SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
O perigo para as religiões
afro-brasileiras
Luiz L. Marins
www.luizlmarins.com.br
22/10/2009
Terceira edição
Junho de 2012
Extrato da entrevista de Pierre Verger para
Revista EXU,
Salvador-BA, Set/Out 1988, Fundação Casa de Jorge Amado.
1
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
PRÓLOGO
Nestes tempos de Internet, de tanta informação, contrainformação e desinformação, e
para que se perpetue através dos computadores, julguei oportuno registrar um extrato da
entrevista de Pierre Verger publicada na Revista EXU, edição de setembro/outubro de
1988, concedida a Myrian Fraga, Conselheira da mesma, com coordenação de Claudius
Portugal, editada pela Fundação Casa de Jorge Amado, Largo do Pelourinho, s/n,
Salvador, BA.
Nesta entrevista Verger fala de sua chegada à Bahia, de seu encantamento pela cultura
afro-baiana, de preconceito, de seu trabalho como fotógrafo, de início como escritor,
etc., mas a resposta de Verger que fez valer toda a entrevista foi aquela que ele adverte
sobre os perigos que ameaçam o candomblé, e por extensão, todos os segmentos das
religiões de matrizes africanas.
Reproduziremos na íntegra a pergunta da entrevistadora Myrian Fraga e a resposta de
Verger, que servirá como advertência, não só para a geração atual, como ainda para as
futuras gerações, que tem buscado cada vez mais conhecimentos nos livros. Vejamos a
entrevista:
2
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
ENTREVISTA REVISTA EXÚ
[…]
MYRIAN FRAGA:
E o candomblé hoje. Como o senhor o vê nesses quarenta anos, já que a Bahia foi
modificada, principalmente pelo turismo?
PIERRE VERGER:
O turismo é muito perigoso. Mas o que é perigosíssimo são as teorias dos intelectuais.
Coisas que não têm nome, que não se justificam, mas são apresentadas com muita
inteligência. São coisas muito inteligentes!
Mas, [mas ainda que de forma] inteligente, podem se dizer coisas que são estupidezas
tremendas. Muito bem explicadas, mas são completamente falsas. Infelizmente, há
recentemente coisas publicadas, que dizem exatamente o contrário do que são.
Tem uma pessoa que escreveu que é proibido a gente comer as comidas que fazem
parte das oferendas que se faz a um certo santo. Fez um trabalho minucioso e
conseguiu a confirmação do ponto de vista que queria mostrar, mas que é
completamente o reverso.
Quando uma pessoa faz um trabalho com uma “hipótese de trabalho”, consegue
provar qualquer coisa. E isso, porque baseou a teoria sobre a teoria de outra pessoa,
da qual não quero dar nome, que escreve de maneira inteligente, mas que escreve
coisas completamente estúpidas. É muito grave! O raciocínio é perfeito, mas a base é
falsa.
3
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
Tem muita gente inteligente que é completamente falsa. E isso é perigoso para o
candomblé, porque o conhecimento do candomblé não é conseguido pela gente do
candomblé de maneira didática. Nunca um pai de santo, digno de seu nome, ensina as
coisas. Eles demonstram como se faz, sem explicar. Se a gente é inteligente, entende o
que é.
MYRIAN FRAGA:
E a utilização do candomblé, os mitos africanos, religiosos ou não, numa recriação
literária? Como vê isto?
PIERRE VERGER:
Eu acho que é um meio de usar os mitos africanos para a gente conhecer. Eles são de
uma poesia e uma beleza muito grande. Não acho inconveniente algum, se não fizer
uma deformação de caráter. Digo que há livros muito bonitos, Vasconcelos Maia, por
exemplo. Se não deformar o caráter do santo, por que não?
4
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
Complementando o pensamento de Verger, Roberto Motta, antropólogo, prof. da
Universidade Federal de Pernambuco, escreve na apresentação do livro de Anilson Lins,
Xangô de Pernambuco, Editora Pallas, a seguinte crítica aos próprios acadêmicos,
embora seja um. Vejamos:
FALA DE ROBERTO MOTTA
[…] O primeiro destes méritos é a fidelidade ao vivido. Ao vivido, quero dizer, àquilo
que as pessoas fazem, à sua realidade material e cotidiana, em contraposição ao que
vem infelizmente sendo tão comum na produção antropológica, isto é, a atitude
diametralmente oposta que consiste em confinar-se o antropólogo a uma espécie de
gueto, em que os pesquisadores – se ainda pesquisadores – tratam seus próprios
modelos ou daquilo que querem impor à realidade.
Deixam de ser cientistas e abandonam-se a elucubrações, não a respeito do que as
coisas são, mas sobre como deveriam ser para corresponderem às utopias de que se
fazem muitas vezes representantes. Utopias que envolvem uma tentativa de domínio,
uma reivindicação de poder.
Em nome do relativismo cultural e da igualdade entre os povos, antropólogos,
sociólogos e assemelhados, estão é ferozmente tratando de impor à realidade o único
modelo de história que consideram válido, com origens no ideário do período que
tenho chamado período intramural […]. 1
1 Nota de Luiz L. Marins – “Intramural” refere ao que acontece internamente, termo geralmente
empregado na área médica para designar tumores internos.
5
O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins
SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR:
Pierre Verger, “Etnografia religiosa popular e probidade científica”. In: Religião e
Sociedade, n. 8, São Paulo, ISER, 1982. Disponível em www.luizlmarins.com.br
6

