Apostila Redes - GDH

8.027 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.027
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
813
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
264
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila Redes - GDH

  1. 1. Matéria EXCLUSIVA sobre o Atlhon 64 Usando um pendrive para transportar suas configuraçõesRecuperando arquivosem partições ReiserFSAnálise: E S P E C I A LUMPCs REDESe MIDso novo cliente para Torrents ano 1 – Nº 6 – Junho de 2007 Foto original de: http://www.flickr.com/photos/shadphotos/
  2. 2. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 Editorial Colaboradores: Embora o mês de junho não tenha nenhuma festa de destaque, como o Carlos E. Morimoto. natal ou ano novo, a sexta edição da revista foi brindada com dois espe- É editor do site http://www.guiadohardware.net, autor de mais de 12 livros sobre Linux, Hardware e Redes, entre ciais, um sobre o Athlon 64 e outro sobre redes. eles os títulos: "Redes e Servidores Linux", "Linux Enten- dendo o Sistema", "Linux Ferramentas T écnicas", "Enten- Todos sabemos que o Athlon 64 é um processador de 64 bits, mas poucos dendo e Dominando o Linux", "Kurumin, desvendando entendem o que isso realmente significa. Outro problema é que existem seus segredos", "Hardware, Manual Completo" e "Dicioná- rio de termos técnicos de informática". Desde 2003 de- inúmeras variações do Athlon 64, muitas vezes vendidas sob o mesmo senvolve o Kurumin Linux, uma das distribuições Linux índice de desempenho. Além de mostrar as diferenças entre elas, o mais usadas no país. especial mostra como diferenciar os modelos baseados em cada uma. Pedro Axelrud É blogueiro e trabalha para o site guiadohardware.net. O segundo especial fala sobre redes, abordando desde placas e cabos, Atualmente com 16 anos, já foi editor de uma revista digi- tal especializada em casemod. Entusiasta de hardware, até detalhes sobre portas TCP e redes wireless. Ler o guia não vai trans- usuário de Linux / MacOS e fã da Apple, Pedro atualmente formá-lo em um administrador de redes, mas com certeza vai tirar cursa o terceiro ano do Ensino Médio e pretende cursar a faculdade de Engenharia da Computação. muitas dúvidas, mesmo dos mais experientes. Júlio César Bessa Monqueiro Um dos grandes problemas de quem usa mais de um micro (seja um em É especialista em Linux, participante de vários fóruns virtu- ais, atual responsável pelos scripts dos ícones mágicos do casa e outro no trabalho, ou mesmo um desktop e um notebook) é manter Kurumin, editor de notícias e autor de diversos artigos e tu- os arquivos e configurações sincronizados em ambos. Uma solução é utilizar toriais publicados no Guia do Hardware. um pendrive para transportar suas configurações e arquivos de trabalho. Nas Luciano Lourenço duas dicas incluídas nesta edição você aprende como criar scripts que per- Designer do Kurumin linux, trabalha com a equipe do mitem salvar e restaurar seu ambiente de trabalho rapidamente, com a op- Guia do Hardware.net executando a parte gráfica e de webdesing, editor da Oka do Kurumin onde desenvol- ção de adicionar um sistema de encriptação. Completando, temos mais uma ve dicas para aplicações gáficas em SL, participa de dica relacionada a arquivos, desta vez ensinando como recuperar arquivos projetos voltado a softwares livres como o “O Gimp”, acidentalmente deletados em partições ReiserFS. Inkscape Brasil e Mozilla Brasil. A distribuição Linux escolhida para o especial desta edição é o Ubuntu 7.04. O Ubuntu, uma das distribuições mais populares atualmente e o Contato Comercial: sucesso naturalmente não veio de graça. No especial, escrito pelo Julio Para anunciar no Guia do Hardware em revista Bessa você pode conferir os principais recursos do sistema, além de escreva para: muitas dicas. revista@guiadohardware.net Participe do Fórum: _ Carlos E. Morimoto http://guiadohardware.net/comunidade/www.guiadohardware.net :: Revista Revista GDH Edição de Junho
  3. 3. Leia Nesta Edição-Especial Redes .4-Usando um pendrive para .29transportar suas configurações-Recuperando arquivos em .42partições ReiserFS-Análise, Ubuntu 7.04 .45-UMPCs e MIDs .58-qBittorrent .64-Athlon 64 .69-Tiras do Mangabeira .90-Resumo GDH Notícias .91
  4. 4. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 Especial Redes Por Carlos E. Morimoto Inicialmente, as redes eram simplesmente uma forma de transmitir dados de um micro a outro, substituindo o famoso DPL/DPC (disquete pra lá, disquete pra cá), usado até então. As primeiras redes de computadores foram criadas ainda durante a década de 60, como uma forma de transferir informações de um computador a outro. Na época, o meio mais usado para armazenamento externo de dados e transporte ainda eram os cartões perfurados, que armazenavam poucas dezenas de caracteres cada (o formato usado pela IBM, por exemplo, permitia armazenar 80 caracteres por cartão).www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 4
  5. 5. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Eles são uma das formas mais lentas, No começo da década de 90, existiam trabalhosas e demoradas de transportar Placas, cabos, conectores, três padrões de rede, as redes Arcnet, grandes quantidades de informação que se pode imaginar. São, literalmente, car- hubs e switches Token Ring e Ethernet. As redes Arcnet tinham problemas de desempenho e tões de cartolina com furos, que repre- Os componentes básicos de uma rede as Token Ring eram muito caras, o sentam os bits um e zero armazenados: são uma placa de rede para cada micro, que fez com que as redes Ethernet se os cabos e um hub ou switch, que serve tornassem o padrão definitivo. Hoje como um ponto de encontro, permitindo em dia, "Ethernet" é quase um sinô- que todos os micros se enxerguem e nimo de placa de rede. Até mesmo as conversem entre si. Juntos, esses com- placas wireless são placas Ethernet. ponentes fornecem a infra-estrutura básica da rede, incluindo o meio físico Lembre-se que Ethernet é o nome de para a transmissão dos dados, modulação um padrão que diz como os dados são dos sinais e correção de erros. transmitidos. Todas as placas que se- guem este padrão são chamadas de Cartão perfurado placas Ethernet. Não estamos falando Placas de rede de uma marca ou de um fabricante De 1970 a 1973 foi criada a Arpanet, específico. uma rede que interligava várias univer- As placas de rede já foram componentes sidades e diversos órgãos militares. caros. Mas, como elas são dispositivos Temos aqui alguns exemplos de pla- Nesta época surgiu o e-mail e o FTP, relativamente simples e o funciona- cas de rede. O conector para o cabo recursos que utilizamos até hoje. Ainda mento é baseado em padrões abertos, é chamado de "RJ45" e o soquete vago em 1973 foi feito o primeiro teste de qualquer um com capital suficiente permite instalar um chip de boot. transmissão de dados usando o padrão pode abrir uma fábrica de placas de Ethernet, dentro do PARC (o laboratório rede. Isso faz com que exista uma de desenvolvimento da Xerox, em Palo concorrência acirrada, que obriga os Alto, EUA). Por sinal, foi no PARC onde fabricantes a produzirem placas cada várias outras tecnologias importantes, vez mais baratas, trabalhando com mar- incluindo a interface gráfica e o mouse, gens de lucro cada vez mais estreitas. foram originalmente desenvolvidas. As placas de rede mais baratas chegam a O padrão Ethernet é utilizado pela maio- ser vendidas no atacado por menos de 3 ria das tecnologias de rede local em dólares. O preço final é um pouco mais alto, uso, das placas mais baratas às redes naturalmente, mas não é difícil achar wireless. O padrão Ethernet define a placas por 20 reais ou até menos, sem falar forma como os dados são organizados e que, hoje em dia, praticamente todas as transmitidos. É graças a ele que placas placas-mãe vendidas possuem rede onbo- de diferentes fabricantes funcionam ard, muitas vezes duas, já pensando no perfeitamente em conjunto. público que precisa compartilhar a conexão.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 5
