	
  liberalismo.	
  
mantém	
  o	
  canto	
  saudosista	
  da	
  terra	
  pátria,	
  mas	
  renova	
  o	
  tema	
  amoroso.	
  
explora	
  a	
  subjeUvidade	
  do	
  eu	
  lírico,	
  ainda	
  que	
  temaUze	
  a	
  injusUça	
  social.	
  
inova	
  na	
  abordagem	
  de	
  aspecto	
  social,	
  mas	
  mantém	
  a	
  visão	
  lírica	
  da	
  pátria.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                        segunda aplicação do ENEM-2012
“A	
  canção	
  do	
  africano”	
  é	
  uma	
  peça	
  de	
  lirismo	
  social,	
  em	
  que	
  se	
  denunciam	
  as	
  atrocidades	
  da	
  
escravidão.	
  
Há,	
  no	
  trecho	
  em	
  análise,	
  uma	
  contraposição	
  entre	
  a	
  terra	
  em	
  que	
  se	
  está	
  e	
  a	
  terra	
  de	
  que	
  se	
  
tem	
   saudade.	
   Tal	
   qual	
   Gonçalves	
   Dias,	
   em	
   Castro	
   Alves,	
   nota-­‐se	
   a	
   presença	
   de	
   um	
   nacionalismo	
  
de	
  cunho	
  ufanista	
  [Esta	
  terra	
  é	
  mais	
  bonita,/	
  Mas	
  à	
  outra	
  eu	
  quero	
  bem].	
  
Como	
  a	
  críUca	
  que	
  se	
  faz	
  à	
   	
  escravidão	
  não	
  possui	
  um	
  estofo	
  real	
  [não	
  se	
  apresentam	
  dados,	
  
tampouco	
   se	
   apresenta	
   uma	
   alternaUva	
   que	
   vise	
   à	
   inserção	
   social	
   do	
   elemento	
   africano],	
   pode-­‐
se	
   afirmar	
   que	
   ela	
   seja	
   retórica:	
   é	
   mais	
   discurso	
   e	
   emoUvidade	
   do	
   que	
   razão	
   e	
   pensamento	
  
voltado	
  para	
  a	
  ação].	
  
Posto	
   isso,	
   deve-­‐se	
   assinalar	
   a	
   alternaUva	
   “e”,	
   pois	
   é	
   em	
   Castro	
   Alves	
   que	
   a	
   escravidão	
   do	
  
africano	
   é	
   vista	
   como	
   um	
   problema	
   social,	
   entretanto,	
   os	
   dois	
   úlUmos	
   versos	
   se	
   inserem	
   na	
  
corrente	
  do	
  nacionalismo	
  ufanista	
  da	
  primeira	
  geração	
  do	
  romanUsmo	
  brasileiro.	
  
TEXTO
         segunda aplicação do ENEM-2012
                                  SAMBINHA	
  
Vêm	
  duas	
  costureirinhas	
  pela	
  rua	
  das	
  Palmeiras.	
  
Afobadas	
  braços	
  dados	
  depressinha	
  
Bonitas,	
  Senhor!	
  que	
  até	
  dão	
  vontade	
  pros	
  homens	
  da	
  rua.	
  
As	
  costureirinhas	
  vão	
  explorando	
  os	
  perigos...	
  
VesUdo	
  é	
  de	
  seda.	
  
Roupa-­‐branca	
  é	
  de	
  morim.	
  
Falando	
  conversas	
  fiadas	
  
As	
  duas	
  costureirinhas	
  passam	
  por	
  mim.	
  
–	
  Você	
  vai?	
  
–	
  Não	
  vou	
  não.	
  
Parece	
  que	
  a	
  rua	
  parou	
  para	
  escutá-­‐las.	
  
Nem	
  trilhos	
  sapecas	
  
Jogam	
  mais	
  bondes	
  um	
  pro	
  outro.	
  
E	
  o	
  Sol	
  da	
  tardinha	
  de	
  abril	
  
Espia	
  entre	
  as	
  pálpebras	
  sapiroquentas	
  de	
  duas	
  nuvens.	
  
As	
  nuvens	
  são	
  vermelhas	
  
A	
  tardinha	
  cor-­‐de-­‐rosa.	
  
TEXTO
        segunda aplicação do ENEM-2012
                                      SAMBINHA	
  
Fiquei	
  querendo	
  bem	
  aquelas	
  duas	
  costureirinhas...	
  
Fizeram-­‐me	
  peito	
  batendo	
  
Tão	
  bonitas,	
  tão	
  modernas,	
  tão	
  brasileiras!	
  
Isto	
  é...	
  
Uma	
  era	
  ítalo-­‐brasileira.	
  
Outra	
  era	
  áfrico-­‐brasileira.	
  
Uma	
  era	
  branca.	
  
Outra	
  era	
  preta.	
  
      ANDRADE,	
  M.	
  Os	
  melhores	
  poemas.	
  São	
  Paulo:	
  Global,	
  1988.	
  
QUESTÃO 04
                                        segunda aplicação do ENEM-2012
Os	
   poetas	
   do	
   Modernismo,	
   sobretudo	
   em	
   sua	
   primeira	
   fase,	
   procuraram	
   incorporar	
   a	
   oralidade	
  
ao	
   fazer	
   poéUco,	
   como	
   parte	
   de	
   seu	
   projeto	
   de	
   configuração	
   de	
   uma	
   idenUdade	
   linguísUca	
   e	
  
nacional.	
  No	
  poema	
  de	
  Mário	
  de	
  Andrade,	
  esse	
  projeto	
  revela-­‐se,	
  pois	
  
o	
   poema	
   capta	
   uma	
   cena	
   do	
   coUdiano	
   –	
   o	
   caminhar	
   de	
   duas	
   costureirinhas	
   pela	
   rua	
   das          	
  
Palmeiras	
   –	
   mas	
   o	
   andamento	
   dos	
   versos	
   é	
   truncado,	
   o	
   que	
   faz	
   com	
   que	
   o	
   evento	
   perca	
   a	
  
naturalidade.	
  
a	
   sensibilidade	
   do	
   eu	
   poéUco	
   parece	
   captar	
   o	
   movimento	
   dançante	
   das	
   costureirinhas	
   –	
  
depressinha	
  –	
  que,	
  em	
  úlUma	
  instância,	
  representam	
  um	
  Brasil	
  “de	
  todas	
  as	
  cores”.	
  
o	
   excesso	
   de	
   liberdade	
   usado	
   pelo	
   poeta	
   ao	
   desrespeitar	
   as	
   regras	
   gramaUcais,	
   como	
   as	
   de	
  
pontuação,	
  prejudica	
  a	
  compreensão	
  do	
  poema.	
  
a	
   sensibilidade	
   do	
   arUsta	
   não	
   escapa	
   do	
   viés	
   machista	
   que	
   marcava	
   a	
   sociedade	
   do	
   início	
   do	
  
século	
  XX,	
  machismo	
  expresso	
  em	
  “que	
  até	
  dão	
  vontade	
  pros	
  homens	
  da	
  rua”.	
  
o	
   eu	
   poéUco	
   usa	
   de	
   ironia	
   ao	
   dizer	
   da	
   emoção	
   de	
   ver	
   moças	
   “tão	
   modernas,	
   tão	
   brasileiras”,
                                                                                                                                                         	
  
pois	
  faz	
  questão	
  de	
  afirmar	
  as	
  origens	
  africana	
  e	
  italiana	
  das	
  mesmas.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                      segunda aplicação do ENEM-2012
O	
  poema	
  celebra	
  [o	
  locutor	
  deslumbra-­‐se	
  com	
  o	
  bulício	
  da	
  cidade	
  –	
  trilhos	
  sapecas	
  –	
  e	
  com	
  a	
  
beleza	
  das	
  costureirinhas	
  –	
  tão	
  bonitas,	
  tão	
  modernas,	
  tão	
  brasileiras!	
  –]	
  tanto	
  o	
  coUdiano	
  da	
  
cidade	
  grande	
  quanto	
  a	
  consUtuição	
  mulUrracial	
  da	
  nação	
  brasileira.	
  
