BRASIL IMPÉRIO - Professor Menezes

1.172 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

BRASIL IMPÉRIO - Professor Menezes

  1. 1. O IMPÉRIO DO BRASIL INICIA NO DIA 7 DE SETEMBRO DE 1822 COM A PROCLAMAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA Autor: PROFESSOR MENEZES
  2. 2. 1500 1822 1831 1840 1889 PRÉ HISTÓRIA PERÍODO COLONIAL PRIMEIRO REINADO PERÍODO REGENCIAL SEGUNDO REINADO REPÚBLICA COLÔNIA IMPÉRIO REPÚBLICA PRÉ HISTÓRIA O IMPÉRIO DO BRASIL INICIA NO DIA 7 DE SETEMBRO DE 1822 COM A PROCLAMAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA
  3. 3. É errada a visão que se tem, de que a Independência do Brasil ocorreu apenas com o grito de D. Pedro I, às margens do Rio Ipiranga, no dia 7 de setembro de 1822. A verdade, é que a nossa independência ocorreu com muitas rebeliões e mortes nas diversas províncias do Império. Essa imagem foi construída para a paz reinar ! XX
  4. 4. Dia do Fico O Dia do Fico ocorreu em 9 de janeiro de 1822. Esta data ficou conhecida por este nome porque D.Pedro I, então príncipe regente do Brasil, não acatou ordens das Cortes Portuguesas para que deixasse imediatamente o Brasil, para retornar a Portugal. As Cortes de Portugal estavam preocupadas com os movimentos que ocorriam no Brasil em direção à emancipação política. Viam no retorno de D.Pedro a Portugal uma maneira de recolonizar o Brasil, enfraquecendo as idéias de independência. Os liberais do Partido Brasileiro recolheram cerca de 8 mil assinaturas, exigindo a permanência de D.Pedro no Brasil. D. Pedro I tinhaD. Pedro I tinha apenas 23 anosapenas 23 anos de idade quandode idade quando proclamou aproclamou a IndependênciaIndependência do Brasildo Brasil
  5. 5. O Brasil,O Brasil, em 1822em 1822, tinha razões de sobra para ser um, tinha razões de sobra para ser um país que não daria certo. Na véspera de suapaís que não daria certo. Na véspera de sua independência,independência, o Brasil tinha tudo para dar erradoo Brasil tinha tudo para dar errado.. De cada três brasileiros, dois eram escravos, negros, negros forros, mulatos, índios ou mestiços. O medo de umaforros, mulatos, índios ou mestiços. O medo de uma rebelião dos cativos assombrava a minoria brancarebelião dos cativos assombrava a minoria branca como um pesadelo.como um pesadelo. Os analfabetos somavam 99%Os analfabetos somavam 99% da populaçãoda população. Os ricos eram poucos e, com raras. Os ricos eram poucos e, com raras exceções, ignorantes. O isolamento e as rivalidadesexceções, ignorantes. O isolamento e as rivalidades entre as diversas províncias prenunciavam umaentre as diversas províncias prenunciavam uma guerra civil, que poderia resultar na fragmentaçãoguerra civil, que poderia resultar na fragmentação territorial, a exemplo do que já ocorria nas colôniasterritorial, a exemplo do que já ocorria nas colônias espanholas vizinhas. Para piorar a situação,espanholas vizinhas. Para piorar a situação, ao voltarao voltar a Portugal, no ano anterior, o rei D. João VI, haviaa Portugal, no ano anterior, o rei D. João VI, havia raspado os cofres nacionais. O novo país nasciaraspado os cofres nacionais. O novo país nascia falidofalido. Faltavam dinheiro, soldados, navios, armas ou. Faltavam dinheiro, soldados, navios, armas ou munições para sustentar uma guerra contra osmunições para sustentar uma guerra contra os portugueses, que se prenunciava longa e sangrenta.portugueses, que se prenunciava longa e sangrenta.
