SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA
FUNDAÇÃO CECIERJ / SEEDUC-RJ
COLÉGIO: C. E. GENERAL DUTRA
PROFESSORA: LUCIANE OLIVEIRA DA SILVA
MATRÍCULA: 0951237-7
SÉRIE: 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL
TUTOR (A): ELISABETE FERREIRA TERRAÇÃO


     PLANO DE TRABALHO SOBRE SEMELHANÇA DE POLÍGONOS

                                                        Luciane Oliveira da Silva
                                                    Lucyanne_uff@yahoo.com.br

1. Introdução:

         Este Plano de Trabalho foi elaborado com o objetivo de mostrar aos
alunos do 9º ano do Ensino Fundamental os conceitos básicos sobre semelhança
de polígonos. É indicado para ser utilizado em sala de aula, como reforço ao
estudo do conteúdo.
         Pretendo que essa abordagem motive os alunos a buscarem ferramentas
de cálculo para resolver os problemas práticos propostos, despertando o
interesse em aprender formas rápidas, com significado, que determinem com
facilidade o resultado buscado.
         A tônica desta aula é ajudar o aluno a construir, desenvolver e aplicar
idéias e conceitos sobre semelhança, sempre compreendendo e atribuindo
significados ao que está fazendo, buscando relacionar a aplicação dos conceitos à
sua vida cotidiana.
         Este Plano de Trabalho foi produzido de forma a conter recursos visuais
que levassem os alunos a ter uma oportunidade de visualizar de forma agradável
o conteúdo estudado e consequentemente compreender os valores sobre o
conteúdo estudado.
         Semelhança de polígonos, áreas e perímetros de figuras semelhantes
são alguns exemplos de conceitos que estão muito mais presentes no nosso
cotidiano do que imaginamos.
         Todas as tarefas propostas neste Plano de Trabalho envolvem ligações
com conhecimentos já adquiridos e também com as técnicas e compreensão de
conceitos algébricos como a resolução de problemas, os quais partem de
contextos reais e também de assuntos matemáticos que precisam ser lembrados
e aprofundados.


2. Estratégias adotadas no Plano de Trabalho:

         As tarefas que proponho visam contribuir para desenvolver nos alunos
a linguagem e o pensamento geométrico, bem como a capacidade de interpretar,
representar e resolver problemas usando procedimentos algébricos e
geométricos e de utilizar estes conhecimentos e capacidades na exploração e
modelação de situações em contextos diversos.
Na primeira etapa do Plano de Trabalho, iremos classificar ou agrupar
figuras discutindo se estas são semelhantes ou não.
         Na etapa seguinte, o professor deve trabalhar a atividade de dobraduras
onde a ideia é usar dobraduras de papel para construir o conceito de semelhança
de polígonos, mediante o reconhecimento da proporcionalidade dos seus lados.
         A terceira etapa será a exploração e resolução de uma lista de exercícios.


Atividade 1:

 Habilidade relacionada:

- Identificar figuras semelhantes mediante o reconhecimento de relações de
proporcionalidade.
- Efetuar cálculos que envolvam operações com números racionais (adição,
subtração, divisão, potenciação).


 Pré-requisitos:

Para desenvolver esta atividade é requerido dos alunos o conhecimento prévio
de:

    Conceitos de medidas, frações, polígonos e seus elementos.
    Conceito de razão;


 Tempo de Duração:

300 minutos (6 horas/aulas).


 Recursos Educacionais Utilizados:

Para a realização destas atividades, serão necessários os seguintes recursos:

      Quadro branco;
      Caneta para quadro branco;
      Calculadora;
      Régua;
      Lápis e papel A4;
      Folha de aula;


 Organização da turma:
Esta tarefa será realizada em pequenos grupos (3 ou 4 participantes)
para que o trabalho seja colaborativo e que ninguém fique ocioso durante a aula
e sim participando e descobrindo o conteúdo apresentado.


 Objetivos:

Ao término das aulas, o aluno deverá ser capaz de:

    Construir o conceito de semelhança;
    Verificar a semelhança entre polígonos através da comparação das suas
     medidas.


 Metodologia adotada:

         Para a realização destas atividades são necessários 300 minutos de aula.
As atividades estão divididas em três etapas.