  6. 6. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Existem três padrões de redes Ethernet Se você dividir 100 megabits por 8, No entanto, o principal motivo é o fato (com fio): de 10 megabits, 100 megabits terá 12.5 megabytes por segundo. É de que eles podem ser usados apenas e 1000 megabits (também chamadas bem menos do que um HD atual é em redes de 10 megabits: a partir do de Gigabit Ethernet). Já estão disponíveis capaz, mas já é uma velocidade ra- momento em que as redes 10/100 também as redes de 10 gigabits, mas zoável. No que depender da rede, tornaram-se populares, eles entraram por enquanto elas ainda são muito demora cerca de um minuto para copiar definitivamente em desuso, dando lugar caras, pois utilizam placas específicas e um CD inteiro, por exemplo. aos cabos de par trançado. Entre eles, cabos de fibra óptica. Esses três pa- os que realmente usamos no dia-a-dia drões são intercompatíveis: você pode A opção para quem precisa de mais são os cabos "cat 5" ou "cat 5e", onde perfeitamente misturar placas de 100 e velocidade são as redes Gigabit Ethernet, o "cat" é abreviação de "categoria" e o 1000 megabits na mesma rede, mas, ao que transmitem a uma taxa de até 1000 número indica a qualidade do cabo. usar placas de velocidades diferentes, a megabits (125 megabytes) por segundo. velocidade é sempre nivelada por baixo, As placas Gigabit atuais são compatíveis Fabricar cabos de rede é mais compli- ou seja, as placas Gigabit são obrigadas com os mesmos cabos de par trançado cado do que parece. Diferente dos a respeitar a velocidade das placas cat 5 usados pelas placas de 100 mega- cabos de cobre comuns, usados em mais lentas. bits (veja mais detalhes a seguir), por instalações elétricas, os cabos de rede isso a diferença de custo fica por conta precisam suportar freqüências muito As redes de 10 megabits estão em desuso apenas das placas e do switch. Graças a altas, causando um mínimo de atenua- já a vários anos e tendem a se extinguir isso elas estão caindo de preço e se ção do sinal. Para isso, é preciso mini- com o tempo. As de 100 megabits são o popularizando rapidamente. mizar ao máximo o aparecimento de padrão (por enquanto), pois são muito bolhas e impurezas durante a fabricação baratas e propiciam uma velocidade sufi- ciente para transmitir grandes arquivos e Tipos de cabos de rede dos cabos. No caso dos cabos de par trançado, é preciso, ainda, cuidar do rodar aplicativos remotamente. entrançamento dos pares de cabos, Existem basicamente 3 tipos diferentes que também é um fator crítico. Tudo o que a placa de rede faz é transmitir de cabos de rede: os cabos de par os uns e zeros enviados pelo processador trançado (que são, de longe, os mais Existem cabos de cat 1 até cat 7. Como através do cabo de rede, de forma que a comuns), os cabos de fibra óptica (usados os cabos cat 5 são suficientes tanto transmissão seja recebida pelos outros principalmente em links de longa para redes de 100 quanto de 1000 micros. Ao transferir um arquivo, o pro- distância) e os cabos coaxiais, ainda megabits, eles são os mais comuns e cessador lê o arquivo gravado no HD e o usados em algumas redes antigas. mais baratos; geralmente custam em envia à placa de rede para ser transmitido. torno de 1 real o metro. Os cabos cat5e Existem vários motivos para os cabos (os mais comuns atualmente) seguem Os HDs atuais são capazes de ler dados coaxiais não serem mais usados hoje em um padrão um pouco mais estrito, por a 30 ou 40 MB por segundo. Lembre-se dia: eles são mais propensos a mal isso dê preferência a eles na hora de que um byte tem 8 bits, logo 30 MB contato, os conectores são mais caros e comprar. (megabytes, com o B maiúsculo) cor- os cabos são menos flexíveis que os de respondem a 240 megabits (Mb, com o par trançado, o que torna mais difícil Em caso de dúvida, basta checar as b minúsculo) e assim por diante. passá-los por dentro de tubulações. inscrições decalcadas no cabo.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 6
  7. 7. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Comprar os cabos já prontos é muito Além dos cabos sem blindagem, conheci- mais prático, mas tem alguns inconve- dos como UTP (Unshielded Twisted Pair), nientes. Muita gente (a maioria, acredito existem os cabos blindados conhecidos :) não acha muito legal ver cabos espa- como STP (Shielded Twisted Pair). A única lhados pelo chão da sala. Alguns desa- diferença entre eles é que os cabos blin- Destaque para a inscrição no cabo indicando a categoria visados chegam a tropeçar neles, der- dados, além de contarem com a proteção Você pode comprar alguns metros de cabo e rubando micros, quebrando os conec- do entrelaçamento dos fios, possuem alguns conectores e crimpar os cabos você tores das placas de rede, entre outros uma blindagem externa (assim como os mesmo, ou pode comprá-los já prontos. Em acidentes desagradáveis. cabos coaxiais) e por isso são mais ambos os casos, os cabos devem ter no mí- adequados a ambientes com fortes fontes nimo 30 centímetros e no máximo 100 me- Para dar um acabamento mais profissio- de interferências, como grandes motores tros, a distância máxima que o sinal elétrico nal, você precisa passar os cabos por elétricos ou grandes antenas de trans- percorre antes que comece a haver uma de- dentro das tubulações das paredes ou missão muito próximas. gradação que comprometa a comunicação. pelo teto e é mais fácil passar o cabo primeiro e crimpar o conector depois do Quanto maior for o nível de interferência, Naturalmente, os 100 metros não são um que tentar fazer o contrário. Se preferir menor será o desempenho da rede, número exato. A distância máxima que é crimpar o cabo você mesmo, vai precisar menor será a distância que poderá ser possível atingir varia de acordo com a comprar também um ali- usada entre os micros e mais vantajosa qualidade dos cabos e conectores e as cate de crimpagem. será a instalação de cabos blindados. interferências presentes no ambiente. Já vi Ele "esmaga" os con- Em ambientes normais, porém, os casos de cabos de 180 metros que funcio- cabos sem blindagem funcionam per- tatos do conector, navam perfeitamente, e casos de cabos de feitamente bem. Na ilustração temos fazendo com que 150 que não. Ao trabalhar fora do padrão, um exemplo de cabo com blindagem, eles entrem em os resultados variam muito de acordo com com proteção individual para cada par as placas de rede usadas e outros fatores. contato com os fios do de cabos. Existem também cabos mais Ao invés de jogar com a sorte, é mais cabo de "populares", que utilizam apenas uma recomendável seguir o padrão, usando um hub/switch ou um repetidor a cada 100 rede. blindagem externa que envolve todos metros, de forma a reforçar o sinal. os cabos. Alicate de crimpagem Os cabos de rede transmitem sinais elé- tricos a uma freqüência muito alta e a distâncias relativamente grandes, por isso são muito vulneráveis a interferências eletromagnéticas externas.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 7
  8. 8. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Outras fontes menores de interferências são as lâmpadas fluorescentes (princi- palmente lâmpadas cansadas, que ficam piscando), cabos elétricos, quando colocados lado a lado com os cabos de rede, e mesmo telefones celulares muito próximos dos cabos. Este tipo de inter- ferência não chega a interromper o funcionamento da rede, mas pode causar perda de pacotes. No final de cada pacote TCP são incluídos Saliência no canto da guilhotina para descascar o cabo. 32 bits de CRC, que permitem verificar a integridade dos dados. Ao receber cada pacote, a estação verifica se a soma dos Os quatro pares do cabo são diferenci- bits "bate" com o valor do CRC. Sempre ados por cores. Um par é laranja, outro que a soma der errado, ela solicita a é azul, outro é verde e o último é mar- Pares do cabo separados, prontos para serem organizados retransmissão do pacote, o que é repe- rom. Um dos cabos de cada par tem tido indefinidamente, até que ela receba uma cor sólida e o outro é mais claro uma cópia intacta. Graças a esse sistema ou malhado, misturando a cor e pontos Existem dois padrões para a ordem dos é possível transmitir dados de forma de branco. É pelas cores que diferenci- fios dentro do conector, o EIA 568B (o confiável mesmo através de links ruins amos os 8 fios. mais comum) e o EIA 568A. A diferença (como, por exemplo, uma conexão via entre os dois é que a