SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
A	
  CHAVE	
  DO	
  ROMANCE;	
  
                           uma	
  leitura	
  de	
  Recordações	
  do	
  escrivão	
  Isaías	
  Caminha	
  
                                                                                                                    por	
  Manoel	
  Neves	
  
ASPECTOS	
  BIOGRÁFICOS	
  
Afonso	
  Henriques	
  de	
  Lima	
  Barreto	
  nasceu	
  no	
  Rio	
  de	
  Janeiro	
  a	
  13	
  de	
  maio	
  de	
  1881	
  e	
  
morreu	
   na	
   mesma	
   cidade	
   a	
   primeiro	
   de	
   novembro	
   de	
   1922.	
   Filho	
   de	
   um	
   tipógrafo	
   da	
  
Imprensa	
   Nacional	
   e	
   de	
   uma	
   professora	
   pública,	
   era	
   mestiço	
   de	
   nascença	
   e	
   foi	
  
iniciado	
  nos	
  estudos	
  pela	
  própria	
  mãe,	
  que	
  perdeu	
  aos	
  7	
  anos	
  de	
  idade.	
  	
  
Fez	
   seus	
   primeiros	
   estudos	
   e,	
   pela	
   mão	
   de	
   seu	
   padrinho	
   de	
   batismo,	
   o	
   Visconde	
   de	
  
Ouro	
   Preto,	
   ministro	
   do	
   Império,	
   completou-­‐os	
   no	
   Ginásio	
   Nacional	
   [Pedro	
   II],	
  
entrando	
   em	
   1897	
   para	
   a	
   Escola	
   Politécnica,	
   pretendendo	
   ser	
   engenheiro.	
   Teve,	
  
porém,	
   de	
   abandonar	
   o	
   curso	
   para	
   assumir	
   a	
   chefia	
   e	
   o	
   sustento	
   da	
   família,	
   devido	
   ao	
  
enlouquecimento	
   do	
   pai,	
   em	
   1902,	
   almoxarife	
   da	
   Colônia	
   de	
   Alienados	
   da	
   Ilha	
   do	
  
Governador.	
   Nesse	
   ano,	
   estreia	
   na	
   imprensa	
   estudantil.	
   A	
   família	
   muda-­‐se	
   para	
   o	
  
subúrbio	
   do	
   Rio	
   de	
   Janeiro,	
   Engenho	
   de	
   Dentro,	
   onde	
   o	
   futuro	
   escritor	
   resolve	
  
candidatar-­‐se	
   a	
   um	
   cargo	
   vago	
   na	
   Secretaria	
   da	
   Guerra,	
   mediante	
   concurso	
   público,	
  
tendo	
   passado	
   em	
   segundo	
   lugar	
   e	
   ocupado	
   a	
   vaga,	
   por	
   desistência	
   do	
   primeiro	
  
colocado,	
  1903.	
  	
  
Com	
   o	
   modesto	
   salário,	
   passa	
   a	
   residir	
   com	
   a	
   família	
   em	
   Todos	
   os	
   Santos,	
   em	
   casa	
  
simples,	
  e	
  na	
  qual,	
  em	
  1904,	
  inicia	
  a	
  primeira	
  versão	
  do	
  romance	
  Clara	
  dos	
  Anjos.	
  No	
  
ano	
   seguinte,	
   começa	
   o	
   romance	
   Recordações	
   do	
   escrivão	
   Isaías	
   Caminha,	
   publicado	
  
em	
  Lisboa	
  em	
  1909.	
  Publica,	
  também,	
  uma	
  série	
  de	
  reportagens	
  no	
  jornal	
  Correio	
  da	
  
manhã.	
   Inicia	
   o	
   romance	
   Vida	
   e	
   morte	
   de	
   M.	
   J.	
   Gonzaga	
   de	
   Sá,	
   publicado	
   apenas	
   em	
  
1919.	
   Colabora	
   na	
   revista	
   Fon-­‐fon	
   e,	
   com	
   amigos,	
   lança	
   em	
   fins	
   de	
   1907	
   a	
   revista	
  
Floreal,	
   que	
   sobreviveria	
   com	
   quatro	
   números	
   apenas,	
   mas	
   que	
   chamou	
   a	
   atenção	
   do	
  
crítico	
  literário	
  José	
  Veríssimo.	
  Nessa	
  época,	
  dedica-­‐se	
  à	
  leitura	
  na	
  Biblioteca	
  Nacional	
  
dos	
   grandes	
   nomes	
   da	
   literatura	
   mundial,	
   dos	
   escritores	
   realistas	
   europeus	
   de	
   seu	
  
tempo,	
   tendo	
   sido	
   dos	
   poucos	
   escritores	
   brasileiros	
   a	
   tomar	
   conhecimento	
   e	
   ler	
   os	
  
romancistas	
  russos.	
  	
  
Em	
   1910,	
   faz	
   parte	
   do	
   júri	
   no	
   julgamento	
   dos	
   participantes	
   do	
   episódio	
   chamado	
  
“Primavera	
   de	
   sangue”,	
   condenando	
   os	
   militares	
   no	
   assassinato	
   de	
   um	
   estudante,	
  
sendo	
   por	
   isso	
   preterido,	
   daí	
   para	
   frente,	
   nas	
   promoções	
   na	
   Secretaria	
   da	
   Guerra.	
   Em	
  
1911,	
  em	
  três	
  meses,	
  escreve	
  o	
  romance	
  Triste	
  fim	
  de	
  Policarpo	
  Quaresma,	
  publicado	
  
em	
   folhetins	
   no	
   Jornal	
   do	
   comércio,	
   onde	
   escreve,	
   e	
   também	
   na	
   Gazeta	
   da	
   tarde.	
  
Publica,	
   em	
   1912,	
   dois	
   fascículos	
   das	
   Aventuras	
   do	
   Dr.	
   Bogoloff,	
   além	
   de	
   dois	
   outros	
  
livretos	
  de	
  humor,	
  um	
  deles	
  pela	
  revista	
  O	
  riso.	
  	
  
O	
   vício	
   da	
   bebida	
   começa	
   a	
   manifestar-­‐se	
   nele,	
   porém	
   não	
   o	
   impede	
   de	
   continuar	
   a	
  
sua	
   colaboração	
   na	
   imprensa,	
   iniciando	
   em	
   1914	
   uma	
   série	
   de	
   crônicas	
   diárias	
   no	
  
Correio	
   da	
   noite.	
   O	
   jornal	
   A	
   noite	
   publica	
   em	
   folhetins,	
   em	
   1915,	
   seu	
   romance	
   Numa	
   e	
  
a	
  ninfa,	
  e	
  Lima	
  Barreto	
  inicia	
  longa	
  fase	
  de	
  colaboração	
  na	
  revista	
  Careta,	
  em	
  artigos	
  
políticos	
  sobre	
  variados	
  assuntos.	
  Nos	
  primeiros	
  meses	
  de	
  1916	
  aparece	
  em	
  volume	
  o	
  
romance	
   Triste	
   fim	
   de	
   Policarpo	
   Quaresma,	
   que	
   reúne	
   também	
   alguns	
   contos	
   notáveis	
  
como	
   “A	
   Nova	
   Califórnia”	
   e	
   “O	
   homem	
   que	
   sabia	
   javanês”,	
   tendo	
   boa	
   acolhida	
   por	
  
parte	
   da	
   crítica	
   que	
   vê	
   em	
   Lima	
   Barreto	
   o	
   legítimo	
   sucessor	
   de	
   Machado	
   de	
   Assis.	
  
Passa	
  a	
  escrever	
  para	
  o	
  semanário	
  político	
  A.B.C..	
  Em	
  julho	
  de	
  1917,	
  após	
  internação	
  


	
                                                                                                                                               1	
  
hospitalar,	
   entrega	
   ao	
   seu	
   editor,	
   J.	
   Ribeiro	
   dos	
   Santos,	
   os	
   originais	
   de	
   Os	
  
Bruzundangas,	
  sátiras,	
  somente	
  publicado	
  em	
  1922,	
  um	
  mês	
  após	
  a	
  morte	
  do	
  autor.	
  	
  
Candidata-­‐se	
   à	
   vaga	
   na	
   Academia	
   Brasileira	
   de	
   Letras,	
   mas	
   seu	
   pedido	
   de	
   inscrição	
  
não	
  é	
  sequer	
  considerado.	
  Lança	
  a	
  segunda	
  edição	
  de	
  Recordações	
  do	
  escrivão	
  Isaías	
  
Caminha	
   e,	
   em	
   seguida,	
   o	
   romance	
   Numa	
   e	
   a	
   ninfa,	
   em	
   volume.	
   Passa	
   a	
   publicar	
  
artigos	
  e	
  crônicas	
  na	
  imprensa	
  alternativa	
  da	
  época:	
  A	
  Lanterna,	
  A.B.C.	
  e	
  Brás	
  Cubas,	
  
que	
   publica	
   um	
   artigo	
   seu,	
   em	
   que	
   manifesta	
   simpatia	
   pela	
   causa	
   revolucionária	
  
russa.	
   Após	
   o	
   diagnóstico	
   de	
   epilepsia	
   tóxica,	
   é	
   aposentado	
   em	
   dezembro	
   de	
   1918,	
  
mudando-­‐se	
  para	
  outra	
  casa	
  na	
  Rua	
  Major	
  Mascarenhas,	
  em	
  Todos	
  os	
  Santos,	
  onde	
  irá	
  
residir	
  até	
  morrer.	
  	
  
Em	
   inícios	
   de	
   1919,	
   suspende	
   a	
   colaboração	
   no	
   semanário	
   A.B.C.,	
   por	
   ter	
   a	
   revista	
  
publicado	
  um	
  artigo	
  contra	
  a	
  raça	
  negra,	
  com	
  o	
  qual	
  não	
  concordava.	
  Põe	
  à	
  venda	
  o	
  
romance	
   Vida	
   e	
   morte	
   de	
   M.	
   J.	
   Gonzaga	
   de	
   Sá,	
   por	
   ele	
   próprio	
   revisto	
   e	
   mandado	
  
datilografar	
  pelo	
  editor,	
  Monteiro	
  Lobato,	
  tendo	
  sido	
  o	
  único	
  de	
  seus	
  livros	
  a	
  passar	
  
por	
   tais	
   cuidados	
   normais	
   de	
   publicação,	
   e	
   pelo	
   qual	
   recebe	
   bom	
   pagamento	
   e	
  
promoção,	
  além	
  do	
  aplauso	
  de	
  velhos	
  e	
  novos	
  expoentes	
  da	
  crítica,	
  como	
  João	
  Ribeiro	
  
e	
   Alceu	
   Amoroso	
   Lima.	
   Nesse	
   clima,	
   candidata-­‐se	
   em	
   segunda	
   vez	
   a	
   uma	
   vaga	
   na	
  
Academia	
   de	
   Letras	
   –	
   desta	
   vez,	
   aceita	
   –,	
   não	
   conseguindo,	
   porém,	
   ser	
   eleito,	
   mas	
  
tendo	
   o	
   voto	
   permanente	
   de	
   João	
   Ribeiro.	
   Sob	
   o	
   título	
   “As	
   mágoas	
   e	
   sonhos	
   do	
   povo”,	
  
passa	
   a	
   publicar	
   semanalmente,	
   na	
   revista	
   Hoje,	
   crônicas	
   ditas	
   de	
   folclore	
   urbano,	
  
reiniciando	
  a	
  colaboração	
  na	
  Careta,	
  em	
  segunda	
  fase,	
  só	
  interrompida	
  por	
  sua	
  morte.	
  	
  
Em	
  1919,	
  de	
  dezembro	
  a	
  janeiro	
  de	
  1920	
  é	
  internado	
  no	
  hospício,	
  devido	
  a	
  forte	
  crise	
  
nervosa,	
   resultando	
   a	
   experiência	
   nas	
   anotações	
   dos	
   primeiros	
   capítulos	
   da	
   obra	
   O	
  
cemitério	
   dos	
   vivos,	
   memórias	
   somente	
   publicadas	
   em	
   1953,	
   juntamente	
   com	
   as	
   do	
  
Diário	
   íntimo,	
   num	
   mesmo	
   volume.	
   Em	
   dezembro	
   de	
   1920,	
   concorre	
   ao	
   prêmio	
  
literário	
   da	
   Academia	
   Brasileira	
   de	
   Letras	
   para	
   o	
   melhor	
   livro	
   do	
   ano	
   anterior,	
  
inscrevendo	
   o	
   Vida	
   e	
   morte	
   de	
   M.	
   J.	
   Gonzaga	
   de	
   Sá,	
   que	
   veio	
   a	
   receber	
   menção	
  
honrosa.	
  No	
  mesmo	
  mês	
  é	
  posto	
  à	
  venda	
  nas	
  livrarias	
  o	
  volume	
  de	
  contos	
  Histórias	
  e	
  
sonhos,	
   e	
   entrega	
   ao	
   editor	
   F.	
   Schettino,	
   seu	
   amigo,	
   os	
   originais	
   de	
   Marginália,	
  
reunindo	
  artigos	
  e	
  crônicas	
  já	
  publicados	
  na	
  imprensa	
  periódica	
  e,	
  que	
  se	
  perderiam,	
  
sendo	
  o	
  volume	
  editado	
  apenas	
  em	
  1953,	
  post	
  mortem.	
  	
  
O	
  Cemitério	
  dos	
  vivos	
  tem	
  um	
  trecho	
  publicado,	
  em	
  janeiro	
  de	
  1921,	
  na	
  Revista	
  Souza	
  
Cruz,	
   sob	
   o	
   título	
   “As	
   origens:	
   memórias	
   manuscritas	
   não	
   completadas	
   pelo	
   autor”.	
  
Em	
  abril,	
  faz	
  uma	
  viagem	
  à	
  pequena	
  cidade	
  de	
  Mirassol,	
  no	
  Estado	
  de	
  São	
  Paulo,	
  onde	
  
um	
   médico	
   amigo	
   e	
   escritor,	
   Ranulfo	
   Prata,	
   tenta	
   a	
   regeneração	
   clínica	
   de	
   Lima	
  
Barreto,	
  mas	
  em	
  vão.	
  Com	
  a	
  saúde	
  já	
  bastante	
  abalada,	
  a	
  doença	
  força	
  a	
  sua	
  reclusão	
  
na	
   casa	
   modesta	
   de	
   Todos	
   os	
   Santos,	
   onde	
   os	
   amigos	
   vão	
   visitá-­‐lo	
   e	
   sua	
   irmã	
  
Evangelina	
   se	
   desvela	
   em	
   cuidados	
   por	
   ele.	
   Mas,	
   sempre	
   que	
   pode,	
   continua	
   a	
   sua	
  
peregrinação	
  pela	
  cidade	
  que	
  ama,	
  reservando	
  a	
  leitura,	
  a	
  meditação	
  e	
  a	
  escrita	
  para	
  
casa,	
  apesar	
  da	
  presença	
  constante	
  da	
  loucura	
  do	
  pai,	
  tornada	
  real	
  pelas	
  crises	
  cada	
  
vez	
  mais	
  repetidas.	
  
Em	
   julho	
   de	
   1921,	
   pela	
   terceira	
   vez,	
   candidata-­‐se	
   à	
   vaga	
   na	
   Academia	
   de	
   Letras,	
  
retirando,	
   porém,	
   a	
   mesma,	
   por	
   “motivos	
   inteiramente	
   particulares	
   e	
   íntimos”.	
  
Entrega	
  ao	
  editor	
  os	
  originais	
  de	
  Bagatelas,	
  no	
  qual	
  reúne	
  a	
  sua	
  maior	
  produção	
  na	
  
imprensa,	
   ou	
   seja,	
   a	
   que	
   vai	
   de	
   1918	
   a	
   1922,	
   em	
   que	
   evidencia	
   com	
   rara	
   visão	
   e	
  
clareza	
   os	
   problemas	
   do	
   país	
   e	
   do	
   mundo	
   do	
   pós-­‐guerra.	
   Bagatelas,	
   entretanto,	
   só	
  


	
                                                                                                                                             2	
  
apareceria	
  em	
  1923.	
  Publica	
  na	
  Revista	
  Souza	
  Cruz	
  de	
  outubro-­‐novembro	
  de	
  1921	
  a	
  
conferência	
  “O	
  destino	
  da	
  literatura”,	
  que	
  não	
  chegara	
  a	
  pronunciar	
  na	
  cidade	
  de	
  Rio	
  
Preto,	
   próximo	
   a	
   Mirassol.	
   Em	
   dezembro	
   inicia	
   a	
   segunda	
   versão	
   do	
   romance	
   Clara	
  
dos	
   Anjos,	
   terminado	
   em	
   janeiro	
   seguinte.	
   Os	
   originais	
   de	
   Feiras	
   e	
   mafuás	
   são	
  
entregues	
  para	
  publicação,	
  mas	
  somente	
  em	
  1953	
  seriam	
  editados.	
  	
  
Em	
  maio	
  de	
  1922,	
  a	
  revista	
  O	
  mundo	
  literário	
  publica	
  o	
  primeiro	
  capítulo	
  de	
  Clara	
  dos	
  
Anjos,	
   “O	
   carteiro”.	
   Tendo	
   a	
   sua	
   saúde	
   declinada	
   mês	
   a	
   mês,	
   agravada	
   pelo	
  
reumatismo,	
   pela	
   bebida	
   e	
   outros	
   padecimentos,	
   Lima	
   Barreto	
   morre	
   em	
   primeiro	
   de	
  
novembro	
  de	
  1922,	
  vitimado	
  por	
  um	
  colapso	
  cardíaco.	
  Em	
  seus	
  braços,	
  é	
  encontrado	
  
um	
  exemplar	
  da	
  Revue	
  des	
  deux	
  mondes,	
  sua	
  preferida	
  e	
  que	
  estivera	
  lendo.	
  Dois	
  dias	
  
depois	
  é	
  a	
  vez	
  de	
  seu	
  pai.	
  Encontram-­‐se	
  sepultados	
  no	
  cemitério	
  de	
  São	
  João	
  Batista,	
  
onde	
  o	
  escritor	
  desejou	
  ser	
  enterrado.	
  	
  
Em	
  1953,	
  uma	
  editora	
  lançou	
  alguns	
  volumes	
  inéditos	
  de	
  sua	
  obra.	
  Porém,	
  somente	
  
em	
   1956,	
   sob	
   a	
   direção	
   de	
   Francisco	
   de	
   Assis	
   Barbosa,	
   com	
   a	
   colaboração	
   de	
   Antônio	
  
Houaiss	
   e	
   M.	
   Cavalcanti	
   Proença,	
   toda	
   a	
   sua	
   obra	
   em	
   17	
   volumes	
   foi	
   publicada,	
  
compreendendo	
   todos	
   os	
   romances	
   citados	
   e	
   também	
   os	
   títulos	
   não	
   publicados	
   em	
  
vida	
  do	
  autor,	
  e	
  que	
  são:	
  Os	
  bruzundangas,	
  Feiras	
  e	
  mafuás,	
  Impressões	
  de	
  leitura,	
  Vida	
  
urbana,	
   Coisas	
   do	
   reino	
   de	
   Jambon,	
   Diário	
   íntimo,	
   Marginália,	
   Bagatelas,	
   O	
   cemitério	
  
dos	
  vivos	
  e	
  mais	
  dois	
  volumes	
  que	
  contêm	
  toda	
  a	
  sua	
  correspondência,	
  ativa	
  e	
  passiva.	
  
Nas	
  décadas	
  seguintes	
  Lima	
  Barreto	
  tem	
  sido	
  alvo	
  de	
  estudos,	
  tanto	
  no	
  Brasil	
  como	
  
no	
  exterior.	
  Suas	
  obras,	
  romances	
  e	
  contos,	
  têm	
  sido	
  traduzidos	
  para	
  o	
  inglês,	
  francês,	
  
russo,	
  espanhol,	
  tcheco,	
  japonês	
  e	
  alemão.	
  
O	
  PRÉ-­‐MODERNISMO	
  
A	
  Proclamação	
  da	
  República,	
  em	
  1889,	
  não	
  representou	
  uma	
  mudança	
  muito	
  grande	
  
no	
   cenário	
   econômico	
   brasileiro.	
   A	
   situação	
   das	
   famílias	
   que	
   viviam	
   no	
   campo,	
   dois	
  
terços	
   da	
   população	
   do	
   país,	
   continuava	
   determinada	
   pelos	
   grandes	
   latifundiários,	
  
que	
  controlavam	
  extensas	
  porções	
  de	
  terra	
  tanto	
  no	
  litoral	
  quanto	
  no	
  interior.	
  
A	
  reforma	
  das	
  cidades	
  
Com	
   a	
   República,	
   os	
   principais	
   centros	
   políticos	
   passaram	
   por	
   uma	
   transformação	
   do	
  
espaço	
   urbano	
   que	
   desencadeou	
   um	
   processo	
   de	
   europeização	
   do	
   país.	
   Cidades	
   como	
  
Rio	
   de	
   Janeiro,	
   Manaus,	
   São	
   Paulo	
   e	
   Belém	
   foram	
   as	
   mais	
   afetadas	
   pelo	
   chamado	
  bota	
  
abaixo	
  –	
  abertura	
  de	
  largas	
  avenidas	
  e	
  a	
  imitação	
  de	
  prédios	
  europeus,	
  para	
  eliminar	
  
os	
  traços	
  da	
  arquitetura	
  portuguesa	
  que	
  orientara	
  a	
  construção	
  dessas	
  cidades.	
  
Uma	
   consequência	
   imediata	
   da	
   reforma	
   urbana	
   foi	
   o	
   deslocamento	
   de	
   milhares	
   de	
  
famílias	
   pobres	
   das	
   áreas	
   centrais,	
   onde	
   moravam	
   em	
   cortiços,	
   para	
   locais	
   de	
   difícil	
  
acesso.	
  Nasciam,	
  assim,	
  as	
  favelas,	
  como	
  um	
  desdobramento	
  negativo	
  da	
  tentativa	
  de	
  
embelezar	
  o	
  país.	
  
Se	
   a	
   reurbanização	
   sugeria	
   prosperidade,	
   ela	
   era	
   apenas	
   aparente.	
   Nos	
   centros	
  
urbanos,	
   escravos	
   libertos	
   viviam	
   em	
   estado	
   de	
   quase	
   completo	
   abandono.	
   Não	
  
tinham	
   acesso	
   à	
   educação	
   e	
   não	
   eram	
   mais	
   empregados	
   pelos	
   proprietários	
   rurais.	
  
