SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Luiz C.C. Torres
                                              luiz.torres@sc.senai.br




“No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao
esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma
coisa bem feita ou não faz.”
                                                   Ayrton Senna
ÍNDICE
1- Objetivo                                             8- Método de quatro pontos

2- Apresentação                                              8.1. Prepare o trabalho

3- Perfil Profissional
                                                             8.2. Apresente o trabalho
3.1. Competências Profissionais
                                                             8.3. Faça o Treinando executar o trabalho
              3.1.1. Competência Geral
                                                             8.4. Acompanha o progresso do treinando
              3.1.2. Unidades de Competência
                                                        9- Divisão de Tarefas
              3.1.3. Descrição funcional
                                                        9.1. Departamentalização
4- Conceito
                                                                     9.1.1. Tipos de Departamentalização
5- Técnicas de Treinamento
                                                        9.2. Conceitos
              5.1. Iniciação
                                                        9.3. Outros Conceitos
              5.2. Aprendizagem
                                                        10- Situações específicas do Treinamento
              5.3. Fases de Treinamento

              5.4. Métodos de Treinamento               10.1 Problemas com Treinamentos

              5.5. Recursos para Treinamento
                                                        10.2 Qualidades do Treinamento
6- Planejamento do Treinamento
                                                        10.3 Clima Negativo nos Treinamentos
6.1. Objetivos do Planejamento

6.2. Necessidades X Possibilidades                      10.4 Clima Positivo nos Treinamentos

          6.3. Obsolescência do Plano                   11- As 4 Ferramentas do Treinamento
          6.4. Controle das Atividades de Treinamento   12 - Avaliação de Dessempenho
6.5. Desenvolvimento do Treinamento
                                                              12.1 Objetivos
          6.6. Execução do Treinamento
                                                              12.2 Estudo Comportamental
7- Como estar preparado para treinar
                                                              12.3 Métricas na Avaliação

                                                                   12.3.1 Benefícios

                                                        12.4 Avaliação de Competências 360º

                                                                   12.4.1 Benefícios
                                                                13. Feed Back
                                                                                                           2
                                                                14. Referências
1. OBJETIVO
       DESENVOLVER DISSEMINADORES EM COLABORADORES, PARA ESTIMULAR,
CONDUZIR E ORIENTAR PESSOAS A ADQUIRIREM MAIS CONHECIMENTOS,
HABILIDADES E COMPETÊNCIAS.



     2. APRESENTAÇÃO
             O SENAI-SC, buscando desempenhar a sua missão de promover a
  qualificação profissional e tecnológica, investiu no desenvolvimento deste
  material didático voltado para a formação profissional.

         Este trabalho é resultado da compilação de diversos materiais didáticos
  disponibilizados no Banco de Recursos Didáticos do Departamento Nacional do
  SENAI, associado a pesquisas atualizadas referentes ao tema abordado.

        Dessa forma, este material didático está direcionado aos participantes do
  curso de Técnicas de Treinamento da rede de Supermercados Koch, em suas
  necessidades básicas e especificas.

       As informações contidas neste material didático são aplicáveis no dia-a-dia
  do profissional, de forma prática, em linguagem simples e de fácil assimilação,
  além de servir para consulta e futura aplicação por disseminadores de
  conhecimento.

       Possibilita, de forma eficiente, o aperfeiçoamento do aluno que se dedica ao
  estudo do conteúdo apresentado. Esses conhecimentos constituem
  complemento indispensável à formação profissional.

         Continue sempre lendo, estudando, analisando e tendo como objetivo
  compartilhar conhecimentos. Seja sempre um bom e competente profissional.




                                                                                  3
3. PERFIL PROFISSIONAL
    3.1. Competências Profissionais
    3.1.1. Competência Geral
   Definir cenários, planejar, definir público, elaborar conteúdo, aplicar e avaliar
resultados na execução dos métodos de treinamento para equipe de
colaboradores. Formando disseminadores de conhecimento e valorização de
funcionários, a fim de minimizar o turn-over de colaboradores.

    3.1.2. Unidades de Competência
•   Planejar e organizar ações de treinamento para colaboradores;

•   Ministrar e executar as técnicas de treinamento;

•   Orientar e supervisionar as atividades inerentes aos conceitos e técnicas
    aplicadas;

•   Efetuar avaliação e transmitir feedback aos colaboradores;

    3.1.3. Descrição funcional
•   Profissional: Supermercado

•   Segmento: Varejo

•   Qualificação Profissional: Gerentes e Supervisores

•   Nível de Educação Profissional: Formação Inicial de Trabalhadores (Básico)

•    Nível de Qualificação: Corresponde a uma ocupação completa, que abrange
    diversas atividades profissionais que requer conhecimentos periféricos,
    sobretudo, na orientação, supervisão, avaliação e um trabalho de execução,
    que exige capacidade para utilizar instrumentos e técnicas específicas.




                                                                                  4
4. CONCEITOS

CONCEITOS                                                   SUMÁRIO
Treinamento é qualquer atividade que procura, delibera-
damente, melhorar a habilidade de uma pessoa no
desem-penho de uma tarefa. Oatley in Hamblin 1977           A Educação refere-se a todos os processos
(p.19)                                                      pelos quais a pessoa a pessoa adquire
                                                            compreensão do mundo, bem como
Treinamento abrange qualquer tipo de experiência
                                                            capacidade para lidar com seus problemas.
destinada a facilitar o ensino que será útil no
desempenho de um cargo atual ou futuro. Hamblin 1978        A Instrução é o vocábulo usado para indicar
(p.15)
                                                            os processos formais e institucionalizados
Treinamento dentro de uma empresa poderá objetivar          através dos quais a educação é ministrada até
tanto a preparação do elemento humano para                  a adoção de uma profissão.
desenvolvimento de atividades que virá executar, como
desenvolvimento de suas potencialidades para melhor         O Treinamento indica a educação específica,
desempenho das que já executa. Ferreira 1979 (p.219)        que, conduzida na escola ou não, antes do
                                                            trabalho ou durante o mesmo, ajuda a pessoa
Treinamento é o processo educacional, aplicado de           a desempenhar bem suas tarefas
maneira sistêmica, através do qual as pessoas aprendem
                                                            profissionais.
conhecimentos, atitudes e habilidades em função de
objetivos definidos. Chiavenato 1985 (p.288)

Treinamento na Empresa é ação de formação e capacita-
ção de mão de obra, desenvolvida pela própria organiza-     CONCLUSÃO
ção, com vistas em suprir suas necessidades. (Toledo
1986 (p.88)

Treinamento é, assim, uma forma de educação. Sua            A Educação se incube de
característica essencial consiste em educar para o
                                                            desenvolver integralmente a
trabalho. (Macian 1987 (p.9)
                                                            personalidade.
Treinamento é parente próximo do embrutecimento, do
adestramento. O desenvolvimento aparece como
instrumento privilegiado de ação da administração de
Recursos Humanos, em razão da possibilidade que             O Treinamento compete integrar o
encerra de efetivo exercício dos valores mais elevados
                                                            indivíduo em seu trabalho, visando
         5. TÉCNICAS DE TREINAMENTO
do homem, e isso, como é evidente, sem prejuízo, muito
ao contrário, dos interesses de produção sticto sensu das   a seu desempenho, para atender às
empresas. (Leite 1994)                                      necessidades profissionais.
          5.1. Iniciação
Treinamento é um processo de assimilação cultural a
curto prazo, que objetiva repassar ou reciclar
      O estudo das estratégias de treinamento proporciona uma visão diferenciada das
conhecimento, habilidades ou atitudes relacionadas
 organizações e dá condições para que o profissional consiga compreender os
diretamente à execução de tarefas ou à sua otimização
 seguintes fatores:
                                                                                                   5
 estudar os recursos e metodologias que facilitam o aprendizado;

    compreender quando e como aplicar diferentes abordagens em treinamento;

    conhecer a contribuição dos jogos e casos práticos no treinamento;


    compreender a interpretação e condução de diferentes tipos de grupos de trabalhadores.


Recursos e metodologias que facilitam o aprendizado

      Partindo do princípio da pedagogia, somos todos aprendizes. O processo de
adquirir sabedoria nunca para ao longo da vida, porém devemos prestar atenção no
fato de que, para sermos excelentes aprendizes, temos que manter viva a
curiosidade, a vontade, a busca constante de novos conhecimentos. Caso contrário,
tornamo-nos reféns da ignorância e da falta de informação.

      No mundo contemporâneo, o que faz a diferença para atingirmos o sucesso
são as informações que possuímos. Para obtê-las, é necessária a busca constante e a
aquisição de dados e informações que podem virar conhecimento. Esse
conhecimento se consegue por meio da aprendizagem e do estudo. Sendo assim, a
solução é gostar de aprender.
      O ser humano tem uma capacidade enorme de aprender, em termos de
velocidade e de quantidade de conhecimentos, só depende de quanto ele está
motivado para isso acontecer. A chave que abre a aprendizagem denomina-se
MOTIVAÇÃO.


      Todos nós nascemos, vivenciamos, relacionamo-nos. Ao longo da vida,
adquirimos conhecimentos e habilidades e isso se constitui na capacidade de uma
pessoa.

      Pode-se dizer que nossa capacidade é constituída de percepção, pensar,
escolher, agir e falar, relacionar e desenvolver habilidades.



                                                                                              6
•   Percepção é a capacidade de perceber o mundo, de perceber o que ocorre na
       empresa, para onde ela quer ir, saber interpretar o momento da empresa e
       do mercado.
   •   Memorização é a capacidade de reter informações para transformá-la em
       produtividade.
   •   Pensar é a capacidade de organizar nossa vida profissional e da empresa, a
       capacidade de adquirir conhecimentos, criar formas de ver novos mercados e
       produtos.
   •   Opção de escolher é a capacidade de saber tomar decisões.
   •   Gestão significa saber decidir corretamente em relação à lucratividade da
       empresa.

   Depois de perceber, memorizar, pensar e escolher, agora é a hora de se
comunicar. Esta capacidade está diretamente relacionada com sucesso e motivação,
pois é por ela que pode ser expressa a valorização de cada empregado.

   A capacidade de desenvolver habilidades forma a competência, e a melhor forma
de instalá-las em nossa mente é o habito, pois, com a repetição sistemática,
aprendemos qualquer habilidade. Por este motivo, muitos métodos de
ensino/aprendizagem são embasados na repetição, sendo muito comum em
treinamentos operacionais.

   Ao analisar todas essas capacidades em um indivíduo, podemos concluir que não
são somente elas que surtirão o efeito de realização nos empregados de uma
empresa, pois a felicidade depende de mais fatores. Se a empresa buscar esforços
nesse sentido, estará investindo em produtividade, pois nada mais produtivo que
um empregado realizado.

       5.2. Aprendizagem
   Aprendizagem, dentro do conceito corporativo, é aquilo que nos ajuda a
modificar nossa vida empresarial, funcional e operacional. É algo vital para o sucesso
do cargo ocupado. Por este motivo, uma série de informações que um treinando
ouve do instrutor que não tenha repercussão na vida prática profissional não


                                                                                     7
representa aprendizagem, e sim aquisição e transmissão reprodutiva que pouco
ficará retida na mente do treinando.

   A partir das pesquisas de andragogia, os estudiosos chegaram a muitas
conclusões interessantes, como é o caso de Edgar Dale, que explica a quantidade de
conhecimentos retidos num processo de ensino aprendizagem. Isso é de suma
importância para os profissionais da área de treinamento e desenvolvimento para
elaborar estratégias e formas diferenciadas para que os treinandos possam ter
melhor aproveitamento e a empresa, por sua vez, economize, evitando os custos de
uma repetição constante do processo de capacitação, como pode ser visualizado no
quadro a seguir.




