"O autor de policiais mais original do nossotempo.“"Um dos maiores escritores norte-americanos donosso tempo. Em White Jaz...
1.2.Estas citações referem-se a White Jazz—Noites Brancas em termosencomiásticos, considerando-o ummodelo do género polici...
• “um chato”• “grunho reacionário e pretensioso”• “poesia para quem nunca leu um poema”• “nem sequer um horror consegue se...
5. No subtítulo, considera-se que Ellroy«berra em vez de escrever». No parágrafodas ll. 56-62 retoma-se a mesma críticaaos...
4. Com efeito, o estilo de Ellroy, aomesmo tempo que é explicitamentecriticado pelo recenseador — «Escrevecomo quem bate n...
a. A obra tem como um dos seus aspetospositivos a originalidade narrativa.
b. De negativo, o crítico aponta-lhe umestilo demasiado descritivo.Estilo é telegráfico.
c. James Ellroy transporta os leitorespara um ambiente de submundocorrupto e violento.
d. A ação decorre nos anos 60 em LosAngeles.Nos anos 50.
e. Neste livro, são os interesses dealguns políticos que se sobrepõem àsforças sociais, fazendo delas verdadeirasmarionetas.
f. White Jazz - Noites Brancas, obrapublicada originalmente em 1992, éconsiderada uma das melhores obras doautor.
g. A personagem principal, o tenenteDave Klein, é destacada para investigarum assalto ligado ao carjaquim e aofernando por...
Lusíadas (Anaquim)Este é o nosso triste fadoDo vamos andando e do pobre coitadoVelha canção em que a culpa é do estadoPor ...
Temos fuga ao fisco, estradas de alto riscoTemos valiosos costumes e tradiçõesQue eu não percebo, se nos maldizemos,quais ...
Gosto tanto deste paísSó não entendo o que o faz felizSe é rir da miséria de outros quando a vemosOu chorar da nossa própr...
Os queixumes, sei-os de corEndereçados, a Nosso SenhorIntercalados, com suspiro ou dorDe um bom sofredor.Dentro de momento...
Gosto tanto deste paísSó não entendo o que o faz felizSe é rir da miséria de outros quando a vemosOu chorar da nossa própr...
Bocados de mim (Anaquim)Eu gostava de ser dessas pessoas positivas queandam pela vida cheias de planos para amanhãQue dize...
Se tudo fosse sim ou não para mim era mais fácile eu não tinha que magoar as pessoas [de] quegosto maisEu gostava de ser m...
De me recordar de cheiros, de barulhos e dosdiscos com que a minha irmã me ensinou a seralguém do rockMas ando pela vida f...
Eu gostava de ser qualquer coisa mais peculiarcomo o blogue da Filipa e os textos que lá dizUm assunto que tivesse algum e...
Mas ando pela vida cinzentão e esbatido,sem ter a coragem de convidar gente paradançarMas ando pela vida sem ter a lata do...
Eu gostava de ser qualquer coisa mais bonita,fosse o sorriso da Rita, fosse o carinho da RuteDe lutar cegamente por aquilo...
São só bocados de mim, são só bocados de nósSão só bocados que eu, enfim, deixei ir na minha     voz
TPC — Uma tarefa para váriostepecês: ler um livro. Nas pp. 24-25 domanual há algumas sugestõesinteressantes (ao lado de ou...
•   policial•   obra lusófona•   obra de literatura universal•   livro de teatro•   contos sobre áreas específicas•   biog...
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20

1.171 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.171
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
941
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo primeiro ano de 2012 3, aula 19-20