Essa	
  elite	
  preferia	
  importar	
  imigrantes	
  europeus.	
  
Autores	
  em	
  busca	
  de	
  um	
  país	
  
As	
   grandes	
   mudanças	
   políticas,	
   sociais	
   e	
   econômicas	
   não	
   deixavam	
   espaço	
   para	
   a	
  
idealização.	
   Era	
   o	
   momento	
   de	
   buscar	
   um	
   conhecimento	
   mais	
   real	
   e	
   profundo	
   das	
  


	
                                                                                                                                         3	
  
condições	
  de	
  vida	
  que	
  podiam	
  ser	
  observadas	
  em	
  um	
  país	
  tão	
  grande.	
  Por	
  isso,	
  o	
  foco	
  
da	
  produção	
  literária	
  se	
  fragmenta	
  e	
  os	
  autores	
  escrevem	
  sobre	
  as	
  diferentes	
  regiões:	
  
os	
   centros	
   urbanos,	
   os	
   funcionários	
   públicos,	
   os	
   sertanejos,	
   os	
   caboclos	
   e	
   os	
  
imigrantes.	
   Tudo	
   era	
   motivo	
   de	
   interesse	
   para	
   escritores	
   como	
   Euclides	
   da	
   Cunha,	
  
Monteiro	
  Lobato,	
  Lima	
  Barreto,	
  Graça	
  Aranha	
  e	
  Augusto	
  dos	
  Anjos.	
  
O	
   Pré-­‐Modernismo	
   é	
   considerado	
   por	
   grande	
   parte	
   dos	
   historiadores	
   da	
   literatura	
  
como	
   uma	
   fase	
   de	
   transição	
   devido	
   à	
   mudança	
   do	
   enfoque	
   do	
   texto	
   literário	
   e	
   a	
  
antecipação	
   de	
   alguns	
   temas	
   que	
   serão	
   desenvolvidos	
   pela	
   literatura	
   modernista,	
   a	
  
saber:	
  o	
  nacionalismo	
  crítico,	
  a	
  linguagem	
  coloquial,	
  a	
  literatura	
  de	
  denúncia	
  social.	
  
Historicamente,	
  considera-­‐se	
  o	
  marco	
  inicial	
  do	
  Pré-­‐Modernismo	
  a	
  publicação	
  de	
  Os	
  
sertões,	
   de	
   Euclides	
   da	
   Cunha,	
   em	
   1902,	
   e	
   a	
   Semana	
   da	
   Arte	
   Moderna	
   –	
   de	
   1922	
   –	
  
como	
  início	
  do	
  Modernismo.	
  
O	
  projeto	
  literário	
  do	
  Pré-­‐Modernismo	
  
A	
  intenção	
  dos	
  escritores	
  desse	
  período	
  é	
  revelar	
  o	
  Brasil	
  profundo	
  para	
  os	
  brasileiros.	
  
O	
   mesmo	
   desejo	
   que	
   motivou	
   românticos	
   a	
   escreverem	
   dezenas	
   de	
   romances	
  
regionais	
   será	
   a	
   marca	
   característica	
   da	
   literatura	
   nos	
   primeiros	
   anos	
   do	
   século	
   XX:	
  
olhar	
  para	
  o	
  Brasil	
  e	
  usar	
  a	
  literatura	
  como	
  meio	
  para	
  torná-­‐lo	
  mais	
  conhecido	
  pelos	
  
brasileiros.	
  Sob	
  este	
  aspecto,	
  pode	
  afirmar	
  que	
  se	
  trata	
  de	
  uma	
  literatura	
  basicamente	
  
regional	
  e	
  social.	
  
A	
   primeira	
   condição	
   para	
   realização	
   desse	
   projeto	
   era	
   desviar	
   o	
   olhar	
   das	
   classes	
  
sociais	
   mais	
   privilegiadas	
   que,	
   até	
   aquele	
   momento,	
   ocupavam	
   boa	
   parte	
   dos	
  
romances	
  escritos.	
  Personagem	
  que	
  ainda	
  não	
  haviam	
  aparecido	
  na	
  literatura,	
  como	
  o	
  
pequeno	
   funcionário	
   público,	
   o	
   caboclo,	
   os	
   imigrantes,	
   são	
   elevados	
   à	
   condição	
   de	
  
protagonistas	
   dos	
   romances	
   do	
   período.	
   Outros,	
   como	
   os	
   sertanejos,	
   que	
   já	
   tinham	
  
sido	
   objeto	
   da	
   atenção	
   dos	
   romances	
   regionalistas	
   de	
   Alencar	
   e	
   Franklin	
   Távora,	
  
recebem	
   um	
   novo	
   tratamento,	
   mais	
   objetivo	
   e	
   distanciado,	
   bem	
   diferente	
   da	
  
idealização	
   característica	
   dos	
   textos	
   românticos.	
   Por	
   meio	
   dessa	
   galeria	
   de	
  
personagens,	
  Norte,	
  Nordeste,	
  interior	
  e	
  cidade	
  passam	
  a	
  ser	
  apresentados	
  de	
  modo	
  
mais	
  próximo	
  do	
  real.	
  
A	
  linguagem	
  
Como	
   consequência	
   natural	
   da	
   maior	
   aproximação	
   entre	
   literatura	
   e	
   realidade,	
   a	
  
linguagem	
  utilizada	
  nos	
  textos	
  modifica-­‐se,	
  torna-­‐se	
  mais	
  direta,	
  mais	
  objetiva,	
  mais	
  
próxima	
  da	
  linguagem	
  característica	
  do	
  texto	
  jornalístico.	
  
Do	
   conjunto	
   de	
   romances	
   e	
   contos	
   publicados	
   pelos	
   autores	
   da	
   época,	
   emergem	
   as	
  
tendências	
   que	
   dentro	
   de	
   duas	
   décadas	
   serão	
   agitadas	
   como	
   bandeiras	
   pelos	
  
primeiros	
   modernistas	
   –	
   a	
   desmistificação	
   do	
   texto	
   literário,	
   a	
   utilização	
   de	
   um	
  
português	
   mais	
   brasileiro,	
   a	
   crítica	
   à	
   realidade	
   social	
   e	
   econômica	
   contemporânea,	
  
enfim,	
  a	
  constituição	
  de	
  uma	
  literatura	
  que	
  retrata	
  verdadeiramente	
  o	
  Brasil.	
  
Lima	
  Barreto	
  e	
  o	
  Pré-­‐Modernismo	
  
O	
   sertão	
   da	
   obra	
   de	
   Euclides	
   da	
   Cunha	
   era	
   desconhecido	
   pela	
   maioria	
   dos	
   leitores	
  
brasileiros,	
  que	
  se	
  concentravam	
  nos	
  centros	
  urbanos.	
  Lima	
  Barreto	
  será	
  responsável	
  
por	
  compor	
  um	
  retrato	
  de	
  parte	
  dos	
  centros	
  urbanos	
  ignorados	
  pela	
  elite	
  cultural	
  do	
  
país:	
   os	
   subúrbios	
   cariocas.	
   Era	
   lá	
   que	
   vivia	
   a	
   pequena	
   classe	
   média	
   composta	
   de	
  
funcionários	
   públicos,	
   professores,	
   moças	
   à	
   espera	
   de	
   casamento	
   e	
   uma	
   variedade	
   de	
  


	
                                                                                                                                             4	
  
outras	
   personagens	
   que	
   povoam	
   a	
   obra	
   do	
   autor.	
   Dá,	
   assim,	
   voz	
   a	
   uma	
   parcela	
   da	
  
população	
  que	
  havia	
  sido	
  ignorada	
  até	
  então	
  pela	
  literatura	
  feita	
  no	
  Brasil.	
  
Os	
   romances,	
   contos	
   e	
   crônicas	
   de	
   Lima	
   Barreto	
   compõem	
   um	
   painel	
   em	
   que	
   se	
  
desenham	
  de	
  forma	
  mais	
  clara	
  os	
  verdadeiros	
  mecanismos	
  de	
  relacionamento	
  social	
  
típicos	
  do	
  Brasil	
  do	
  início	
  do	
  século	
  XX.	
  
APRESENTAÇÃO	
  
Nas	
   palavras	
   do	
   professor	
   Alfredo	
   Bosi,	
   em	
   Recordações	
   do	
   escrivão	
   Isaías	
   Caminha,	
  
1909,	
   nos	
   primeiros	
   capítulos	
   predomina	
   o	
   caráter	
   autobiográfico	
   que	
   se	
   dilui	
   à	
  
medida	
   que	
   o	
   romance	
   se	
   desenvolve.	
   Depois	
   do	
   micro-­‐ensaio	
   memorialístico,	
   o	
  
romance	
  passa	
  a	
  descrições	
  de	
  vários	
  tipos:	
  o	
  político,	
  o	
  jornalista,	
  o	
  burocrata	
  carioca	
  
do	
  começo	
  do	
  século.1	
  
Segundo	
  o	
  renomado	
  professor,	
  neste	
  roman	
  à	
  clef:2	
  
                                                                                                                                           Sustenta,	
   porém,	
   a	
   presença	
   de	
   Isaías	
   como	
   personagem	
  
                                                                                                                                           polarizadora	
   a	
   própria	
   frustração	
   do	
   autor,	
   que	
   nele	
   se	
   encarna,	
  
                                                                                                                                           tornando	
   especialmente	
   doídos	
   os	
   seus	
   encontros	
   com	
   os	
  
                                                                                                                                           preconceitos	
  de	
  cor	
  e	
  de	
  classe.	
  Uma	
  tristeza,	
  ora	
  de	
  rebelde	
  ora	
  de	
  
                                                                                                                                           vencido,	
  dá	
  o	
  tom	
  sentimental	
  dominante	
  a	
  essas	
  Recordações,	
  onde	
  
                                                                                                                                           alternam,	
   chegando	
   às	
   vezes	
   a	
   fundir-­‐se,	
   a	
   representação	
   de	
   uma	
  
                                                                                                                                           sociedade	
  classista	
  e	
  o	
  seu	
  processo	
  instaurado	
  por	
  um	
  “humilhado	
  e	
  
                                                                                                                                           ofendido”.	
  assim,	
  o	
  convívio	
  de	
  objeto	
  e	
  sujeito,	
  de	
  observação	
  social	
  
                                                                                                                                           e	
   ressonância	
   afetiva,	
   define	
   com	
   propriedade	
   o	
   estilo	
   realista-­‐
                                                                                                                                           memorialista	
  de	
  Lima	
  Barreto.3	
  
O	
  ENREDO	
  
Recordações	
   do	
   escrivão	
   Isaías	
   Caminha,	
   primeiro	
   romance	
   de	
   Lima	
   Barreto,	
   é	
   uma	
  
forte	
  crítica	
  à	
  sociedade	
  hipócrita	
  e	
  preconceituosa	
  e	
  à	
  imprensa.	
  	
  
O	
   jovem	
   Isaías	
   Caminha,	
   menino	
   do	
   interior,	
   tomou	
   gosto	
   pelos	
   estudos	
   através	
   da	
  
desigualdade	
   de	
   nível	
   mental	
   entre	
   o	
   seu	
   pai,	
   um	
   ilustrado	
   vigário,	
   e	
   sua	
   mãe.	
  
Admirava	
   o	
   pai	
   que	
   lhe	
   contava	
   histórias	
   sobre	
   grandes	
   homens.	
   Esforçou-­‐se	
   muito	
  
nas	
  instruções	
  e	
  pouco	
  brincava.	
  Tinha	
  ambições	
  e	
  um	
  dia	
  finalmente	
  decide	
  ir	
  para	
  o	
  
Rio	
  fazer-­‐se	
  doutor:	
  
                                                                                                                                           Ah!	
   Seria	
   doutor!	
   Resgataria	
   o	
   pecado	
   original	
   do	
   meu	
   nascimento	
  
                                                                                                                                           humilde,	
   amaciaria	
   o	
   suplício	
   premente,	
   cruciante	
   e	
   omnímodo	
   de	
  
                                                                                                                                           minha	
  cor...	
  	
  
                                                                                                                                           Nas	
   dobras	
   do	
   pergaminho	
   da	
   carta,	
   traria	
   presa	
   a	
   consideração	
   de	
  
                                                                                                                                           toda	
   a	
   gente.	
   Seguro	
   do	
   respeito	
   à	
   minha	
   majestade	
   de	
   homem,	
  
                                                                                                                                           andaria	
   com	
   ela	
   mais	
   firme	
   pela	
   vida	
   em	
   fora.	
   Não	
   titubearia,	
   não	
  
                                                                                                                                           hesitaria,	
   livremente	
   poderia	
   falar,	
   dizer	
   bem	
   alto	
   os	
   pensamentos	
  
                                                                                                                                           que	
  se	
  estorciam	
  no	
  meu	
  cérebro.	
  [...]	
  Quantas	
  prerrogativas,	
  quantos	
  
                                                                                                                                           direitos	
  especiais,	
  quantos	
  privilégios,	
  esse	
  título	
  dava!	
  Podia	
  ter	
  dois	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
1
  BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, 319.
2
   Roman à clef: O roman à clef é um sub-gênero romance no qual personagens certos ou todos estes representam mais ou menos
explicitamente, uma pessoa real. Sob o pretexto de ficção, o autor aborda, por escrito, na verdade, uma história verdadeira, muitas vezes
para evitar a calúnia, para fazer uma sátira, ou por razões autobiográficas. A chave para a história, que faz o leitor entender que esta é uma
história verdadeira, é geralmente reconhecido figura pública, especialmente um político ou uma pessoa que tem uma grande influência sobre
um grupo, Seja na política, negócios, show business, etc.
3
  Idem.



	
                                                                                                                                                                                                                                                       5	
  
e	
   mais	
   empregos	
   apesar	
   da	
   Constituição;	
   teria	
   direito	
   à	
   prisão	
  
                           especial	
   e	
   não	
   precisava	
   saber	
   nada.	
   Bastava	
   o	
   diploma.	
   Pus-­‐me	
   a	
  
                           considerar	
  que	
  isso	
  devia	
  ser	
  antigo...	
  Newton,	
  César,	
  Platão	
  e	
  Miguel	
  
                           Ângelo	
  deviam	
  ter	
  sido	
  doutores!	
  
Aconselha-­‐se	
  com	
  o	
  tio	
  Valentim.	
  Este	
  visita	
  o	
  Coronel	
  Belmiro,	
  chefe	
  eleitoral	
  local,	
  
que	
   redige	
   uma	
   carta	
   recomendando	
   Isaías	
   para	
   o	
   Doutor	
   Castro,	
   deputado.	
   Segue	
  
paro	
  o	
  Rio	
  com	
  algum	
  dinheiro	
  e	
  esta	
  carta.	
  Instala-­‐se	
  no	
  Hotel	
  Jenikalé,	
  na	
  Praça	
  da	
  
República	
   e	
   conhece	
   o	
   Senhor	
   Laje	
   da	
   Silva	
   que	
   diz	
   ser	
   padeiro	
   e	
   é	
   incrivelmente	
  
afável	
  com	
  todos,	
  em	
  especial	
  com	
  os	
  jornalistas.	
  Através	
  dele	
  conhece	
  o	
  doutor	
  Ivã	
  
Gregoróvitch	
  Rostóloff,	
  jornalista	
  de	
  O	
  globo,	
  romeno,	
  sentia-­‐se	
  sem	
  pátria	
  e	
  falava	
  10	
  
línguas.	
   Vai	
   assim	
   conhecendo	
   o	
   Rio	
   de	
   Janeiro.	
   Decide	
   procurar	
   o	
   Deputado	
   Castro	
  
para	
  conseguir	
  seu	
  emprego	
  e	
  poder	
  cursar	
  Medicina.	
  Dirige-­‐se	
  a	
  Câmera:	
  
                           Subi	
  pensando	
  no	
  ofício	
  de	
  legislar	
  que	
  ia	
  ver	
  exercer	
  pela	
  primeira	
  
                           vez,	
   em	
   plena	
   Câmera	
   dos	
   Senhores	
   Deputados	
   –	
   augustos	
   e	
  
                           digníssimos	
  representantes	
  da	
  Nação	
  Brasileira.	
  Não	
  foi	
  sem	
  espanto	
  
                           que	
  descobri	
  em	
  mim	
  um	
  grande	
  respeito	
  por	
  esse	
  alto	
  e	
  venerável	
  
                           ofício	
  [...]	
  	
  
                           Foi	
   com	
   grande	
   surpresa	
   que	
   não	
   senti	
   naquele	
   doutor	
   Castro,	
  
                           quanto	
   certa	
   vez	
   estive	
   junto	
   dele,	
   nada	
   que	
   denunciasse	
   tão	
  
                           poderosa	
   faculdade.	
   Vi-­‐o	
   durante	
   uma	
   hora	
   olhar	
   tudo	
   sem	
   interesse	
  
                           e	
  só	
  houve	
  um	
  movimento	
  vivo	
  e	
  próprio,	
  profundo	
  e	
  diferencial,	
  na	
  
                           sua	
   pessoa,	
   quando	
   passou	
   por	
   perto	
   uma	
   fornida	
   rapariga	
   de	
  
                           grandes	
  ancas,	
  ofuscante	
  sensualidade.	
  
Tenta	
   falar	
   com	
   o	
   doutor	
   Castro	
   mas	
   não	
   consegue.	
   Quando	
   finalmente	
   consegue,	
  
visitando	
   a	
   sua	
   residência	
   particular	
   [casa	
   da	
   amante]	
   este	
   o	
   recebe	
   friamente	
  
dizendo	
   que	
   era	
   muito	
   difícil	
   arranjar	
   empregos	
   e	
   manda	
   o	
   procurar	
   no	
   outro	
   dia.	
  
Caminha	
  depois	
  descobre	
  que	
  o	
  deputado	
  estava	
  de	
  viagem	
  marcada	
  para	
  o	
  mesmo	
  
dia	
  e	
  é	
  tomado	
  por	
  um	
  acesso	
  de	
  raiva:	
  	
  
                           Patife!	
  Patife!	
  
                           A	
   minha	
   indignação	
   veio	
   encontrar	
   os	
   palestradores	
   no	
   máximo	
   de	
  
                           entusiasmo.	
   O	
   meu	
   ódio,	
   brotando	
   naquele	
   meio	
   de	
   satisfação,	
  
                           ganhou	
  mais	
  força	
  [...]	
  Gente	
  miserável	
  que	
  dá	
  sanção	
  aos	
  deputados,	
  
                           que	
   os	
   respeita	
   e	
   prestigia!	
   Porque	
   não	
   lhes	
   examinam	
   as	
   ações,	
   o	
  
                           que	
  fazem	
  e	
  para	
  que	
  servem?	
  Se	
  o	
  fizessem...	
  Ah!	
  Se	
  o	
  fizessem!	
  	
  
Com	
   o	
   dinheiro	
   no	
   fim,	
   sem	
   emprego,	
   recebe	
   uma	
   intimação	
   para	
   ir	
   à	
   delegacia.	
   O	
  
hotel	
  havia	
  sido	
  roubado	
  e	
  prestavam-­‐se	
  depoimentos.	
  	
  
Ao	
   ouvir	
   as	
   palavras	
   do	
   Capitão	
   Viveiros:	
   E	
   o	
   caso	
   do	
   Jenikalé?	
   Já	
   apareceu	
   o	
   tal	
  
"mulatinho"?	
  Isaías	
  reflete:	
  	
  
                           Não	
  tenho	
  pejo	
  em	
  confessar	
  hoje	
  que	
  quando	
  me	
  ouvi	
  tratado	
  assim,	
  
                           as	
  lágrimas	
  me	
  vieram	
  aos	
  olhos.	
  Eu	
  saíra	
  do	
  colégio,	
  vivera	
  sempre	
  
                           num	
   ambiente	
   artificial	
   de	
   consideração,	
   de	
   respeito,	
   de	
   atenções	
  
                           comigo	
  [...]	
  Hoje,	
  agora,	
  depois	
  não	
  sei	
  de	
  quantos	
  pontapés	
  destes	
  e	
  
                           outros	
  mais	
  brutais,	
  sou	
  outro,	
  insensível	
  e	
  cínico,	
  mais	
  forte	
  talvez;	
  
                           aos	
   meus	
   olhos,	
   porém,	
   muito	
   diminuído	
   de	
   mim	
   próprio,	
   do	
   meu	
  


	
                                                                                                                                            6	
  
primitivo	
   ideal	
   [...].	
   Entretanto,	
   isso	
   tudo	
   é	
   uma	
   questão	
   de	
  
                         semântica:	
  amanhã,	
  dentro	
  de	
  um	
  século,	
  não	
  terá	
  mais	
  significação	
  
                         injuriosa.	
  	
  
                         Essa	
   reflexão,	
   porém,	
   não	
   me	
   confortava	
   naquele	
   tempo,	
   porque	
  
                         sentia	
  na	
  baixeza	
  de	
  tratamento,	
  todo	
  o	
  desconhecimento	
  das	
  minhas	
  
                         qualidades,	
   o	
   julgamento	
   anterior	
   da	
   minha	
   personalidade	
   que	
   não	
  
                         queriam	
  ouvir,	
  sentir	
  e	
  examinar.	
  	
  
Levado	
  a	
  presença	
  do	
  delegado,	
  começa	
  o	
  interrogatório:	
  	
  
                         –	
  Qual	
  é	
  a	
  sua	
  profissão?	
  
                         –	
  Estudante.	
  
                         –	
  Estudante?!	
  
                         –	
  Sim,	
  senhor,	
  estudante,	
  repeti	
  com	
  firmeza.	
  
                         –	
  Qual	
  estudante,	
  qual	
  nada!	
  
                         A	
   sua	
   surpresa	
   deixara-­‐me	
   atônito.	
   Que	
   havia	
   nisso	
   de	
  
                         extraordinário,	
   de	
   impossível?	
   Se	
   havia	
   tanta	
   gente	
   besta	
   e	
   bronca	
  
                         que	
  o	
  era,	
  porque	
  não	
  o	
  podia	
  seu	
  eu?	
  Donde	
  lhe	
  vinha	
  a	
  admiração	
  
                         duvidosa?	
   Quis-­‐lhe	
   dar	
   uma	
   resposta	
   mas	
   as	
   interrogações	
   a	
   mim	
  
                         mesmo	
  me	
  enleavam.	
  Ele	
  por	
  sua	
  vez,	
  tomou	
  o	
  meu	
  embaraço	
  como	
  
                         prova	
  de	
  que	
  mentia.	
  
