ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 125 126

486 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 125 126

  1. 4. <ul><li>A narrativa reporta-se a uma localidade, referida sempre como « a Vila », que presumimos fique numa província portuguesa, o Alentejo. Centra-se num seu local, o largo , que acaba por ser quase o protagonista da história (pelo menos, é o seu foco e serve até de título do conto). </li></ul>
  2. 5. <ul><li>Contrapõe-se um passado, definido logo no primeiro advérbio (« antigamente »), ao presente, em que se encontra o narrador e que é assinalado por outro advérbio (« hoje »). Ambos os momentos estão relativamente vagos, o que </li></ul>
  3. 6. <ul><li>é reforçado pelo uso do Imperfeito do Indicativo, para o passado, e do Presente do Indicativo , quando se trata de reportar o tempo actual. Um outro tempo verbal, o Perfeito («matou», «morreram», «dividiu-se») é usado nas acções que provocaram as mudanças. </li></ul>
  4. 7. <ul><li>Seria quase rigorosamente não-participante, se não houvesse, no segundo parágrafo, dois trechos (« morreram homens que eu supunha eternos » [l. 5] e « que eu nunca soube » [l. 12] ) que nos revelam ter sido o narrador testemunha da vida do Largo, embora depois não se explicite nenhuma sua acção. </li></ul>
  5. 8. <ul><li>Há personagens- tipo (mais do que personagens psicologicamente trabalhadas). O segundo parágrafo apresenta-nos um rol dessas personagens bastante caricaturais. </li></ul>
  6. 9. <ul><li>O elemento que causa a mudança é a chegada do comboio . </li></ul>
  7. 10. <ul><li>Dois momentos: primeiro, no largo conviviam todas as classes sociais , mas as mulheres ficavam em casa ; agora, não há distinção de género , mas, no resto, há mais divisão (e também as crianças se separam ). </li></ul>
  8. 12. <ul><li>O filme decorre numa pequena cidade, mas da Itália/Sicília («Castelcuto»). A vida dos seus habitantes está muito centrada na praça central (onde se fazem as proclamações, onde se observa quem passa, etc.), mas o «espaço» alarga-se, por exemplo, à rua marginal e à casa de Malena . O título não remete para um local, mas para o nome de uma das personagens . </li></ul>
  9. 13. <ul><li>Sabemos que a narração é retrospectiva ( em analepse ), já que, no início, se diz «Tinha doze anos e meio, quando Mussolini declarou guerra à França e à Inglaterra e vi Malena pela primeira vez». Há alusões que permitem perceber que o tempo da enunciação é muito posterior ao que é narrado, mas isso só é assumido, salvo erro, no princípio e no fim. </li></ul>
  10. 14. <ul><li>A narração começa (e acaba) na 1.ª pessoa, embora depois se apague essa presença, já que, no segundo nível narrativo — o flash-back que demora quase todo o filme —, a criança que corresponde ao que era o narrador do primeiro nível — o da voz off — surge como mera personagem ). </li></ul>
  11. 15. <ul><li>Também predominam os tipos : o professor ingénuo e ridículo; o advogado verborreico e assediador; o tenente galã; etc. Há, no entanto, personagens mais «redondas», mais densas. É o caso de Malena . </li></ul>
  12. 16. <ul><li>Mudanças são influenciadas sobretudo pela evolução da II Guerra Mundial . </li></ul>
  13. 17. <ul><li>Há discriminação de género (visível na perseguição a Malena ), mas não há uma divisão estanque entre homens e mulheres; adolescentes convivem sem se agruparem por origem especial (embora pareça haver espécie de prova para aceitação no grupo). </li></ul>

×