Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – M. S. T
Escola Técnica Agropecuária Olga Benário
Centro Territorial de Educ...
INTRODUÇÃO
A suinocultura brasileira, a exemplo de outras cadeias produtivas do
agronegócio, cresceu significativamente, n...
*Problemática:
* A falta de carne suína com qualidade e um bom preço para o consumo diário
das pessoas da comunidade e reg...
METODOLOGIA
A pocilga deve ser construída em local seco, ventilado, com água de boa
qualidade, com energia elétrica, e que...
Finalidade:
A finalidade deste projeto é para uma construção de uma granja com 16
matrizes, 1 macho com uma reposição anua...
idade são espaçados entre si 10, 20 ou 30 metros e os que abrigam animais de
idades diferentes, 100 a 200 metros.
PLANEJAM...
- Gestação: confirmada a prenhes, são encaminhadas para a unidade de
gestação (baias coletivas ou gaiolas individuais) ond...
NCG = 16 x 2,5 x 16 ≈ 7 gaiolas
2 x 52
- Maternidade: uma semana antes do parto são levadas para a maternidade
(gaiolas in...
NCC = Nº fêm. x Nº ciclos porcas/ano x Nº desmamad. x Nº sem. de ocupação
Nº leitões/celas x 52 semanas/ano
NCC = 16 x 2,5...
M. dos Dejetos = 85 litros x 16 matrizes x 120 dias = 163200 litros = 160,2 m3
ÁGUA
O suíno deve receber água potável. Alg...
TOTAL DA ÁREA PARA AS ESTALAÇÕES
A distância adotada entre os galpões é de 30 metros e uma distância das
instalações dos g...
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O conhecimento das necessidades ambientais dos animais e o estudo das
condições
climáticas da região ...
Figura 1: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de
gestação.
Figura 2: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de
maternidade.
Figura 3: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de creche.
Figura 3: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de
Crescimento/terminação.
CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO |ATIVIDADES | MESES / ANO:
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
1. Escolha da...
INVESTIMENTO PARA SUINOCULTURA DE CORTE
CUSTEIO PARA SUINOCULTURA DE CORTE
RECEITAS PARA SUÍNOS DE CORTE,400 SUINOS DE 100...
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS
COSTA, P.M.A. Planejamento de uma criação comercial de suínos. ESA. UFV,
1970, Viçosa, M.G.
EMB...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)

31.165 visualizações

Publicada em

suinocultura

Publicada em: Educação
0 comentários
14 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.165
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
916
Comentários
0
Gostaram
14
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)

  1. 1. Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – M. S. T Escola Técnica Agropecuária Olga Benário Centro Territorial de Educação Profissional Costa do Descobrimento CETEPES–II Superintendência de Educação Profissional – SUPROF Associação dos Pequenos Produtores Rurais do Assentamento Chico Mendes-II Luis Claudio Deleprane, Domingos Pascoal, Jamil Jesus da Silva. Projeto de suinocultura comercial de corte no Assentamento Chico Mendes PA Chico Mendes, Porto seguro BA. Julho de 2013
  2. 2. INTRODUÇÃO A suinocultura brasileira, a exemplo de outras cadeias produtivas do agronegócio, cresceu significativamente, nos últimos quatorzes anos. Esse crescimento é notado quando se analisa os vários indicadores econômicos e sociais, como volume de exportações, participação no mercado mundial, número de empregos diretos e indiretos, entre outros. A criação de suínos do passado evoluiu também na técnica e no modelo de coordenação das atividades entre fornecedores de insumos, produtores rurais, agroindústrias, atacado, varejo e consumidores. Passou a ser uma cadeia de produção de suínos, explorando a atividade de forma econômica e competitiva. Apesar de disponibilizar de todos estes itens citados, a prática da suinocultura, o comércio e a exportação e até mesmo a competitividade brasileira é desconhecida em grande escala pelos próprios brasileiros, daí então vem à formulação do problema deste trabalho, o desconhecimento da competitividade das exportações brasileiras de carne suína e as respectivas implicações que essa carência de informações possui nas necessidades de conhecimentos para a tomada de decisão, tanto nos setores público (governamental e terceiro setor) como entre os privados e seus coletivos (associação de empresas, cooperativas etc.), e o numero de empregos e a renda que este ramo pode gerar. Hoje as coisas estão bem, mas para competir no mercado internacional é um desafio constante que requer posicionamento estratégico e atento aos menores sinais ou sintomas de mudanças, sejam elas econômicas políticas ou sociais. Em um mundo fortemente globalizado e com o crescimento do volume de transações entre os países e os blocos econômicos, todos estão buscando por vantagens mercadológicas e consequentemente, econômicas e sociais. Dessa forma, as “regras do jogo” mudam facilmente e uma situação confortável no presente pode de transformar em uma situação de risco no curto prazo. . *Caracterização do assentamento Chico Mendes; . Localização: Pertence ao município de Porto Seguro está localizado na região extremo sul da Bahia. O município de Porto Seguro é um dos pontos turísticos do Nordeste mais próximos do Sul e Sudeste e integra a Costa do Descobrimento, que vai desde a Barra do Rio Caí, no município de Prado, passando por Trancoso, Caraíva, pelo Parque Nacional de Monte Pascoal, Arraial D'Ajuda, Coroa Vermelha e a foz do Rio João de Tiba, em Santa Cruz Cabrália, compreendendo uma área de 2.408,49 km² e tendo como limite os municípios Santa Cruz Cabrália, Eunápolis, Itabela, Itamaraju e Prado. . . A população total, 131 642 hab. IBGE/2012. .A agricultura praticada no município é baseada na produção, café, mamão, feijão, mandioca e milho. .