                         Com	
  ar	
  de	
  escarninho	
  perguntou:	
  
                         –	
  Então	
  você	
  é	
  estudante?	
  
                         Dessa	
   vez	
   tinha-­‐o	
   compreendido,	
   cheio	
   de	
   ódio,	
   cheio	
   de	
   um	
   santo	
  
                         ódio	
   que	
   nunca	
   mais	
   vi	
   chegar	
   em	
   mim.	
   Era	
   mais	
   uma	
   variante	
  
                         daquelas	
   tolas	
   humilhações	
   que	
   eu	
   já	
   sofrera;	
   era	
   o	
   sentimento	
   geral	
  
                         da	
   minha	
   inferioridade,	
   decretada	
   a	
   priori,	
   que	
   eu	
   adivinhei	
   na	
   sua	
  
                         pergunta.	
  	
  
O	
  delegado	
  continua	
  o	
  interrogatório	
  até	
  arrebatar	
  chamando	
  Caminha	
  de	
  malandro	
  e	
  
gatuno,	
   que,	
   sentindo	
   num	
   segundo	
   todas	
   as	
   injustiças	
   que	
   vinha	
   sofrendo	
   chama	
   o	
  
delegado	
  de	
  imbecil.	
  Foi	
  para	
  o	
  xadrez.	
  
Passa	
  pouco	
  mais	
  de	
  3	
  horas	
  na	
  cela	
  e	
  é	
  chamado	
  ao	
  delegado.	
  Este	
  se	
  mostra	
  amável,	
  
tratando-­‐o	
  por	
  meu	
  filho,	
  dando-­‐lhe	
  conselhos.	
  	
  
Após	
  o	
  incidente,	
  deixou	
  o	
  hotel,	
  procurando	
  abrigo	
  em	
  um	
  quartinho	
  de	
  fundos.	
  Lá	
  
conheceu	
   o	
   poeta	
   revolucionário	
   Abelardo	
   Leiva,	
   que	
   se	
   dizia	
   socialista	
   e	
   era	
  
secretário	
  do	
  Centro	
  de	
  Resistência	
  dos	
  Varredores	
  de	
  Rua.	
  O	
  poeta	
  vivia	
  pobremente,	
  
mas	
   curtia	
   sua	
   miséria,	
   gabava-­‐se	
   de	
   ter	
   participado	
   de	
   duas	
   greves	
   e	
   de	
   ter	
  
conscientizado	
   o	
   operariado.	
   Através	
   dele	
   freqüentou	
   as	
   reuniões	
   do	
   apostolado	
  
positivista	
   e	
   ouviu	
   as	
   prédicas	
   de	
   Teixeira	
   Mendes,	
   em	
   quem	
   Isaías	
   Caminha	
  
reconhece	
   um	
   impostor.	
   É	
   também	
   através	
   dele	
   que	
   desvenda	
   o	
   mistério	
   da	
   cidade	
  
que	
  o	
  acolheu	
  tão	
  friamente.	
  A	
  situação	
  do	
  protagonista	
  fica	
  cada	
  vez	
  pior.	
  
Não	
   havia	
   mais	
   dinheiro	
   para	
   seu	
   sustento.	
   Confessa	
   ter-­‐se	
   abandonado	
   à	
   miséria,	
  
pois	
  mal	
  comia	
  ou	
  comia	
  mal	
  e	
  sua	
  sobrevivência	
  em	
  parte	
  era	
  devida	
  ao	
  conterrâneo	
  
Agostinho	
  Marques.	
  


	
                                                                                                                                    7	
  
Por	
   fim,	
   Isaías	
   reencontra	
   o	
   jornalista	
   Gregoróvitch,	
   a	
   quem	
   confessou	
   suas	
   agruras	
   e	
  
os	
  sofrimentos	
  pelos	
  quais	
  estava	
  passando.	
  Gregoróvitch	
  lhe	
  arranja	
  um	
  lugar	
  como	
  
contínuo	
   no	
   jornal	
   O	
   globo.	
   A	
   partir	
   desse	
   momento,	
   a	
   obra	
   praticamente	
   gira	
   em	
  
torno	
  das	
  observações	
  que	
  o	
  personagem-­‐narrador	
  faz	
  da	
  rotina	
  do	
  jornal.	
  
Todas	
  as	
  características	
  dos	
  grandes	
  jornalistas,	
  desde	
  o	
  diretor	
  de	
  O	
  globo,	
  Ricardo	
  
Loberant,	
   aos	
   demais	
   redatores	
   e	
   jornalistas	
   são	
   explicitadas	
   de	
   maneira	
   cruel	
   e	
  
mordaz.	
  
O	
   diretor	
   é	
   retratado	
   como	
   ditador,	
   temido	
   por	
   todos,	
   com	
   apetite	
   de	
   mulheres	
   e	
  
prazer,	
   visando	
   somente	
   ao	
   aumento	
   das	
   vendas	
   do	
   seu	
   jornal.	
   São	
   apresentados,	
  
então,	
   inúmeros	
   jornalistas	
   como	
   Aires	
   d’Ávila,	
   redator-­‐chefe,	
   Leporace,	
   secretário,	
  
Adelermo	
   Caxias,	
   Oliveira,	
   Menezes,	
   Gregoróvitch.	
   A	
   tônica	
   de	
   O	
   globo	
   era	
   a	
   crítica	
  
acerba	
   ao	
   governo	
   e	
   seus	
   desmandos;	
   Loberant	
   se	
   considerava	
   o	
   moralizador	
   da	
  
República.	
  Isaías	
  se	
  admira	
  com	
  a	
  falta	
  de	
  conhecimento	
  e	
  dificuldade	
  para	
  escrever	
  
desses	
  homens	
  que	
  nas	
  ruas	
  eram	
  tratados	
  como	
  semi-­‐deuses	
  e	
  defensores	
  do	
  povo.	
  
Por	
  este	
  tempo,	
  Caminha	
  havia	
  perdido	
  suas	
  grandes	
  ambições	
  e	
  acostumava-­‐se	
  com	
  
o	
  trabalho	
  de	
  contínuo.	
  
É	
   notável	
   o	
   que	
   se	
   diz	
   do	
   crítico	
   literário	
   Floc	
   [Frederico	
   Lourenço	
   do	
   Couto]	
   e	
   do	
  
gramático	
   Lobo	
   –	
   os	
   dois	
   mais	
   altos	
   ápices	
   da	
   intelectualidade	
   de	
   O	
   globo.	
   Lobo	
   era	
  
defensor	
   do	
   purismo,	
   de	
   um	
   código	
   tirânico,	
   de	
   uma	
   língua	
   sagrada.	
   Acaba	
   num	
  
hospício,	
  sem	
  falar,	
  com	
  medo	
  de	
  que	
  o	
  falar	
  errado	
  o	
  tenha	
  impregnado	
  e	
  tapando	
  os	
  
ouvidos	
  para	
  não	
  ouvir.	
  
Floc	
  confundia	
  arte,	
  literatura,	
  pensamento	
  com	
  distrações	
  de	
  salão;	
  não	
  lhes	
  sentia	
  o	
  
grande	
  fundo	
  natural,	
  o	
  que	
  pode	
  haver	
  de	
  grandioso	
  na	
  função	
  da	
  Arte.	
  Para	
  ele,	
  arte	
  
era	
   recitar	
   versos	
   nas	
   salas,	
   requestar	
   atrizes	
   e	
   pintar	
   umas	
   aquarelas	
   lambidas,	
  
falsamente	
  melancólicas.	
  [...]	
  as	
  suas	
  regras	
  estéticas	
  eram	
  as	
  suas	
  relações	
  com	
  o	
  autor,	
  
as	
  recomendações	
  recebidas,	
  os	
  títulos	
  universitários,	
  o	
  nascimento	
  e	
  a	
  condição	
  social.	
  
Certa	
   noite,	
   volta	
   entusiasmado	
   de	
   uma	
   apresentação	
   de	
   música	
   e	
   vai	
   escrever	
   a	
  
crônica	
   para	
   o	
   dia	
   seguinte.	
   Após	
   algum	
   tempo,	
   o	
   paginador	
   o	
   apressa.	
   Ele	
   manda	
  
esperar.	
   Floc	
   tenta	
   escrever	
   o	
   que	
   viu	
   e	
   ouvira,	
   mas	
   seu	
   poder	
   criativo	
   é	
   nulo,	
   sua	
  
capacidade	
   é	
   fraca.	
   Ele	
   se	
   desespera.	
   O	
   que	
   escreve	
   rasga.	
   Após	
   novo	
   pedido	
   do	
  
paginador,	
  ele	
  se	
  levanta,	
  dirige-­‐se	
  a	
  um	
  compartimento	
  próximo	
  e	
  se	
  suicida	
  com	
  um	
  
tiro	
  na	
  cabeça.	
  
Estando	
   a	
   redação	
   praticamente	
   vazia,	
   o	
   redator	
   de	
   plantão	
   chama	
   Isaías	
   e	
   pede	
   para	
  
que	
  ele	
  se	
  dirija	
  para	
  o	
  local	
  onde	
  Ricardo	
  Loberant	
  se	
  encontra	
  e	
  jurasse	
  que	
  nunca	
  
diria	
   o	
   que	
   viu:	
   Isaías	
   vai	
   ao	
   local	
   indicado	
   e	
   surpreende	
   Loberant	
   e	
   Aires	
   d’Ávila	
  
numa	
  sessão	
  de	
  orgia	
  e	
  os	
  chama	
  apressadamente	
  para	
  o	
  jornal.	
  
Para	
   não	
   ser	
   desmoralizado,	
   o	
   dono	
   do	
   jornal	
   passa	
   a	
   protegê-­‐lo	
   e,	
   pela	
   primeira	
   vez,	
  
o	
  rapaz	
  tem	
  a	
  oportunidade	
  de	
  mostrar	
  seus	
  reais	
  dotes	
  jornalísticos.	
  
Caminha	
  é	
  promovido,	
  passa	
  a	
  trabalhar	
  na	
  redação	
  e	
  tem	
  seu	
  ordenado	
  aumentado.	
  
Entretanto,	
  alguns	
  repórteres	
  implicam	
  com	
  o	
  protagonista.	
  Eis	
  o	
  episódio:	
  
                            No	
   quinto	
   dia	
   em	
   que	
   eu	
   fazia	
   reportagem,	
   um	
   outro	
   repórter	
  
                            arrebatou-­‐me	
  das	
  mãos	
  umas	
  notas	
  que	
  eu	
  copiava.	
  Incontinenti,	
  fui	
  
                            ao	
  diretor	
  e	
  o	
  velho	
  funcionário	
  obrigou-­‐o	
  a	
  restituir-­‐mas.	
  Quando	
  o	
  
                            fez,	
  gritou	
  na	
  portaria:	
  


	
                                                                                                                                              8	
  
–Tome,	
  “seu”	
  moleque!	
  Você	
  saiu	
  da	
  cozinha	
  do	
  Loberant	
  para	
  fazer	
  
                           reportagem.	
  
A	
  alusão	
  à	
  origem	
  de	
  Caminha	
  transtorna-­‐o.	
  Não	
  faz	
  nada	
  de	
  imediato,	
  mas	
  encontra	
  o	
  
funcionário	
  na	
  rua	
  e	
  o	
  agride,	
  indo	
  parar	
  na	
  delegacia.	
  
Pela	
   primeira	
   vez	
   na	
   vida,	
   tinha	
   consciência	
   de	
   que	
   não	
   havia	
   se	
   deixado	
   humilhar.	
  
Loberant,	
   desse	
   dia	
   em	
   diante,	
   deu	
   mais	
   apoio	
   a	
   seu	
   tutelado.	
   Todos	
   da	
   redação	
   do	
  
jornal	
  passaram	
  a	
  considerá-­‐lo	
  e	
  a	
  respeitá-­‐lo.	
  O	
  diretor	
  do	
  jornal,	
  como	
  que	
  movido	
  
pelo	
   remorso	
   de	
   tê-­‐lo	
   deixado	
   tanto	
   tempo	
   como	
   contínuo,	
   passou	
   a	
   cobrir-­‐lhe	
   de	
  
dinheiro	
  e	
  atenções,	
  levava-­‐o	
  a	
  toda	
  a	
  parte	
   elogiando-­‐lhe	
  o	
  talento,	
  a	
  inteligência	
  e	
  a	
  
cultura.	
  
O	
   protagonista	
   ganha	
   a	
   proteção	
   e	
   dinheiro	
   de	
   Ricardo	
   Loberant.	
   Depois	
   da	
   euforia	
  
inicial,	
  Isaías	
  se	
  ressente.	
  	
  
                           Lembrava-­‐me	
   de	
   que	
   deixara	
   toda	
   a	
   minha	
   vida	
   ao	
   acaso	
   e	
   que	
   a	
   não	
  
                           pusera	
  ao	
  estudo	
  e	
  ao	
  trabalho	
  com	
  a	
  força	
  de	
  que	
  era	
  capaz.	
  Sentia-­‐
                           me	
   repelente,	
   repelente	
   de	
   fraqueza,	
   de	
   falta	
   de	
   decisão	
   e	
   mais	
  
                           amolecido	
  agora	
  com	
  o	
  álcool	
  e	
  com	
  os	
  prazeres...	
  Sentia-­‐me	
  parasita,	
  
                           adulando	
  o	
  diretor	
  para	
  obter	
  dinheiro...	
  	
  
Isaías	
   abandona	
   a	
   sua	
   vida	
   confortável	
   e	
   repleta	
   de	
   boas	
   relações	
   para	
   retornar	
   à	
  
terra	
   natal	
   com	
   a	
   finalidade	
   de	
   encontrar	
   um	
   casamento	
   por	
   lá	
   e	
   viver	
   uma	
   vida	
  
diferente	
  daquela	
  que	
  levava.	
  Já	
  casado,	
  mas	
  sem	
  filhos	
  porque	
  perdera	
  os	
  dois	
  que	
  
tivera,	
   resolve	
   registrar	
   as	
   suas	
   recordações	
   em	
   uma	
   espécie	
   de	
   livro	
   de	
   memória,	
   de	
  
onde	
  surgem	
  as	
  Recordações	
  do	
  Escrivão	
  Isaías	
  Caminha.	
  
FOCO	
  NARRATIVO	
  
No	
   prefácio	
   de	
   Recordações	
   do	
   escrivão	
   Isaías	
   Caminha,	
   Lima	
   Barreto	
   afirma	
   ser	
  
apenas	
   o	
   editor	
   da	
   obra.	
   O	
   autor,	
   e	
   também	
   narrador,	
   segundo	
   este,	
   é	
   Isaías	
   Caminha,	
  
seu	
  amigo.	
  
Caminha,	
   quando	
   decide	
   escrever	
   suas	
   recordações	
   está	
   tomado	
   por	
   uma	
   enorme	
  
frustração:	
   sentia-­‐me	
   desgostoso	
   por	
   não	
   ter	
   tirado	
   de	
   mim	
   nada	
   de	
   grande.	
   Nessa	
  
época,	
   já	
   não	
   era	
   o	
   rapaz	
   pobre	
   e	
   ingênuo	
   recém-­‐saído	
   de	
   uma	
   cidadezinha	
   do	
  
interior.	
   Mas	
   também	
   não	
   era	
   alguém	
   reconhecido	
   por	
   grandes	
   obras,	
   não	
   era	
   doutor	
  
[seu	
  objetivo	
  inicial].	
  Embora	
  já	
  se	
  sustentasse	
  pelos	
  próprios	
  méritos,	
  a	
  função	
  que	
  
desempenhava	
  [a	
  de	
  escrivão	
  na	
  Coletoria	
  de	
  Caxambi]	
  era	
  modesta.	
  Quanto	
  à	
  fase	
  da	
  
vida	
   que	
   encerra	
   a	
   sua	
   narração,	
   não	
   constitui	
   exatamente	
   um	
   modelo,	
   visto	
   que	
  
passa	
  a	
  desempenhar	
  a	
  função	
  de	
  jornalista	
  de	
  O	
  globo	
  em	
  troca	
  do	
  sigilo	
  a	
  respeito	
  
de	
   um	
   episódio	
   da	
   vida	
   pessoal	
   do	
   diretor	
   do	
   jornal,	
   e,	
   assumidamente,	
   ganha	
  
dinheiro	
  adulando	
  seu	
  chefe.	
  
Isaías	
   narra,	
   pois,	
   da	
   condição	
   de	
   excluído:	
   Crime	
   fora	
   de	
   minha	
   sociedade,	
   fora	
   do	
  
agrupamento	
   a	
   que	
   tacitamente	
   eu	
   concedia	
   alguma	
   coisa	
   e	
   que	
   em	
   troca	
   me	
   dava	
  
também	
  alguma	
  cousa.	
  
E	
   vem	
   a	
   público	
   exteriorizar	
   sua	
   indignação	
   e	
   toda	
   uma	
   teoria	
   a	
   respeito	
   dos	
   fatos	
  
alegados	
   no	
   artigo	
   a	
   que	
   desejava	
   se	
   contrapor.	
   Mas	
   é,	
   sem	
   dúvida,	
   um	
   excluído	
  
diferenciado:	
  embora	
  pobre	
  e	
  mulato,	
  é	
  letrado	
  [sua	
  condição	
  combina,	
  portanto,	
  dois	
  
mundos	
  antagônicos	
  para	
  a	
  época].	
  



	
                                                                                                                                                 9	
  
O	
  acesso	
  às	
  letras	
  lhe	
  vem	
  graças	
  a	
  sua	
  filiação	
  que,	
  se	
  por	
  um	
  lado	
  o	
  beneficia,	
  por	
  
outro	
  lado	
  reforça	
  a	
  exclusão,	
  afinal,	
  é	
  bom	
  lembrar,	
  Isaías	
  é	
  filho	
  de	
  um	
  padre,	
  uma	
  
filiação	
  que	
  ainda	
  hoje	
  não	
  é	
  nada	
  cômoda.	
  Toda	
  essa	
  situação	
  contribui	
  para	
  nosso	
  
narrador	
  se	
  sentir	
  isolado,	
  visto	
  não	
  se	
  integrar	
  perfeitamente	
  nem	
  ao	
  grupo	
  em	
  que	
  
teve	
   origem,	
   nem	
   ao	
   grupo	
   dos	
   letrados,	
   situação	
   confirmada	
   pela	
   contraposição	
  
estabelecida	
   entre	
   a	
   Inteligência	
   do	
   pai	
   e	
   a	
   ignorância	
   da	
   mãe	
   ou,	
   mais	
   tarde,	
   a	
  
estupidez	
   das	
   multidões	
   e	
   a	
   fábula	
   da	
   imprensa	
   e,	
   no	
   limite,	
   até	
   pela	
   condição	
   de	
  
mulato.	
  
Quando	
  escreve	
  o	
  prefácio,	
  o	
  narrador	
  já	
  não	
  faz	
  mais	
  parte	
  da	
  equipe	
  de	
  O	
  globo,	
  mas	
  
continua	
   melancólico,	
   afinal,	
   os	
   planos	
   de	
   seu	
   pai	
   e	
   os	
   seus	
   próprios	
   sonhos	
   não	
  
condiziam	
   com	
   o	
   cargo	
   de	
   escrivão	
   da	
   Coletoria	
   Federal	
   de	
   “Catumbi”.	
   Até	
   esse	
  
momento	
  sua	
  solidão	
  só	
  se	
  ameniza	
  com	
  o	
  auxílio	
  daquele	
  que	
  lê	
  e	
  edita	
  a	
  sua	
  obra:	
  
Lima	
  Barreto	
  o	
  qual	
  o	
  irá	
  “abandonar”,	
  por	
  sua	
  vez,	
  dez	
  anos	
  após	
  a	
  primeira	
  edição	
  
do	
  romance	
  quando	
  Isaías	
  alcança	
  a	
  condição	
  de	
  representante	
  do	
  Espírito	
  Santo	
  na	
  
Assembléia	
   Estadual	
   e	
   está	
   prestes	
   a	
   eleger-­‐se	
   deputado	
   federal.	
   Rico,	
   segundo	
   nos	
  
informa	
   seu	
   editor,	
   já	
   perdera	
   muito	
   da	
   sua	
   amargura	
   e	
   talvez	
   para	
   aquele	
   o	
   seu	
  
aspecto	
   mais	
   interessante:	
   o	
   meu	
   amigo	
   perdeu	
   muito	
   da	
   sua	
   amargura,	
   tem	
   passeado	
  
pelo	
   Rio	
   com	
   belas	
   fatiotas,	
   já	
   foi	
   ao	
   Municipal,	
   frequenta	
   as	
   casas	
   de	
   chá,	
   Esta	
  
informação	
   nos	
   é	
   dada	
   não	
   sem	
   um	
   ar	
   de	
   lamentação:	
   Deus	
   escreve	
   certo	
   por	
   linhas	
  
tortas,	
   dizem.	
   Será	
   mesmo	
   isso	
   ou	
   será	
   de	
   lamentar	
   que	
   a	
   felicidade	
   vulgar	
   tenha	
  
afogado,	
  asfixiado	
  um	
  espírito	
  tão	
  singular?	
  Quem	
  sabe	
  lá?	
  
A	
  LINGUAGEM	
  
A	
   linguagem	
   utilizada	
   no	
   romance	
   é	
   pré-­‐modernista,	
   pois	
   se	
   aproxima	
   daquela	
   da	
  
imprensa	
  e	
  portanto,	
  mais	
  acessível	
  a	
  um	
  público	
  diversificado.	
  O	
  autor,	
  Lima	
  Barreto,	
  
tem	
   a	
   preocupação	
   de	
   usar	
   um	
   registro	
   mais	
   próximo	
   do	
   cotidiano	
   das	
   pessoas,	
   além	
  
do	
   fato	
   de	
   ele	
   trabalhar	
   com	
   uma	
   galeria	
   de	
   personagens	
   populares	
   o	
   que	
   o	
   fazia	
  
adotar	
  a	
  sua	
  fala	
  recheada	
  de	
  expressões	
  extremamente	
  coloquiais.	
  A	
  sua	
  escrita	
  era,	
  
antes	
   de	
   mais	
   nada,	
   uma	
   expressão	
   de	
   sua	
   consciência	
   crítica	
   na	
   representação	
   de	
  
uma	
  realidade	
  social	
  até	
  então	
  quase	
  ignorada	
  pela	
  literatura	
  tradicional.	
  