O	
  andar	
  apressado	
  das	
  moças	
  [Afobadas	
  braços	
  dados	
  depressinha]	
  é	
  sugerido	
  principalmente	
  
pelos	
   versos	
   curtos	
   e	
   pelos	
   encadeamentos	
   semânUcos	
   [o	
   senUdo	
   de	
   um	
   verso	
   conUnua	
   em	
  
outro].	
  
Posto	
  isso	
  e	
  consideradas	
  as	
  opções	
  fornecidas	
  pelos	
  distratores	
  da	
  questão,	
  assinale-­‐se	
  a	
  letra	
  
“b”.	
  
TEXTO
                                          segunda aplicação do ENEM-2012
A	
  escolha	
  de	
  uma	
  forma	
  teatral	
  implica	
  a	
  escolha	
  de	
  um	
  Upo	
  de	
  teatralidade,	
  de	
  um	
  estatuto	
  de	
  
ficção	
  com	
  relação	
  à	
  realidade.	
  A	
  teatralidade	
  dispõe	
  de	
  meios	
  específicos	
  para	
  transmiUr	
  uma	
  
cultura-­‐fonte	
   a	
   um	
   público-­‐alvo;	
   é	
   sob	
   esta	
   única	
   condição	
   que	
   temos	
   o	
   direito	
   de	
   falar	
   em	
  
interculturalidade	
  teatral.	
  
                              PAVIS,	
  P.	
  O	
  teatro	
  no	
  cruzamento	
  de	
  culturas.	
  São	
  Paulo:	
  PerspecUva,	
  2008.	
  
QUESTÃO 05
                                     segunda aplicação do ENEM-2012
A	
   parUr	
   do	
   texto,	
   o	
   meio	
   especificamente	
   cênico	
   uUlizado	
   para	
   transmiUr	
   uma	
   cultura	
  
estrangeira	
  implica	
  
buscar	
  nos	
  gestos,	
  compreender	
  e	
  explicitar	
  conceitos	
  ou	
  comportamentos.	
  
procurar	
  na	
  filosofia	
  a	
  tradução	
  verdadeira	
  daquela	
  cultura.	
  
apresentar	
  o	
  vídeo	
  documentário	
  sobre	
  a	
  cultura-­‐fonte	
  durante	
  o	
  espetáculo.	
  
eliminar	
  a	
  distância	
  temporal	
  ou	
  espacial	
  entre	
  o	
  espetáculo	
  e	
  a	
  cultura-­‐fonte.	
  
empregar	
  um	
  elenco	
  consUtuído	
  de	
  atores	
  provenientes	
  da	
  cultura-­‐fonte.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
segunda aplicação do ENEM-2012
 A	
  alternaUva	
  mais	
  condizente	
  é	
  a	
  letra	
  “a”.	
  
TEXTO
                                          segunda aplicação do ENEM-2012
–	
  É	
  o	
  diabo!...	
  preguejava	
  entre	
  dentes	
  o	
  brutalhão,	
  enquanto	
  atravessava	
  o	
  corredor	
  ao	
  lado	
  do	
  
Conselheiro,	
  enfiando	
  às	
  pressas	
  o	
  seu	
  inseparável	
  sobretudo	
  de	
  casimira	
  alvadia.	
  –	
  É	
  o	
  diabo!	
  
Esta	
  menina	
  já	
  devia	
  ter	
  casado!	
  
–	
  Disso	
  sei	
  eu...	
  balbuciou	
  o	
  outro.	
  –	
  E	
  não	
  é	
  por	
  falta	
  de	
  esforços	
  de	
  minha	
  parte;	
  creia!	
  
–	
   Diabo!	
   Faz	
   lásUma	
   que	
   um	
   organismo	
   tão	
   rico	
   e	
   tão	
   bom	
   para	
   procriar	
   se	
   sacrifique	
   desse	
  
modo!	
  Enfim	
  –	
  ainda	
  não	
  é	
  tarde;	
  mas,	
  se	
  ela	
  não	
  se	
  casar	
  quanto	
  antes	
  –	
  hum...	
  hum!...	
  Não	
  
respondo	
  pelo	
  resto!	
  
–	
  Então	
  o	
  Doutor	
  acha	
  que...?	
  
Lobão	
   inflamou-­‐se:	
   Oh!	
   o	
   Conselheiro	
   não	
   podia	
   imaginar	
   o	
   que	
   eram	
   aqueles	
  
temperamentozinhos	
  impressionáveis!...	
  eram	
  terríveis,	
  eram	
  violentos,	
  quando	
  alguém	
  tentava	
  
contrariá-­‐los!	
  Não	
  pediam	
  –	
  exigiam	
  –	
  reclamavam!	
  
                                              AZEVEDO,	
  A.	
  O	
  homem.	
  Belo	
  Horizonte:	
  UFMG,	
  2003.	
  
QUESTÃO 06
                                    segunda aplicação do ENEM-2012
O	
  romance	
  O	
  homem,	
  de	
  Aluísio	
  Azevedo,	
  insere-­‐se	
  no	
  contexto	
  do	
  Naturalismo,	
  marcado	
  pela	
  
visão	
  do	
  CienUficismo.	
  No	
  fragmento,	
  essa	
  concepção	
  aplicada	
  à	
  mulher	
  define-­‐se	
  por	
  uma	
  
conivência	
  com	
  relação	
  à	
  rejeição	
  feminina	
  de	
  assumir	
  um	
  casamento	
  arranjado	
  pelo	
  pai.	
  
caracterização	
  da	
  personagem	
  feminina	
  como	
  um	
  estereóUpo	
  da	
  mulher	
  sensual	
  e	
  misteriosa.	
  
convicção	
  de	
  que	
  a	
  mulher	
  é	
  um	
  organismo	
  frágil	
  e	
  condicionado	
  por	
  seu	
  ciclo	
  reproduUvo.	
  
submissão	
  da	
  personagem	
  feminina	
  a	
  um	
  processo	
  que	
  a	
  infanUliza	
  e	
  limita	
  intelectualmente.	
  
incapacidade	
   de	
   resisUr	
   às	
   pressões	
   socialmente	
   impostas,	
   representadas	
   pelo	
   pai	
   e	
   pelo	
  
médico.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                      segunda aplicação do ENEM-2012
O	
   trecho	
   transcrito	
   apresenta	
   uma	
   discussão	
   entre	
   o	
   doutor	
   Lobão	
   e	
   o	
   Conselheiro	
   Pinto	
  
Marques.	
  
Em	
  consonância	
  com	
  as	
  teorias	
  cienUficistas	
  do	
  final	
  do	
  século	
  XIX,	
  o	
  médico	
  sugere	
  que	
  Magdá	
  
se	
  case,	
  pois	
  ela	
  deveria	
  atender	
  às	
  necessidades	
  de	
  seu	
  corpo	
  e	
  procriar.	
  
De	
  acordo	
  com	
  o	
  médico,	
  o	
  útero	
  é	
  um	
  monstro	
  que	
  precisa	
  ter	
  suas	
  necessidades	
  saUsfeitas,	
  
caso	
  contrário	
  ele	
  subiria	
  para	
  a	
  cabeça	
  e	
  a	
  mulher	
  enlouqueceria.	
  
Tais	
   considerações	
   permitem	
   assinalar	
   a	
   alternaUva	
   “c”,	
   na	
   medida	
   em	
   que	
   o	
   que	
   se	
   infere	
  
dessas	
   teorias	
   cien>ficistas	
   é	
   que	
   o	
   homem	
   é	
   fruto	
   tanto	
   dos	
   aspectos	
   sociais	
   quanto	
   das	
  
determinações	
  biológicas.	
  
TEXTO
             segunda aplicação do ENEM-2012
                                 POEMA	
  DE	
  SETE	
  FACES	
  
 Mundo	
  mundo	
  vasto	
  mundo,	
  
 Se	
  eu	
  me	
  chamasse	
  Raimundo	
  
 seria	
  uma	
  rima,	
  não	
  seria	
  uma	
  solução.	
  
 Mundo	
  mundo	
  vasto	
  mundo	
  
 mais	
  vasto	
  é	
  o	
  meu	
  coração.	
  
