Cyberbullying a escola como espaço de intervenção e prevenção

2.219 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
28
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cyberbullying a escola como espaço de intervenção e prevenção

  1. 1. Cyberbullying:a escola como espaço de intervenção e prevenção Luís Tinoca
  2. 2. Novos cenários de aprendizagem
  3. 3. Source: Kelly Hodgkins http://gizmodo.com/5813875/what-happens-in-60-seconds-on-the-internet
  4. 4. Bullying
  5. 5. Modalidades• físico• verbal• gestual• exclusão• extorsão
  6. 6. Cyberbullying
  7. 7. Cyberbullying é qualquer comportamento manifestado através de meios eletrónicos oudigitais por grupos ou indivíduos, que, de uma forma reiterada,transmita mensagens agressivasou hostis com a intenção de fazer mal ou causar incomodidade.
  8. 8. Modalidades de Cyberbullying Segundo o meio de comunicação • SMS • MMS • Telefonemas • Correio eletrónico • Salas de conversação • Mensagens instantâneas • Sítios da Web
  9. 9. Modalidades de Cyberbullying Segundo os comportamentos • Ataque cerrado (flaming) • Assédio • Denigração • Usurpação de identidade • Indiscrição • Aliciamento • Exclusão • Ciber-perseguição • Insulto
  10. 10. Papeis• Vítima• Agressor• Ciberespectador(es)
  11. 11. Efeitos do Cyberbullying
  12. 12. Exemplo
  13. 13. Possíveis sinais de que a criançaestá a ser vítima de Cyberbullying • Amizades desfeitas • Maior frequência dos problemas de saúde • Alterações de comportamento • Falta de interesse ou relutância em ir à escola • Expressões negativas e emocionais após utilizar os media sociais
  14. 14. Possíveis sinais de que uma criança anda a vitimizar outras ou é um espetador • Dificuldades em manter amizades, entrar facilmente em conflito ou brigas com os colegas e culpar os outros • Ocultação do uso dos meios de comunicação • Expressão carregada durante ou após utilizar os media sociais • Ser amigo de colegas que vitimizam outros
  15. 15. Como intervirSe uma criança estiver a ser vítima de cyberbullying: – Bloquear a comunicação com o ciberagressor – Ensinar sobre segurança na Internet – Não responder – Guardar a mensagem ou fazer uma captura de ecrã – Avaliar a origem do problema – Deixar claro que o problema está no agressor e não na vítima – Proporcionar um ambiente de segurança – Cultivar a autoestima – Reportar o problema
  16. 16. Como intervirSe a criança estiver envolvida na vitimização de terceiros: – Sensibilizar, com rigor, para aquilo que é o cyberbullying – Descobrir o que está a provocar o comportamento agressivo – Discutir as regras de uma utilização responsável do computador e da Internet (ou seja, um contrato social) – Acompanhar e supervisionar de forma adequada a utilização da Internet – Ensinar competências empáticas em casa – Cultivar a autoestima – Facilitar a “catarse” em crianças especialmente ativas
  17. 17. Possíveis ações imediatas ou no curto prazo • Ouça atentamente a criança • Fique calmo em caso de incidentes • Bloquear o ciberagressor • Não responder • Recolher provas
  18. 18. Nível mais avançado • Detetar a origem do problema • Deixar claro que o mal está no agressor e não na vítima • Proporcionar um ambiente de segurança • Não deitar achas para a fogueira Torne bem claro que não se deve ripostar nem física nem verbalmente, e que o melhor é mesmo nem sequer responder e, se preocupado, o melhor é contar a alguém de confiança. • Cultivar a autoestima em casa • Reportar o problema
  19. 19. Intervir junto dos agressores • Sensibilizar, com rigor, para aquilo que é o cyberbullying; • Descobrir o que está a provocar o comportamento agressivo; • Discutir as regras de uma utilização responsável do computador e da Internet (ou seja, um contrato social) • Acompanhar e supervisionar de forma adequada a utilização da Internet; • Ensinar competências empáticas; • Cultivar a autoestima; • Facilitar a “catarse” em crianças especialmente ativas (ou seja, “libertar energias de uma maneira positiva”).
  20. 20. Prevenção• Desenvolvendo nas crianças uma autoconfiança sólida• Aumentando-lhes a capacidade de resiliência• Cultivando o sentimento de empatia• Ensinando a dar valor aos outros• Criticando de maneira positiva• Falando sobre a utilização segura e conscienciosa dos media digitais• Falando das leis respeitantes ao comportamento a ter nos media sociais• Incentivando a partilhar as suas preocupações
  21. 21. Obrigado pela vossa atenção! Luís Tinoca ltinoca@ie.ul.pt

×