<ul><li>Em «Correspondência Urgente», temos o «homem gordo e flácido», que se mostra  irascível  com os outros, julgando s...
<ul><li>Não considerando uma enfermeira, mera figurante, a personagem feminina chama-se  Joana  e é  secretária  do tal «S...
<ul><li>Em «Havia Sol na Praia», o protagonista é o  Fadista , que os outros tentam expulsar do ambiente a que está habitu...
<ul><li>Essa perseguição consiste na tentativa de o  controlarem / enquadrarem / domesticarem , de modo a que não ofenda  ...
<ul><li>Em «Correspondência Urgente», o narrador é  não participante , mas, apesar do uso da 3.ª pessoa, percebemos que há...
<ul><li>Em «Havia Sol na Praça», o narrador é  participante , mas não é personagem principal, tem um papel de testemunha. ...
<ul><li>Em «Correspondência Urgente», tudo parece confinado a uma  casa luxuosa , que é o cenário da  encenação / mentira ...
<ul><li>Em «Havia Sol na Praça», além da  praça , conotável com a liberdade (é onde há sol e onde o Fadista se sentia bem)...
 
<ul><li>Há uma personagem masculina com temperamento autoritário e que se sente perseguida por todos os que o rodeiam, que...
<ul><li>Não há narrador (nem voz off que faça o seu papel). Podemos dizer que, em muitos momentos, há  focalização  na per...
<ul><li>A  barraca  (e o terreno em redor) é o espaço em que tudo se centra. Como acontece com o outro espaço-protagonista...
 
<ul><li>Conheces as peripécias que envolveram os amores de Pedro e Inês, por o ano passado teres estudado o episódio que l...
<ul><li>A narrativa passa-se na cidade de  Santarém , onde, efectivamente, estava a corte quando Pedro se vingou de Coelho...
 
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 127 128 (Do 10.º 4.ª E 5.ª)

1.478 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.478
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 127 128 (Do 10.º 4.ª E 5.ª)

  1. 2. <ul><li>Em «Correspondência Urgente», temos o «homem gordo e flácido», que se mostra irascível com os outros, julgando ser poderoso , mas que, afinal, está na ignorância da sua verdadeira situação. </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Não considerando uma enfermeira, mera figurante, a personagem feminina chama-se Joana e é secretária do tal «Senhor Doutor». O seu drama vem de ser ela que concretiza/executa a mentira . Quem tem o verdadeiro poder é o sobrinho do «poderoso» , que aliás é «um bom homem». </li></ul>
  3. 4. <ul><li>Em «Havia Sol na Praia», o protagonista é o Fadista , que os outros tentam expulsar do ambiente a que está habituado, a praça . Ainda que de modo pouco agressivo, vai sempre resistindo à perseguição que lhe é movida por uma espécie de personagem colectiva, toda a localidade . </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Essa perseguição consiste na tentativa de o controlarem / enquadrarem / domesticarem , de modo a que não ofenda as aparências / os costumes , até que acaba mesmo por se enforcar / matar . </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Em «Correspondência Urgente», o narrador é não participante , mas, apesar do uso da 3.ª pessoa, percebemos que há uma focalização do relato na personagem Joana . </li></ul>
  6. 7. <ul><li>Em «Havia Sol na Praça», o narrador é participante , mas não é personagem principal, tem um papel de testemunha. A sua profissão é de funcionário de repartição / funcionário público . No final, dialoga com o director do asilo (personagem secundária ou, sobretudo, elemento da já mencionada personagem colectiva), que acaba por ser o informador do desfecho da história. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>Em «Correspondência Urgente», tudo parece confinado a uma casa luxuosa , que é o cenário da encenação / mentira em que se enredou a personagem feminina. Há depois, o escritório , espaço que corresponde ao verdadeiro poder. Em nenhum dos espaços Joana se sente bem. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Em «Havia Sol na Praça», além da praça , conotável com a liberdade (é onde há sol e onde o Fadista se sentia bem), temos o café (lugar das novidades, identificável também como o espaço dos que intervêm na cidade, dos que têm poder) e o asilo (que simboliza a opressão). </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Há uma personagem masculina com temperamento autoritário e que se sente perseguida por todos os que o rodeiam, que é Giacinto . Os outros conspiram contra ele, mas ele também os ataca, não se chegando, porém, a um resultado que favoreça uma das partes. </li></ul><ul><li>Diga-se ainda que também há uma personagem um pouco à parte do confronto dos dois pólos, e sua vítima, que é a miúda . Só talvez esta última personagem não seja propriamente uma personagem- tipo , todas as outras o são. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>Não há narrador (nem voz off que faça o seu papel). Podemos dizer que, em muitos momentos, há focalização na personagem Giacinto, já que quase seguimos as peripécias através do seu olhar. </li></ul>
  11. 13. <ul><li>A barraca (e o terreno em redor) é o espaço em que tudo se centra. Como acontece com o outro espaço-protagonista dos contos que vimos — a praça —, o território é disputado e, ainda que a conclusão da história fique em aberto , há como um entrincheiramento de toda aquela família (e até já de outros) naquele espaço que começa a ser inverosímil. Sentimos que a cidade, os prédios vão engolir o bairro de lata. </li></ul>
  12. 15. <ul><li>Conheces as peripécias que envolveram os amores de Pedro e Inês, por o ano passado teres estudado o episódio que lhes consagra Os Lusíadas . O conto «Teorema» (pp. 292-294), de Herberto Helder, aproveita o mesma tema, usando um narrador de 1.ª pessoa, isto é, um narrador participante . Esta personagem é Pêro Coelho , um dos «carrascos» de Inês (os outros foram Afonso Gonçalves, também castigado por D. Pedro, e Diogo Lopes Pacheco, que conseguiu escapar, exilando-se em Aragão e, depois, em França). </li></ul>
  13. 16. <ul><li>A narrativa passa-se na cidade de Santarém , onde, efectivamente, estava a corte quando Pedro se vingou de Coelho e de Gonçalves. Porém, há várias incongruências temporais: a estátua de Sá da Bandeira , que hoje existe em Santarém, não estava construída no século XIV (o Marquês é do século XIX). Outras impossibilidades (que dão a esta glosa do episódio um certo surrealismo): estilo manuelino; buzinas de automóveis; narrador a referir o seu coração arrancado; ... </li></ul>

×