SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
UFOP 2006/2
  Manoel Neves
VERGONHA NACIONAL
Que o brasileiro lê pouco – apenas 1,8 livro não escolares por ano –    assunto: leitura no Brasil [lê-se pouco]
é fato notório. Que os alunos na maioria da rede escolar na quinta
série do ensino fundamental sem saber interpretar corretamente             ampliação [estatística, exemplo,]
pequena mensagem, também.

O tema agora ganha a imprensa internacional. A revista britânica         assunto: Brasil visto de fora [leitura]
The economist fala da aversão dos brasileiros aos livros. E com
palavras duras: a pobreza das bibliotecas públicas e o baixo índice             locutor: terceira pessoa
de leitura dos brasileiros constituem “motivo para vergonha
nacional”, juntamente com a alta criminalidade, o desemprego e as       citação de autoridade: The economist
escorchantes taxas de juros. A revista classifica o Brasil como “um
país sem leitores” e diz que um quarto da população com 15 anos                        subtemas
ou mais (cerca de 45 milhões de brasileiros) são analfabetos
funcionais. Os números são verdadeiros. E a última pesquisa da             [aversão dos brasileiros por livros]
Bienal do Livro apurou que apenas 16 milhões adquirem livros. A
triste realidade pode ser creditada à pobreza da maioria da            [pobreza das bibliotecas, índice de leitura]
população, mas também não se pode negar o baixo nível do ensino.
Em pesquisa recente sobre os hábitos de leitura, os brasileiros        [criminalidade, desemprego, taxa de juro]
ocupam o 27º lugar em um ranking de 30 países. O péssimo ensino
do português está em debate desde o fim dos anos 60 e foi tratado      [ensino em geral e de português, pobreza]
com o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova (1932), que
preconizava o ensino básico de seis horas. Pouco se fez para                          estratégias
melhorar o ensino. Nada vingou, a não ser o aumento do número de
                                                                        [exemplificação, ampliação, subdivisão]
crianças de sete a 14 anos matriculados nas escolas.
Em janeiro, o governo federal lançou o Plano Nacional de Livros e assunto: iniciativas do governo e de ONGS
Leitura, com abertura de bibliotecas públicas e financiamento de
editoras. Algumas Organizações Não-Governamentais (ONGs) [abertura de bibliotecas, financiar editoras]
instalaram bibliotecas circulantes, em duas estações do metrô na
cidade de São Paulo. Um fator que desencoraja a leitura é a de os        [criação de bibliotecas volantes]
livros serem tão caros: em média, entre R$ 30 a R$ 40 a unidade,
mais de 10% no salário mínimo do país. De que adianta bibliotecas                   subtemas
públicas, se ler é um hábito que só pode ser cultivado em escolas
de qualidade e no recesso do lar? Muitos dizem que os séculos de [o livro custa mais de 10% do salário mínimo]
escravidão levaram os governantes a tratar a educação como artigo
                                                                           [a escola não forma leitores]
de segunda classe.

Realmente, a leitura é um hábito difícil de se formar. A revista                    assunto: vergonhas nacionais
britânica tem razão: ao lado dos crimes e das taxas de juros, não ler
é motivo para vergonha nacional.                                               [crime, taxa de juros e falta de leitores]

                            In: Estado de Minas (Editorial), 19/03/2006, pág. 18.
UFOP 2006/2
                                   “Vergonha nacional”
                                            tema
qual o assunto abordado [um blocobaixos índices de leituradesigne especificamente de que trata o texto]?
                                  de natureza nominal q no Brasil

                                             tese
       os indicadores econômico-sociais desfavoráveis estão que ele escreveu texto]? de leitura
                    qual a intencionalidade do locutor [por associados ao baixo índice

                                        locutor
        articulado em primeira ou terceira [maior ou menor grau de objetividade]?
                      terceira pessoa; camufla sua opinião por intermédio efeitos argumentativos

                                    linguagem
                  usa fatos, dados e e efeitos linguísticos como efeitos argumentativos
                          registros citação de autoridade utilizados no texto

                                tipo e gênero
                        sequências textuais mais utilizadas e gênero textual
                          tipo [expositivo-argumentativo] e gênero [editorial]
UFOP 2006/2
                                         questão 01
Que o brasileiro lê pouco – apenas 1,8 livro não escolares por ano – é fato notório. O sujeito de
fato notório é:

                                          Apenas 1,8 livro
                                             O brasileiro

                                      Que o brasileiro lê pouco

                              Apenas 1,8 livro não escolares por ano

                           COMENTANDO A QUESTÃO
Dado que o “sujeito” é o ser ou aquilo sobre o qual se declara alguma coisa, pode-se afirmar que “o
que é fato notório” é “que o brasileiro lê pouco”. Note que é possível substituir “que o brasileiro lê
pouco” por “isso”. Sendo assim, tem-se: Isso [que o brasileiro lê pouco] é fato notório. Trata-se de
uma Oração Subordinada Substantiva Subjetiva. Ou seja, é um sujeito oracional. A Oração
Subordinada Substantiva Subjetiva sempre aparece quando o verbo da OP está na terceira pessoa do
singular e não apresenta sujeito aparente. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.
UFOP 2006/2
                                              questão 02
Que os alunos na maioria da rede escolar na quinta série do ensino fundamental sem
saber interpretar corretamente pequena mensagem, também. O período em destaque
apresenta:

