O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Memoria Seminario sobre Canvas Model com Alexander Osterwlader - by Luiz Rolim

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 17 Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (19)

Quem viu também gostou (11)

Anúncio

Semelhante a Memoria Seminario sobre Canvas Model com Alexander Osterwlader - by Luiz Rolim (20)

Mais recentes (20)

Anúncio

Memoria Seminario sobre Canvas Model com Alexander Osterwlader - by Luiz Rolim

  1. 1. Luiz Antonio Rolim de Moura - out 2014
  2. 2. Business Model Canvas e Alexander Osterwälder O Business Model Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico, que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes. É um mapa visual pré-formatado contendo nove blocos do modelo de negócios. O Business Model Canvas foi inicialmente proposto por Alexander Osterwalder baseado no seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology. As descrições formais do negócio se tornam os blocos para construir suas atividades. Existem várias conceitualizações diferentes de negócio; o trabalho e a tese de Osterwalder (20101 , 20043 ) propõem um modelo único de referência baseado nas semelhanças de um vasto número de conceitualizações de modelo de negócios. Com seu padrão de design de modelo de negócios, uma empresa pode facilmente descrever seu modelo de negócios.
  3. 3. Objetivo da Oficina Como melhorar propostas de valor e compreender melhor os fundamentos da metodologia Business Model Canvas. (c) luiz a rolim de moura - 2014
  4. 4. • É importante concorrer com modelos de negócios, não só com produtos. • Montar um plano de negócios é acima de tudo um processo caótico. • Montar um plano de negócio para uma nova idéia é também potencializar a capacidade de fracasso. • A melhor forma de realizar é prototipar, partir para a modelagem e teste. Testando e buscando uma prova de que o mercado e as pessoas querem o que você esta oferecendo. • Os testes mostram e provam o que a sua idéia quer, porém ninguém sabe o que o cliente vai querer ao entrar em contato com ela. Modelos & Planos de Negócios (c) luiz a rolim de moura - 2014
  5. 5. • Não devemos perder tempo desenvolvendo coisas que quase ninguém quer. As empresas fazem muito disto. • Para cada um que revolucionou o mundo, há milhares que fracassaram. • Idéia e modelo de negócio não são a mesma coisa. Idéias precisam de planos de negócios para serem implementadas, poderem tentar o sucesso. • Empresas de sucesso buscam receitas recorrentes, o foco do modelo de negócios busca uma solução para se aproximar ao máximo disto. Modelos & Planos de Negócios (c) luiz a rolim de moura - 2014
  6. 6. Modelos & Planos de Negócios • Modelos de negócios eficientes não são perenes, eles devem gerar resultados no presente mas ter em sua essência a capacidade de abrir oportunidades para o futuro. • Pergunta fundamental: a nossa estrutura de custos é igual a de nossos concorrentes? • Pergunta importante: Será que seu modelo de negócio te protege da sua concorrência? • Constatação fundamental: Não concorremos somente com produtos, mas sim e fundamentalmente com modelos de negócios. • Modelos de negócios tem data de validade, vencem como iogurte na geladeira. (Alex Osterwalder) Fazer o canvas do cliente também auxilia a ter uma leitura interessante do cenário, principalmente em modelos B2B. (c) luiz a rolim de moura - 2014
  7. 7. • Sem prototipar idéias, o fracasso passa fazer parte do pavimento do caminho, contar com a sorte não é método. • Quando você cria algo novo, o mais complicado não é a decisão, mas sim obter a visão ampla das possibilidades, o que esta proposta gera e pode te abrir como oportunidades. Prótotipos Processo de Construção (c) luiz a rolim de moura - 2014
  8. 8. • Protótipos são fundamentais. Prototipar é a conversa que você tem com suas idéias. (Alex Osterwalder) • Explore possibilidades, não se apaixone por suas primeiras idéias. • Na prototipagem o importante não é fazer o canvas ou o modelo de negócio completo, mas sim ter e testar idéias. • Um ponto de partida pode ter diversos modelos de negócios possíveis e diferentes. • Existe um oceano de possibilidades para cada idéia. Prótotipos Processo de Construção (c) luiz a rolim de moura - 2014
  9. 9. • Protótipos diferentes levam a realidades diferentes e a reações diferentes. O teste é uma ferramenta essencial. • O uso de ferramentas de design é uma das abordagens de releitura na montagem de planos e desenho de oportunidades de negócios. • Olha uma maquete não é ver o que vai ser, mas sim mostrar uma tendência e, ao testar, perceber um resultado. É essencialmente explorar o ambiente. Prótotipos Processo de Construção (c) luiz a rolim de moura - 2014
  10. 10. • Se você fica muito ligado a uma idéia, se apaixona pela mesma. A visão ou construção rudimentar ajuda a encontrar o melhor caminho. • Protótipos não são feitos para termos um modelo refinado, mas sim para explorar alternativas. • A prototipagem deve ser feita em ensaios de 5 a 15 minutos. (rápido, simples e necessário). • Ao elaborar protótipos, após avaliar e condensar, destruir. O processo de criação pede mais que apego a etapas realizadas. Prótotipos Processo de Construção (c) luiz a rolim de moura - 2014
  11. 11. • Devemos usar ferramentas visuais para realizar reuniões e diálogos. • Porém conversas soltas demais, verborréia, deve ser combatida. Falar exige técnica, para conduzir usar um cartão BLAH! (proibido falar demais). • O uso de ferramentas visuais agrega uma forma de atuar, uma lógica de construção produtiva. Ferramentas & Boas Práticas (c) luiz a rolim de moura - 2014
  12. 12. Assassinato cognitivo (COGNITIVE MURDER): o nosso cérebro não foi programado para ver coisas em conjunto. Assim ao gerenciar discussões use sempre um postit por vez, contendo somente uma história, trabalhe uma historia de cada vez. Os orçamentos de P&D não contemplam recursos e pesquisas para desenvolver e aprimorar modelos de negócios. Se desenvolvem produtos, mas não caminhos para o sucesso. Ferramentas & Boas Práticas (c) luiz a rolim de moura - 2014
  13. 13. Ferramentas & Boas Práticas Avanço, ferramenta para construir propostas de valor. (c) luiz a rolim de moura - 2014
  14. 14. Ferramentas & Boas Práticas Livro que traz o avanço, ferramenta para construir propostas de valor. (c) luiz a rolim de moura - 2014
  15. 15. Pergunta interessante: Para quais segmentos além dos usuários você pode ser solução com sua proposta de valor? O mercado não quer saber se você ama sua idéia, mas sim e únicamente se ela tem valor para ela. Desenvolver protótipos e planos de negócios não é ter idéias monogâmicas. Idéias & Propostas de Valor (c) luiz a rolim de moura - 2014
  16. 16. JOBS TO BE DONE: leitura pelas tarefas que devem ser realizadas pelo cliente. A propostas de valor devem ter tres dimensões: • funcional (como o produto executa algo para o cliente), • social (o valor que o cliente dá para os beneficios adquiridos ou possíveis) e • emocional (a transformação que traz a realização pessoal do cliente). Clayton Christensen Institute - jobs to be done -> Referencia. Idéias & Propostas de Valor (c) luiz a rolim de moura - 2014
  17. 17. Obrigado! lmoura@pr.sebrae.com.br

×