SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
Baixar para ler offline
1             VoIP - Asterisk   Luiz Arthur


        fim




                     
2                             VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


    Asterisk é um software VoIP (Voz sobre Internet Protocol) opensource de
    licença GPL que pode transformar um simples computador em um poderoso
    e completo PBX (Private Branch eXchange) criado pela Digium Inc.

    O Asterisk pode ser executado em plataformas UNIX-Like tal como Linux e
    sistemas BSD, o Asterisk também foi projetado para facilitar a adição de
    qualquer componente de telefonia, seja hardware ou software,
    permitindo que os usuários da rede modele seus sistemas telefônicos da
    forma que preferir.

    O Asterisk está no meio de uma grande revolução, pois ele esta tratando de
    uma área da tecnologia que esteve parada no tempo que é a industria de
    Sistemas de Ramais Privados (PBX).

    Os principais fabricantes de telecomunicação ainda montam sistemas
    de PBX caros e incompatíveis entre si, com operações complicadas,
    códigos obsoletos sobre hardware e engenharia ultrapassados.

      Como exemplo, o Gerenciador de Telecomunicação Empresarial da Nortel
      mistura um servidor Windows NT 4.0, um Telefone Chaveado de teclas
      baseado em VXWorks de 15 anos atrás e um PC de 700 Mhz e tudo isto pode
      ser adquirido por algo em torno de 5 a 15 mil dólares, não incluindo
      telefones.                         
3                                  VoIP - Asterisk                          Luiz Arthur


        Todos os principais fabricantes de telecomunicações oferecem produtos
        similares e eles geralmente não querem que você tenha flexibilidade ou
        opção; eles querem que você fique restrito a seus ciclos de produtos.

        Mas o Asterisk tenta mudar tudo isto, o Asterisk tenta proporcionar
        liberdade ao sistema telefônico, permitindo que você configure o
        sistemas ao seu gosto. Naturalmente que esta flexibilidade tem um preço:
        o Asterisk pode tornar-se difícil de configurar devido as tantas possibilidades
        de configuração, é claro que isto pode ser visto como um ponto negativo ou
        positivo.

        Mas uma coisa é certa o Asterisk coloca em cheque os altos custos das
        centrais telefônicas convencionais, além de proporcionar conectividade
        com das redes VoIP com as tradicionais PSTN (Public Switched Telephone
        Network).

        As principais vantagens do Asterisk são a redução de custos, já que
        possibilita o uso de VoIP que normalmente se mostra mais em conta do que
        chamadas DDD e DDI das redes PSTN. Deve ser considerada também a
        economia indireta quando falamos do agregado de funções que o
        Asterisk proporciona, tais funções se fossem incorporadas a um PBX
        tradicionais representariam custos exorbitantes.
                                               
4                                  VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur

        A autonomia para controle do sistema de telefonia também deve ter grande
        destaque como vantagem pois agora não existe mais a dependência de
        um técnico de uma central telefônica proprietária, e as novas
        funcionalidades, mudanças e novos desenvolvimentos podem ser
        implementados por qualquer conhecedor da arquitetura VoIP.

        O plano de discagem flexível poderoso também é um destaque pois
        possibilitam por exemplo controle de rota das chamadas.

        Por fim, o Asterisk pode ser utilizado em diversas aplicações, citando
        apenas algumas funcionalidades, podemos ver:

         ●   Conectar empregados trabalhando em casa ao PABX da empresa
             (HomeOffice);
         ●   Conectar escritórios em localidades, até mesmos estados diferentes via
             Internet;
         ●   Correio de voz integrado ao e-mail/webmail;
         ●   Construir aplicações de resposta automática por voz, que podem
             conectar o usuário a um sistema de pedidos por exemplo, ou outras
             aplicações internas;
         ●   Das acesso ao PABX da empresa para usuários em viagem, conectando
             por exemplo, a partir de um hotel ou aeroporto;
         ●   Registro de chamadas para integração com sistema de tarifação;
         ●   Integração com reconhecimento de voz;
                                                
         ●   Música em espera para clientes aguardando na fila com suporte a MP3;
5                                 VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


        Arquitetura do Asterisk

        O Asterisk foi desenvolvido para ter o máximo de flexibilidade, assim o
        Asterisk fica transparente a protocolos, CODECs e hardwares, podendo ser
        compatível com qualquer tecnologia existente ou que venha a ser lançada,
        sem que sejam necessárias mudança no núcleo do Asterisk.

        Desta forma o Asterisk trabalha de forma modular, e carregar os
        módulos separadamente permite maior flexibilidade ao administrador,
        permitindo que ele escolha a melhor e mais enxuta configuração que o
        atenda.

        A arquitetura do Asterisk é baseada em 4 pontos principais:

         ●   Canais – Um canal pode ser interpretado como uma conexão que “traz”
             uma chamada ao Asterisk PABX. Um canal pode ser uma conexão a um
             telefone analógico tradicional, ou a uma linha PSTN, ou uma chamada
             lógica, como uma chamada via Internet. Toda chamada é originada ou
             recebida em um canal distinto. Alguns tipos de canais suportados pelo
             Asterisk são SIP, H.323, IAX, PSTN, ISDN, etc. Então um canal é
             equivalente à linha telefônica do sistema telefônico tradicional;

                                              
6                                 VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


        ●   Codecs – São responsáveis por converter a voz em sinais digitais por
            exemplo. Os codecs influenciam na quantidade de chamadas que
            podem ser colocadas em um mesmo link, isso pode ser feito codificando-
            se a voz em uma forma que ocupe menor banda. O tráfego de voz em
            redes PSTN ocupa uma banda de 64 Kbps. Aplicando-se codecs como o
            G.711 para o tráfego da voz em redes IP alcançamos a mesma banda
            (64Kbps). Porém, codecs como o GSM conseguem reduzir essa banda
            para aproximadamente 13 Kbps e o G.729 consegue compressão de
            8Kbps, então o Asterisk suporta vários tipos de codificação de voz.

        ●   Protocolos – São responsáveis por definir a forma/linguagem como os
            pontos de comunicação (terminais, gateways, etc) vão negociar entre si.
            São responsáveis por tarefas como sinalização para estabelecer
            conexão, determinar ponto de destino, roteamento entre pontos, e
            também questões de sinalização de telefonia como campainha,
            identificados de chamada, desconexão, etc. Os protocolos mais utilizados
            são o H.323 e o SIP, mas no âmbito do Asterisk seu protocolo IAX
            também tem tido grande difusão.

        ●   Aplicações – São as funcionalidades encontradas no Asterisk, como
            voicemail, distribuidor automático de chamadas e fila de atendimento
            (Call-Centers), servidor de música de espera, discador automático
            (telemarketing), sala de conferência, Media Gateway (VoIP/PSTN),
                                              
            unidade de resposta automática, etc.
7                                VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


        Plano de Discagem

        Outro ponto importante do Asterisk é o Plano de discagem, este é
        considerado o coração ou melhor o cérebro que define como o
        Asterisk irá gerenciar as chamadas. Consiste de uma lista de instruções
        ou passos que o Asterisk deve seguir. Essas instruções são disparadas a
        partir dos dígitos recebidos de um canal ou aplicação. É fundamental para
        configurar o Asterisk, que se entenda o plano de discagem. Nós iremos no
        aprofundar neste assunto mais para frente no texto.


        Hardware de Telefonia

        Bem o Asterisk só exige hardware específico se você quiser interligar
        sua rede VoIP com outro tipo de rede (PSTN, ISDN, etc). O Asterisk
        suporta inúmeros tipos de hardware de telefonia, de inúmeros fabricantes,
        mas principalmente o hardware fabricado pela Digium.

        Alguns hardwares suportados são: Wildcard TE411P, Wildcard TE410P,
        Wildcard TE406P, Wildcard TE405P, Wildcard TDM400P S100I (IAXy),
                                                           ,
        Generic X100P, OpenLine4, OpenSwitch6/12, etc.

                                            
8                                  VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


        Vamos ver agora apenas dois exemplos de hardware Asterisk:

         ●   Placa XP100P - Esta placa é uma das mais simples com uma porta FXO
             – Foreign eXchange Office, que pode ser ligada à rede pública ou a uma
             interface de ramal de PBX. Uma placa faz/modem com chipset Intel 537
             ou MD3200 pode ser usada como uma XP100P    .




                                              
9                                 VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


        ●   Placa TDM400P – Esta placa analógica pode conter até quatro canais.
            Os canais podem ser FXO (pode ser ligado à rede pública ou ramal de um
            PBX) ou FXS – Foreign eXchange Station (pode ser ligado a um
            assinante, como um telefone analógico) dependendo da configuração
            escolhida. Então nós utilizamos linhas FXS para ligar os terminais
            (aparelhos telefônicos comuns) e os FXO para ligar as linhas telefônicas
            que possibilitará o acesso a redes PSTN.




                                              
10                               VoIP - Asterisk                           Luiz Arthur

     Instalação do Asterisk

     O Asterisk faz uso intensivo de CPU, tal como qualquer aplicação em
     tempo real, isso se deve em grande parte, à sua necessidade de acesso
     prioritário aos barramentos do processador e do sistema.

     Em sistemas menores o hardware normalmente não é um problema,
     entretanto em sistemas de grande capacidade, o hardware deve ser muito
     bem estudado para não causar falhas de desempenho, manifestadas por
     problemas na qualidade de áudio para os usuários, muitas vezes na forma
     de ecos e coisas do tipo.

     A seguir é mostrado uma lista com orientações básicas que devem ser
     observadas na construção do PBX Asterisk quanto ao hardware:

      ●   Sistemas com não mais do que 5 canais é recomendado no mínimo um
          computador de 400Mhz x86 com 256 MB de memória RAM;

      ●   Para sistemas com até 10 canais é recomendado no mínimo um computador de
          1GHz x86 com 512 MB de memória RAM;

      ●   Ambientes com até 15 canais, neste tipo de ambiente o mínimo recomendável é
          um computador com 3GHz x86 e 1 GB de memória RAM;

  
      ●   Já para ambientes grandes com mais   de 15 canais é altamente recomendável o
          uso de CPUs duplas e possivelmente múltiplos servidores em arquitetura
          distribuída.
11                            VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


     Quando ao uso de disco rígido o Asterisk não utiliza muito espaço em
     memórias secundárias, requerendo em média 100 MB para o programa
     compilado, mas a inserção de código fonte, voicemail, etc, requer mais
     espaço de acordo com a quantidade de usuários.

     Quanto ao uso de placas específicas, estas só são necessárias caso haja
     necessidade de intercomunicação com outros tipos de redes que não
     as redes IP.

     O processo de instalação do software Asterisk, esta se dá em qualquer
     sistema Linux, mas pode ser feita também em sistemas BSD e MAC OS X.

     O Asterisk utiliza três pacotes principais: o programa principal Asterisk
     (asterisk), os drivers de telefonia Zapata (zaptel) e as bibliotecas PRI
     (libpri).

     Se você planeja uma rede VoIP pura, o único requisito real é o pacote
     asterik.

     Os drivers zaptel são necessários se você estiver utilizando hardware
     digital ou analógico, ou se você estiver usando o driver ztdummy como
     interface de temporização.
                                         
12                              VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     A biblioteca libpri é tecnicamente opcional, a não ser que você esteja
     utilizando interfaces ISDN PRI. Você poderá economizar uma pequena
     quantidade de RAM se não a carregar, mas é recomendado que a libpri
     seja instalada juntamente com o pacote zaptel para completá-la.

     Outro pacote que você pode querer instalar é o asterik-sounds. Embora o
     Asterisk venha com muitos sons gravados na distribuição fonte principal, o
     pacote asterisk-sounds irá dar a você um pouco mais.

     O código fonte do Asterisk pode ser obtido no servidor Digium FTP,
     localizado em ftp://ftp.digium.com.

     Entre no FTP e baixe as ultimas versões do asterisk, zaptel e libpri. Exemplo:

     asterisk-1.4.9.tar.gz
     libpri-1.4.1.tar.gz
     zaptel-1.4.4.tar.gz

     Nós iremos fazer uso do diretório /usr/src para extrair e compilar o fonte
     do Asterisk.