  6. 6. EMANCIPAÇÕES POLÍTICAS: Haiti ..................... 1804 México ................. 1810 Venezuela ............ 1821 Colômbia ............. 1811 Paraguai .............. 1811 Argentina ............ 1816 Chile ................... 1818 Honduras ............ 1821 Guatemala .......... 1821 El Salvador ......... 1821 Nicarágua ........... 1821 Costa Rica .......... 1821 Rep. Dominicana 1821 Panamá ............... 1821 Peru .................... 1821 Equador .............. 1822 Bolívia ................. 1822 Brasil .................. 1822 Uruguai ...............1825 Cuba .................. 1898 A INDEPENDÊNCIA DOS PAÍSES DA AMÉRICA ESPANHOLA A independênciaA independência do Brasil não foi umdo Brasil não foi um fato isolado !fato isolado !
  7. 7. AMÉRICA ESPANHOLA ( Repúblicas ) Brasil ( Monarquia ) Enquanto os Vice- Reinos espanhóis na América tiveram que lutar veementemente por sua Independência (terminando em 18 repúblicas distintas), Portugal e Brasil resolveram a questão por meio de negociação, resolvendo a emancipação do Brasil como uma Monarquia, governada por um Rei Português, e tendo a Grã-Bretanha como mediadora.
  8. 8. OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Havia uma certa liberdade nas colônias espanholas, que permitiu a fundação de universidades e favoreceu o desenvolvimento científico em algumas regiões da América Espanhola. As universidades da Rep Dominicana (1538), do México (1551) e do Peru (1551) são exemplos de que foi desenvolvida uma intensa atividade intelectual nas colônias. As idéias iluministas eram mais conhecidas e confundidas por quem tinha acesso tanto a publicações e jornais, que divulgavam frequentemente essa idéia. As universidades mais antigas do mundo foram fundadas entre 1088 e 1600 ... ! Já havia duas nações independentes na América: - os Estados Unidos (1776) e o Haiti (1804)
  9. 9. OS PORTUGUESES TEMIAM INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO A mais antiga instituição oficial de ensino superior do Brasil em atividade ininterrupta desde 1792, com a fundação da Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, mais tarde separada em duas instituições, uma militar e outra civil, as atuais: Instituto Militar de Engenharia; Escola Politécnica da Universidade do Rio de Janeiro (1874). Diante da transferência da Corte Portuguesa para o Brasil (1808 – 1821), foram criadas novas instituições: Faculdade de Medicina da Bahia (1808); Academia Real Militar (1810); Faculdade de Direito de Olinda (1827); Faculdade de Direito de São Paulo (1827); Escola de Farmácia de Ouro Preto (1839); Faculd. Direito RJ (1891). As demais faculdades e universidades vieram a ser criadas apenas no Sec XX.
  10. 10. O IMPÉRIO BRASILEIRO (agrário) SEGUE À MARGEM DO DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA QUE ESTAVA OCORRENDO NA EUROPA, NO SEC XIX CAPITALISMO INDUSTRIAL
  11. 11. BRASIL IMPÉRIO 1822 a 1889 DOM PEDRO I - 1822 a 1831 ( 1º Reinado ) – durou 9 anos PERÍDO REGENCIAL – 1831 a 1840 – durou 9 anos ( Regentes ) DOM PEDRO II – 1840 a 1889 ( 2º Reinado ) – durou 49 anos
  12. 12. CONSTITUIÇÃO DE 1824 (outorgada) - Monarquia unitária e hereditária; - Voto censitário (de acordo com a renda); - 4 poderes: Legislativo, Executivo, Judiciário e o Moderador. Este, estava acima dos demais poderes, e era exercido pelo Imperador.
  13. 13. CONFEDERAÇÃO DO EQUADOR, de 1824 Foi um movimento revolucionário, de caráter emancipacionista (ou autonomista) e republicano, ocorrido em 1824, no Nordeste do Brasil, tendo como centro irradiador a província de Pernambuco. REVOLUCIONÁRIO PRINCIPAL: FREI CANECA
  14. 14. GUERRA CISPLATINA 1825 a 1828 A região era motivo de disputas entre Portugal e Espanha desde o final do século XVII. Até 1816 a região foi território espanhol. Porém, em 1816, ela foi invadida e anexada a coroa portuguesa. Em 1821, D. João VI anexou a região ao Reino Unido de Portugal e Alvarges, denominando-a de Província Cisplatina. Porém, como a anexação não foi aceita pela população de maioria espanhola da região, teve início um movimento de independência.