  3. 3. *Problemática: * A falta de carne suína com qualidade e um bom preço para o consumo diário das pessoas da comunidade e região. Toda carne suína consumida na região vem de outras localidades, já que não existem criações comerciais nas redondezas. Também Matéria prima para produção de ração é vendida para fora a preços muito baixos. . *Justificativa: * A suinocultura de corte na comunidade Chico Mendes não está sendo bem desenvolvida havendo assim falta de carne, pois há poucos produtores e os que existem não tem um bom desempenho na criação. Também existe abundancia de alimentos alternativos para composição da ração(milho ,feijão guandu ,leucema,raspa de mandioca ,resíduo da fecularia,etc...) Por isso é bem viável a implantação do projeto de suinocultura de corte, pois não há grandes custos e se for bem trabalhada pode trazer bons lucros e a geração de empregos para os agricultores familiares . . *Objetivo Geral: . * A implantação da suinocultura de corte na minha comunidade trará renda e emprego para mim e outros agricultores familiares.aproveitando matéria prima disponível, Assim produzindo uma carne de qualidade e de bom preço para o consumidor. . * Objetivos Específicos: * Aumentar a produção e o consumo de carne suína; * Criar oportunidades de empregos para os agricultores familiares. * Aumentar a renda familiar; * Incentivar todos os produtores da comunidade para o uso de técnicas de produção. METAS 1. Construir pocilga fev/2014 2. Iniciar o projeto com 17 suínos p/ corte abr/2014 3. Intensificar o manejo sanitário abr/2014 4. Fornecer suínos abatidos na comunidade e em supermercados set/2014
  4. 4. METODOLOGIA A pocilga deve ser construída em local seco, ventilado, com água de boa qualidade, com energia elétrica, e que possua fácil acesso. . A sua localização no terreno deve ser tal que a cabeceira fique no sentido leste oeste e o fundo no sentido oeste, ou vice versa, para que a linha do sol, no verão, passe pela cumeeira da pocilga ao meio-dia, evitando assim que o sol entre na instalação no período de maior temperatura, aquecendo os suínos, a ração nos comedouros e a água nos bebedouros.ter a disposição áreas como gramíneas, que apresentem boa massa verde, para maior conforto, denominadas de piquetes. Quando não estiverem na pocilga, os suínos ficam no piquete, reduzindo assim o calor e aumentando o conforto, pois no momento em que os suínos estiverem no piquete terá arborização visando controle de temperatura no ambiente. . Diversos equipamentos e acessórios são encontrados à disposição do produtor para serem utilizados durante a criação de suínos, de acordo com a idade e a finalidade da produção. Entretanto, devem-se escolher aqueles que sejam de empresas tradicionais, confiáveis e que mantenham peças de reposição facilmente encontradas no mercado, que sejam duráveis, de fácil manuseio, baratos e que apresentem boas características técnicas. . - Antes da chegada dos porquinhos, a pocilga deve estar em condições adequadas ao recebimento de suínos, por isso todos os equipamentos e acessórios devem estar prontos para uso, limpos, desinfetados e abastecidos com água e ração. O ambiente interno deve possibilitar o máximo de conforto para os animais, com temperaturas propicia ao seu desenvolvimento e sem correntes de ar frio. . Diversas empresas fornecem suínos no mercado, entregando-os no local da criação. Os suínos devem ser comprados de empresas idôneas, livres de doenças e defeitos. . O produtor deve estar ciente da atenção necessária ao recebimento dos suínos para possíveis reclamações com o fornecedor, ou providenciar a utilização de medicamentos ou vitaminas. . O produtor deve manter o ambiente com temperatura adequada, limpo, com alimento e água disponíveis. . A circulação de pessoas, de outros animais, insetos, provenientes de áreas contaminadas com vermes, piolhos, etc., pode transmiti-los aos suínos criados na pocilga e piquetes, portanto, um profissional da área deve fazer avaliação e indicar o tipo de vermífugo e/ou inseticidas, específicos para combater os vermes e parasitas externos presentes.