                                            
13                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     Os comandos a seguir          irão   extrair   os   pacotes   Asterisk    no
     diretório /usr/src:

     # tar vzxf asterisk-1.4.9.tar.gz -C /usr/src/
     # tar vzxf libpri-1.4.1.tar.gz -C /usr/src/
     # tar vzxf zaptel-1.4.4.tar.gz -C /usr/src/



     Compilação da libpri

     A libpri é utilizada por vários fabricantes do hardware Multiplexação por
     Divisão de Tempo (TDM), mas mesmo que você não tenha esse hardware
     instalado, é seguro compilar e instalar esta biblioteca. Você deve compilar e
     instalar a libpri antes do Asterisk, já que ela vai ser detectada e usada
     quando o Asterisk for compilado. Segue os passos para compilar o libpri:

     # cd /usr/src/libpri-1.4.1/
     # make
     # make install


                                           
14                            VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


     Compilação do zaptel

     A interface zaptel é um módulo de núcleo carregável que apresenta uma
     camada de abstração enter os drivers de hardware e o módulo Zapata no
     Asterisk. É esse conceito que permite que os drivers do dispositivo sejam
     modificados sem que sejam feitas alterações à própria fonte do Asterisk.

     Os drivers de dispositivo são utilizados para comunicar com o
     hardware diretamente e para passar informações entre o Zaptel e o
     hardware.

     Várias opções podem ser passadas na compilação do zaptel, mas aqui iremos
     fazer uma compilação simples, como segue:

     #   cd /usr/src/zaptel-1.4.4/
     #   ./configure
     #   make
     #   make install




                                         
15                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     Compilação do Asterisk

     Assim que você tiver compilado os pacotes zaptel e libpri (se você precisar
     deles) e alguns pacotes adicionais (caso você queira), pode se voltar para o
     Asterisk.

     Existem também no pacotes Asterisk inúmeras alterações que podem ser
     feitas já na compilação, mas aqui ficaremos apenas com a instalação padrão
     que se da como a seguir:

     #   cd /usr/src/asterisk-1.4.9/
     #   ./configure
     #   make
     #   make install
     #   make sample

     O comando make sample é executado para instalar os arquivos de
     configuração originais. Instalar esses arquivos (em vez de configurar cada
     arquivo manualmente) permitirá a você ter seu sistema Asterik pronto e
     rodando muito mais rápido. Mas tome cuidado se você estiver apenas
     atualizando o seu sistema Asterisk, pois este comando pode substituir os
     seus arquivos.
                                           
16                             VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur

     Se você quiser que o Asterisk inicie automaticamente com boot do
     sistema, você deve criar um script no Slackware em /etc/rc.d/. Existe um
     script pronto e pode ser copiado para o diretório /etc/rc.d da seguinte
     forma:

     # cp /usr/src/asterisk-1.4.9/contrib/init.d/rc.slackware.asterisk
     /etc/rc.d/rc.asterisk

     Após isto dê permissão de execução ao script com o comand chmod a
     +x /etc/rc.d/rc.asterik e coloque a linha /etc/rc.d/rc.asterisk start
     no arquivo /etc/rc.d/rc.local.

     Para sistemas onde os scripts de inicialização ficam em /etc/rc.d/init.d
     ou /etc/init.d/ o comando make config pode ser utilizado para fazer o
     script de forma automática.

     Carregando módulo Zaptel

     O módulo zaptel não necessita de nenhuma configuração, então basta
     apenas carregar o seguinte comando:

     # modprobe zaptel

   Lembre-se   isto só vai ser necessário caso o sistema tenha hardware Zapata.
                                           
     Em alguns casos também é necessário carregar o módulo ztdummy.
17                              VoIP - Asterisk                          Luiz Arthur

     As bibliotecas libpri não precisam ser carregadas como os módulos. O
     Asterisk olha para as libpri na hora de compilar e se configura para utilizar
     as bibliotecas se elas forem encontradas.

     Carregando o Asterisk

     O Asterisk pode ser carregado de várias formas. A mais fácil delas é iniciar o
     Asterik executando o arquivo diretamente da interface de linha de comando
     do Linux.

     Se você criou os script você pode iniciar no Slackware o Asterik com o
     comando:

     # /etc/rc.d/rc.asterisk start

     Entretanto, a maneira preferida de iniciar o Asterisk é por meio do script:

     # safe_asterisk

     Uma configuração básica para testar o Asterisk

     A configuração do Asterisk é feita através de arquivos de configuração
     localizados no diretório /etc/asterisk. O formato dos arquivos é ASCII
  
     dividido em seções com o nome da seção entre colchetes ([]). Os caracteres
                                           
     de comentário são: o ponto-e-virgula e sustenido.
18                               VoIP - Asterisk                             Luiz Arthur


     Iremos primeiramente criar um ramal, então é necessário decidir qual tipo de
     protocolo que será utilizado: H.323, SIP IAX, etc. Bem iremos tomar como protocolos
                                             ,
     de configuração o SIP e o IAX. Pois o SIP é bem simples e exige poucos recursos
     sendo então altamente recomendado em redes locais. Já o IAX apresenta grandes
     vantagens quando o ambiente VoIP é implementado dentro ambientes que utilizam
     NAT, ou seja, ele é altamente recomendável quando é necessário passar por várias
     redes, mas o IAX foi criado por uma empresa e não por uma entidade o que pode geral
     problemas futuros, além de não apresentar tantas funcionalidades quanto o H.323 e o
     SIP.

     Vamos então neste primeiro exemplo criar apenas ramais SIP, e depois criar alguns
     ramais    AIX.   Bem     para    criar    ramais  SIP    devemos      editar    o
     arquivo /etc/asterisk/sip.conf, vá até a última linha e inclua a seguinte
     configuração:

     [200]
     callerid=usuario1
     secret=123mudar
     host=dynamic
     type=friend
     context=interno

   [201]
   callerid=usuario2
   secret=123mudar
  
   host=dynamic                               
   type=friend
   context=interno
19                             VoIP - Asterisk                           Luiz Arthur


     Bem as configurações que fizemos no arquivo sip.conf se iniciam com o
     número do ramal entre colchetes ([200]) neste caso primeiro ramal é o
     duzentos e o segundo é o duzentos e um.

     A opção callrid faz referencia ao nome do usuário, no ramal 200 o
     usuário chama-se usuario1 e para o ramal 201 o nome do usuário é
     usuario2.

     A opção secret diz respeito a senha para os respectivos usuários.

     O parâmetro host referencia onde o IP de determinado ramal se encontra, a
     opção dynamic diz que este ramal pode assumir qualquer IP de forma
     dinâmica.

     Já a opção type diz que tipo de ligações o ramal esta autorizado a fazer,
     sendo que a friend permite ao ramal efetuar e receber ligações.

     Por fim, a opção context identifica a qual classe de ramal este ramal
     pertence, em nosso caso usamos o contexto “interno” que será criado
     posteriormente no plano de discagem.

                                          
20                              VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur

     Então agora iremos criar um plano de discagem para poder chamar os
     ramais, isto é necessário para podermos efetuar ligações através do
     Asterisk.

     Para criarmos o plano de discagem que chamamos anteriormente de
     “interno”, vamos editar o arquivo /etc/asterisk/extensions.conf, indo
     até a última linha e adicionando o seguinte plano:

     [interno]
     exten => _2XX,1,Dial(SIP/${EXTEN})
     exten => _2XX,2,Hangup()

     Assim como no sip.conf entre parenteses criamos um contexto chamado
     interno. Na linha exten => _2XX,1,Dial(SIP/${EXTEN}), estamos passando
     ao Asterisk para aceitar chamadas iniciadas pelo dígito 2 e que contenham
     mais dois dígitos (200, 201, 202, etc), e executar através da função “Dial”
     uma chamada para o protocolo SIP com o ramal digitado no telefone VoIP
     que vem contido na variável “${EXTEN}”. Após o termino da chamada, o
     Asterisk termina a ligação, e isto é feito através da linha exten => _2XX,
     2,Hangup().

     Realizados estes passos basta reiniciar o servidor Asterisk para que as novas
     configurações passem a valer. Isto pode ser feito através do comando:
                                           
     # asterisk -rx reload
21                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     Configurando um telefone VoIP

     Vamos agora configurar um ponto final que se comunique com o Asterisk.
     Bem como é impossível mostrar como configurar todos os tipos de pontos
     finais, nós utilizaremos um que sirva de exemplo sobre qual é a configuração
     básica de um ponto final.

     Nós utilizaremos o cliente da X-ten, o X-lite, que pode ser encontrado em
     www.xten.com e tem versões para Linux e Windows.

     A instalação no Windows é bem fácil e não será abordada aqui, já a
     instalação no Linux segue basicamente os seguintes passos:

     # tar    vzxf   X-Lite_Install.tar.gz        -C    /tmp
     # mv    /tmp/xten-xlite/xtensoftphone        /bin/

     Para usar o software VoIP tenha certeza que a placa de som esteja ativa e
     configurada corretamente, no caso do Linux para configurar a placa de som
     você pode usar os comandos alsaconf e alsamixer.

     A configuração do cliente é geralmente direta. As partes mais importantes
     são o nome do usuário e senha para registro, além do endereço do servidor
                                           
     Asterisk com o qual você com o qual você quer se registrar.
22                                  VoIP - Asterisk                                Luiz Arthur


     Para iniciar o X­Lite execute com o usuário da interface gráfica o comando:

     #xtensoftphone

     Para inciar a configuração clique em 1 e depois em System Settings:




      1




                                                 
23                                VoIP - Asterisk                              Luiz Arthur


     Clique em Netwok e tão logo seja apresentada a próxima tela  clique em 2 para 
     configurar o servidor Asterisk:

                                                      1



                                                                                2




                                               
24                              VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur

     A figura a seguir mostra a tela de configuração do X-Lite:




     O nome no mostrador (Display Name) é a seqüência que será utilizada como
     Caller ID.

     O nome do usuário (Username) é a autorização do usuário são utilizados para
     autenticação, juntamente com a senha.

     O domínio/reinado (Domain/Realm) deve ser o endereço IP de FQDN do seu
                                        
     servidor Asterisk.
25                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     O proxy do SIP é o mesmo que aquele inserido para o domínio/reinado, mas
     com o acréscimo de :5060 (isso especifica o número de portas a se usar para
     sinalização SIP).

     Depois de inserir toda essa informação, verifique se Enabled está definido
     como Yes, e então feche o menu de configuração. A X-Lite irá então se
     registrar no Asterisk. Se a X-Lite não aparecer para registrar, simplesmente
     reinicie o cliente. Já que a X-Lite é minimizada para a bandeja de tarefas
     quando você fecha a aplicação usando o botão X, você irá precisar sair do
     programa clicando diretamente no ícone na bandeja e então clicando em
     “Exit” no menu pop-up de reiniciar.

     Uma configuração um pouco mais elaborada

     Nesta configuração iremos adicionar quatro canais: um canal Escritório de
     Trocas Externas (FXO), um canal Estação de Trocas Externas (FXS), um
     canal Protocolo de Início de Sessão (SIP) e um canal protocolo de Troca
     Inter-Asterisk (IAX).

     Nós começamos explorando as configurações básicas de interfaces
     analógicas tais como as portas FXS e FXO com o uso de um kit Dev-Lite da
     Digium. Iremos então configurar duas interfaces VoIP: um canal SIP local
     conectado a um telefone por software e uma conexão para Free Wold Dialup
                                          
     via IAX.
26                             VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


     O Asterisk não precisa de nenhum hardware especializado – nem
     mesmo cartão de som. Cartões de canais quem conectam o Asterisk a
     telefones analógicos ou linhas telefônicas estão disponíveis, mas não são
     essenciais. Por outro lado, se você não se conectar diretamente a uma linha
     de telefone analógico do seu escritório central, você poderá rotear suas
     chamadas pela Internet para um provedor de serviços de telefonia.

     Bom iremos supor que temos uma interface com dois canais FXO e FXS, o
     que permite que você se conecte a uma linha de telefone analógico (FXO) e a
     um telefone analógico (FXS).