posição dos pares modem). Porém, quanto mais intensas O segundo passo é destrançar os cabos, de cabos laranja e verde são invertidos forem as interferências, mais pacotes deixando-os soltos. É preciso organizá- dentro do conector. precisam ser retransmitidos e pior é o los em uma certa ordem para colocá-los desempenho da rede. dentro do conector e é meio complica- Existe muita discussão em relação com do fazer isso se eles estiverem grudados qual dos dois é "melhor", mas na prática entre si :-P. não existe diferença de conectividade Crimpando os cabos Eu prefiro descascar um pedaço grande entre os dois padrões. A única observa- ção é que você deve cabear toda a Ao crimpar os cabos de rede, o primeiro do cabo, uns 6 centímetros, para poder rede utilizando o mesmo padrão. Como passo é descascar os cabos, tomando organizar os cabos com mais facilidade o EIA 568B é de longe o mais comum, cuidado para não ferir os fios internos, e depois cortar o excesso, deixando recomendo-o que você utilize-o ao que são frágeis. Normalmente, o alicate apenas os 2 centímetros que entrarão crimpar seus próprios cabos. inclui uma saliência no canto da guilho- dentro do conector. O próprio alicate tina, que serve bem para isso. Existem de crimpagem inclui uma guilhotina No padrão EIA 568B, a ordem dos fios também descascadores de cabos espe- para cortar os cabos, mas você pode dentro do conector (em ambos os lados cíficos para cabos de rede. usar uma tesoura se preferir. do cabo) é a seguinte:www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 8
  9. 9. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial 1- Branco com Laranja No caso de um cabo "reto" (straight), A maioria dos hub/switchs atuais é capaz 2- Laranja que vai ser usado para ligar o micro ao de "descruzar" os cabos automaticamente 3- Branco com Verde hub, você usa esta mesma disposição quando necessário, permitindo que você 4- Azul nas duas pontas do cabo. Existe ainda misture cabos normais e cabos cross-over 5- Branco com Azul um outro tipo de cabo, chamado de dentro do cabeamento da rede. Graças a 6- Verde "cross-over", que permite ligar dire- isso, a rede vai funcionar mesmo que você 7- Branco com Marrom tamente dois micros, sem precisar do use um cabo cross-over para conectar um 8- Marrom hub. Ele é uma opção mais barata dos micros ao hub por engano. quando você tem apenas dois micros. Neste tipo de cabo a posição dos fios é Na hora de crimpar é preciso fazer um Os cabos são encaixados nesta ordem, pouco de força para que o conector fique diferente nos dois conectores, de um com a trava do conector virada para firme. A qualidade do alicate é importante: dos lados a pinagem é a mesma de um baixo, como no diagrama. evite comprar alicates muito baratos, pois cabo de rede normal, enquanto no outro a posição dos pares verde e la- eles precisam ser resistentes para aplicar ranja são trocados. Daí vem o nome a pressão necessária. cross-over, que significa, literalmente, A função do alicate é fornecer pressão "cruzado na ponta". suficiente para que os pinos do conector Para fazer um cabo cross-over, você crim- RJ-45, que internamente possuem a pa uma das pontas seguindo o padrão EIA forma de lâminas, esmaguem os fios do 568B que vimos acima e a outra utilizando cabo, alcançando o fio de cobre e criando Ou seja, se você olhar o conector "de o padrão EIA 568A, onde são trocadas as o contato. Você deve retirar apenas a cima", vendo a trava, o par de fios laranja posições dos pares verde e laranja: capa externa do cabo e não descascar estará à direita e, se olhar o conector "de individualmente os fios, pois isso, ao baixo", vendo os contatos, eles estarão à invés de ajudar, serviria apenas para esquerda. 1- Branco com Verde causar mau contato, deixando frouxo o 2- Verde encaixe com os pinos do conector. Este outro diagrama mostra melhor 3- Branco com Laranja como fica a posição dos cabos dentro 4- Azul do conector: 5- Branco com Azul 6- Laranja 7- Branco com Marrom 8- Marrom Esta mudança faz com que os fios usa- dos para transmitir dados em um dos micros sejam conectados aos pinos co- nectores do outro, permitindo que eles conversem diretamente.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 9
  10. 10. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial É preciso um pouco de atenção ao cortar Isso mostra que os sinais elétricos Esses aparelhos serão bastante úteis e encaixar os fios dentro do conector, enviados estão chegando até o hub e se você for crimpar muitos cabos, mas pois eles precisam ficar perfeitamente que ele foi capaz de abrir um canal de são dispensáveis para trabalhos espo- retos. Isso demanda um pouco de práti- comunicação com a placa. rádicos, pois é muito raro que os cabos ca. No começo, você vai sempre errar venham com fios rompidos de fábrica. algumas vezes antes de conseguir. Se os LEDs nem acenderem, então não Os cabos de rede apresentam também existe o que fazer. Corte os conectores uma boa resistência mecânica e flexibi- Veja que o que protege os cabos contra e tente de novo. Infelizmente, os conec- lidade, para que possam passar por as interferências externas são justa- tores são descartáveis: depois de dentro de tubulações. Quase sempre os mente as tranças. A parte destrançada crimpar errado uma vez, você precisa problemas de transmissão surgem por que entra no conector é o ponto fraco usar outro novo, aproveitando apenas o causa de conectores mal crimpados. do cabo, onde ele é mais vulnerável a cabo. Mais um motivo para prestar todo tipo de interferência. Por isso, é atenção ;). Existem ainda modelos mais simples recomendável deixar um espaço menor de testadores de cabos, que chegam a possível sem as tranças. Para crimpar Existem também aparelhos testadores custar em torno de 20 reais. Estes cabos dentro do padrão, você precisa de cabos, que oferecem um diagnóstico modelos mais simples realizam apenas deixar menos de 2,5 centímetros des- muito mais sofisticado, dizendo, por um teste de continuidade do cabo, trançados. Você só vai conseguir isso exemplo, se os cabos são adequados checando se o sinal elétrico chega até cortando o excesso de cabo solto antes para transmissões a 100 ou a 1000 a outra ponta e, verificando o nível de de encaixar o conector, como na foto: megabits e avisando caso algum dos 8 atenuação, para certificar-se de que ele fios do cabo esteja rompido. Os mais cumpre as especificações mínimas. Um sofisticados avisam inclusive em que conjunto de 8 leds se acende, mos- ponto o cabo está rompido, permitindo trando o status de cada um dos 8 fios. que você aproveite a parte boa. Se algum fica apagado durante o teste, você sabe que o fio correspondente está partido. A limitação é que eles não são capazes de calcular em que ponto o cabo está partido, de forma que a sua única op- ção acaba sendo trocar e des- cartar o cabo inteiro. Uma curiosidade é que algumas placas mãe da Asus, com rede Yukon O primeiro teste para ver se os cabos Marvel (e, eventualmente, outros mode- foram crimpados corretamente é co- Testador de cabos los lançados futuramente), incluem um nectar um dos micros (ligado) ao hub e software testador de cabos, que pode ser ver se os LEDs da placas de rede e do acessado pelo setup, ou através de uma hub acendem. interface dentro do Windows.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 10
