Disciplina: Fisiologia & Biofísica 2                   Farmácia (034) – 2012.2           Fundamentos do Eletrocardiograma ...
Importante!!!   As telas devem ser utilizados     apenas como guia de leitura. A     literatura recomendada pode ser     ...
Fundamentos do Eletrocardiograma (ECG)Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Em 1903, o fisiologista holandêsWillem Einthoven      realizou aprimeira    prática   com     umeletrocardiógrafo.        ...
O pioneirismo tem seu preço…Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Mas qual é a importância real do ECG ?                     Coração                                                Eletroca...
Sucintamente:    O trabalho cardíaco produz sinais elétricos que passam   para os tecidos vizinhos e chegam à pele;    A...
3 Características Relevantes do ECG              No ECG, observa-se voltagens geradas pelo coração e              registra...
Assim, por definição, o eletrocardiograma (ECG) é o registro dos  fenômenos elétricos que se originam durante a atividade ...
 Este registro é um auxiliarvalioso no diagnóstico de umgrande número de cardiopatias eoutras condições patológicas (ex.d...
Legenda:                                                                                 Contração Atrial                 ...
Quais são os componentes gráficos do ECG ?Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Unidade de registro do ECG                                                       Ashman                                   ...
Entendendo as ondas do ECG…                                        ONDA P: Despolarização Atrial.                         ...
Segmentos e Intervalos  SEGMENTO PR: Fim da contração atrial ao início da contração ventricular.  SEGMENTO       ST: Fim d...
Para não esquecer que no ECG normal, tem-se: Onda P: É a propagação da despolarização dos átrios. A primeira partecorresp...
 Complexo QRS: ocorre despolarização ventrícular e repolarização   atrial. Duração normal 0,05 a 0,10 s.    Onda T: repr...
Como o registro do ECG é obtido?                                        Existe 10 posições para colocação de              ...
Importante:                     Análise Vetorial Um vetor é uma seta que aponta na direção do potencialelétrico gerado pe...
Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Derivações do ECG  Denomina-se de derivação à análise de corrente elétrica resultante da diferença de dois eletrodos.    ...
Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Derivações do ECG                                   6 Derivações dos Membros                                   6 Derivaç...
GERAÇÃO DA DDP    Nenhum potencial é registrado quando o músculo   cardíaco encontra-se totalmente polarizado ou   despol...
Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
Possíveis Diagnósticos a partir do ECG Há mais de 100 causas de alterações de segmento ST e onda T; Isquemia produz alte...
Como ter um diagnóstico para infarto do               miocárdio a partir do ECG?- No Infarto lateral, a partir da análise ...
Sugestão de Atividade Complementar          Vídeo com a Aula Prática – Eletrocardiograma                      (Universidad...
Cenas da próxima aula: Ciclo Cardíaco.           Animação acerca do assuntoProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. ...
Como acontece o ciclo cardíaco?   Sístole e Diástole;   Os átrios como bombas de reforço;   Função dos ventrículos como...
Literatura RecomendadaProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL   Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
“Há diversos tipos de pescadores:Uns preferem a rede, recolhem tudoque podem e em seguida selecionamo que lhes serve. Outr...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal

5.529 visualizações

Publicada em

Fundamentos do Eletrocardiograma

Publicada em: Educação
0 comentários
25 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
25
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