     Canais FXO e FXS

     A diferença entre um canal FXO e um canal FXS é simplesmente qual ponta
     da conexão fornece o tom de discagem. Uma porta FXO não gera um tom
     de discagem; ela aceita um. Uma porta FXS fornece tanto o tom de
     discagem como a tensão de campainha para alertar o usuário da estão
     sobre a chegada de uma ligação.

     Se o servidor Asterisk tem uma porta compatível com FXO, você poderá
     conectar uma linha telefônica de sua companhia de telefonia a essa porta. O
     Asterisk poderá então, utilizar a linha para fazer e receber chamadas
     telefônicas.                          
27                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     As portas são definidas na configuração pelas sinalizações que
     utilizam em oposição aos tipos físicos de portas que elas são.

     Por exemplo, uma porta FXO física será definida na configuração com
     sinalização FXS, e uma porta FXS será definida com sinalização FXO.

     Isso pode se tornar confuso até que se entenda as razões para isso. Os
     cartões FX_ são nomeados não de acordo com o que são, mas em vez disso
     de acordo com o que está conectado a eles.

     Como exemplo, um cartão FXO se conecta a um escritório central, o que
     significa que precisará se comportar como uma estação e utilizar sinalização
     FXS. O modem em seu computador é um exemplo clássico de um dispositivo
     FXO.

     Atenção!!! conectar uma porta FXS à PSTN pode destruir o módulo e o
     cartão.

     Configuração de um canal FXO

     Vamos começar configurando um canal FXO. Primeiro configuramos o
     hardware Zaptel, depois o hardware Zapata. Nós vamos configurar um
     dialplan básico e iremos mostrar a como testar o canal.
                                           
28                              VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur
     Configurando o hardware Zaptel

     O arquivo /etc/zaptel.conf é usado para configurar seu hardware. A
     seguinte configuração mínima define uma porta FXO com sinalização FXS:

     fxks=2
     loadzone=US
     defaultzone=US

     Na primeira linha (fxks=2), além de indicar se estamos utilizando
     sinalização FXO ou FXS, nós especificamos um dos seguintes protocolos para
     o canal 2:

      ●   Loop start (ls);
      ●   Ground start (gs);
      ●   Kewlstart (ks).

     A diferença entre loop start e ground start tem a ver com a maneira pela
     qual o equipamento requer um tom de discagem:

      ●   Um circuito ground start sinaliza para o outro terminal que ele quer um
          tom de discagem pelo aterramento momentâneo de um dos fios;

      ●   Um circuito loop start utiliza um curto-circuito para requer um tom de
                                            
          discagem. Todas as linhas domésticas na América do Norte utilizam
          sinalização loop start.
29                               VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


      ●   Kewlstart é, de fato, o mesmo que loop start, exceto que tem maior
          inteligência e é, por isso, mais capaz de detectar desconexões de outro
          terminal. Kewlstart é o protocolo de sinalização preferido para circuitos
          analógicos em Asterisk.

     O conjunto de indicações é configurado por loadzone para uso pelo canal. O
     arquivo zonedata.c contém informações sobre todos os vários sons que
     um sistema telefônico emite cada país em particular, ciclos de
     campainha, tom de ocupado e assim por diante. Quando aplica-se um tone
     zone carregado a um canal Zap, esse canal vai copiar as indicações para o
     país especificado.

     O defaultzone é utilizado se nenhuma zona for especificada por um canal.

     Depois de configurar o zaptel.conf, pode-se carregar os drivers para o
     cartão. Por exemplo, para carregar o driver wctdm, você deve executar:

     # modprobe     wctdm

     Se não for apresentado nenhuma saída o driver foi carregado com sucesso. É
     possível verificar se o hardware e as portas foram carregados e configurados
     corretamente usando o programa ztcfg:
                                            
     # ztcfg    -vv
30                            VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


     O programa zttool é uma ferramenta de diagnóstico utilizada para
     determinar o estado do seu hardware. Um estado “OK” significa que o
     carregamento do hardware foi bem sucedido.

     Configurando o hardware Zapata

     O Asterisk utiliza o arquivo /etc/asterisk/zapata.conf para determinar os
     ajustes e configuração para o hardware de telefonia instalado no sistema.

     Tal arquivo também controla as várias funções e funcionalidades associadas
     com os canais de hardware, tal como o Caller ID, espera de chamada,
     eliminação de eco e uma variedade de outras opções.

     No passo anterior foi ativado apenas o hardware, mas é neste passo que
     apresenta-se o hardware ao Asterisk controlando as funções associadas a
     este hardware por meio do arquivo zapata.conf:

     [trunkgroups]
     ; define grupos de troncos

     [channels]
     ;canais de hardware
     ;defaults                            
     usecallerid=yes
31                            VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


     hidecallerid=no
     callwaiting=no
     threewaycalling=yes
     transfer=yes
     echocancel=yes
     echotraining=yes

     ;define canais
     context=incoming ; Chamadas que chegarem serão passadas para
                  ; extensions.conf na seção chamada incoming
     signalling=fxs_ks   ; Usa sinalização FXS para um canal FXO
     channel=>2          ; A PSTN esta ligada na porta 2

     A seção [trunkgroups] é para conexões NFAS e GR-303 e não será discutida
     aqui.

     A seção [channels] determina o método de sinalização para os canais
     de hardware e suas opções. Assim que uma opção for definida, ela é herdada
     para o restante do arquivo. Um canal é definido usando-se a definição
     channel =>.

     Neste exemplo nós habilitamos Caller ID com usecallerid=yes e
     especificamos que isso não será escondido para as chamadas para fora com
                                          
     hidecallerid=no.
32                             VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


     A habilitação de chamadas em três vias com threewaycalling=yes permite
     que uma chamada ativa seja colocada em espera, será possível inclusive
     colocar uma terceira parte na conversa e isto é permitido via transfer=yes,
     mas isto requer que chamadas de três vias esteja habilitado.

     O eliminador de eco Asterisk é utilizado para remover o eco que pode ser
     criado em linhas analógicas com a opção echocancel=yes. O eliminador de
     eco do Asterisk requer algum tempo para aprender o que é eco na linha, mas
     é possível acelerar isso habilitando o treinamento de eco com a opção
     echotraining=yes. Isso vai dizer ao Asterik para enviar um tom de linha no
     início de uma conversa para medir o eco e então aprender mais
     rapidamente.

     Quando uma chamada chega por meio de uma interface FXO, alguma ação
     deve ser tomada, tal ação é configurada dentro de um bloco de instruções,
     chamada contexto, neste caso com a opção context=incoming, ou seja, as
     instruções estarão dentro do arquivo /etc/asterisk/extensions.conf em
     um contexto chamado incoming.

     Finalmente, já que um canal FXO utiliza sinalização FXS, nós o definimos
     como signalling=fxs_fs.

                                          
33                             VoIP - Asterisk                        Luiz Arthur


     Configuração do Dialplan

     O seguinte dialpan mínimo faz uso da aplicação Echo() para verificar se as
     configurações bidirecionais para o canal estão funcionando, para tanto
     editaremos o arquivo      /etc/asterisk/extensions.conf, incluindo as
     seguintes linhas:

     [incoming]
     ;chamadas entrando pela FXO são direcionada para este contexto
            ;pelo zapata.conf
     exten => s,1,Answer()
     exten => s,2,Echo()

     Depois de configurar este arquivo é possível testar a linha do FXO, para
     tanto é só discar para o número da linha e a linha Echo() irá permitir que
     escute-se no telefone sua própria voz, caso isto ocorra a configuração esta
     Okay.




                                          
34                            VoIP - Asterisk                      Luiz Arthur


     Configuração de um canal FXS

     A configuração de um canal FXS é similar a FXO

     Primeiro configura-se o hardware com o arquivo /etc/zaptel.conf:

     fxoks=1
     fxsks=2
     loadzone=us
     defaultzone=us

     Bem nesta configuração apenas adicionamos a linha fxoks=1, de forma que
     estamos sinalizando FXO para nosso FXS no canal 1 com o protocolo de
     sinalização kewlstart.

     Para testar podemos fazer uso do comando ztcfg -vv.




                                         
35                                   VoIP - Asterisk                              Luiz Arthur


     Configuração do hardware Zapata

     Iremos      apenas     acrescentar      algumas      alterações                       ao
     arquivo /etc/asterisk/zapata.conf alterado anteriormente:

     [trunkgroups]
     ; define grupos de troncos

     [channels]
     ;canais de hardware
     ;defaults
     usecallerid=yes
     hidecallerid=no
     callwaiting=no
     threewaycalling=yes
     transfer=yes
     echocancel=yes
     echotraining=yes
     immediate=no

     ;define canais
     context=internal        ;Utiliza o contexto [internal] em extensions.conf
     signalling=fxo_ks       ;Usa a sinalização FXO para um canal FXS
     channel => 1            ;Telefone conectado à porta 1

   context=incoming ;      Chamadas que chegarem serão passadas para extensions.conf
                    ;      na seção chamada [incoming]
   signalling=fxs_ks;      Usa sinalização FXS para um canal FXO
   channel=>2       ;                              
                           A PSTN esta ligada na porta 2
36                            VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


     A seguinte configuração é idêntica à do FXO, com acréscimo de uma
     seção para a porta FXS e da linha immediate=no, esta opção permite que o
     quando o telefone for tirado do gancho o Asterisk produza um tom de
     discagem e aguarde pela entrada do usuário. Uma ação alternativa é que o
     Asterisk automaticamente execute um conjunto de instruções
     configuradas no dialplan, isto é possível configurando immediate=yes.

     As instruções a serem executadas para FXS deverão estar no contexto
     [internal] em /etc/asterisk/extensions.conf. Desta forma se
     acrescenta ao final do arquivo as seguintes linhas:

     [internal]
     exten => 611,1,Answer()
     exten => 611,2,Echo()

     Neste contexto criado chamado internal, nós dizemos ao Asterisk onde
     procurar pelas instruções quando alguém pressionar dígitos em seu
     telefone.

     Nesse caso, o único número de ramal que irá funcionar é o 611. Ao discar
     611 no telefone, o Asterisk irá executar a aplicação Echo(), de forma que
     qualquer coisa que alguém disser no telefone será reproduzida para ela
     mesma (um eco), dessa forma verificamos a voz bidirecional.
                                          
37                            VoIP - Asterisk                          Luiz Arthur


     Configuração do SIP

     O protocolo de incialização de Sessão (SIP), cuida da configuração e
     decomposição das chamadas ao longo das renegociações durante a
     chamada. O SIP utiliza o protocolo de Transporte em Tempo Real (RTP) para
     transferir a mídia entre os pontos finais.

     O SIP é um protocolo de sinalização da camada de aplicação que utilizam a
     porta 5060 normalmente UDP O RTP utiliza número de portas altas no
                                    .
     Asterisk (originalmente, de 10.000 a 20.000).

     Para configurar o SIP iremos configurar o aquivo /etc/asterisk/sip.conf:

     [general]
     context=default
     srvlookup=yes

     [john]
     type=friend
     secret=welcome

   qualify=yes ; Qualificar um par a não menos que 2000ms de distância
   nat=no      ; Esse telefone não está na NAT
   host=dynamic    ; Esse dispositivo se registra com IP dinâmico
   canreinvite=no ; O Asterisk originalmente tenta redirecionar
                                           
   context=internal ; O contexto [internal] controla o que podemos fazer
38                           VoIP - Asterisk                          Luiz Arthur

 O arquivo sip.conf começa com uma seção [general], que contém os
 ajustes do canal e as opções originais para todos os usuários.

 A opção srvlookup=yes habilita os registros de sistemas de nome DNS,
 permitindo fazer ligações SIP por nome de domínio, por padrão esta opção
 vem desativada, mas é altamente recomendável ativa-lá.

 Bem iniciamos com uma ramal chamado john, que é do tipo friend (pode
 realizar e receber ligações), e acrescentamos a senha “welcome” para ele.

 A opção qualify=yes monitora a latência entre o servidor Asterik e o
 telefone , isto pode ser usado inclusive para monitorar outros servidores
 Asterisk, originalmente o Asterisk irá determinar o terminal encontrável a
 cada 2 segundos (2.000ms), mas podemos mudar isto alterando o yes pelo
 número de milisegundos.

