Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 55-56

896 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
896
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
587
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2014 5, aula 55-56

  1. 1. O que te peço é que troques esse final (ll. 110-140) por uma conclusão em que o cronista se limite a comentar o episódio que relatara até aí, embora tentando tirar dele uma lição. Não haverá portanto narração de agressões ao empregado, mas, como seria normal numa crónica mais convencional, uma breve reflexão de índole opinativa (em estilo incisivo, talvez, por ser o mais típico do fecho das crónicas). Não pretendo mais de cem palavras.
  2. 2. • 1.ª pessoa • Jornal (público vai ler) • «Quero», portugalidade
  3. 3. O título «Entrevistas» fazia prever que nos fôssemos deparar com um texto expositivo sobre aquele género jornalístico (sobre a «entrevista») ou, menos provavelmente, com um conjunto de trechos de entrevista (um género dos media que é do tipo conversacional). Porém, ao lermos o texto, percebemos que se trata afinal de uma crónica. Aborda-se um facto do quotidiano, como é habitual neste género jornalístico, num estilo tão subjetivo que se aproxima do de qualquer texto literário.
  4. 4. Entretanto, para transmitir a sua atitude relativamente às entrevistas — que é de desinteresse e embaraço —, o cronista acaba mesmo por inserir perguntas que se percebe lhe terão sido postas em situação de entrevista. Não nos apresenta respostas a essas perguntas, que vão sendo aliás desvalorizadas pela presença de uma linha narrativa e memorialística que se lhes sobrepõe.
  5. 5. Escuta a crónica de Fernando Alves (do programa «Sinais», da TSF) e diz se as afirmações na p. 81 são V(erdadeiras) ou F(alsas).
  6. 6. • A. (F) A BBC pediu desculpas pelo equívoco que pode ter sido a desgraça de Guy Goma. [até pode ter sido a sua sorte]
  7. 7. • B. (F) Guy Goma é um cidadão congolês recém-licenciado em Sociologia, mas desempregado. [licenciado em Economia]
  8. 8. • C. (F) Goma encontrava-se na receção das BBC à espera de uma entrevista de trabalho, quando foi confundido com o diretor de um portal de Internet sobre Fisiatria. [sobre tecnologia]
  9. 9. • D. (F) Guy Goma foi levado a uma emissão sobre Psicologia no canal «24 horas». [sobre informática]
  10. 10. • E. (V) Guy Goma ficou surpreendido com a pergunta da apresentadora da BBC.
  11. 11. • F. (V) A entrevista para a BBC valeu a Guy Goma um emprego.
  12. 12. • G. (F) O cronista chama a Guy Goma «o entrevistado que mordeu a maçã». [o homem que mordeu a maçã]
  13. 13. • H. (V) Segundo o cronista, o equívoco em causa é uma exceção nos dias que vão correndo.
  14. 14. • I. (V) O caso de Guy Goma é uma parábola feliz.
  15. 15. Responde à pergunta 2 da p. 81.
  16. 16. transeuntes = os que circulam na rua (os que passam, os peões).
  17. 17. jornalista-transeunte = o que se limita a recolher opiniões morder a maçã = ousar, arriscar, pensar pela própria cabeça
  18. 18. O cronista pretende que os jornalistas não sejam tão passivos (como quando se contentam com a recolha de opiniões comuns) e procurem fazer verdadeira informação.
  19. 19. TPC — Resolve/estuda as perguntas sobre ‘Acentuação’ no Caderno de Atividades (pp. 7-11; soluções na p. 88). Em Gaveta de Nuvens ficam reproduzidas estas páginas.

×