Os Maias - Cap. XIV

3.018 visualizações

Publicada em

Trabalho de Português: "Os Maias - Cap. XIV"

11º Ano

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.018
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Maias - Cap. XIV

  1. 1. Os Maias Capítulo XIV
  2. 2. I Partida do avô para Santa Olávia. Partida de Ega para Sintra deixando uma carta a Carlos. Taveira adverte Carlos sobre as intenções do Dâmaso.
  3. 3. II Os Cohen também foram para Sintra passar o Verão. Alencar refere-se, de novo, ao tio do Dâmaso, o Guimarães. Carlos e Maria Eduarda continuam no seu idílio amoroso e projetam uma viagem a Itália no Inverno.
  4. 4. III Carlos encontra Miss Sara deitada na relva, numa noite de amor com um homem que parecia um jornaleiro... Craft, ao regressar de Santa Olávia, diz a Carlos que o avô está muito desgostoso por ele ainda não o ter visitado. Para tentar remediar a situação, Carlos decide ir a Santa Olávia. No dia da partida, Maria Eduarda visita o Ramalhete.
  5. 5. IV Maria Eduarda confessa a Carlos que ele se parece com a sua mãe. Ega, de regresso de Sintra, dirige-se ao Ramalhete, onde encontra Carlos e Maria Eduarda. Castro Gomes, vindo do Rio de Janeiro, visita o Ramalhete e mostra a Carlos uma carta anónima, na qual lhe relatam os amores de Carlos e de Maria Eduarda. Então, informa o protagonista da intriga de que Maria Eduarda não é sua mulher.
  6. 6. “Um homem que teve a honra de apertar a mão de Vossa Excelência – eu dispensava a honra... - que teve a honra de apertar a mão de Vossa Excelência e de apreciar o seu cavalheirismo, julga dever preveni-lo que sua mulher é, à vista de toda a Lisboa, a amante de um rapaz muito conhecido aqui, Carlos Eduardo da Maia, que vive numa casa às Janelas Verdes, chamada o Ramalhete. Este herói, que é muito rico, comprou expressamente uma quinta nos Olivais, onde instalou a mulher de Vossa Excelência e onde a vai ver todos os dias, ficando às vezes, com escândalo da vizinhança, até de madrugada. Assim o nome honrado de Vossa Excelência anda pelas lamas da capital.”
  7. 7. V Castro Gomes esclarece ainda Carlos que Maria Eduarda é, afinal, Mme. Mac Gren e, para que não restassem dúvidas, Rosa não era a sua filha. Carlos fica profundamente abalado e humilhado com esta revelação e conclui que a mulher por quem estava apaixonado não passava de uma “cocotte”. Depois, desabafa com Ega acerca desta situação.
  8. 8. VI Por fim, vai a casa da Maria Eduarda com a intenção de lhe remeter um cheque e de se despedir com palavras frias. No caminho para os Olivais, encontra a criada de Maria Eduarda que lhe diz que Castro Gomes tinha estado com a senhora e que ela ficara muito transtornada.
  9. 9. VII Maria Eduarda, em tom justificativo e explicativo, fala a Carlos do seu passado - analepse. Após esta conversa, Carlos que inicialmente recriminava Maria, fica comovido e convence-se de que ela não era a mulher vulgar que imaginara ainda há pouco e acaba por pedi-la em casamento.
  10. 10. Espaço Físico Santa Olávia Lisboa Sintra
  11. 11. Tempo  Abarca de forma desigual uma larga faixa do século XIX.  A ação decorre durante um período de quase setenta anos.  Apresenta uma ordenação nem sempre cronológica.
  12. 12. Narrador Focalização Omnisciente Focalização Interna Participante (como personagem)

×