 Se um ramal esta por tráz de um NAT, tal como um roteador ou um Firewall,
 configure nat=yes para forçar o Asterisk a ignorar a informação de
 contato para o ramal e utilizar o endereço de onde os pacotes estão sendo
 recebidos.

   Definir host=dynamic vai fazer o ramal se registrar para que o Asterisk saiba
   onde ele está. Substitua dynamic pelo endereço IP ou nome de domínio
                                          
   para limitar um terminal. Se definir host=static, o terminal não terá que se
   registrar.
39                             VoIP - Asterisk                           Luiz Arthur


     Também foi definido canreinvite=no desta forma o Asterisk fica apto a
     tocar musica ou passar um anúncio para o cliente em espera, já que os
     convites são usados para estabelecer ligações, e re-convites para
     redireciona-las.

     Por fim, context=internal especifica as localização das instruções usadas
     para controlar o que o telefone tem permissão de fazer e o que fazer com
     ligações que chagam para este ramal.

     Configuração do Dialplan SIP

     Muitos telefones SIP, tanto por software como por hardware, são telefones
     de múltiplas linhas. Assim é possível testar o telefone ligando para você
     mesmo. Para isto, disca-se o ramal 100. Se o telefone não suportar ligar para
     ele mesmo ligue para o ramal 611 que tem a aplicação Echo()

     Ao arquivo de dialplan deve ser acrescentado as seguintes linhas:

     [internal]
     exten => 100,1,Dial(SIP/john)
     exten => 611,1,Echo()

                                           
40                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur

     Configuração de conexões IAX de entrada

     O protocolo de Troca Inter-Asterisk (IAX) é normalmente usado para
     comunicações entre servidores, mas existem atualmente telefones que
     também utilizam o IAX como protocolo de comunicação. A diferença
     primária entre os protocolos IAX e SIP é a maneira pela qual a mídia
     (sua voz) é passada entre terminais.

     Com, o SIP ou com H.323 o tráfego RTP (mídia) é passado utilizando portas
     diferentes daquelas utilizadas pelos métodos de sinalização. Já o protocolo
     IAX difere em que tanto na sinalização como o tráfego de, mídia são
     passados por meio de uma única porta (4569).

     Uma vantagem desse sistema é que o protocolo IAX tende a se ligar melhor
     a topologias envolvendo NAT. Um usuário IAX normalmente é utilizado para
     autenticar e manipular ligações vindo para o sistema PBX. Para ligações indo
     para fora do PBX, o Asterisk usa uma entrada par do IAX no arquivo
     iax.conf para autenticar com a ponta remota.

     Nesta implementação com o IAX conectaremos o nosso sistema com o Free
     Wold Dialup (FWD) via IAX. O FWD é um provedor de serviço VoIP gratuito
     que permite que se conecte a qualquer outro membro da rede, independente
     da localização física, gratuitamente. O FWD também é conectado a mais de
                                            
     100 outras redes, às quais pode-se conectar gratuitamente.
41                             VoIP - Asterisk                     Luiz Arthur


     Mas para tanto deve-se registrar no www.fwdnet.net e habilitar sua conta
     para dar suporta ai IAX.

     Então          configuraremos        o          /etc/asterisk/iax.conf
     e /etc/asterisk/extensions.conf para permitir que se receba chamadas
     de outro usuário FWD e fazer chamadas para usuários FWD.

     Configuração do iax.conf

     Nosso arquivo iax.conf deve ficar da seguinte forma:
     [general]
     bandwidth=low
     disallow=lpc10
     jitterbuffer=no
     forcejitterbuffer=no
     tos=lowdelay
     autokill=yes

     registrer => fwd_number:password@iax2.fwdnet.net

   [iaxfwd]
   type=user
   context=incoming
   auth=rsa                                
   inkeys=freewolddialup
42                            VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


     Dentro da seção [general], foi adicionado uma declaração de registro. O
     propósito da declaração de registro é dizer ao servidor FWD IAX o cliente
     esta na Internet, ou seja, registar-se no FWD é passar o seu IP.

     Na seção [iaxfwd], foi definido o usuário para ligações que chegam com o
     type=user, depois foi definido onde a ligação será manipulada dentro do
     dialplan, com context=incoming. A opção auth=rsa diz que a autenticação
     será feita via chave RSA. A chave pública é definida com
     inkeys=freewolddialup que vem como padrão com o Asterisk.


     Configuração do Dialplan

     O manuseio de uma ligação que chega ao arquivo extensions.conf é
     simples. Primeiro crie um contexto chamado incoming. O contexto é seguido
     por uma definição de Dial() que irá discar o ramal SIP criado    ,
     anteriormente. Substitua o número 10001 por aquele da dua conta FWD:

     [incoming]
     exten => 10001,1,Dial(SIP/john)


                                         
43                             VoIP - Asterisk                         Luiz Arthur


     Para fazer as ligações externas configure o arquivo iax.conf da seguinte
     forma:

     [iaxfwd]
     type=peer
     host=iax2.fwdnet.net
     username=<número da conta FWD>
     secret=<senha-conta-fwd>
     qualify=yes
     disallow=all
     allow=ulaw
     allow=gsm
     allow=ilbc
     allow=g726

     O tipo agora indica que a conexão é ponto-a-ponto, e é utilizado a opção host
     para informar qual é o servidor.

     O disallow é usado para rearmar quaisquer ajustes de codec definidos
     previamente, então são usados as opções allow para indicar os codecs de
     preferencia de cima para baixo.

     Para saber se o registro foi bem sucedido é possível usar o comando iax2
                                          
     show registry no CLI Asterisk.
44                            VoIP - Asterisk                       Luiz Arthur


     Já a configuração do dialplan no arquivo extensions.conf fica da seguinte
     forma:

     [internal]
     exten => 613,Dial(IAX2/iaxfwd/613)

     Aqui configuramos para que possamos fazer uma ligação para aplicação
     FWD, é possível usar o mesmo teste do Eco para testar se tudo esta Okay.




                                         
45         VoIP - Asterisk   Luiz Arthur


     fim




                  
46         VoIP - Asterisk   Luiz Arthur


     fim




                  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
LF_DPDK
 
Link Aggregation Control Protocol
Link Aggregation Control ProtocolLink Aggregation Control Protocol
Link Aggregation Control Protocol
Kashif Latif
 
Building Network Functions with eBPF & BCC
Building Network Functions with eBPF & BCCBuilding Network Functions with eBPF & BCC
Building Network Functions with eBPF & BCC
Kernel TLV
 

Mais procurados (20)

Iperf Tutorial
Iperf Tutorial Iperf Tutorial
Iperf Tutorial
 
VoIP Wars: Attack of the Cisco Phones
VoIP Wars: Attack of the Cisco PhonesVoIP Wars: Attack of the Cisco Phones
VoIP Wars: Attack of the Cisco Phones
 
LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
LF_DPDK17_Serverless DPDK - How SmartNIC resident DPDK Accelerates Packet Pro...
 
Calico and open shift
Calico and open shiftCalico and open shift
Calico and open shift
 
Serveur Zabbix
Serveur ZabbixServeur Zabbix
Serveur Zabbix
 
Controlling multiple VMs with the power of Python
Controlling multiple VMs with the power of PythonControlling multiple VMs with the power of Python
Controlling multiple VMs with the power of Python
 
Apresentação asterisk
Apresentação asteriskApresentação asterisk
Apresentação asterisk
 
Comando basico switch
Comando basico switchComando basico switch
Comando basico switch
 
Docker - Containervirtualisierung leichtgemacht
Docker - Containervirtualisierung leichtgemachtDocker - Containervirtualisierung leichtgemacht
Docker - Containervirtualisierung leichtgemacht
 
Protocolo SNMP
Protocolo SNMPProtocolo SNMP
Protocolo SNMP
 
Pushing Packets - How do the ML2 Mechanism Drivers Stack Up
Pushing Packets - How do the ML2 Mechanism Drivers Stack UpPushing Packets - How do the ML2 Mechanism Drivers Stack Up
Pushing Packets - How do the ML2 Mechanism Drivers Stack Up
 
Link Aggregation Control Protocol
Link Aggregation Control ProtocolLink Aggregation Control Protocol
Link Aggregation Control Protocol
 
Servidor Proxy Squid
Servidor Proxy SquidServidor Proxy Squid
Servidor Proxy Squid
 
Multicloud connectivity using OpenNHRP
Multicloud connectivity using OpenNHRPMulticloud connectivity using OpenNHRP
Multicloud connectivity using OpenNHRP
 
Huawei switch configuration commands
Huawei switch configuration commandsHuawei switch configuration commands
Huawei switch configuration commands
 
Part 3 Maximizing the utilization of GPU resources on-premise and in the cloud
Part 3 Maximizing the utilization of GPU resources on-premise and in the cloudPart 3 Maximizing the utilization of GPU resources on-premise and in the cloud
Part 3 Maximizing the utilization of GPU resources on-premise and in the cloud
 
Building Network Functions with eBPF & BCC
Building Network Functions with eBPF & BCCBuilding Network Functions with eBPF & BCC
Building Network Functions with eBPF & BCC
 
Observability with Consul Connect
Observability with Consul ConnectObservability with Consul Connect
Observability with Consul Connect
 
Treinamento antenas
Treinamento antenasTreinamento antenas
Treinamento antenas
 
Installation et configuration de openfire
Installation et configuration de openfireInstallation et configuration de openfire
Installation et configuration de openfire
 

Destaque

Asterisk Uma SoluçãO Em Pabx Ip
Asterisk   Uma SoluçãO Em Pabx IpAsterisk   Uma SoluçãO Em Pabx Ip
Asterisk Uma SoluçãO Em Pabx Ip
Camila Verônica
 
Chun Man Kobe Chan CV
Chun Man Kobe Chan CVChun Man Kobe Chan CV
Chun Man Kobe Chan CV
Kobe CHAN
 
Protocolos 2ªversão
Protocolos   2ªversãoProtocolos   2ªversão
Protocolos 2ªversão
Guimaraess
 
O surgimento da internet
O surgimento da internetO surgimento da internet
O surgimento da internet
Cícero Félix
 
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
Tchelinux
 
Aula 10 meios de comunicação de dados
Aula 10 meios de comunicação de dadosAula 10 meios de comunicação de dados
Aula 10 meios de comunicação de dados
Jorge Ávila Miranda
 

Destaque (20)

PABX IP utilizando Asterisk
PABX IP utilizando AsteriskPABX IP utilizando Asterisk
PABX IP utilizando Asterisk
 
Instalação do Asterisk
Instalação do AsteriskInstalação do Asterisk
Instalação do Asterisk
 
Asterisk Uma SoluçãO Em Pabx Ip
Asterisk   Uma SoluçãO Em Pabx IpAsterisk   Uma SoluçãO Em Pabx Ip
Asterisk Uma SoluçãO Em Pabx Ip
 
RevProceso1987
RevProceso1987RevProceso1987
RevProceso1987
 
(14) ftp
(14) ftp(14) ftp
(14) ftp
 
Privacidade e Segurança: Paranoia ou eles estão realmente lá fora para te pegar?
Privacidade e Segurança: Paranoia ou eles estão realmente lá fora para te pegar?Privacidade e Segurança: Paranoia ou eles estão realmente lá fora para te pegar?
Privacidade e Segurança: Paranoia ou eles estão realmente lá fora para te pegar?
 