    FORMAS DE RETENÇÃO DE CONHECIMENTOS




                                                                                 8
Assistir uma palestra
   Índice de retenção do
       conhecimento

                                                                                    Leitura




                                                                             Recursos Audiovisuais




                                                                           Demonstração/Uso Imediato




                                                                             Discussões em Grupo




                                                                           Praticando o conhecimento



 Foco das
Atividades                                                                  Ensinando aos outros


      Figura 1 – Metodologia adotada baseada na pirâmide do aprendizado.
            Ao analisar o quadro, verificamos que, numa palestra, retemos apenas 5% do
      que foi exposto e que o melhor método de ensino é a prática (relação com o
      trabalho, debate e argumentação). Também podemos entender que é necessário
      conjugar formas de aplicar o conteúdo, isto é, didáticas diversificadas para o público
                                                                                                       9
adulto com o fim de obter melhor aprendizagem e evitar desperdício de tempo e
dinheiro.

      O professor/instrutor deve estar centrado no aluno e oportunizar o auto-
desenvolvimento utilizando técnicas, vivências e casos práticos, para que o
treinando possa utilizar a sua própria experiência para a construção do
conhecimento. Isto é, para aluno adulto não é mais possível aplicar “aulinhas”
teóricas e tratá-los passivamente, pois o retorno para a empresa será insuficiente.


       Característica da
        aprendizagem
                                                        Andragogia

   Relação professor / aluno   A aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno, na
                               independência e na autogestão da aprendizagem.



   Razões da aprendizagem      Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a
                               aplicação prática na vida diária).



     Experiência do aluno      Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a
                               aplicação prática na vida diária).



        Orientação da          Aprendizagem baseada em problemas, exigindo ampla gama de conhecimentos
        aprendizagem           para se chegar à solução.




      Sob o ponto de vista do ensino, desenvolver pessoas é, na realidade, uma
técnica de estimular, conduzir e orientar pessoas para adquirirem mais
conhecimentos, habilidades e competências. Ocorrem muitas discussões e posições
antagônicas ao elaborarmos a seguinte questão: alguém pode ser ensinado ou pode
aprender? Na realidade, não são os métodos e as técnicas de ensino que irão
melhorar o processo, e sim a motivação e o esforço do estudante.

      5.3. Fases de Treinamento

                                                                                                         10
Na análise de todo processo de ensino, partimos do princípio de que o aluno
     efetivamente vai passar por alguns passos que podem ser definidos da seguinte
     forma:


     Fase inicial
            avaliar a necessidade de treinamento;
            analisar o que é necessário o aluno aprender;
            estruturar o conteúdo programático do curso;
            estudar as formas de envolvimento das experiências passadas dos alunos.


     Fase da escolha do método de aprendizagem
          cognitiva (conhecimento);
          afetiva (emocional);
          psicomotora (equilíbrio e prática).


     Objetivos educacionais
            transmissão de informações – aumento do conhecimento das pessoas;
            desenvolvimento de habilidades – melhora as habilidades e destrezas;
            desenvolvimento ou modificação de atitudes – desenvolve ou modifica
             comportamentos .(CHIAVENATO, 2003, p. 32).




     Entendendo as fases
                                                                        Aprendizagem:
                                                                       Transformação nos
                                                                            hábitos ,
                                                                           Cognitivo
Necessidade de            Experiências            Treinamento e         comportamento,
                                                                            Afetivo
 Treinamento               Anteriores            Desenvolvimento          aquisição de
Novas ações de            Avaliação de               Melhora da           Psicomotor
                                                                          habilidades e 11
     T&D                  Desenpenho                 qualidade e
                                                                         conhecimentos
                                                   produtividade
Figura 2 – Fases do T&D



       A empresa deve fazer o levantamento das necessidades de treinamento.

     A seguir, é feita uma comparação com o que o empregado já possui de
bagagem necessária para exercer o cargo e as necessidades requeridas pela
empresa. A diferença é o que se constitui na necessidade de treinamento.

      Depois, ao elaborar o conteúdo do que efetivamente fará parte do processo
de ensino, ele é construído levando em consideração as experiências anteriores de
cada treinando.

       Na fase da escolha dos métodos de aprendizagem, é muito importante que se
observe o tipo de conteúdo e para quem será repassado. Para melhor compreender
essa fase, é necessário compreender que aprendizagem cognitiva significa
conhecimento, que resulta no armazenamento organizado de informações na
mente do indivíduo que aprende. Essa aprendizagem se ocupa da atribuição de
significados, compreensão, transformação, armazenamento e uso da informação. É
algo concreto.

       5.4. Métodos de Treinamento
       Já no método de aprendizagem afetivo, são utilizadas ferramentas vivenciais
ou estudos de casos que resultam em experiências tais como: prazer e dor,
satisfação e descontentamento, alegria ou ansiedade. Algumas experiências afetivas
acompanham sempre as experiências cognitivas. A aprendizagem afetiva é
concomitante com a cognitiva.
                                                                                12
O método de aprendizagem psicomotor envolve respostas práticas, que
exigem treino, mas alguma aprendizagem cognitiva é geralmente importante na
aquisição de habilidades psicomotoras, tais como aprender a digitar um texto,
manipular uma ferramenta ou máquina, enfim, áreas da empresa que necessitam de
treinamento prático.

     O processo de ensino-aprendizagem tem com objetivo modificar o
comportamento das pessoas, aumentar a efetividade, o desempenho, desenvolver
conhecimentos, habilidades e atitudes.

       Incorporam-se os mecanismos: frequência, intensidade, adequação e a
continuidade do treinamento, irão provocar um hábito no colaborador. Quando
todo processo se transformar num hábito (comportamento adquirido), significa que
o sistema de ensino foi bem aplicado.

      Abordagens metodológicas podem ser das mais variadas formas. Exemplo:
treinamento no cargo ou fora dele, por demonstrações e exemplos, cursos,
simulações, conferências, estudo de caso, leitura programada, dramatização,
discussão em grupos, aulas expositivas, instruções individuais programadas e jogos
com dinâmicas de grupo.

       Para melhor compreensão de cada uma das abordagens metodológicas,
vamos analisar alguns fatores que possam ser importantes para definição de qual
delas (ou do conjunto delas) poderá ser utilizada para cada caso. Portanto, antes de
analisar as abordagens, vamos relembrar cada uma das prováveis atitudes,
habilidades e conhecimentos que um empregado necessitará para o bom
desempenho das funções do cargo.

    •       Atitudes – iniciativa, autonomia, dedicação, agilidade de raciocínio,
            criatividade, raciocínio lógico, versatilidade, determinação, visão
            estratégica,interesse,disponibilidade, persistência e comprometimento.

    •       Habilidades – comunicação interpessoal, tomada de decisão,
            negociação, capacidade de realização, de trabalhar em equipes,
            raciocínio estratégico, orientação para resultados, delegação,
            sintetização, interação pessoal, persuasão racional, saber ouvir,
            trabalhar em equipe, desenvolver pessoas, habilidade em motivar
            pessoas, implementação de processo de qualidade, raciocínio holístico,

                                                                                  13
raciocínio analítico, fortalecimento dos padrões, atenção a detalhes,
            otimização de recursos.

    •   Conhecimentos – noções de planejamento, conhecer a área de atuação,
        técnicas de comunicação, técnicas de mediação, empreendedorismo,
        conhecimento do cliente.


        5.5. Recursos para Treinamento
        Recursos instrucionais
      De posse das prováveis atitudes, habilidades e conhecimentos, podemos
agora analisar como o treinamento pode ocorrer, ou seja, que recurso(s)
instrucional(is) poderá(ão) ser utilizado(os).

       O treinamento será no cargo ou fora dele, dependendo muito da verdadeira
intenção e da rapidez de respostas que a empresa espera do treinando. O
treinamento no local exige um esforço maior em virtude de se estar ocupando de
muitas coisas ao mesmo tempo. O dia-a-dia dificulta um maior aproveitamento,
enquanto a imersão afastada força a concentração no objetivo do treinamento.
       Quanto aos cursos e programas de curta duração, com aula expositiva, de
oito, vinte ou até quarenta horas-aulas, pode-se dizer que é a forma mais indicada
para ensinar um conjunto restrito e específico de conhecimentos.

      Leitura programada e instruções individuais são formas programadas de
ensino em que o professor organiza e monitora, por meio de análises periódicas, o
estudo de textos escolhidos que oferecem os conhecimentos que devem ser
aprendidos. Essa forma de ensino é eficaz quando o estudo puder ser feito sozinho,
porém o aluno deve possuir uma alta capacidade de autoaprendizagem. Pode ser
considerada como vantagem sua flexibilidade em termos de tempo, além de seu
custo baixo.

      Na discussão em grupos, o professor estimula, planeja e monitora grupos de
debate, em que cada treinando troca conhecimentos adquiridos. Esse processo
muitas vezes é adotado em conjunto com um programa de leitura programada. Não
podemos, nesse momento, esquecer que habilidades se aprendem por meio de
exercícios práticos. Isto pode ser considerado tanto para as habilidades motoras,
como digitar um texto, quanto para as cognitivas, como aprender técnicas de
atendimento ao cliente.

                                                                                14
As demonstrações, exemplos, simulações e jogos são processos de ensino-
aprendizagem que simulam situações da vida real, em que as habilidades a serem
aprendidas são exercitadas de uma forma programada. Nesses casos, os professores
desenvolvem vivências e constroem casos práticos em que o aluno pode ser
sensibilizado com mais intensidade e habilidade.

       As conferências normalmente são utilizadas para dar ênfase ao que já se sabe.
São técnicas utilizadas para reforço e estão muito mais voltadas para o exercício de
alguma habilidade do para aquisição de um conhecimento.
       É importante alertar que hoje vivemos um mundo tecnológico muito
avançado e que a informática e as telecomunicações estão presentes em todos os
processos de ensino-aprendizagem. Modernamente falando, os recursos
instrucionais têm evoluído muito, desde equipamentos que simulam situações
verídicas (como é o exemplo de treinamento de pilotos de aviões de grande porte
nas escolas de aviação) até modernos recursos audiovisuais (teleconferências,
correios eletrônicos, salas de bate-papo e toda tecnologia multimídia).




Segundo Chiavenato (2003), os recursos instrucionais podem ser assim visualizados:

ABSTRATO




                                                                                  15
CONCRETO
Figura 3 – Recursos Institucionais do Treinamento


      Deve ser observado se o treinamento realmente produziu o efeito esperado
no comportamento dos empregados e se o que foi aprendido tem ligação com o que
eles vão precisar na hora de executar seu trabalho.

                                                                            16
Por meio da avaliação, é possível observar se a técnica e os métodos de
ensino de aprendizagem foram eficientes, bem como o preparo do instrutor.

     A avaliação é um verdadeiro instrumento da estrutura organizacional para
aumentar sua eficiência e eficácia. Podemos traduzir isso em forma de melhoria da
imagem da empresa, do clima e do relacionamento empregado-empresa.

      Segundo Chiavenato (2003), a avaliação também pode produzir resultados
na área de Recurso Humanos:

   •   redução da rotação de pessoal;
   •   redução do absenteísmo;
   •   aumento da eficiência individual;
   •   aumento das habilidades;
   •   elevação do conhecimento;
   •   mudança de atitudes e de comportamentos.

E no nível das tarefas e operações:
   • aumento da produtividade;
   • melhoria da qualidade dos produtos e serviços;
   • redução no tempo de treinamento;
   • redução do índice de acidentes;
   • redução do índice de manutenção de máquinas e equipamentos:




     Para compreender todo o processo de T&D, é importante visualizá-lo por
meio de um fluxo contínuo.




                                                                               17
Fase 1                                 Fase 2                Fase 3

   Levantamento das                    Aplicação dos         Escolha de métodos
necessidades específicas               princípios de            adequados à
    de treinamento                     aprendizagem               instrução




                                                             Fase 4

                                                             Coleta de material
                                                              e dados para a
   Fase 9
                                                                 instrução
     Relatórios de
     treinamento

                                                             Fase 5

                                                                 Elaboração do
                                                                  programa de
                                                                  treinamento




    Fase 8                             Fase 7               Fase 6

     Avaliação e controle                Execução do         Treinamento dos
       dos resultados                    treinamento            instrutores




Figura 4 – Fluxo do processo de T&D.