  5. 5. Finalidade: A finalidade deste projeto é para uma construção de uma granja com 16 matrizes, 1 macho com uma reposição anual de 7 leitoas por ano, sendo 1 a cada 2 meses, isso correspondera a uma reposição de 43,75%. O objetivo é comercializar 400 animais por ano, ou seja, aproximadamente 34 animais por mês. O planejamento em determina o volume de animais que serão comercializados. Sendo assim é necessário dividir as matrizes em lotes realizando as coberturas e desmame da cada grupo em intervalos pré- estabelecidos. O intervalo de produção indicado é o entre lotes a cada 21 dias, com desmame dos animais com 28 dias de idade, assim, as porcas do plantel deverão ser divididas em 7 grupos, onde a cada 21 dias um grupo de porcas deverá ser coberta. DISTRIBUIÇÃO DAS CONSTRUÇÕES QUE COMPÕEM A ATIVIDADE A disposição das instalações deve ser racional, com o que se conseguirá maior rendimento da mão de obra, boa movimentação dos insumos ou produtos finais, bom destino final dos subprodutos a consequentemente maiores lucros. Levando em conta da área de implantação os seguintes fatores: - proximidade dos centros de consumo; - infraestrutura relacionada a meios de comunicação, disponibilidade de insumos (ração, matrizes), de energia elétrica, abastecimento d’água, facilidade de crédito, de assistência técnica médico-veterinário, etc.; - clima, no que se refere às condições adequadas de temperatura e umidade relativa do ar, ventilação, radiação, etc. Normalmente, são estabelecidas condições próprias para cada raça idade e na maioria das vezes, é preferível instalar a granja em locais de temperaturas médias e com boa ventilação natural; - O local deve apresentar boas condições de salubridade no que se refere à drenagem do solo, insolação, espaço físico, topografia (terreno com inclinação mais suave), via de acesso apropriado para períodos chuvosos a secos, controle de trânsito; - Enfim, o próprio espaçamento entre galpões é fator de suma importância, o que justifica a preocupação com o espaço físico disponível. Normalmente, para evitar a transmissão de doenças, galpões que abrigam animais de mesma
  6. 6. idade são espaçados entre si 10, 20 ou 30 metros e os que abrigam animais de idades diferentes, 100 a 200 metros. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DAS CONSTRUÇÕES Levaram-se em conta os determinados fatores:  Análise de mercado: volume da empresa, mercado consumidor, capital disponível, pessoal (mão de obra).  Infraestrutura física: terreno (alto, bem drenado a de baixo custo), higiene, temperatura, umidade, energia (fontes alternativas), comunicação, vias de acesso. Ainda é necessário considerar a infraestrutura de apoio (controle de entrada, fábrica de rações, armazéns, etc.), facilidade de escoamento da produção a entrada de matéria prima, facilidade de disposição de dejetos (canalizações por gravidade para lagoas de decantação, evitando poluição ambiental), distanciamento adequado com relação a ferrovias, rodovias e zonas residenciais.  Sistema de criação (manejo): escolher o sistema de criação e detalhar o manejo. As instalações devem se adequar ao manejo e não o contrário NECESSIDADE DE INSTALAÇÕES Como recomendação para um melhor manejo e desenvolvimento da criação, as fases de produção de produção, sendo elas gestação, maternidade, creche e crescimento/terminação, deverá ser construído em salas, onde será alojado os animais proveniente da produção de cada lote de porcas. O acesso a cada uma destas salas deverá ser realizada por corredores externos, com o intuito de evitar as circulações internas de uma sala para outra tendo uma maior organização da granja. Tendo um manejo de produção de 21 dias com um desmame de 28 dias. Nesse manejo é necessário ter as seguintes instalações:
  7. 7. - Gestação: confirmada a prenhes, são encaminhadas para a unidade de gestação (baias coletivas ou gaiolas individuais) onde permanecem até uma semana antes do parto, sendo que a gestação dura aproximadamente 114 dias (3 meses, 3 semanas e 3 dias). Serão agrupados no mesmo prédio, além da unidade de gestação, as de pré-cobrimento e cobrimento. Devemos ter gaiolas equipadas com bebedouro e comedouro individuais. Teremos uma redução significativa da área construída para o mesmo número de animais e menor gasto com mão de obra, pela menor área. A construção do galpão será orientada no sentido Leste-Oeste de seu eixo maior, diminuindo a incidência da radiação solar tendo um maior conforto térmico. Característica da instalação: pé-direito de 3, 0 metros com telhas de cimento amianto; beiral de 1, 0 metro; os comedouros e bebedouros são instalados na parte frontal, na parte traseira das baias é construído um canal coletor de dejetos; piso 2/3 compacto e 1/3 ripado. Galpão com dimensões de 10, 40 x 16, 40 metros, sendo 170, 56 m2, corredor de circulação 2, 00 m de largura e área de ventilação de ventilação de 1, 1 metros, baías coletivas cada uma com 3, 00 x 2, 80 metros com 8, 40 m2, sendo 1 para o macho, 1 para pré-cobrimento, 1 para leitoa de reposição e 7 de gestação, tendo um total de 10 baías, sendo divididas em 2 filas com 5 baías cada. As extremidades são fechadas por paredes e suas laterais com paredes de 1, 70 metros de altura para a entrada de luz e manutenção de temperatura. Declividade de 2% no sentido da canaletas. NCG = Nº fêmeas x Nº leitegadas/fêmeas/ano x Nº semanas de ocupação* N° fêmeas / baia x Nº de semanas do ano * da confirmação da prenhez até uma semana antes do parto = 12 semanas - N° de fêmeas = 16 porcas em produção; - Nº ciclos porca/ano = com um bom manejo é possível se obter uma média de 2,5 gestações por fêmea por ano; - período de uso da baia = 2 semanas da desmama até a cobrição + 4 semanas da cobrição até a confirmação da prenhez. TOTAL de 6 semanas. - N° fêmeas/baia = recomenda-se de 4 a 6 fêmeas por baia; e - N° de semanas do ano = 52.
  8. 8. NCG = 16 x 2,5 x 16 ≈ 7 gaiolas 2 x 52 - Maternidade: uma semana antes do parto são levadas para a maternidade (gaiolas individuais com abrigo para proteção dos leitões) onde permanecem até terminar a fase de aleitamento. Galpão com dimensões de 10, 40 x 12, 20 metros, tendo126, 88 m2 com um pé direito de 3 metros, com 4 baías, tendo uma área de circulação de 2, 8 metros, com baías de 2,7 x 2,5 metros, escamoteador construído em concreto como o anterior, localizado entre duas baias na parte frontal, com largura de 0,60 m, piso parcialmente ripado, telhado forrado tendo um sistema de basculante para abertura no intuito de manter a luminosidade e temperatura. NCP = Nº de porcas x Nº leitegadas/fêmeas/ano x Nº semanas de ocupação* 52 semanas/ano * uma semana antes do parto são levadas para a maternidade (gaiolas individuais com abrigo para proteção dos leitões) onde permanecem até terminar a fase de aleitamento. NCP = 16 x 2,5 x 5 ≈ 4 celas 52 - Creche: Consta de baias que abrigam na faixa de 20 leitões cada (2 leitegadas), as quais têm o piso total ou parcialmente ripado (madeira, concreto ou metal) com fendas de 1 cm de largura. Galpão com dimensão de 7, 20 x 13, 00 metros, sendo 91 m2, pé direito de 3, 00 metros, o piso parcialmente ripado com aproximadamente 2/3 da baia com piso compacto e o restante 1/3 com piso ripado, onde os leitões irão defecar, urinar e beber água. Celas com dimensões de 2, 00 x 2, 70 metros um área de 5, 40 m2 e uma área de circulação de 1, 20 metros. Com declividade do piso de 5%.