  11. 11. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Ele funciona de uma forma bastante A rede elétrica utiliza corrente alternada, engenhosa. Quando o cabo está partido com ondas de 60 Hz, o que faz com que o Hubs e switches em algum ponto, o sinal elétrico per- ruído eletromagnético emitido pelos corre o cabo até o ponto onde ele está cabos elétricos prejudiquem a transmissão O hub ou switch é simplesmente o rompido e, por não ter para onde ir, de sinais através do cabo de rede, au- coração da rede. Ele serve como um retorna na forma de interferência. O mentando o número de pacotes perdidos ponto central, permitindo que todos os software cronometra o tempo que o e assim por diante. pontos se comuniquem entre si. sinal demora para ir e voltar, apontando Em algumas situações, pode ser que você Todas as placas de rede são ligadas ao com uma certa precisão depois de realmente não tenha outra saída, mas é hub ou switch e é possível ligar vários quantos metros o cabo está rompido. uma coisa que você deve evitar ao máximo hubs ou switches entre si (até um Além dos cabos em si, temos todo um fazer. Verifique se não é possível passar os máximo de 7), caso necessário. conjunto de conduítes, painéis e tomadas, cabos por baixo do carpete, ou pelo forro destinados a organizar a fiação. Você do teto, por exemplo. pode também passar cabos de rede atra- vés dos conduítes destinados aos fios de Para ser sincero, os padrões de cabeamento são definidos com uma boa margem de telefone e cabos de antena. Para isso, tolerância, para garantir que a rede funci- você vai precisar de uma guia para passar one de forma confiável em qualquer situa- os cabos (você pode comprar em lojas de ção. Já vi muitas redes com cabeamento ferragens). Existem também lubrificantes completamente fora do padrão que conti- específicos para cabos de rede, que aju- nuavam funcionando, apesar dos abusos. dam o cabo a deslizar e podem ser usados Já vi casos de cabos com bem mais de 100 A diferença entre os hubs e switches é para reduzir o stress mecânico sob o cabo metros, cabos de rede passados lado a que o hub apenas retransmite tudo o ao passá-lo por conduítes apertados ou lado com fios elétricos e até mesmo um que recebe para todos os micros conec- longas distâncias. cabo cross-over feito com fios de telefone! tados a ele, como se fosse um espelho. Enfim, o simples caso da rede "funcionar" Isso significa que apenas um micro Uma boa opção ao cabear é usar tomadas não significa que o cabeamento foi bem pode transmitir dados de cada vez e para cabos de rede, ao invés de simples- feito. Trabalhar próximo do limite vai fazer que todas as placas precisam operar na mente deixar o cabos soltos. Elas dão um com que a velocidade de transmissão da mesma velocidade, que é sempre nive- acabamento mais profissional e tornam o rede fique abaixo do normal (por causa de lada por baixo. Caso você coloque um cabeamento mais flexível, já que você colisões, pacotes perdidos e retransmis- micro com uma placa de 10 megabits pode ligar cabos de diferentes tamanhos sões) e pode causar problemas de conec- na rede, a rede toda passará a traba- às tomadas e substituí-los conforme tividade diversos, que podem ser muito lhar a 10 megabits. necessário (ao mudar os micros de lugar, complicados de diagnosticar e corrigir. por exemplo). Os switches por sua vez são aparelhos Uma observação importante é que você Se você valoriza seu trabalho, procure seguir muito mais inteligentes. Eles fecham não deve passar cabos de rede pelas as regras e fazer um bom cabeamento. Re- canais exclusivos de comunicação en- tubulações destinadas a cabos elétricos. des bem cabeadas podem durar décadas. :) tre o micro que está enviando dados ewww.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 11
  12. 12. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial o que está recebendo, permitindo que Hoje em dia, existem ainda os "level 3 switches", uma categoria ainda mais inteligente vários pares de micros troquem dados de switches, que incorporam algumas características dos roteadores. Eles permi- entre si ao mesmo tempo. Isso melhora tem definir rotas entre os diferentes micros da rede com base no endereço IP, criar bastante a velocidade em redes con- "redes virtuais", onde os micros passam a se comportar como se estivessem ligados a gestionadas, com muitos micros. Outra dois switches diferentes, e assim por diante. vantagem dos switches é que, em redes onde são misturadas placas Finalmente, temos os roteadores, que são o topo da cadeia evolutiva. Os roteadores 10/10 e 10/100, as comunicações são ainda mais inteligentes, pois são capazes de interligar várias redes diferentes e podem ser feitas na velocidade das sempre escolher a rota mais rápida para cada pacote de dados. Os roteadores operam placas envolvidas, ou seja, quando no nível 3 do modelo OSI, procurando por endereços IP, ao invés de endereços MAC. duas placas 10/100 trocarem dados, a comunicação será feita a 100 megabits Usando roteadores, é possível interligar um número enorme de redes diferentes, mesmo e quando uma das placas de 10 mega- que situadas em países ou mesmo continentes diferentes. Note que cada rede possui seu bits estiver envolvida, será feita a 10 próprio roteador e os vários roteadores são interligados entre si. É possível interligar megabits. inúmeras redes diferentes usando roteadores, e não seria de se esperar que todos os roteadores tivessem acesso direto a todos os outros roteadores a que estivesse conectado. Hoje em dia, os hubs "burros" caíram em desuso. Quase todos à venda atual- Pode ser que, por exemplo, o roteador 4 esteja ligado apenas ao roteador 1, que esteja ligado mente são "hub-switches", modelos ao roteador 2, que por sua vez seja ligado ao roteador 3, que esteja ligado aos roteadores 5 e de switches mais baratos, que custam 6. Se um micro da rede 1 precisar enviar dados para um dos micros da rede 6, então o paco- quase o mesmo que um hub antigo. te passará primeiro pelo roteador 2, será encaminhado ao roteador 3 e finalmente ao rotea- Depois destes, temos os switches "de dor 6. Cada vez que o dado é transmitido de um roteador para outro, temos um "hop". verdade", capazes de gerenciar um nú- mero muito maior de portas, sendo, por isso, adequados a redes de maior porte. Tanto os "hub-switches", quanto os switches "de verdade" são dispositivos que trabalham no nível 2 do modelo OSI. O que muda entre as duas cate- gorias é o número de portas e recursos. Os switches "de verdade" possuem interfaces de gerenciamento, que você acessa através do navegador em um dos micros da rede, que permitem visualizar diversos detalhes sobre o tráfego, descobrir problemas na rede e alterar diversas configurações, en- quanto que os "hub-switches" são dis- positivos burros.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 12
  13. 13. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Os roteadores são inteligentes o sufici- Para verificar por quantos roteadores o Dentro de uma mesma rede é possível ente para determinar o melhor cami- pacote está passando até chegar ao enviar pacotes de broadcast, que são nho a seguir. Inicialmente, o roteador destino, use o comando "traceroute" endereçados a todos os integrantes da procurará o caminho com o menor (no Linux) ou "tracert" (no Windows). rede simultaneamente. Ao usar um hub número de hops: o caminho mais curto. burro, todos os micros recebem todas as Mas se por acaso perceber que um dos Os roteadores podem ser desde PCs transmissões. Um roteador filtra tudo roteadores desta rota está ocupado comuns, com duas ou mais placas de isso, fazendo com que apenas os pacotes demais (o que pode ser medido pelo rede, até supercomputadores capazes especificamente endereçados a endere- tempo de resposta), ele procurará de gerenciar centenas de links de alta ços de outras redes trafeguem entre caminhos alternativos para desviar velocidade. Eles formam a espinha dorsal elas. Lembre-se de que, ao contrário das deste roteador congestionado, mesmo da internet. redes locais, os links de internet são que para isso o sinal tenha que passar muito caros (muitas vezes se paga por por mais roteadores. No final, apesar gigabyte transferido), por isso é essencial do sinal ter percorrido o caminho mais que sejam bem aproveitados. longo, chegará mais rápido, pois não precisará ficar esperando na fila do ro- teador congestionado. Redes wireless A internet é, na verdade, uma rede gi- gantesca, formada por várias sub-redes Roteador Usar algum tipo de cabo, seja um cabo interligadas por roteadores. Todos os de par trançado ou de fibra óptica, é a usuários de um pequeno provedor, por forma mais rápida e em geral a mais exemplo, podem ser conectados à in- Quando você usa um PC com duas placas barata de transmitir dados. Os cabos de ternet por meio do mesmo roteador. Para de rede para compartilhar a conexão com par trançado cat 5e podem transmitir baixar uma página do Yahoo, por exem- os micros da rede local, você está confi- dados a até 1 gigabit a uma distância de plo, o sinal deverá passar por vários gurando-o para funcionar como um rote- até 100 metros, enquanto os cabos de roteadores, várias dezenas