1ª etapa:

         Na primeira etapa do Plano de Trabalho, iremos classificar ou agrupar
figuras discutindo se estas são semelhantes ou não. Será distribuída uma folha
com as seguintes imagens para que os alunos analisem e tirem suas conclusões:
Nesta etapa, o professor, discutirá a ideia de semelhança com seus
alunos a partir das figuras distribuídas. É importante diferenciar o termo
popular “parecido” do termo matemático “semelhante”, percebido claramente
nas duas imagens dos fuscas. As garrafas de coca-cola não são semelhantes, pois
o gargalo de ambas possuem as mesmas dimensões. Já os cilindros, não possuem
dimensões proporcionais. É importante fazer distinção entre as diferentes
transformações empregadas nas imagens da borboleta e do trevo de quatro
folhas. No caso das borboletas, deve-se considerar que a rotação, e a
proporcionalidade de suas dimensões mantêm as figuras semelhantes. Já no caso
dos trevos de quatro folhas, as transformações lineares empregadas não
preservaram a proporcionalidade de suas mediadas, portanto não são
semelhantes.


2ª etapa:

        Esta Atividade busca construir o conceito de semelhança de polígonos
mediante o reconhecimento da proporcionalidade dos seus lados e apresentar ao
aluno uma forma de verificação da semelhança entre retângulos através de
dobraduras de papel e da comparação de suas diagonais.
        Professor, você pode incentivar os alunos a recortarem conjuntos de
retângulos com medidas diferentes da escolhida pelos colegas, Assim eles
poderão verificar que os conceitos estudados se aplicam a retângulos de
quaisquer tamanhos. Também os orientem para não recortarem retângulos
muito pequenos para não dificultar os procedimentos de dobra dos itens
subsequentes.


C. E. GENERAL DUTRA
Nome:________________________________________________ Nº: ______
Turma: _______     Data: ____/____/____ Profª.: Luciane Silva

                                    Exercícios de Fixação
A. Recorte no papel A4 dois retângulos iguais, ou seja, com as mesmas medidas.

B. Tome um dos retângulos recortados e desenhe uma de suas diagonais.

C. Com o outro retângulo dobre-o na metade duas vezes, dividindo-o em quatro partes iguais. Recorte
um dos retângulos gerados pela dobradura e desenhe uma de suas diagonais, como mostra a imagem
abaixo.
D. Recorte mais um retângulo gerado pelas dobraduras feitas anteriormente e realize os mesmos
procedimentos de dobra indicados no item anterior. Depois recorte um dos retângulos originados desta
última dobradura e trace uma de suas diagonais. Você deve obter três retângulos como os da figura
abaixo.




E. Agora sobreponha os três retângulos fazendo coincidir a base e o vértice de onde parte cada
diagonal. O que você pode observar com relação às diagonais dos retângulos? Observe o que acontece
com os retângulos dos seus colegas.

F. Agora, com o auxílio da régua, meça as bases e as alturas de cada um dos retângulos, calcule a razão
entre a base e a altura de cada retângulo e preencha a tabela abaixo.




G. O que você pode observar com relação às razões entre a base e a altura de cada retângulo? Converse
com seus colegas sobre as respostas que eles encontraram.

H. Agora, tome mais dois retângulos de papel vegetal do mesmo tamanho que os recortados no item a,
ou seja, do mesmo tamanho que o maior. Em um dos retângulos trace uma das diagonais. No outro
dobre ao meio, horizontalmente, recorte um dos retângulos originados da dobra e também trace uma
das diagonais, como ilustrado abaixo.




I. O que você observa quando sobrepõem esses dois novos retângulos? Suas diagonais se alinham? E
nos retângulos dos seus colegas, o que acontece?

J. Diante disso, você acha que esses retângulos são semelhantes? Para comprovar a sua resposta,
preencha a tabela abaixo.
K. O que aconteceu com a razão entre a base e a altura dos retângulos? Compare suas respostas com as
dos seus colegas.

L. Você acha que os procedimentos de dobra, indicados no item h, influenciaram no fato dos retângulos
não serem semelhantes? O que diferencia esses procedimentos dos indicados no item c? Discuta com
seus colegas essas questões, comparando as medidas anotadas nas tabelas A e B.