                                                     elipse
                                                  incorreção

                                                  incoerência
                                                  contradição

                              COMENTANDO A QUESTÃO
Elipse é a supressão de um elemento não mencionado anteriormente. Se lermos a frase e
acrescentarmos algumas informações, ela se torna mais inteligível: Que os alunos na maioria da rede
escolar na quinta série do ensino funcamental passem de ano sem saber interpretar corretamente pequena mensagem é
fato notório também. Em tempo, não há incorreção [erro gramatical], incoerência [problema na
articulação dos sentidos], tampouco contradição [afirma-se algo e seu contrário
concomitantemente] na frase analisada. Assinale-se, pois, a alternativa “a”.
UFOP 2006/2
                                         questão 03
                      De acordo com o texto é CORRETO afirmar que:
a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas maiores que
a pobreza das bibliotecas;
a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas maiores que
a pobreza das bibliotecas;
a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas idênticos aos
da pobreza das bibliotecas;

as escorchantes taxas de juros são problemas menores que a pobreza das bibliotecas e o baixo
índice de leitura dos brasileiros.

                           COMENTANDO A QUESTÃO
Esta questão foi construída a partir da análise de dados fornecidos no segundo parágrafo. Basta
observar que o articulador que linca as referidas informações é juntamente com, logo a relação existe
entre as informações é de soma, adição. Não há, ligando os dados, idéia de comparação de superioridade
ou comparação de inferioridade. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.
UFOP 2006/2
                                         questão 04
O péssimo ensino do português está em debate desde o fim dos anos 60 e foi tratado
com o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova (1932), que preconizava o ensino
básico de seis horas.
O que destacado no período acima é um pronome relativo e pode ser substituído, sem
causar problema sintático e nem prejuízo semântico, por:
                                                cujo

                                                onde

                                                quem

                                               o qual

                           COMENTANDO A QUESTÃO
A palavra que, no trecho citado, é um pronome relativo que retoma o sintagma Manifesto dos Pioneiros
da Escola Nova. Deste modo, tem a função de sujeito da frase que inicia. Sabe-se que o que é
pronome relativo quando refere-se a um termo de valor substantivo anteposto e aceita ser
substituído por “o qual” e variantes. Em tempo: cujo é o único pronome relativo que se refere a
elemento posposto [e concorda com ele em gênero e número], onde é o relativo que indica lugar
estático e quem é o relativo que se usa para se referir a pessoas. Marque-se, pois, a alternativa “d”.
UFOP 2006/2
                                                 questão 05
               De acordo com o texto “Vergonha nacional”, é INCORRETO afirmar que:

                  É inútil construir bibliotecas para um povo que tem aversão à leitura.
                  A única coisa que deu certo foi o aumento de crianças matriculadas.

                         O hábito de leitura pode ser adquirido na escola e no lar.

                    O alto preço dos livros pode também restringir o acesso à leitura.