Lima	
  concorda	
  com	
  quase	
  todo	
  o	
  discurso	
  de	
  Isaías,	
  sua	
  necessidade	
  de	
  se	
  contrapor	
  
ao	
  artigo,	
  sua	
  teoria	
  de	
  que	
  a	
  sociedade,	
  e	
  não	
  a	
  raça,	
  eram	
  responsáveis	
  pelo	
  fato	
  de	
  
os	
   negros	
   não	
   confirmarem	
   ao	
   longo	
   da	
   vida	
   o	
   talento	
   muitas	
   vezes	
   demonstrado	
   nas	
  
primeiras	
   idades...	
   A	
   única	
   objeção	
   posta	
   aos	
   seus	
   argumentos	
   diz	
   respeito	
   à	
   sua	
  
preocupação	
  com	
  o	
  estilo.	
  Diz	
  Isaías:	
  
                           Perdoem-­‐me	
  os	
  leitores	
  a	
  pobreza	
  da	
  minha	
  narração.	
  
                           Não	
  sou	
  propriamente	
  um	
  literato,	
  não	
  me	
  inscrevi	
  nos	
  registros	
  da	
  
                           Livraria	
   Garnier,	
   do	
   Rio,	
   nunca	
   vesti	
   casaca	
   e	
   os	
   grandes	
   jornais	
   da	
  
                           Capital	
   ainda	
   não	
   me	
   aclamaram	
   como	
   tal	
   –	
   o	
   que	
   de	
   sobra,	
   me	
  
                           parece,	
  são	
  motivos	
  bastante	
  sérios,	
  para	
  desculparem	
  a	
  minha	
  falta	
  
                           de	
  estilo	
  e	
  capacidade	
  literária.	
  
Esta	
   preocupação	
   da	
   parte	
   do	
   “autor”	
   cria	
   uma	
   ótima	
   oportunidade	
   para	
   o	
   “editor”	
  
expressar	
   sua	
   opinião	
   acerca	
   desta	
   quase	
   obsessão	
   reinante	
   na	
   nossa	
   literatura	
   do	
  
período	
   e	
   se	
   contrapor	
   diretamente	
   aos	
   literatos	
   da	
   época:	
   Afora	
   as	
   cousas	
   da	
  
‘Garnier’	
   e	
   da	
   ‘casaca’,	
   e	
   dos	
   ‘jornais’,	
   que	
   são	
   preconceitos	
   provincianos,	
   o	
   prefácio,	
  
penso	
  eu,	
  consolida	
  a	
  obra	
  e	
  a	
  explica,	
  como	
  os	
  leitores	
  irão	
  ver.	
  É	
  importante	
  notar	
  que	
  


	
                                                                                                                                        10	
  
o	
  adjetivo	
  “provinciano”	
  subverte	
  uma	
  relação	
  já	
  estabelecida	
  naquela	
  sociedade	
  em	
  
que	
  ser	
  “moderno”	
  era	
  praticar	
  aqui	
  as	
  tendências	
  dominantes	
  na	
  Europa.	
  
Para	
   Lima	
   Barreto,	
   parece	
   claro,	
   esse	
   comportamento	
   era	
   signo	
   de	
   atraso,	
   donde	
   se	
  
conclui	
  que	
  atual,	
  positiva,	
  “de	
  vanguarda”	
  mesmo,	
  seria	
  a	
  “falta	
  de	
  estilo”	
  de	
  Isaías.	
  
Nota-­‐se	
  também,	
  com	
  a	
  leitura	
  do	
  romance,	
  que	
  a	
  promessa	
  feita	
  pelo	
  editor,	
  segundo	
  
a	
  qual	
  o	
  prefácio	
  consolidaria	
  e	
  explicaria	
  a	
  obra,	
  essa	
  de	
  fato	
  é	
  cumprida,	
  afinal,	
  no	
  
decorrer	
   de	
   todo	
   o	
   romance,	
   será	
   denunciado	
   o	
   artificialismo	
   lingüístico	
   então	
  
predominante	
   nas	
   letras	
   brasileiras,	
   especialmente	
   através	
   do	
   personagem	
   Lobo,	
   o	
  
revisor	
  do	
  jornal,	
  obcecado	
  por	
  regras	
  gramaticais:	
  A	
  gramática	
  do	
  velho	
  professor	
  era	
  
de	
   miopia	
   exagerada.	
   Não	
   admitia	
   equivalências,	
   variantes;	
   era	
   um	
   código	
   tirânico,	
  
uma	
  espécie	
  de	
  colete	
  de	
  força	
  em	
  que	
  vestira	
  as	
  suas	
  pobres	
  idéias	
  e	
  queria	
  vestir	
  as	
  dos	
  
outros.	
  
Para	
   este	
   personagem,	
   facilmente	
   associado	
   aos	
   puristas	
   da	
   época	
   –	
   para	
   quem	
   a	
  
língua	
   no	
   Brasil	
   deveria	
   ser	
   idêntica	
   à	
   usada	
   em	
   Portugal	
   pelos	
   seus	
   melhores	
  
escritores	
  –,	
  a	
  língua	
  falada	
  no	
  Brasil	
  não	
  passava	
  de	
  “vazadouro	
  de	
  imundícies”.	
  
O	
   “colete	
   de	
   força”	
   ao	
   qual	
   se	
   refere	
   Isaías,	
   estava	
   óbvio,	
   era	
   mais	
   um	
   instrumento	
   de	
  
opressão	
   e	
   desvalorização	
   da	
   população	
   menos	
   favorecida.	
   E	
   mais	
   uma	
   tentativa	
   de	
  
impor	
   aqui	
   padrões	
   europeus	
   que	
   já	
   se	
   sobrepujavam	
   na	
   música,	
   nas	
   vestimentas,	
   no	
  
comportamento.	
  No	
  fundo,	
  uma	
  atitude	
  equivalente	
  àquela	
  tomada	
  pelo	
  governo	
  que,	
  
com	
  o	
  Bota-­‐Abaixo	
  expulsara	
  os	
  pobres	
  do	
  centro	
  da	
  cidade.	
  
A	
   oposição	
   entre	
   gramática	
   e	
   coisa	
   para	
   o	
   povo	
   fica	
   clara	
   na	
   passagem	
   em	
   que	
   o	
  
personagem	
   Loberant	
   percebe	
   estar	
   o	
   excesso	
   de	
   preocupação	
   com	
   as	
   regras	
  
gramaticais	
   tornando	
   O	
   globo	
   menos	
   aceito	
   pela	
   população	
   e,	
   portanto,	
   vendendo	
  
menos	
   que	
   o	
   seu	
   rival,	
   o	
   Jornal	
   do	
   Brasil:	
   Não	
   quero	
   mais	
   gramática,	
   nem	
   literatura	
  
aqui!...	
  Nada!	
  Nada!	
  De	
  lado	
  essas	
  porcarias	
  todas...	
  Coisa	
  para	
  o	
  povo	
  é,	
  é	
  que	
  eu	
  quero!	
  
Ao	
   dar	
   destaque	
   a	
   esta	
   afirmação,	
   o	
   narrador	
   expressa	
   também	
   a	
   sua	
   indignação	
  
frente	
  ao	
  uso	
  de	
  uma	
  língua	
  que	
  não	
  cumpria	
  a	
  sua	
  função	
  essencial,	
  a	
  comunicação,	
  e	
  
servia	
  de	
  um	
  lado	
  para	
  a	
  satisfação	
  pessoal	
  de	
  alguns	
  que	
  procuravam	
  compensar	
  a	
  
pouca	
   competência	
   e	
   criatividade	
   com	
   a	
   ostentação	
   de	
   um	
   saber	
   superficial	
   e,	
   de	
  
outro	
   lado,	
   como	
   eficiente	
   instrumento	
   de	
   opressão	
   da	
   população	
   pobre	
   cada	
   vez	
  
mais	
  excluída	
  dos	
  processos	
  de	
  decisão	
  a	
  respeito	
  dos	
  fatos	
  que	
  dominavam	
  o	
  país.	
  
A	
  contraposição	
  ao	
  purismo	
  torna-­‐se	
  ainda	
  mais	
  flagrante	
  com	
  o	
  enlouquecimento	
  do	
  
personagem	
  Lobo,	
  uma	
  espécie	
  de	
  alegoria	
  indicadora	
  de	
  que	
  a	
  obsessão	
  em	
  torno	
  da	
  
pureza	
   da	
   língua	
   era	
   um	
   indício	
   de	
   inadaptação	
   à	
   realidade	
   social.	
   Esse	
   processo	
  
avança	
  até	
  o	
  ponto	
  em	
  que	
  outro	
  personagem	
  purista,	
  o	
  Floc,	
  se	
  suicida	
  e	
  termina	
  por	
  
configurar	
  a	
  impossibilidade	
  de	
  conciliação	
  entre	
  realidade	
  brasileira	
  e	
  texto	
  escrito	
  
de	
  acordo	
  com	
  os	
  moldes	
  da	
  Academia,	
  um	
  dos	
  pontos	
  centrais	
  do	
  romance.	
  
A	
  utilização,	
  portanto,	
  de	
  uma	
  linguagem	
  mais	
  próxima	
  daquela	
  usada	
  pela	
  maioria	
  da	
  
população	
  deixa	
  entrever	
  o	
  desejo,	
  em	
  Recordações	
  do	
  escrivão	
  Isaías	
  Caminha,	
  de	
  se	
  
alcançar	
   a	
   inclusão	
   social	
   das	
   camadas	
   populares	
   cuja	
   pequena	
   parcela	
   leitora	
  
deveria,	
   no	
   mínimo,	
   entender	
   com	
   clareza	
   a	
   obra	
   e,	
   dessa	
   maneira,	
   poder	
   ver	
   sua	
  
própria	
  realidade	
  com	
  olhar	
  mais	
  crítico.	
  Para	
  Caminha	
  e	
  também	
  para	
  Lima	
  Barreto	
  
[a	
   julgar	
   por	
   esta	
   e	
   outras	
   obras	
   suas	
   como	
   Os	
   bruzundangas,	
   por	
   exemplo],	
   a	
  
conciliação	
   entre	
   literatura	
   nos	
   moldes	
   europeus	
   e	
   realidade	
   local	
   não	
   parecia	
   ser	
  
possível,	
   afinal,	
   segundo	
   aquele,	
   os	
   estrangeiros	
   tinham	
   pouco,	
   ou	
   quase	
   nada	
   para	
  


	
                                                                                                                                               11	
  
nos	
   oferecer:	
   E	
   por	
   detrás	
   dela	
   [da	
   imprensa]	
   estão	
   os	
   estrangeiros,	
   senão	
   inimigos	
  
nossos,	
  mas	
  quase	
  sempre	
  indiferentes	
  às	
  nossas	
  aspirações...	
  
Lima,	
  portanto,	
  se	
  utiliza	
  da	
  forma	
  romance	
  para	
  se	
  contrapor	
  às	
  “regras	
  ditadas”	
  pela	
  
metrópole.	
  Seu	
  modo	
  de	
  o	
  fazer	
  é	
  rompendo	
  com	
  a	
  estética	
  da	
  Academia	
  repleta	
  de	
  
artifícios	
   verbais	
   e	
   fiel	
   à	
   língua	
   portuguesa	
   praticada	
   na	
   Europa,	
   símbolos	
   de	
   uma	
  
sociedade	
  a	
  que	
  nosso	
  autor	
  desejava	
  ardentemente	
  se	
  contrapor.	
  
UM	
  ROMAN	
  À	
  CLEF:	
  A	
  CRÍTICA	
  AO	
  JORNALISMO	
  DO	
  INÍCIO	
  DO	
  SÉCULO	
  XX	
  
O	
  jornalismo,	
  no	
  caso	
  de	
  Recordações	
  do	
  escrivão	
  Isaías	
  Caminha,	
  é	
  alvo	
  do	
  ranço	
  do	
  
protagonista.	
   Ao	
   tematizá-­‐lo,	
   Lima	
   Barreto	
   buscou	
   salientar	
   que,	
   na	
   prática	
  
jornalística,	
  frequentemente,	
  a	
  informação	
  está	
  em	
  último	
  plano.	
  
Ao	
   longo	
   da	
   trama,	
   Lima	
   Barreto	
   realiza	
   uma	
   verdadeira	
   cartografia	
   do	
   ambiente	
  
jornalístico	
  de	
  O	
  globo	
  e	
  das	
  figuras	
  que	
  lá	
  atuam.	
  Aspectos	
  como	
  a	
  pseudo-­‐erudição	
  
dos	
   jornalistas,	
   o	
   despotismo	
   do	
   diretor	
   e,	
   sobretudo,	
   os	
   interesses	
   mercantis	
   e	
  
políticos	
  que	
  se	
  impunham	
  sobre	
  a	
  informação	
  e	
  a	
  verdade	
  dos	
  fatos,	
  são	
  enfocados.	
  
Na	
   trama,	
   Lima	
   Barreto	
   constrói	
   personagens	
   caricatos,	
   em	
   que	
   a	
   devassidão	
   e	
   a	
  
arrogância,	
   a	
   falta	
   de	
   caráter	
   e	
   os	
   interesses	
   mercantis	
   são	
   amplamente	
   destacados,	
  
como	
   é	
   o	
   caso	
   de	
   Ricardo	
   Loberant,	
   diretor	
   do	
   jornal.	
   O	
   jornal	
   onde	
   trabalhava	
   trazia	
  
novidade:	
   além	
   de	
   desabrimento	
   de	
   linguagem	
   e	
   um	
   franco	
   ataque	
   aos	
   dominantes,	
  
uma	
  afetação	
  de	
  absoluta	
  austeridade	
  e	
  independência	
  [...]	
  O	
  globo	
  levantou	
  a	
  crítica,	
  
ergueu-­‐a	
  aos	
  graúdos,	
  ao	
  presidente,	
  aos	
  ministros,	
  aos	
  capitalistas,	
  aos	
  juízes,	
  e	
  nunca	
  
houve	
  tão	
  cínicos	
  e	
  tão	
  ladrões.	
  
Outra	
   personagem	
   que	
   merece	
   destaque	
   é	
   Leporace,	
   o	
   arrogante	
   secretário	
   do	
   jornal,	
  
sumidade	
   em	
   literatura	
   e	
   jornalismo,	
   árbitro	
   do	
   mérito,	
   distribuidor	
   de	
   gênios	
   e	
  
talentos.	
   A	
   crítica	
   a	
   tais	
   figuras	
   é	
   carregada	
   de	
   ironia	
   e	
   acidez.	
   Lima	
   Barreto	
   fez	
  
questão	
   de,	
   pela	
   “voz”	
   de	
   Isaías,	
   denunciar	
   os	
   valores	
   que,	
   na	
   sociedade,	
   definiam	
   o	
  
que	
  seria	
  um	
  bom	
  literato.	
  Essa	
  foi	
  a	
  principal	
  razão	
  da	
  rejeição	
  que	
  experimentou,	
  ao	
  
longo	
   de	
   sua	
   carreira.	
   Frederico	
   Lourenço	
   do	
   Couto,	
   o	
   crítico	
   literário	
   de	
   O	
   globo,	
  
assinava	
   artigos	
   com	
   o	
   pseudônimo	
   de	
   Floc.	
   Era	
   tido	
   como	
   alguém	
   entendido	
   em	
  
Literatura	
  e	
  assuntos	
  internacionais	
  e	
  por	
  isso	
  era	
  considerado	
  a	
  alta	
  intelectualidade	
  
do	
   jornal.	
   Não	
   se	
   metia	
   em	
   polêmicas	
   ou	
   em	
   escândalos.	
   Isaías	
   comparava-­‐o	
   a	
   uma	
  
águia,	
  mas	
  detalhou,	
  e	
  forma	
  irônica,	
  os	
  “requisitos”	
  que,	
  para	
  Floc,	
  consagravam	
  um	
  
grande	
   escritor.	
   Ivã	
   Gregoróvitch	
   Rostolóf,	
   jornalista	
   russo,	
   era	
   tido	
   como	
   a	
   artilharia	
  
do	
   jornal.	
   Em	
   estilo	
   violento,	
   tecia	
   críticas	
   aos	
   adversários.	
   Em	
   algumas	
   passagens,	
  
seu	
  caráter	
  agressivo	
  fica	
  evidenciado.	
  	
  
O	
   fato	
   de	
   Recordações	
   do	
   escrivão	
   Isaías	
   Caminha	
   ser	
   tido	
   como	
   uma	
   trama	
   satírica,	
  
em	
   que	
   o	
   autor	
   busca	
   refletir	
   a	
   sociedade	
   na	
   qual	
   viveu,	
   leva	
   a	
   refletir	
   sobre	
   uma	
  
questão	
   importante.	
   Seria	
   a	
   obra	
   o	
   que	
   se	
   denomina	
   roman	
   à	
   cléf,	
   no	
   qual	
   são	
  
reproduzidos,	
  sobre	
  a	
  máscara	
  ficcional,	
  uma	
  situação	
  e	
  um	
  grupo	
  de	
  pessoas	
  reais?	
  
Cabe,	
  nesse	
  contexto,	
  destacar	
  o	
  conceito	
  acima	
  tratado.	
  Um	
  romance	
  à	
  cléf	
  ou	
  roman	
  
à	
  clé	
  é	
  uma	
  narrativa	
  que	
  descreve	
  eventos	
  da	
  vida	
  real	
  por	
  detrás	
  de	
  uma	
  fachada	
  de	
  
ficção.	
   Tida	
   como	
   pastiche,	
   a	
   trama	
   não	
   pode	
   ser	
   contestada	
   e	
   o	
   autor	
   mantém-­‐se	
  
imune	
  a	
  possíveis	
  críticas	
  e	
  represálias.	
  Trata-­‐se	
  de	
  um	
  subterfúgio	
  literário,	
  em	
  que	
  o	
  
narrador	
  fala,	
  critica	
  e	
  denuncia	
  sem,	
  no	
  entanto,	
  comprometer	
  o	
  autor,	
  podendo	
  este	
  
alegar	
  ser	
  apenas	
  “uma	
  história”,	
  tal	
  como	
  o	
  fez	
  Lima	
  Barreto.	
  A	
  chave,	
  não	
  contida	
  no	
  
texto,	
   é	
   a	
   correspondência	
   entre	
   os	
   eventos	
   e	
   personagens	
   do	
   romance	
   e	
   os	
  


	
                                                                                                                                           12	
  
acontecimentos	
  e	
  personalidades	
  da	
  vida	
  real.	
  O	
  motivo	
  que	
  leva	
  um	
  escritor	
  a	
  apelar	
  
para	
  este	
  recurso	
  é,	
  justamente,	
  o	
  de	
  satirizar.	
  Tematizando,	
  coloca	
  na	
  berlinda	
  uma	
  
situação	
  e	
  as	
  pessoas	
  envolvidas	
  nesta.	
  Portanto,	
  mesmo	
  que	
  a	
  obra	
  de	
  Lima	
  Barreto	
  
não	
   seja	
   autobiográfica,	
   assim	
   mesmo	
   pode	
   ser	
   considerada	
   um	
   roman	
   à	
   cléf,	
   cuja	
  
chave	
   é	
   a	
   crítica	
   que	
   ele,	
   metonimicamente,	
   empreende	
   à	
   sociedade	
   carioca	
   e	
   aos	
  
literatos	
  ‘da	
  moda’	
  do	
  idos	
  de	
  1905-­‐1910.	
  	
  
CAMINHA,	
  UM	
  NARRADOR	
  ENGAJADO	
  
Caminha	
   era	
   filho	
   de	
   um	
   padre,	
   assim	
   a	
   sua	
   existência	
   se	
   reveste	
   de	
   certa	
   aura	
   de	
  
sacralidade,	
  embora,	
  marcada	
  pelo	
  tabu.	
  E	
  essa	
  origem	
  será	
  a	
  tônica	
  por	
  trás	
  do	
  seu	
  
ideal	
   de	
   missão.	
   A	
   desigualdade	
   dentro	
   do	
   lar,	
   de	
   nível	
   mental,	
   agiu	
   sobre	
   ele	
   de	
  
forma	
  curiosa,	
  deu-­‐lhe	
  anseios	
  de	
  inteligência.	
  Da	
  mãe	
  recebe	
  a	
  cor,	
  a	
  mãe	
  que	
  vivia	
  na	
  
sua	
   ignorância,	
   ela	
   que	
   era	
   o	
   seu	
   socorro	
   financeiro	
   na	
   viagem	
   ao	
   Rio	
   de	
   Janeiro.	
   Mas	
  
é	
  do	
  pai,	
  aquele	
  homem	
  culto	
  e	
  santo	
  que	
  pecara	
  apenas	
  uma	
  vez,	
  que	
  herdará	
  a	
  sua	
  
visão	
  de	
  mundo.	
  Visão	
  que	
  impunha	
  uma	
  missão,	
  não	
  se	
  calar.	
  
O	
  velho	
  Isaías,	
  repensando	
  a	
  sua	
  juventude,	
  percebe	
  o	
  afastamento	
  da	
  sua	
  missão	
  e	
  a	
  
contemporizarão	
  com	
  os	
  ideais	
  que	
  abominava.	
  
                            Hoje,	
  agora,	
  depois	
  não	
  sei	
  de	
  quantos	
  pontapés	
  destes	
  e	
  outros	
  mais	
  
                            brutais,	
   sou	
   outro,	
   insensível	
   e	
   cínico,	
   mais	
   forte	
   talvez;	
   aos	
   meus	
  
                            olhos,	
   porém,	
   muito	
   diminuído	
   de	
   mim	
   próprio,	
   do	
   meu	
   primitivo	
  
                            ideal,	
  caído	
  dos	
  meus	
  sonhos,	
  sujo,	
  imperfeito,	
  deformado,	
  mutilado	
  
                            e	
  lodoso.	
  