         6. PLANEJAMENTO DE TREINAMENTO
Planejar as atividades de treinamento para:

         • Evitar incertezas;
         • Transformar “boas intenções” em um plano executável


                                                                                  18
• Avaliar as necessidades de treinamento;

     • Agir estrategicamente;

     • Mensurar custos e resultados;

     6.1. Objetivos do Planejamento
      Com base nas estratégias da empresa defina os objetivos do treinamento,
procurando responder:

     • Qual a necessidade?
     • Qual sua causa?

     • Aonde queremos chegar?

     6.2. Necessidades X Possibilidades
     Identifique as competências exigidas pelos cargos considerando:

     • Conhecimentos;
     • Habilidades;

     • Comportamentos.

      Avalie as “Intenções” apresentadas como necessidades e responda: Elimine
supérfluos e responda:

     • Qual sua prioridade?
     • É parte de outra necessidade maior?

     • É preciso alguma providência inicial?

     • A necessidade é permanente ou temporária?

     6.3. Obsolescência do Plano
     As metas de treinamento devem corresponder a situação do ambiente que a
empresa atua, assim possibilite a seu plano:

                                                                            19
• Flexibilidade;
      • Dinamismo;

      • Atualização.

      6.4. Controle das Atividades de Treinamento
     O plano deve contar com instrumentos de controle para verificar sua eficiência
durante a execução treinamento.


Tipos recursos para controle:

      • Testes;
      • Fichas de acompanhamento;

      •   Observações pessoais dos coordenadores e facilitadores;

      • Entrevistas.



      6.5. Desenvolvimento do Treinamento
      • Determinação do conteúdo do treinamento;
      • Escolha dos métodos de treinamento;

      • Definição dos recursos necessários;

      • Definição do público-alvo.




      6.6. Execução do Treinamento
          • Local para o treinamento;

                                                                                 20
• Periodicidade do treinamento;

            • Cálculo da relação custo benefício;

            •    Avaliação dos resultados.




Figura 5 : Ciclo de Planejamento e Execução de Treinamento




7. COMO ESTAR PREPARADO PARA TREINAR
        •   QUE FAZER
        •   QUANDO FAZER
        •   QUEM FAZER
        •   ONDE FAZER
        •   COMO FAZER
        •   POR QUE FAZER

8. APRESENTAÇÃO DO MÉTODO DE QUATRO PONTOS
    8.1. Prepare o trabalho
                                                             21
•   Ponha-o à vontade Indique o trabalho e verifique o que ele já sabe a respeito;
  •   Desperte nele o interesse de aprender o trabalho;
  •   Coloque-o em posição correta;

  8.2. Apresente o trabalho
  •   Fale, mostre e ilustre uma fase importante de cada vez;
  •   Insista em cada ponto-chave;
  •   Ensine clara, completa e pacientemente,não ensinando mais do que aquilo
      que o aprendiz possa captar;

  8.3. Faça o Treinando executar o trabalho
  •   Peça-lhe para fazer o trabalho;
  •   Faça-o explicar cada ponto-chave;
  •   Corrija os erros durante a execução;
  •   Verifique se compreendeu;
  •   Prossiga até ter certeza que ele sabe;

  8.4. Acompanha o progresso do treinando
  •   Estimule-o a assumir a responsabilidade do trabalho;
  •   Diga-lhe a quem recorrer para obter auxílio;
  •   Verifique sempre o trabalho dele;
  •   Anime-o a fazer perguntas;
  •   Vá gradualmente deixando que ele trabalhe por si mesmo;



9. DIVISÃO DE TAREFAS
      A divisão de tarefas busca fazer com que as pessoas se concentrassem numa
determinada atividade de forma que possam realizá-la da forma mais rápida e
correta possível.
                                                                                  22
Os projetos para inovação dentro das empresas são seccionados em pequenas
tarefas, delegadas a diferentes pessoas dentro da corporação. Porém, de que forma
interligar esses afazeres de modo a tornar possível a realização de um projeto
homogêneo e de sucesso?

      O ponto de partida para que esse processo seja realizado de forma correta é
entender a fase de solução de problemas entre cada uma dessas áreas. Uma solução
é remover as barreiras entre essas soluções de problemas de cada uma das tarefas,
incentivando a colaboração.

        Organização do Trabalho
       Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis
       tendo em vista os objetivos que a empresa como um todo se propõe atingir.

OBJETIVOS DA EMPRESA - TIPO DE ATIVIDADE - DEPARTAMENTALIZAÇÃO

   9.1. Departamentalização

   •    Uma função corresponde a um tipo de atividade laboral que pode ser
        identificada e se distingue de qualquer outra.
   •    A departamentalização é o processo que consiste em agrupar funções
        semelhantes (ou relacionadas) ou atividades principais em unidades de
        gestão.

        9.1.1 Tipos de Departamentalização
        Os mais frequentes:

           •   Departamentalização por funções;
           •   Departamentalização por produto;
           •   Departamentalização por cliente;
           •   Departamentalização por área geográfica;
           •   Formas combinadas de departamentalização.

        9.2. Conceitos


                                                                                23
•   Responsabilidade - Obrigação de se empenhar da melhor forma possível na
           realização das funções que a essa pessoa foram atribuídas.

       •   Autoridade - Direito de decidir, de dirigir outros na execução das tarefas
           necessárias à alcançar os objetivos.

       •   Delegação - Processo de atribuir a alguém a responsabilidade do exercício de
           uma atividade e a correspondente autoridade para o efeito.

    Razões para que os gestores procedam à delegação de poderes:

•   Maior rapidez na tomada de decisões - Evita que os gestores de determinado nível
    tenham que colocar o problema ao gestor (ou gestores) de nível superior e aguardem a
    decisão.

•   Permite o treino e desenvolvimento pessoal - Os gestores nunca aprenderiam a
    desempenhar determinadas funções se não lhes fosse dada a oportunidade de o fazerem
    na prática (a gestão, como a natação, não se aprende só com aulas teóricas, mas
    praticando).

•   Aumenta o nível de motivação - Na medida em que as pessoas em quem se delega,
    de modo geral, atribuem à delegação um significado de confiança nas suas capacidades, o
    que se traduz em realização profissional e as leva a esforçar-se por corresponderem à
    confiança depositada.

•   Conduz a melhores decisões e a melhoria na execução do trabalho - Pois muitas
    vezes a pessoa que está mais perto da tarefa é a que melhor conhece a melhor forma de a
    executar.

•   Permite desempenhar tarefas e funções mais complexas - Pensemos por exemplo
    na preparação da viagem do homem à Lua para constatar da sua impossibilidade se os
    responsáveis por essa complexa tarefa não procedessem à delegação em elevado grau.




    9.3. Outros Conceitos
       •   Centralização: é a situação em que se verifica uma maior retenção da
           autoridade pelos gestores de nível superior e, consequentemente, um
           reduzido grau de delegação.

                                                                                          24
•   Descentralização: é a situação inversa, em que se verifica um elevado
            grau de delegação da autoridade pelos gestores de nível superior aos
            gestores de nível inferior.

    Divisão de tarefas em um time ágil: uma tarefa por
    desenvolvedor ou vários desenvolvedores por tarefa?


10. SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE TREINAMENTO

    10.1 Problemas com Treinamentos
    •   Muito longos e agenda extensa
    •   Falta de interesse dos participantes
    •   Diálogo truncado
    •   Mal planejado
    •   Liderança inábil

    10.2 Qualidades do Treinamento
    •   Proposta conhecida e entendida
    •   Agenda organizada
    •   Treinandos oportunos
    •   Liderança adequada e assumida
    •   Mensagens claras
    •   Envolvimento e participação ativa dos Treinandos

    10.3 Clima Negativo nos Treinamentos
    •   Atraso do líder
    •   Local não disponível nem adequado
    •   Despreparo da liderança
    •   Participantes retardatários
                                                                                    25
•   Interrupções irrelevantes e freqüentes
     •   Despreparo geral e desinteresse dos participantes
     •   Falta de foco
     •   Ausência de seriedade e descompromisso

      10.4 Clima Positivo nos Treinamentos
     •   Confirmação e checagem de presenças
     •   Material de trabalho com boa qualidade
     •   Agenda distribuída a todos os participantes
     •   Início na hora marcada e fim na hora prevista
     •   Obediência a agenda
     •   Intervalos negociados e rígidos


11. AS QUATRO FERRAMENTAS DE TREINAMENTO
   De acordo com Chiavenato (1999, p. 297) “O treinamento é um processo cíclico e
contínuo composto de quatro etapas: diagnóstico, desenho, implementação e
avaliação”. O importante é lembrar que o treinamento tem a responsabilidade de
atingir níveis de desempenho estabelecidos pelas organizações, através da
continuidade do seu desenvolvimento.

   • Diagnóstico
         • Análise situacional
         • Relação de prioridades
   • Desenho
         • Planejamento
         • Decupar ações
   • Implementação
         • Implementar ações
                                                                               26
• Avaliação
          • Relatórios de encerramento
          • Verificação dos pontos positivos e negativos



12. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO
   É uma ferramenta que permite avaliar e mensurar, de modo objetivo , como
cada funcionário está desempenhando o seu papel dentro da empresa, o quanto se
está, ou não, correspondendo ao que a empresa espera que seja realizado na função
que ocupa.

   12.1 Objetivos
   •   Mapear resultados (Pontos Fortes + Pontos a Melhorar + Plano de Ação);

   •   Fatores Críticos - Funcionário + Empresa;

   •   Grau de Contribuição;

   •   Orientar Ações e Programas de Desenvolvimento;

   •   Cultura do Feedback ;

   •   Levantamento de Ações e Recursos;

   •   Identificação de Obstáculos;

   •   Registro e Acompanhamento de Informações;

   •   Tomada de Decisões.

   12.2 Estudo Comportamental
   Ou seja, o responsável deverá através de um cronograma, realizar esta avaliação,
deixando o mesmo registrado em formulários e que o mesmo seja acompanhado,


                                                                                 27
para que se avalie o impacto dos resultados, lembrando que a tomada de ações
deverá sempre estar focada na melhoria dos resultados.

    Imagine que uma empresa com 50 funcionários, tenha percebido que seu
desempenho com relação ao comportamento, esteja de alguma forma
influenciando nos resultados da organização, pois bem o que o comportamento do
individuo tem a ver com isso é simples, relacionamos alguns critérios muito
utilizados nas avaliações, ao qual você conseguirá entender, de que forma o mesmo
gera impacto.

   •   ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL

   •   SEGURANÇA NO TRABALHO

   •   QUALIDADE E PRODUTIVIDADE

   •   ENERGIA E DISPOSIÇÃO PARA O TRABALHO

   •   PONTUALIDADE / ASSIDUIDADE

   •   TRABALHO EM EQUIPE

   •   HABILIDADE TÉCNICA

   •   FLEXIBILIDADE / ADAPTABILIDADE

   •   RELACIONAMENTO INTERPESSOAL

   É muito importante, que este trabalho seja realizado por um profissional
capacitado a entender cada critério da avaliação e que tenha o convívio com o
grupo. Saiba que hoje grandes empresa utilizam destas ferramentas, para que de
alguma forma, gerem uma melhoria envolvendo não só o grupo e sim os resultados
em geral.

   12.3 Métricas na Avaliação
   Ter indicadores e métricas claras de desempenho dos seus colaboradores é
fundamental para o sucesso de uma empresa no mercado atual. Cada vez mais, uma
organização precisa conhecer claramente os resultados produzidos por cada
                                                                               28
colaborador, seja para aperfeiçoar seus recursos ou mesmo para adotar políticas de
remuneração por resultados ou premiações e bonificações - tendência apontada
como uma preferência pelos executivos e empresas reconhecidas pelo brilhantismo
de suas atuações no mercado.

   Práticas como estas favorecem empresas que busquem manter uma equipe
enxuta e altamente eficaz e destinar boa parte de seus resultados para os melhores
profissionais, tomando providências para correção de colaboradores com
desempenhos insatisfatórios.

   Como ferramenta, a avaliação de desempenho, uma empresa se torna pronta
para conhecer o desempenho de cada colaborador e adotar estratégias de acordo
com os seus potenciais.