em alguns ador simples, que liga uma rede (a inter- fibra ótica são usados em links de longa casos. Se todos estiverem livres, a página net) a outra (a sua rede doméstica). O distância, quando é necessário atingir será carregada rapidamente. Porém, se mesmo acontece ao configurar seu distâncias maiores. Usando 10G, é pos- alguns estiverem congestionados, pode modem ADSL como roteador. sível atingir distâncias de até 40 km, ser que a página demore vários segundos sem necessidade de usar repetidores. Pense que a diferença entre hubs e antes de começar a carregar. switches e os roteadores é justamente Mas, em muitos casos não é viável Você pode medir o tempo que um esta: os hubs e switches permitem que usar cabos. Imagine que você precise pedido de conexão demora para ir até vários micros sejam ligados formando ligar dois escritórios situados em dois o destino e ser respondido usando o uma única rede, enquanto que os rote- prédios diferentes (porém próximos), comando "ping", disponível tanto no adores permitem interligar várias redes ou que a sua mãe/esposa/marido não Linux quanto no prompt do MS-DOS, no diferentes, criando redes ainda maiores, deixa você nem pensar em espalhar Windows. como a própria internet. cabos pela casa.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 13
  14. 14. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial A solução nesses casos são as redes sem Na verdade, é bastante raro um notebook fio, que estão caindo de preço e, por isso, que venha com uma placa wireless "onbo- tornando-se bastante populares. O padrão ard". Quase sempre é usada uma placa mais usado é o Wi-Fi (Wireless Fidelity), o mini-pci (uma versão miniaturizada de uma nome comercial para os padrões 802.11b, placa PCI tradicional, que usa um encaixe 802.11a e 802.11g. A topologia deste tipo próprio), que pode ser substituída como de rede é semelhante a das redes de par qualquer outro componente. A antena não trançado, com o hub central substituído vai na própria placa, mas é montada na pelo ponto de acesso. A diferença no caso tampa do monitor, atrás do LCD e o sinal é que são usados transmissores e antenas vai até a placa através de dois cabos, que ao invés de cabos. É possível encontrar correm dentro da carcaça do notebook. tanto placas PCMCIA ou mini-PCI, para notebooks, quanto placas PCI, para Estas placas mini-pci levam uma vanta- micros desktop. gem muito grande sobre as placas wireless PCMCIA por causa da antena. As placas Quase todos os notebooks à venda atu- PCMCIA precisam ser muito compactas, almente, muitos modelos de palmtops e por isso invariavelmente possuem uma antena muito pequena, com pouca sensibi- Slot mini-pci até mesmo smartphones já incluem transmissores wireless integrados. Muita lidade. As antenas incluídas nos notebo- gente já acha inconcebível comprar um oks, por sua vez, são invariavelmente mui- notebook sem wireless, da mesma forma to maiores, o que garante uma conexão que ninguém mais imagina a idéia de muito mais estável, com um alcance muito um PC sem disco rígido, como os modelos maior e ajuda até mesmo na autonomia vendidos no início da década de 80. das baterias (já que é possível reduzir a potência do transmissor). A maioria dos notebooks fabricados a partir do final de 2002 trazem o slot mini-pci e a antena, permitindo que você compre e instale uma placa mini- pci, ao invés de ficar brigando com o alcance reduzido das placas PCMCIA. Existem vários modelos de placas mini-pci no mercado, mas elas não são um compo- nente comum, de forma que você só vai encontrá-las em lojas especializadas. É Placa wireless mini-pci possível também substituir a placa que acompanha o notebook por outro modelo, melhor ou mais bem suportado no Linux.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 14
  15. 15. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Não se engane pela foto. As placas Os pontos de acesso possuem uma saída O ponto de acesso serve apenas como mini-pci são muito pequenas, quase do para serem conectados em um hub tradi- a "última milha", levando o sinal da tamanho de uma caixa de fósforos e os cional, permitindo que você "junte" os rede até os micros com placas wireless. conectores a antena são quase do micros da rede com fios com os que estão Eles podem acessar os recursos da tamanho de uma cabeça de alfinete. acessando através da rede wireless, rede normalmente, acessar arquivos Eles são frágeis, por isso é preciso ter formando uma única rede, o que é jus- compartilhados, imprimir, acessar a in- cuidado ao plugá-los na placa. O fio tamente a configuração mais comum. ternet, etc. A única limitação fica sendo branco vai sempre no conector no canto a velocidade mais baixa e o tempo de da placa e o preto no conector mais ao Existem poucas vantagens em utilizar acesso mais alto das redes wireless. centro, como na foto. uma rede wireless para interligar micros desktops, que afinal não pre- Isso é muito parecido com juntar uma Quase sempre, o notebook tem uma cisam sair do lugar. O mais comum é rede de 10 megabits, que utiliza um chave ou um botão que permite ligar utilizar uma rede cabeada normal hub "burro" a uma rede de 100 mega- e desligar o transmissor wireless. para os desktops e utilizar uma rede bits, que utiliza um switch. Os micros Antes de testar, verifique se ele wireless complementar para os no- da rede de 10 megabits continuam se está ativado. tebooks, palmtops e outros dispositi- comunicando entre si a 10 megabits, e vos móveis. os de 100 continuam trabalhando a 100 Embora as placas mini-pci sejam compo- megabits, sem serem incomodados nentes tão padronizados quanto as placas Você utiliza um hub/switch tradicional para pelos vizinhos. Quando um dos micros PCMCIA, sempre existe a possibilidade de a parte cabeada, usando cabo também da rede de 10 precisa transmitir para algumas placas específicas não serem para interligar o ponto de acesso à rede. um da rede de 100, a transmissão é compatíveis com seu notebook. O ideal é feita a 10 megabits, respeitando a sempre testar antes de comprar, ou com- velocidade do mais lento. prar em uma loja que aceite trocar a placa por outra em caso de problemas. Para redes mais simples, onde você precise apenas compartilhar o aces- so à internet entre poucos O básico micros, todos com placas wi- reless, você pode ligar o mo- dem ADSL (ou cabo) direto Em uma rede wireless, o hub é substituí- ao ponto de acesso. Alguns do pelo ponto de acesso (access-point pontos de acesso trazem um em inglês), que tem a mesma função switch de 4 ou 5 portas em- central que o hub desempenha nas re- butido, permitindo que você des com fios: retransmitir os pacotes de crie uma pequena rede ca- dados, de forma que todos os micros da beada sem precisar comprar rede os recebam. um hub/switch adicional.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 15
  16. 16. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Isso traz mais um problema, que é a questão da interferência entre diferentes redes instaladas na mesma área. Imagine um grande prédio comercial, com muitos escritórios de empresas diferentes e cada uma com sua própria rede wireless. Os pontos de acesso podem ser configu- rados para utilizarem freqüências dife- rentes, divididas em 16 canais. Devido à legislação de cada país, apenas 11, 13 ou 14 destes canais podem ser usados e destes, apenas 4 podem ser usados simultaneamente, sem que realmente não exista interferência. Ou seja, com várias redes instaladas próximas umas das outras, os canais disponíveis são rapidamente saturados, fazendo com que o tráfego de uma efetivamente reduza o desempenho da outra. Existe ainda a questão das interferências e de materiais que atenuam o sinal. Em primeiro lugar temos as superfícies de metal em geral, como janelas, portas me- A principal diferença é que em uma rede wireless o meio de transmissão (o ar) é tálicas, lajes, vigas e até mesmo tintas compartilhado por todos os clientes conectados ao ponto de acesso, como se todos com pigmentos metálicos. Depois temos estivessem ligados ao mesmo cabo coaxial. Isso significa que apenas uma estação concentrações de líquido, como aquários, pode transmitir de cada vez, e todas as estações recebem todos os pacotes trans- piscinas, caixas dagua e até mesmo mitidos da rede, independentemente do destinatário. Isso faz com que a segurança pessoas passeando pelo local (nosso cor- dentro de uma rede wireless seja uma questão sempre bem mais delicada que em po é composto de 70% de água). uma rede cabeada. Outra questão importante é que a velocidade da rede decai conforme aumenta o número de micros conectados, principalmente quando vários Fornos de microondas operam na mesma deles transmitem dados ao mesmo tempo. freqüência das redes wireless, fazendo com que, quando ligados, eles se trans- Dependendo da potência dos transmissores nas placas e no pontos de acesso e do formem em uma forte fonte de interfe- tipo de antenas usadas, é possível propagar o sinal da rede por 200, 300 ou até rência, prejudicando as transmissões num 500 metros de distância (desde que não existam obstáculos importantes pelo raio de alguns metros. T elefones sem fio, caminho). Usando antenas Yagi (que geram um sinal mais focalizado) e amplifica- que operam na faixa dos 2.4 GHz, tam- dores é possível interligar dois pontos distantes a 2 km ou mais. bém interferem, embora em menor grau.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 16