Chun Man Kobe Chan CV
Chun Man Kobe Chan CVChun Man Kobe Chan CV
Chun Man Kobe Chan CV
 
A world wide web
A world wide webA world wide web
A world wide web
 
World Wide Web
World Wide WebWorld Wide Web
World Wide Web
 
Entendendo A Tecnologia VoIP
Entendendo A Tecnologia VoIPEntendendo A Tecnologia VoIP
Entendendo A Tecnologia VoIP
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Protocolos 2ªversão
Protocolos   2ªversãoProtocolos   2ªversão
Protocolos 2ªversão
 
Internet: conceitos e segurança
Internet: conceitos e segurançaInternet: conceitos e segurança
Internet: conceitos e segurança
 
Segurança na rede
Segurança na redeSegurança na rede
Segurança na rede
 
O surgimento da internet
O surgimento da internetO surgimento da internet
O surgimento da internet
 
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
Dicas para aumentar a segurança e a privacidade na Internet - Vanderlei Pollon
 
Trabalho sobre equipamentos de redes 123
Trabalho sobre equipamentos de redes 123Trabalho sobre equipamentos de redes 123
Trabalho sobre equipamentos de redes 123
 
Armazenamento na nuvem
Armazenamento na nuvemArmazenamento na nuvem
Armazenamento na nuvem
 
Aula 10 meios de comunicação de dados
Aula 10 meios de comunicação de dadosAula 10 meios de comunicação de dados
Aula 10 meios de comunicação de dados
 
1 equipamentos para redes
1 equipamentos para redes1 equipamentos para redes
1 equipamentos para redes
 

Semelhante a Redes - VoIP Asterisk

Aula 11 meios de comunicação de dados
Aula 11 meios de comunicação de dadosAula 11 meios de comunicação de dados
Aula 11 meios de comunicação de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software LivreEstudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
Antonio Marcos Alberti
 
Solisc 2010 centrais de telefonia IP
Solisc 2010   centrais de telefonia IPSolisc 2010   centrais de telefonia IP
Solisc 2010 centrais de telefonia IP
marleigrolli
 
Solisc 2010 centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
Solisc 2010   centrais de telefonia ip - jeremias neves da silvaSolisc 2010   centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
Solisc 2010 centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
marleigrolli
 
Asterisk central ipbx debian [artigo]
Asterisk central ipbx   debian [artigo]Asterisk central ipbx   debian [artigo]
Asterisk central ipbx debian [artigo]
Carlos Melo
 
Envio e Recebimento SMS
Envio e Recebimento SMSEnvio e Recebimento SMS
Envio e Recebimento SMS
hprauber
 
Voz sobre ip uma abordagem funcional
Voz sobre ip   uma abordagem funcionalVoz sobre ip   uma abordagem funcional
Voz sobre ip uma abordagem funcional
Marcelo Dieder
 

Semelhante a Redes - VoIP Asterisk (20)

Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
 
Soluções voip com asterisk - Henrique Petry Rauber
Soluções voip com asterisk - Henrique Petry RauberSoluções voip com asterisk - Henrique Petry Rauber
Soluções voip com asterisk - Henrique Petry Rauber
 
Asterisk
AsteriskAsterisk
Asterisk
 
Tutorial asterisk
Tutorial asteriskTutorial asterisk
Tutorial asterisk
 
Aula 11 meios de comunicação de dados
Aula 11 meios de comunicação de dadosAula 11 meios de comunicação de dados
Aula 11 meios de comunicação de dados
 
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software LivreEstudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
Estudo e Desenvolvimento de Soluções de Voz Sobre Ip Baseado Em Software Livre
 
Asterisk casosdesucesso
Asterisk casosdesucessoAsterisk casosdesucesso
Asterisk casosdesucesso
 
Solisc 2010 centrais de telefonia IP
Solisc 2010   centrais de telefonia IPSolisc 2010   centrais de telefonia IP
Solisc 2010 centrais de telefonia IP
 
Solisc 2010 centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
Solisc 2010   centrais de telefonia ip - jeremias neves da silvaSolisc 2010   centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
Solisc 2010 centrais de telefonia ip - jeremias neves da silva
 
Asterisk central ipbx debian [artigo]
Asterisk central ipbx   debian [artigo]Asterisk central ipbx   debian [artigo]
Asterisk central ipbx debian [artigo]
 
Vo ip
Vo ipVo ip
Vo ip
 
Guia VoIP
Guia VoIPGuia VoIP
Guia VoIP
 
Envio e Recebimento SMS
Envio e Recebimento SMSEnvio e Recebimento SMS
Envio e Recebimento SMS
 
Cisco Call Manager - Ambiente e Topologias
Cisco Call Manager - Ambiente e TopologiasCisco Call Manager - Ambiente e Topologias
Cisco Call Manager - Ambiente e Topologias
 
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SPApresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
Apresentação sobre Redes Industriais na UNIP Jundiaí/SP
 
Uma Análise dos Sistemas de Comunicação IP
Uma Análise dos Sistemas de Comunicação IPUma Análise dos Sistemas de Comunicação IP
Uma Análise dos Sistemas de Comunicação IP
 
Apresentacao_Panasonic_Cooperativas_PR
Apresentacao_Panasonic_Cooperativas_PRApresentacao_Panasonic_Cooperativas_PR
Apresentacao_Panasonic_Cooperativas_PR
 
Artigo sobre a Bahr na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Bahr na Revista Robótica 87Artigo sobre a Bahr na Revista Robótica 87
Artigo sobre a Bahr na Revista Robótica 87
 
Apresentação FLISOL 2012 - Goiânia GO
Apresentação FLISOL 2012 - Goiânia GOApresentação FLISOL 2012 - Goiânia GO
Apresentação FLISOL 2012 - Goiânia GO
 
Voz sobre ip uma abordagem funcional
Voz sobre ip   uma abordagem funcionalVoz sobre ip   uma abordagem funcional
Voz sobre ip uma abordagem funcional
 

Mais de Luiz Arthur

Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
Luiz Arthur
 
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
Luiz Arthur
 
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security AlertsEvaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
Luiz Arthur
 
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no TwitterAnálise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
Luiz Arthur
 
match making e propaganda na web
match making e propaganda na webmatch making e propaganda na web
match making e propaganda na web
Luiz Arthur
 
Invasao kernel.org
Invasao kernel.orgInvasao kernel.org
Invasao kernel.org
Luiz Arthur
 
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Luiz Arthur
 
Palestra mau uso da tecnologia
Palestra mau uso da tecnologiaPalestra mau uso da tecnologia
Palestra mau uso da tecnologia
Luiz Arthur
 
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
Luiz Arthur
 
Bibliografia recomendada - programação C
Bibliografia recomendada - programação CBibliografia recomendada - programação C
Bibliografia recomendada - programação C
Luiz Arthur
 
Bibliografia recomendada-programacao-python
Bibliografia recomendada-programacao-pythonBibliografia recomendada-programacao-python
Bibliografia recomendada-programacao-python
Luiz Arthur
 
Bibliografia recomendada-seguranca
Bibliografia recomendada-segurancaBibliografia recomendada-seguranca
Bibliografia recomendada-seguranca
Luiz Arthur
 
Bibliografia recomendada-redes
Bibliografia recomendada-redesBibliografia recomendada-redes
Bibliografia recomendada-redes
Luiz Arthur
 

Mais de Luiz Arthur (20)

Pint of Science - Cibersegurnça x ciberameaças: Até onde você está seguro?
Pint of Science - Cibersegurnça x ciberameaças: Até onde você está seguro?Pint of Science - Cibersegurnça x ciberameaças: Até onde você está seguro?
Pint of Science - Cibersegurnça x ciberameaças: Até onde você está seguro?
 
Desafios da cibersegurança - ontem, hoje e amanhã
Desafios da cibersegurança - ontem, hoje e amanhãDesafios da cibersegurança - ontem, hoje e amanhã
Desafios da cibersegurança - ontem, hoje e amanhã
 
Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
Slides - Uma abordagem autonômica para mitigar ciberataques em redes de compu...
 
NAPSOL
NAPSOLNAPSOL
NAPSOL
 
Uma Arquitetura Autonômica para Detecção e Reação a Ameaças de Segurança em R...
Uma Arquitetura Autonômica para Detecção e Reação a Ameaças de Segurança em R...Uma Arquitetura Autonômica para Detecção e Reação a Ameaças de Segurança em R...
Uma Arquitetura Autonômica para Detecção e Reação a Ameaças de Segurança em R...
 
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
Detecção de alertas de segurança em redes de computadores usando redes sociai...
 
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security AlertsEvaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
Evaluating the Utilization of Twitter Messages as a Source of Security Alerts
 
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no TwitterAnálise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
Análise de Mensagens de Segurança Postadas no Twitter
 
match making e propaganda na web
match making e propaganda na webmatch making e propaganda na web
match making e propaganda na web
 
Mineração de dados no Gmail e Facebook
Mineração de dados no Gmail e FacebookMineração de dados no Gmail e Facebook
Mineração de dados no Gmail e Facebook
 
Invasao kernel.org
Invasao kernel.orgInvasao kernel.org
Invasao kernel.org
 
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)Núcleo do Linux (Kernel Linux)
Núcleo do Linux (Kernel Linux)
 
Palestra Ferramentas de Segurança Open Source v.2
Palestra Ferramentas de Segurança Open Source v.2Palestra Ferramentas de Segurança Open Source v.2
Palestra Ferramentas de Segurança Open Source v.2
 
Palestra mau uso da tecnologia
Palestra mau uso da tecnologiaPalestra mau uso da tecnologia
Palestra mau uso da tecnologia
 
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
UTFPR-inventario-patrimonio-laboratorio-e105
 
01 programação - introdução computação
01 programação - introdução computação01 programação - introdução computação
01 programação - introdução computação
 
Bibliografia recomendada - programação C
Bibliografia recomendada - programação CBibliografia recomendada - programação C
Bibliografia recomendada - programação C
 
Bibliografia recomendada-programacao-python
Bibliografia recomendada-programacao-pythonBibliografia recomendada-programacao-python
Bibliografia recomendada-programacao-python
 
Bibliografia recomendada-seguranca
Bibliografia recomendada-segurancaBibliografia recomendada-seguranca
Bibliografia recomendada-seguranca
 
Bibliografia recomendada-redes
Bibliografia recomendada-redesBibliografia recomendada-redes
Bibliografia recomendada-redes
 