ANDRADE,	
  C.	
  D.	
  Antologia	
  poéNca.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  Record,	
  2001.	
  (fragmento)	
  
TEXTO
         segunda aplicação do ENEM-2012
                                    CDA	
  (IMITADO)	
  
Ó	
  vida,	
  triste	
  vida!	
  
Se	
  eu	
  me	
  chamasse	
  Aparecida	
  
dava	
  na	
  mesma.	
  
        FONTELA,	
  O.	
  Poesia	
  reunida.	
  Rio	
  de	
  Janeiro:	
  7Letras,	
  2008.	
  
QUESTÃO 07
                                        segunda aplicação do ENEM-2012
Orides	
   Fontela	
   inUtula	
   seu	
   poema	
   CDA,	
   sigla	
   de	
   Carlos	
   Drummond	
   de	
   Andrade,	
   e	
   entre	
  
parênteses	
  indica	
  “imitado”	
  porque,	
  como	
  nos	
  versos	
  de	
  Drummond,	
  
apresenta	
  o	
  receio	
  de	
  colocar	
  os	
  dramas	
  pessoais	
  no	
  mundo	
  vasto.	
  
expõe	
  o	
  egocentrismo	
  de	
  senUr	
  o	
  coração	
  maior	
  que	
  o	
  mundo.	
  
aponta	
  a	
  insuficiência	
  da	
  poesia	
  para	
  solucionar	
  os	
  problemas	
  da	
  vida.	
  
adota	
  tom	
  melancólico	
  para	
  evidenciar	
  a	
  desesperança	
  coma	
  vida.	
  
invoca	
  a	
  triste	
  da	
  vida	
  par	
  potencializar	
  a	
  ineficácia	
  da	
  rima.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                       segunda aplicação do ENEM-2012
O	
  gabarito	
  sugerido	
  pelo	
  INEP,	
  letra	
  “c”,	
  contraria	
  a	
  visão	
  que	
  os	
  críUcos	
  literários	
  têm	
  acerca	
  da	
  
obra	
  de	
  Drummond.	
  
TEXTO
              segunda aplicação do ENEM-2012
                                                A	
  RUA	
  
   Bem	
  sei	
  que,	
  muitas	
  vezes,	
  
   O	
  único	
  remédio	
  
   É	
  adiar	
  tudo.	
  É	
  adiar	
  a	
  sede,	
  a	
  fome,	
  a	
  viagem,	
  
   A	
  dívida,	
  o	
  diverUmento,	
  
   O	
  pedido	
  de	
  emprego,	
  ou	
  a	
  própria	
  alegria.	
  
   A	
  esperança	
  é	
  também	
  uma	
  forma	
  
   De	
  conynuo	
  adiamento.	
  
   Sei	
  que	
  é	
  preciso	
  presUgiar	
  a	
  esperança,	
  
   Numa	
  sala	
  de	
  espera.	
  
   Mas	
  sei	
  também	
  que	
  espera	
  significa	
  luta	
  e	
  não,	
  apenas,	
  
   Esperança	
  sentada.	
  
   Não	
  abdicação	
  diante	
  da	
  vida.	
  
   A	
  esperança	
  
   Nunca	
  é	
  a	
  forma	
  burguesa,	
  sentada	
  e	
  tranquila	
  da	
  espera.	
  
   Nunca	
  é	
  figura	
  de	
  mulher	
  
   Do	
  quadro	
  anUgo.	
  
   Sentada,	
  dando	
  milho	
  aos	
  pombos.	
  
RICARCO,	
  C.	
  Disponível	
  em:	
  www.revista.agulha.com.br.	
  Acesso	
  em:	
  2	
  jan.	
  2012.	
  
QUESTÃO 08
                                     segunda aplicação do ENEM-2012
O	
  poema	
  de	
  Cassiano	
  Ricardo	
  insere-­‐se	
  no	
  Modernismo	
  brasileiro.	
  O	
  autor	
  metaforiza	
  a	
  crença	
  
do	
  sujeito	
  lírico	
  numa	
  relação	
  entre	
  o	
  homem	
  e	
  seu	
  tempo	
  marcada	
  por	
  
um	
  olhar	
  de	
  resignação	
  perante	
  as	
  dificuldades	
  materiais	
  e	
  psicológicas	
  da	
  vida.	
  
uma	
  ideia	
  de	
  que	
  a	
  esperança	
  do	
  povo	
  brasileiro	
  está	
  vinculada	
  ao	
  sofrimento	
  e	
  às	
  privações.	
  
uma	
  posição	
  em	
  que	
  louva	
  a	
  esperança	
  passiva	
  para	
  que	
  ocorram	
  mudanças	
  sociais.	
  
um	
  estado	
  de	
  inércia	
  e	
  de	
  melancolia	
  moUvado	
  pelo	
  tempo	
  passado	
  numa	
  sala	
  de	
  espera.	
  
uma	
  aUtude	
  de	
  perseverança	
  e	
  de	
  coragem	
  no	
  contexto	
  de	
  estagnação	
  histórica	
  e	
  social.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                        segunda aplicação do ENEM-2012
As	
   ideias	
   de	
   resignação,	
   passividade	
   e	
   melancolia	
   são	
   totalmente	
   dissociadas	
   do	
   conceito	
   de	
  
esperança	
  exposto	
  pelo	
  locutor,	
  na	
  medida	
  em	
  que	
  se	
  afirma	
  que	
  a	
  esperança	
  não	
  é	
  tranquila,	
  
tampouco	
  abdicação.	
  
Importante,	
   ainda,	
   é	
   perceber	
   que	
   a	
   esperança	
   a	
   que	
   se	
   refere	
   o	
   lutor	
   diz	
   respeito	
   a	
   toda	
  
humanidade	
  e	
  não	
  apenas	
  à	
  realidade	
  brasileira.	
  
Posto	
   isso,	
   o	
   comentário	
   mais	
   adequado	
   ao	
   poema	
   é	
   o	
   fornecido	
   na	
   alternaUva	
   “e”,	
   pois	
   o	
  
locutor	
  associa	
  a	
  esperança	
  a	
  duas	
  aUtudes	
  –	
  a	
  de	
  espera	
  [adiamento]	
  e	
  a	
  de	
  luta.	
  
TEXTO
                                         segunda aplicação do ENEM-2012
Todo	
  bom	
  escritor	
  tem	
  o	
  seu	
  instante	
  de	
  graça,	
  possui	
  a	
  sua	
  obra-­‐prima,	
  aquela	
  que	
  congrega	
  
numa	
  estrutura	
  perfeita	
  os	
  seus	
  dons	
  mais	
  pessoais.	
  Para	
  Dias	
  Gomes	
  essa	
  hora	
  de	
  inspiração	
  
veio-­‐lhe	
  no	
  dia	
  que	
  escreveu	
  O	
  pagador	
  de	
  promessas.	
  Em	
  torno	
  de	
  Zé-­‐do-­‐Burro	
  –	
  herói	
  ideal,	
  
por	
   unir	
   o	
   máximo	
   de	
   caráter	
   ao	
   mínimo	
   de	
   inteligência,	
   naquela	
   zona	
   fronteiriça	
   entre	
   o	
   idiota	
  
e	
  o	
  santo	
  –	
  o	
  enredo	
  espalha	
  a	
  malícia	
  e	
  a	
  maldade	
  de	
  uma	
  capital	
  como	
  Salvador,	
  miUficada	
  
pela	
   música	
   popular	
   e	
   pela	
   literatura,	
   na	
   qual	
   o	
   explorador	
   de	
   mulheres	
   se	
   chama	
  
inevitavelmente	
   Bonitão,	
   o	
   poeta	
   popular,	
   Dedé	
   Cospe-­‐Rima,	
   e	
   o	
   mestre	
   de	
   capoeira,	
  
Manuelzinho	
   Sua	
   Mãe.	
   O	
   colorido	
   do	
   quadro	
   contrasta	
   fortemente	
   com	
   a	
   simplicidade	
   da	
   ação,	
  
que	
   caminha	
   numa	
   linha	
   reta	
   da	
   chegada	
   de	
   Zé-­‐do-­‐Burro	
   à	
   sua	
   entrada	
   trágica	
   e	
   triunfal	
   na	
  
Igreja	
  –	
  não	
  sob	
  a	
  cruz,	
  conforme	
  prometera,	
  mas	
  sobre	
  ela,	
  carregado	
  pelos	
  capoeiras,	
  como	
  
um	
  crucificado.	
  