                                COMENTANDO A QUESTÃO
De acordo com o terceiro parágrafo do texto “Vergonha nacional”, no Brasil não se lê porque o livro é
caro e não pode ser levado para casa. Senão, vejamos: Um fator que desencoraja a leitura é a de os livros serem tão
caros: em média, entre R$ 30 a R$ 40 a unidade, mais de 10% no salário mínimo do país. De que adianta
bibliotecas públicas, se ler é um hábito que só pode ser cultivado em escolas de qualidade e no recesso do lar? Por isso
mesmo, deve-se assinalar a alternativa “a”.
DUAS RAZÕES PARA OTIMISMO
A história do Brasil republicano é pontuada por crises institucionais    assunto: crises [políticas] do Brasil
de maior ou menor envergadura. As de mais triste memória
resultaram em longos períodos de autoritarismo – a ditadura            locutor: terceira pessoa, distanciado [?]
getulista, que durou de 1930 a 1945, e a militar, que vigorou de
1964 a 1985. Com o fim desta última, o país entrou nos trilhos da                      subtemas
normalidade e as instituições democráticas conseguiram fincar
bases em terreno sólido. Não existem mais ameaças de monta [a história do Brasil é pontuada por crises]
nesse campo, é verdade, mas outra crise assombra o país: a da
moralidade. Ela atingiu tal proporção que é possível dizer que o               [a atual é de moralidade]
Brasil conta, hoje, com instituições fortes e mandatários fracos.
Fracos em ética e civilidade, como demonstra o episódio da quebra [hj há instituições fortes e mandatários fracos
ilegal do sigilo bancário do caseiro que incriminou o ministro Antonio
Palocci, mais um momento deplorável que se soma a tantos outros cronologia, confronto, exemplificação
protagonizados pelos atuais governantes.
O poder renovador das democracias, porém, segue seu curso. assunto: STF e STJ têm novos presidentes
Graças a ele há duas boas notícias: o Supremo Tribunal Federal e o
Superior Tribunal de Justiça, as mais altas cortes da justiça        locutor: terceira pessoa, modalizações
brasileira, têm novos presidentes. São eles, respectivamente, a
ministra Ellen Gracie Northfleet e o ministro Raphael de Barros                      subtemas
Monteiro. Ambos assumem as novas funções com a promessa de
trocar as motivações políticas e a exposição pública, que marcaram [os novos presidentes farão reformas e se]
as gestões de seus antecessores, por mais cultura jurídica. Os
ministros expressaram também o desejo de aprofundar e agilizar a          [pautarão pela cultura jurídica]
reforma do Judiciário – um poder que, a despeito dos avanços
obtidos com a entrada em funcionamento do Conselho Nacional de       tese: judiciário deve ser ágil e imparcial
Justiça, ainda precisa modernizar-se muito em sua concepção e
operação, a fim de melhor atender aos interesses dos cidadãos. Só [renovador, boa, ágil, imparcial, inapetência]
com um Judiciário ágil e imparcial se preserva a democracia tão
duramente conquistada e se promove o expurgo de quem a                                técnicas
enfraquece pela prevaricação ou pela inapetência por punir
culpados.                                                              [exposição, ampliação e subdivisão]

           Revista Veja (Editorial) edição 1949, ano 39, nº 12, 29 de março de 2006, pág. 09.
UFOP 2006/2
                              “Duas razões para otimismo”
                                              tema
qual o assunto abordado empossamento dos novos presidentes do especificamente de que trata o texto]?
                        [um bloco de natureza nominal q designe STF e STJ

                                               tese
 presidentes devem fazer reformas esperadas do locutor [por que ele escreveu texto]? decisões jurídicas
                    qual a intencionalidade [judiciário ágil e imparcial] e se pautar por

                                           locutor
         articulado em primeira ou terceira [maior ou menor grau de objetividade]?
                       terceira pessoa; camufla sua opinião por intermédio efeitos argumentativos

                                      linguagem
nítida crítica ao governo Lula [focalização] e defesa de ponto utilizados no texto ao locutor [modalizadores]
                             registros e efeitos linguísticos de vista conveniente

                                  tipo e gênero
                          sequências textuais mais utilizadas e gênero textual
                            tipo [expositivo-argumentativo] e gênero [editorial]
UFOP 2006/2
                                          questão 06
A história do Brasil republicano é pontuada por crises institucionais de maior ou menor
envergadura. As de mais triste memória resultaram em longos períodos de autoritarismo – a
ditadura getulista, que durou de 1930 a 1945, e a militar, que vigorou de 1964 a 1985.

Os grupos de vocábulos e expressão destacados no trecho acima, a saber: “crises”, “períodos de
autoritarismo” e “ditadura”, e “durou” e “vigorou”, têm em comum uma relação de:
                                              sinonímia

                                              antonímia
                                              paronímia

                                              toponímia

                           COMENTANDO A QUESTÃO
O significado das palavras destacadas no trecho citado é bastante próximo [do ponto de vista
semântico]. Por isso, pode-se afirmar que são sinônimas. Trata-se de um caso de sinonímia. Em
tempo: antônimos são palavras que apresentam sentido contrário ou incompatível; parônimos são palavras
cuja escrita é bastante próxima, como, por exemplo: descrição e discrição, emigrar e imigrar; topônimos,
por sua vez, são palavras que servem para indicar lugar, como pico, montanha, cidade, Governador
Valadares e Minas Gerais. Assinale-se, pois, a alternativa “a”.
UFOP 2006/2
                                      questão 07
A expressão inapetência por punir culpados, no último período do texto “Duas razões
                                    culpados
para otimismo”, pode ser substituída, sem prejuízo no sentido, por:

                                 avidez por punir os culpados

                             incompetência de punir os culpados
                             falta de vontade de punir os culpados

                               pertinácia em punir os culpados

                         COMENTANDO A QUESTÃO
Inapetência significa falta de vontade. Etimologicamente falando, temos: in [prefixo latino de
negação] + apetentia [apetência, apetite, em latim]. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagensemanuel
 
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações lingProvas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações lingPaulinha Iacks
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto emanuel
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um textoFabio Dos Santos
 
18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_textoMaria das Dores Justo
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Pedro Henrique
 
Ementas disciplinas-cegrae
Ementas disciplinas-cegraeEmentas disciplinas-cegrae
Ementas disciplinas-cegraeRaquel Franco
 