  17. 17. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Os fabricantes falam em 150 ou até 300 Caímos, então, em um outro problema. Existe ainda o WPA, um padrão mais metros de alcance máximo, mas essas Você simplesmente não tem como seguro, que já é suportado pela grande distâncias são atingidas apenas em controlar o alcance do sinal da rede. maioria das placas e dos pontos de aces- campo aberto, em condições ideais. Na Qualquer vizinho próximo, com uma so. Existem várias variações do WPA, que prática, o alcance varia muito de acordo antena potente (ou um tubo de batata), utilizam diversos sistemas de encriptação com o ambiente. Você pode conseguir pode conseguir captar o sinal da sua diferentes, com a opção de usar um pegar o sinal de um ponto de acesso rede e se conectar a ela, tendo acesso servidor Radius para centralizar os logins instalado na janela de um prédio vizinho, à sua conexão com a web, além de da rede, opção muito usada em empre- distante 100 metros do seu (campo arquivos e outros recursos que você sas. No entanto, o mais comum em aberto), mas não conseguir acessar a tenha compartilhado entre os micros pequenas redes é usar o WPA-PSK (o rede do andar de cima (a armação de da rede, o que não é muito interessante. padrão mais simples), onde é definida ferro e cimento da laje é um obstáculo uma chave (uma espécie de senha), usa- difícil de transpor). Para compensar Eis que surge o WEP, abreviação de da para autenticar os clientes da rede. grandes distâncias, obstáculos ou "Wired-Equivalent Privacy", que, como o PSK é abreviação de "Pre-Shared Key", ou interferências, o ponto de acesso reduz a nome sugere, traz como promessa um "chave previamente compartilhada". velocidade de transmissão da rede, nível de segurança equivalente ao das como um modem discado tentando se redes cabeadas. Na prática, o WEP tem Temos, em seguida, a questão da velo- adaptar a uma linha ruidosa. Os 54 muitas falhas e é relativamente simples cidade. Nas redes 802.11b, o padrão megabits originais podem se transformar de quebrar, mas não deixa de ser uma original, a velocidade teórica é de apenas rapidamente em 11, 5.5, 2 ou até camada de proteção básica que você 11 megabits (ou 1.35 MB/s). Como as mesmo 1 megabit. sempre deve manter ativa. A opção de redes wireless possuem um overhead ativar o WEP aparece no painel de confi- muito grande, por causa da modulação Temos ainda a questão da segurança: guração do ponto de acesso. do sinal, checagem e retransmissão se você morar em um sobrado e dos dados, as taxas de transferências, colocar o ponto de acesso próximo da O WEP se encarrega de encriptar os dados na prática, ficam em torno de 750 KB/s, janela da frente do quarto no primeiro transmitidos através da rede. Existem dois menos de dois terços do máximo. andar, provavelmente um vizinho do padrões WEP: de 64 e de 128 bits. O quarteirão seguinte ainda vai conseguir padrão de 64 bits é suportado por qual- se conectar à sua rede, desde que quer ponto de acesso ou interface que substitua a antena da placa por uma siga o padrão WI-FI, o que engloba todos mais potente. Existe até uma velha os produtos comercializados atualmente. receita que circula pela internet de O padrão de 128 bits, por sua vez, não é como fazer uma antena caseira suportado por todos os produtos, mas em razoável usando um tubo de batata compensação é bem menos inseguro. Pringles. Não é brincadeira: o tubo é Para habilitá-lo será preciso que todos os forrado de papel alumínio e tem um componentes usados na sua rede su- formato adequado para atuar como portem o padrão, caso contrário os nós uma antena. que suportarem apenas o padrão de 64 bits ficarão fora da rede.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 17
  18. 18. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Conforme o cliente se distancia do ponto o acesso à web, mas é ainda mais inte- O 802.11b permitiu que placas de diferen- de acesso, a taxa de transmissão cai ressante para empresas e escolas. No tes fabricantes se tornassem compatíveis para 5 megabits, 2 megabits e 1 caso das empresas, a rede permite que e os custos caíssem, graças ao aumento megabit, até que o sinal se perca defi- os funcionários possam se deslocar na demanda e à concorrência. O padrão nitivamente. No Windows você pode pela empresa sem perder a conectivi- seguinte foi o 802.11a (que na verdade usar o utilitário que acompanha a placa dade com a rede (entrando e saindo de começou a ser desenvolvido antes do de rede para verificar a qualidade do reuniões ou caminhando pela linha de 802.11b, mas foi finalizado depois), que sinal em cada parte do ambiente onde produção, por exemplo), e basta se utiliza uma faixa de freqüência mais alta: a rede deverá estar disponível. No aproximar do prédio para que seja pos- 5 GHz e oferece uma velocidade teórica Linux isso é feito por programas como sível se conectar à rede e ter acesso de 54 megabits, porém a distâncias meno- o Kwifimanager, que veremos a seguir. aos recursos necessários. res, cerca de metade da distância atingida por uma placa 802.11b usando o mesmo No caso das escolas, a principal utilidade tipo de antena. seria fornecer acesso à web aos alunos. Muitas lojas e a maior parte dos aero- Embora os dois padrões sejam incompa- portos pelo mundo já oferecem acesso tíveis, a maior parte das placas 802.11a à web através de redes sem fio como incorporam chips capazes de trabalhar uma forma de serviço para seus clientes. nas duas faixas de freqüência, permitindo Um exemplo famoso é o da rede de que sejam usadas nos dois tipos de Veja que tanto na questão da segurança, cafés Starbuks nos EUA e Europa, onde redes. Uma observação importante é quanto na questão do desempenho, as todas as lojas oferecem acesso gratuito que, ao misturar placas 802.11a e redes wireless perdem para as redes à web para os clientes que possuem 802.11b, a velocidade é nivelada por cabeadas. A maior arma das redes wi- um notebook ou outro portátil com baixo e toda a rede passa a operar a 11 reless é a versatilidade. O simples fato placa wireless. megabits. Lembre-se que uma rede de poder interligar os PCs sem precisar wireless opera de forma similar às passar cabos pelas paredes já é o sufi- redes antigas, com cabos coaxiais: ciente para convencer muitas pessoas, Padrões todos compartilham o mesmo "cabo". mas existem mais alguns recursos inte- ressantes que podem ser explorados. O 802.11b foi o primeiro padrão wireless Finalmente, temos o padrão atual, o usado em grande escala. Ele marcou a 802.11g. Ele utiliza a mesma faixa de Sem dúvida, a possibilidade mais interes- popularização da tecnologia. Naturalmen- freqüência do 802.11b: 2.4 GHz. Isso permi- sante é a mobilidade para os portáteis. te, existiram vários padrões anteriores, te que os dois padrões sejam intercompatí- Tanto os notebooks, quanto handhelds e como o 802.11 (que trabalhava a 1 ou 2 veis. A idéia é que você possa adicionar as webpads podem ser movidos livre- megabits) e também alguns padrões placas e pontos de acesso 802.11g a uma mente dentro da área coberta pelos pon- proprietários, incompatíveis entre sí, rede 802.11b já existente, mantendo os tos de acesso sem que seja perdido o como o Arlan da Aironet e o WaveLAN, componentes antigos, do mesmo modo acesso à rede. Essa possibilidade lhe dá da NCR, que trabalhavam na faixa dos como hoje em dia temos liberdade para mobilidade dentro de casa para levar o 900 MHz e transmitiam a respectiva- adicionar placas e switches Gigabit Ethernet notebook para onde quiser, sem perder mente 860 kbits e 2 megabits. a uma rede já existente de 100 megabits.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 18