Nesse	
  sentido	
  a	
  obra	
  dialoga	
  com	
  a	
  base	
  por	
  trás	
  do	
  próprio	
  pai	
  de	
  Caminha,	
  ou	
  seja,	
  a	
  
Escritura	
   aceita,	
   como	
   sagrada,	
   pela	
   instituição	
   que	
   o	
   fez	
   sacerdote,	
   a	
   Bíblia.	
   E	
   pelo	
  
nome	
  e	
  características	
  do	
  personagem,	
  Isaías,	
  faz	
  ponte	
  com	
  o	
  Livro	
  do	
  profeta	
  Isaías,	
  
embora	
  dialogue	
  com	
  outros	
  trechos	
  da	
  Escritura.	
  Assim	
  como	
  o	
  personagem	
  de	
  Lima	
  
Barreto,	
  o	
  profeta	
  Isaías	
  se	
  levanta	
  contra	
  a	
  ignorância	
  auto-­‐infligida	
  do	
  povo,	
  contra	
  
os	
   costumes	
   aceitos	
   socialmente,	
   contra	
   a	
   injustiça,	
   contra	
   um	
   estado	
   que	
   produzia	
  
leis	
  injustas:	
  
                            O	
   boi	
   conhece	
   o	
   seu	
   possuidor,	
   e	
   o	
   jumento	
   a	
   manjedoura	
   do	
   seu	
  
                            dono;	
   mas	
   Israel	
   não	
   tem	
   conhecimento,	
   o	
   meu	
   povo	
   não	
   entende.	
   Ai	
  
                            da	
  nação	
  pecadora,	
  do	
  povo	
  carregado	
  de	
  iniquidade,	
  da	
  semente	
  de	
  
                            malignos,	
   dos	
   filhos	
   corruptores:	
   deixaram	
   ao	
   Senhor,	
   blasfemaram	
  
                            do	
  Santo	
  de	
  Israel,	
  voltaram	
  para	
  trás.	
  
Isaías	
   Caminha,	
   a	
   semelhança	
   do	
   profeta,	
   entendia	
   que	
   se	
   havia	
   opressão	
   por	
   parte	
  
dos	
  poderosos	
  o	
  povo,	
  pela	
  sua	
  indolência,	
  era	
  também	
  responsável	
  porque	
  aceitava,	
  
o	
  meu	
  povo	
  não	
  entende:	
  
                            Idiotas	
   que	
   vão	
   pela	
   vida	
   sem	
   examinar,	
   vivendo	
   quase	
   por	
  
                            obrigação,	
  acorrentados	
  às	
  misérias	
  como	
  galerianos	
  à	
  calceta!	
  Gente	
  
                            miserável	
  que	
  dá	
  sanção	
  aos	
  deputados,	
  que	
  os	
  respeita	
  e	
  prestigia!	
  
                            Por	
   que	
   não	
   lhes	
   examinam	
   as	
   ações,	
   o	
   que	
   fazem	
   e	
   apara	
   que	
  
                            servem?	
   Se	
   o	
   fizessem...	
   Ah!	
   Se	
   o	
   fizessem!	
   Que	
   surpresa!	
   Riem-­‐se,	
  
                            enquanto	
   do	
   suor,	
   da	
   resignação	
   de	
   vocês,	
   das	
   privações	
   de	
   todos	
  
                            tiram	
  ócios	
  de	
  nababo	
  e	
  uma	
  vida	
  de	
  sultão...	
  




	
                                                                                                                                              13	
  
De	
  acordo	
  com	
  Maria	
  Zilda	
  Ferreira	
  Cury,	
  o	
  nome	
  do	
  personagem	
  já	
  reflete	
  o	
  clima	
  de	
  
denúncia	
   que	
   envolve	
   o	
   livro.	
   Isaías	
   é	
   o	
   nome	
   do	
   profeta	
   do	
   Velho	
   Testamento	
   que	
  
pretendia	
  “desmascarar”	
  as	
  injustiças	
  sociais	
  da	
  sua	
  época.	
  Por	
  outro	
  lado,	
  Caminha,	
  o	
  
escrivão	
   da	
   esquadra	
   de	
   Cabral,	
   é	
   aquele	
   que	
   anuncia	
   a	
   D.	
   Manuel	
   a	
   descoberta	
   de	
  
uma	
  nova	
  terra.	
  
                           A	
  situação	
  de	
  denúncia	
  ligada	
  ao	
  escrever	
  já	
  vem	
  desde	
  a	
  escolha	
  do	
  
                           nome	
   do	
   personagem-­‐narrador	
   Isaías	
   Caminha.	
   O	
   nome	
   de	
   um	
  
                           profeta,	
  Isaías	
  [...]	
  e	
  da	
  primeira	
  pessoa	
  que	
  escreveu	
  sobre	
  o	
  Brasil,	
  o	
  
                           também	
   escrivão,	
   Pero	
   Vaz	
   de	
   Caminha.	
   [...]	
   A	
   dimensão	
   social	
   da	
  
                           justiça	
   está	
   muito	
   presente	
   na	
   boca	
   do	
   profeta	
   Isaías,	
   na	
   crítica	
   às	
  
                           injustiças	
   praticadas	
   pelos	
   líderes	
   políticos	
   do	
   seu	
   tempo,	
   na	
  
                           denúncia	
   de	
   seus	
   desmandos.	
   [...]	
   Com	
   relação	
   ao	
   nome	
   ‘Caminha’	
  
                           tem-­‐se	
  dupla	
  analogia:	
  o	
  escrever	
  e	
  o	
  anunciar.	
  Ao	
  escrivão,	
  da	
  frota	
  
                           de	
   Cabral,	
   coube	
   a	
   tarefa	
   de	
   anunciar,	
   numa	
   carta,	
   a	
   descoberta	
   de	
  
                           uma	
  nova	
  terra.	
  
                           O	
   par	
   Isaías	
   Caminha	
   aponta	
   para	
   o	
   “escrever”,	
   mas	
   não	
   um	
   escrever	
  
                           qualquer,	
   mas	
   um	
   escrever	
   que	
   denuncia	
   a	
   injustiça,	
   a	
   opressão	
   e,	
   ao	
  
                           mesmo	
   tempo,	
   anuncia	
   algo	
   novo.	
   Vê-­‐se	
   aí	
   a	
   manutenção	
   de	
   uma	
  
                           postura	
  de	
  oposição.	
  Assim,	
  já	
  no	
  nome	
  escolhido	
  para	
  o	
  personagem	
  
                           pode-­‐se	
  depreender	
  a	
  concepção	
  da	
  função	
  do	
  escritor,	
  daquilo	
  que	
  
                           Lima	
   considera	
   como	
   sendo	
   uma	
   missão,	
   um	
   dever:	
   o	
   denunciar	
   as	
  
                           injustiças	
   de	
   seu	
   tempo,	
   o	
   alinhar-­‐se	
   com	
   os	
   marginalizados,	
   o	
  
                           [reduto]	
  através	
  da	
  literatura.	
  
Além	
   disso,	
   podemos	
   inferir	
   que	
   Pero	
   Vaz	
   de	
   Caminha	
   é	
   aquele	
   que	
   relata	
   pela	
  
primeira	
   vez	
   a	
   entrada	
   do	
   Brasil	
   nos	
   quadros	
   da	
   história	
   do	
   ocidente,	
   enquanto	
   na	
  
Primeira	
   República	
   Isaías	
   Caminha	
   contempla	
   na	
   sua	
   narrativa	
   a	
   inserção	
   do	
   Brasil	
  
no	
   âmbito	
   da	
   fase	
   imperialista,	
   que	
   é	
   um	
   novo	
   patamar	
   do	
   capitalismo	
   mundial.	
  
Portanto,	
   denúncia	
   social	
   de	
   Isaías	
   aliada	
   a	
   descrição	
   de	
   um	
   período	
   histórico	
  
determinado,	
   ou	
   seja,	
   a	
   manifestação	
   da	
   nova	
   realidade	
   brasileira	
   que	
   se	
   implantou	
  
com	
  a	
  Abolição	
  e	
  a	
  República.	
  
É	
  significativo	
  entender	
  o	
  motivo	
  que	
  impulsionou	
  Isaías	
  a	
  escrever	
  o	
  livro,	
  ou	
  seja,	
  as	
  
multiplicadas	
  considerações	
  desfavoráveis	
  à	
  natureza	
  das	
  pessoas	
  do	
  meu	
  nascimento,	
  
que	
  ele	
  leu	
  numa	
  revista	
  nacional.	
  Podemos	
  notar	
  que	
  o	
  livro	
  estabelece	
  um	
  debate	
  –	
  
opor	
  argumentos	
  a	
  argumentos	
  –	
  com	
  as	
  teorias	
  racistas	
  que	
  predominavam	
  no	
  meio	
  
intelectual	
  brasileiro	
  desde	
  o	
  século	
  XIX	
  até	
  meados	
  do	
  atual.	
  Segundo	
  Emília	
  Viotti	
  da	
  
Costa,	
   os	
   intelectuais	
   brasileiros	
   do	
   referido	
   período	
   receberam	
   a	
   influência	
   de	
  
autores	
   como	
   Lapouge	
   e	
   Gobineau,	
   que	
   defendiam	
   a	
   tese	
   da	
   superioridade	
   da	
   raça	
  
branca	
  em	
  relação	
  aos	
  povos	
  mestiços.	
  Contudo,	
  essas	
  teorias	
  não	
  foram	
  importadas	
  
mecanicamente,	
  mas	
  adequaram-­‐se	
  à	
  realidade	
  brasileira	
  de	
  uma	
  forma	
  peculiar.	
  
Todavia,	
   a	
   aceitação	
   de	
   alguns	
   negros	
   e	
   mulatos	
   na	
   esfera	
   das	
   elites	
   se	
   dava	
   quase	
  
sempre	
   por	
   intermédio	
   da	
   patronagem.	
   Ou	
   seja,	
   inseridos	
   no	
   interior	
   do	
   sistema	
   de	
  
clientela,	
   homens	
   brancos	
   e	
   pobres,	
   mulatos	
   e	
   negros,	
   submetiam-­‐se	
   à	
   elite	
   branca	
  
através	
   da	
   prática	
   do	
   favor.	
   Nesse	
   sentido,	
   o	
   negro	
   e	
   o	
   mulato	
   não	
   competiam	
   em	
  
igualdade	
  de	
  condições	
  no	
  mercado,	
  mas	
  ascendiam	
  socialmente,	
  o	
  que	
  era	
  raro,	
  sob	
  a	
  
sombra	
   da	
   elite	
   branca.	
   Por	
   isso	
   mesmo,	
   era	
   a	
   referida	
   elite	
   que	
   controlava	
   os	
  
mecanismos	
   de	
   ascensão	
   como	
   bem	
   lhe	
   aprouvesse.	
   Lima	
   Barreto,	
   ainda	
   no	
  


	
                                                                                                                                        14	
  
“Prefácio”,	
  indica	
  o	
  caminho	
  que	
  norteará	
  o	
  seu	
  debate	
  com	
  as	
  teorias	
  racistas	
  e	
  com	
  a	
  
vida	
  social	
  que	
  impedia	
  a	
  mobilidade	
  do	
  negro	
  ou	
  do	
  mulato.	
  
A	
  análise	
  do	
  universo	
  familiar	
  de	
  Isaías	
  é	
  importante,	
  pois	
  ele	
  carrega	
  uma	
  oposição	
  
que	
   marca	
   a	
   evolução	
   do	
   personagem	
   dentro	
   do	
   romance.	
   O	
   pai	
   de	
   Isaías	
   além	
   de	
   ser	
  
branco	
  era	
  um	
  sacerdote,	
  enquanto	
  a	
  sua	
  mãe	
  era	
  negra.	
  Já	
  aí	
  existe	
  um	
  contraste:	
  o	
  
pai	
   instruído	
   inculcava	
   no	
   pequeno	
   Isaías	
   a	
   idéia	
   de	
   ascensão	
   burguesa	
   através	
   da	
  
instrução,	
  enquanto	
  a	
  mãe	
  representava	
  a	
  ignorância	
  do	
  mundo	
  dos	
  negros.	
  
                                                                                                                                           O	
  espetáculo	
  do	
  saber	
  de	
  meu	
  pai,	
  realçado	
  pela	
  ignorância	
  de	
  minha	
  
                                                                                                                                           mãe	
   e	
   de	
   outros	
   parentes	
   dela,	
   surgiu	
   aos	
   meus	
   olhos	
   de	
   criança	
  
                                                                                                                                           como	
  um	
  deslumbramento.	
  Pareceu-­‐me	
  então	
  que	
  aquela	
  faculdade	
  
                                                                                                                                           de	
   explicar	
   tudo,	
   aquele	
   seu	
   desembaraço	
   de	
   linguagem,	
   a	
   sua	
  
                                                                                                                                           capacidade	
   de	
   ler	
   línguas	
   diversas	
   e	
   compreendê-­‐las,	
   constituíam,	
  
                                                                                                                                           não	
  só	
  uma	
  razão	
  de	
  ser	
  de	
  felicidade,	
  de	
  abundância	
  e	
  riqueza,	
  mas	
  
                                                                                                                                           também	
   um	
   titulo	
   para	
   o	
   superior	
   respeito	
   dos	
   homens	
   e	
   para	
   a	
  
                                                                                                                                           superior	
   consideração	
   de	
   toda	
   a	
   gente.	
   Sabendo,	
   ficávamos	
   de	
  
                                                                                                                                           alguma	
   maneira	
   sagrados,	
   deificados...	
   se	
   minha	
   mãe	
   me	
   aparecia	
  
                                                                                                                                           triste	
   e	
   humilde	
   –	
   pensava	
   eu	
   naquele	
   tempo	
   –	
   era	
   porque	
   não	
   sabia,	
  
                                                                                                                                           como	
   meu	
   pai,	
   dizer	
   os	
   nomes	
   das	
   estrelas	
   do	
   céu	
   e	
   explicara	
  
                                                                                                                                           natureza	
  da	
  chuva...	
  
Portanto,	
  um	
  elemento	
  essencial	
  irá	
  conduzir	
  Isaías	
  para	
  o	
  Distrito	
  Federal	
  em	
  busca	
  
de	
   fama	
   e	
   notoriedade:	
   a	
   crença	
   de	
   que	
   o	
   título	
   de	
   doutor	
   iria	
   apagar	
   tanto	
   o	
   seu	
  
nascimento	
   humilde	
   como	
   a	
   sua	
   cor,	
   fazendo-­‐o	
   entrar	
   para	
   o	
   “mundo	
   dos	
   brancos”,	
  
para	
  “outra	
  casta”.	
  
                                                                                                                                           Ah!	
   Seria	
   doutor!	
   Resgataria	
   o	
   pecado	
   original	
   do	
   meu	
   nascimento	
  
                                                                                                                                           humilde,	
   amaciaria	
   o	
   suplício	
   premente,	
   cruciante	
   e	
   onímodo4	
   de	
  
                                                                                                                                           minha	
   cor...	
   nas	
   dobras	
   do	
   pergaminho	
   da	
   carta,	
   traria	
   presa	
   a	
  
                                                                                                                                           consideração	
  de	
  toda	
  a	
  gente.	
  Seguro	
  do	
  respeito	
  à	
  minha	
  majestade	
  
                                                                                                                                           de	
   homem,	
   andaria	
   com	
   ela	
   mais	
   firme	
   pela	
   vida	
   afora.	
   Não	
  
                                                                                                                                           titubearia,	
  não	
  hesitaria,	
  livremente	
  poderia	
  falar,	
  dizer	
  bem	
  alto	
  os	
  
                                                                                                                                           pensamentos	
  que	
  se	
  estorciam	
  no	
  meu	
  cérebro.	
  
E,	
   para	
   que	
   Isaías	
   pudesse	
   obter	
   o	
   tão	
   almejado	
   título,	
   duas	
   visões	
   de	
   mundo	
   o	
  
influenciaram:	
  a	
  do	
  seu	
  tio	
  carteiro	
  Valentim,	
  também	
  mulato,	
  e	
  a	
  da	
  sua	
  professora	
  
de	
   colégio	
   que	
   tinha	
   olhos	
   azuis	
   e	
   cabelos	
   castanhos.	
   Também	
   neste	
   ponto	
   existe	
   a	
  
tensão	
  entre	
  o	
  universo	
  dos	
  brancos	
  e	
  dos	
  negros.	
  Valentim	
  havia	
  sido	
  cabo	
  eleitoral	
  
do	
  Deputado	
  Castro	
  e,	
  por	
  isso,	
  vai	
  pedir	
  ao	
  chefe	
  político	
  local,	
  Coronel	
  Belmiro,	
  uma	
  
carta	
  de	
  apresentação	
  para	
  que	
  o	
  citado	
  Deputado	
  obtivesse	
  um	
  emprego	
  para	
  Isaías	
  
na	
  capital.	
  Portanto,	
  Valentim	
  personifica	
  o	
  sistema	
  de	
  clientela,	
  um	
  dos	
  únicos	
  meios	
  
que	
  possibilita	
  tanto	
  a	
  ascensão	
  social	
  dos	
  pobres	
  quanto	
  o	
  controle	
  que	
  a	
  elite	
  exerce	
  
sobre	
  eles,	
  ofuscando	
  a	
  luta	
  popular	
  pela	
  cidadania.	
  
Em	
   oposição,	
   a	
   professora	
   branca	
   representa	
   o	
   mito	
   do	
   self-­‐made	
   man.	
   Esta	
  
professora	
  havia	
  presenteado	
  Isaías	
  com	
  um	
  livro	
  intitulado	
  O	
  poder	
  da	
  vontade,	
  que	
  
trazia	
  estampadas	
  em	
  suas	
  páginas	
  as	
  biografias	
  heróicas	
  de	
  Palissy,	
  Watt,	
  Benjamin	
  
Franklin,	
  etc.	
  Este	
  livro	
  influenciou	
  o	
  pequeno	
  Isaías	
  na	
  medida	
  em	
  que	
  lhe	
  transmitia	
  
uma	
  concepção	
  –	
  muito	
  difundida	
  na	
  América	
  do	
  Norte	
  e	
  Europa	
  –	
  que	
  valorizava	
  a	
  
	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
   	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  	
  
4
       Onímodo: que não se restringe, não tem limitações; ilimitado.



	
                                                                                                                                                                                                                                                           15	
  
O romance de Lima Barreto sobre o escrivão Isaías Caminha
O romance de Lima Barreto sobre o escrivão Isaías Caminha

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Preconceito linguístico
Preconceito linguísticoPreconceito linguístico
Preconceito linguístico
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Resenha crítica
Resenha crítica Resenha crítica
Resenha crítica
 
Tema
TemaTema
Tema
 
Modernismo no Brasil (Tabelas)
Modernismo no Brasil (Tabelas)Modernismo no Brasil (Tabelas)
Modernismo no Brasil (Tabelas)
 
SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.SLIDES – TIRINHAS.
SLIDES – TIRINHAS.
 
Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Crônicas - Português
Crônicas - PortuguêsCrônicas - Português
Crônicas - Português
 
CARTAS - UEM - PAS
CARTAS - UEM  - PASCARTAS - UEM  - PAS
CARTAS - UEM - PAS
 
Gêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuaisGêneros e suportes textuais
Gêneros e suportes textuais
 
Lit. contemp. tendências
Lit. contemp. tendênciasLit. contemp. tendências
Lit. contemp. tendências
 

Destaque

Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Daniel Leitão
 
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoma.no.el.ne.ves
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosma.no.el.ne.ves
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmama.no.el.ne.ves
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinhama.no.el.ne.ves
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileirama.no.el.ne.ves
 
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Daniel Leitão
 
Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)oyurifernandes
 
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011Daniel Leitão
 
Atividade final curso educacenso 2016
Atividade final curso educacenso 2016Atividade final curso educacenso 2016
Atividade final curso educacenso 2016Walterblackout
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAndré Aleixo
 
Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo e Primeira Guerra MundialImperialismo e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo e Primeira Guerra MundialMarcelo Ferreira Boia
 

Destaque (20)

Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
 
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjosAnálise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
Análise de "Eu e outras poesias", de augusto dos anjos
 
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismoRevisional de estilos de época 09, pré modernismo
Revisional de estilos de época 09, pré modernismo
 
A poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjosA poesia de augusto dos anjos
A poesia de augusto dos anjos
 
Questões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjosQuestões fechadas sobre clara dos anjos
Questões fechadas sobre clara dos anjos
 
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
 
Questões sobre negrinha
Questões sobre negrinhaQuestões sobre negrinha
Questões sobre negrinha
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
Clara dos Anjos - 3ª B - 2011
 
Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)Analise do livro canaã (yuri)
Analise do livro canaã (yuri)
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011
Vida e Morte de M. J. Gonzaga - 3ª A - 2011
 
Atividade final curso educacenso 2016
Atividade final curso educacenso 2016Atividade final curso educacenso 2016
Atividade final curso educacenso 2016
 
Slide lima barreto
Slide lima barretoSlide lima barreto
Slide lima barreto
 
Análise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanêsAnálise do conto: O homem que sabia javanês
Análise do conto: O homem que sabia javanês
 
Os bruzundangas
Os bruzundangasOs bruzundangas
Os bruzundangas
 
Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo e Primeira Guerra MundialImperialismo e Primeira Guerra Mundial
Imperialismo e Primeira Guerra Mundial
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
O Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No BraslO Pre Modernismo No Brasl
O Pre Modernismo No Brasl
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeias Vanguardas europeias
Vanguardas europeias
 

Semelhante a O romance de Lima Barreto sobre o escrivão Isaías Caminha

Semelhante a O romance de Lima Barreto sobre o escrivão Isaías Caminha (20)

Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011Dom casmurro - 3ª A - 2011
Dom casmurro - 3ª A - 2011
 
Semana de leitura 9º ano
Semana de leitura 9º anoSemana de leitura 9º ano
Semana de leitura 9º ano
 
Pré- Modernismo
Pré- ModernismoPré- Modernismo
Pré- Modernismo
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
 
ApresentaçãO1 Eduarda 1 Em A 2
ApresentaçãO1 Eduarda 1 Em A 2ApresentaçãO1 Eduarda 1 Em A 2
ApresentaçãO1 Eduarda 1 Em A 2
 
José Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e ObraJosé Saramago - Vida e Obra
José Saramago - Vida e Obra
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
 
trabalho.pdf
trabalho.pdftrabalho.pdf
trabalho.pdf
 
Erico verissimo 02
Erico verissimo 02Erico verissimo 02
Erico verissimo 02
 
Segunda Tarefa
Segunda TarefaSegunda Tarefa
Segunda Tarefa
 
Machado Soraya
Machado SorayaMachado Soraya
Machado Soraya
 
Carlos Drummond
Carlos DrummondCarlos Drummond
Carlos Drummond
 
Vida e Obra de Mario Quintana
Vida e Obra de Mario QuintanaVida e Obra de Mario Quintana
Vida e Obra de Mario Quintana
 