Redes - VoIP Asterisk

  • 1. 1 VoIP - Asterisk Luiz Arthur fim    
  • 2. 2 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Asterisk é um software VoIP (Voz sobre Internet Protocol) opensource de licença GPL que pode transformar um simples computador em um poderoso e completo PBX (Private Branch eXchange) criado pela Digium Inc. O Asterisk pode ser executado em plataformas UNIX-Like tal como Linux e sistemas BSD, o Asterisk também foi projetado para facilitar a adição de qualquer componente de telefonia, seja hardware ou software, permitindo que os usuários da rede modele seus sistemas telefônicos da forma que preferir. O Asterisk está no meio de uma grande revolução, pois ele esta tratando de uma área da tecnologia que esteve parada no tempo que é a industria de Sistemas de Ramais Privados (PBX). Os principais fabricantes de telecomunicação ainda montam sistemas de PBX caros e incompatíveis entre si, com operações complicadas, códigos obsoletos sobre hardware e engenharia ultrapassados. Como exemplo, o Gerenciador de Telecomunicação Empresarial da Nortel mistura um servidor Windows NT 4.0, um Telefone Chaveado de teclas baseado em VXWorks de 15 anos atrás e um PC de 700 Mhz e tudo isto pode ser adquirido por algo em torno de 5 a 15 mil dólares, não incluindo   telefones.  
  • 3. 3 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Todos os principais fabricantes de telecomunicações oferecem produtos similares e eles geralmente não querem que você tenha flexibilidade ou opção; eles querem que você fique restrito a seus ciclos de produtos. Mas o Asterisk tenta mudar tudo isto, o Asterisk tenta proporcionar liberdade ao sistema telefônico, permitindo que você configure o sistemas ao seu gosto. Naturalmente que esta flexibilidade tem um preço: o Asterisk pode tornar-se difícil de configurar devido as tantas possibilidades de configuração, é claro que isto pode ser visto como um ponto negativo ou positivo. Mas uma coisa é certa o Asterisk coloca em cheque os altos custos das centrais telefônicas convencionais, além de proporcionar conectividade com das redes VoIP com as tradicionais PSTN (Public Switched Telephone Network). As principais vantagens do Asterisk são a redução de custos, já que possibilita o uso de VoIP que normalmente se mostra mais em conta do que chamadas DDD e DDI das redes PSTN. Deve ser considerada também a economia indireta quando falamos do agregado de funções que o Asterisk proporciona, tais funções se fossem incorporadas a um PBX tradicionais representariam custos exorbitantes.    
  • 4. 4 VoIP - Asterisk Luiz Arthur A autonomia para controle do sistema de telefonia também deve ter grande destaque como vantagem pois agora não existe mais a dependência de um técnico de uma central telefônica proprietária, e as novas funcionalidades, mudanças e novos desenvolvimentos podem ser implementados por qualquer conhecedor da arquitetura VoIP. O plano de discagem flexível poderoso também é um destaque pois possibilitam por exemplo controle de rota das chamadas. Por fim, o Asterisk pode ser utilizado em diversas aplicações, citando apenas algumas funcionalidades, podemos ver: ● Conectar empregados trabalhando em casa ao PABX da empresa (HomeOffice); ● Conectar escritórios em localidades, até mesmos estados diferentes via Internet; ● Correio de voz integrado ao e-mail/webmail; ● Construir aplicações de resposta automática por voz, que podem conectar o usuário a um sistema de pedidos por exemplo, ou outras aplicações internas; ● Das acesso ao PABX da empresa para usuários em viagem, conectando por exemplo, a partir de um hotel ou aeroporto; ● Registro de chamadas para integração com sistema de tarifação;   ● Integração com reconhecimento de voz;   ● Música em espera para clientes aguardando na fila com suporte a MP3;
  • 5. 5 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Arquitetura do Asterisk O Asterisk foi desenvolvido para ter o máximo de flexibilidade, assim o Asterisk fica transparente a protocolos, CODECs e hardwares, podendo ser compatível com qualquer tecnologia existente ou que venha a ser lançada, sem que sejam necessárias mudança no núcleo do Asterisk. Desta forma o Asterisk trabalha de forma modular, e carregar os módulos separadamente permite maior flexibilidade ao administrador, permitindo que ele escolha a melhor e mais enxuta configuração que o atenda. A arquitetura do Asterisk é baseada em 4 pontos principais: ● Canais – Um canal pode ser interpretado como uma conexão que “traz” uma chamada ao Asterisk PABX. Um canal pode ser uma conexão a um telefone analógico tradicional, ou a uma linha PSTN, ou uma chamada lógica, como uma chamada via Internet. Toda chamada é originada ou recebida em um canal distinto. Alguns tipos de canais suportados pelo Asterisk são SIP, H.323, IAX, PSTN, ISDN, etc. Então um canal é equivalente à linha telefônica do sistema telefônico tradicional;    
  • 6. 6 VoIP - Asterisk Luiz Arthur ● Codecs – São responsáveis por converter a voz em sinais digitais por exemplo. Os codecs influenciam na quantidade de chamadas que podem ser colocadas em um mesmo link, isso pode ser feito codificando- se a voz em uma forma que ocupe menor banda. O tráfego de voz em redes PSTN ocupa uma banda de 64 Kbps. Aplicando-se codecs como o G.711 para o tráfego da voz em redes IP alcançamos a mesma banda (64Kbps). Porém, codecs como o GSM conseguem reduzir essa banda para aproximadamente 13 Kbps e o G.729 consegue compressão de 8Kbps, então o Asterisk suporta vários tipos de codificação de voz. ● Protocolos – São responsáveis por definir a forma/linguagem como os pontos de comunicação (terminais, gateways, etc) vão negociar entre si. São responsáveis por tarefas como sinalização para estabelecer conexão, determinar ponto de destino, roteamento entre pontos, e também questões de sinalização de telefonia como campainha, identificados de chamada, desconexão, etc. Os protocolos mais utilizados são o H.323 e o SIP, mas no âmbito do Asterisk seu protocolo IAX também tem tido grande difusão. ● Aplicações – São as funcionalidades encontradas no Asterisk, como voicemail, distribuidor automático de chamadas e fila de atendimento (Call-Centers), servidor de música de espera, discador automático   (telemarketing), sala de conferência, Media Gateway (VoIP/PSTN),   unidade de resposta automática, etc.
  • 7. 7 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Plano de Discagem Outro ponto importante do Asterisk é o Plano de discagem, este é considerado o coração ou melhor o cérebro que define como o Asterisk irá gerenciar as chamadas. Consiste de uma lista de instruções ou passos que o Asterisk deve seguir. Essas instruções são disparadas a partir dos dígitos recebidos de um canal ou aplicação. É fundamental para configurar o Asterisk, que se entenda o plano de discagem. Nós iremos no aprofundar neste assunto mais para frente no texto. Hardware de Telefonia Bem o Asterisk só exige hardware específico se você quiser interligar sua rede VoIP com outro tipo de rede (PSTN, ISDN, etc). O Asterisk suporta inúmeros tipos de hardware de telefonia, de inúmeros fabricantes, mas principalmente o hardware fabricado pela Digium. Alguns hardwares suportados são: Wildcard TE411P, Wildcard TE410P, Wildcard TE406P, Wildcard TE405P, Wildcard TDM400P S100I (IAXy), , Generic X100P, OpenLine4, OpenSwitch6/12, etc.    
  • 8. 8 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Vamos ver agora apenas dois exemplos de hardware Asterisk: ● Placa XP100P - Esta placa é uma das mais simples com uma porta FXO – Foreign eXchange Office, que pode ser ligada à rede pública ou a uma interface de ramal de PBX. Uma placa faz/modem com chipset Intel 537 ou MD3200 pode ser usada como uma XP100P .    
  • 9. 9 VoIP - Asterisk Luiz Arthur ● Placa TDM400P – Esta placa analógica pode conter até quatro canais. Os canais podem ser FXO (pode ser ligado à rede pública ou ramal de um PBX) ou FXS – Foreign eXchange Station (pode ser ligado a um assinante, como um telefone analógico) dependendo da configuração escolhida. Então nós utilizamos linhas FXS para ligar os terminais (aparelhos telefônicos comuns) e os FXO para ligar as linhas telefônicas que possibilitará o acesso a redes PSTN.    
  • 10. 10 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Instalação do Asterisk O Asterisk faz uso intensivo de CPU, tal como qualquer aplicação em tempo real, isso se deve em grande parte, à sua necessidade de acesso prioritário aos barramentos do processador e do sistema. Em sistemas menores o hardware normalmente não é um problema, entretanto em sistemas de grande capacidade, o hardware deve ser muito bem estudado para não causar falhas de desempenho, manifestadas por problemas na qualidade de áudio para os usuários, muitas vezes na forma de ecos e coisas do tipo. A seguir é mostrado uma lista com orientações básicas que devem ser observadas na construção do PBX Asterisk quanto ao hardware: ● Sistemas com não mais do que 5 canais é recomendado no mínimo um computador de 400Mhz x86 com 256 MB de memória RAM; ● Para sistemas com até 10 canais é recomendado no mínimo um computador de 1GHz x86 com 512 MB de memória RAM; ● Ambientes com até 15 canais, neste tipo de ambiente o mínimo recomendável é um computador com 3GHz x86 e 1 GB de memória RAM;   ● Já para ambientes grandes com mais   de 15 canais é altamente recomendável o uso de CPUs duplas e possivelmente múltiplos servidores em arquitetura distribuída.
  • 11. 11 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Quando ao uso de disco rígido o Asterisk não utiliza muito espaço em memórias secundárias, requerendo em média 100 MB para o programa compilado, mas a inserção de código fonte, voicemail, etc, requer mais espaço de acordo com a quantidade de usuários. Quanto ao uso de placas específicas, estas só são necessárias caso haja necessidade de intercomunicação com outros tipos de redes que não as redes IP. O processo de instalação do software Asterisk, esta se dá em qualquer sistema Linux, mas pode ser feita também em sistemas BSD e MAC OS X. O Asterisk utiliza três pacotes principais: o programa principal Asterisk (asterisk), os drivers de telefonia Zapata (zaptel) e as bibliotecas PRI (libpri). Se você planeja uma rede VoIP pura, o único requisito real é o pacote asterik. Os drivers zaptel são necessários se você estiver utilizando hardware digital ou analógico, ou se você estiver usando o driver ztdummy como interface de temporização.    
  • 12. 12 VoIP - Asterisk Luiz Arthur A biblioteca libpri é tecnicamente opcional, a não ser que você esteja utilizando interfaces ISDN PRI. Você poderá economizar uma pequena quantidade de RAM se não a carregar, mas é recomendado que a libpri seja instalada juntamente com o pacote zaptel para completá-la. Outro pacote que você pode querer instalar é o asterik-sounds. Embora o Asterisk venha com muitos sons gravados na distribuição fonte principal, o pacote asterisk-sounds irá dar a você um pouco mais. O código fonte do Asterisk pode ser obtido no servidor Digium FTP, localizado em ftp://ftp.digium.com. Entre no FTP e baixe as ultimas versões do asterisk, zaptel e libpri. Exemplo: asterisk-1.4.9.tar.gz libpri-1.4.1.tar.gz zaptel-1.4.4.tar.gz Nós iremos fazer uso do diretório /usr/src para extrair e compilar o fonte do Asterisk.    
  • 13. 13 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Os comandos a seguir irão extrair os pacotes Asterisk no diretório /usr/src: # tar vzxf asterisk-1.4.9.tar.gz -C /usr/src/ # tar vzxf libpri-1.4.1.tar.gz -C /usr/src/ # tar vzxf zaptel-1.4.4.tar.gz -C /usr/src/ Compilação da libpri A libpri é utilizada por vários fabricantes do hardware Multiplexação por Divisão de Tempo (TDM), mas mesmo que você não tenha esse hardware instalado, é seguro compilar e instalar esta biblioteca. Você deve compilar e instalar a libpri antes do Asterisk, já que ela vai ser detectada e usada quando o Asterisk for compilado. Segue os passos para compilar o libpri: # cd /usr/src/libpri-1.4.1/ # make # make install    
  • 14. 14 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Compilação do zaptel A interface zaptel é um módulo de núcleo carregável que apresenta uma camada de abstração enter os drivers de hardware e o módulo Zapata no Asterisk. É esse conceito que permite que os drivers do dispositivo sejam modificados sem que sejam feitas alterações à própria fonte do Asterisk. Os drivers de dispositivo são utilizados para comunicar com o hardware diretamente e para passar informações entre o Zaptel e o hardware. Várias opções podem ser passadas na compilação do zaptel, mas aqui iremos fazer uma compilação simples, como segue: # cd /usr/src/zaptel-1.4.4/ # ./configure # make # make install    