       12.3.1 Benefícios
   •    Mensurar resultados alcançados conforme metas estabelecidas por área ou
       indivíduo;
   •   Analisar o desenvolvimento dos colaboradores e suas competências dentro da
       estrutura organizacional;

   •   Suporte à tomada de decisão na distribuição de remuneração variável, bônus
       e méritos;

   •   Comunicar e alinhar as expectativas de desempenho entre a empresa e os
       profissionais




   12.4 Avaliação de Competências 360º
   A avaliação 360 graus é a forma mais completa de análise do desempenho de um
colaborador. Este método prevê que cada funcionário seja avaliado por si mesmo,
seus superiores, pares e subordinados, obtendo uma visão geral de sua performance
sob diversos pontos de vista.


                            DIRETORIA //ALTA               REPRESENTANTES
                                                            REPRESENTANTES
                            DIRETORIA ALTA
                               GERÊNCIA                    GOVERNAMENTAI
                                                           GOVERNAMENTAI
                                GERÊNCIA                                        29
                                                                  SS
SUPERVISORES
 SUPERVISORES
   LATERAIS
    LATERAIS
                                   SUPERIOR DIRETO
                                    SUPERIOR DIRETO                              CLIENTES
                                                                                  CLIENTES




   PARES                             AVALIADO                                 FORNECEDORES
                                                                               FORNECEDORES
    PARES                            AVALIADO



                                                                                COLEGAS DE
                                                                                 COLEGAS DE
                                    SUBORDINADOS
                                     SUBORDINADOS
                                                                                PROFISSÃO
                                                                                 PROFISSÃO
                                       DIRETOS
                                        DIRETOS
SUBORDINADOS
 SUBORDINADOS
   LATERAIS
    LATERAIS

                                                                                  CONTATOS
                                                                                   CONTATOS
                                    SUBORDINADOS
                                     SUBORDINADOS                             ESTRATÉGICOS NA
                                                                               ESTRATÉGICOS NA
                                       INDIRETOS
                                        INDIRETOS                               COMUNIDADE
                                                                                 COMUNIDADE




      Corretamente tabulados, estes dados podem ser fundamentais para o
crescimento do colaborador de forma adequada às necessidades de sua empresa.
Além que frequência este Gerente...............
  Com disso, este este Gerente...............
                      método, se aplicado constantemente, pode se tornar uma
   Com que frequência
ferramenta recorrente de avaliação para bonificações e promoções.
  Demonstra corresponder como funcionam os negócios.
   Demonstra corresponder como funcionam os negócios.         0 1 2 3 4 5
                                                               0 1 2 3 4 5
  Comunica claramente a estratégia da companhia
   Comunica claramente a estratégia da companhia              0 1 2 3 4 5
                                                               0 1 2 3 4 5
  Identifica oportunidades de negócios, desenvolve contatos e efetivamente,       0 1 2 3 4 5
                                                                                  0 1 2 3 4 5
Exemplo de questionárionegócios, desenvolve contatos e efetivamente,
  Identifica oportunidades de
                              utilizado na avaliação 360 graus:
         vende produtos, serviços e a imagem da empresa.
          vende produtos, serviços e a imagem da empresa.
  Negocia e esclarece metas e expectativas de desempenho com sua equipe.
  Negocia e esclarece metas e expectativas de desempenho com sua equipe.          0 1 2 3 4 5
                                                                                  0 1 2 3 4 5
  Busca saber das pessoas o que elas precisam para fazer um trabalho melhor.
   Busca saber das pessoas o que elas precisam para fazer um trabalho melhor.     0 1 2 3 4 5
                                                                                  0 1 2 3 4 5
  Apóia o desenvolvimento com feedback e coaching.
  Apóia o desenvolvimento com feedback e coaching.                                0 1 2 3 4 5
                                                                                  0 1 2 3 4 5    30
ccoC




                      00==não possuo informações suficientes
                           não possuo informações suficientes

                      11==nunca
                           nunca

                      22==de vez em quando
                           de vez em quando

                      33==Com razoável frequência
                           Com razoável frequência

                        44==Com grande frequência
       Este tipo de avaliação pode ser um diferencial em empresas com diversos
                             Com grande frequência

níveis organizacionais, 5que precisam entender de forma completa a atuação de cada
                         5==Sempre
                             Sempre

profissional, para identificar líderes e colaboradores-chaves, corrigir problemas de
desempenho e iniciar o processo de trabalho adequado à nova economia, com
políticas de retenção dos principais talentos, garantindo o alinhamento estratégico
de todos os colaboradores.



       12.4.1 Benefícios
   •   Visualização da Matriz de Competências atual;
   •   Identificação dos pontos fortes e as oportunidades de melhoria de Comporta-
       mentos e Habilidades por meio da soma de percepções de múltiplas fontes;

   •   Processo de avaliação transparente entre empresa e colaborador, garantindo
       a segurança e privacidade dos avaliadores;

   •   Identificar marcos que ajudarão a consolidar e institucionalizar a Educação
       Corporativa, dando suporte à tomada de decisão nas ações de
       desenvolvimento.

                                                                                  31
13. FEED BACK
      A palavra feedback tem origem inglesa e não possui uma tradução fidedigna
ao português, algumas fontes de pesquisa indicam que em português teríamos algo
                            parecido       com       “retroalimentação”       ou
                            “realimentação”,mas no nosso caso , interpretaremos
                            como : “retorno da ação, através da comunicação”.

                                  Conceitualmente, o feedback é uma conversa
                            entre líder e liderado, que visa uma avaliação, uma
                            análise sobre erros e acertos, pontos fortes e fracos
                            do subordinado.

                                    Feedback          Feedback
                              consiste em prover      não é uma avaliação, é um
                              uma informação ao       depoimento            sem
subordinado sobre seu desempenho profissional         julgamento, ou seja, é
com o objetivo de ajustar alguns comportamentos       “alimentar” o outro com
negativos, estimular ações positivas, orientar        um depoimento sobre o
novos procedimentos, enfim, dar um parecer ao         comporta-mento          ou
liderado sobre o seu dia-a-dia na empresa.            atuação    dele    e   ser
Através do feedback, um liderado obtém uma            alimentado
maior percepção das suas competências, pois           reciprocamente com a
adquire informações sobre como seu trabalho           resposta do outro.
está sendo desenvolvido, quais são os pontos que
                                                      Paulo Gaudêncio Médico psiquiatra, docente,
precisa melhorar e quais estão satisfatórios e        consultor e autor de livros como Mudar e
como ele é visto pelo líder.                          Vencer” e “Men at Work”.



     É muito importante que um líder saiba
como passar um feedback a um liderado.

    Feedback não é um desabafo. Não é um
momento      para     expressar      seus


                                                                                               32
descontentamentos ou insatisfações pessoais, um líder deve manter-se equilibrado
e saber expressar criticamente seu ponto de vista, sempre pelo lado profissional.

      Feedback não é uma forma de mostrar como você é superior ao outro e sim
como você divide suas experiências, mostrando seu modo de agir e pensar,
acrescentando construtivamente. É muito importante você saber dar e também
receber o feedback, aliás é importante que você até peça feedback às vezes, para
poder ter uma opinião sobre seu rendimento profissional.

      O emissor deve ter um vocabulário claro e objetivo visando o melhor
entendimento do que se quer transmitir. Por isso, devemos prestar atenção aos
seguintes aspectos:

   •   Vocabulário de fácil entendimento.
   •   Clareza nas informações.
   •   Tranquilidade.
   •   Objetividade, ou seja, sem rodeios.
   • Evitar a pessoalidade.
   •   Criação de um clima amigável.
   •   Realização do feedback em um ambiente onde não haja interrupções.
   •   Durante o processo, deve-se tentar maximizar o desempenho dos
       funcionários.
   •   Propor um plano de ação para os pontos a serem melhorados.

     Ao dar e receber feedback, pense e visualize uma escada. Essa escada é
apenas para subir, na ascendente, ela não serve para descer. Quando você dá um
feedback e tem a visão desta escada que apenas sobe, que é para cima, você faz
com que a pessoa que está recebendo o feedback se sinta valorizada.

     Quando a pessoa que estiver recebendo seu feedback intervir por algum
motivo, pare e ouça atentamente. Esclareça as dúvidas, caso surjam, dê sugestões
para melhorias e, no final, estimule positivamente, reconhecendo também os
pontos fortes desta pessoa.


                                                                               33
Ao receber um feedback de alguém por qualquer motivo, ouça sem
interromper. Evite discutir ou ficar na defensiva, ao invés disso, pergunte para obter
entendimento. É importante ouvirmos a opinião de outra pessoa sobre nossos
comportamentos e atitudes. O nosso crescimento profissional está intrinsecamente
ligado a nossa capacidade de lidarmos com as diferentes opiniões e com as
adversidades do mundo corporativo. Você já deve ter ouvido aquela frase que diz “o
que seria do azul se todo mundo gostasse do vermelho?”

      As diferenças de opiniões sempre existiram e continuarão existindo enquanto
o ser humano existir no mundo, por isso, é muito importante saber ouvir e saber se
comunicar com qualidade. E saber dar e receber feedbacks é uma poderosa
ferramenta para estreitarmos relacionamentos pessoais e profissionais e, como a
própria origem da palavra nos orienta, realimentarmos nossas percepções,
expressando nossas opiniões de uma maneira construtiva e totalmente profissional.




14. REFERÊNCIAS
   •   CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações.
       6ª tiragem. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
   •   CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000.
   •   DRUKER, Peter. A administração na próxima sociedade. São Paulo: Nobel, 2002.
       Gestão Estratégica de Pessoas / Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do
       Campo: Ed. Do Autor, 2008. (Cadernos didáticos Metodista – campus EAD)
   •   http://pt.wikipedia.org/wiki/Treinamento
   •   ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Manual de
       treinamento e desenvolvimento. 2ª edição, São Paulo: Makron Books, 1994.
   •   FONTES, Lauro Barreto. Manual de treinamento na empresa. São Paulo: Atlas, 1975.

                                                                                         34
•   ROBBINS. Stephen P., Administração Mudanças e Perspectivas, São Paulo: Saraiva, 2000.
•   CHIAVENATO. I, Administração nos Novos Tempos, Rio de Janeiro: Elsevier, 2004
•   GIL, A. C. Administração de Recursos Humanos: Um Enfoque Profissional. 1. ed. São
    Paulo: Atlas, 1994.
•   MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos: Do Operacional ao Estratégico. 4. ed.
    São Paulo: Futura, 2001.
•   MINICUCCI, A. Psicologia Aplicada à Administração. 5ª edição. São Paulo: Atlas, 1995.
•   ROBBINS, S. P. Administração: Mudanças e Perspectivas. 3ª tiragem. São Paulo: Saraiva,
    2002 (a).
•   ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002 (b).
•   VERGARA, S. C.. Gestão de Pessoas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000.