  15. 15. A Guerra No ano de 1825, com apoio da Argentina, o general Juan Antonio Lavalleja deu início ao movimento pela emancipação da Cisplatina. Líderes militares da Cisplatina declararam a independência da região do controle brasileiro. Não concordando, Dom Pedro I, imperador do Brasil, declarou guerra contra o movimento emancipacionista em 10 de dezembro de 1825. A Guerra durou 3 anos, gerando ao Império Brasileiro enormes gastos financeiros, além de perdas humanas. O Império brasileiro encontrou dificuldades em formar uma força militar capaz de vencer os revoltosos. Mesmo com um exército menor, as Províncias Unidas do Rio da Prata tiveram êxito no conflito. O Uruguai foi criado em 1828.
  16. 16. Noite das Garrafadas - episódio histórico que envolveu portugueses que apoiavam D. Pedro I, e brasileiros que faziam oposição ao imperador - foi um dos principais acontecimentos do período imediatamente anterior à abdicação do monarca, em abril de 1831. No dia 20 Nov 1830, o jornalista Líbero Badaró, que denunciava o autoritarismo do imperador, foi assassinado - e supõe-se que foi a mando do próprio governante. Em Fev 1831, D. Pedro I viaja para Minas Gerais, sendo hostilizado pelo povo mineiro. No dia 11 de março, ele retornou ao Rio de Janeiro, onde volta a encontrar oposição aberta nas ruas da cidade. O conflito culminou na noite do dia 13, quando os portugueses organizavam uma grande festa para recepcionar o governante, mas os brasileiros revoltosos atacaram com pedras e garrafas
  17. 17. Quando dom Pedro I renunciou o trono, em favor de seu filho e herdeiro da Coroa, Pedro, este estava com apenas 5 anos de Idade. A Constituição de 1824 previa que, na impossibilidade de o imperador assumir o cargo de Imperador, o Senado deveria convocar a eleição de uma Regência. E foi exatamente isso que aconteceu. De 1831 a 1840, o Brasil passou a ser governado por Regências. E essa fase foi denominada Período Regencial. Esse período foi conturbado. Houve várias revoltas no Império. Houve 3 tipos de Regências: Provisória; Permanente e Una. As Regências reforçaram o Poder dos liberais. Ocorreu descentralização política e reformas liberais. As províncias e as Assembléias ganharam força.
  18. 18. GOLPE DA MAIORIDADE Segundo a Constituição outorgada em 1824, a maioridade do Imperador só se daria quando este completasse 21 anos de idade, sendo então modificada essa disposição, antecipando-se a emancipação de D. Pedro II para 18 anos, durante o Ato Adicional. Diante do quadro que lhe foi apresentado, este decidiu, aos 14 anos de idade, assumir o seu posto de Imperador. Os liberais, que se encontravam afastados do poder, instituíram uma associação denominada Clube da Maioridade, que tinha como líder Antonio Carlos de Andrada e Silva; suas reuniões giravam em torno da melhor forma de se aclamar a tão desejada maioridade de D. Pedro II. Diante deste feito a antecipação da idade legal de D. Pedro II tornou-se conhecida como o Golpe da Maioridade. O golpe da maioridade visou o retorno da centralização do Poder, porque o Império corria risco de desintegração, por causa das várias rebeliões nas províncias.
  19. 19. Durante as Regências, as oligarquias estaduais ganham força. O Brasil passa a ser cada vez mais a ser dominado pela oligarquia paulista e mineira. É da hegemonia dessas oligarquias paulista e mineira que tem inicio a política do café- com-leite. As demais províncias, pobres, se sentem abandonadas, e algumas, inclusive, se rebelam. Revolta dos Malês - 1835
  20. 20. A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na cidade de Salvador (província da Bahia) entre os dias 25 e 27 de janeiro de 1835. Os principais personagens desta revolta foram os negros islâmicos que exerciam atividades livres, conhecidos como negros de ganho (alfaiates, pequenos comerciantes, artesãos e carpinteiros). Apesar de livres, sofriam muita discriminação por serem negros e seguidores do islamismo. Em função destas condições, encontravam muitas dificuldades para ascender socialmente. Causas e objetivos da revolta Os revoltosos, cerca de 1500, estavam muito insatisfeitos com a escravidão africana, a imposição do catolicismo e com a preconceito contra os negros. 18351835
  21. 21. Dom Pedro II foi imperador do Brasil, de 1840 a 1889. Foi imperador dos 14 anos de idade até os 63 anos. Ele era filho do Dom Pedro I.
