“O irregular e promíscuo funcionamento dos poderes                      públicos  é a causa primeira de todas as outras de...
Independentemente do valor dos homens e           das suas intenções, os partidos,     as facções e os grupos políticos su...
A Presidência da Republica não tem força nem estabilidade.
O Parlamento oferece constantemente o espectáculo do                desacordo, do tumulto,  da incapacidade legislativa ou...
Aos Ministérios falta coesão, autoridade e uma                 linha de rumo,não podendo assim governar, mesmo que alguns ...
A Administração pública, incluindo as autarquias,        em vez de representar a unidade,        a acção progressiva do es...
Directamente ligada a esta desordem instalada,                    a desordem             financeira e económica           ...
Meus amigos:O que acabaram de ler não é cópia de nenhum artigo do“Público”, “Diário de Notícias” ou de qualquer revista.Ne...
Ele lá sabia …
Salazar o que ele disse em 1936
Salazar o que ele disse em 1936
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Salazar o que ele disse em 1936

348 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
348
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Salazar o que ele disse em 1936

  1. 1. “O irregular e promíscuo funcionamento dos poderes públicos é a causa primeira de todas as outras desordens que assolam o país.
  2. 2. Independentemente do valor dos homens e das suas intenções, os partidos, as facções e os grupos políticos supõem ser, por direito, os representantesda democracia. Exercendo de facto a soberania nacional, simultaneamente conspiram e criam entre si estranhas alianças de que apenas os beneficiários são os seus militantes mais activos.
  3. 3. A Presidência da Republica não tem força nem estabilidade.
  4. 4. O Parlamento oferece constantemente o espectáculo do desacordo, do tumulto, da incapacidade legislativa ou do obstrucionismo, escandalizando o país com o seu procedimento e, a inferior qualidade do seu trabalho.
  5. 5. Aos Ministérios falta coesão, autoridade e uma linha de rumo,não podendo assim governar, mesmo que alguns mais bem intencionados o pretendam fazer.
  6. 6. A Administração pública, incluindo as autarquias, em vez de representar a unidade, a acção progressiva do estado e a vontade popular é um símbolo vivo da falta de colaboração geral, da irregularidade, da desorganização e do despesismo que gera, até nos melhores espíritos o cepticismo, a indiferença e o pessimismo.
  7. 7. Directamente ligada a esta desordem instalada, a desordem financeira e económica agrava a desordem Política, num ciclo vicioso de males nacionais. Ambas as situações somadas conduziram fatalmente à corrupção generalizada que se instalou…”
  8. 8. Meus amigos:O que acabaram de ler não é cópia de nenhum artigo do“Público”, “Diário de Notícias” ou de qualquer revista.Nem sequer é da minha autoria.Contudo, é actual.Trata-se de parte do primeiro capítulo de um livro agoraposto à venda em Portugal e, que data de 1936!Li-o, gostei e aconselho-o!Vejam então qual é o livro:
  9. 9. Ele lá sabia …

×