  9. 9. NCC = Nº fêm. x Nº ciclos porcas/ano x Nº desmamad. x Nº sem. de ocupação Nº leitões/celas x 52 semanas/ano NCC = 16 x 2,5 x 10 x 8 ≈ 7 celas 10 x 52 - Crescimento e acabamento: Dimensões de 10, 40 x 18, 00 metros sendo uma área de 187, 20 m2, com pé direito de 3 metros, tendo 11 celas com 4, 00 x 3, 00 metros, formando uma área de 12, 00 m2. As extremidades são fechadas por paredes e suas laterais com paredes de 1,70 metros, com piso 1/3 ripado, declividade de 3%. NCCT = Nº fêm. x Nº ciclos porcas/ano x Nº desmamad./leiteg. x período uso* Nº leitões/celas x 52 semanas/ano Período de uso com mudança de baia: Crescimento = 7 semanas Acabamento = 7 semanas Sem mudança de baia: crescimento + acabamento = 14 semanas NCCT = 16 x 2,5 x 10 x 14 ≈ 11 celas 10 x 52 - Manejo dos dejetos: o suíno pode produzir de 1,1 a 18,8 Kg de dejetos por dia. A granja deverá possuir um sistema de armazenamento dos dejetos por pelo menos 120 dias. Considerando uma produção de 85 litros diários de dejetos na granja por matriz alojada, para isso o deposito deverá ter capacidade de armazenar 163,2 m3. Depósito deverá ser impermeabilizado para que não ocorra infiltração do dejeto no solo. Dimensões de 3m (profundidade) x 7m x 8m, tendo um total de 168 m3.
  10. 10. M. dos Dejetos = 85 litros x 16 matrizes x 120 dias = 163200 litros = 160,2 m3 ÁGUA O suíno deve receber água potável. Alguns parâmetros são importantes para assegurar a portabilidade e a palatabilidade da água: ausência de materiais flutuantes, óleos e graxas, gosto, odor, coliformes e metais pesados; pH entre 6,4 a 8,0. Uma porca com suas respectivas crias junto a demais serviços, tais como a limpeza das baías, tem um consumo aproximadamente de 19,6 mil litros de água. Com um consumo aproximado de 313,6 mil litros de água por ano e um de 26,13 mil litros de água por mês, requerendo a construção de um poço artesiano a fim de suprir está necessidade. A caixa d’água deve se encontra a uma altura o suficiente para que haja uma pressão da água esperada para suprir as instalações, utilizará uma caixa d’água de 10 mil litros a uma altura de 5 metros. CONTROLE SANITÁRIO Para proteger a criação a evitar a proliferação de doenças, a indispensável à construção de rodolúvios, cujo objetivo é a desinfecção das rodas dos veículos que venham a transitar no local, por meio de uma solução desinfetante. O rodolúvio consiste de um tanque raso, de piso concretado a comprimento necessário para que todas as rodas, durante um pequeno trajeto, fiquem inteiramente banhadas. Ainda são necessários pedilúvios em cada local de acesso às instalações para que sejam desinfetados os pés das pessoas que transitam nas unidades de produção. Também como medida complementar as anteriores, é recomendado que o pessoal que trabalha com a criação, tome banho a troque de roupa antes do inicio do trabalho.
  11. 11. TOTAL DA ÁREA PARA AS ESTALAÇÕES A distância adotada entre os galpões é de 30 metros e uma distância das instalações dos galpões e até de 120 metros das cercas que delimitarão a área. Tendo uma área total de 45.942 m2 (4,59 ha). LOCALIZAÇÃO E ORIENTAÇÃO DA GRANJA As edificações seguiram as seguintes recomendações:  Selecionar área para a locação do sistema de produção de suíno de acordo com as exigências do projeto;  Instalar os prédios no sentido Leste – Oeste se seu eixo maior, podendo ter um leve desvio para um aproveitamento de ventos predominantes, tendo um maior conforto térmico e a redução da incidência da radiação solar;  Escolher um local de fácil fluxo de pessoal, animais e insumos, tendo uma boa condição de trânsito em qualquer época do ano;  A instalar o sistema de produção de suínos em terreno com topografia plana, podendo ter uma ondulação de até 6%, possibilitando uma eventual expansão;  Colaborar com afastamento entre edificações para uma melhor ventilação;  Gramar, tendo esta grama constantemente aparada;  Atendendo aos requisitos da biosegurança sanitária, protegendo o futuro rebanho.