  22. 22. FAMÍLIA O europeu trouxe para o Novo Mundo uma maneira particular de organizar a família. Esse modelo, constituído por pai e mãe "casados perante a Igreja", correspondia aos ideais definidos pelo catolicismo. Os escravos, juntamente com parentes e empregados, dilatavam o círculo no qual o senhor de engenho era o todo- poderoso pater familias. Tanto no interior quanto no litoral, ele garantia a união entre parentes, a obediência dos escravos e a influência política de um grupo familiar sobre os demais. Uma grande família impunha sua lei e ordem nos domínios que lhe pertenciam. O chefe cuidava dos negócios e tinha absoluta autoridade sobre a mulher, filhos, escravos, empregados e agregados. Essa autoridade se estendia também a parentes, filhos ilegítimos ou os de criação, afilhados. Sua influência era enorme e se estendia, muitas vezes, aos vizinhos. Havia uma relação de dependência e solidariedade entre seus membros.
  23. 23. FAMÍLIA (brancos X índios) Quando teve início a colonização, não havia mulheres européias por aqui. Uma das soluções foi a de juntar-se às índias. Muitas delas se entregavam aos brancos, pois os índios consideravam normal a poligamia. Os tupis, por exemplo, tinham o hábito de oferecer uma mulher a todo o estranho que fosse viver entre eles. Homens como João Ramalho adotaram muitos dos seus usos e costumes. Aprenderam a plantar milho, a fazer uso do tabaco de fumo e a dormir em redes fiadas pelas companheiras. As crianças nascidas desses amancebamentos eram chamadas curibocas, na língua tupi. Para os brancos, eram mamelucos. O casamento era proibido entre mãe e filho, filho e irmã, pai e filha. Eles seguiam regras bem simples: desejando se unir, os homens se dirigiam a uma mulher e perguntavam sobre sua vontade de casar. Se a resposta fosse positiva, pedia-se permissão do pai ou parente mais próximo.Dada a permissão, os "noivos" se consideravam "casados". Não havia cerimônias e, se ficassem fartos do convívio, consideravam a relação desfeita. Ambos podiam procurar novos parceiros. Normalmente, os índios tratavam bem suas companheiras.
  24. 24. O Parlamentarismo no Brasil Segundo Reinado - 1847 / 1889 Terminadas as lutas provinciais, a Monarquia brasileira caminhava para a estabilização e num período de pouca contestação à Monarquia é instituído o parlamentarismo, e o governo passa a ser exercido pelo ministério com base na maioria parlamentar. Em 1847, um decreto criou o cargo de presidente do Conselho de Ministros, indicado pessoalmente pelo Imperador. Muitos historiadores consideram que aí se inaugurou o sistema parlamentarista no Brasil. No parlamentarismo, regime constitucional de Repúblicas ou Monarquias, o Poder Executivo é exercido pelo Primeiro- Ministro, que é quem governa com o apoio do Parlamento, da Câmara. Assim, quando o Parlamento retira seu voto de confiança, o gabinete de Ministros automaticamente apresenta sua renúncia. O poder maior é, portanto, do Parlamento, do qual depende a permanência ou não no Governo do Primeiro- Ministro. O sistema parlamentarista implantado no Brasil, durante o Governo pessoal de D. Pedro II, inspirou-se no modelo inglês. No entanto, o modelo brasileiro era a inversão do inglês, ficando por isso conhecido como Parlamentarismo às avessas, porque o Poder Legislativo, não nomeava o Executivo, mas, sim, subordinava-se a ele.