  • 15. 15 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Compilação do Asterisk Assim que você tiver compilado os pacotes zaptel e libpri (se você precisar deles) e alguns pacotes adicionais (caso você queira), pode se voltar para o Asterisk. Existem também no pacotes Asterisk inúmeras alterações que podem ser feitas já na compilação, mas aqui ficaremos apenas com a instalação padrão que se da como a seguir: # cd /usr/src/asterisk-1.4.9/ # ./configure # make # make install # make sample O comando make sample é executado para instalar os arquivos de configuração originais. Instalar esses arquivos (em vez de configurar cada arquivo manualmente) permitirá a você ter seu sistema Asterik pronto e rodando muito mais rápido. Mas tome cuidado se você estiver apenas atualizando o seu sistema Asterisk, pois este comando pode substituir os seus arquivos.    
  • 16. 16 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Se você quiser que o Asterisk inicie automaticamente com boot do sistema, você deve criar um script no Slackware em /etc/rc.d/. Existe um script pronto e pode ser copiado para o diretório /etc/rc.d da seguinte forma: # cp /usr/src/asterisk-1.4.9/contrib/init.d/rc.slackware.asterisk /etc/rc.d/rc.asterisk Após isto dê permissão de execução ao script com o comand chmod a +x /etc/rc.d/rc.asterik e coloque a linha /etc/rc.d/rc.asterisk start no arquivo /etc/rc.d/rc.local. Para sistemas onde os scripts de inicialização ficam em /etc/rc.d/init.d ou /etc/init.d/ o comando make config pode ser utilizado para fazer o script de forma automática. Carregando módulo Zaptel O módulo zaptel não necessita de nenhuma configuração, então basta apenas carregar o seguinte comando: # modprobe zaptel   Lembre-se isto só vai ser necessário caso o sistema tenha hardware Zapata.   Em alguns casos também é necessário carregar o módulo ztdummy.
  • 17. 17 VoIP - Asterisk Luiz Arthur As bibliotecas libpri não precisam ser carregadas como os módulos. O Asterisk olha para as libpri na hora de compilar e se configura para utilizar as bibliotecas se elas forem encontradas. Carregando o Asterisk O Asterisk pode ser carregado de várias formas. A mais fácil delas é iniciar o Asterik executando o arquivo diretamente da interface de linha de comando do Linux. Se você criou os script você pode iniciar no Slackware o Asterik com o comando: # /etc/rc.d/rc.asterisk start Entretanto, a maneira preferida de iniciar o Asterisk é por meio do script: # safe_asterisk Uma configuração básica para testar o Asterisk A configuração do Asterisk é feita através de arquivos de configuração localizados no diretório /etc/asterisk. O formato dos arquivos é ASCII   dividido em seções com o nome da seção entre colchetes ([]). Os caracteres   de comentário são: o ponto-e-virgula e sustenido.
  • 18. 18 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Iremos primeiramente criar um ramal, então é necessário decidir qual tipo de protocolo que será utilizado: H.323, SIP IAX, etc. Bem iremos tomar como protocolos , de configuração o SIP e o IAX. Pois o SIP é bem simples e exige poucos recursos sendo então altamente recomendado em redes locais. Já o IAX apresenta grandes vantagens quando o ambiente VoIP é implementado dentro ambientes que utilizam NAT, ou seja, ele é altamente recomendável quando é necessário passar por várias redes, mas o IAX foi criado por uma empresa e não por uma entidade o que pode geral problemas futuros, além de não apresentar tantas funcionalidades quanto o H.323 e o SIP. Vamos então neste primeiro exemplo criar apenas ramais SIP, e depois criar alguns ramais AIX. Bem para criar ramais SIP devemos editar o arquivo /etc/asterisk/sip.conf, vá até a última linha e inclua a seguinte configuração: [200] callerid=usuario1 secret=123mudar host=dynamic type=friend context=interno [201] callerid=usuario2 secret=123mudar   host=dynamic   type=friend context=interno
  • 19. 19 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Bem as configurações que fizemos no arquivo sip.conf se iniciam com o número do ramal entre colchetes ([200]) neste caso primeiro ramal é o duzentos e o segundo é o duzentos e um. A opção callrid faz referencia ao nome do usuário, no ramal 200 o usuário chama-se usuario1 e para o ramal 201 o nome do usuário é usuario2. A opção secret diz respeito a senha para os respectivos usuários. O parâmetro host referencia onde o IP de determinado ramal se encontra, a opção dynamic diz que este ramal pode assumir qualquer IP de forma dinâmica. Já a opção type diz que tipo de ligações o ramal esta autorizado a fazer, sendo que a friend permite ao ramal efetuar e receber ligações. Por fim, a opção context identifica a qual classe de ramal este ramal pertence, em nosso caso usamos o contexto “interno” que será criado posteriormente no plano de discagem.    
  • 20. 20 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Então agora iremos criar um plano de discagem para poder chamar os ramais, isto é necessário para podermos efetuar ligações através do Asterisk. Para criarmos o plano de discagem que chamamos anteriormente de “interno”, vamos editar o arquivo /etc/asterisk/extensions.conf, indo até a última linha e adicionando o seguinte plano: [interno] exten => _2XX,1,Dial(SIP/${EXTEN}) exten => _2XX,2,Hangup() Assim como no sip.conf entre parenteses criamos um contexto chamado interno. Na linha exten => _2XX,1,Dial(SIP/${EXTEN}), estamos passando ao Asterisk para aceitar chamadas iniciadas pelo dígito 2 e que contenham mais dois dígitos (200, 201, 202, etc), e executar através da função “Dial” uma chamada para o protocolo SIP com o ramal digitado no telefone VoIP que vem contido na variável “${EXTEN}”. Após o termino da chamada, o Asterisk termina a ligação, e isto é feito através da linha exten => _2XX, 2,Hangup(). Realizados estes passos basta reiniciar o servidor Asterisk para que as novas configurações passem a valer. Isto pode ser feito através do comando:     # asterisk -rx reload
  • 21. 21 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configurando um telefone VoIP Vamos agora configurar um ponto final que se comunique com o Asterisk. Bem como é impossível mostrar como configurar todos os tipos de pontos finais, nós utilizaremos um que sirva de exemplo sobre qual é a configuração básica de um ponto final. Nós utilizaremos o cliente da X-ten, o X-lite, que pode ser encontrado em www.xten.com e tem versões para Linux e Windows. A instalação no Windows é bem fácil e não será abordada aqui, já a instalação no Linux segue basicamente os seguintes passos: # tar vzxf X-Lite_Install.tar.gz -C /tmp # mv /tmp/xten-xlite/xtensoftphone /bin/ Para usar o software VoIP tenha certeza que a placa de som esteja ativa e configurada corretamente, no caso do Linux para configurar a placa de som você pode usar os comandos alsaconf e alsamixer. A configuração do cliente é geralmente direta. As partes mais importantes são o nome do usuário e senha para registro, além do endereço do servidor     Asterisk com o qual você com o qual você quer se registrar.
  • 22. 22 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Para iniciar o X­Lite execute com o usuário da interface gráfica o comando: #xtensoftphone Para inciar a configuração clique em 1 e depois em System Settings: 1    
  • 23. 23 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Clique em Netwok e tão logo seja apresentada a próxima tela  clique em 2 para  configurar o servidor Asterisk: 1 2    
  • 24. 24 VoIP - Asterisk Luiz Arthur A figura a seguir mostra a tela de configuração do X-Lite: O nome no mostrador (Display Name) é a seqüência que será utilizada como Caller ID. O nome do usuário (Username) é a autorização do usuário são utilizados para autenticação, juntamente com a senha.   O domínio/reinado (Domain/Realm) deve ser o endereço IP de FQDN do seu   servidor Asterisk.
  • 25. 25 VoIP - Asterisk Luiz Arthur O proxy do SIP é o mesmo que aquele inserido para o domínio/reinado, mas com o acréscimo de :5060 (isso especifica o número de portas a se usar para sinalização SIP). Depois de inserir toda essa informação, verifique se Enabled está definido como Yes, e então feche o menu de configuração. A X-Lite irá então se registrar no Asterisk. Se a X-Lite não aparecer para registrar, simplesmente reinicie o cliente. Já que a X-Lite é minimizada para a bandeja de tarefas quando você fecha a aplicação usando o botão X, você irá precisar sair do programa clicando diretamente no ícone na bandeja e então clicando em “Exit” no menu pop-up de reiniciar. Uma configuração um pouco mais elaborada Nesta configuração iremos adicionar quatro canais: um canal Escritório de Trocas Externas (FXO), um canal Estação de Trocas Externas (FXS), um canal Protocolo de Início de Sessão (SIP) e um canal protocolo de Troca Inter-Asterisk (IAX). Nós começamos explorando as configurações básicas de interfaces analógicas tais como as portas FXS e FXO com o uso de um kit Dev-Lite da Digium. Iremos então configurar duas interfaces VoIP: um canal SIP local   conectado a um telefone por software e uma conexão para Free Wold Dialup   via IAX.
  • 26. 26 VoIP - Asterisk Luiz Arthur O Asterisk não precisa de nenhum hardware especializado – nem mesmo cartão de som. Cartões de canais quem conectam o Asterisk a telefones analógicos ou linhas telefônicas estão disponíveis, mas não são essenciais. Por outro lado, se você não se conectar diretamente a uma linha de telefone analógico do seu escritório central, você poderá rotear suas chamadas pela Internet para um provedor de serviços de telefonia. Bom iremos supor que temos uma interface com dois canais FXO e FXS, o que permite que você se conecte a uma linha de telefone analógico (FXO) e a um telefone analógico (FXS). Canais FXO e FXS A diferença entre um canal FXO e um canal FXS é simplesmente qual ponta da conexão fornece o tom de discagem. Uma porta FXO não gera um tom de discagem; ela aceita um. Uma porta FXS fornece tanto o tom de discagem como a tensão de campainha para alertar o usuário da estão sobre a chegada de uma ligação. Se o servidor Asterisk tem uma porta compatível com FXO, você poderá conectar uma linha telefônica de sua companhia de telefonia a essa porta. O Asterisk poderá então, utilizar a linha para fazer e receber chamadas   telefônicas.  
  • 27. 27 VoIP - Asterisk Luiz Arthur As portas são definidas na configuração pelas sinalizações que utilizam em oposição aos tipos físicos de portas que elas são. Por exemplo, uma porta FXO física será definida na configuração com sinalização FXS, e uma porta FXS será definida com sinalização FXO. Isso pode se tornar confuso até que se entenda as razões para isso. Os cartões FX_ são nomeados não de acordo com o que são, mas em vez disso de acordo com o que está conectado a eles. Como exemplo, um cartão FXO se conecta a um escritório central, o que significa que precisará se comportar como uma estação e utilizar sinalização FXS. O modem em seu computador é um exemplo clássico de um dispositivo FXO. Atenção!!! conectar uma porta FXS à PSTN pode destruir o módulo e o cartão. Configuração de um canal FXO Vamos começar configurando um canal FXO. Primeiro configuramos o hardware Zaptel, depois o hardware Zapata. Nós vamos configurar um   dialplan básico e iremos mostrar a como testar o canal.  
  • 28. 28 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configurando o hardware Zaptel O arquivo /etc/zaptel.conf é usado para configurar seu hardware. A seguinte configuração mínima define uma porta FXO com sinalização FXS: fxks=2 loadzone=US defaultzone=US Na primeira linha (fxks=2), além de indicar se estamos utilizando sinalização FXO ou FXS, nós especificamos um dos seguintes protocolos para o canal 2: ● Loop start (ls); ● Ground start (gs); ● Kewlstart (ks). A diferença entre loop start e ground start tem a ver com a maneira pela qual o equipamento requer um tom de discagem: ● Um circuito ground start sinaliza para o outro terminal que ele quer um tom de discagem pelo aterramento momentâneo de um dos fios; ● Um circuito loop start utiliza um curto-circuito para requer um tom de     discagem. Todas as linhas domésticas na América do Norte utilizam sinalização loop start.
  • 29. 29 VoIP - Asterisk Luiz Arthur ● Kewlstart é, de fato, o mesmo que loop start, exceto que tem maior inteligência e é, por isso, mais capaz de detectar desconexões de outro terminal. Kewlstart é o protocolo de sinalização preferido para circuitos analógicos em Asterisk. O conjunto de indicações é configurado por loadzone para uso pelo canal. O arquivo zonedata.c contém informações sobre todos os vários sons que um sistema telefônico emite cada país em particular, ciclos de campainha, tom de ocupado e assim por diante. Quando aplica-se um tone zone carregado a um canal Zap, esse canal vai copiar as indicações para o país especificado. O defaultzone é utilizado se nenhuma zona for especificada por um canal. Depois de configurar o zaptel.conf, pode-se carregar os drivers para o cartão. Por exemplo, para carregar o driver wctdm, você deve executar: # modprobe wctdm Se não for apresentado nenhuma saída o driver foi carregado com sucesso. É possível verificar se o hardware e as portas foram carregados e configurados corretamente usando o programa ztcfg:     # ztcfg -vv