  12. 12. CONSIDERAÇÕES FINAIS O conhecimento das necessidades ambientais dos animais e o estudo das condições climáticas da região em que será implantado o sistema são fundamentais na definição das técnicas e dispositivos de construções que maximizem o conforto dos animais. As construções destinadas aos animais deverão estar afastadas do trânsito de veículos, em terreno alto, seco, com declividade adequada de forma a permitir suprimento adequado de água, bom escoamento a acesso fácil. Isto se faz necessário para que sejam evitados problemas de umidade. Um ponto importante referente às instalações é a proteção do sistema (conjunto de construções) contra a propagação de doenças, bem como o isolamento do mesmo com relação a outras explorações localizadas nas proximidades. Assim, normalmente adota-se um cordão sanitário com o objetivo de proteger toda a zona de produção, separando-a da zona externa. O cordão sanitário pode ser obtido por meio de uma cerca metálica de aproximadamente 2m de altura, sobre mureta de alvenaria de 30 cm de altura. Isto evita a entrada de pequenos animais como cães, gatos, galinhas, etc., que podem atuar como vetores de diversas doenças. As figuras abaixo demonstram este sistema sanitário. RAÇÃO: Consumo médio de ração por suíno de acordo com a faixa etária: 30 a 60 dias 300 gramas de ração inicial por cabeça/dia. 61 a 90 dias ração 700 gramas de ração de crescimento por cabeça/dia. 91 a 150 dias 1,5 kg de ração de terminação cabeça/dia.
  13. 13. Figura 1: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de gestação.
  14. 14. Figura 2: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de maternidade.
  15. 15. Figura 3: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de creche.
  16. 16. Figura 3: Esboço do interior da instalação onde será o galpão de Crescimento/terminação.
  17. 17. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DO PROJETO |ATIVIDADES | MESES / ANO: JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ 1. Escolha da área x 2. Limpeza da Área x 3. Compra de materiais x 4. Construção da pocilga x 5. Aquisição de Ração x 6. Aquisição de Suínos x 7. Período de engorda x x x x x 8. Venda de suínos x x 9. Análise de resultados x x
  18. 18. INVESTIMENTO PARA SUINOCULTURA DE CORTE CUSTEIO PARA SUINOCULTURA DE CORTE RECEITAS PARA SUÍNOS DE CORTE,400 SUINOS DE 100Kg POR ANO; ITEM VALOR Deposito de dejetos 160,2 m3 R$7560,00 Creche,Galpão com dimensão de 7, 20 x 13, 00 metros, sendo 91 m2 R$6643,00 Acabamento Galpão Dimensões de 10, 40 x 18, 00 metros sendo uma área de 187, 20 m2, R$13651,00 Maternidade ,Galpão com dimensões de 10, 40 x 12, 20 metros, tendo126, 88 m2 R$9900,00 CONSTRUÇÃO DO CERCADO (400x100 m) R$ 3780,00 EQUIPAMENTOS R$ 6800,00 INVESTIMENTOS TOTAIS R$ 48334,00 UM MACHO REPRODUTOR R$ 2000,00 16 MATRIZES R$14000,00 RAÇÃO CONSUMIDA R$ 2590,00 OUTRAS DESPESAS (água e luz) R$ 1876,00 VACINAS E VETERINARIA R$ 2756,00 INVESTIMENTOS TOTAIS R$23222,00 Venda de 34 suínos de 100 kg à R$ 420,00/ cabeça R$ 14280,00 Total da receita R$ 14280,00x12 lotes/ano R$ 171360,00 Total das despesas R$ 4248,00 (insumos) x 12 lotes/ano R$ 51408,00 MARGEM BRUTA R$ 119952,00
  19. 19. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS COSTA, P.M.A. Planejamento de uma criação comercial de suínos. ESA. UFV, 1970, Viçosa, M.G. EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves (Concórdia, SC). Tabela de composição química e valores energéticos de alimentos para suínos e aves. 3.ed. Concórdia: EMBRAPA-CNPSA, 1991. 97p. (EMBRAPA-CNPSA. Documentos, 19). <http://pt.shvoong.com/exact-sciences/792819-suinos/> <http://www.ufsm.br/petagronomia/apostilas/suinos_ufla.pdf> <http://www.scielo.br/pdf/rbeaa/v12n3/v12n03a15.pdf> <http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Suinos/SPSuinos/ construcao.html> OBS:valores fantasia somente para funções didáticas.

×