                                                                                        35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
Daniela Gomes dos Santos
 
DP - Salários, Benefícios, Descontos
DP - Salários, Benefícios, DescontosDP - Salários, Benefícios, Descontos
DP - Salários, Benefícios, Descontos
Lucas Gheller
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
Jean Israel B. Feijó
 
Comunicação empresarial
Comunicação empresarial Comunicação empresarial
Comunicação empresarial
Renato Souza
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & Produtividade
Marcos Magnanti
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
Jessica Ferreira
 
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por CompetênciasGestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Marcos Alves
 
Departamentalização
DepartamentalizaçãoDepartamentalização
Departamentalização
Robson Costa
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
University
 
Logística - princípios básicos
Logística - princípios básicosLogística - princípios básicos
Logística - princípios básicos
Nara Oliveira
 
Gestão de negócios
Gestão de negóciosGestão de negócios
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Rh Estrategico
Rh EstrategicoRh Estrategico
Rh Estrategico
keity
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Benjamim Garcia Netto
 
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
guest3d59
 
Portfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
Portfólio de Treinamentos - Renato MartinelliPortfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
Portfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
Renato Martinelli
 
Gestão de Carreira
Gestão de CarreiraGestão de Carreira
Gestão de Carreira
Júnior Alves
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Ernandes Rodrigues Do Nascimento
 
Educação corporativa
Educação corporativaEducação corporativa
Educação corporativa
Gerisval Pessoa
 

Mais procurados (20)

desenvolvimento profissional
desenvolvimento profissionaldesenvolvimento profissional
desenvolvimento profissional
 
Treinamento Organizacional
Treinamento OrganizacionalTreinamento Organizacional
Treinamento Organizacional
 
DP - Salários, Benefícios, Descontos
DP - Salários, Benefícios, DescontosDP - Salários, Benefícios, Descontos
DP - Salários, Benefícios, Descontos
 
Treinamento e Desenvolvimento
Treinamento e DesenvolvimentoTreinamento e Desenvolvimento
Treinamento e Desenvolvimento
 
Comunicação empresarial
Comunicação empresarial Comunicação empresarial
Comunicação empresarial
 
Gestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & ProdutividadeGestão da Qualidade & Produtividade
Gestão da Qualidade & Produtividade
 
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOALTREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL
 
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por CompetênciasGestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
Gestão de Pessoas - Contexto atual e Gestão por Competências
 
Departamentalização
DepartamentalizaçãoDepartamentalização
Departamentalização
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
Logística - princípios básicos
Logística - princípios básicosLogística - princípios básicos
Logística - princípios básicos
 
Gestão de negócios
Gestão de negóciosGestão de negócios
Gestão de negócios
 
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
Planejamento e execução do pensamento enxuto (Lean thinking)
 
Rh Estrategico
Rh EstrategicoRh Estrategico
Rh Estrategico
 
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de TrabalhoPlanejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
Planejamento e Organização no Ambiente de Trabalho
 
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
 
Portfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
Portfólio de Treinamentos - Renato MartinelliPortfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
Portfólio de Treinamentos - Renato Martinelli
 
Gestão de Carreira
Gestão de CarreiraGestão de Carreira
Gestão de Carreira
 
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalhoPalestra   conquistando seu lugar no mercado de trabalho
Palestra conquistando seu lugar no mercado de trabalho
 
Educação corporativa
Educação corporativaEducação corporativa
Educação corporativa
 

Semelhante a 1.curso treinamento

Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
Samuel Fernandes
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Sustentare Escola de Negócios
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
Priscyllasantos6
 
Desenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreirasDesenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreiras
Michael Silva
 
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptx
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptxMódulo 5 - Recursos Humanos.pptx
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptx
rickMelo2
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
Marcos Abreu
 
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redondaCurso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
Maria Regina Carvalho Teixeira de Oliveira
 
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdfPPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
TiagoTrombonista
 
Ps Treinamento Empresarial
Ps Treinamento EmpresarialPs Treinamento Empresarial
Ps Treinamento Empresarial
guest4e9c08
 
Treinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimentoTreinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimento
Wallace Silva
 
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
coaching
coachingcoaching
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
ABCursos OnLine
 
consultoria
consultoriaconsultoria
consultoria
talinegatinha
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
09108303
 
04 administração de pessoal (treinamento)
04   administração de pessoal (treinamento)04   administração de pessoal (treinamento)
04 administração de pessoal (treinamento)
Elizeu Ferro
 
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-JobResultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
Giba Dal Prá
 
Formação de Multiplicadores de Treinamento
Formação de Multiplicadores de TreinamentoFormação de Multiplicadores de Treinamento
Formação de Multiplicadores de Treinamento
Jaqueline C. Mikulski
 
Treinamento organizacional
Treinamento organizacionalTreinamento organizacional
Treinamento organizacional
Luciana Gomes
 
Desenvolvimento sferas coaching de equipe - 2014
Desenvolvimento sferas   coaching de equipe - 2014Desenvolvimento sferas   coaching de equipe - 2014
Desenvolvimento sferas coaching de equipe - 2014
SFERAS CONSULTORIA
 

Semelhante a 1.curso treinamento (20)

Gp aula-12
Gp aula-12Gp aula-12
Gp aula-12
 
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de PessoasEducação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
Educação, Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas
 
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptxPPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
PPT AULA 04 PRÁTICAS DE TREINAMENTO.pptx
 
Desenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreirasDesenvolvimento de carreiras
Desenvolvimento de carreiras
 
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptx
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptxMódulo 5 - Recursos Humanos.pptx
Módulo 5 - Recursos Humanos.pptx
 
Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento Procedimento Treinamento
Procedimento Treinamento
 
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redondaCurso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
Curso de desenvolvimento de mentoring volta redonda
 
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdfPPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
PPTs - Capítulo 7 Treinamento e desenvolvimento de funcionários.pdf
 
Ps Treinamento Empresarial
Ps Treinamento EmpresarialPs Treinamento Empresarial
Ps Treinamento Empresarial
 
Treinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimentoTreinamento+desenvolvimento
Treinamento+desenvolvimento
 
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
Treinamento (Diagnóstico Levantamento de Necessidades e Deficiências )
 
coaching
coachingcoaching
coaching
 
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
Curso de gestão de pessoal   parte 4/5Curso de gestão de pessoal   parte 4/5
Curso de gestão de pessoal parte 4/5
 
consultoria
consultoriaconsultoria
consultoria
 
Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]Desenvolver pessoas[1]
Desenvolver pessoas[1]
 
04 administração de pessoal (treinamento)
04   administração de pessoal (treinamento)04   administração de pessoal (treinamento)
04 administração de pessoal (treinamento)
 
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-JobResultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
Resultados Efetivos com Treinamento On-The-Job
 
Formação de Multiplicadores de Treinamento
Formação de Multiplicadores de TreinamentoFormação de Multiplicadores de Treinamento
Formação de Multiplicadores de Treinamento
 
Treinamento organizacional
Treinamento organizacionalTreinamento organizacional
Treinamento organizacional
 
Desenvolvimento sferas coaching de equipe - 2014
Desenvolvimento sferas   coaching de equipe - 2014Desenvolvimento sferas   coaching de equipe - 2014
Desenvolvimento sferas coaching de equipe - 2014
 

Último

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 

Último (20)