Machado de Assis - Trabalho
Machado de Assis - TrabalhoMachado de Assis - Trabalho
Machado de Assis - Trabalho
 
Modelos pedagogicos
Modelos pedagogicosModelos pedagogicos
Modelos pedagogicos
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
sombra julio frank
sombra julio franksombra julio frank
sombra julio frank
 
Sombrafrank
SombrafrankSombrafrank
Sombrafrank
 
Tudo sobre Machado de Assis
Tudo sobre Machado de Assis Tudo sobre Machado de Assis
Tudo sobre Machado de Assis
 
Quincas borba
Quincas borbaQuincas borba
Quincas borba
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artesma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internetma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artesma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

O romance de Lima Barreto sobre o escrivão Isaías Caminha

  • 1. A  CHAVE  DO  ROMANCE;   uma  leitura  de  Recordações  do  escrivão  Isaías  Caminha   por  Manoel  Neves   ASPECTOS  BIOGRÁFICOS   Afonso  Henriques  de  Lima  Barreto  nasceu  no  Rio  de  Janeiro  a  13  de  maio  de  1881  e   morreu   na   mesma   cidade   a   primeiro   de   novembro   de   1922.   Filho   de   um   tipógrafo   da   Imprensa   Nacional   e   de   uma   professora   pública,   era   mestiço   de   nascença   e   foi   iniciado  nos  estudos  pela  própria  mãe,  que  perdeu  aos  7  anos  de  idade.     Fez   seus   primeiros   estudos   e,   pela   mão   de   seu   padrinho   de   batismo,   o   Visconde   de   Ouro   Preto,   ministro   do   Império,   completou-­‐os   no   Ginásio   Nacional   [Pedro   II],   entrando   em   1897   para   a   Escola   Politécnica,   pretendendo   ser   engenheiro.   Teve,   porém,   de   abandonar   o   curso   para   assumir   a   chefia   e   o   sustento   da   família,   devido   ao   enlouquecimento   do   pai,   em   1902,   almoxarife   da   Colônia   de   Alienados   da   Ilha   do   Governador.   Nesse   ano,   estreia   na   imprensa   estudantil.   A   família   muda-­‐se   para   o   subúrbio   do   Rio   de   Janeiro,   Engenho   de   Dentro,   onde   o   futuro   escritor   resolve   candidatar-­‐se   a   um   cargo   vago   na   Secretaria   da   Guerra,   mediante   concurso   público,   tendo   passado   em   segundo   lugar   e   ocupado   a   vaga,   por   desistência   do   primeiro   colocado,  1903.     Com   o   modesto   salário,   passa   a   residir   com   a   família   em   Todos   os   Santos,   em   casa   simples,  e  na  qual,  em  1904,  inicia  a  primeira  versão  do  romance  Clara  dos  Anjos.  No   ano   seguinte,   começa   o   romance   Recordações   do   escrivão   Isaías   Caminha,   publicado   em  Lisboa  em  1909.  Publica,  também,  uma  série  de  reportagens  no  jornal  Correio  da   manhã.   Inicia   o   romance   Vida   e   morte   de   M.   J.   Gonzaga   de   Sá,   publicado   apenas   em   1919.   Colabora   na   revista   Fon-­‐fon   e,   com   amigos,   lança   em   fins   de   1907   a   revista   Floreal,   que   sobreviveria   com   quatro   números   apenas,   mas   que   chamou   a   atenção   do   crítico  literário  José  Veríssimo.  Nessa  época,  dedica-­‐se  à  leitura  na  Biblioteca  Nacional   dos   grandes   nomes   da   literatura   mundial,   dos   escritores   realistas   europeus   de   seu   tempo,   tendo   sido   dos   poucos   escritores   brasileiros   a   tomar   conhecimento   e   ler   os   romancistas  russos.     Em   1910,   faz   parte   do   júri   no   julgamento   dos   participantes   do   episódio   chamado   “Primavera   de   sangue”,   condenando   os   militares   no   assassinato   de   um   estudante,   sendo   por   isso   preterido,   daí   para   frente,   nas   promoções   na   Secretaria   da   Guerra.   Em   1911,  em  três  meses,  escreve  o  romance  Triste  fim  de  Policarpo  Quaresma,  publicado   em   folhetins   no   Jornal   do   comércio,   onde   escreve,   e   também   na   Gazeta   da   tarde.   Publica,   em   1912,   dois   fascículos   das   Aventuras   do   Dr.   Bogoloff,   além   de   dois   outros   livretos  de  humor,  um  deles  pela  revista  O  riso.     O   vício   da   bebida   começa   a   manifestar-­‐se   nele,   porém   não   o   impede   de   continuar   a   sua   colaboração   na   imprensa,   iniciando   em   1914   uma   série   de   crônicas   diárias   no   Correio   da   noite.   O   jornal   A   noite   publica   em   folhetins,   em   1915,   seu   romance   Numa   e   a  ninfa,  e  Lima  Barreto  inicia  longa  fase  de  colaboração  na  revista  Careta,  em  artigos   políticos  sobre  variados  assuntos.  Nos  primeiros  meses  de  1916  aparece  em  volume  o   romance   Triste   fim   de   Policarpo   Quaresma,   que   reúne   também   alguns   contos   notáveis   como   “A   Nova   Califórnia”   e   “O   homem   que   sabia   javanês”,   tendo   boa   acolhida   por   parte   da   crítica   que   vê   em   Lima   Barreto   o   legítimo   sucessor   de   Machado   de   Assis.   Passa  a  escrever  para  o  semanário  político  A.B.C..  Em  julho  de  1917,  após  internação     1  
  • 2. hospitalar,   entrega   ao   seu   editor,   J.   Ribeiro   dos   Santos,   os   originais   de   Os   Bruzundangas,  sátiras,  somente  publicado  em  1922,  um  mês  após  a  morte  do  autor.     Candidata-­‐se   à   vaga   na   Academia   Brasileira   de   Letras,   mas   seu   pedido   de   inscrição   não  é  sequer  considerado.  Lança  a  segunda  edição  de  Recordações  do  escrivão  Isaías   Caminha   e,   em   seguida,   o   romance   Numa   e   a   ninfa,   em   volume.   Passa   a   publicar   artigos  e  crônicas  na  imprensa  alternativa  da  época:  A  Lanterna,  A.B.C.  e  Brás  Cubas,   que   publica   um   artigo   seu,   em   que   manifesta   simpatia   pela   causa   revolucionária   russa.   Após   o   diagnóstico   de   epilepsia   tóxica,   é   aposentado   em   dezembro   de   1918,   mudando-­‐se  para  outra  casa  na  Rua  Major  Mascarenhas,  em  Todos  os  Santos,  onde  irá   residir  até  morrer.     Em   inícios   de   1919,   suspende   a   colaboração   no   semanário   A.B.C.,   por   ter   a   revista   publicado  um  artigo  contra  a  raça  negra,  com  o  qual  não  concordava.  Põe  à  venda  o   romance   Vida   e   morte   de   M.   J.   Gonzaga   de   Sá,   por   ele   próprio   revisto   e   mandado   datilografar  pelo  editor,  Monteiro  Lobato,  tendo  sido  o  único  de  seus  livros  a  passar   por   tais   cuidados   normais   de   publicação,   e   pelo   qual   recebe   bom   pagamento   e   promoção,  além  do  aplauso  de  velhos  e  novos  expoentes  da  crítica,  como  João  Ribeiro   e   Alceu   Amoroso   Lima.   Nesse   clima,   candidata-­‐se   em   segunda   vez   a   uma   vaga   na   Academia   de   Letras   –   desta   vez,   aceita   –,   não   conseguindo,   porém,   ser   eleito,   mas   tendo   o   voto   permanente   de   João   Ribeiro.   Sob   o   título   “As   mágoas   e   sonhos   do   povo”,   passa   a   publicar   semanalmente,   na   revista   Hoje,   crônicas   ditas   de   folclore   urbano,   reiniciando  a  colaboração  na  Careta,  em  segunda  fase,  só  interrompida  por  sua  morte.     Em  1919,  de  dezembro  a  janeiro  de  1920  é  internado  no  hospício,  devido  a  forte  crise   nervosa,   resultando   a   experiência   nas   anotações   dos   primeiros   capítulos   da   obra   O   cemitério   dos   vivos,   memórias   somente   publicadas   em   1953,   juntamente   com   as   do   Diário   íntimo,   num   mesmo   volume.   Em   dezembro   de   1920,   concorre   ao   prêmio   literário   da   Academia   Brasileira   de   Letras   para   o   melhor   livro   do   ano   anterior,   inscrevendo   o   Vida   e   morte   de   M.   J.   Gonzaga   de   Sá,   que   veio   a   receber   menção   honrosa.  No  mesmo  mês  é  posto  à  venda  nas  livrarias  o  volume  de  contos  Histórias  e   sonhos,   e   entrega   ao   editor   F.   Schettino,   seu   amigo,   os   originais   de   Marginália,   reunindo  artigos  e  crônicas  já  publicados  na  imprensa  periódica  e,  que  se  perderiam,   sendo  o  volume  editado  apenas  em  1953,  post  mortem.     O  Cemitério  dos  vivos  tem  um  trecho  publicado,  em  janeiro  de  1921,  na  Revista  Souza   Cruz,   sob   o   título   “As   origens:   memórias   manuscritas   não   completadas   pelo   autor”.   Em  abril,  faz  uma  viagem  à  pequena  cidade  de  Mirassol,  no  Estado  de  São  Paulo,  onde   um   médico   amigo   e   escritor,   Ranulfo   Prata,   tenta   a   regeneração   clínica   de   Lima   Barreto,  mas  em  vão.  Com  a  saúde  já  bastante  abalada,  a  doença  força  a  sua  reclusão   na   casa   modesta   de   Todos   os   Santos,   onde   os   amigos   vão   visitá-­‐lo   e   sua   irmã   Evangelina   se   desvela   em   cuidados   por   ele.   Mas,   sempre   que   pode,   continua   a   sua   peregrinação  pela  cidade  que  ama,  reservando  a  leitura,  a  meditação  e  a  escrita  para   casa,  apesar  da  presença  constante  da  loucura  do  pai,  tornada  real  pelas  crises  cada   vez  mais  repetidas.   Em   julho   de   1921,   pela   terceira   vez,   candidata-­‐se   à   vaga   na   Academia   de   Letras,   retirando,   porém,   a   mesma,   por   “motivos   inteiramente   particulares   e   íntimos”.   Entrega  ao  editor  os  originais  de  Bagatelas,  no  qual  reúne  a  sua  maior  produção  na   imprensa,   ou   seja,   a   que   vai   de   1918   a   1922,   em   que   evidencia   com   rara   visão   e   clareza   os   problemas   do   país   e   do   mundo   do   pós-­‐guerra.   Bagatelas,   entretanto,   só     2  
  • 3. apareceria  em  1923.  Publica  na  Revista  Souza  Cruz  de  outubro-­‐novembro  de  1921  a   conferência  “O  destino  da  literatura”,  que  não  chegara  a  pronunciar  na  cidade  de  Rio   Preto,   próximo   a   Mirassol.   Em   dezembro   inicia   a   segunda   versão   do   romance   Clara   dos   Anjos,   terminado   em   janeiro   seguinte.   Os   originais   de   Feiras   e   mafuás   são   entregues  para  publicação,  mas  somente  em  1953  seriam  editados.     Em  maio  de  1922,  a  revista  O  mundo  literário  publica  o  primeiro  capítulo  de  Clara  dos   Anjos,   “O   carteiro”.   Tendo   a   sua   saúde   declinada   mês   a   mês,   agravada   pelo   reumatismo,   pela   bebida   e   outros   padecimentos,   Lima   Barreto   morre   em   primeiro   de   novembro  de  1922,  vitimado  por  um  colapso  cardíaco.  Em  seus  braços,  é  encontrado   um  exemplar  da  Revue  des  deux  mondes,  sua  preferida  e  que  estivera  lendo.  Dois  dias   depois  é  a  vez  de  seu  pai.  Encontram-­‐se  sepultados  no  cemitério  de  São  João  Batista,   onde  o  escritor  desejou  ser  enterrado.     Em  1953,  uma  editora  lançou  alguns  volumes  inéditos  de  sua  obra.  Porém,  somente   em   1956,   sob   a   direção   de   Francisco   de   Assis   Barbosa,   com   a   colaboração   de   Antônio   Houaiss   e   M.   Cavalcanti   Proença,   toda   a   sua   obra   em   17   volumes   foi   publicada,   compreendendo   todos   os   romances   citados   e   também   os   títulos   não   publicados   em   vida  do  autor,  e  que  são:  Os  bruzundangas,  Feiras  e  mafuás,  Impressões  de  leitura,  Vida   urbana,   Coisas   do   reino   de   Jambon,   Diário   íntimo,   Marginália,   Bagatelas,   O   cemitério   dos  vivos  e  mais  dois  volumes  que  contêm  toda  a  sua  correspondência,  ativa  e  passiva.   Nas  décadas  seguintes  Lima  Barreto  tem  sido  alvo  de  estudos,  tanto  no  Brasil  como   no  exterior.  Suas  obras,  romances  e  contos,  têm  sido  traduzidos  para  o  inglês,  francês,   russo,  espanhol,  tcheco,  japonês  e  alemão.   O  PRÉ-­‐MODERNISMO   A  Proclamação  da  República,  em  1889,  não  representou  uma  mudança  muito  grande   no   cenário   econômico   brasileiro.   A   situação   das   famílias   que   viviam   no   campo,   dois   terços   da   população   do   país,   continuava   determinada   pelos   grandes   latifundiários,   que  controlavam  extensas  porções  de  terra  tanto  no  litoral  quanto  no  interior.   A  reforma  das  cidades   Com   a   República,   os   principais   centros   políticos   passaram   por   uma   transformação   do   espaço   urbano   que   desencadeou   um   processo   de   europeização   do   país.   Cidades   como   Rio   de   Janeiro,   Manaus,   São   Paulo   e   Belém   foram   as   mais   afetadas   pelo   chamado  bota   abaixo  –  abertura  de  largas  avenidas  e  a  imitação  de  prédios  europeus,  para  eliminar   os  traços  da  arquitetura  portuguesa  que  orientara  a  construção  dessas  cidades.   Uma   consequência   imediata   da   reforma   urbana   foi   o   deslocamento   de   milhares   de   famílias   pobres   das   áreas   centrais,   onde   moravam   em   cortiços,   para   locais   de   difícil   acesso.  Nasciam,  assim,  as  favelas,  como  um  desdobramento  negativo  da  tentativa  de   embelezar  o  país.   Se   a   reurbanização   sugeria   prosperidade,   ela   era   apenas   aparente.   Nos   centros   urbanos,   escravos   libertos   viviam   em   estado   de   quase   completo   abandono.   Não   tinham   acesso   à   educação   e   não   eram   mais   empregados   pelos   proprietários   rurais.   Essa  elite  preferia  importar  imigrantes  europeus.   Autores  em  busca  de  um  país   As   grandes   mudanças   políticas,   sociais   e   econômicas   não   deixavam   espaço   para   a   idealização.   Era   o   momento   de   buscar   um   conhecimento   mais   real   e   profundo   das     3  
  • 4. condições  de  vida  que  podiam  ser  observadas  em  um  país  tão  grande.  Por  isso,  o  foco   da  produção  literária  se  fragmenta  e  os  autores  escrevem  sobre  as  diferentes  regiões:   os   centros   urbanos,   os   funcionários   públicos,   os   sertanejos,   os   caboclos   e   os   imigrantes.   Tudo   era   motivo   de   interesse   para   escritores   como   Euclides   da   Cunha,   Monteiro  Lobato,  Lima  Barreto,  Graça  Aranha  e  Augusto  dos  Anjos.   O   Pré-­‐Modernismo   é   considerado   por   grande   parte   dos   historiadores   da   literatura   como   uma   fase   de   transição   devido   à   mudança   do   enfoque   do   texto   literário   e   a   antecipação   de   alguns   temas   que   serão   desenvolvidos   pela   literatura   modernista,   a   saber:  o  nacionalismo  crítico,  a  linguagem  coloquial,  a  literatura  de  denúncia  social.   Historicamente,  considera-­‐se  o  marco  inicial  do  Pré-­‐Modernismo  a  publicação  de  Os   sertões,   de   Euclides   da   Cunha,   em   1902,   e   a   Semana   da   Arte   Moderna   –   de   1922   –   como  início  do  Modernismo.   O  projeto  literário  do  Pré-­‐Modernismo   A  intenção  dos  escritores  desse  período  é  revelar  o  Brasil  profundo  para  os  brasileiros.   O   mesmo   desejo   que   motivou   românticos   a   escreverem   dezenas   de   romances   regionais   será   a   marca   característica   da   literatura   nos   primeiros   anos   do   século   XX:   olhar  para  o  Brasil  e  usar  a  literatura  como  meio  para  torná-­‐lo  mais  conhecido  pelos   brasileiros.  Sob  este  aspecto,  pode  afirmar  que  se  trata  de  uma  literatura  basicamente   regional  e  social.   A   primeira   condição   para   realização   desse   projeto   era   desviar   o   olhar   das   classes   sociais   mais   privilegiadas   que,   até   aquele   momento,   ocupavam   boa   parte   dos   romances  escritos.  Personagem  que  ainda  não  haviam  aparecido  na  literatura,  como  o   pequeno   funcionário   público,   o   caboclo,   os   imigrantes,   são   elevados   à   condição   de   protagonistas   dos   romances   do   período.   Outros,   como   os   sertanejos,   que   já   tinham   sido   objeto   da   atenção   dos   romances   regionalistas   de   Alencar   e   Franklin   Távora,   recebem   um   novo   tratamento,   mais   objetivo   e   distanciado,   bem   diferente   da   idealização   característica   dos   textos   românticos.   Por   meio   dessa   galeria   de   personagens,  Norte,  Nordeste,  interior  e  cidade  passam  a  ser  apresentados  de  modo   mais  próximo  do  real.   A  linguagem   Como   consequência   natural   da   maior   aproximação   entre   literatura   e   realidade,   a   linguagem  utilizada  nos  textos  modifica-­‐se,  torna-­‐se  mais  direta,  mais  objetiva,  mais   próxima  da  linguagem  característica  do  texto  jornalístico.   Do   conjunto   de   romances   e   contos   publicados   pelos   autores   da   época,   emergem   as   tendências   que   dentro   de   duas   décadas   serão   agitadas   como   bandeiras   pelos   primeiros   modernistas   –   a   desmistificação   do   texto   literário,   a   utilização   de   um   português   mais   brasileiro,   a   crítica   à   realidade   social   e   econômica   contemporânea,   enfim,  a  constituição  de  uma  literatura  que  retrata  verdadeiramente  o  Brasil.   Lima  Barreto  e  o  Pré-­‐Modernismo   O   sertão   da   obra   de   Euclides   da   Cunha   era   desconhecido   pela   maioria   dos   leitores   brasileiros,  que  se  concentravam  nos  centros  urbanos.  Lima  Barreto  será  responsável   por  compor  um  retrato  de  parte  dos  centros  urbanos  ignorados  pela  elite  cultural  do   país:   os   subúrbios   cariocas.   Era   lá   que   vivia   a   pequena   classe   média   composta   de   funcionários   públicos,   professores,   moças   à   espera   de   casamento   e   uma   variedade   de     4  
  • 5. outras   personagens   que   povoam   a   obra   do   autor.   Dá,   assim,   voz   a   uma   parcela   da   população  que  havia  sido  ignorada  até  então  pela  literatura  feita  no  Brasil.   Os   romances,   contos   e   crônicas   de   Lima   Barreto   compõem   um   painel   em   que   se   desenham  de  forma  mais  clara  os  verdadeiros  mecanismos  de  relacionamento  social   típicos  do  Brasil  do  início  do  século  XX.   APRESENTAÇÃO   Nas   palavras   do   professor   Alfredo   Bosi,   em   Recordações   do   escrivão   Isaías   Caminha,   1909,   nos   primeiros   capítulos   predomina   o   caráter   autobiográfico   que   se   dilui   à   medida   que   o   romance   se   desenvolve.   Depois   do   micro-­‐ensaio   memorialístico,   o   romance  passa  a  descrições  de  vários  tipos:  o  político,  o  jornalista,  o  burocrata  carioca   do  começo  do  século.1   Segundo  o  renomado  professor,  neste  roman  à  clef:2   Sustenta,   porém,   a   presença   de   Isaías   como   personagem   polarizadora   a   própria   frustração   do   autor,   que   nele   se   encarna,   tornando   especialmente   doídos   os   seus   encontros   com   os   preconceitos  de  cor  e  de  classe.  Uma  tristeza,  ora  de  rebelde  ora  de   vencido,  dá  o  tom  sentimental  dominante  a  essas  Recordações,  onde   alternam,   chegando   às   vezes   a   fundir-­‐se,   a   representação   de   uma   sociedade  classista  e  o  seu  processo  instaurado  por  um  “humilhado  e   ofendido”.  assim,  o  convívio  de  objeto  e  sujeito,  de  observação  social   e   ressonância   afetiva,   define   com   propriedade   o   estilo   realista-­‐ memorialista  de  Lima  Barreto.3   O  ENREDO   Recordações   do   escrivão   Isaías   Caminha,   primeiro   romance   de   Lima   Barreto,   é   uma   forte  crítica  à  sociedade  hipócrita  e  preconceituosa  e  à  imprensa.     O   jovem   Isaías   Caminha,   menino   do   interior,   tomou   gosto   pelos   estudos   através   da   desigualdade   de   nível   mental   entre   o   seu   pai,   um   ilustrado   vigário,   e   sua   mãe.   Admirava   o   pai   que   lhe   contava   histórias   sobre   grandes   homens.   Esforçou-­‐se   muito   nas  instruções  e  pouco  brincava.  Tinha  ambições  e  um  dia  finalmente  decide  ir  para  o   Rio  fazer-­‐se  doutor:   Ah!   Seria   doutor!   Resgataria   o   pecado   original   do   meu   nascimento   humilde,   amaciaria   o   suplício   premente,   cruciante   e   omnímodo   de   minha  cor...     Nas   dobras   do   pergaminho   da   carta,   traria   presa   a   consideração   de   toda   a   gente.   Seguro   do   respeito   à   minha   majestade   de   homem,   andaria   com   ela   mais   firme   pela   vida   em   fora.   Não   titubearia,   não   hesitaria,   livremente   poderia   falar,   dizer   bem   alto   os   pensamentos   que  se  estorciam  no  meu  cérebro.  [...]  Quantas  prerrogativas,  quantos   direitos  especiais,  quantos  privilégios,  esse  título  dava!  Podia  ter  dois                                                                                                                           1 BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira, 319. 2 Roman à clef: O roman à clef é um sub-gênero romance no qual personagens certos ou todos estes representam mais ou menos explicitamente, uma pessoa real. Sob o pretexto de ficção, o autor aborda, por escrito, na verdade, uma história verdadeira, muitas vezes para evitar a calúnia, para fazer uma sátira, ou por razões autobiográficas. A chave para a história, que faz o leitor entender que esta é uma história verdadeira, é geralmente reconhecido figura pública, especialmente um político ou uma pessoa que tem uma grande influência sobre um grupo, Seja na política, negócios, show business, etc. 3 Idem.   5  