  • 30. 30 VoIP - Asterisk Luiz Arthur O programa zttool é uma ferramenta de diagnóstico utilizada para determinar o estado do seu hardware. Um estado “OK” significa que o carregamento do hardware foi bem sucedido. Configurando o hardware Zapata O Asterisk utiliza o arquivo /etc/asterisk/zapata.conf para determinar os ajustes e configuração para o hardware de telefonia instalado no sistema. Tal arquivo também controla as várias funções e funcionalidades associadas com os canais de hardware, tal como o Caller ID, espera de chamada, eliminação de eco e uma variedade de outras opções. No passo anterior foi ativado apenas o hardware, mas é neste passo que apresenta-se o hardware ao Asterisk controlando as funções associadas a este hardware por meio do arquivo zapata.conf: [trunkgroups] ; define grupos de troncos [channels] ;canais de hardware   ;defaults   usecallerid=yes
  • 31. 31 VoIP - Asterisk Luiz Arthur hidecallerid=no callwaiting=no threewaycalling=yes transfer=yes echocancel=yes echotraining=yes ;define canais context=incoming ; Chamadas que chegarem serão passadas para ; extensions.conf na seção chamada incoming signalling=fxs_ks ; Usa sinalização FXS para um canal FXO channel=>2 ; A PSTN esta ligada na porta 2 A seção [trunkgroups] é para conexões NFAS e GR-303 e não será discutida aqui. A seção [channels] determina o método de sinalização para os canais de hardware e suas opções. Assim que uma opção for definida, ela é herdada para o restante do arquivo. Um canal é definido usando-se a definição channel =>. Neste exemplo nós habilitamos Caller ID com usecallerid=yes e   especificamos que isso não será escondido para as chamadas para fora com   hidecallerid=no.
  • 32. 32 VoIP - Asterisk Luiz Arthur A habilitação de chamadas em três vias com threewaycalling=yes permite que uma chamada ativa seja colocada em espera, será possível inclusive colocar uma terceira parte na conversa e isto é permitido via transfer=yes, mas isto requer que chamadas de três vias esteja habilitado. O eliminador de eco Asterisk é utilizado para remover o eco que pode ser criado em linhas analógicas com a opção echocancel=yes. O eliminador de eco do Asterisk requer algum tempo para aprender o que é eco na linha, mas é possível acelerar isso habilitando o treinamento de eco com a opção echotraining=yes. Isso vai dizer ao Asterik para enviar um tom de linha no início de uma conversa para medir o eco e então aprender mais rapidamente. Quando uma chamada chega por meio de uma interface FXO, alguma ação deve ser tomada, tal ação é configurada dentro de um bloco de instruções, chamada contexto, neste caso com a opção context=incoming, ou seja, as instruções estarão dentro do arquivo /etc/asterisk/extensions.conf em um contexto chamado incoming. Finalmente, já que um canal FXO utiliza sinalização FXS, nós o definimos como signalling=fxs_fs.    
  • 33. 33 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configuração do Dialplan O seguinte dialpan mínimo faz uso da aplicação Echo() para verificar se as configurações bidirecionais para o canal estão funcionando, para tanto editaremos o arquivo /etc/asterisk/extensions.conf, incluindo as seguintes linhas: [incoming] ;chamadas entrando pela FXO são direcionada para este contexto ;pelo zapata.conf exten => s,1,Answer() exten => s,2,Echo() Depois de configurar este arquivo é possível testar a linha do FXO, para tanto é só discar para o número da linha e a linha Echo() irá permitir que escute-se no telefone sua própria voz, caso isto ocorra a configuração esta Okay.    
  • 34. 34 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configuração de um canal FXS A configuração de um canal FXS é similar a FXO Primeiro configura-se o hardware com o arquivo /etc/zaptel.conf: fxoks=1 fxsks=2 loadzone=us defaultzone=us Bem nesta configuração apenas adicionamos a linha fxoks=1, de forma que estamos sinalizando FXO para nosso FXS no canal 1 com o protocolo de sinalização kewlstart. Para testar podemos fazer uso do comando ztcfg -vv.    
  • 35. 35 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configuração do hardware Zapata Iremos apenas acrescentar algumas alterações ao arquivo /etc/asterisk/zapata.conf alterado anteriormente: [trunkgroups] ; define grupos de troncos [channels] ;canais de hardware ;defaults usecallerid=yes hidecallerid=no callwaiting=no threewaycalling=yes transfer=yes echocancel=yes echotraining=yes immediate=no ;define canais context=internal ;Utiliza o contexto [internal] em extensions.conf signalling=fxo_ks ;Usa a sinalização FXO para um canal FXS channel => 1 ;Telefone conectado à porta 1 context=incoming ; Chamadas que chegarem serão passadas para extensions.conf ; na seção chamada [incoming] signalling=fxs_ks; Usa sinalização FXS para um canal FXO   channel=>2 ;   A PSTN esta ligada na porta 2
  • 36. 36 VoIP - Asterisk Luiz Arthur A seguinte configuração é idêntica à do FXO, com acréscimo de uma seção para a porta FXS e da linha immediate=no, esta opção permite que o quando o telefone for tirado do gancho o Asterisk produza um tom de discagem e aguarde pela entrada do usuário. Uma ação alternativa é que o Asterisk automaticamente execute um conjunto de instruções configuradas no dialplan, isto é possível configurando immediate=yes. As instruções a serem executadas para FXS deverão estar no contexto [internal] em /etc/asterisk/extensions.conf. Desta forma se acrescenta ao final do arquivo as seguintes linhas: [internal] exten => 611,1,Answer() exten => 611,2,Echo() Neste contexto criado chamado internal, nós dizemos ao Asterisk onde procurar pelas instruções quando alguém pressionar dígitos em seu telefone. Nesse caso, o único número de ramal que irá funcionar é o 611. Ao discar 611 no telefone, o Asterisk irá executar a aplicação Echo(), de forma que qualquer coisa que alguém disser no telefone será reproduzida para ela   mesma (um eco), dessa forma verificamos a voz bidirecional.  
  • 37. 37 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configuração do SIP O protocolo de incialização de Sessão (SIP), cuida da configuração e decomposição das chamadas ao longo das renegociações durante a chamada. O SIP utiliza o protocolo de Transporte em Tempo Real (RTP) para transferir a mídia entre os pontos finais. O SIP é um protocolo de sinalização da camada de aplicação que utilizam a porta 5060 normalmente UDP O RTP utiliza número de portas altas no . Asterisk (originalmente, de 10.000 a 20.000). Para configurar o SIP iremos configurar o aquivo /etc/asterisk/sip.conf: [general] context=default srvlookup=yes [john] type=friend secret=welcome qualify=yes ; Qualificar um par a não menos que 2000ms de distância nat=no ; Esse telefone não está na NAT host=dynamic ; Esse dispositivo se registra com IP dinâmico canreinvite=no ; O Asterisk originalmente tenta redirecionar     context=internal ; O contexto [internal] controla o que podemos fazer
  • 38. 38 VoIP - Asterisk Luiz Arthur O arquivo sip.conf começa com uma seção [general], que contém os ajustes do canal e as opções originais para todos os usuários. A opção srvlookup=yes habilita os registros de sistemas de nome DNS, permitindo fazer ligações SIP por nome de domínio, por padrão esta opção vem desativada, mas é altamente recomendável ativa-lá. Bem iniciamos com uma ramal chamado john, que é do tipo friend (pode realizar e receber ligações), e acrescentamos a senha “welcome” para ele. A opção qualify=yes monitora a latência entre o servidor Asterik e o telefone , isto pode ser usado inclusive para monitorar outros servidores Asterisk, originalmente o Asterisk irá determinar o terminal encontrável a cada 2 segundos (2.000ms), mas podemos mudar isto alterando o yes pelo número de milisegundos. Se um ramal esta por tráz de um NAT, tal como um roteador ou um Firewall, configure nat=yes para forçar o Asterisk a ignorar a informação de contato para o ramal e utilizar o endereço de onde os pacotes estão sendo recebidos. Definir host=dynamic vai fazer o ramal se registrar para que o Asterisk saiba onde ele está. Substitua dynamic pelo endereço IP ou nome de domínio     para limitar um terminal. Se definir host=static, o terminal não terá que se registrar.
  • 39. 39 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Também foi definido canreinvite=no desta forma o Asterisk fica apto a tocar musica ou passar um anúncio para o cliente em espera, já que os convites são usados para estabelecer ligações, e re-convites para redireciona-las. Por fim, context=internal especifica as localização das instruções usadas para controlar o que o telefone tem permissão de fazer e o que fazer com ligações que chagam para este ramal. Configuração do Dialplan SIP Muitos telefones SIP, tanto por software como por hardware, são telefones de múltiplas linhas. Assim é possível testar o telefone ligando para você mesmo. Para isto, disca-se o ramal 100. Se o telefone não suportar ligar para ele mesmo ligue para o ramal 611 que tem a aplicação Echo() Ao arquivo de dialplan deve ser acrescentado as seguintes linhas: [internal] exten => 100,1,Dial(SIP/john) exten => 611,1,Echo()    
  • 40. 40 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Configuração de conexões IAX de entrada O protocolo de Troca Inter-Asterisk (IAX) é normalmente usado para comunicações entre servidores, mas existem atualmente telefones que também utilizam o IAX como protocolo de comunicação. A diferença primária entre os protocolos IAX e SIP é a maneira pela qual a mídia (sua voz) é passada entre terminais. Com, o SIP ou com H.323 o tráfego RTP (mídia) é passado utilizando portas diferentes daquelas utilizadas pelos métodos de sinalização. Já o protocolo IAX difere em que tanto na sinalização como o tráfego de, mídia são passados por meio de uma única porta (4569). Uma vantagem desse sistema é que o protocolo IAX tende a se ligar melhor a topologias envolvendo NAT. Um usuário IAX normalmente é utilizado para autenticar e manipular ligações vindo para o sistema PBX. Para ligações indo para fora do PBX, o Asterisk usa uma entrada par do IAX no arquivo iax.conf para autenticar com a ponta remota. Nesta implementação com o IAX conectaremos o nosso sistema com o Free Wold Dialup (FWD) via IAX. O FWD é um provedor de serviço VoIP gratuito que permite que se conecte a qualquer outro membro da rede, independente da localização física, gratuitamente. O FWD também é conectado a mais de     100 outras redes, às quais pode-se conectar gratuitamente.
  • 41. 41 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Mas para tanto deve-se registrar no www.fwdnet.net e habilitar sua conta para dar suporta ai IAX. Então configuraremos o /etc/asterisk/iax.conf e /etc/asterisk/extensions.conf para permitir que se receba chamadas de outro usuário FWD e fazer chamadas para usuários FWD. Configuração do iax.conf Nosso arquivo iax.conf deve ficar da seguinte forma: [general] bandwidth=low disallow=lpc10 jitterbuffer=no forcejitterbuffer=no tos=lowdelay autokill=yes registrer => fwd_number:password@iax2.fwdnet.net [iaxfwd] type=user context=incoming   auth=rsa   inkeys=freewolddialup
  • 42. 42 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Dentro da seção [general], foi adicionado uma declaração de registro. O propósito da declaração de registro é dizer ao servidor FWD IAX o cliente esta na Internet, ou seja, registar-se no FWD é passar o seu IP. Na seção [iaxfwd], foi definido o usuário para ligações que chegam com o type=user, depois foi definido onde a ligação será manipulada dentro do dialplan, com context=incoming. A opção auth=rsa diz que a autenticação será feita via chave RSA. A chave pública é definida com inkeys=freewolddialup que vem como padrão com o Asterisk. Configuração do Dialplan O manuseio de uma ligação que chega ao arquivo extensions.conf é simples. Primeiro crie um contexto chamado incoming. O contexto é seguido por uma definição de Dial() que irá discar o ramal SIP criado , anteriormente. Substitua o número 10001 por aquele da dua conta FWD: [incoming] exten => 10001,1,Dial(SIP/john)    
  • 43. 43 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Para fazer as ligações externas configure o arquivo iax.conf da seguinte forma: [iaxfwd] type=peer host=iax2.fwdnet.net username=<número da conta FWD> secret=<senha-conta-fwd> qualify=yes disallow=all allow=ulaw allow=gsm allow=ilbc allow=g726 O tipo agora indica que a conexão é ponto-a-ponto, e é utilizado a opção host para informar qual é o servidor. O disallow é usado para rearmar quaisquer ajustes de codec definidos previamente, então são usados as opções allow para indicar os codecs de preferencia de cima para baixo.   Para saber se o registro foi bem sucedido é possível usar o comando iax2   show registry no CLI Asterisk.
  • 44. 44 VoIP - Asterisk Luiz Arthur Já a configuração do dialplan no arquivo extensions.conf fica da seguinte forma: [internal] exten => 613,Dial(IAX2/iaxfwd/613) Aqui configuramos para que possamos fazer uma ligação para aplicação FWD, é possível usar o mesmo teste do Eco para testar se tudo esta Okay.    
  • 45. 45 VoIP - Asterisk Luiz Arthur fim    
  • 46. 46 VoIP - Asterisk Luiz Arthur fim