  1. 1. "O autor de policiais mais original do nossotempo.“"Um dos maiores escritores norte-americanos donosso tempo. Em White Jazz, Ellroy leva a formaao rubro.“"Mais negro que noir... faz parecer naïve a maioriados outros policiais.""De longe o seu melhor livro até ao momento.“"O melhor policial de James Ellroy."
  2. 2. 1.2.Estas citações referem-se a White Jazz—Noites Brancas em termosencomiásticos, considerando-o ummodelo do género policial.
  3. 3. • “um chato”• “grunho reacionário e pretensioso”• “poesia para quem nunca leu um poema”• “nem sequer um horror consegue ser”• “banda desenhada sem desenhos”• “cinema parado, com sucessão de fotografias desligadas”• "um pesado"• “um acumulador de tiques e de acontecimentos”• “[as suas obras são] migalhas de ação e desabafos”
  4. 4. 5. No subtítulo, considera-se que Ellroy«berra em vez de escrever». No parágrafodas ll. 56-62 retoma-se a mesma críticaaos autores «gritadores», que escreve-riam para ser ouvidos, mais do que paraser lidos. Estas metáforas devem quererrealçar que a literatura não ganha em serexplicitamente violenta, demasiado ciosade expressividade. Conseguem melhoresresultados os escritores que permitemaos leitores inferir o que lhes quereminculcar.
  5. 5. 4. Com efeito, o estilo de Ellroy, aomesmo tempo que é explicitamentecriticado pelo recenseador — «Escrevecomo quem bate nas teclas. Cheio denúmeros. E paragens abruptas» —, vaisendo parodiado pelo uso de frasesexageradamente curtas, que se percebereplicarem o que se destacara comonegativo na escrita do autor americano. Porexemplo, «26 letras. Pensamentos para-dos» são caricaturais, pelo absurdo do queafirmam e pela assunção dos exatos tiquesformais de White Jazz.
  6. 6. a. A obra tem como um dos seus aspetospositivos a originalidade narrativa.
  7. 7. b. De negativo, o crítico aponta-lhe umestilo demasiado descritivo.Estilo é telegráfico.
  8. 8. c. James Ellroy transporta os leitorespara um ambiente de submundocorrupto e violento.
  9. 9. d. A ação decorre nos anos 60 em LosAngeles.Nos anos 50.
  10. 10. e. Neste livro, são os interesses dealguns políticos que se sobrepõem àsforças sociais, fazendo delas verdadeirasmarionetas.
  11. 11. f. White Jazz - Noites Brancas, obrapublicada originalmente em 1992, éconsiderada uma das melhores obras doautor.
  12. 12. g. A personagem principal, o tenenteDave Klein, é destacada para investigarum assalto ligado ao carjaquim e aofernando por esticão.Ligado ao narcotráfico e ao crimedesorganizado.
  13. 13. Lusíadas (Anaquim)Este é o nosso triste fadoDo vamos andando e do pobre coitadoVelha canção em que a culpa é do estadoPor ser o espelho do reinadoE a história por mais do que uma vezFoi mais cruel que a de Pedro e InêsLevou-nos o que tanta falta nos fezSem deixar razões ou porquês
  14. 14. Temos fuga ao fisco, estradas de alto riscoTemos valiosos costumes e tradiçõesQue eu não percebo, se nos maldizemos,quais as razões?Temos chico-espertos, burlas e protestosTemos tantos motivos p’ra sorrirQue eu nem imagino qual será a desculpa que vem a seguir…
  15. 15. Gosto tanto deste paísSó não entendo o que o faz felizSe é rir da miséria de outros quando a vemosOu chorar da nossa própria quando a temosGosto tanto deste paísSó não entendo quando ele se dizSenhor de um futuro maturo, duro, mas seguroE eu juro que ainda não o vi
  16. 16. Os queixumes, sei-os de corEndereçados, a Nosso SenhorIntercalados, com suspiro ou dorDe um bom sofredor.Dentro de momentos, seguem-se os lamentosNão há dinheiro p’rós medicamentosNão há dinheiro p’ra tanto sustentoTão longe vão outros tempos.
  17. 17. Gosto tanto deste paísSó não entendo o que o faz felizSe é rir da miséria de outros quando a vemosOu chorar da nossa própria quando a temosGosto tanto deste paísSó não entendo quando ele se dizSenhor de um futuro maturo, duro mas seguroEu juro que ainda não o vi.
  18. 18. Bocados de mim (Anaquim)Eu gostava de ser dessas pessoas positivas queandam pela vida cheias de planos para amanhãQue dizem frases feitas mas têm suas própriasmaniasQue os outros gostam delas porque elas sãomesmo assimEu gostava que, no fundo, o mundo fosse simplesQue o dia fosse um barco e a noite fosse um cais
  19. 19. Se tudo fosse sim ou não para mim era mais fácile eu não tinha que magoar as pessoas [de] quegosto maisEu gostava de ser mais ajuda para a famíliade aprender a fazer bolos em casa da minha avóPorque ela me quer lá e até faz alguns petiscoscom a minha mãe a ajudar para que ela não sesinta sóEu gostava de me lembrar mais de algumas coisasque a vida foi levando em tratamento de choque
  20. 20. De me recordar de cheiros, de barulhos e dosdiscos com que a minha irmã me ensinou a seralguém do rockMas ando pela vida feito placa de auto-estradaque ensina o caminho aos outros mas poucosabe de siMas ando pela vida por ver andar meus amigose confesso que, por vê-los, nem me custa andaraí
  21. 21. Eu gostava de ser qualquer coisa mais peculiarcomo o blogue da Filipa e os textos que lá dizUm assunto que tivesse algum efeito naspessoas, como os poemas da Inês ou asanedotas do LuísEu gostava de me dedicar aos trocadilhosque me fazem perder tempo e não fazem rirninguémPorque há coisas que não são para rir, são sópara ter pinta, já dizia o meu pai e eu só agoraentendi bem
  22. 22. Mas ando pela vida cinzentão e esbatido,sem ter a coragem de convidar gente paradançarMas ando pela vida sem ter a lata do Hugo, queé capaz de fazer tudo para a malta se animarEu gostava de saber explicar bem o que sinto,não mentir como minto quando digo que estoubemPorque todos temos dores e para cheirar asflores desbravamos os caminhos com a ajudade quem vem
  23. 23. Eu gostava de ser qualquer coisa mais bonita,fosse o sorriso da Rita, fosse o carinho da RuteDe lutar cegamente por aquilo [em] que se acredita,porque há lutas que se perdem mas precisam quealguém luteMas ando pela vida às vezes sem ser sincero, issolá me vai pesando quando é hora de deitarFinjo ser a pessoa que eu quero que os outrosgostem, e acabo a não ser nada [de] que valha apena gostar
  24. 24. São só bocados de mim, são só bocados de nósSão só bocados que eu, enfim, deixei ir na minha voz
  25. 25. TPC — Uma tarefa para váriostepecês: ler um livro. Nas pp. 24-25 domanual há algumas sugestõesinteressantes (ao lado de outras, parece-me, insensatas). Porém, eu defenderiaque optassem por um policial, para oque, brevemente, darei mais indicações.
  26. 26. • policial• obra lusófona• obra de literatura universal• livro de teatro• contos sobre áreas específicas• biografias

×