                            PRADO,	
  D.	
  D.	
  O	
  teatro	
  brasileiro	
  contemporâneo.	
  São	
  Paulo:	
  PerspeUva,	
  2008.	
  
QUESTÃO 09
                                     segunda aplicação do ENEM-2012
A	
   avaliação	
   críUca	
   de	
   Décio	
   de	
   Almeida	
   Prado	
   destaca	
   as	
   qualidades	
   de	
   O	
   pagador	
   de	
  
promessas.	
  Com	
  base	
  nas	
  ideias	
  defendidas	
  por	
  ele,	
  uma	
  boa	
  obras	
  teatral	
  deve	
  
um	
  olhar	
  de	
  resignação	
  perante	
  as	
  dificuldades	
  materiais	
  e	
  psicológicas	
  da	
  vida.	
  
uma	
  ideia	
  de	
  que	
  a	
  esperança	
  do	
  povo	
  brasileiro	
  está	
  vinculada	
  ao	
  sofrimento	
  e	
  às	
  privações.	
  
uma	
  posição	
  em	
  que	
  louva	
  a	
  esperança	
  passiva	
  para	
  que	
  ocorram	
  mudanças	
  sociais.	
  
um	
  estado	
  de	
  inércia	
  e	
  de	
  melancolia	
  moUvado	
  pelo	
  tempo	
  passado	
  numa	
  sala	
  de	
  espera.	
  
uma	
  aUtude	
  de	
  perseverança	
  e	
  de	
  coragem	
  no	
  contexto	
  de	
  estagnação	
  histórica	
  e	
  social.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                       segunda aplicação do ENEM-2012
Esta	
  é	
  mais	
  uma	
  questão	
  na	
  qual	
  não	
  há	
  muita	
  relação	
  entre	
  o	
  texto	
  base	
  e	
  o	
  comando.	
  
Se	
  se	
  considerar	
  que	
  os	
  dramas	
  tratados	
  por	
  Dias	
  Gomes	
  em	
  O	
  pagador	
  de	
  promessas	
  são	
  de	
  
ordem	
  universal	
  –	
  o	
  preconceito,	
  a	
  intolerância	
  religiosa,	
  o	
  sincreUsmo	
  e	
  a	
  pureza	
  dos	
  fiéis	
  –	
  e	
  
que	
   eles	
   aparecem	
   ambientados	
   em	
   um	
   ambiente	
   pitoresco	
   [a	
   Bahia],	
   é	
   possível	
   assinalar	
   a	
  
alternaUva	
  “c”.	
  
TEXTO
   segunda aplicação do ENEM-2012
                  O	
  bonde	
  abre	
  viagem,	
  
                  No	
  banco	
  ninguém,	
  
                  Estou	
  só,	
  stou	
  sem.	
  
                  Depois	
  sobe	
  um	
  homem,	
  
                  No	
  banco	
  sentou,	
  
                  Companheiro	
  vou.	
  
                  O	
  bonde	
  está	
  cheio,	
  
                  De	
  novo	
  porém	
  
                  Não	
  sou	
  mais	
  ninguém.	
  
ANDRADE,	
  M.	
  Poesias	
  completas.	
  Belo	
  Horizonte:	
  ItaUaia,	
  2008.	
  
QUESTÃO 10
                                        segunda aplicação do ENEM-2012
Em	
  um	
  texto	
  literário,	
  é	
  comum	
  que	
  os	
  recursos	
  poéUcos	
  e	
  linguísUcos	
  parUcipem	
  do	
  significado	
  
do	
  texto,	
  isto	
  é,	
  forma	
  e	
  conteúdo	
  se	
  relacionam	
  significaUvamente.	
  Com	
  relação	
  ao	
  poema	
  de	
  
Mário	
  de	
  Andrade,	
  a	
  correlação	
  entre	
  um	
  recurso	
  formal	
  e	
  um	
  aspecto	
  da	
  significação	
  do	
  texto	
  é	
  
a	
   sucessão	
   de	
   orações	
   coordenadas,	
   que	
   remete	
   à	
   sucessão	
   de	
   cenas	
   e	
   sensações	
   senUdas	
   pelo	
  
eu	
  lírico	
  ao	
  longo	
  da	
  viagem.	
  
a	
  elisão	
  dos	
  verbos,	
  recurso	
  esUlísUco	
  constante	
  no	
  poema,	
  que	
  acentua	
  o	
  ritmo	
  acelerado	
  da	
  
modernidade.	
  
o	
   emprego	
   de	
   versos	
   curtos	
   e	
   irregulares	
   em	
   sua	
   métrica,	
   que	
   reproduzem	
   uma	
   viagem	
   de	
  
bonde,	
  com	
  suas	
  paradas	
  e	
  retomadas	
  de	
  movimento.	
  
a	
   sonoridade	
   do	
   poema,	
   carregada	
   de	
   sons	
   nasais,	
   que	
   representa	
   a	
   tristeza	
   do	
   eu	
   lírico	
   ao	
  
longo	
  de	
  toda	
  a	
  viagem.	
  
a	
   ausência	
   de	
   rima	
   nos	
   versos,	
   recurso	
   muito	
   uUlizado	
   pelos	
   modernistas,	
   que	
   aproxima	
   a	
  
linguagem	
  do	
  poema	
  da	
  linguagem	
  coUdiana.	
  
SOLUÇÃO COMENTADA
                                      segunda aplicação do ENEM-2012
No	
  poema	
  de	
  Mário	
  de	
  Andrade,	
  os	
  versos	
  são	
  metrificados	
  em	
  cinco	
  sílabas	
  métricas.	
  Nota-­‐se	
  a	
  
presença	
  de	
  rimas	
  e	
  o	
  pouco	
  uso	
  de	
  conjunções	
  coordenaUvas	
  e	
  subordinaUvas.	
  
O	
  texto	
  apresenta	
  uma	
  cena	
  ypica	
  da	
  cidade	
  grande	
  na	
  qual	
  o	
  sujeito	
  gravita	
  entre	
  os	
  polos	
  da	
  
solidão,	
  da	
  interação	
  e	
  da	
  solidão.	
  
O	
  poema	
  começa	
  focalizando	
  a	
  solidão	
  do	
  sujeito	
  poéUco	
  [estou	
  só,	
  stou	
  sem];	
  instantes	
  depois,	
  
entretanto,	
   	
  senta-­‐se	
  alguém	
  a	
  seu	
  lado	
  –	
  esse	
  alguém	
  parece	
  que	
  interage	
  com	
  o	
  eu	
  lírico,	
  o	
  
que	
   aparece	
   sugerido	
   no	
   verso	
   Companheiro	
   vou.	
   Tempos	
   depois,	
   o	
   bonde	
   lota,	
   e	
   a	
   persona	
  
poé>ca	
  volta	
  a	
  se	
  senUr	
  solitária	
  [seu	
  companheiro	
  de	
  viagem	
  pode	
  ter-­‐se	
  calado	
  ou	
  descido?].	
  