Mais conteúdo relacionado

Destaque (9)

Mapas Historia da Africa UEG GO/BR
Mapas Historia da Africa UEG GO/BRMapas Historia da Africa UEG GO/BR
Mapas Historia da Africa UEG GO/BR
 
15 odù de òsé
15 odù de òsé15 odù de òsé
15 odù de òsé
 
12 odù de òtúrúpòn
12 odù de òtúrúpòn12 odù de òtúrúpòn
12 odù de òtúrúpòn
 
Olodumare e o destino do homem
Olodumare e o destino do homemOlodumare e o destino do homem
Olodumare e o destino do homem
 
O novo livro "Èsù" de juana elbein
O novo livro "Èsù" de juana elbeinO novo livro "Èsù" de juana elbein
O novo livro "Èsù" de juana elbein
 
Ipori 5
Ipori 5Ipori 5
Ipori 5
 
Igbo ifa
Igbo ifaIgbo ifa
Igbo ifa
 
10 odù de òsá
10 odù de òsá10 odù de òsá
10 odù de òsá
 
Esu bara do corpo vs baraa a pessoa
Esu bara do corpo vs baraa a pessoaEsu bara do corpo vs baraa a pessoa
Esu bara do corpo vs baraa a pessoa
 

Semelhante a Os perigos das teorias intelectuais para as religiões afro-brasileiras

Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioHélio Consolaro
 
Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioHélio Consolaro
 
Planos e conteúdos 2º bimestre
Planos e conteúdos 2º bimestrePlanos e conteúdos 2º bimestre
Planos e conteúdos 2º bimestremtolentino1507
 
Elisabeth badinter um amor conquistado - o mito do amor materno
Elisabeth badinter   um amor conquistado - o mito do amor maternoElisabeth badinter   um amor conquistado - o mito do amor materno
Elisabeth badinter um amor conquistado - o mito do amor maternoPatricia Padial Kley
 
7 lições sobre educação de adultos
7 lições sobre educação de adultos7 lições sobre educação de adultos
7 lições sobre educação de adultosisabepaiva
 
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessa
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessaCinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessa
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessaMarinaMarcos
 
26 07-2014 a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana
26 07-2014  a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana26 07-2014  a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana
26 07-2014 a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semanaUmberto Neves
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...Denise Aguiar
 
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011Sérgio Pitaki
 
Colhendo Kylobytes O Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No Brasil
Colhendo  Kylobytes    O  Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No  BrasilColhendo  Kylobytes    O  Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No  Brasil
Colhendo Kylobytes O Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No BrasilSergio Vidal
 
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forças
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e ForçasH. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forças
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forçasuniversalismo-7
 
Livro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_finalLivro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_finalgbruck53
 
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às Universidades
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às UniversidadesAtividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às Universidades
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às UniversidadesProfessor Belinaso
 
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181Marcos Gimenes Salun
 
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014Marcos Gimenes Salun
 

Semelhante a Os perigos das teorias intelectuais para as religiões afro-brasileiras (20)

Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
 
Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
 
Planos e conteúdos 2º bimestre
Planos e conteúdos 2º bimestrePlanos e conteúdos 2º bimestre
Planos e conteúdos 2º bimestre
 