P24 lingua portuguesa
P24   lingua portuguesaP24   lingua portuguesa
P24 lingua portuguesaJosé Barros
 
lingua portuguesa-literatura
  lingua portuguesa-literatura  lingua portuguesa-literatura
lingua portuguesa-literaturaJosé De Oliveira
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemma.no.el.ne.ves
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaCynthia Funchal
 

Mais procurados (14)

Língua, Literatura e Ensino
Língua, Literatura e EnsinoLíngua, Literatura e Ensino
Língua, Literatura e Ensino
 
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
2º simulado Enem - Matematica e Linguagens
 
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações lingProvas 1º trim 2016 lp variações ling
Provas 1º trim 2016 lp variações ling
 
1º simulado Enem Compacto
1º simulado   Enem Compacto 1º simulado   Enem Compacto
1º simulado Enem Compacto
 
Dolz
DolzDolz
Dolz
 
Modulo 12
Modulo 12Modulo 12
Modulo 12
 
18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto18 formas de começar um texto
18 formas de começar um texto
 
18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto18 formas para_voce_comecar_um_texto
18 formas para_voce_comecar_um_texto
 
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
Atividades de Língua-portuguesa-com-descritores (1)
 
Ementas disciplinas-cegrae
Ementas disciplinas-cegraeEmentas disciplinas-cegrae
Ementas disciplinas-cegrae
 
P24 lingua portuguesa
P24   lingua portuguesaP24   lingua portuguesa
P24 lingua portuguesa
 
lingua portuguesa-literatura
  lingua portuguesa-literatura  lingua portuguesa-literatura
lingua portuguesa-literatura
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
 
Introdução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação ArgumentativaIntrodução - Dissertação Argumentativa
Introdução - Dissertação Argumentativa
 

Destaque

Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1
Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1
Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1ma.no.el.ne.ves
 
Dissertação na Ufop 2009 2
Dissertação na Ufop 2009 2Dissertação na Ufop 2009 2
Dissertação na Ufop 2009 2ma.no.el.ne.ves
 
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentadaProva de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentadama.no.el.ne.ves
 
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentadaProva de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentadama.no.el.ne.ves
 
Prova de Literatura Ufop 2009-2
Prova de Literatura Ufop 2009-2Prova de Literatura Ufop 2009-2
Prova de Literatura Ufop 2009-2ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros textuais no ENEM: crônica
Gêneros textuais no ENEM: crônicaGêneros textuais no ENEM: crônica
Gêneros textuais no ENEM: crônicama.no.el.ne.ves
 
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográfica
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográficaGêneros textuais no ENEM: ficha catalográfica
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográficama.no.el.ne.ves
 
Prova para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgProva para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgma.no.el.ne.ves
 
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeias
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeiasRevisional de estilos de época 10, vanguardas europeias
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeiasma.no.el.ne.ves
 
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendizQuestões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendizma.no.el.ne.ves
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoma.no.el.ne.ves
 
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIAVESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIAIsaquel Silva
 
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiro
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiroAs vanguardas europeias e o modernismo brasileiro
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiroma.no.el.ne.ves
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileirama.no.el.ne.ves
 
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoexercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoKassen Azanki
 
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e ArtesRevisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artesma.no.el.ne.ves
 

Destaque (20)

Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1
Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1
Prova de Língua Portuguesa UFOP-2009/1
 
Dissertação na Ufop 2009 2
Dissertação na Ufop 2009 2Dissertação na Ufop 2009 2
Dissertação na Ufop 2009 2
 
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentadaProva de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP 2008/1 resolvida e comentada
 
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentadaProva de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentada
Prova de Língua Portuguesa da UFOP-2009/2 resolvida e comentada
 
Prova de Literatura Ufop 2009-2
Prova de Literatura Ufop 2009-2Prova de Literatura Ufop 2009-2
Prova de Literatura Ufop 2009-2
 
Gêneros textuais no ENEM: crônica
Gêneros textuais no ENEM: crônicaGêneros textuais no ENEM: crônica
Gêneros textuais no ENEM: crônica
 
A concordância verbal
A concordância verbalA concordância verbal
A concordância verbal
 
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográfica
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográficaGêneros textuais no ENEM: ficha catalográfica
Gêneros textuais no ENEM: ficha catalográfica
 
Prova para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmgProva para relações públicas do tjmg
Prova para relações públicas do tjmg
 
2osimulado_processos
2osimulado_processos2osimulado_processos
2osimulado_processos
 
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeias
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeiasRevisional de estilos de época 10, vanguardas europeias
Revisional de estilos de época 10, vanguardas europeias
 
04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz04. contos de aprendiz
04. contos de aprendiz
 
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendizQuestões fechadas sobre contos de aprendiz
Questões fechadas sobre contos de aprendiz
 
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machadoLirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
Lirismo e surrealismo em joão ternura, de aníbal machado
 