said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 

1.curso treinamento

  • 1. Prof. Luiz C.C. Torres luiz.torres@sc.senai.br “No que diz respeito ao desempenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem feita ou não faz.” Ayrton Senna
  • 2. ÍNDICE 1- Objetivo 8- Método de quatro pontos 2- Apresentação 8.1. Prepare o trabalho 3- Perfil Profissional 8.2. Apresente o trabalho 3.1. Competências Profissionais 8.3. Faça o Treinando executar o trabalho 3.1.1. Competência Geral 8.4. Acompanha o progresso do treinando 3.1.2. Unidades de Competência 9- Divisão de Tarefas 3.1.3. Descrição funcional 9.1. Departamentalização 4- Conceito 9.1.1. Tipos de Departamentalização 5- Técnicas de Treinamento 9.2. Conceitos 5.1. Iniciação 9.3. Outros Conceitos 5.2. Aprendizagem 10- Situações específicas do Treinamento 5.3. Fases de Treinamento 5.4. Métodos de Treinamento 10.1 Problemas com Treinamentos 5.5. Recursos para Treinamento 10.2 Qualidades do Treinamento 6- Planejamento do Treinamento 10.3 Clima Negativo nos Treinamentos 6.1. Objetivos do Planejamento 6.2. Necessidades X Possibilidades 10.4 Clima Positivo nos Treinamentos 6.3. Obsolescência do Plano 11- As 4 Ferramentas do Treinamento 6.4. Controle das Atividades de Treinamento 12 - Avaliação de Dessempenho 6.5. Desenvolvimento do Treinamento 12.1 Objetivos 6.6. Execução do Treinamento 12.2 Estudo Comportamental 7- Como estar preparado para treinar 12.3 Métricas na Avaliação 12.3.1 Benefícios 12.4 Avaliação de Competências 360º 12.4.1 Benefícios 13. Feed Back 2 14. Referências
  • 3. 1. OBJETIVO DESENVOLVER DISSEMINADORES EM COLABORADORES, PARA ESTIMULAR, CONDUZIR E ORIENTAR PESSOAS A ADQUIRIREM MAIS CONHECIMENTOS, HABILIDADES E COMPETÊNCIAS. 2. APRESENTAÇÃO O SENAI-SC, buscando desempenhar a sua missão de promover a qualificação profissional e tecnológica, investiu no desenvolvimento deste material didático voltado para a formação profissional. Este trabalho é resultado da compilação de diversos materiais didáticos disponibilizados no Banco de Recursos Didáticos do Departamento Nacional do SENAI, associado a pesquisas atualizadas referentes ao tema abordado. Dessa forma, este material didático está direcionado aos participantes do curso de Técnicas de Treinamento da rede de Supermercados Koch, em suas necessidades básicas e especificas. As informações contidas neste material didático são aplicáveis no dia-a-dia do profissional, de forma prática, em linguagem simples e de fácil assimilação, além de servir para consulta e futura aplicação por disseminadores de conhecimento. Possibilita, de forma eficiente, o aperfeiçoamento do aluno que se dedica ao estudo do conteúdo apresentado. Esses conhecimentos constituem complemento indispensável à formação profissional. Continue sempre lendo, estudando, analisando e tendo como objetivo compartilhar conhecimentos. Seja sempre um bom e competente profissional. 3
  • 4. 3. PERFIL PROFISSIONAL 3.1. Competências Profissionais 3.1.1. Competência Geral Definir cenários, planejar, definir público, elaborar conteúdo, aplicar e avaliar resultados na execução dos métodos de treinamento para equipe de colaboradores. Formando disseminadores de conhecimento e valorização de funcionários, a fim de minimizar o turn-over de colaboradores. 3.1.2. Unidades de Competência • Planejar e organizar ações de treinamento para colaboradores; • Ministrar e executar as técnicas de treinamento; • Orientar e supervisionar as atividades inerentes aos conceitos e técnicas aplicadas; • Efetuar avaliação e transmitir feedback aos colaboradores; 3.1.3. Descrição funcional • Profissional: Supermercado • Segmento: Varejo • Qualificação Profissional: Gerentes e Supervisores • Nível de Educação Profissional: Formação Inicial de Trabalhadores (Básico) • Nível de Qualificação: Corresponde a uma ocupação completa, que abrange diversas atividades profissionais que requer conhecimentos periféricos, sobretudo, na orientação, supervisão, avaliação e um trabalho de execução, que exige capacidade para utilizar instrumentos e técnicas específicas. 4
  • 5. 4. CONCEITOS CONCEITOS SUMÁRIO Treinamento é qualquer atividade que procura, delibera- damente, melhorar a habilidade de uma pessoa no desem-penho de uma tarefa. Oatley in Hamblin 1977 A Educação refere-se a todos os processos (p.19) pelos quais a pessoa a pessoa adquire compreensão do mundo, bem como Treinamento abrange qualquer tipo de experiência capacidade para lidar com seus problemas. destinada a facilitar o ensino que será útil no desempenho de um cargo atual ou futuro. Hamblin 1978 A Instrução é o vocábulo usado para indicar (p.15) os processos formais e institucionalizados Treinamento dentro de uma empresa poderá objetivar através dos quais a educação é ministrada até tanto a preparação do elemento humano para a adoção de uma profissão. desenvolvimento de atividades que virá executar, como desenvolvimento de suas potencialidades para melhor O Treinamento indica a educação específica, desempenho das que já executa. Ferreira 1979 (p.219) que, conduzida na escola ou não, antes do trabalho ou durante o mesmo, ajuda a pessoa Treinamento é o processo educacional, aplicado de a desempenhar bem suas tarefas maneira sistêmica, através do qual as pessoas aprendem profissionais. conhecimentos, atitudes e habilidades em função de objetivos definidos. Chiavenato 1985 (p.288) Treinamento na Empresa é ação de formação e capacita- ção de mão de obra, desenvolvida pela própria organiza- CONCLUSÃO ção, com vistas em suprir suas necessidades. (Toledo 1986 (p.88) Treinamento é, assim, uma forma de educação. Sua A Educação se incube de característica essencial consiste em educar para o desenvolver integralmente a trabalho. (Macian 1987 (p.9) personalidade. Treinamento é parente próximo do embrutecimento, do adestramento. O desenvolvimento aparece como instrumento privilegiado de ação da administração de Recursos Humanos, em razão da possibilidade que O Treinamento compete integrar o encerra de efetivo exercício dos valores mais elevados indivíduo em seu trabalho, visando 5. TÉCNICAS DE TREINAMENTO do homem, e isso, como é evidente, sem prejuízo, muito ao contrário, dos interesses de produção sticto sensu das a seu desempenho, para atender às empresas. (Leite 1994) necessidades profissionais. 5.1. Iniciação Treinamento é um processo de assimilação cultural a curto prazo, que objetiva repassar ou reciclar O estudo das estratégias de treinamento proporciona uma visão diferenciada das conhecimento, habilidades ou atitudes relacionadas organizações e dá condições para que o profissional consiga compreender os diretamente à execução de tarefas ou à sua otimização seguintes fatores: 5
  • 6.  estudar os recursos e metodologias que facilitam o aprendizado;  compreender quando e como aplicar diferentes abordagens em treinamento;  conhecer a contribuição dos jogos e casos práticos no treinamento;  compreender a interpretação e condução de diferentes tipos de grupos de trabalhadores. Recursos e metodologias que facilitam o aprendizado Partindo do princípio da pedagogia, somos todos aprendizes. O processo de adquirir sabedoria nunca para ao longo da vida, porém devemos prestar atenção no fato de que, para sermos excelentes aprendizes, temos que manter viva a curiosidade, a vontade, a busca constante de novos conhecimentos. Caso contrário, tornamo-nos reféns da ignorância e da falta de informação. No mundo contemporâneo, o que faz a diferença para atingirmos o sucesso são as informações que possuímos. Para obtê-las, é necessária a busca constante e a aquisição de dados e informações que podem virar conhecimento. Esse conhecimento se consegue por meio da aprendizagem e do estudo. Sendo assim, a solução é gostar de aprender. O ser humano tem uma capacidade enorme de aprender, em termos de velocidade e de quantidade de conhecimentos, só depende de quanto ele está motivado para isso acontecer. A chave que abre a aprendizagem denomina-se MOTIVAÇÃO. Todos nós nascemos, vivenciamos, relacionamo-nos. Ao longo da vida, adquirimos conhecimentos e habilidades e isso se constitui na capacidade de uma pessoa. Pode-se dizer que nossa capacidade é constituída de percepção, pensar, escolher, agir e falar, relacionar e desenvolver habilidades. 6
  • 7. Percepção é a capacidade de perceber o mundo, de perceber o que ocorre na empresa, para onde ela quer ir, saber interpretar o momento da empresa e do mercado. • Memorização é a capacidade de reter informações para transformá-la em produtividade. • Pensar é a capacidade de organizar nossa vida profissional e da empresa, a capacidade de adquirir conhecimentos, criar formas de ver novos mercados e produtos. • Opção de escolher é a capacidade de saber tomar decisões. • Gestão significa saber decidir corretamente em relação à lucratividade da empresa. Depois de perceber, memorizar, pensar e escolher, agora é a hora de se comunicar. Esta capacidade está diretamente relacionada com sucesso e motivação, pois é por ela que pode ser expressa a valorização de cada empregado. A capacidade de desenvolver habilidades forma a competência, e a melhor forma de instalá-las em nossa mente é o habito, pois, com a repetição sistemática, aprendemos qualquer habilidade. Por este motivo, muitos métodos de ensino/aprendizagem são embasados na repetição, sendo muito comum em treinamentos operacionais. Ao analisar todas essas capacidades em um indivíduo, podemos concluir que não são somente elas que surtirão o efeito de realização nos empregados de uma empresa, pois a felicidade depende de mais fatores. Se a empresa buscar esforços nesse sentido, estará investindo em produtividade, pois nada mais produtivo que um empregado realizado. 5.2. Aprendizagem Aprendizagem, dentro do conceito corporativo, é aquilo que nos ajuda a modificar nossa vida empresarial, funcional e operacional. É algo vital para o sucesso do cargo ocupado. Por este motivo, uma série de informações que um treinando ouve do instrutor que não tenha repercussão na vida prática profissional não 7
  • 8. representa aprendizagem, e sim aquisição e transmissão reprodutiva que pouco ficará retida na mente do treinando. A partir das pesquisas de andragogia, os estudiosos chegaram a muitas conclusões interessantes, como é o caso de Edgar Dale, que explica a quantidade de conhecimentos retidos num processo de ensino aprendizagem. Isso é de suma importância para os profissionais da área de treinamento e desenvolvimento para elaborar estratégias e formas diferenciadas para que os treinandos possam ter melhor aproveitamento e a empresa, por sua vez, economize, evitando os custos de uma repetição constante do processo de capacitação, como pode ser visualizado no quadro a seguir. FORMAS DE RETENÇÃO DE CONHECIMENTOS 8
  • 9. Assistir uma palestra Índice de retenção do conhecimento Leitura Recursos Audiovisuais Demonstração/Uso Imediato Discussões em Grupo Praticando o conhecimento Foco das Atividades Ensinando aos outros Figura 1 – Metodologia adotada baseada na pirâmide do aprendizado. Ao analisar o quadro, verificamos que, numa palestra, retemos apenas 5% do que foi exposto e que o melhor método de ensino é a prática (relação com o trabalho, debate e argumentação). Também podemos entender que é necessário conjugar formas de aplicar o conteúdo, isto é, didáticas diversificadas para o público 9
  • 10. adulto com o fim de obter melhor aprendizagem e evitar desperdício de tempo e dinheiro. O professor/instrutor deve estar centrado no aluno e oportunizar o auto- desenvolvimento utilizando técnicas, vivências e casos práticos, para que o treinando possa utilizar a sua própria experiência para a construção do conhecimento. Isto é, para aluno adulto não é mais possível aplicar “aulinhas” teóricas e tratá-los passivamente, pois o retorno para a empresa será insuficiente. Característica da aprendizagem Andragogia Relação professor / aluno A aprendizagem adquire uma característica mais centrada no aluno, na independência e na autogestão da aprendizagem. Razões da aprendizagem Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária). Experiência do aluno Pessoas aprendem o que realmente precisam saber (aprendizagem para a aplicação prática na vida diária). Orientação da Aprendizagem baseada em problemas, exigindo ampla gama de conhecimentos aprendizagem para se chegar à solução. Sob o ponto de vista do ensino, desenvolver pessoas é, na realidade, uma técnica de estimular, conduzir e orientar pessoas para adquirirem mais conhecimentos, habilidades e competências. Ocorrem muitas discussões e posições antagônicas ao elaborarmos a seguinte questão: alguém pode ser ensinado ou pode aprender? Na realidade, não são os métodos e as técnicas de ensino que irão melhorar o processo, e sim a motivação e o esforço do estudante. 5.3. Fases de Treinamento 10
  • 11. Na análise de todo processo de ensino, partimos do princípio de que o aluno efetivamente vai passar por alguns passos que podem ser definidos da seguinte forma: Fase inicial  avaliar a necessidade de treinamento;  analisar o que é necessário o aluno aprender;  estruturar o conteúdo programático do curso;  estudar as formas de envolvimento das experiências passadas dos alunos. Fase da escolha do método de aprendizagem  cognitiva (conhecimento);  afetiva (emocional);  psicomotora (equilíbrio e prática). Objetivos educacionais  transmissão de informações – aumento do conhecimento das pessoas;  desenvolvimento de habilidades – melhora as habilidades e destrezas;  desenvolvimento ou modificação de atitudes – desenvolve ou modifica comportamentos .(CHIAVENATO, 2003, p. 32). Entendendo as fases Aprendizagem: Transformação nos hábitos , Cognitivo Necessidade de Experiências Treinamento e comportamento, Afetivo Treinamento Anteriores Desenvolvimento aquisição de Novas ações de Avaliação de Melhora da Psicomotor habilidades e 11 T&D Desenpenho qualidade e conhecimentos produtividade