# Antonio c p carvalho - os sabios e a sra piper - [ espiritismo]
#   Antonio c p carvalho - os sabios e a sra piper - [ espiritismo]#   Antonio c p carvalho - os sabios e a sra piper - [ espiritismo]
# Antonio c p carvalho - os sabios e a sra piper - [ espiritismo]
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Elisabeth badinter um amor conquistado - o mito do amor materno
Elisabeth badinter   um amor conquistado - o mito do amor maternoElisabeth badinter   um amor conquistado - o mito do amor materno
Elisabeth badinter um amor conquistado - o mito do amor materno
 
7 lições sobre educação de adultos
7 lições sobre educação de adultos7 lições sobre educação de adultos
7 lições sobre educação de adultos
 
Edição nº 09 do CH Notícias
Edição nº 09 do CH NotíciasEdição nº 09 do CH Notícias
Edição nº 09 do CH Notícias
 
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessa
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessaCinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessa
Cinco ideias equivocadas_sobre_indios_bessa
 
26 07-2014 a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana
26 07-2014  a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana26 07-2014  a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana
26 07-2014 a 02-08-2014 resumo enciclopédia da semana
 
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
ESTUDO DO LIVRO NOS BASTIDORES DA OBSESSÃO REALIZADA - GRUPO FRATERNIDADE - I...
 
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011
Gralha Azul no. 13 - Sobrames Paraná - Julho 2011
 
Colhendo Kylobytes O Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No Brasil
Colhendo  Kylobytes    O  Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No  BrasilColhendo  Kylobytes    O  Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No  Brasil
Colhendo Kylobytes O Growroom E A Cultura Do Cultivo De Maconha No Brasil
 
23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb23288 97738-5-pb
23288 97738-5-pb
 
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forças
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e ForçasH. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forças
H. P. Blavatsky - Ísis sem Véu - 2. Fenômenos e Forças
 
Livro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_finalLivro biomas do_brasil_2017_final
Livro biomas do_brasil_2017_final
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às Universidades
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às UniversidadesAtividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às Universidades
Atividade de Sociologia – Os Zumbis da Cultura Pop às Universidades
 
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181
O Bandeirante - Dezembro 2007 - nº 181
 
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014
Revista OPINIAS - nº 05 - Outubro de 2014
 

Último

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxSebastioFerreira34
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptxhenrygabrielsilvarib
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoRicardo Azevedo
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EMicheleRosa39
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...silvana30986
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JAhenrygabrielsilvarib
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José OperárioNilson Almeida
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 

Último (12)

Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptxGestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
Gestos e Posturas na Santa Missa_20240414_055304_0000.pptx
 
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
2024 - PPT_Sermֶo 01 - Quartas de Poder - PT.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pãoSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 129 - Ao partir do pão
 
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.pptFluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
Fluido Cósmico Universal e Perispírito.ppt
 
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 EGÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
GÊNESIS A-2.pptx ESTUDO INTEGRADO DE CAPITULO 1 E
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus:  Verdadeira Pureza , ...
Bem aventurados os puros de coração, pois verão a Deus: Verdadeira Pureza , ...
 
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
07 - SINAIS DA VOLTA DE JESUS.ppt.IASD>JA
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 
10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário10 Orações Para Honrar São José Operário
10 Orações Para Honrar São José Operário
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 