Se	
   se	
   considerar	
   que	
   as	
   sensações	
   vivenciadas	
   pelo	
   sujeito	
   poéUco,	
   ao	
   longo	
   da	
   viagem,	
   são	
  
díspares,	
  é	
  possível	
  assinalar	
  a	
  alteranUva	
  “a”.	
  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01ma.no.el.ne.ves
 
Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturaSegunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturama.no.el.ne.ves
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoma.no.el.ne.ves
 
Revisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEMRevisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEMma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2016: Literatura
Segunda aplicação do enem 2016: LiteraturaSegunda aplicação do enem 2016: Literatura
Segunda aplicação do enem 2016: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesQuestões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesma.no.el.ne.ves
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2000 resolvido e comentado
ENEM-2000 resolvido e comentadoENEM-2000 resolvido e comentado
ENEM-2000 resolvido e comentadoma.no.el.ne.ves
 
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009ma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasQuestões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasma.no.el.ne.ves
 
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05ma.no.el.ne.ves
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesma.no.el.ne.ves
 
Exercícios sobre figuras semânticas 01
Exercícios sobre figuras semânticas 01Exercícios sobre figuras semânticas 01
Exercícios sobre figuras semânticas 01ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiroma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
 
Análise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo mottaAnálise de transpaixão, de waldo motta
Análise de transpaixão, de waldo motta
 
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literaturaSegunda aplicação do enem 2009, literatura
Segunda aplicação do enem 2009, literatura
 
Questões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africanoQuestões sobre canção do africano
Questões sobre canção do africano
 
Literatura no enem 2011
Literatura no enem 2011Literatura no enem 2011
Literatura no enem 2011
 
Revisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEMRevisional de Literatura para o ENEM
Revisional de Literatura para o ENEM
 
Segunda aplicação do enem 2016: Literatura
Segunda aplicação do enem 2016: LiteraturaSegunda aplicação do enem 2016: Literatura
Segunda aplicação do enem 2016: Literatura
 
Pré modernismo no enem
Pré modernismo no enemPré modernismo no enem
Pré modernismo no enem
 
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantesQuestões fechadas sobre espumas flutuantes
Questões fechadas sobre espumas flutuantes
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
 
ENEM-2000 resolvido e comentado
ENEM-2000 resolvido e comentadoENEM-2000 resolvido e comentado
ENEM-2000 resolvido e comentado
 
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009
Simulado do INEP de Linguagens Códigos e suas Tecnologias de 2009
 
Gabarito 4a avaliação
Gabarito 4a avaliaçãoGabarito 4a avaliação
Gabarito 4a avaliação
 
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves diasQuestões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
Questões fechadas sobre melhores poemas de gonçalves dias
 
Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05Revisando o romantismo, 05
Revisando o romantismo, 05
 
Espumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alvesEspumas flutuantes, de castro alves
Espumas flutuantes, de castro alves
 
Exercícios sobre figuras semânticas 01
Exercícios sobre figuras semânticas 01Exercícios sobre figuras semânticas 01
Exercícios sobre figuras semânticas 01
 
Gênero lírico no enem
Gênero lírico no enemGênero lírico no enem
Gênero lírico no enem
 
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 15, quarta geração do modernismo brasileiro
 
Questões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiroQuestões sobre navio negreiro
Questões sobre navio negreiro
 

Semelhante a Literatura e escravidão

Exercícios de espécies literárias
Exercícios de espécies literáriasExercícios de espécies literárias
Exercícios de espécies literáriasma.no.el.ne.ves
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1ma.no.el.ne.ves
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptxintertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptxkeilaoliveira69
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literaturaJosé Neto
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaColégio Parthenon
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroma.no.el.ne.ves
 
Funções da linguagem no ENEM
Funções da linguagem no ENEMFunções da linguagem no ENEM
Funções da linguagem no ENEMma.no.el.ne.ves
 
Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011Marcelo Gomes
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01ma.no.el.ne.ves
 
Enem 2010, Simulado Guia Do Estudante
Enem 2010, Simulado Guia Do EstudanteEnem 2010, Simulado Guia Do Estudante
Enem 2010, Simulado Guia Do Estudantema.no.el.ne.ves
 
Questões abertas sobre literatura de dois gumes
Questões abertas sobre literatura de dois gumesQuestões abertas sobre literatura de dois gumes
Questões abertas sobre literatura de dois gumesma.no.el.ne.ves
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemma.no.el.ne.ves
 
Linguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaLinguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaCristina Medina
 

Semelhante a Literatura e escravidão (20)

Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010Literatura no enem 2010
Literatura no enem 2010
 
Exercícios de espécies literárias
Exercícios de espécies literáriasExercícios de espécies literárias
Exercícios de espécies literárias
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
ENEM-2001
ENEM-2001ENEM-2001
ENEM-2001
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticaisSegunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticais
Segunda aplicação do enem 2011, aspectos gramaticais
 
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptxintertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
intertextualidadesnoenem-171016134816 (1).pptx
 
Prova de literatura
Prova de literaturaProva de literatura
Prova de literatura
 
Enem 2012, literatura
Enem 2012, literaturaEnem 2012, literatura
Enem 2012, literatura
 
Parcial gramática e literatura
Parcial gramática e literaturaParcial gramática e literatura
Parcial gramática e literatura
 
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiroRevisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
Revisional de estilos de época 13, segunda geração do modernismo brasileiro
 
Funções da linguagem no ENEM
Funções da linguagem no ENEMFunções da linguagem no ENEM
Funções da linguagem no ENEM
 
Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011Simulado ousadia enem 2011
Simulado ousadia enem 2011
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
 
Revista literatas nº 21 ano II
Revista literatas nº 21   ano IIRevista literatas nº 21   ano II
Revista literatas nº 21 ano II
 
Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01Revisando o romantismo 01
Revisando o romantismo 01
 
Enem 2010, Simulado Guia Do Estudante
Enem 2010, Simulado Guia Do EstudanteEnem 2010, Simulado Guia Do Estudante
Enem 2010, Simulado Guia Do Estudante
 
Questões abertas sobre literatura de dois gumes
Questões abertas sobre literatura de dois gumesQuestões abertas sobre literatura de dois gumes
Questões abertas sobre literatura de dois gumes
 
Visão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagemVisão geral das figuras de linguagem
Visão geral das figuras de linguagem
 
Linguagem literária não literária
Linguagem literária não literáriaLinguagem literária não literária
Linguagem literária não literária
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artesma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internetma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artesma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Literatura e escravidão