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIAVESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIA
VESTIBULAR UPE SSA 2 - GABARITOS DO SEGUNDO DIA
 
O impressionismo
O impressionismoO impressionismo
O impressionismo
 
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiro
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiroAs vanguardas europeias e o modernismo brasileiro
As vanguardas europeias e o modernismo brasileiro
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-robertoexercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
exercicios-de-tabela-periodica-profº-agamenon-roberto
 
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e ArtesRevisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
Revisional de Linguagens para o ENEM-2016: Literatura e Artes
 

Semelhante a Baixos índices de leitura no Brasil: um motivo de vergonha nacional

Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptRITADECASSIARODRIGUE20
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxGiselma Alves
 
Dossie "Por uma vida melhor"
Dossie  "Por uma vida melhor"Dossie  "Por uma vida melhor"
Dossie "Por uma vida melhor"Hugo Albuquerque
 
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaCurso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaProfFernandaBraga
 
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda SoaresLetramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda SoaresSusana Felix
 
Soares letramento e alfabetização
Soares   letramento e alfabetizaçãoSoares   letramento e alfabetização
Soares letramento e alfabetizaçãoadridaleffi121212
 
Rojo como alfabetizar letrando
Rojo   como alfabetizar letrandoRojo   como alfabetizar letrando
Rojo como alfabetizar letrandoadridaleffi121212
 
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...506490
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasBibliotecAtiva
 
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?Letícia Cristina
 
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritores
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritoresAtividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritores
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritoresBarbara Vestia
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfpotiragomes27
 
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...LOCIMAR MASSALAI
 

Semelhante a Baixos índices de leitura no Brasil: um motivo de vergonha nacional (20)

Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..pptTexto argumentativo dissertação escolar..ppt
Texto argumentativo dissertação escolar..ppt
 
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptxTexto argumentativo dissertação escolar..pptx
Texto argumentativo dissertação escolar..pptx
 
Dossie "Por uma vida melhor"
Dossie  "Por uma vida melhor"Dossie  "Por uma vida melhor"
Dossie "Por uma vida melhor"
 
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda BragaCurso Básico de Redação - Fernanda Braga
Curso Básico de Redação - Fernanda Braga
 
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda SoaresLetramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
Letramento e alfabetização. A muitas facetas Magda Soares
 
Soares letramento e alfabetização
Soares   letramento e alfabetizaçãoSoares   letramento e alfabetização
Soares letramento e alfabetização
 
Alfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soaresAlfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soares
 
Alfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soaresAlfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soares
 
Alfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soaresAlfabetizaçâo magda soares
Alfabetizaçâo magda soares
 
Proposta extra 1
Proposta extra 1Proposta extra 1
Proposta extra 1
 
jovens de palavra - E E Almeida Jr
 jovens de palavra - E E Almeida Jr  jovens de palavra - E E Almeida Jr
jovens de palavra - E E Almeida Jr
 
Rojo como alfabetizar letrando
Rojo   como alfabetizar letrandoRojo   como alfabetizar letrando
Rojo como alfabetizar letrando
 
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...
A universalização das políticas públicas de acesso ao livro e à leitura no br...
 
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticasPlano Nacional de Leitura: discursos & práticas
Plano Nacional de Leitura: discursos & práticas
 
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
Que leitores queremos formar com a literatura infanto-juvenil?
 
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritores
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritoresAtividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritores
Atividades 7c2ba-ano-lc3adngua-portuguesa-com-descritores
 
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdfVeredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
Veredas da Palavra (Volume 1) - Roberta Hernandes e Vima Lia Martin.pdf
 
39 223-2-pb
39 223-2-pb39 223-2-pb
39 223-2-pb
 
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...
Fundação Universidade Federal de Rondônia – Unir Universidade Aberta do Brasi...
 
Revista opinativa
Revista opinativaRevista opinativa
Revista opinativa
 

Mais de ma.no.el.ne.ves

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artesma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologiasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticaisma.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internetma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literaturama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Físicama.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textualma.no.el.ne.ves
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artesma.no.el.ne.ves
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010ma.no.el.ne.ves
 

Mais de ma.no.el.ne.ves (20)

Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2019: Literatura
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologiasSegunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
Segunda aplicação do ENEM-2019: Internet e tecnologias
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileirasSegunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
Segunda aplicação do ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação FísicaSegunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
Segunda aplicação do ENEM-2019: Educação Física
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textualSegunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
Segunda aplicação do ENEM-2019: Compreensão textual
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticaisSegunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
Segunda aplicação do ENEM-2019: Aspectos gramaticais
 
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: ArtesSegunda aplicação do ENEM-2019: Artes
Segunda aplicação do ENEM-2019: Artes
 
ENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: LiteraturaENEM-2019: Literatura
ENEM-2019: Literatura
 
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e TecnologiasENEM-2019: Internet e Tecnologias
ENEM-2019: Internet e Tecnologias
 
ENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileirasENEM-2019: Identidades brasileiras
ENEM-2019: Identidades brasileiras
 
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos GramaticaisENEM-2019: Aspectos Gramaticais
ENEM-2019: Aspectos Gramaticais
 
ENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação FísicaENEM-2019: Educação Física
ENEM-2019: Educação Física
 
ENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão TextualENEM-2019: Compreensão Textual
ENEM-2019: Compreensão Textual
 
ENEM-2019: Artes
ENEM-2019: ArtesENEM-2019: Artes
ENEM-2019: Artes
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e InternetTerceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
Terceira aplicação do ENEM-2017: Tecnologias e Internet
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: LiteraturaTerceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
Terceira aplicação do ENEM-2017: Literatura
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação FísicaTerceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
Terceira aplicação do ENEM-2017: Educação Física
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão TextualTerceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
Terceira aplicação do ENEM-2017: Compreensão Textual
 
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: ArtesTerceira aplicação do ENEM-2017: Artes
Terceira aplicação do ENEM-2017: Artes
 
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
Análise da Prova de Redação da UERJ-2010
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 

Baixos índices de leitura no Brasil: um motivo de vergonha nacional

  • 1. UFOP 2006/2 Manoel Neves
  • 2. VERGONHA NACIONAL Que o brasileiro lê pouco – apenas 1,8 livro não escolares por ano – assunto: leitura no Brasil [lê-se pouco] é fato notório. Que os alunos na maioria da rede escolar na quinta série do ensino fundamental sem saber interpretar corretamente ampliação [estatística, exemplo,] pequena mensagem, também. O tema agora ganha a imprensa internacional. A revista britânica assunto: Brasil visto de fora [leitura] The economist fala da aversão dos brasileiros aos livros. E com palavras duras: a pobreza das bibliotecas públicas e o baixo índice locutor: terceira pessoa de leitura dos brasileiros constituem “motivo para vergonha nacional”, juntamente com a alta criminalidade, o desemprego e as citação de autoridade: The economist escorchantes taxas de juros. A revista classifica o Brasil como “um país sem leitores” e diz que um quarto da população com 15 anos subtemas ou mais (cerca de 45 milhões de brasileiros) são analfabetos funcionais. Os números são verdadeiros. E a última pesquisa da [aversão dos brasileiros por livros] Bienal do Livro apurou que apenas 16 milhões adquirem livros. A triste realidade pode ser creditada à pobreza da maioria da [pobreza das bibliotecas, índice de leitura] população, mas também não se pode negar o baixo nível do ensino. Em pesquisa recente sobre os hábitos de leitura, os brasileiros [criminalidade, desemprego, taxa de juro] ocupam o 27º lugar em um ranking de 30 países. O péssimo ensino do português está em debate desde o fim dos anos 60 e foi tratado [ensino em geral e de português, pobreza] com o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova (1932), que preconizava o ensino básico de seis horas. Pouco se fez para estratégias melhorar o ensino. Nada vingou, a não ser o aumento do número de [exemplificação, ampliação, subdivisão] crianças de sete a 14 anos matriculados nas escolas.
  • 3. Em janeiro, o governo federal lançou o Plano Nacional de Livros e assunto: iniciativas do governo e de ONGS Leitura, com abertura de bibliotecas públicas e financiamento de editoras. Algumas Organizações Não-Governamentais (ONGs) [abertura de bibliotecas, financiar editoras] instalaram bibliotecas circulantes, em duas estações do metrô na cidade de São Paulo. Um fator que desencoraja a leitura é a de os [criação de bibliotecas volantes] livros serem tão caros: em média, entre R$ 30 a R$ 40 a unidade, mais de 10% no salário mínimo do país. De que adianta bibliotecas subtemas públicas, se ler é um hábito que só pode ser cultivado em escolas de qualidade e no recesso do lar? Muitos dizem que os séculos de [o livro custa mais de 10% do salário mínimo] escravidão levaram os governantes a tratar a educação como artigo [a escola não forma leitores] de segunda classe. Realmente, a leitura é um hábito difícil de se formar. A revista assunto: vergonhas nacionais britânica tem razão: ao lado dos crimes e das taxas de juros, não ler é motivo para vergonha nacional. [crime, taxa de juros e falta de leitores] In: Estado de Minas (Editorial), 19/03/2006, pág. 18.
