Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 25

2.564 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.564
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.161
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação para décimo ano de 2011 2, aula 25

  1. 2. <ul><li>cetineta = tecido parecido com cetim </li></ul><ul><li>fulgurante = brilhante </li></ul><ul><li>proveta = vaso de vidro (= copo [=vinho]?) </li></ul><ul><li>narciso = o que se admira a si próprio </li></ul><ul><li>lombardo = variedade de couve </li></ul><ul><li>repolho = couve (cabeça da couve) </li></ul><ul><li>suculento = que tem suco; carnudo; agradável ao paladar </li></ul><ul><li>toicinho = toucinho </li></ul><ul><li>desventura = infelicidade </li></ul><ul><li>escaparate = armário envidraçado, vitrina </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Poeta, é certo, mas de cetineta[,] </li></ul><ul><li>fulgurante de mais para alguns olhos, </li></ul><ul><li>bom artesão na arte da proveta, </li></ul><ul><li>narciso de lombardas e repolhos. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Cozido à portuguesa, mais as carnes </li></ul><ul><li>suculentas da auto-importância, </li></ul><ul><li>com toicinho e talento, ambas partes </li></ul><ul><li>do meu caldo entornado na infância. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Nos olhos, uma folha de hortelã, </li></ul><ul><li>que é verde como a esperança que amanhã </li></ul><ul><li>amanheça de vez a desventura. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Poeta de combate, disparate, </li></ul><ul><li>palavrão de machão no escaparate, </li></ul><ul><li>porém morrendo aos poucos de ternura. </li></ul>
  6. 9. <ul><li>[...] histórias curtas, concretas e reais [...] episódios cómicos, tristes e brutais; gaffes hilariantes e mágoas profundas; pequenos e grandes dramas; coincidên-cias bizarras e inesperadas; sonhos, pe-sadelos, pressentimentos, intuições ou premonições; mas também histórias so-bre a velhice e sobre a infância, sobre a amizade, o ódio e o amor. Muitas têm a forma de diálogos, narrativas e pequenos relatos; algumas são escritas num estilo seco, outras num estilo irónico ou since-ro [...] </li></ul>
  7. 10. <ul><li>Faz o relato escrito de um episódio (interessante, relevante, engraçado) que tenhas vivido (ou testemunhado) . Há três indicações suplementares: </li></ul><ul><ul><li>o texto é para ser lido à turma — por ti, sem improvisações ; </li></ul></ul><ul><ul><li>a leitura em voz alta não deverá demorar mais de dois minutos (cento e cinquenta segundos, no máximo); </li></ul></ul><ul><ul><li>o texto será avaliado na altura da sua leitura em voz alta. </li></ul></ul>
  8. 12. <ul><li>TPC </li></ul><ul><li>Completar, e melhorar, o texto que começámos em aula e trazê-lo. </li></ul><ul><li>Trazer o caderno de Português (ou lá como lhe chamem). </li></ul><ul><li>Quero apenas ver se nada está perdido; e se folhas e trabalhos feitos estão acessíveis e legíveis. </li></ul>

×