  19. 19. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Apesar disso, a velocidade de transmis- O efeito colateral é que, por transmitir contrário a rede passa a operar no modo são no 802.11g é de 54 megabits, como usando dois canais simultâneos, ele acaba 802.11g "padrão", para manter a compa- nas redes 802.11a. Na prática, em redes gerando bem mais interferência com tibilidade com todos os clientes. Na prática 802.11a é possível atingir taxas de outras redes próximas. isso é bem complicado, pois você rara- transmissão (reais) em torno de 3,4 mente pode escolher qual placa virá insta- MB/s, enquanto que as redes 802.11g A Broadcom oferece o "Broadcom lada ao comprar um notebook ou um PC são um pouco mais lentas, atingindo Afterburner", que mantém o uso de montado, por exemplo. cerca de 3,0 MB/s em condições ideais. um único canal, mas utiliza uma série de Mas, fora esta pequena desvantagem no otimizações, reduzindo o overhead das desempenho, as redes 802.11g juntam o transmissões e conseguindo assim au- Aumentando o alcance melhor dos dois mundos. mentar a percentagem de bytes "úteis" transmitidos. Entre as técnicas utilizadas Assim como em outras tecnologias de Note que, para que a rede efetivamente estão o frame-bursting (onde são enviados transmissão via rádio, a distância que o trabalhe a 54 megabits, é necessário uma série de pacotes de dados dentro de sinal é capaz de percorrer depende tam- que o ponto de acesso e todas as placas um único frame, reduzindo o overhead da bém da qualidade da antena usada. As sejam 802.11g. Ao incluir uma única transmissão) e a compressão de dados, antenas padrão utilizadas nos pontos de placa 802.11b na rede (mesmo que que ajuda ao transferir arquivos com baixo acesso (geralmente de 2 dBi) são seja seu vizinho roubando sinal), toda a índice de compressão através da rede. O pequenas, práticas e baratas, mas existe rede passa a operar a 11 megabits. As ponto fraco é que o ganho de velocidade a opção de utilizar antenas mais sofisti- placas 802.11g não são compatíveis depende muito do tipo de dados transmi- cadas para aumentar o alcance da rede. com o padrão 802.11a, mas os dois tidos (por causa da compressão). tipos de placas podem conversar a 11 Alguns fabricantes chegam a dizer que megabits, utilizando o padrão 801.11b, O Afterburner promete até 125 megabits, o alcance dos seus pontos de acesso que vira um denominador comum. contra os 108 megabits do Super G e os chega a 300 metros, usando as pequenas 54 megabits do 802.11g "regular". Na antenas padrão. Isso está um pouco Além dos padrões oficiais, existem as ex- prática, as diferenças acabam não sendo longe da realidade, pois só pode ser tensões proprietárias criadas pela Atheros e tão grandes, pois o uso de dois canais do obtido em campos abertos, livres de Broadcom para aumentar o desempenho Super G aumenta o nível de interferência qualquer obstáculo e, mesmo assim, das redes baseadas em seus produtos. com redes próximas e a vulnerabilidade a com o sinal chegando muito fraco ao interferências de uma forma geral e as final dos 300 metros, já com a rede As placas e pontos de acesso 802.11g otimizações utilizadas pelo Afterburner trabalhando na velocidade mínima, a 1 baseados em chips da Atheros utilizam aumentam o número de pacotes perdidos megabit e com um lag muito grande. o "Atheros Super G", um sistema ou corrompidos, reduzindo o ganho real dual-band, onde a placa passa a trans- de desempenho. mitir usando dois canais simultanea- mente, dobrando a taxa de transmissão. Outro problema é que as otimizações só Ele é encontrado nas placas e pontos funcionam caso você baseie toda a sua de acesso D-Link AirPlus Xtreme G e rede em placas e pontos de acesso com- nos produtos recentes da Netgear. patíveis com um dos dois padrões, casowww.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 19
  20. 20. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Apesar disso, a distância máxima e a Existem até mesmo pontos de acesso No final da instalação é usado um laser qualidade do sinal (e, conseqüentemente, extremamente robustos, desenvolvidos para fazer um ajuste fino "mirando" as a velocidade de transmissão) podem para uso industrial, que além de uma duas antenas. variar bastante de um modelo de ponto gabinete reforçado, utilizam placas sola- de acesso para outro, de acordo com a res e baterias, que permitem a eles fun- As antenas feitas com tubos de batatas qualidade e potência do transmissor e da cionar de forma inteiramente autônoma. Pringles são justamente um tipo de antena usada pelo fabricante. Existem antena Yagi de baixo ganho. Outra dica é basicamente três tipos de antenas que que os pontos de acesso quase sempre podem ser utilizadas para aumentar o possuem duas saídas de antena. Você alcance da rede. pode usar uma antena convencional em uma delas, para manter o sinal em um As antenas Yagi são as que oferecem um raio circular, atendendo aos micros pró- maior alcance, mas em compensação são ximos e usar uma antena Yagi na segun- capazes de cobrir apenas uma pequena da, para criar um link com um local área, para onde são apontadas. Estas específico, distante do ponto de acesso. antenas são mais úteis para cobrir algu- ma área específica, longe do ponto de acesso, ou interligar duas redes distantes. Em ambos os casos, o alcance ao usar uma antena Yagi pode facilmente ultrapassar os 1000 metros. Usando Estação repetidora uma antena de alto ganho em cada ponto, uma delas com um amplificador Outra solução comum é usar dois pares de 1 watt (o máximo permitido pela do cabo de rede (a rede funciona per- legislação), é possível atingir 5 km ou feitamente apenas com dois pares) mais. As Yagi são também o melhor para enviar energia ao ponto de aces- Antena Yagi tipo de antena a usar quando é preci- so, eliminando o uso de um cabo de so concentrar o sinal para "furar" um força separado. Esta solução é chamada obstáculo entre as duas redes, como, de "Power Over Ethernet" (POE), veja A segunda opção são as antenas por exemplo, um prédio bem no meio mais detalhes no: ominidirecionais, que, assim como do caminho. Nestes casos a distância http://www.poweroverethernet.com/. as antenas padrão dos pontos de atingida será sempre mais curta, na- acesso, cobrem uma área circular turalmente. Voltando ao tema principal, a instalação em torno da antena. Elas são boas das antenas Yagi é complicada, pois uma irradiando o sinal na horizontal, mas Uma solução muito adotada nestes antena deve ficar apontada exatamente não na vertical, por isso devem ser casos é usar um repetidor instalado para a outra, cada uma no topo de um sempre instaladas "de pé", a menos num ponto intermediário, permitindo prédio ou morro, de forma que não exista que a intenção seja pegar sinal no que o sinal desvie do obstáculo. nenhum obstáculo entre as duas. andar de cima.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 20