  • 4. UFOP 2006/2 “Vergonha nacional” tema qual o assunto abordado [um blocobaixos índices de leituradesigne especificamente de que trata o texto]? de natureza nominal q no Brasil tese os indicadores econômico-sociais desfavoráveis estão que ele escreveu texto]? de leitura qual a intencionalidade do locutor [por associados ao baixo índice locutor articulado em primeira ou terceira [maior ou menor grau de objetividade]? terceira pessoa; camufla sua opinião por intermédio efeitos argumentativos linguagem usa fatos, dados e e efeitos linguísticos como efeitos argumentativos registros citação de autoridade utilizados no texto tipo e gênero sequências textuais mais utilizadas e gênero textual tipo [expositivo-argumentativo] e gênero [editorial]
  • 5. UFOP 2006/2 questão 01 Que o brasileiro lê pouco – apenas 1,8 livro não escolares por ano – é fato notório. O sujeito de fato notório é: Apenas 1,8 livro O brasileiro Que o brasileiro lê pouco Apenas 1,8 livro não escolares por ano COMENTANDO A QUESTÃO Dado que o “sujeito” é o ser ou aquilo sobre o qual se declara alguma coisa, pode-se afirmar que “o que é fato notório” é “que o brasileiro lê pouco”. Note que é possível substituir “que o brasileiro lê pouco” por “isso”. Sendo assim, tem-se: Isso [que o brasileiro lê pouco] é fato notório. Trata-se de uma Oração Subordinada Substantiva Subjetiva. Ou seja, é um sujeito oracional. A Oração Subordinada Substantiva Subjetiva sempre aparece quando o verbo da OP está na terceira pessoa do singular e não apresenta sujeito aparente. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.
  • 6. UFOP 2006/2 questão 02 Que os alunos na maioria da rede escolar na quinta série do ensino fundamental sem saber interpretar corretamente pequena mensagem, também. O período em destaque apresenta: elipse incorreção incoerência contradição COMENTANDO A QUESTÃO Elipse é a supressão de um elemento não mencionado anteriormente. Se lermos a frase e acrescentarmos algumas informações, ela se torna mais inteligível: Que os alunos na maioria da rede escolar na quinta série do ensino funcamental passem de ano sem saber interpretar corretamente pequena mensagem é fato notório também. Em tempo, não há incorreção [erro gramatical], incoerência [problema na articulação dos sentidos], tampouco contradição [afirma-se algo e seu contrário concomitantemente] na frase analisada. Assinale-se, pois, a alternativa “a”.
  • 7. UFOP 2006/2 questão 03 De acordo com o texto é CORRETO afirmar que: a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas maiores que a pobreza das bibliotecas; a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas maiores que a pobreza das bibliotecas; a alta criminalidade, o desemprego e as escorchantes taxas de juros são problemas idênticos aos da pobreza das bibliotecas; as escorchantes taxas de juros são problemas menores que a pobreza das bibliotecas e o baixo índice de leitura dos brasileiros. COMENTANDO A QUESTÃO Esta questão foi construída a partir da análise de dados fornecidos no segundo parágrafo. Basta observar que o articulador que linca as referidas informações é juntamente com, logo a relação existe entre as informações é de soma, adição. Não há, ligando os dados, idéia de comparação de superioridade ou comparação de inferioridade. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.
  • 8. UFOP 2006/2 questão 04 O péssimo ensino do português está em debate desde o fim dos anos 60 e foi tratado com o Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova (1932), que preconizava o ensino básico de seis horas. O que destacado no período acima é um pronome relativo e pode ser substituído, sem causar problema sintático e nem prejuízo semântico, por: cujo onde quem o qual COMENTANDO A QUESTÃO A palavra que, no trecho citado, é um pronome relativo que retoma o sintagma Manifesto dos Pioneiros da Escola Nova. Deste modo, tem a função de sujeito da frase que inicia. Sabe-se que o que é pronome relativo quando refere-se a um termo de valor substantivo anteposto e aceita ser substituído por “o qual” e variantes. Em tempo: cujo é o único pronome relativo que se refere a elemento posposto [e concorda com ele em gênero e número], onde é o relativo que indica lugar estático e quem é o relativo que se usa para se referir a pessoas. Marque-se, pois, a alternativa “d”.
  • 9. UFOP 2006/2 questão 05 De acordo com o texto “Vergonha nacional”, é INCORRETO afirmar que: É inútil construir bibliotecas para um povo que tem aversão à leitura. A única coisa que deu certo foi o aumento de crianças matriculadas. O hábito de leitura pode ser adquirido na escola e no lar. O alto preço dos livros pode também restringir o acesso à leitura. COMENTANDO A QUESTÃO De acordo com o terceiro parágrafo do texto “Vergonha nacional”, no Brasil não se lê porque o livro é caro e não pode ser levado para casa. Senão, vejamos: Um fator que desencoraja a leitura é a de os livros serem tão caros: em média, entre R$ 30 a R$ 40 a unidade, mais de 10% no salário mínimo do país. De que adianta bibliotecas públicas, se ler é um hábito que só pode ser cultivado em escolas de qualidade e no recesso do lar? Por isso mesmo, deve-se assinalar a alternativa “a”.