         Na etapa A, o professor deve orientar os alunos com os cortes
sucessivos. Como é possível notar, estamos dividindo o retângulo no meio duas
vezes. Começamos com dois retângulos iguais: um que será guardado com a
diagonal desenhada e outro que será dobrado duas vezes no meio, sendo uma
dobra horizontal e outra vertical. Essas duas dobras originam quatro retângulos
iguais e menores que o inicial. Desses quatro retângulos menores, recortaremos
dois: um que será guardado com a diagonal desenhada e outro que será dobrado
como o anterior, formando quatro retângulos menores. Por fim, recortar-se-á um
desses retângulos menores e se desenhará a diagonal nele, formando um trio de
retângulos, como podemos observar na figura da etapa D. O primeiro é o inicial, o
segundo tem a base e a altura medindo metade da base e altura,
respectivamente, do primeiro. O terceiro tem sua base e altura medindo metade
da base e altura, respectivamente, do segundo. Por consequência, o terceiro tem
a sua base e altura medindo a quarta parte da base e altura, respectivamente, do
primeiro.
         Na etapa E, o professor deve auxiliar seus alunos para que sobreponham
os retângulos da forma correta, como mostra a figura abaixo. Esperamos que eles
percebam que as diagonais dos retângulos ficam alinhadas.




         Na etapa F, os resultados da tabela dependerão do tamanho do
retângulo inicial de cada aluno. Se cada grupo fez um retângulo diferente do
outro então teremos tantas tabelas quantos forem os grupos de alunos
participando desta Atividade. E isso é ótimo! Apesar de inúmeros retângulos
diferentes, eles perceberão que a base e altura serão dividas por 2 a medida que
reduzimos o retângulo pelas dobras. E Isso será constante em todos os
retângulos! Além disso, perceberão que a razão entre a base e a altura
permanece constante para cada trio de retângulos.
Na etapa G, é importante que o professor alerte os alunos para pequenas
diferenças nos valores, devido à imprecisão dos instrumentos de medição e
possíveis aproximações que possam acontecer. Analisando a tabela, os alunos
terão a oportunidade de perceber que as razões entre a base e a altura de cada
retângulo são iguais, em cada conjunto de retângulos considerado. Deve
conversar com eles que quando isso acontece, dizemos que os retângulos são
semelhantes. Caso algum aluno comente que essa razão que encontramos, entre
base e altura, é a razão de semelhança, cabe aqui uma intervenção. Sabemos que
a razão de semelhança é a razão entre as bases (ou as alturas) dos retângulos
semelhantes, e, portanto, é uma razão diferente da razão que calculamos. Nos
retângulos semelhantes produzidos pela atividade proposta, a razão entre a base
do maior retângulo e a base do retângulo intermediário é 2, assim como a razão
entre as respectivas alturas também é 2. O mesmo ocorre entre o intermediário e
o menor: eles são semelhantes com razão 2. Esta é a razão de semelhança. Cabe
ainda ressaltar que a razão de semelhança inverte se fizermos o contrário, isto é,
se compararmos a base do intermediário com a base do maior, veremos que essa
                     1
razão é na verdade   2
                         , o inverso de 2.
         Na etapa I, temos uma observação matemática a fazer. É possível que
algum grupo de alunos ao cortar um retângulo inicial e dividi-lo no meio
encontre um retângulo menor semelhante ao original! Observe a seguinte
situação:




           De fato, isso sempre acontece quando a altura do retângulo é igual à
base multiplicada por      2
                             . Na verdade, isso acontece somente nessa situação.
Fato esse que pode ser provado, mas que não é nosso propósito nesse momento.
Agora, o importante é que o professor esteja atento ao fato de, apesar de parecer
difícil, isso não é improvável. Por exemplo, se um determinado grupo cortar um
retângulo com altura medindo 20cm e a base medindo 14cm, teremos:
Note que essa diferença é muito pequena, alguns milímetros. Como o
processo de medir naturalmente faz uso de estimativas, esse problema pode
aparecer em sua sala de aula. Na maioria dos casos, os alunos perceberão que as
diagonais dos retângulos não se alinham, e que o mesmo acontece com os
retângulos dos seus colegas.
          Na etapa K, os alunos perceberão que os retângulos não são
semelhantes, pois suas diagonais não se alinham e a razão entre a base e a altura
dos retângulos não são iguais.
          Na etapa L, o professor deve auxiliar seus alunos a perceberem que, no
item c, tanto a base como a altura dos retângulos foram divididos ao meio, o que
fez com que o retângulo oriundo dessas dobras fosse semelhante ao original.
Fato que não acontece no item h, já que somente a altura foi dividida ao meio,
fazendo com que não se possa garantir a semelhança entre esses retângulos.


