Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 60

3.565 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.565
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.767
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 60

  1. 1. Ler mais o texto («Tabacaria»); mostrar que o tinham analisado.
  2. 2. «felicidade da escrita», escrita feliz = boa redação, boa escrita
  3. 3. Fernando Pessoa Álvaro de Campos
  4. 4. «epopeia do fracasso»
  5. 5. Só a uma primeira leitura é que as afirmações de Bréchon parecerão contraditórias ou constituir antíteses. Na verdade, o fracasso absoluto pode ser objeto de uma epopeia. O cansaço existencial, a consciência da derrota por inadaptação ao comum, condimentados com o nervosismo que a poesia de Campos já evidenciara na fase mais futurista, tornam possível que «Tabacaria» surja como momento épico, ainda que numa epopeia que glorifica a frustração do sujeito («Não sou nada. / Nunca serei nada. / Não posso querer ser nada.»). Lá estão a extensão (cem versos, sem contar com cortes), a ênfase
  6. 6. (vejam-se as anáforas, por exemplo, nos vv. 83-87) e certa gravidade de tom (embora entrecortada com momentos de desfocagem: «Se eu casasse com a filha da minha lavadeira / Talvez fosse feliz») que são habituais nas epopeias, enquanto que o herói é o «eu» deprimido, em costumada exibição autocen-trada e disfórica. E é uma escrita feliz — enten-da-se, conseguida, perfeita — a que tão bem transmite esta histriónica infelicidade do nos-so anti-herói.
  7. 7. Na frase «Limpámos a casa, arrumámos os quartos e fizemos o jantar.», a oração destacada classifica-se como... oração coordenada assindética. || oração coordenada copulativa. || oração coordenada disjuntiva. || oração coordenada conclusiva.
  8. 8. Na frase «Choveu tanto que o telhado da casa abateu.», a oração destacada classifica-se como... oração subordinada substantiva completiva. || oração subordinada adjetiva relativa restritiva. || oração subordinada adverbial causal. || oração subordinada adverbial consecutiva.
  9. 9. Na frase «Caso o projeto seja aprovado, iniciaremos o trabalho no próximo mês.», a oração destacada classifica-se como... oração subordinada adverbial consecutiva. || oração subordinada adverbial concessiva. || oração subordinada adverbial causal. || oração subordinada adverbial condicional.
  10. 10. Na frase «Os animais que nasceram recentemente no Jardim Zoológico atraíram muitos visitantes.», a oração destacada classifica-se como... oração subordinante. || oração subordinada adjetiva relativa restritiva. || oração subordinada adjetiva relativa explicativa. || oração coordenada.
  11. 11. Na frase «Ele fala melhor do que escreve.», a oração destacada classificase como... oração subordinada substantiva completiva. || oração subordinada adverbial concessiva. || oração subordinada adverbial consecutiva. || oração subordinada adverbial comparativa.
  12. 12. Na frase «Enquanto víamos o filme, comíamos pipocas.», a oração destacada dassifica-se como... oração subordinante. || oração subordinada adverbial causal. || oração subordinada adverbial temporal. || oração subordinada adverbial concessiva.
  13. 13. Na frase «Este quadro é o mais bonito, portanto vou levá-lo.», a oração destacada classifica-se como... oração coordenada explicativa. || oração subordinada adverbial causal. || oração subordinada adverbial consecutiva. || oração coordenada conclusiva.
  14. 14. Na frase «O livro cujo autor foi premiado está à venda nesta livraria.», a oração destacada classifica-se como... oração subordinada adjetiva relativa explicativa. || oração subordinada adjetiva relativa restritiva. || oração subordinada substantiva relativa. || oração subordinada substantiva completiva.
  15. 15. Dado que a exposição é muito interessante oração subordinada adverbial causal amanhã visitaremos o museu oração subordinante
  16. 16. Ele considera oração subordinante que este texto é muito atual. oração subordinada substantiva completiva.
  17. 17. Ele deparou com vários obstáculos ao longo do caminho oração coordenada contudo nunca desistiu. oração coordenada adversativa.