  • 10. DUAS RAZÕES PARA OTIMISMO A história do Brasil republicano é pontuada por crises institucionais assunto: crises [políticas] do Brasil de maior ou menor envergadura. As de mais triste memória resultaram em longos períodos de autoritarismo – a ditadura locutor: terceira pessoa, distanciado [?] getulista, que durou de 1930 a 1945, e a militar, que vigorou de 1964 a 1985. Com o fim desta última, o país entrou nos trilhos da subtemas normalidade e as instituições democráticas conseguiram fincar bases em terreno sólido. Não existem mais ameaças de monta [a história do Brasil é pontuada por crises] nesse campo, é verdade, mas outra crise assombra o país: a da moralidade. Ela atingiu tal proporção que é possível dizer que o [a atual é de moralidade] Brasil conta, hoje, com instituições fortes e mandatários fracos. Fracos em ética e civilidade, como demonstra o episódio da quebra [hj há instituições fortes e mandatários fracos ilegal do sigilo bancário do caseiro que incriminou o ministro Antonio Palocci, mais um momento deplorável que se soma a tantos outros cronologia, confronto, exemplificação protagonizados pelos atuais governantes.
  • 11. O poder renovador das democracias, porém, segue seu curso. assunto: STF e STJ têm novos presidentes Graças a ele há duas boas notícias: o Supremo Tribunal Federal e o Superior Tribunal de Justiça, as mais altas cortes da justiça locutor: terceira pessoa, modalizações brasileira, têm novos presidentes. São eles, respectivamente, a ministra Ellen Gracie Northfleet e o ministro Raphael de Barros subtemas Monteiro. Ambos assumem as novas funções com a promessa de trocar as motivações políticas e a exposição pública, que marcaram [os novos presidentes farão reformas e se] as gestões de seus antecessores, por mais cultura jurídica. Os ministros expressaram também o desejo de aprofundar e agilizar a [pautarão pela cultura jurídica] reforma do Judiciário – um poder que, a despeito dos avanços obtidos com a entrada em funcionamento do Conselho Nacional de tese: judiciário deve ser ágil e imparcial Justiça, ainda precisa modernizar-se muito em sua concepção e operação, a fim de melhor atender aos interesses dos cidadãos. Só [renovador, boa, ágil, imparcial, inapetência] com um Judiciário ágil e imparcial se preserva a democracia tão duramente conquistada e se promove o expurgo de quem a técnicas enfraquece pela prevaricação ou pela inapetência por punir culpados. [exposição, ampliação e subdivisão] Revista Veja (Editorial) edição 1949, ano 39, nº 12, 29 de março de 2006, pág. 09.
  • 12. UFOP 2006/2 “Duas razões para otimismo” tema qual o assunto abordado empossamento dos novos presidentes do especificamente de que trata o texto]? [um bloco de natureza nominal q designe STF e STJ tese presidentes devem fazer reformas esperadas do locutor [por que ele escreveu texto]? decisões jurídicas qual a intencionalidade [judiciário ágil e imparcial] e se pautar por locutor articulado em primeira ou terceira [maior ou menor grau de objetividade]? terceira pessoa; camufla sua opinião por intermédio efeitos argumentativos linguagem nítida crítica ao governo Lula [focalização] e defesa de ponto utilizados no texto ao locutor [modalizadores] registros e efeitos linguísticos de vista conveniente tipo e gênero sequências textuais mais utilizadas e gênero textual tipo [expositivo-argumentativo] e gênero [editorial]
  • 13. UFOP 2006/2 questão 06 A história do Brasil republicano é pontuada por crises institucionais de maior ou menor envergadura. As de mais triste memória resultaram em longos períodos de autoritarismo – a ditadura getulista, que durou de 1930 a 1945, e a militar, que vigorou de 1964 a 1985. Os grupos de vocábulos e expressão destacados no trecho acima, a saber: “crises”, “períodos de autoritarismo” e “ditadura”, e “durou” e “vigorou”, têm em comum uma relação de: sinonímia antonímia paronímia toponímia COMENTANDO A QUESTÃO O significado das palavras destacadas no trecho citado é bastante próximo [do ponto de vista semântico]. Por isso, pode-se afirmar que são sinônimas. Trata-se de um caso de sinonímia. Em tempo: antônimos são palavras que apresentam sentido contrário ou incompatível; parônimos são palavras cuja escrita é bastante próxima, como, por exemplo: descrição e discrição, emigrar e imigrar; topônimos, por sua vez, são palavras que servem para indicar lugar, como pico, montanha, cidade, Governador Valadares e Minas Gerais. Assinale-se, pois, a alternativa “a”.
  • 14. UFOP 2006/2 questão 07 A expressão inapetência por punir culpados, no último período do texto “Duas razões culpados para otimismo”, pode ser substituída, sem prejuízo no sentido, por: avidez por punir os culpados incompetência de punir os culpados falta de vontade de punir os culpados pertinácia em punir os culpados COMENTANDO A QUESTÃO Inapetência significa falta de vontade. Etimologicamente falando, temos: in [prefixo latino de negação] + apetentia [apetência, apetite, em latim]. Assinale-se, pois, a alternativa “c”.