  • 6. e   mais   empregos   apesar   da   Constituição;   teria   direito   à   prisão   especial   e   não   precisava   saber   nada.   Bastava   o   diploma.   Pus-­‐me   a   considerar  que  isso  devia  ser  antigo...  Newton,  César,  Platão  e  Miguel   Ângelo  deviam  ter  sido  doutores!   Aconselha-­‐se  com  o  tio  Valentim.  Este  visita  o  Coronel  Belmiro,  chefe  eleitoral  local,   que   redige   uma   carta   recomendando   Isaías   para   o   Doutor   Castro,   deputado.   Segue   paro  o  Rio  com  algum  dinheiro  e  esta  carta.  Instala-­‐se  no  Hotel  Jenikalé,  na  Praça  da   República   e   conhece   o   Senhor   Laje   da   Silva   que   diz   ser   padeiro   e   é   incrivelmente   afável  com  todos,  em  especial  com  os  jornalistas.  Através  dele  conhece  o  doutor  Ivã   Gregoróvitch  Rostóloff,  jornalista  de  O  globo,  romeno,  sentia-­‐se  sem  pátria  e  falava  10   línguas.   Vai   assim   conhecendo   o   Rio   de   Janeiro.   Decide   procurar   o   Deputado   Castro   para  conseguir  seu  emprego  e  poder  cursar  Medicina.  Dirige-­‐se  a  Câmera:   Subi  pensando  no  ofício  de  legislar  que  ia  ver  exercer  pela  primeira   vez,   em   plena   Câmera   dos   Senhores   Deputados   –   augustos   e   digníssimos  representantes  da  Nação  Brasileira.  Não  foi  sem  espanto   que  descobri  em  mim  um  grande  respeito  por  esse  alto  e  venerável   ofício  [...]     Foi   com   grande   surpresa   que   não   senti   naquele   doutor   Castro,   quanto   certa   vez   estive   junto   dele,   nada   que   denunciasse   tão   poderosa   faculdade.   Vi-­‐o   durante   uma   hora   olhar   tudo   sem   interesse   e  só  houve  um  movimento  vivo  e  próprio,  profundo  e  diferencial,  na   sua   pessoa,   quando   passou   por   perto   uma   fornida   rapariga   de   grandes  ancas,  ofuscante  sensualidade.   Tenta   falar   com   o   doutor   Castro   mas   não   consegue.   Quando   finalmente   consegue,   visitando   a   sua   residência   particular   [casa   da   amante]   este   o   recebe   friamente   dizendo   que   era   muito   difícil   arranjar   empregos   e   manda   o   procurar   no   outro   dia.   Caminha  depois  descobre  que  o  deputado  estava  de  viagem  marcada  para  o  mesmo   dia  e  é  tomado  por  um  acesso  de  raiva:     Patife!  Patife!   A   minha   indignação   veio   encontrar   os   palestradores   no   máximo   de   entusiasmo.   O   meu   ódio,   brotando   naquele   meio   de   satisfação,   ganhou  mais  força  [...]  Gente  miserável  que  dá  sanção  aos  deputados,   que   os   respeita   e   prestigia!   Porque   não   lhes   examinam   as   ações,   o   que  fazem  e  para  que  servem?  Se  o  fizessem...  Ah!  Se  o  fizessem!     Com   o   dinheiro   no   fim,   sem   emprego,   recebe   uma   intimação   para   ir   à   delegacia.   O   hotel  havia  sido  roubado  e  prestavam-­‐se  depoimentos.     Ao   ouvir   as   palavras   do   Capitão   Viveiros:   E   o   caso   do   Jenikalé?   Já   apareceu   o   tal   "mulatinho"?  Isaías  reflete:     Não  tenho  pejo  em  confessar  hoje  que  quando  me  ouvi  tratado  assim,   as  lágrimas  me  vieram  aos  olhos.  Eu  saíra  do  colégio,  vivera  sempre   num   ambiente   artificial   de   consideração,   de   respeito,   de   atenções   comigo  [...]  Hoje,  agora,  depois  não  sei  de  quantos  pontapés  destes  e   outros  mais  brutais,  sou  outro,  insensível  e  cínico,  mais  forte  talvez;   aos   meus   olhos,   porém,   muito   diminuído   de   mim   próprio,   do   meu     6  
  • 7. primitivo   ideal   [...].   Entretanto,   isso   tudo   é   uma   questão   de   semântica:  amanhã,  dentro  de  um  século,  não  terá  mais  significação   injuriosa.     Essa   reflexão,   porém,   não   me   confortava   naquele   tempo,   porque   sentia  na  baixeza  de  tratamento,  todo  o  desconhecimento  das  minhas   qualidades,   o   julgamento   anterior   da   minha   personalidade   que   não   queriam  ouvir,  sentir  e  examinar.     Levado  a  presença  do  delegado,  começa  o  interrogatório:     –  Qual  é  a  sua  profissão?   –  Estudante.   –  Estudante?!   –  Sim,  senhor,  estudante,  repeti  com  firmeza.   –  Qual  estudante,  qual  nada!   A   sua   surpresa   deixara-­‐me   atônito.   Que   havia   nisso   de   extraordinário,   de   impossível?   Se   havia   tanta   gente   besta   e   bronca   que  o  era,  porque  não  o  podia  seu  eu?  Donde  lhe  vinha  a  admiração   duvidosa?   Quis-­‐lhe   dar   uma   resposta   mas   as   interrogações   a   mim   mesmo  me  enleavam.  Ele  por  sua  vez,  tomou  o  meu  embaraço  como   prova  de  que  mentia.   Com  ar  de  escarninho  perguntou:   –  Então  você  é  estudante?   Dessa   vez   tinha-­‐o   compreendido,   cheio   de   ódio,   cheio   de   um   santo   ódio   que   nunca   mais   vi   chegar   em   mim.   Era   mais   uma   variante   daquelas   tolas   humilhações   que   eu   já   sofrera;   era   o   sentimento   geral   da   minha   inferioridade,   decretada   a   priori,   que   eu   adivinhei   na   sua   pergunta.     O  delegado  continua  o  interrogatório  até  arrebatar  chamando  Caminha  de  malandro  e   gatuno,   que,   sentindo   num   segundo   todas   as   injustiças   que   vinha   sofrendo   chama   o   delegado  de  imbecil.  Foi  para  o  xadrez.   Passa  pouco  mais  de  3  horas  na  cela  e  é  chamado  ao  delegado.  Este  se  mostra  amável,   tratando-­‐o  por  meu  filho,  dando-­‐lhe  conselhos.     Após  o  incidente,  deixou  o  hotel,  procurando  abrigo  em  um  quartinho  de  fundos.  Lá   conheceu   o   poeta   revolucionário   Abelardo   Leiva,   que   se   dizia   socialista   e   era   secretário  do  Centro  de  Resistência  dos  Varredores  de  Rua.  O  poeta  vivia  pobremente,   mas   curtia   sua   miséria,   gabava-­‐se   de   ter   participado   de   duas   greves   e   de   ter   conscientizado   o   operariado.   Através   dele   freqüentou   as   reuniões   do   apostolado   positivista   e   ouviu   as   prédicas   de   Teixeira   Mendes,   em   quem   Isaías   Caminha   reconhece   um   impostor.   É   também   através   dele   que   desvenda   o   mistério   da   cidade   que  o  acolheu  tão  friamente.  A  situação  do  protagonista  fica  cada  vez  pior.   Não   havia   mais   dinheiro   para   seu   sustento.   Confessa   ter-­‐se   abandonado   à   miséria,   pois  mal  comia  ou  comia  mal  e  sua  sobrevivência  em  parte  era  devida  ao  conterrâneo   Agostinho  Marques.     7  
  • 8. Por   fim,   Isaías   reencontra   o   jornalista   Gregoróvitch,   a   quem   confessou   suas   agruras   e   os  sofrimentos  pelos  quais  estava  passando.  Gregoróvitch  lhe  arranja  um  lugar  como   contínuo   no   jornal   O   globo.   A   partir   desse   momento,   a   obra   praticamente   gira   em   torno  das  observações  que  o  personagem-­‐narrador  faz  da  rotina  do  jornal.   Todas  as  características  dos  grandes  jornalistas,  desde  o  diretor  de  O  globo,  Ricardo   Loberant,   aos   demais   redatores   e   jornalistas   são   explicitadas   de   maneira   cruel   e   mordaz.   O   diretor   é   retratado   como   ditador,   temido   por   todos,   com   apetite   de   mulheres   e   prazer,   visando   somente   ao   aumento   das   vendas   do   seu   jornal.   São   apresentados,   então,   inúmeros   jornalistas   como   Aires   d’Ávila,   redator-­‐chefe,   Leporace,   secretário,   Adelermo   Caxias,   Oliveira,   Menezes,   Gregoróvitch.   A   tônica   de   O   globo   era   a   crítica   acerba   ao   governo   e   seus   desmandos;   Loberant   se   considerava   o   moralizador   da   República.  Isaías  se  admira  com  a  falta  de  conhecimento  e  dificuldade  para  escrever   desses  homens  que  nas  ruas  eram  tratados  como  semi-­‐deuses  e  defensores  do  povo.   Por  este  tempo,  Caminha  havia  perdido  suas  grandes  ambições  e  acostumava-­‐se  com   o  trabalho  de  contínuo.   É   notável   o   que   se   diz   do   crítico   literário   Floc   [Frederico   Lourenço   do   Couto]   e   do   gramático   Lobo   –   os   dois   mais   altos   ápices   da   intelectualidade   de   O   globo.   Lobo   era   defensor   do   purismo,   de   um   código   tirânico,   de   uma   língua   sagrada.   Acaba   num   hospício,  sem  falar,  com  medo  de  que  o  falar  errado  o  tenha  impregnado  e  tapando  os   ouvidos  para  não  ouvir.   Floc  confundia  arte,  literatura,  pensamento  com  distrações  de  salão;  não  lhes  sentia  o   grande  fundo  natural,  o  que  pode  haver  de  grandioso  na  função  da  Arte.  Para  ele,  arte   era   recitar   versos   nas   salas,   requestar   atrizes   e   pintar   umas   aquarelas   lambidas,   falsamente  melancólicas.  [...]  as  suas  regras  estéticas  eram  as  suas  relações  com  o  autor,   as  recomendações  recebidas,  os  títulos  universitários,  o  nascimento  e  a  condição  social.   Certa   noite,   volta   entusiasmado   de   uma   apresentação   de   música   e   vai   escrever   a   crônica   para   o   dia   seguinte.   Após   algum   tempo,   o   paginador   o   apressa.   Ele   manda   esperar.   Floc   tenta   escrever   o   que   viu   e   ouvira,   mas   seu   poder   criativo   é   nulo,   sua   capacidade   é   fraca.   Ele   se   desespera.   O   que   escreve   rasga.   Após   novo   pedido   do   paginador,  ele  se  levanta,  dirige-­‐se  a  um  compartimento  próximo  e  se  suicida  com  um   tiro  na  cabeça.   Estando   a   redação   praticamente   vazia,   o   redator   de   plantão   chama   Isaías   e   pede   para   que  ele  se  dirija  para  o  local  onde  Ricardo  Loberant  se  encontra  e  jurasse  que  nunca   diria   o   que   viu:   Isaías   vai   ao   local   indicado   e   surpreende   Loberant   e   Aires   d’Ávila   numa  sessão  de  orgia  e  os  chama  apressadamente  para  o  jornal.   Para   não   ser   desmoralizado,   o   dono   do   jornal   passa   a   protegê-­‐lo   e,   pela   primeira   vez,   o  rapaz  tem  a  oportunidade  de  mostrar  seus  reais  dotes  jornalísticos.   Caminha  é  promovido,  passa  a  trabalhar  na  redação  e  tem  seu  ordenado  aumentado.   Entretanto,  alguns  repórteres  implicam  com  o  protagonista.  Eis  o  episódio:   No   quinto   dia   em   que   eu   fazia   reportagem,   um   outro   repórter   arrebatou-­‐me  das  mãos  umas  notas  que  eu  copiava.  Incontinenti,  fui   ao  diretor  e  o  velho  funcionário  obrigou-­‐o  a  restituir-­‐mas.  Quando  o   fez,  gritou  na  portaria:     8  
  • 9. –Tome,  “seu”  moleque!  Você  saiu  da  cozinha  do  Loberant  para  fazer   reportagem.   A  alusão  à  origem  de  Caminha  transtorna-­‐o.  Não  faz  nada  de  imediato,  mas  encontra  o   funcionário  na  rua  e  o  agride,  indo  parar  na  delegacia.   Pela   primeira   vez   na   vida,   tinha   consciência   de   que   não   havia   se   deixado   humilhar.   Loberant,   desse   dia   em   diante,   deu   mais   apoio   a   seu   tutelado.   Todos   da   redação   do   jornal  passaram  a  considerá-­‐lo  e  a  respeitá-­‐lo.  O  diretor  do  jornal,  como  que  movido   pelo   remorso   de   tê-­‐lo   deixado   tanto   tempo   como   contínuo,   passou   a   cobrir-­‐lhe   de   dinheiro  e  atenções,  levava-­‐o  a  toda  a  parte   elogiando-­‐lhe  o  talento,  a  inteligência  e  a   cultura.   O   protagonista   ganha   a   proteção   e   dinheiro   de   Ricardo   Loberant.   Depois   da   euforia   inicial,  Isaías  se  ressente.     Lembrava-­‐me   de   que   deixara   toda   a   minha   vida   ao   acaso   e   que   a   não   pusera  ao  estudo  e  ao  trabalho  com  a  força  de  que  era  capaz.  Sentia-­‐ me   repelente,   repelente   de   fraqueza,   de   falta   de   decisão   e   mais   amolecido  agora  com  o  álcool  e  com  os  prazeres...  Sentia-­‐me  parasita,   adulando  o  diretor  para  obter  dinheiro...     Isaías   abandona   a   sua   vida   confortável   e   repleta   de   boas   relações   para   retornar   à   terra   natal   com   a   finalidade   de   encontrar   um   casamento   por   lá   e   viver   uma   vida   diferente  daquela  que  levava.  Já  casado,  mas  sem  filhos  porque  perdera  os  dois  que   tivera,   resolve   registrar   as   suas   recordações   em   uma   espécie   de   livro   de   memória,   de   onde  surgem  as  Recordações  do  Escrivão  Isaías  Caminha.   FOCO  NARRATIVO   No   prefácio   de   Recordações   do   escrivão   Isaías   Caminha,   Lima   Barreto   afirma   ser   apenas   o   editor   da   obra.   O   autor,   e   também   narrador,   segundo   este,   é   Isaías   Caminha,   seu  amigo.   Caminha,   quando   decide   escrever   suas   recordações   está   tomado   por   uma   enorme   frustração:   sentia-­‐me   desgostoso   por   não   ter   tirado   de   mim   nada   de   grande.   Nessa   época,   já   não   era   o   rapaz   pobre   e   ingênuo   recém-­‐saído   de   uma   cidadezinha   do   interior.   Mas   também   não   era   alguém   reconhecido   por   grandes   obras,   não   era   doutor   [seu  objetivo  inicial].  Embora  já  se  sustentasse  pelos  próprios  méritos,  a  função  que   desempenhava  [a  de  escrivão  na  Coletoria  de  Caxambi]  era  modesta.  Quanto  à  fase  da   vida   que   encerra   a   sua   narração,   não   constitui   exatamente   um   modelo,   visto   que   passa  a  desempenhar  a  função  de  jornalista  de  O  globo  em  troca  do  sigilo  a  respeito   de   um   episódio   da   vida   pessoal   do   diretor   do   jornal,   e,   assumidamente,   ganha   dinheiro  adulando  seu  chefe.   Isaías   narra,   pois,   da   condição   de   excluído:   Crime   fora   de   minha   sociedade,   fora   do   agrupamento   a   que   tacitamente   eu   concedia   alguma   coisa   e   que   em   troca   me   dava   também  alguma  cousa.   E   vem   a   público   exteriorizar   sua   indignação   e   toda   uma   teoria   a   respeito   dos   fatos   alegados   no   artigo   a   que   desejava   se   contrapor.   Mas   é,   sem   dúvida,   um   excluído   diferenciado:  embora  pobre  e  mulato,  é  letrado  [sua  condição  combina,  portanto,  dois   mundos  antagônicos  para  a  época].     9  
  • 10. O  acesso  às  letras  lhe  vem  graças  a  sua  filiação  que,  se  por  um  lado  o  beneficia,  por   outro  lado  reforça  a  exclusão,  afinal,  é  bom  lembrar,  Isaías  é  filho  de  um  padre,  uma   filiação  que  ainda  hoje  não  é  nada  cômoda.  Toda  essa  situação  contribui  para  nosso   narrador  se  sentir  isolado,  visto  não  se  integrar  perfeitamente  nem  ao  grupo  em  que   teve   origem,   nem   ao   grupo   dos   letrados,   situação   confirmada   pela   contraposição   estabelecida   entre   a   Inteligência   do   pai   e   a   ignorância   da   mãe   ou,   mais   tarde,   a   estupidez   das   multidões   e   a   fábula   da   imprensa   e,   no   limite,   até   pela   condição   de   mulato.   Quando  escreve  o  prefácio,  o  narrador  já  não  faz  mais  parte  da  equipe  de  O  globo,  mas   continua   melancólico,   afinal,   os   planos   de   seu   pai   e   os   seus   próprios   sonhos   não   condiziam   com   o   cargo   de   escrivão   da   Coletoria   Federal   de   “Catumbi”.   Até   esse   momento  sua  solidão  só  se  ameniza  com  o  auxílio  daquele  que  lê  e  edita  a  sua  obra:   Lima  Barreto  o  qual  o  irá  “abandonar”,  por  sua  vez,  dez  anos  após  a  primeira  edição   do  romance  quando  Isaías  alcança  a  condição  de  representante  do  Espírito  Santo  na   Assembléia   Estadual   e   está   prestes   a   eleger-­‐se   deputado   federal.   Rico,   segundo   nos   informa   seu   editor,   já   perdera   muito   da   sua   amargura   e   talvez   para   aquele   o   seu   aspecto   mais   interessante:   o   meu   amigo   perdeu   muito   da   sua   amargura,   tem   passeado   pelo   Rio   com   belas   fatiotas,   já   foi   ao   Municipal,   frequenta   as   casas   de   chá,   Esta   informação   nos   é   dada   não   sem   um   ar   de   lamentação:   Deus   escreve   certo   por   linhas   tortas,   dizem.   Será   mesmo   isso   ou   será   de   lamentar   que   a   felicidade   vulgar   tenha   afogado,  asfixiado  um  espírito  tão  singular?  Quem  sabe  lá?   A  LINGUAGEM   A   linguagem   utilizada   no   romance   é   pré-­‐modernista,   pois   se   aproxima   daquela   da   imprensa  e  portanto,  mais  acessível  a  um  público  diversificado.  O  autor,  Lima  Barreto,   tem   a   preocupação   de   usar   um   registro   mais   próximo   do   cotidiano   das   pessoas,   além   do   fato   de   ele   trabalhar   com   uma   galeria   de   personagens   populares   o   que   o   fazia   adotar  a  sua  fala  recheada  de  expressões  extremamente  coloquiais.  A  sua  escrita  era,   antes   de   mais   nada,   uma   expressão   de   sua   consciência   crítica   na   representação   de   uma  realidade  social  até  então  quase  ignorada  pela  literatura  tradicional.   Lima  concorda  com  quase  todo  o  discurso  de  Isaías,  sua  necessidade  de  se  contrapor   ao  artigo,  sua  teoria  de  que  a  sociedade,  e  não  a  raça,  eram  responsáveis  pelo  fato  de   os   negros   não   confirmarem   ao   longo   da   vida   o   talento   muitas   vezes   demonstrado   nas   primeiras   idades...   A   única   objeção   posta   aos   seus   argumentos   diz   respeito   à   sua   preocupação  com  o  estilo.  Diz  Isaías:   Perdoem-­‐me  os  leitores  a  pobreza  da  minha  narração.   Não  sou  propriamente  um  literato,  não  me  inscrevi  nos  registros  da   Livraria   Garnier,   do   Rio,   nunca   vesti   casaca   e   os   grandes   jornais   da   Capital   ainda   não   me   aclamaram   como   tal   –   o   que   de   sobra,   me   parece,  são  motivos  bastante  sérios,  para  desculparem  a  minha  falta   de  estilo  e  capacidade  literária.   Esta   preocupação   da   parte   do   “autor”   cria   uma   ótima   oportunidade   para   o   “editor”   expressar   sua   opinião   acerca   desta   quase   obsessão   reinante   na   nossa   literatura   do   período   e   se   contrapor   diretamente   aos   literatos   da   época:   Afora   as   cousas   da   ‘Garnier’   e   da   ‘casaca’,   e   dos   ‘jornais’,   que   são   preconceitos   provincianos,   o   prefácio,   penso  eu,  consolida  a  obra  e  a  explica,  como  os  leitores  irão  ver.  É  importante  notar  que     10  