  18. 18. Embora não o conheça pessoalmente oração subordinada adverbial concessiva julgo que é um bom profissional oração subordinante (da oração subordinada adverbial concessiva); julgo oração subordinante que é um bom profissional oração subordinada substantiva completiva.
  19. 19. A ginasta esforçou-se tanto oração subordinante que conseguiu vencer a prova. oração subordinada adverbial consecutiva.
  20. 20. Assim que a campainha tocou oração subordinada adverbial temporal abri a porta oração subordinante.
  21. 21. Entrei no carro oração coordenada pus a chave na ignição oração coordenada assindética e liguei os faróis. oração coordenada copulativa.
  22. 22. A professora deu instruções detalhadas oração subordinante a fim de que os alunos não tivessem dúvidas na realização do trabalho. oração subordinada adverbial final.
  23. 23. a) 3 b) 5 c) 8 d) 6 e) 2 f) 1
  24. 24. A letra da canção assenta em dois tipos de discrepância ao nível da adequação discursiva.
  25. 25. Dado tratar-se de um rap, não esperávamos muitas das palavras e sintaxe usadas, que são mais características do uso escrito do que do uso oral: «fornicar», «extremo vigor», «proporcionar», «envereda pelo banditismo», «furtar», «redunda em libertinagem», «descarta», «numismática».
  26. 26. Também o registo é mais formal do que é habitual neste género de canções, embora haja algumas raras marcas de informalidade ou expressões mais coloquiais, familiares (as interjeições «ui», «ei» e «hum»; léxico do calão, como «bófia»; expressões que talvez sejam relativamente populares-familiares: «vestida para o pecado», «ninguém me tira», «[fazer-se] esquisita»; «é do melhor que há»; «da pesada»).
  27. 27. Podemos dizer que, exceto nestes poucos casos mencionados, se segue o padrão, a norma linguística, não havendo incorreções, nem as marcas de variedade linguística (social, situacional, até geográfica) que associamos ao rap.
  28. 28. Em termos de tratamento, usa-se uma fórmula familiar, «amigos», que implica o uso da 3.ª pessoa do plural (pessoa verbal correspondente a ‘vocês’), que funciona como plural do tratamento em ‘tu’, porque, mesmo em registos formais, praticamente não se usa hoje em dia o ‘vós’ (a verdadeira 2.ª pessoa do plural).
  29. 29. Quanto a variedades (ou variantes) do português, há um termo que é mais típico da variante brasileira: «cafageste». Entretanto, tenho dúvidas quanto à origem de «curtir» na aceção em que surge (será talvez também da variedade sul-americana).
  30. 30. A (5) Os jovens gostam de ler livros nas férias de aventuras. Nas férias, os jovens gostam de ler livros de aventuras.
  31. 31. B (2) Os Lusíadas é o nome da epopeia que escreveu Camões. Os Lusíadas é o nome da epopeia que Camões escreveu.
  32. 32. C (9) Se ele escrevesse outras epopeias também a leríamos. Se ele escrevesse epopeias também as leríamos.
  33. 33. D (6) Quem escreveu Os Lusíadas é Luís de Camões. Quem escreveu Os Lusíadas foi Luís de Camões.
  34. 34. E (10) A obra de Luís de Camões e de Fernando Pessoa existe na biblioteca. As obras de Luís de Camões e de Fernando Pessoa existem na biblioteca.
  35. 35. F (3) A Mensagem de Fernando Pessoa é um livro que eu gosto. A Mensagem de Fernando Pessoa é um livro de que eu gosto.
  36. 36. G (4) Fernando Pessoa respondeu para Mário de Sá-Carneiro numa breve carta. Fernando Pessoa respondeu a Mário de Sá-Carneiro numa breve carta.
  37. 37. H (1) A Mensagem é uma obra-prima, mas é um grande livro. A Mensagem é uma obra-prima, logo é um grande livro.
  38. 38. I (8) Ele sempre utilizou. Ele sempre utilizou os saca-rolhas.
  39. 39. J (7) Devido aos seus problemas, a Ana esteve sempre sobre observação. Devido aos seus problemas, a Ana esteve sempre sob observação.
  40. 40. Tratam-se, de uma maneira geral, de apartamentos lindíssimos.
  41. 41. Ainda existem muitas pessoas que precisam de casa.
  42. 42. No futuro haverá muitas casas tão boas como essas.
  43. 43. Fazem dez anos que mudei para a casa onde vivo.
  44. 44. Em Portugal precisam-se muito de casas novas.
  45. 45. A casa é muito boa, logo gostei bastante dela.
  46. 46. Em todas as casas há excelentes roupeiros, por conseguinte o Filipe comprou trinta mil apartamentos.
  47. 47. Eu perguntei-lhe se queria ser meu namorado.

×