  • 1. segunda aplicação do ENEM-2012 Questões de Literatura Manoel Neves
  • 2. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 CEGUEIRA   Afastou-­‐me   da   escola,   atrasou-­‐me;   enquanto   os   filhos   de   seu   José   Galvão   se   internavam   em   grandes   volumes   coloridos,   a   doença   de   olhos   me   perseguia   na   meninice.   Torturava-­‐me   semanas  e  semanas,  eu  vivia  na  treva,  o  rosto  oculto  num  pano  escuro,  tropeçando  nos  móveis,   guiando-­‐me   às   apalpadelas,   ao   longo   das   paredes.   As   pálpebras   inflamadas   colavam-­‐se.   Para   descerrá-­‐las,   eu   ficava   tempo   sem   fim   mergulhando   a   cara   na   bacia   de   água,   lavando-­‐me   vagarosamente,  pois  o  contato  dos  dedos  era  doloroso  em  excesso.  Finda  a  operação  extensa,  o   espelho  da  sala  de  visitas  mostrava-­‐me  dois  bugalhos  sangrentos,  que  se  molhavam  depressa  e   queriam  esconder-­‐se.  Os  objetos  surgiam  empastados  e  brumosos.  Voltava  a  abrigar-­‐me  sob  o   pano   escuro,   mas   isto   não   atenuava   o   padecimento.   Qualquer   luz   me   deslumbrava,   feria-­‐me   como  pontas  de  agulha.  [...]   Sem   dúvida   o   meu   espectro   era   desagradável,   inspirava   repugnância.   E   a   gente   da   casa   se   impacientava.   Minha   mãe   Unha   a   franqueza   de   manifestar-­‐me   viva   anUpaUa.   Dava-­‐me   dois   apelidos:  bezerro-­‐encourado  e  cabra-­‐cega.   RAMOS,  G.  Infância.  Rio  de  Janeiro:  Record,  1984.  (fragmento)  
  • 3. QUESTÃO 01 segunda aplicação do ENEM-2012 O  impacto  da  doença,  na  infância,  revela-­‐se  no  texto  memorialista  de  Graciliano  Ramos  através   de  uma  aUtude  marcada  por   uma  tentaUva  de  esquecer  os  efeitos  da  doença.   preservar  a  sua  condição  de  víUma  da  negligência  materna.   apontar  a  precariedade  do  tratamento  médico  no  sertão.   registrar  a  falta  de  solidariedade  dos  amigos  e  familiares.   recompor,  em  minúcias  e  sem  autopiedade,  a  sensação  de  dor.  
  • 4. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 A  alternaUva  que  se  aproxima  do  que  leva  o  locutor  a  reconstruir  sua  memória  é  a  letra  “e”.  
  • 5. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 ERA  UMA  VEZ   Um  rei  leão  que  não  era  rei.   um  pato  que  não  fazia  quá-­‐quá.   Um  cão  que  não  laUa.   Um  peixe  que  não  nadava.   Um  pássaro  que  não  voava.   Um  Ugre  que  não  comia.   Um  gato  que  não  miava.   Um  homem  que  não  pensava...   E,  enfim,  era  uma  natureza  sem  nada.   Acabada.  Depredada.   Pelo  homem  que  não  pensava.   CUNHA,  L.  A.  In.:  KOCH,  I.;  ELIAS,  V.  M.  Ler  e  escrever:  estratégias  de  produção  textual.  São  Paulo  Contexto,  2011.  
  • 6. QUESTÃO 02 segunda aplicação do ENEM-2012 São   as   relações   entre   os   elementos   e   as   partes   do   texto   que   promovem   o   desenvolvimento   das   ideias.   No   poema,   a   estratégia   linguísUca   que   contribui   para   esse   desenvolvimento,   estabelecendo  a  conUnuidade  do  texto,  é  a     escolha  de  palavras  de  diferentes  campos  semânUcos.   negação  contundente  das  ações  praUcadas  pelo  homem.   intertextualidade  com  o  gênero  textual  fábula  infanUl.   repeUção  de  estrutura  sintáUca  com  novas  informações.   uUlização  de  ponto  final  entre  termos  de  uma  mesma  oração.  
  • 7. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 O   principal   recurso   linguísUco   presente   no   poema   é   o   paralelismo   sintáUco:   todos   os   versos   apresentam   a   mesma   estrutura   gramaUcal   [arUgo,   substanUvo,   pronome   relaUvo,   advérbio,   verbo].   Marque-­‐se,  pois,  a  alteranUva  “d”.  
  • 8. TEXTO 01 segunda aplicação do ENEM-2012 A  CANÇÃO  DO  AFRICANO   Lá  na  úmida  senzala,   Sentado  na  estreita  sala,   Junto  ao  braseiro,  no  chão,   entoa  o  escravo  o  seu  canto,   E  ao  cantar  correm-­‐lhe  em  pranto   Saudades  do  seu  torrão...   De  um  lado,  uma  negra  escrava   Os  olhos  no  filho  crava,   Que  tem  no  colo  a  embalar...   E  à  meia-­‐voz  lá  responde   Ao  canto,  e  o  filhinho  esconde,   Talvez  p’ra  não  o  escutar!   “Minha  terra  é  lá  bem  longe,   Das  bandas  de  onde  o  sol  vem;   Esta  terra  é  mais  bonita,   Mas  à  outra  eu  quero  bem.”   ALVES,  C.  Poesias  completas.  Rio  de  Janeiro:  Ediouro,  1995.  (fragmento)  
  • 9. TEXTO 02 segunda aplicação do ENEM-2012 No   caso   da   Literatura   Brasileira,   se   é   verdade   que   prevalecem   as   reformas   radicais,   elas   têm   acontecido  mais  no  âmbito  de  movimentos  literários  do  que  de  gerações  literárias.  A  poesia  de   Castro   Alves   em   relação   à   de   Gonçalves   Dias   não   é   a   de   negação   radical,   mas   de   superação,   dentro  do  mesmo  espírito  românUco.   MELO  NETO,  J.  C.  Obra  completa.  Rio  de  Janeiro:  Nova  Aguilar,  2003.  (fragmento)  
  • 10. QUESTÃO 03 segunda aplicação do ENEM-2012 O   fragmento   do   poema   de   Castro   Alves   exemplifica   a   afirmação   de   João   Cabral   de   Melo   neto   porque   exalta  o  nacionalismo,  embora  lhe  imprima  um  fundo  ideológico  retórico.   canta  a  paisagem  local,  no  entanto,  defende  ideais  do  liberalismo.   mantém  o  canto  saudosista  da  terra  pátria,  mas  renova  o  tema  amoroso.   explora  a  subjeUvidade  do  eu  lírico,  ainda  que  temaUze  a  injusUça  social.   inova  na  abordagem  de  aspecto  social,  mas  mantém  a  visão  lírica  da  pátria.  
  • 11. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 “A  canção  do  africano”  é  uma  peça  de  lirismo  social,  em  que  se  denunciam  as  atrocidades  da   escravidão.   Há,  no  trecho  em  análise,  uma  contraposição  entre  a  terra  em  que  se  está  e  a  terra  de  que  se   tem   saudade.   Tal   qual   Gonçalves   Dias,   em   Castro   Alves,   nota-­‐se   a   presença   de   um   nacionalismo   de  cunho  ufanista  [Esta  terra  é  mais  bonita,/  Mas  à  outra  eu  quero  bem].   Como  a  críUca  que  se  faz  à    escravidão  não  possui  um  estofo  real  [não  se  apresentam  dados,   tampouco   se   apresenta   uma   alternaUva   que   vise   à   inserção   social   do   elemento   africano],   pode-­‐ se   afirmar   que   ela   seja   retórica:   é   mais   discurso   e   emoUvidade   do   que   razão   e   pensamento   voltado  para  a  ação].   Posto   isso,   deve-­‐se   assinalar   a   alternaUva   “e”,   pois   é   em   Castro   Alves   que   a   escravidão   do   africano   é   vista   como   um   problema   social,   entretanto,   os   dois   úlUmos   versos   se   inserem   na   corrente  do  nacionalismo  ufanista  da  primeira  geração  do  romanUsmo  brasileiro.  
  • 12. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 SAMBINHA   Vêm  duas  costureirinhas  pela  rua  das  Palmeiras.   Afobadas  braços  dados  depressinha   Bonitas,  Senhor!  que  até  dão  vontade  pros  homens  da  rua.   As  costureirinhas  vão  explorando  os  perigos...   VesUdo  é  de  seda.   Roupa-­‐branca  é  de  morim.   Falando  conversas  fiadas   As  duas  costureirinhas  passam  por  mim.   –  Você  vai?   –  Não  vou  não.   Parece  que  a  rua  parou  para  escutá-­‐las.   Nem  trilhos  sapecas   Jogam  mais  bondes  um  pro  outro.   E  o  Sol  da  tardinha  de  abril   Espia  entre  as  pálpebras  sapiroquentas  de  duas  nuvens.   As  nuvens  são  vermelhas   A  tardinha  cor-­‐de-­‐rosa.  