  • 11. o  adjetivo  “provinciano”  subverte  uma  relação  já  estabelecida  naquela  sociedade  em   que  ser  “moderno”  era  praticar  aqui  as  tendências  dominantes  na  Europa.   Para   Lima   Barreto,   parece   claro,   esse   comportamento   era   signo   de   atraso,   donde   se   conclui  que  atual,  positiva,  “de  vanguarda”  mesmo,  seria  a  “falta  de  estilo”  de  Isaías.   Nota-­‐se  também,  com  a  leitura  do  romance,  que  a  promessa  feita  pelo  editor,  segundo   a  qual  o  prefácio  consolidaria  e  explicaria  a  obra,  essa  de  fato  é  cumprida,  afinal,  no   decorrer   de   todo   o   romance,   será   denunciado   o   artificialismo   lingüístico   então   predominante   nas   letras   brasileiras,   especialmente   através   do   personagem   Lobo,   o   revisor  do  jornal,  obcecado  por  regras  gramaticais:  A  gramática  do  velho  professor  era   de   miopia   exagerada.   Não   admitia   equivalências,   variantes;   era   um   código   tirânico,   uma  espécie  de  colete  de  força  em  que  vestira  as  suas  pobres  idéias  e  queria  vestir  as  dos   outros.   Para   este   personagem,   facilmente   associado   aos   puristas   da   época   –   para   quem   a   língua   no   Brasil   deveria   ser   idêntica   à   usada   em   Portugal   pelos   seus   melhores   escritores  –,  a  língua  falada  no  Brasil  não  passava  de  “vazadouro  de  imundícies”.   O   “colete   de   força”   ao   qual   se   refere   Isaías,   estava   óbvio,   era   mais   um   instrumento   de   opressão   e   desvalorização   da   população   menos   favorecida.   E   mais   uma   tentativa   de   impor   aqui   padrões   europeus   que   já   se   sobrepujavam   na   música,   nas   vestimentas,   no   comportamento.  No  fundo,  uma  atitude  equivalente  àquela  tomada  pelo  governo  que,   com  o  Bota-­‐Abaixo  expulsara  os  pobres  do  centro  da  cidade.   A   oposição   entre   gramática   e   coisa   para   o   povo   fica   clara   na   passagem   em   que   o   personagem   Loberant   percebe   estar   o   excesso   de   preocupação   com   as   regras   gramaticais   tornando   O   globo   menos   aceito   pela   população   e,   portanto,   vendendo   menos   que   o   seu   rival,   o   Jornal   do   Brasil:   Não   quero   mais   gramática,   nem   literatura   aqui!...  Nada!  Nada!  De  lado  essas  porcarias  todas...  Coisa  para  o  povo  é,  é  que  eu  quero!   Ao   dar   destaque   a   esta   afirmação,   o   narrador   expressa   também   a   sua   indignação   frente  ao  uso  de  uma  língua  que  não  cumpria  a  sua  função  essencial,  a  comunicação,  e   servia  de  um  lado  para  a  satisfação  pessoal  de  alguns  que  procuravam  compensar  a   pouca   competência   e   criatividade   com   a   ostentação   de   um   saber   superficial   e,   de   outro   lado,   como   eficiente   instrumento   de   opressão   da   população   pobre   cada   vez   mais  excluída  dos  processos  de  decisão  a  respeito  dos  fatos  que  dominavam  o  país.   A  contraposição  ao  purismo  torna-­‐se  ainda  mais  flagrante  com  o  enlouquecimento  do   personagem  Lobo,  uma  espécie  de  alegoria  indicadora  de  que  a  obsessão  em  torno  da   pureza   da   língua   era   um   indício   de   inadaptação   à   realidade   social.   Esse   processo   avança  até  o  ponto  em  que  outro  personagem  purista,  o  Floc,  se  suicida  e  termina  por   configurar  a  impossibilidade  de  conciliação  entre  realidade  brasileira  e  texto  escrito   de  acordo  com  os  moldes  da  Academia,  um  dos  pontos  centrais  do  romance.   A  utilização,  portanto,  de  uma  linguagem  mais  próxima  daquela  usada  pela  maioria  da   população  deixa  entrever  o  desejo,  em  Recordações  do  escrivão  Isaías  Caminha,  de  se   alcançar   a   inclusão   social   das   camadas   populares   cuja   pequena   parcela   leitora   deveria,   no   mínimo,   entender   com   clareza   a   obra   e,   dessa   maneira,   poder   ver   sua   própria  realidade  com  olhar  mais  crítico.  Para  Caminha  e  também  para  Lima  Barreto   [a   julgar   por   esta   e   outras   obras   suas   como   Os   bruzundangas,   por   exemplo],   a   conciliação   entre   literatura   nos   moldes   europeus   e   realidade   local   não   parecia   ser   possível,   afinal,   segundo   aquele,   os   estrangeiros   tinham   pouco,   ou   quase   nada   para     11  
  • 12. nos   oferecer:   E   por   detrás   dela   [da   imprensa]   estão   os   estrangeiros,   senão   inimigos   nossos,  mas  quase  sempre  indiferentes  às  nossas  aspirações...   Lima,  portanto,  se  utiliza  da  forma  romance  para  se  contrapor  às  “regras  ditadas”  pela   metrópole.  Seu  modo  de  o  fazer  é  rompendo  com  a  estética  da  Academia  repleta  de   artifícios   verbais   e   fiel   à   língua   portuguesa   praticada   na   Europa,   símbolos   de   uma   sociedade  a  que  nosso  autor  desejava  ardentemente  se  contrapor.   UM  ROMAN  À  CLEF:  A  CRÍTICA  AO  JORNALISMO  DO  INÍCIO  DO  SÉCULO  XX   O  jornalismo,  no  caso  de  Recordações  do  escrivão  Isaías  Caminha,  é  alvo  do  ranço  do   protagonista.   Ao   tematizá-­‐lo,   Lima   Barreto   buscou   salientar   que,   na   prática   jornalística,  frequentemente,  a  informação  está  em  último  plano.   Ao   longo   da   trama,   Lima   Barreto   realiza   uma   verdadeira   cartografia   do   ambiente   jornalístico  de  O  globo  e  das  figuras  que  lá  atuam.  Aspectos  como  a  pseudo-­‐erudição   dos   jornalistas,   o   despotismo   do   diretor   e,   sobretudo,   os   interesses   mercantis   e   políticos  que  se  impunham  sobre  a  informação  e  a  verdade  dos  fatos,  são  enfocados.   Na   trama,   Lima   Barreto   constrói   personagens   caricatos,   em   que   a   devassidão   e   a   arrogância,   a   falta   de   caráter   e   os   interesses   mercantis   são   amplamente   destacados,   como   é   o   caso   de   Ricardo   Loberant,   diretor   do   jornal.   O   jornal   onde   trabalhava   trazia   novidade:   além   de   desabrimento   de   linguagem   e   um   franco   ataque   aos   dominantes,   uma  afetação  de  absoluta  austeridade  e  independência  [...]  O  globo  levantou  a  crítica,   ergueu-­‐a  aos  graúdos,  ao  presidente,  aos  ministros,  aos  capitalistas,  aos  juízes,  e  nunca   houve  tão  cínicos  e  tão  ladrões.   Outra   personagem   que   merece   destaque   é   Leporace,   o   arrogante   secretário   do   jornal,   sumidade   em   literatura   e   jornalismo,   árbitro   do   mérito,   distribuidor   de   gênios   e   talentos.   A   crítica   a   tais   figuras   é   carregada   de   ironia   e   acidez.   Lima   Barreto   fez   questão   de,   pela   “voz”   de   Isaías,   denunciar   os   valores   que,   na   sociedade,   definiam   o   que  seria  um  bom  literato.  Essa  foi  a  principal  razão  da  rejeição  que  experimentou,  ao   longo   de   sua   carreira.   Frederico   Lourenço   do   Couto,   o   crítico   literário   de   O   globo,   assinava   artigos   com   o   pseudônimo   de   Floc.   Era   tido   como   alguém   entendido   em   Literatura  e  assuntos  internacionais  e  por  isso  era  considerado  a  alta  intelectualidade   do   jornal.   Não   se   metia   em   polêmicas   ou   em   escândalos.   Isaías   comparava-­‐o   a   uma   águia,  mas  detalhou,  e  forma  irônica,  os  “requisitos”  que,  para  Floc,  consagravam  um   grande   escritor.   Ivã   Gregoróvitch   Rostolóf,   jornalista   russo,   era   tido   como   a   artilharia   do   jornal.   Em   estilo   violento,   tecia   críticas   aos   adversários.   Em   algumas   passagens,   seu  caráter  agressivo  fica  evidenciado.     O   fato   de   Recordações   do   escrivão   Isaías   Caminha   ser   tido   como   uma   trama   satírica,   em   que   o   autor   busca   refletir   a   sociedade   na   qual   viveu,   leva   a   refletir   sobre   uma   questão   importante.   Seria   a   obra   o   que   se   denomina   roman   à   cléf,   no   qual   são   reproduzidos,  sobre  a  máscara  ficcional,  uma  situação  e  um  grupo  de  pessoas  reais?   Cabe,  nesse  contexto,  destacar  o  conceito  acima  tratado.  Um  romance  à  cléf  ou  roman   à  clé  é  uma  narrativa  que  descreve  eventos  da  vida  real  por  detrás  de  uma  fachada  de   ficção.   Tida   como   pastiche,   a   trama   não   pode   ser   contestada   e   o   autor   mantém-­‐se   imune  a  possíveis  críticas  e  represálias.  Trata-­‐se  de  um  subterfúgio  literário,  em  que  o   narrador  fala,  critica  e  denuncia  sem,  no  entanto,  comprometer  o  autor,  podendo  este   alegar  ser  apenas  “uma  história”,  tal  como  o  fez  Lima  Barreto.  A  chave,  não  contida  no   texto,   é   a   correspondência   entre   os   eventos   e   personagens   do   romance   e   os     12  
  • 13. acontecimentos  e  personalidades  da  vida  real.  O  motivo  que  leva  um  escritor  a  apelar   para  este  recurso  é,  justamente,  o  de  satirizar.  Tematizando,  coloca  na  berlinda  uma   situação  e  as  pessoas  envolvidas  nesta.  Portanto,  mesmo  que  a  obra  de  Lima  Barreto   não   seja   autobiográfica,   assim   mesmo   pode   ser   considerada   um   roman   à   cléf,   cuja   chave   é   a   crítica   que   ele,   metonimicamente,   empreende   à   sociedade   carioca   e   aos   literatos  ‘da  moda’  do  idos  de  1905-­‐1910.     CAMINHA,  UM  NARRADOR  ENGAJADO   Caminha   era   filho   de   um   padre,   assim   a   sua   existência   se   reveste   de   certa   aura   de   sacralidade,  embora,  marcada  pelo  tabu.  E  essa  origem  será  a  tônica  por  trás  do  seu   ideal   de   missão.   A   desigualdade   dentro   do   lar,   de   nível   mental,   agiu   sobre   ele   de   forma  curiosa,  deu-­‐lhe  anseios  de  inteligência.  Da  mãe  recebe  a  cor,  a  mãe  que  vivia  na   sua   ignorância,   ela   que   era   o   seu   socorro   financeiro   na   viagem   ao   Rio   de   Janeiro.   Mas   é  do  pai,  aquele  homem  culto  e  santo  que  pecara  apenas  uma  vez,  que  herdará  a  sua   visão  de  mundo.  Visão  que  impunha  uma  missão,  não  se  calar.   O  velho  Isaías,  repensando  a  sua  juventude,  percebe  o  afastamento  da  sua  missão  e  a   contemporizarão  com  os  ideais  que  abominava.   Hoje,  agora,  depois  não  sei  de  quantos  pontapés  destes  e  outros  mais   brutais,   sou   outro,   insensível   e   cínico,   mais   forte   talvez;   aos   meus   olhos,   porém,   muito   diminuído   de   mim   próprio,   do   meu   primitivo   ideal,  caído  dos  meus  sonhos,  sujo,  imperfeito,  deformado,  mutilado   e  lodoso.   Nesse  sentido  a  obra  dialoga  com  a  base  por  trás  do  próprio  pai  de  Caminha,  ou  seja,  a   Escritura   aceita,   como   sagrada,   pela   instituição   que   o   fez   sacerdote,   a   Bíblia.   E   pelo   nome  e  características  do  personagem,  Isaías,  faz  ponte  com  o  Livro  do  profeta  Isaías,   embora  dialogue  com  outros  trechos  da  Escritura.  Assim  como  o  personagem  de  Lima   Barreto,  o  profeta  Isaías  se  levanta  contra  a  ignorância  auto-­‐infligida  do  povo,  contra   os   costumes   aceitos   socialmente,   contra   a   injustiça,   contra   um   estado   que   produzia   leis  injustas:   O   boi   conhece   o   seu   possuidor,   e   o   jumento   a   manjedoura   do   seu   dono;   mas   Israel   não   tem   conhecimento,   o   meu   povo   não   entende.   Ai   da  nação  pecadora,  do  povo  carregado  de  iniquidade,  da  semente  de   malignos,   dos   filhos   corruptores:   deixaram   ao   Senhor,   blasfemaram   do  Santo  de  Israel,  voltaram  para  trás.   Isaías   Caminha,   a   semelhança   do   profeta,   entendia   que   se   havia   opressão   por   parte   dos  poderosos  o  povo,  pela  sua  indolência,  era  também  responsável  porque  aceitava,   o  meu  povo  não  entende:   Idiotas   que   vão   pela   vida   sem   examinar,   vivendo   quase   por   obrigação,  acorrentados  às  misérias  como  galerianos  à  calceta!  Gente   miserável  que  dá  sanção  aos  deputados,  que  os  respeita  e  prestigia!   Por   que   não   lhes   examinam   as   ações,   o   que   fazem   e   apara   que   servem?   Se   o   fizessem...   Ah!   Se   o   fizessem!   Que   surpresa!   Riem-­‐se,   enquanto   do   suor,   da   resignação   de   vocês,   das   privações   de   todos   tiram  ócios  de  nababo  e  uma  vida  de  sultão...     13  
  • 14. De  acordo  com  Maria  Zilda  Ferreira  Cury,  o  nome  do  personagem  já  reflete  o  clima  de   denúncia   que   envolve   o   livro.   Isaías   é   o   nome   do   profeta   do   Velho   Testamento   que   pretendia  “desmascarar”  as  injustiças  sociais  da  sua  época.  Por  outro  lado,  Caminha,  o   escrivão   da   esquadra   de   Cabral,   é   aquele   que   anuncia   a   D.   Manuel   a   descoberta   de   uma  nova  terra.   A  situação  de  denúncia  ligada  ao  escrever  já  vem  desde  a  escolha  do   nome   do   personagem-­‐narrador   Isaías   Caminha.   O   nome   de   um   profeta,  Isaías  [...]  e  da  primeira  pessoa  que  escreveu  sobre  o  Brasil,  o   também   escrivão,   Pero   Vaz   de   Caminha.   [...]   A   dimensão   social   da   justiça   está   muito   presente   na   boca   do   profeta   Isaías,   na   crítica   às   injustiças   praticadas   pelos   líderes   políticos   do   seu   tempo,   na   denúncia   de   seus   desmandos.   [...]   Com   relação   ao   nome   ‘Caminha’   tem-­‐se  dupla  analogia:  o  escrever  e  o  anunciar.  Ao  escrivão,  da  frota   de   Cabral,   coube   a   tarefa   de   anunciar,   numa   carta,   a   descoberta   de   uma  nova  terra.   O   par   Isaías   Caminha   aponta   para   o   “escrever”,   mas   não   um   escrever   qualquer,   mas   um   escrever   que   denuncia   a   injustiça,   a   opressão   e,   ao   mesmo   tempo,   anuncia   algo   novo.   Vê-­‐se   aí   a   manutenção   de   uma   postura  de  oposição.  Assim,  já  no  nome  escolhido  para  o  personagem   pode-­‐se  depreender  a  concepção  da  função  do  escritor,  daquilo  que   Lima   considera   como   sendo   uma   missão,   um   dever:   o   denunciar   as   injustiças   de   seu   tempo,   o   alinhar-­‐se   com   os   marginalizados,   o   [reduto]  através  da  literatura.   Além   disso,   podemos   inferir   que   Pero   Vaz   de   Caminha   é   aquele   que   relata   pela   primeira   vez   a   entrada   do   Brasil   nos   quadros   da   história   do   ocidente,   enquanto   na   Primeira   República   Isaías   Caminha   contempla   na   sua   narrativa   a   inserção   do   Brasil   no   âmbito   da   fase   imperialista,   que   é   um   novo   patamar   do   capitalismo   mundial.   Portanto,   denúncia   social   de   Isaías   aliada   a   descrição   de   um   período   histórico   determinado,   ou   seja,   a   manifestação   da   nova   realidade   brasileira   que   se   implantou   com  a  Abolição  e  a  República.   É  significativo  entender  o  motivo  que  impulsionou  Isaías  a  escrever  o  livro,  ou  seja,  as   multiplicadas  considerações  desfavoráveis  à  natureza  das  pessoas  do  meu  nascimento,   que  ele  leu  numa  revista  nacional.  Podemos  notar  que  o  livro  estabelece  um  debate  –   opor  argumentos  a  argumentos  –  com  as  teorias  racistas  que  predominavam  no  meio   intelectual  brasileiro  desde  o  século  XIX  até  meados  do  atual.  Segundo  Emília  Viotti  da   Costa,   os   intelectuais   brasileiros   do   referido   período   receberam   a   influência   de   autores   como   Lapouge   e   Gobineau,   que   defendiam   a   tese   da   superioridade   da   raça   branca  em  relação  aos  povos  mestiços.  Contudo,  essas  teorias  não  foram  importadas   mecanicamente,  mas  adequaram-­‐se  à  realidade  brasileira  de  uma  forma  peculiar.   Todavia,   a   aceitação   de   alguns   negros   e   mulatos   na   esfera   das   elites   se   dava   quase   sempre   por   intermédio   da   patronagem.   Ou   seja,   inseridos   no   interior   do   sistema   de   clientela,   homens   brancos   e   pobres,   mulatos   e   negros,   submetiam-­‐se   à   elite   branca   através   da   prática   do   favor.   Nesse   sentido,   o   negro   e   o   mulato   não   competiam   em   igualdade  de  condições  no  mercado,  mas  ascendiam  socialmente,  o  que  era  raro,  sob  a   sombra   da   elite   branca.   Por   isso   mesmo,   era   a   referida   elite   que   controlava   os   mecanismos   de   ascensão   como   bem   lhe   aprouvesse.   Lima   Barreto,   ainda   no     14  
  • 15. “Prefácio”,  indica  o  caminho  que  norteará  o  seu  debate  com  as  teorias  racistas  e  com  a   vida  social  que  impedia  a  mobilidade  do  negro  ou  do  mulato.   A  análise  do  universo  familiar  de  Isaías  é  importante,  pois  ele  carrega  uma  oposição   que   marca   a   evolução   do   personagem   dentro   do   romance.   O   pai   de   Isaías   além   de   ser   branco  era  um  sacerdote,  enquanto  a  sua  mãe  era  negra.  Já  aí  existe  um  contraste:  o   pai   instruído   inculcava   no   pequeno   Isaías   a   idéia   de   ascensão   burguesa   através   da   instrução,  enquanto  a  mãe  representava  a  ignorância  do  mundo  dos  negros.   O  espetáculo  do  saber  de  meu  pai,  realçado  pela  ignorância  de  minha   mãe   e   de   outros   parentes   dela,   surgiu   aos   meus   olhos   de   criança   como  um  deslumbramento.  Pareceu-­‐me  então  que  aquela  faculdade   de   explicar   tudo,   aquele   seu   desembaraço   de   linguagem,   a   sua   capacidade   de   ler   línguas   diversas   e   compreendê-­‐las,   constituíam,   não  só  uma  razão  de  ser  de  felicidade,  de  abundância  e  riqueza,  mas   também   um   titulo   para   o   superior   respeito   dos   homens   e   para   a   superior   consideração   de   toda   a   gente.   Sabendo,   ficávamos   de   alguma   maneira   sagrados,   deificados...   se   minha   mãe   me   aparecia   triste   e   humilde   –   pensava   eu   naquele   tempo   –   era   porque   não   sabia,   como   meu   pai,   dizer   os   nomes   das   estrelas   do   céu   e   explicara   natureza  da  chuva...   Portanto,  um  elemento  essencial  irá  conduzir  Isaías  para  o  Distrito  Federal  em  busca   de   fama   e   notoriedade:   a   crença   de   que   o   título   de   doutor   iria   apagar   tanto   o   seu   nascimento   humilde   como   a   sua   cor,   fazendo-­‐o   entrar   para   o   “mundo   dos   brancos”,   para  “outra  casta”.   Ah!   Seria   doutor!   Resgataria   o   pecado   original   do   meu   nascimento   humilde,   amaciaria   o   suplício   premente,   cruciante   e   onímodo4   de   minha   cor...   nas   dobras   do   pergaminho   da   carta,   traria   presa   a   consideração  de  toda  a  gente.  Seguro  do  respeito  à  minha  majestade   de   homem,   andaria   com   ela   mais   firme   pela   vida   afora.   Não   titubearia,  não  hesitaria,  livremente  poderia  falar,  dizer  bem  alto  os   pensamentos  que  se  estorciam  no  meu  cérebro.   E,   para   que   Isaías   pudesse   obter   o   tão   almejado   título,   duas   visões   de   mundo   o   influenciaram:  a  do  seu  tio  carteiro  Valentim,  também  mulato,  e  a  da  sua  professora   de   colégio   que   tinha   olhos   azuis   e   cabelos   castanhos.   Também   neste   ponto   existe   a   tensão  entre  o  universo  dos  brancos  e  dos  negros.  Valentim  havia  sido  cabo  eleitoral   do  Deputado  Castro  e,  por  isso,  vai  pedir  ao  chefe  político  local,  Coronel  Belmiro,  uma   carta  de  apresentação  para  que  o  citado  Deputado  obtivesse  um  emprego  para  Isaías   na  capital.  Portanto,  Valentim  personifica  o  sistema  de  clientela,  um  dos  únicos  meios   que  possibilita  tanto  a  ascensão  social  dos  pobres  quanto  o  controle  que  a  elite  exerce   sobre  eles,  ofuscando  a  luta  popular  pela  cidadania.   Em   oposição,   a   professora   branca   representa   o   mito   do   self-­‐made   man.   Esta   professora  havia  presenteado  Isaías  com  um  livro  intitulado  O  poder  da  vontade,  que   trazia  estampadas  em  suas  páginas  as  biografias  heróicas  de  Palissy,  Watt,  Benjamin   Franklin,  etc.  Este  livro  influenciou  o  pequeno  Isaías  na  medida  em  que  lhe  transmitia   uma  concepção  –  muito  difundida  na  América  do  Norte  e  Europa  –  que  valorizava  a                                                                                                                           4 Onímodo: que não se restringe, não tem limitações; ilimitado.   15