  25. 25. A Revolução Praieira foi uma revolta de caráter liberal e federalista ocorrida na província de Pernambuco entre os anos de 1848 e 1850. Dentre as várias revoltas ocorridas durante o Brasil Império, esta foi a última. Ganhou o nome de praieira, pois a sede do jornal comandado pelos liberais revoltosos (chamados de praieiros) localizava-se na rua da Praia. Os políticos liberais revoltosos ganharam o apoio de várias camadas da população, principalmente dos mais pobres, que viviam oprimidos e sofriam com as péssimas condições sociais. Em 1 de janeiro de 1849, divulgam o Manifesto ao Mundo. Neste documento, os praieiros reivindicavam: - Independência dos poderes e fim do poder Moderador (exclusivo do monarca); - Voto livre e Universal; - Nacionalização do comércio de varejo; - Liberdade de imprensa; - Reforma do Poder Judiciário; - Federalismo; - Fim da lei do juro convencional; - Fim do sistema de recrutamento militar como existia naquela época.
  26. 26. Este é o ex-Ministro da Fazenda MANUEL ALVES BRANCO, criador da TARIFA ALVES BRANCO, que passou a estabeleceu, em 1844, impostos sobre os produtos importados, na ordem de 20 a 60%. Tal medida, visou corrigir os constantes déficits que a balança comercial apresentava no Segundo Reinado. A Inglaterra, em represália ao Brasil, em virtude de o mesmo ter criado a Tarifa Alves Branco, iria criar, em 1845, A Lei Aberdeen, que ordenado o aprisionamento dos navios negreiros, para impedir o tráfico de escravos. Nessa época, a Inglaterra estava atravessando um período de bonanças, conhecido como Era Vitoriana, que vai de 1937 a 1901, durante o reinado da Rainha Vitória. A Inglaterra, durante esse período, consegue abrir o Mercado chinês e japonês. O caso mais específico das estratégias britânicas para forçar a abertura dos países orientais, é a introdução do consumo do ÓPIO na China, para tornar os trabalhadores preguiçosos, e cuja consequência seria a GUERRA DO ÓPIO, travada entre 1839 e 1842.
  27. 27. Eusébio de Queirós Em 1848 assume o Ministério da Justiça, ápice de seu legado para o direito. Ficou famoso com a lei Eusébio de Queirós, que proibiu o tráfico negreiro da África para o Brasil. Um dos fatores que contribuíram para o fim do tráfico, e para a edição da Lei Eusébio de Queirós, foi a edição da Lei Aberdeen, de 1845, expedida pela Inglaterra, que determinava o aprisionamento dos navios negreiros. A Lei Aberdeen foi criada como represália ao Brasil, por ter editado a Tarifa Alves Branco, de 1944, que passou a estipular impostos pesados sobre os produtos importados.
  28. 28. QUESTÃO CHRISTIE - 1863 O Brasil e a Inglaterra já vinham tendo problemas (Brasil: tarifa Alves Branco - taxava produtos importados) (Inglaterra: Lei Aberdden - prisão de navios negreiros)
  29. 29. Irineu Evangelista de Souza 1851 - 1874 Deste momento em diante, Irineu Evangelista resolveu se dedicar a duas atividades em potencial – dividiu-se entre a profissão de industrial e a de banqueiro. Foi precursor na área dos serviços públicos: 1851 – Rio de Janeiro – Construiu uma companhia de gás voltada para a iluminação pública do Rio de Janeiro. 1852 – Colocou em ordem as corporações de navegação a vapor no Rio Grande do Sul e no Amazonas. 1854 – Introduziu a primeira estrada ferroviária, que ia da Raiz da Serra à cidade de Petrópolis, no Rio de Janeiro. 1854 – Contribuiu com a fase inicial da União e Indústria, a primeira estrada ladrilhada do país, que compreendia o trecho de Petrópolis a Juiz de Fora. 1874 – Ajustou o assentamento do cabo submarino, entre tantas outras realizações. Barão de Mauá