Os perigos das teorias intelectuais para as religiões afro-brasileiras

  • 1. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins O perigo para as religiões afro-brasileiras Luiz L. Marins www.luizlmarins.com.br 22/10/2009 Terceira edição Junho de 2012 Extrato da entrevista de Pierre Verger para Revista EXU, Salvador-BA, Set/Out 1988, Fundação Casa de Jorge Amado. 1
  • 2. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins PRÓLOGO Nestes tempos de Internet, de tanta informação, contrainformação e desinformação, e para que se perpetue através dos computadores, julguei oportuno registrar um extrato da entrevista de Pierre Verger publicada na Revista EXU, edição de setembro/outubro de 1988, concedida a Myrian Fraga, Conselheira da mesma, com coordenação de Claudius Portugal, editada pela Fundação Casa de Jorge Amado, Largo do Pelourinho, s/n, Salvador, BA. Nesta entrevista Verger fala de sua chegada à Bahia, de seu encantamento pela cultura afro-baiana, de preconceito, de seu trabalho como fotógrafo, de início como escritor, etc., mas a resposta de Verger que fez valer toda a entrevista foi aquela que ele adverte sobre os perigos que ameaçam o candomblé, e por extensão, todos os segmentos das religiões de matrizes africanas. Reproduziremos na íntegra a pergunta da entrevistadora Myrian Fraga e a resposta de Verger, que servirá como advertência, não só para a geração atual, como ainda para as futuras gerações, que tem buscado cada vez mais conhecimentos nos livros. Vejamos a entrevista: 2
  • 3. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins ENTREVISTA REVISTA EXÚ […] MYRIAN FRAGA: E o candomblé hoje. Como o senhor o vê nesses quarenta anos, já que a Bahia foi modificada, principalmente pelo turismo? PIERRE VERGER: O turismo é muito perigoso. Mas o que é perigosíssimo são as teorias dos intelectuais. Coisas que não têm nome, que não se justificam, mas são apresentadas com muita inteligência. São coisas muito inteligentes! Mas, [mas ainda que de forma] inteligente, podem se dizer coisas que são estupidezas tremendas. Muito bem explicadas, mas são completamente falsas. Infelizmente, há recentemente coisas publicadas, que dizem exatamente o contrário do que são. Tem uma pessoa que escreveu que é proibido a gente comer as comidas que fazem parte das oferendas que se faz a um certo santo. Fez um trabalho minucioso e conseguiu a confirmação do ponto de vista que queria mostrar, mas que é completamente o reverso. Quando uma pessoa faz um trabalho com uma “hipótese de trabalho”, consegue provar qualquer coisa. E isso, porque baseou a teoria sobre a teoria de outra pessoa, da qual não quero dar nome, que escreve de maneira inteligente, mas que escreve coisas completamente estúpidas. É muito grave! O raciocínio é perfeito, mas a base é falsa. 3
  • 4. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins Tem muita gente inteligente que é completamente falsa. E isso é perigoso para o candomblé, porque o conhecimento do candomblé não é conseguido pela gente do candomblé de maneira didática. Nunca um pai de santo, digno de seu nome, ensina as coisas. Eles demonstram como se faz, sem explicar. Se a gente é inteligente, entende o que é. MYRIAN FRAGA: E a utilização do candomblé, os mitos africanos, religiosos ou não, numa recriação literária? Como vê isto? PIERRE VERGER: Eu acho que é um meio de usar os mitos africanos para a gente conhecer. Eles são de uma poesia e uma beleza muito grande. Não acho inconveniente algum, se não fizer uma deformação de caráter. Digo que há livros muito bonitos, Vasconcelos Maia, por exemplo. Se não deformar o caráter do santo, por que não? 4
  • 5. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins Complementando o pensamento de Verger, Roberto Motta, antropólogo, prof. da Universidade Federal de Pernambuco, escreve na apresentação do livro de Anilson Lins, Xangô de Pernambuco, Editora Pallas, a seguinte crítica aos próprios acadêmicos, embora seja um. Vejamos: FALA DE ROBERTO MOTTA […] O primeiro destes méritos é a fidelidade ao vivido. Ao vivido, quero dizer, àquilo que as pessoas fazem, à sua realidade material e cotidiana, em contraposição ao que vem infelizmente sendo tão comum na produção antropológica, isto é, a atitude diametralmente oposta que consiste em confinar-se o antropólogo a uma espécie de gueto, em que os pesquisadores – se ainda pesquisadores – tratam seus próprios modelos ou daquilo que querem impor à realidade. Deixam de ser cientistas e abandonam-se a elucubrações, não a respeito do que as coisas são, mas sobre como deveriam ser para corresponderem às utopias de que se fazem muitas vezes representantes. Utopias que envolvem uma tentativa de domínio, uma reivindicação de poder. Em nome do relativismo cultural e da igualdade entre os povos, antropólogos, sociólogos e assemelhados, estão é ferozmente tratando de impor à realidade o único modelo de história que consideram válido, com origens no ideário do período que tenho chamado período intramural […]. 1 1 Nota de Luiz L. Marins – “Intramural” refere ao que acontece internamente, termo geralmente empregado na área médica para designar tumores internos. 5
  • 6. O perigo para as religiões afro-brasileiras – Luiz L. Marins SUGESTÃO DE LEITURA COMPLEMENTAR: Pierre Verger, “Etnografia religiosa popular e probidade científica”. In: Religião e Sociedade, n. 8, São Paulo, ISER, 1982. Disponível em www.luizlmarins.com.br 6