  • 13. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 SAMBINHA   Fiquei  querendo  bem  aquelas  duas  costureirinhas...   Fizeram-­‐me  peito  batendo   Tão  bonitas,  tão  modernas,  tão  brasileiras!   Isto  é...   Uma  era  ítalo-­‐brasileira.   Outra  era  áfrico-­‐brasileira.   Uma  era  branca.   Outra  era  preta.   ANDRADE,  M.  Os  melhores  poemas.  São  Paulo:  Global,  1988.  
  • 14. QUESTÃO 04 segunda aplicação do ENEM-2012 Os   poetas   do   Modernismo,   sobretudo   em   sua   primeira   fase,   procuraram   incorporar   a   oralidade   ao   fazer   poéUco,   como   parte   de   seu   projeto   de   configuração   de   uma   idenUdade   linguísUca   e   nacional.  No  poema  de  Mário  de  Andrade,  esse  projeto  revela-­‐se,  pois   o   poema   capta   uma   cena   do   coUdiano   –   o   caminhar   de   duas   costureirinhas   pela   rua   das   Palmeiras   –   mas   o   andamento   dos   versos   é   truncado,   o   que   faz   com   que   o   evento   perca   a   naturalidade.   a   sensibilidade   do   eu   poéUco   parece   captar   o   movimento   dançante   das   costureirinhas   –   depressinha  –  que,  em  úlUma  instância,  representam  um  Brasil  “de  todas  as  cores”.   o   excesso   de   liberdade   usado   pelo   poeta   ao   desrespeitar   as   regras   gramaUcais,   como   as   de   pontuação,  prejudica  a  compreensão  do  poema.   a   sensibilidade   do   arUsta   não   escapa   do   viés   machista   que   marcava   a   sociedade   do   início   do   século  XX,  machismo  expresso  em  “que  até  dão  vontade  pros  homens  da  rua”.   o   eu   poéUco   usa   de   ironia   ao   dizer   da   emoção   de   ver   moças   “tão   modernas,   tão   brasileiras”,   pois  faz  questão  de  afirmar  as  origens  africana  e  italiana  das  mesmas.  
  • 15. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 O  poema  celebra  [o  locutor  deslumbra-­‐se  com  o  bulício  da  cidade  –  trilhos  sapecas  –  e  com  a   beleza  das  costureirinhas  –  tão  bonitas,  tão  modernas,  tão  brasileiras!  –]  tanto  o  coUdiano  da   cidade  grande  quanto  a  consUtuição  mulUrracial  da  nação  brasileira.   O  andar  apressado  das  moças  [Afobadas  braços  dados  depressinha]  é  sugerido  principalmente   pelos   versos   curtos   e   pelos   encadeamentos   semânUcos   [o   senUdo   de   um   verso   conUnua   em   outro].   Posto  isso  e  consideradas  as  opções  fornecidas  pelos  distratores  da  questão,  assinale-­‐se  a  letra   “b”.  
  • 16. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 A  escolha  de  uma  forma  teatral  implica  a  escolha  de  um  Upo  de  teatralidade,  de  um  estatuto  de   ficção  com  relação  à  realidade.  A  teatralidade  dispõe  de  meios  específicos  para  transmiUr  uma   cultura-­‐fonte   a   um   público-­‐alvo;   é   sob   esta   única   condição   que   temos   o   direito   de   falar   em   interculturalidade  teatral.   PAVIS,  P.  O  teatro  no  cruzamento  de  culturas.  São  Paulo:  PerspecUva,  2008.  
  • 17. QUESTÃO 05 segunda aplicação do ENEM-2012 A   parUr   do   texto,   o   meio   especificamente   cênico   uUlizado   para   transmiUr   uma   cultura   estrangeira  implica   buscar  nos  gestos,  compreender  e  explicitar  conceitos  ou  comportamentos.   procurar  na  filosofia  a  tradução  verdadeira  daquela  cultura.   apresentar  o  vídeo  documentário  sobre  a  cultura-­‐fonte  durante  o  espetáculo.   eliminar  a  distância  temporal  ou  espacial  entre  o  espetáculo  e  a  cultura-­‐fonte.   empregar  um  elenco  consUtuído  de  atores  provenientes  da  cultura-­‐fonte.  
  • 18. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 A  alternaUva  mais  condizente  é  a  letra  “a”.  
  • 19. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 –  É  o  diabo!...  preguejava  entre  dentes  o  brutalhão,  enquanto  atravessava  o  corredor  ao  lado  do   Conselheiro,  enfiando  às  pressas  o  seu  inseparável  sobretudo  de  casimira  alvadia.  –  É  o  diabo!   Esta  menina  já  devia  ter  casado!   –  Disso  sei  eu...  balbuciou  o  outro.  –  E  não  é  por  falta  de  esforços  de  minha  parte;  creia!   –   Diabo!   Faz   lásUma   que   um   organismo   tão   rico   e   tão   bom   para   procriar   se   sacrifique   desse   modo!  Enfim  –  ainda  não  é  tarde;  mas,  se  ela  não  se  casar  quanto  antes  –  hum...  hum!...  Não   respondo  pelo  resto!   –  Então  o  Doutor  acha  que...?   Lobão   inflamou-­‐se:   Oh!   o   Conselheiro   não   podia   imaginar   o   que   eram   aqueles   temperamentozinhos  impressionáveis!...  eram  terríveis,  eram  violentos,  quando  alguém  tentava   contrariá-­‐los!  Não  pediam  –  exigiam  –  reclamavam!   AZEVEDO,  A.  O  homem.  Belo  Horizonte:  UFMG,  2003.  
  • 20. QUESTÃO 06 segunda aplicação do ENEM-2012 O  romance  O  homem,  de  Aluísio  Azevedo,  insere-­‐se  no  contexto  do  Naturalismo,  marcado  pela   visão  do  CienUficismo.  No  fragmento,  essa  concepção  aplicada  à  mulher  define-­‐se  por  uma   conivência  com  relação  à  rejeição  feminina  de  assumir  um  casamento  arranjado  pelo  pai.   caracterização  da  personagem  feminina  como  um  estereóUpo  da  mulher  sensual  e  misteriosa.   convicção  de  que  a  mulher  é  um  organismo  frágil  e  condicionado  por  seu  ciclo  reproduUvo.   submissão  da  personagem  feminina  a  um  processo  que  a  infanUliza  e  limita  intelectualmente.   incapacidade   de   resisUr   às   pressões   socialmente   impostas,   representadas   pelo   pai   e   pelo   médico.  
  • 21. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 O   trecho   transcrito   apresenta   uma   discussão   entre   o   doutor   Lobão   e   o   Conselheiro   Pinto   Marques.   Em  consonância  com  as  teorias  cienUficistas  do  final  do  século  XIX,  o  médico  sugere  que  Magdá   se  case,  pois  ela  deveria  atender  às  necessidades  de  seu  corpo  e  procriar.   De  acordo  com  o  médico,  o  útero  é  um  monstro  que  precisa  ter  suas  necessidades  saUsfeitas,   caso  contrário  ele  subiria  para  a  cabeça  e  a  mulher  enlouqueceria.   Tais   considerações   permitem   assinalar   a   alternaUva   “c”,   na   medida   em   que   o   que   se   infere   dessas   teorias   cien>ficistas   é   que   o   homem   é   fruto   tanto   dos   aspectos   sociais   quanto   das   determinações  biológicas.  
  • 22. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 POEMA  DE  SETE  FACES   Mundo  mundo  vasto  mundo,   Se  eu  me  chamasse  Raimundo   seria  uma  rima,  não  seria  uma  solução.   Mundo  mundo  vasto  mundo   mais  vasto  é  o  meu  coração.   ANDRADE,  C.  D.  Antologia  poéNca.  Rio  de  Janeiro:  Record,  2001.  (fragmento)  
  • 23. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 CDA  (IMITADO)   Ó  vida,  triste  vida!   Se  eu  me  chamasse  Aparecida   dava  na  mesma.   FONTELA,  O.  Poesia  reunida.  Rio  de  Janeiro:  7Letras,  2008.  
  • 24. QUESTÃO 07 segunda aplicação do ENEM-2012 Orides   Fontela   inUtula   seu   poema   CDA,   sigla   de   Carlos   Drummond   de   Andrade,   e   entre   parênteses  indica  “imitado”  porque,  como  nos  versos  de  Drummond,   apresenta  o  receio  de  colocar  os  dramas  pessoais  no  mundo  vasto.   expõe  o  egocentrismo  de  senUr  o  coração  maior  que  o  mundo.   aponta  a  insuficiência  da  poesia  para  solucionar  os  problemas  da  vida.   adota  tom  melancólico  para  evidenciar  a  desesperança  coma  vida.   invoca  a  triste  da  vida  par  potencializar  a  ineficácia  da  rima.  