  30. 30. FRANCISCO DE MELO PALHETA – introduziu o café no Brasil Militar, capitão-tenente da guarda-costa e desbravador brasileiro nascido Vigia, Província do Grão Pará. Em uma expedição (1727), subiu o Oiapoque para verificar a existência de marcos fronteiriços e prosseguiu viagem até Caiena, na Guiana Francesa, onde recebeu clandestinamente da esposa do governador francês Claude d'Orvilliers, um punhado de sementes de café, cuja exportação era proibida pela França, e mais cinco mudas. Trouxe-os para o Brasil e fez a primeira plantação em suas terras, no município da Vigia, Pará, onde chegou a possuir mais de mil pés. 4º ciclo econômico - CAFÉ
  31. 31. NO SEGUNDO REINADO, COM O COROAMENTO DE DOM PEDRO II, A ECONOMIA DO BRASIL SE DESLOCA DA REGIÃO NORDESTE PARA A REGIÃO SUDESTE. O MOTOR DA ECONOMIA, DURANTE A COLÔNIA E O PRIMEIRO REINADO, ERAM AS PLANTAÇÕES DE AÇÚCAR E ALGODÃO. NO SEGUNDO REINADO, O MOTOR DA ECONOMIA PASSA A SER AS PLANTAÇÕES DE CAFÉ, SITUADAS PRINCIPALMENTE EM SÃO PAULO E MINAS GERAIS. A FORÇA POLÍTICA DO IMPÉRIO, PORTANTO, PASSAM PARA AS MÃOS DOS PLANTADORES DE CAFÉ. É NESSE PERÍODO, NO AUGE DO CAFÉ, QUE TEM INÍCIO NO BRASIL O TRABALHO ASSALARIADO.
  32. 32. O aumento das plantações e das exportação de café, contribuíram decisivamente para o aumento da malha ferroviária do Brasil. Hoje, em 2013, o Brasil possui cerca de 30.000 Km de ferrovias. O governo optou, infelizmente, pelo meio de transporte mais caro para escoar a produção brasileira: malha rodoviária
  33. 33. No Sec XIX, além da migração nordestina, começam a chegar também no Sul e Sudeste, imigrantes de várias nacionalidades
  34. 34. A imigração nordestina foi motivada principalmente por causa das secas do Nordeste; industrialização do Sudeste; plantações e colheitas de café no Sudeste; e introdução do trabalho assalariado.
  35. 35. O Sonho de modernizar o Brasil
  36. 36. Introdução do modo de vida europeu aqui no Brasil, na segunda metade do Sec XIX
  37. 37. GUERRA DO PARAGUAI – 1864 a 1870 Causas A Guerra do Paraguai teve seu início no ano de 1864, a partir da ambição do ditador Francisco Solano Lopes, que tinha como objetivo aumentar o território paraguaio e obter uma saída para o Oceano Atlântico, através dos rios da Bacia do Prata. Ele iniciou o confronto com a criação de inúmeros obstáculos impostos às embarcações brasileiras que se dirigiam a Mato Grosso através da capital paraguaia. Visando a província de Mato Grosso, o ditador paraguaio aproveitou-se da fraca defesa brasileira naquela região para invadi-la e conquistá-la. Fez isso sem grandes dificuldades e, após esta batalha, sentiu- se motivado a dar continuidade à expansão do Paraguai através do território que pertencia ao Brasil. Seu próximo alvo foi o Rio Grande do Sul, mas, para atingi- lo, necessitava passar pela Argentina. Então, invadiu e tomou Corrientes, província Argentina que, naquela época, era governada por Mitre.
  38. 38. GUERRA DO PARAGUAI – 1864 a 1870 Consequências Foi a guerra com mais mortes que o Brasil participou efetivamente: ao todo foram 800.000 paraguaios mortos entre civis e soldados, de acordo como a wikipedia paraguaia – de acordo com a wikipedia brasileira, o número foi de 300.000. Do lado da tríplice aliança morreram por volta de 95.000 pessoas entre soldados e civis segundo os paraguaios; para os brasileiros, foi de 81.000. Ao final da guerra, a Argentina e o Brasil ampliaram seus territórios e conquistaram “troféus”, como o canhão que pesa 12 toneladas “El Cristiano”. Porém, o Império do Brasil gastou o dobro da receita do governo em relação aos anos anteriores, provocando uma crise financeira e uma reivindicação por parte dos escravos que lutaram na guerra. O Uruguai perdeu territórios e o Paraguai, além de perder 40% do seu território, perdeu uma chance de tornar-se uma potencia atual e teve que pagar uma dívida que só foi perdoada em 1943.