  • 12. Figura 2 – Fases do T&D A empresa deve fazer o levantamento das necessidades de treinamento. A seguir, é feita uma comparação com o que o empregado já possui de bagagem necessária para exercer o cargo e as necessidades requeridas pela empresa. A diferença é o que se constitui na necessidade de treinamento. Depois, ao elaborar o conteúdo do que efetivamente fará parte do processo de ensino, ele é construído levando em consideração as experiências anteriores de cada treinando. Na fase da escolha dos métodos de aprendizagem, é muito importante que se observe o tipo de conteúdo e para quem será repassado. Para melhor compreender essa fase, é necessário compreender que aprendizagem cognitiva significa conhecimento, que resulta no armazenamento organizado de informações na mente do indivíduo que aprende. Essa aprendizagem se ocupa da atribuição de significados, compreensão, transformação, armazenamento e uso da informação. É algo concreto. 5.4. Métodos de Treinamento Já no método de aprendizagem afetivo, são utilizadas ferramentas vivenciais ou estudos de casos que resultam em experiências tais como: prazer e dor, satisfação e descontentamento, alegria ou ansiedade. Algumas experiências afetivas acompanham sempre as experiências cognitivas. A aprendizagem afetiva é concomitante com a cognitiva. 12
  • 13. O método de aprendizagem psicomotor envolve respostas práticas, que exigem treino, mas alguma aprendizagem cognitiva é geralmente importante na aquisição de habilidades psicomotoras, tais como aprender a digitar um texto, manipular uma ferramenta ou máquina, enfim, áreas da empresa que necessitam de treinamento prático. O processo de ensino-aprendizagem tem com objetivo modificar o comportamento das pessoas, aumentar a efetividade, o desempenho, desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes. Incorporam-se os mecanismos: frequência, intensidade, adequação e a continuidade do treinamento, irão provocar um hábito no colaborador. Quando todo processo se transformar num hábito (comportamento adquirido), significa que o sistema de ensino foi bem aplicado. Abordagens metodológicas podem ser das mais variadas formas. Exemplo: treinamento no cargo ou fora dele, por demonstrações e exemplos, cursos, simulações, conferências, estudo de caso, leitura programada, dramatização, discussão em grupos, aulas expositivas, instruções individuais programadas e jogos com dinâmicas de grupo. Para melhor compreensão de cada uma das abordagens metodológicas, vamos analisar alguns fatores que possam ser importantes para definição de qual delas (ou do conjunto delas) poderá ser utilizada para cada caso. Portanto, antes de analisar as abordagens, vamos relembrar cada uma das prováveis atitudes, habilidades e conhecimentos que um empregado necessitará para o bom desempenho das funções do cargo. • Atitudes – iniciativa, autonomia, dedicação, agilidade de raciocínio, criatividade, raciocínio lógico, versatilidade, determinação, visão estratégica,interesse,disponibilidade, persistência e comprometimento. • Habilidades – comunicação interpessoal, tomada de decisão, negociação, capacidade de realização, de trabalhar em equipes, raciocínio estratégico, orientação para resultados, delegação, sintetização, interação pessoal, persuasão racional, saber ouvir, trabalhar em equipe, desenvolver pessoas, habilidade em motivar pessoas, implementação de processo de qualidade, raciocínio holístico, 13
  • 14. raciocínio analítico, fortalecimento dos padrões, atenção a detalhes, otimização de recursos. • Conhecimentos – noções de planejamento, conhecer a área de atuação, técnicas de comunicação, técnicas de mediação, empreendedorismo, conhecimento do cliente. 5.5. Recursos para Treinamento Recursos instrucionais De posse das prováveis atitudes, habilidades e conhecimentos, podemos agora analisar como o treinamento pode ocorrer, ou seja, que recurso(s) instrucional(is) poderá(ão) ser utilizado(os). O treinamento será no cargo ou fora dele, dependendo muito da verdadeira intenção e da rapidez de respostas que a empresa espera do treinando. O treinamento no local exige um esforço maior em virtude de se estar ocupando de muitas coisas ao mesmo tempo. O dia-a-dia dificulta um maior aproveitamento, enquanto a imersão afastada força a concentração no objetivo do treinamento. Quanto aos cursos e programas de curta duração, com aula expositiva, de oito, vinte ou até quarenta horas-aulas, pode-se dizer que é a forma mais indicada para ensinar um conjunto restrito e específico de conhecimentos. Leitura programada e instruções individuais são formas programadas de ensino em que o professor organiza e monitora, por meio de análises periódicas, o estudo de textos escolhidos que oferecem os conhecimentos que devem ser aprendidos. Essa forma de ensino é eficaz quando o estudo puder ser feito sozinho, porém o aluno deve possuir uma alta capacidade de autoaprendizagem. Pode ser considerada como vantagem sua flexibilidade em termos de tempo, além de seu custo baixo. Na discussão em grupos, o professor estimula, planeja e monitora grupos de debate, em que cada treinando troca conhecimentos adquiridos. Esse processo muitas vezes é adotado em conjunto com um programa de leitura programada. Não podemos, nesse momento, esquecer que habilidades se aprendem por meio de exercícios práticos. Isto pode ser considerado tanto para as habilidades motoras, como digitar um texto, quanto para as cognitivas, como aprender técnicas de atendimento ao cliente. 14
  • 15. As demonstrações, exemplos, simulações e jogos são processos de ensino- aprendizagem que simulam situações da vida real, em que as habilidades a serem aprendidas são exercitadas de uma forma programada. Nesses casos, os professores desenvolvem vivências e constroem casos práticos em que o aluno pode ser sensibilizado com mais intensidade e habilidade. As conferências normalmente são utilizadas para dar ênfase ao que já se sabe. São técnicas utilizadas para reforço e estão muito mais voltadas para o exercício de alguma habilidade do para aquisição de um conhecimento. É importante alertar que hoje vivemos um mundo tecnológico muito avançado e que a informática e as telecomunicações estão presentes em todos os processos de ensino-aprendizagem. Modernamente falando, os recursos instrucionais têm evoluído muito, desde equipamentos que simulam situações verídicas (como é o exemplo de treinamento de pilotos de aviões de grande porte nas escolas de aviação) até modernos recursos audiovisuais (teleconferências, correios eletrônicos, salas de bate-papo e toda tecnologia multimídia). Segundo Chiavenato (2003), os recursos instrucionais podem ser assim visualizados: ABSTRATO 15
  • 16. CONCRETO Figura 3 – Recursos Institucionais do Treinamento Deve ser observado se o treinamento realmente produziu o efeito esperado no comportamento dos empregados e se o que foi aprendido tem ligação com o que eles vão precisar na hora de executar seu trabalho. 16
  • 17. Por meio da avaliação, é possível observar se a técnica e os métodos de ensino de aprendizagem foram eficientes, bem como o preparo do instrutor. A avaliação é um verdadeiro instrumento da estrutura organizacional para aumentar sua eficiência e eficácia. Podemos traduzir isso em forma de melhoria da imagem da empresa, do clima e do relacionamento empregado-empresa. Segundo Chiavenato (2003), a avaliação também pode produzir resultados na área de Recurso Humanos: • redução da rotação de pessoal; • redução do absenteísmo; • aumento da eficiência individual; • aumento das habilidades; • elevação do conhecimento; • mudança de atitudes e de comportamentos. E no nível das tarefas e operações: • aumento da produtividade; • melhoria da qualidade dos produtos e serviços; • redução no tempo de treinamento; • redução do índice de acidentes; • redução do índice de manutenção de máquinas e equipamentos: Para compreender todo o processo de T&D, é importante visualizá-lo por meio de um fluxo contínuo. 17
  • 18. Fase 1 Fase 2 Fase 3 Levantamento das Aplicação dos Escolha de métodos necessidades específicas princípios de adequados à de treinamento aprendizagem instrução Fase 4 Coleta de material e dados para a Fase 9 instrução Relatórios de treinamento Fase 5 Elaboração do programa de treinamento Fase 8 Fase 7 Fase 6 Avaliação e controle Execução do Treinamento dos dos resultados treinamento instrutores Figura 4 – Fluxo do processo de T&D. 6. PLANEJAMENTO DE TREINAMENTO Planejar as atividades de treinamento para: • Evitar incertezas; • Transformar “boas intenções” em um plano executável 18
  • 19. • Avaliar as necessidades de treinamento; • Agir estrategicamente; • Mensurar custos e resultados; 6.1. Objetivos do Planejamento Com base nas estratégias da empresa defina os objetivos do treinamento, procurando responder: • Qual a necessidade? • Qual sua causa? • Aonde queremos chegar? 6.2. Necessidades X Possibilidades Identifique as competências exigidas pelos cargos considerando: • Conhecimentos; • Habilidades; • Comportamentos. Avalie as “Intenções” apresentadas como necessidades e responda: Elimine supérfluos e responda: • Qual sua prioridade? • É parte de outra necessidade maior? • É preciso alguma providência inicial? • A necessidade é permanente ou temporária? 6.3. Obsolescência do Plano As metas de treinamento devem corresponder a situação do ambiente que a empresa atua, assim possibilite a seu plano: 19
  • 20. • Flexibilidade; • Dinamismo; • Atualização. 6.4. Controle das Atividades de Treinamento O plano deve contar com instrumentos de controle para verificar sua eficiência durante a execução treinamento. Tipos recursos para controle: • Testes; • Fichas de acompanhamento; • Observações pessoais dos coordenadores e facilitadores; • Entrevistas. 6.5. Desenvolvimento do Treinamento • Determinação do conteúdo do treinamento; • Escolha dos métodos de treinamento; • Definição dos recursos necessários; • Definição do público-alvo. 6.6. Execução do Treinamento • Local para o treinamento; 20
  • 21. • Periodicidade do treinamento; • Cálculo da relação custo benefício; • Avaliação dos resultados. Figura 5 : Ciclo de Planejamento e Execução de Treinamento 7. COMO ESTAR PREPARADO PARA TREINAR • QUE FAZER • QUANDO FAZER • QUEM FAZER • ONDE FAZER • COMO FAZER • POR QUE FAZER 8. APRESENTAÇÃO DO MÉTODO DE QUATRO PONTOS 8.1. Prepare o trabalho 21
  • 22. Ponha-o à vontade Indique o trabalho e verifique o que ele já sabe a respeito; • Desperte nele o interesse de aprender o trabalho; • Coloque-o em posição correta; 8.2. Apresente o trabalho • Fale, mostre e ilustre uma fase importante de cada vez; • Insista em cada ponto-chave; • Ensine clara, completa e pacientemente,não ensinando mais do que aquilo que o aprendiz possa captar; 8.3. Faça o Treinando executar o trabalho • Peça-lhe para fazer o trabalho; • Faça-o explicar cada ponto-chave; • Corrija os erros durante a execução; • Verifique se compreendeu; • Prossiga até ter certeza que ele sabe; 8.4. Acompanha o progresso do treinando • Estimule-o a assumir a responsabilidade do trabalho; • Diga-lhe a quem recorrer para obter auxílio; • Verifique sempre o trabalho dele; • Anime-o a fazer perguntas; • Vá gradualmente deixando que ele trabalhe por si mesmo; 9. DIVISÃO DE TAREFAS A divisão de tarefas busca fazer com que as pessoas se concentrassem numa determinada atividade de forma que possam realizá-la da forma mais rápida e correta possível. 22
  • 23. Os projetos para inovação dentro das empresas são seccionados em pequenas tarefas, delegadas a diferentes pessoas dentro da corporação. Porém, de que forma interligar esses afazeres de modo a tornar possível a realização de um projeto homogêneo e de sucesso? O ponto de partida para que esse processo seja realizado de forma correta é entender a fase de solução de problemas entre cada uma dessas áreas. Uma solução é remover as barreiras entre essas soluções de problemas de cada uma das tarefas, incentivando a colaboração. Organização do Trabalho Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objetivos que a empresa como um todo se propõe atingir. OBJETIVOS DA EMPRESA - TIPO DE ATIVIDADE - DEPARTAMENTALIZAÇÃO 9.1. Departamentalização • Uma função corresponde a um tipo de atividade laboral que pode ser identificada e se distingue de qualquer outra. • A departamentalização é o processo que consiste em agrupar funções semelhantes (ou relacionadas) ou atividades principais em unidades de gestão. 9.1.1 Tipos de Departamentalização Os mais frequentes: • Departamentalização por funções; • Departamentalização por produto; • Departamentalização por cliente; • Departamentalização por área geográfica; • Formas combinadas de departamentalização. 9.2. Conceitos 23
  • 24. Responsabilidade - Obrigação de se empenhar da melhor forma possível na realização das funções que a essa pessoa foram atribuídas. • Autoridade - Direito de decidir, de dirigir outros na execução das tarefas necessárias à alcançar os objetivos. • Delegação - Processo de atribuir a alguém a responsabilidade do exercício de uma atividade e a correspondente autoridade para o efeito. Razões para que os gestores procedam à delegação de poderes: • Maior rapidez na tomada de decisões - Evita que os gestores de determinado nível tenham que colocar o problema ao gestor (ou gestores) de nível superior e aguardem a decisão. • Permite o treino e desenvolvimento pessoal - Os gestores nunca aprenderiam a desempenhar determinadas funções se não lhes fosse dada a oportunidade de o fazerem na prática (a gestão, como a natação, não se aprende só com aulas teóricas, mas praticando). • Aumenta o nível de motivação - Na medida em que as pessoas em quem se delega, de modo geral, atribuem à delegação um significado de confiança nas suas capacidades, o que se traduz em realização profissional e as leva a esforçar-se por corresponderem à confiança depositada. • Conduz a melhores decisões e a melhoria na execução do trabalho - Pois muitas vezes a pessoa que está mais perto da tarefa é a que melhor conhece a melhor forma de a executar. • Permite desempenhar tarefas e funções mais complexas - Pensemos por exemplo na preparação da viagem do homem à Lua para constatar da sua impossibilidade se os responsáveis por essa complexa tarefa não procedessem à delegação em elevado grau. 9.3. Outros Conceitos • Centralização: é a situação em que se verifica uma maior retenção da autoridade pelos gestores de nível superior e, consequentemente, um reduzido grau de delegação. 24