  • 25. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 O  gabarito  sugerido  pelo  INEP,  letra  “c”,  contraria  a  visão  que  os  críUcos  literários  têm  acerca  da   obra  de  Drummond.  
  • 26. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 A  RUA   Bem  sei  que,  muitas  vezes,   O  único  remédio   É  adiar  tudo.  É  adiar  a  sede,  a  fome,  a  viagem,   A  dívida,  o  diverUmento,   O  pedido  de  emprego,  ou  a  própria  alegria.   A  esperança  é  também  uma  forma   De  conynuo  adiamento.   Sei  que  é  preciso  presUgiar  a  esperança,   Numa  sala  de  espera.   Mas  sei  também  que  espera  significa  luta  e  não,  apenas,   Esperança  sentada.   Não  abdicação  diante  da  vida.   A  esperança   Nunca  é  a  forma  burguesa,  sentada  e  tranquila  da  espera.   Nunca  é  figura  de  mulher   Do  quadro  anUgo.   Sentada,  dando  milho  aos  pombos.   RICARCO,  C.  Disponível  em:  www.revista.agulha.com.br.  Acesso  em:  2  jan.  2012.  
  • 27. QUESTÃO 08 segunda aplicação do ENEM-2012 O  poema  de  Cassiano  Ricardo  insere-­‐se  no  Modernismo  brasileiro.  O  autor  metaforiza  a  crença   do  sujeito  lírico  numa  relação  entre  o  homem  e  seu  tempo  marcada  por   um  olhar  de  resignação  perante  as  dificuldades  materiais  e  psicológicas  da  vida.   uma  ideia  de  que  a  esperança  do  povo  brasileiro  está  vinculada  ao  sofrimento  e  às  privações.   uma  posição  em  que  louva  a  esperança  passiva  para  que  ocorram  mudanças  sociais.   um  estado  de  inércia  e  de  melancolia  moUvado  pelo  tempo  passado  numa  sala  de  espera.   uma  aUtude  de  perseverança  e  de  coragem  no  contexto  de  estagnação  histórica  e  social.  
  • 28. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 As   ideias   de   resignação,   passividade   e   melancolia   são   totalmente   dissociadas   do   conceito   de   esperança  exposto  pelo  locutor,  na  medida  em  que  se  afirma  que  a  esperança  não  é  tranquila,   tampouco  abdicação.   Importante,   ainda,   é   perceber   que   a   esperança   a   que   se   refere   o   lutor   diz   respeito   a   toda   humanidade  e  não  apenas  à  realidade  brasileira.   Posto   isso,   o   comentário   mais   adequado   ao   poema   é   o   fornecido   na   alternaUva   “e”,   pois   o   locutor  associa  a  esperança  a  duas  aUtudes  –  a  de  espera  [adiamento]  e  a  de  luta.  
  • 29. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 Todo  bom  escritor  tem  o  seu  instante  de  graça,  possui  a  sua  obra-­‐prima,  aquela  que  congrega   numa  estrutura  perfeita  os  seus  dons  mais  pessoais.  Para  Dias  Gomes  essa  hora  de  inspiração   veio-­‐lhe  no  dia  que  escreveu  O  pagador  de  promessas.  Em  torno  de  Zé-­‐do-­‐Burro  –  herói  ideal,   por   unir   o   máximo   de   caráter   ao   mínimo   de   inteligência,   naquela   zona   fronteiriça   entre   o   idiota   e  o  santo  –  o  enredo  espalha  a  malícia  e  a  maldade  de  uma  capital  como  Salvador,  miUficada   pela   música   popular   e   pela   literatura,   na   qual   o   explorador   de   mulheres   se   chama   inevitavelmente   Bonitão,   o   poeta   popular,   Dedé   Cospe-­‐Rima,   e   o   mestre   de   capoeira,   Manuelzinho   Sua   Mãe.   O   colorido   do   quadro   contrasta   fortemente   com   a   simplicidade   da   ação,   que   caminha   numa   linha   reta   da   chegada   de   Zé-­‐do-­‐Burro   à   sua   entrada   trágica   e   triunfal   na   Igreja  –  não  sob  a  cruz,  conforme  prometera,  mas  sobre  ela,  carregado  pelos  capoeiras,  como   um  crucificado.   PRADO,  D.  D.  O  teatro  brasileiro  contemporâneo.  São  Paulo:  PerspeUva,  2008.  
  • 30. QUESTÃO 09 segunda aplicação do ENEM-2012 A   avaliação   críUca   de   Décio   de   Almeida   Prado   destaca   as   qualidades   de   O   pagador   de   promessas.  Com  base  nas  ideias  defendidas  por  ele,  uma  boa  obras  teatral  deve   um  olhar  de  resignação  perante  as  dificuldades  materiais  e  psicológicas  da  vida.   uma  ideia  de  que  a  esperança  do  povo  brasileiro  está  vinculada  ao  sofrimento  e  às  privações.   uma  posição  em  que  louva  a  esperança  passiva  para  que  ocorram  mudanças  sociais.   um  estado  de  inércia  e  de  melancolia  moUvado  pelo  tempo  passado  numa  sala  de  espera.   uma  aUtude  de  perseverança  e  de  coragem  no  contexto  de  estagnação  histórica  e  social.  
  • 31. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 Esta  é  mais  uma  questão  na  qual  não  há  muita  relação  entre  o  texto  base  e  o  comando.   Se  se  considerar  que  os  dramas  tratados  por  Dias  Gomes  em  O  pagador  de  promessas  são  de   ordem  universal  –  o  preconceito,  a  intolerância  religiosa,  o  sincreUsmo  e  a  pureza  dos  fiéis  –  e   que   eles   aparecem   ambientados   em   um   ambiente   pitoresco   [a   Bahia],   é   possível   assinalar   a   alternaUva  “c”.  
  • 32. TEXTO segunda aplicação do ENEM-2012 O  bonde  abre  viagem,   No  banco  ninguém,   Estou  só,  stou  sem.   Depois  sobe  um  homem,   No  banco  sentou,   Companheiro  vou.   O  bonde  está  cheio,   De  novo  porém   Não  sou  mais  ninguém.   ANDRADE,  M.  Poesias  completas.  Belo  Horizonte:  ItaUaia,  2008.  
  • 33. QUESTÃO 10 segunda aplicação do ENEM-2012 Em  um  texto  literário,  é  comum  que  os  recursos  poéUcos  e  linguísUcos  parUcipem  do  significado   do  texto,  isto  é,  forma  e  conteúdo  se  relacionam  significaUvamente.  Com  relação  ao  poema  de   Mário  de  Andrade,  a  correlação  entre  um  recurso  formal  e  um  aspecto  da  significação  do  texto  é   a   sucessão   de   orações   coordenadas,   que   remete   à   sucessão   de   cenas   e   sensações   senUdas   pelo   eu  lírico  ao  longo  da  viagem.   a  elisão  dos  verbos,  recurso  esUlísUco  constante  no  poema,  que  acentua  o  ritmo  acelerado  da   modernidade.   o   emprego   de   versos   curtos   e   irregulares   em   sua   métrica,   que   reproduzem   uma   viagem   de   bonde,  com  suas  paradas  e  retomadas  de  movimento.   a   sonoridade   do   poema,   carregada   de   sons   nasais,   que   representa   a   tristeza   do   eu   lírico   ao   longo  de  toda  a  viagem.   a   ausência   de   rima   nos   versos,   recurso   muito   uUlizado   pelos   modernistas,   que   aproxima   a   linguagem  do  poema  da  linguagem  coUdiana.  
  • 34. SOLUÇÃO COMENTADA segunda aplicação do ENEM-2012 No  poema  de  Mário  de  Andrade,  os  versos  são  metrificados  em  cinco  sílabas  métricas.  Nota-­‐se  a   presença  de  rimas  e  o  pouco  uso  de  conjunções  coordenaUvas  e  subordinaUvas.   O  texto  apresenta  uma  cena  ypica  da  cidade  grande  na  qual  o  sujeito  gravita  entre  os  polos  da   solidão,  da  interação  e  da  solidão.   O  poema  começa  focalizando  a  solidão  do  sujeito  poéUco  [estou  só,  stou  sem];  instantes  depois,   entretanto,    senta-­‐se  alguém  a  seu  lado  –  esse  alguém  parece  que  interage  com  o  eu  lírico,  o   que   aparece   sugerido   no   verso   Companheiro   vou.   Tempos   depois,   o   bonde   lota,   e   a   persona   poé>ca  volta  a  se  senUr  solitária  [seu  companheiro  de  viagem  pode  ter-­‐se  calado  ou  descido?].   Se   se   considerar   que   as   sensações   vivenciadas   pelo   sujeito   poéUco,   ao   longo   da   viagem,   são   díspares,  é  possível  assinalar  a  alteranUva  “a”.