  39. 39. GUERRA DO PARAGUAI Territórios paraguaios cedidos ao Brasil e à Argentina
  40. 40. CORPO DE VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA (GUERRA DO PARAGUAI) - 1865 a 1870
  41. 41. Guerra do Paraguai - fronteira entre Brasil e Paraguai
  42. 42. Guerra do Paraguai 1864 a 1870
  43. 43. Bill AberdeenBill Aberdeen refere-se a uma lei aprovada pelo parlamento britânico em março de 18451845 e que concedia ao Almirantado Inglês o direito de aprisionar navios negreiros (navios que transportavam escravos capturados no continente africano), que realizassem o transporte de cativos da África para as Américas (incluindo-se aí inclusive os casos de navios em águas territoriais brasileiras), e de julgar seus comandantes. 1845 LEI BILL ABERDEEN A Inglaterra passou a prender os navios que transportavam escravos negros africanos. X A LEI ADERDEENLEI ADERDEEN foi uma represália dos ingleses, em virtude de o Brasil ter criado a Tarifa ALVES BRANCO, em 1844, sobre os produtos importados da Inglaterra.
  44. 44. Princesa Isabel Filha de Dom Pedro II Aboliu a escravidão Em 13 Mai 1888
  45. 45. Marechal Deodoro da Fonseca Proclamou a República no dia 15 de novembro de 1889
  46. 46. A participação no movimento republicano era preponderante a presença de elementos do oeste paulista em detrimento do Vale do Paraíba. Emília diz que o Oeste Paulista configurava-se em uma zona pioneira e que destacava-se pelo espírito progressista: pioneiros na substituição da mão de obra escrava pela de imigrantes, ampliação de ferrovias e organismos de credito, a própria população era mais diversificada profissionalmente, formação de uma mentalidade mais urbana do que rural devido que os fazendeiros viviam boa parte do ano nas cidades. Portanto em São Paulo os fazendeiros formavam o núcleo mais importante do partido republicano, já no Rio de Janeiro e demais províncias era constituída por representantes da camada urbana.
  47. 47. É em 1887 que a chefia do partido começa a cogitar na possibilidade de recorrer ao exército a fim de derrubar a monarquia e instaurar a república. A questão militar era explorada pelos republicanos a fim de colocar os militares contra a monarquia, e assegurava-lhes incondicional apoio. A autora explica que não havia uma questão militar e sim várias: a primeira data do fim da Guerra do Paraguai; difusão do positivismo de conte nas escolas militares, principalmente com a ação de Benjamin Constant; entre os militares havia a difusão da convicção de que os homens de farda eram “puros” e “patriotas”, e estavam ansiosos para corrigir os vícios da organização política do país, ao contrário dos civis corruptos e sem nenhum sentimento patriótico. Dentro do corpo militar havia certamente profundas divergências, mas a adesão de uma facção, mais ou menos importante, à idéia de república foi decisiva para a proclamação da mesma. Emília argumenta que: "A república nasce sobre o signo do exército".
  48. 48. O objetivo da Proclamação da República era aO objetivo da Proclamação da República era a modernização do Estado e da economia !modernização do Estado e da economia ! Os ideais da Revolução Francesa, e aOs ideais da Revolução Francesa, e a modernização da economia, mostradas França emodernização da economia, mostradas França e na Inglaterra, ecoaram também aqui no Brasil.na Inglaterra, ecoaram também aqui no Brasil. No Sec XIX, a República era sinônimo deNo Sec XIX, a República era sinônimo de modernização !modernização ! O povo não aceitava mais que o paísO povo não aceitava mais que o país continuasse pertencendo à Família Real.continuasse pertencendo à Família Real. Desejava, sim, que as riquezas do país fossemDesejava, sim, que as riquezas do país fossem transferidas para a soberania do povo !transferidas para a soberania do povo !

×