4a aula fisiologia cardiovascular ecg_profa luiza a. rabelo_farmácia 034 ufal

  1. 1. Disciplina: Fisiologia & Biofísica 2 Farmácia (034) – 2012.2 Fundamentos do Eletrocardiograma luizaa.rabelo@gmail.comProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  2. 2. Importante!!!  As telas devem ser utilizados apenas como guia de leitura. A literatura recomendada pode ser encontrada no “slide” 31 desta apresentação;  ESTUDEM, ESTUDEM, ESTUDEM e ESTUDEM! O único caminho para o sucesso !!!  Esta versão da apresentação ainda está em construção Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  3. 3. Fundamentos do Eletrocardiograma (ECG)Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  4. 4. Em 1903, o fisiologista holandêsWillem Einthoven realizou aprimeira prática com umeletrocardiógrafo. Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicine de 1924 Willem Einthoven *21.05.1860 -  29.09.1927Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  5. 5. O pioneirismo tem seu preço…Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  6. 6. Mas qual é a importância real do ECG ? Coração EletrocardiogramaProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  7. 7. Sucintamente:  O trabalho cardíaco produz sinais elétricos que passam para os tecidos vizinhos e chegam à pele;  Assim, com a colocação de eletrodos no peito, pode-se gravar as variações de ondas elétricas emitidas pelas contrações do coração;  O registro dessas ondas pode ser feito numa tira de papel ou num monitor que, por sua vez, mostra os sinais digitais captados por um sistema de computador. Este histograma é denominado de eletrocardiograma (ECG).Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  8. 8. 3 Características Relevantes do ECG No ECG, observa-se voltagens geradas pelo coração e registradas pelo eletrocardiógrafo a partir da superfície do corpo. O ECG é o registro das alterações elétricas durante a despolarização e a repolarização. Nenhum potencial é registrado quando o músculo cardíaco encontra-se totalmente polarizado ou despolarizado.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  9. 9. Assim, por definição, o eletrocardiograma (ECG) é o registro dos fenômenos elétricos que se originam durante a atividade cardíaca.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  10. 10.  Este registro é um auxiliarvalioso no diagnóstico de umgrande número de cardiopatias eoutras condições patológicas (ex.distúrbios hidroeletrolíticos).Ressalva-se que algumasanomalias cardíacas não alteramo ECG.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  11. 11. Legenda: Contração Atrial Contração VentricularVoltagem (Milivolts, mV) S-T Segmento P-Q Intervalo Q-T Intervalo Tempo (segundos)Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  12. 12. Quais são os componentes gráficos do ECG ?Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  13. 13. Unidade de registro do ECG Ashman 1x1 mm 0,04 s x 0,1mVProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  14. 14. Entendendo as ondas do ECG… ONDA P: Despolarização Atrial. ONDA QRS: Despolarização ventricular. ONDA T: Repolarização Ventricular.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  15. 15. Segmentos e Intervalos SEGMENTO PR: Fim da contração atrial ao início da contração ventricular. SEGMENTO ST: Fim da contração ventricular ao início da repolarização ventricular. INTERVALO PR: Início da contração atrial até o início da contração ventricular. INTERVALO QT: Início da contração ventricular até o fim da repolarização ventricular. INTERVALO RR: Intervalo entre duas contrações ventriculares.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  16. 16. Para não esquecer que no ECG normal, tem-se: Onda P: É a propagação da despolarização dos átrios. A primeira partecorresponde a despolarização do átrio direito e a parte final adespolarização da átrio esquerdo. Intervalo PR: O espaço desde o início da ativação atrial até o início daativação ventricular é denominado intervalo PR. Este varia de acordo com aidade do paciente e a frequência cardíaca. Em geral o normal varia de 0,12a 0,20 s.Segmento ST: Intervalo entre o final do QRS e o início da onda T. Énormalmente isoelétrico e sua duração geralmente não é determinada poisé avaliado englobado ao intervalo QT.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  17. 17.  Complexo QRS: ocorre despolarização ventrícular e repolarização atrial. Duração normal 0,05 a 0,10 s.  Onda T: representa a repolarização ventrícular com voltagem menor que a do QRS.  Onda U: Onda que se segue a onda T. não é constante. Quando normal é sempre positiva. Sua gênese ainda é discutida . Poderia representar um pós-potencial, a duração mais prolongada do potencial de ação do sistema de Purkinje e, finalmente, a repolarização dos músculos papilares. Uma onda U negativa é sempre sinal de algum agravo.  Intervalo QT: Medido do início do QRS até o final da onda T. Varia com a frequência cardíaca, sendo maior em mulheres. Corresponde a duração total da sístole elétrica ventricular. O QTc corresponde ao intervalo QT corrigido para a frequência cardíaca de 60 bpm. O valor médio da normalidade no homem é de 0,425 e na mulher 0,440 s.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  18. 18. Como o registro do ECG é obtido? Existe 10 posições para colocação de elétrodos Punho direito (R) - Vermelho Punho esquerdo (L) - Amarelo Tornozelo esquerdo (F) - Verde Tornozelo direito - PretoProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  19. 19. Importante: Análise Vetorial Um vetor é uma seta que aponta na direção do potencialelétrico gerado pelo fluxo de corrente, com sua ponta voltadapara a direção positiva; Quando um vetor é exatamente horizontal e dirigido para o lado esquerdo está na posição que corresponde a 0°. A partir deste ponto, o vetor gira no sentido horário.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  20. 20. Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  21. 21. Derivações do ECG  Denomina-se de derivação à análise de corrente elétrica resultante da diferença de dois eletrodos. O ECG padrão apresenta 12 derivações Derivações Bipolares Periféricas Derivações periféricas aumentadas Derivações TorácicasProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  22. 22. Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  23. 23. Derivações do ECG  6 Derivações dos Membros  6 Derivações PrecordiaisProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  24. 24. GERAÇÃO DA DDP  Nenhum potencial é registrado quando o músculo cardíaco encontra-se totalmente polarizado ou despolarizado.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  25. 25. Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  26. 26. Possíveis Diagnósticos a partir do ECG Há mais de 100 causas de alterações de segmento ST e onda T; Isquemia produz alterações variáveis no segmento ST e na onda T, dependendo da severidade da isquemia e do tempo de início do quadro clínico; Durante o exercício, 1 mm ou mais de depressão de ST a 80 ms do ponto já indica resposta isquêmica ao exercício.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  27. 27. Como ter um diagnóstico para infarto do miocárdio a partir do ECG?- No Infarto lateral, a partir da análise do ArtériaECG, observa-se uma proeminente onda Q,pela predominância do vetor dedespolarização septal;- A zona já infartada, com necrose celular,produz onda Q proeminente no complexoQRS. ECG Normal Aumento da correlação com isquemia do miocárdioProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  28. 28. Sugestão de Atividade Complementar Vídeo com a Aula Prática – Eletrocardiograma (Universidade Federal Fluminense – UFF) Clique na Figura para seguir para o “link” http://videoaulas.uff.br/cardiologia-eletrocardiogramaProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  29. 29. Cenas da próxima aula: Ciclo Cardíaco. Animação acerca do assuntoProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  30. 30. Como acontece o ciclo cardíaco?  Sístole e Diástole;  Os átrios como bombas de reforço;  Função dos ventrículos como bombas;  Função das válvulas cardíacas;  A curva de pressão aórtica;  A circulação pulmonar;  A circulação periférica.Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  31. 31. Literatura RecomendadaProfa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL
  32. 32. “Há diversos tipos de pescadores:Uns preferem a rede, recolhem tudoque podem e em seguida selecionamo que lhes serve. Outros preferemusar a linha com a isca e o anzoljustos. Recolhem menos que osprimeiros , concentram todos osesforços em encontrar a peçadesejada”Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL Profa. Luiza A. Rabelo, LRC-ICBS/UFAL

×