  • 25. Descentralização: é a situação inversa, em que se verifica um elevado grau de delegação da autoridade pelos gestores de nível superior aos gestores de nível inferior. Divisão de tarefas em um time ágil: uma tarefa por desenvolvedor ou vários desenvolvedores por tarefa? 10. SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE TREINAMENTO 10.1 Problemas com Treinamentos • Muito longos e agenda extensa • Falta de interesse dos participantes • Diálogo truncado • Mal planejado • Liderança inábil 10.2 Qualidades do Treinamento • Proposta conhecida e entendida • Agenda organizada • Treinandos oportunos • Liderança adequada e assumida • Mensagens claras • Envolvimento e participação ativa dos Treinandos 10.3 Clima Negativo nos Treinamentos • Atraso do líder • Local não disponível nem adequado • Despreparo da liderança • Participantes retardatários 25
  • 26. Interrupções irrelevantes e freqüentes • Despreparo geral e desinteresse dos participantes • Falta de foco • Ausência de seriedade e descompromisso 10.4 Clima Positivo nos Treinamentos • Confirmação e checagem de presenças • Material de trabalho com boa qualidade • Agenda distribuída a todos os participantes • Início na hora marcada e fim na hora prevista • Obediência a agenda • Intervalos negociados e rígidos 11. AS QUATRO FERRAMENTAS DE TREINAMENTO De acordo com Chiavenato (1999, p. 297) “O treinamento é um processo cíclico e contínuo composto de quatro etapas: diagnóstico, desenho, implementação e avaliação”. O importante é lembrar que o treinamento tem a responsabilidade de atingir níveis de desempenho estabelecidos pelas organizações, através da continuidade do seu desenvolvimento. • Diagnóstico • Análise situacional • Relação de prioridades • Desenho • Planejamento • Decupar ações • Implementação • Implementar ações 26
  • 27. • Avaliação • Relatórios de encerramento • Verificação dos pontos positivos e negativos 12. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É uma ferramenta que permite avaliar e mensurar, de modo objetivo , como cada funcionário está desempenhando o seu papel dentro da empresa, o quanto se está, ou não, correspondendo ao que a empresa espera que seja realizado na função que ocupa. 12.1 Objetivos • Mapear resultados (Pontos Fortes + Pontos a Melhorar + Plano de Ação); • Fatores Críticos - Funcionário + Empresa; • Grau de Contribuição; • Orientar Ações e Programas de Desenvolvimento; • Cultura do Feedback ; • Levantamento de Ações e Recursos; • Identificação de Obstáculos; • Registro e Acompanhamento de Informações; • Tomada de Decisões. 12.2 Estudo Comportamental Ou seja, o responsável deverá através de um cronograma, realizar esta avaliação, deixando o mesmo registrado em formulários e que o mesmo seja acompanhado, 27
  • 28. para que se avalie o impacto dos resultados, lembrando que a tomada de ações deverá sempre estar focada na melhoria dos resultados. Imagine que uma empresa com 50 funcionários, tenha percebido que seu desempenho com relação ao comportamento, esteja de alguma forma influenciando nos resultados da organização, pois bem o que o comportamento do individuo tem a ver com isso é simples, relacionamos alguns critérios muito utilizados nas avaliações, ao qual você conseguirá entender, de que forma o mesmo gera impacto. • ENGAJAMENTO INSTITUCIONAL • SEGURANÇA NO TRABALHO • QUALIDADE E PRODUTIVIDADE • ENERGIA E DISPOSIÇÃO PARA O TRABALHO • PONTUALIDADE / ASSIDUIDADE • TRABALHO EM EQUIPE • HABILIDADE TÉCNICA • FLEXIBILIDADE / ADAPTABILIDADE • RELACIONAMENTO INTERPESSOAL É muito importante, que este trabalho seja realizado por um profissional capacitado a entender cada critério da avaliação e que tenha o convívio com o grupo. Saiba que hoje grandes empresa utilizam destas ferramentas, para que de alguma forma, gerem uma melhoria envolvendo não só o grupo e sim os resultados em geral. 12.3 Métricas na Avaliação Ter indicadores e métricas claras de desempenho dos seus colaboradores é fundamental para o sucesso de uma empresa no mercado atual. Cada vez mais, uma organização precisa conhecer claramente os resultados produzidos por cada 28
  • 29. colaborador, seja para aperfeiçoar seus recursos ou mesmo para adotar políticas de remuneração por resultados ou premiações e bonificações - tendência apontada como uma preferência pelos executivos e empresas reconhecidas pelo brilhantismo de suas atuações no mercado. Práticas como estas favorecem empresas que busquem manter uma equipe enxuta e altamente eficaz e destinar boa parte de seus resultados para os melhores profissionais, tomando providências para correção de colaboradores com desempenhos insatisfatórios. Como ferramenta, a avaliação de desempenho, uma empresa se torna pronta para conhecer o desempenho de cada colaborador e adotar estratégias de acordo com os seus potenciais. 12.3.1 Benefícios • Mensurar resultados alcançados conforme metas estabelecidas por área ou indivíduo; • Analisar o desenvolvimento dos colaboradores e suas competências dentro da estrutura organizacional; • Suporte à tomada de decisão na distribuição de remuneração variável, bônus e méritos; • Comunicar e alinhar as expectativas de desempenho entre a empresa e os profissionais 12.4 Avaliação de Competências 360º A avaliação 360 graus é a forma mais completa de análise do desempenho de um colaborador. Este método prevê que cada funcionário seja avaliado por si mesmo, seus superiores, pares e subordinados, obtendo uma visão geral de sua performance sob diversos pontos de vista. DIRETORIA //ALTA REPRESENTANTES REPRESENTANTES DIRETORIA ALTA GERÊNCIA GOVERNAMENTAI GOVERNAMENTAI GERÊNCIA 29 SS
  • 30. SUPERVISORES SUPERVISORES LATERAIS LATERAIS SUPERIOR DIRETO SUPERIOR DIRETO CLIENTES CLIENTES PARES AVALIADO FORNECEDORES FORNECEDORES PARES AVALIADO COLEGAS DE COLEGAS DE SUBORDINADOS SUBORDINADOS PROFISSÃO PROFISSÃO DIRETOS DIRETOS SUBORDINADOS SUBORDINADOS LATERAIS LATERAIS CONTATOS CONTATOS SUBORDINADOS SUBORDINADOS ESTRATÉGICOS NA ESTRATÉGICOS NA INDIRETOS INDIRETOS COMUNIDADE COMUNIDADE Corretamente tabulados, estes dados podem ser fundamentais para o crescimento do colaborador de forma adequada às necessidades de sua empresa. Além que frequência este Gerente............... Com disso, este este Gerente............... método, se aplicado constantemente, pode se tornar uma Com que frequência ferramenta recorrente de avaliação para bonificações e promoções. Demonstra corresponder como funcionam os negócios. Demonstra corresponder como funcionam os negócios. 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 Comunica claramente a estratégia da companhia Comunica claramente a estratégia da companhia 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 Identifica oportunidades de negócios, desenvolve contatos e efetivamente, 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 Exemplo de questionárionegócios, desenvolve contatos e efetivamente, Identifica oportunidades de utilizado na avaliação 360 graus: vende produtos, serviços e a imagem da empresa. vende produtos, serviços e a imagem da empresa. Negocia e esclarece metas e expectativas de desempenho com sua equipe. Negocia e esclarece metas e expectativas de desempenho com sua equipe. 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 Busca saber das pessoas o que elas precisam para fazer um trabalho melhor. Busca saber das pessoas o que elas precisam para fazer um trabalho melhor. 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 Apóia o desenvolvimento com feedback e coaching. Apóia o desenvolvimento com feedback e coaching. 0 1 2 3 4 5 0 1 2 3 4 5 30
  • 31. ccoC 00==não possuo informações suficientes não possuo informações suficientes 11==nunca nunca 22==de vez em quando de vez em quando 33==Com razoável frequência Com razoável frequência 44==Com grande frequência Este tipo de avaliação pode ser um diferencial em empresas com diversos Com grande frequência níveis organizacionais, 5que precisam entender de forma completa a atuação de cada 5==Sempre Sempre profissional, para identificar líderes e colaboradores-chaves, corrigir problemas de desempenho e iniciar o processo de trabalho adequado à nova economia, com políticas de retenção dos principais talentos, garantindo o alinhamento estratégico de todos os colaboradores. 12.4.1 Benefícios • Visualização da Matriz de Competências atual; • Identificação dos pontos fortes e as oportunidades de melhoria de Comporta- mentos e Habilidades por meio da soma de percepções de múltiplas fontes; • Processo de avaliação transparente entre empresa e colaborador, garantindo a segurança e privacidade dos avaliadores; • Identificar marcos que ajudarão a consolidar e institucionalizar a Educação Corporativa, dando suporte à tomada de decisão nas ações de desenvolvimento. 31
  • 32. 13. FEED BACK A palavra feedback tem origem inglesa e não possui uma tradução fidedigna ao português, algumas fontes de pesquisa indicam que em português teríamos algo parecido com “retroalimentação” ou “realimentação”,mas no nosso caso , interpretaremos como : “retorno da ação, através da comunicação”. Conceitualmente, o feedback é uma conversa entre líder e liderado, que visa uma avaliação, uma análise sobre erros e acertos, pontos fortes e fracos do subordinado. Feedback Feedback consiste em prover não é uma avaliação, é um uma informação ao depoimento sem subordinado sobre seu desempenho profissional julgamento, ou seja, é com o objetivo de ajustar alguns comportamentos “alimentar” o outro com negativos, estimular ações positivas, orientar um depoimento sobre o novos procedimentos, enfim, dar um parecer ao comporta-mento ou liderado sobre o seu dia-a-dia na empresa. atuação dele e ser Através do feedback, um liderado obtém uma alimentado maior percepção das suas competências, pois reciprocamente com a adquire informações sobre como seu trabalho resposta do outro. está sendo desenvolvido, quais são os pontos que Paulo Gaudêncio Médico psiquiatra, docente, precisa melhorar e quais estão satisfatórios e consultor e autor de livros como Mudar e como ele é visto pelo líder. Vencer” e “Men at Work”. É muito importante que um líder saiba como passar um feedback a um liderado. Feedback não é um desabafo. Não é um momento para expressar seus 32
  • 33. descontentamentos ou insatisfações pessoais, um líder deve manter-se equilibrado e saber expressar criticamente seu ponto de vista, sempre pelo lado profissional. Feedback não é uma forma de mostrar como você é superior ao outro e sim como você divide suas experiências, mostrando seu modo de agir e pensar, acrescentando construtivamente. É muito importante você saber dar e também receber o feedback, aliás é importante que você até peça feedback às vezes, para poder ter uma opinião sobre seu rendimento profissional. O emissor deve ter um vocabulário claro e objetivo visando o melhor entendimento do que se quer transmitir. Por isso, devemos prestar atenção aos seguintes aspectos: • Vocabulário de fácil entendimento. • Clareza nas informações. • Tranquilidade. • Objetividade, ou seja, sem rodeios. • Evitar a pessoalidade. • Criação de um clima amigável. • Realização do feedback em um ambiente onde não haja interrupções. • Durante o processo, deve-se tentar maximizar o desempenho dos funcionários. • Propor um plano de ação para os pontos a serem melhorados. Ao dar e receber feedback, pense e visualize uma escada. Essa escada é apenas para subir, na ascendente, ela não serve para descer. Quando você dá um feedback e tem a visão desta escada que apenas sobe, que é para cima, você faz com que a pessoa que está recebendo o feedback se sinta valorizada. Quando a pessoa que estiver recebendo seu feedback intervir por algum motivo, pare e ouça atentamente. Esclareça as dúvidas, caso surjam, dê sugestões para melhorias e, no final, estimule positivamente, reconhecendo também os pontos fortes desta pessoa. 33
  • 34. Ao receber um feedback de alguém por qualquer motivo, ouça sem interromper. Evite discutir ou ficar na defensiva, ao invés disso, pergunte para obter entendimento. É importante ouvirmos a opinião de outra pessoa sobre nossos comportamentos e atitudes. O nosso crescimento profissional está intrinsecamente ligado a nossa capacidade de lidarmos com as diferentes opiniões e com as adversidades do mundo corporativo. Você já deve ter ouvido aquela frase que diz “o que seria do azul se todo mundo gostasse do vermelho?” As diferenças de opiniões sempre existiram e continuarão existindo enquanto o ser humano existir no mundo, por isso, é muito importante saber ouvir e saber se comunicar com qualidade. E saber dar e receber feedbacks é uma poderosa ferramenta para estreitarmos relacionamentos pessoais e profissionais e, como a própria origem da palavra nos orienta, realimentarmos nossas percepções, expressando nossas opiniões de uma maneira construtiva e totalmente profissional. 14. REFERÊNCIAS • CHIAVENATO, I. Gestão de Pessoas: O novo papel dos recursos humanos nas organizações. 6ª tiragem. Rio de Janeiro: Campus, 1999. • CHIAVENATO, I. Recursos Humanos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2000. • DRUKER, Peter. A administração na próxima sociedade. São Paulo: Nobel, 2002. Gestão Estratégica de Pessoas / Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo: Ed. Do Autor, 2008. (Cadernos didáticos Metodista – campus EAD) • http://pt.wikipedia.org/wiki/Treinamento • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO. Manual de treinamento e desenvolvimento. 2ª edição, São Paulo: Makron Books, 1994. • FONTES, Lauro Barreto. Manual de treinamento na empresa. São Paulo: Atlas, 1975. 34
  • 35. ROBBINS. Stephen P., Administração Mudanças e Perspectivas, São Paulo: Saraiva, 2000. • CHIAVENATO. I, Administração nos Novos Tempos, Rio de Janeiro: Elsevier, 2004 • GIL, A. C. Administração de Recursos Humanos: Um Enfoque Profissional. 1. ed. São Paulo: Atlas, 1994. • MARRAS, J. P. Administração de Recursos Humanos: Do Operacional ao Estratégico. 4. ed. São Paulo: Futura, 2001. • MINICUCCI, A. Psicologia Aplicada à Administração. 5ª edição. São Paulo: Atlas, 1995. • ROBBINS, S. P. Administração: Mudanças e Perspectivas. 3ª tiragem. São Paulo: Saraiva, 2002 (a). • ROBBINS, S. P. Comportamento Organizacional. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002 (b). • VERGARA, S. C.. Gestão de Pessoas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2000. 35