  21. 21. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial As antenas nos clientes devem sem- Uma terceira opção de antena são as Os pigtails invariavelmente causam uma pre estar alinhadas (também de pé) parabólicas ou miniparabólicas, que pequena perda de sinal, pois para ser com a antena do ponto de acesso, também captam o sinal em apenas flexível o cabo possui apenas uma fina para uma melhor recepção. Caso o uma direção, de forma ainda mais con- camada de blindagem. Justamente por cliente use algum tipo de antena mini- centrada que as Yagi, permitindo que isso, eles devem ser o mais curto yagi, então a antena deve ficar apon- sejam atingidas distâncias maiores. As possíveis, tendo apenas o comprimento tada para o ponto de acesso. miniparabólicas mais "populares" pos- necessário para realizar a conexão. suem, geralmente, 24 ou 28 dbi de A vantagem de usar uma ominidirecional potência, enquanto as maiores e mais externa é a possibilidade de utilizar caras podem chegar a 124 dBi (ou mais). uma antena de maior ganho. Existem modelos de antenas ominidirecionais de 3 dBi, 5 dBi, 10 dBi ou até mesmo 15 dBi, um grande avanço sobre as antenas de 2 ou 3 dBi que acompa- nham a maioria dos pontos de acesso. Cabo pigtail Antena miniparabólica Ao cobrir distâncias maiores, o ideal é que o ponto de acesso seja instalado próximo Estas antenas podem custar de 30 a mais à antena, com um cabo de rede ligando-o de 200 dólares, dependendo da potência. ao servidor ou switch. As redes 801.11x As antenas Yagi estão entre as mais caras, trabalham com sinais de baixa potência vendidas por 150 dólares ou mais. Além do (em geral menos de 0.25 watt); por isso, problema do preço, existe um aumento no qualquer tipo de cabo longo causa uma risco de uso indevido na rede, já que o sinal grande perda de sinal. Antena ominidirecional irá se propagar por uma distância maior, mais uma razão para reforçar a segurança. Para casos em que a antena do ponto de Assim como as Yagi, as antenas ominidi- acesso não é suficiente, mas também não recionais podem ser usadas tanto para Para ligar as antenas ao ponto de acesso existe necessidade de uma antena cara, aumentar a área de cobertura do ponto ou à placa é usado um cabo especial existe a opção de fazer um defletor casei- de acesso, quanto serem instaladas em chamado pigtail, um cabo fino, sempre ro, que concentra o sinal recebido pela placas de rede wireless com antenas des- relativamente curto, usado como um antena padrão do ponto de acesso, fa- tacáveis, permitindo captar o sinal do adaptador entre a minúscula saída usada zendo com que ela cubra uma área mais ponto de acesso de uma distância maior. nas placas e a entrada do cabo ou antena. focalizada, porém com um ganho maior.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 21
  22. 22. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial Além de melhorar a qualidade do sinal Você pode baixar o modelo com os ân- Ao invés disso, o ponto de acesso na área desejada, ela reduz o alcance gulos corretos no: transmite o mesmo sinal usando ambas nas demais direções, fazendo com que http://www.freeantennas.com/projects/Ez-10/ as antenas, simplesmente selecionan- seja muito mais difícil captar o sinal da do a que oferece um sinal de melhor sua rede de fora. Várias fotos com exemplos estão dis- qualidade com relação a cada cliente. poníveis no: Muitos pontos de acesso de baixo custo, Esta é uma receita muito simples. Você http://www.freeantennas.com/projects/template/gallery/ estão passando a utilizar uma única precisa de alguma folha de metal ou fio antena, o que favorece o surgimento (como uma malha de fios, papel alumí- Existe ainda a popular "cantenna", um tipo de pontos cegos. nio, papel laminado ou um pedaço de de antena Yagi feita usando uma lata de lata) e papelão. Cobrindo um pedaço batata Pringles. Você encontra a receita no: Os pontos de acesso 802.11n (com retangular do papelão com a folha http://www.oreillynet.com/cs/weblog/view/wlg/448 três antenas), por sua vez, utilizam o metálica e dobrando-o num ângulo de mimo, um sistema mais sofisticado, 90 graus (formando um meio quadrado) Vamos então a um conjunto de respostas onde cada uma das antenas transmite você obtém um concentrador de sinal, rápidas às duvidas mais comuns relaci- um sinal independente e o ponto de que pode ser encaixado nas antenas do onadas à antenas: acesso se encarrega de remontar o ponto de acesso: sinal original combinando os sinais Interferência: Usar uma antena de das três antenas, além de levar em alto ganho não ajuda muito com rela- conta fatores como a reflexão do sinal ção a interferências criadas por outras por paredes e outros objetos. Isso redes próximas, telefones sem fio ou permite que o 802.11n ofereça uma aparelhos de microondas, já que junto taxa de transmissão e alcance maio- com o sinal, a antena também amplifica res que os 802.11g. todas as fontes de interferência na mesma proporção. Uma solução neste Comprimento do cabo: O sinal de caso pode ser substituir a antena uma rede wireless é bastante fraco, por ominidirecional do ponto de acesso, isso os cabos e conectores representam ou do cliente afetado por uma antena sempre um ponto importante de perda. yagi ou outro tipo de antena direcional. O ideal é sempre utilizar cabos com 3 Assim como em uma antena parabólica, Isto permite concentrar o sinal, evitando metros ou menos, de forma que a perda os sinais são refletidos pela folha metálica as fontes de interferência. seja limitada. Caso precise de cabos e concentrados em direção à antena do mais longos, procure cabos blindados, ponto de acesso, aumentando o ganho. Uso de duas antenas: A maioria dos que reduzem a perda. Leve em conta Por outro lado, o sinal torna-se muito mais pontos de acesso 802.11b e 802.11g que por melhor que seja a qualidade do fraco nas outras direções, dificultando as utilizam duas antenas, mas (com exce- cabo e conectores usados, você quase coisas para seu vizinho interessado em ção de alguns hacks que ativam esta sempre terá uma perda de 2 a 3 dBi. roubar sinal. Apesar de primitivos, estes função), elas não são usadas de forma Leve isso em consideração ao escolher defletores podem proporcionar um ganho independente, uma para enviar e outra qual antena usar. de até 12 dBi, um upgrade respeitável. para receber, por exemplo.www.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 22
  23. 23. Ano 1 - Nº 6 - Junho 2007 | Especial em um mesmo servidor, com um único Além do endereço IP, qualquer pacote que Portas TCP e UDP endereço IP válido. O endereço IP contém o circula na internet precisa conter também a CEP da rua e o número do prédio, enquanto porta TCP a que se destina. É isso que faz Ao conectar na internet, seu micro a porta TCP determina a que sala dentro do com que um pacote chegue até o servidor recebe um endereço IP válido. Mas, prédio a carta se destina. web e não ao servidor FTP instalado na normalmente mantemos vários pro- mesma máquina. As portas TCP mais usadas (também gramas ou serviços abertos simultane- chamadas de "well known ports") são as Além das 65.536 portas TCP, temos o amente. Em um desktop é normal ter portas de 0 a 1023, que são reservadas um programa de e-mail, um cliente de mesmo número de portas UDP, seu proto- para serviços mais conhecidos e utilizados, colo irmão. Embora seja um protocolo menos FTP ou SSH, o navegador, um cliente de como servidores web, FTP, servidores de usado que o TCP, o UDP continua presente ICQ ou MSN, dois ou três downloads via e-mail, compartilhamento de arquivos, nas redes atuais pois oferece uma forma bittorrent e vários outros programas etc. A porta 80, por exemplo, é reservada alternativa de envio de dados, onde ao invés que enviam e recebem informações, para uso de servidores web, enquanto a da confiabilidade é privilegiada velocidade e enquanto um único servidor pode manter porta 21 é a porta padrão para servidores simplicidade. Vale lembrar que, tanto o TCP, ativos servidores web, FTP, SSH, DNS, FTP. A porta "0" é reservada, por isso não quanto o UDP, trabalham na camada 4 do LDAP e muitos outros serviços. entra realmente na lista. modelo OSI. Ambos trabalham em conjunto com o IP, que cuida do endereçamento. Se temos apenas um endereço IP, como todos estes serviços podem funcionar ao mesmo tempo sem entrar em conflito? Imagine que as duas partes do endereço IP (a parte referente à rede e a parte referente ao host) correspondem ao CEP da rua e ao número do prédio. Um carteiro só precisa destas duas infor- mações para entregar uma carta. Mas, dentro do prédio moram várias pessoas. O CEP e número do prédio só vão fazer a carta chegar até a portaria. Daí em diante é preciso saber o número do apartamento. É aqui que entram as famosas portas TCP. Existem 65.536 portas TCP, numeradas de 1 a 65536. Cada porta pode ser usada por um programa ou serviço diferente, de forma que em teoria poderíamos ter até 65536 serviços diferentes ativos simultaneamentewww.guiadohardware.net :: Revista Índice Especial Redes :: 23

×