Administração colonial

1.475 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.475
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Administração colonial

  1. 1. Administração Colonial
  2. 2. • A chegada dos portugueses ao território brasileiro, em 1500, não teve, inicialmente, a intenção de colonizar o território. Durante 30 anos, Portugal se limitou a explorar o pau-brasil, madeira com grande valor na Europa • Para isso, o português utilizava-se do trabalho indígena cedido inicialmente de forma amigável em troca de uma série de objetos (escambo), como espelhos e tecidos.
  3. 3. • Os índios tinham por função derrubar as arvores de pau-brasil e encaminha-las até as feitorias que funcionavam como armazéns. • Ocorre que vários outros países, como Inglaterra, Holanda e França, mandavam corsários e expedições para se apropriar da valiosa madeira. Estes países se sentiam prejudicados com o Tratado de Tordesilhas.
  4. 4. Gravura representando a prática do escambo
  5. 5. • Estes ataques motivaram o governo português a enviar expedições guarda- costas para proteger o litoral. Porém, estas expedições tiveram pouco resultado. • Em 1530, o rei de Portugal organizou a primeira missão para colonizar o território. Comandada por Martin Afonso de Souza, o objetivo era povoar, expulsar os invasores e iniciar o cultivo de cana-de-açúcar no Brasil.
  6. 6. • A partir daí, Portugal iniciou a administração de sua colônia. Esta administração tomou forma através do sistema de Capitanias Hereditárias e Governo Geral.
  7. 7. Martim Afonso de Sousa
  8. 8. Capitanias Hereditárias
  9. 9. As capitanias hereditárias • O sistema de capitanias hereditárias foi implantado no Brasil, pelo rei Dom João III, a partir de 1534. Consistiu na divisão do território em 15 lotes concedidos a 12 donatários interessados em vir colonizar com os seus próprios recursos. • Era organizado através de dois documentos: a carta de doação e o foral. O primeiro realizava, oficialmente, a doação do lote. O segundo determinava os direitos e deveres dos donatários.
  10. 10. Dom João III
  11. 11. • Dentre os direitos dos donatários, estava a fundação de vilas, doação de sesmarias, escravização de indígenas e livre exploração das minas (A relação do português com o índio se altera após a colonização). • Apesar das vantagens oferecidas aos donatários, o sistema encontrou várias dificuldades, como a falta de recursos, ataques estrangeiros, hostilidade dos indígenas e ausência de um organismo centralizador.
  12. 12. • Além disso, muitos donatários não vieram tomar posse das terras. Diante destas dificuldades, apenas duas capitanias conseguiram realizar o que a metrópole desejava: Pernambuco e São Vicente.
  13. 13. • 01. (PUCCamp-SP) A solução escolhida pelo governo português ao decidir-se pela colonização do Brasil, para garantir tanto a posse das terras brasileiras contra a ameaça estrangeira quanto à sua valorização, foi: a) a proibição de que a criação de gado fosse feita no sertão, fora da área canavieira. b) a doação de sesmarias para a instalação de engenhos de produção açucareira. c) o bandeirismo de apresamento para ataque das missões jesuíticas espanholas. d) o estabelecimento de feitorias no litoral e a realização do escambo de pau-brasil. e) o estímulo à emigração de portugueses para a região mineradora.
  14. 14. Governo Geral • Com finalidade de superar as dificuldades das capitanias e centralizar a administração da colônia, Dom João III criou, em 1548, o governo-geral. • Esta centralização foi necessária para impedir o abuso de poder por parte dos donatários, combater a pirataria, deter a hostilidade dos indígenas e incentivar a economia.
  15. 15. • O governador-geral administrava a colônia de acordo com um regimento e ordens vindas de Portugal. Os três primeiros governadores-gerais foram Tomé de Souza, Duarte da Costa e Mem de Sá. • Além do cargo de governador Geral, havia o cargo de provedor-mor, encarregado da administração e arrecadação; ouvidor- mor, que cuidava das leis; e capitão-mor- da-costa, responsável pela defesa do litoral.
  16. 16. Tomé de Souza
  17. 17. • Este sistema durou até a vinda da família Real portuguesa, em 1808. Durante um bom tempo, a capital da colônia foi Salvador, na Bahia. Em 1763, a capital foi transferida para o Rio de Janeiro.
  18. 18. Salvador atual
  19. 19. • 01.(UEL-PR) A centralização político- administrativa do Brasil colônia foi concretizada com a a) criação do Estado do Brasil. b) instituição do governo-geral. c) transferência da capital para o Rio de Janeiro. d) instalação do sistema das capitanias hereditárias. e) política de descaso do governo português pela atuação predatória dos bandeirantes
  20. 20. O papel da igreja na colonização • O catolicismo era a religião oficial do Império português no período da colonização. Dessa forma, os súditos portugueses ( incluindo o índio) deveriam ser católicos ou estariam sujeitos a punições. • Assim, a igreja católica presente no período colonial possuía dupla função:
  21. 21. • Auxiliar na expansão da fé católica abalada na Europa pelo protestantismo. • Introduzir o indígena na fé católica auxiliando-o em sua adaptação ao trabalho escravo na colônia (principalmente no cultivo da cana de açúcar).
  22. 22. Alfabetização
  23. 23. Inquisição no Brasil • Apesar de oficial, o catolicismo nem sempre era seguido a risca no império português. • Em muitos casos a população optava por seguir outras religiões surgidas do sincretismo do catolicismo com ritos religiosos indígenas e africanos como o candomblé, a umbanda e a simpatia.
  24. 24. Terreiro de Candomblé atual
  25. 25. • Para combater essas práticas religiosas, os chamados crimes contra a igreja, a coroa portuguesa enviou para o Brasil representantes do Tribunal do Santo Ofício (Inquisição). • Muitos processos foram abertos pela inquisição no Brasil e as acusações eram as mais variadas: praticar outra religião em segredo, blasfêmia, feitiçaria e até práticas sexuais indevidas.
  26. 26. Roda do despedaçamento

×