3ª etapa:

         Na terceira etapa, os alunos resolverão uma lista de exercícios que será
corrigida na aula e discutidas as respostas.


C. E. GENERAL DUTRA
Nome:________________________________________________ Nº: ______
Turma: _______     Data: ____/____/____ Profª.: Luciane Silva

                                     Exercícios de Fixação
1) Entre os polígonos abaixo há dois semelhantes. Quais são eles?




2) Os hexágonos H1 e H2 abaixo são semelhantes.




Nessas condições:
a) Qual é a razão de semelhança entre H1 e H2?

b) Qual é a razão de semelhança entre os perímetros de H1 e H2?
c) O que podemos afirmar sobre os ângulos internos de H1 e H2?

3) Os trapézios abaixo são semelhantes.




Nessas condições:
a) Qual é a razão de semelhança entre ABCD e MNPQ?

b) Calcule as medidas x, y e z indicadas.

c) Sem fazer cálculos, determine a razão entre os perímetros de ABCD e MNPQ.

                                                                                1
4) A planta de uma casa, que é uma redução da casa real, foi feita na escala   200
                                                                                     (razão de
semelhança). Uma sala retangular dessa casa tem 5 cm e 6 cm de dimensão nessa planta. Nessas
condições:
a) Quais as dimensões reais da sala?

b) Qual a área da sala da planta?

c) Qual a área da sala real?


5) Diga se os pares de triângulos abaixo são ou não semelhantes.




6) Na figura a seguir, temos   PQ // BC
                                            . Nessas condições, responda:
a) Quais as medidas a, b e c indicadas?

b) Quais os triângulos que são semelhantes nessa figura?


7) As figuras abaixo nos mostram pares de triângulos semelhantes. Calcule x e y em cada uma delas.




8) Nas figuras abaixo, determine os valores de x e y.




9) Nas figuras abaixo, determine as medidas x e y.
10) Na figura abaixo,   MN // BC
                                      , Nessas condições, determine:




a) As medidas x e y indicadas.

b) As medidas dos lados   AB
                                 e   AC
                                          .

c) Os perímetros dos triângulos ABC e AMN.

d) A razão de semelhança entre os triângulos ABC e AMN.


11) Para determinar a largura de um lago, foi utilizado o esquema representado pela figura abaixo.
Qual é a largura do lago?




3. Avaliação:

         A avaliação do processo consiste na auto-avaliação e/ou avaliação
mútua. A avaliação dispensa qualquer processo formal, tais como: nota, exames,
etc. Além do mais, neste processo, tanto o professor quanto o aluno saberão suas
dificuldades e, também seus progressos. O professor pode observar a evolução
do aluno, isto é, se ele construiu seu conhecimento com relação ao que se propõe.
A avaliação levará em conta a participação de cada aluno na execução de
cada tarefa proposta, tentativa de resolução dos exercícios de fixação e
entendimento do aluno perante os conteúdos apresentados.


4. Referências:

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília – DF:
MEC/SEF, 1998.

STOLF, Denise Ortigosa, Semelhança. Disponível em:
<http://www.colegioinovacao.com.br/cms/documentos/denise_matematica_8a_
serie_semelhanca.pdf > Acesso em: 26 mar. 2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano de aula PEJA I
Plano de aula PEJA IPlano de aula PEJA I
Plano de aula PEJA Iekarj2003
 
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das Cónicas
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das CónicasTratamento Metodológico no Estudo Particular das Cónicas
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das CónicasAfonso Kalufuilawoko
 
Plano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reaisPlano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reaisLuciane Oliveira
 
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]Alexandra Marto
 
Plano de-aula-mat3-01num04
Plano de-aula-mat3-01num04Plano de-aula-mat3-01num04
Plano de-aula-mat3-01num04Graça Sousa
 
Plano de-aula-mat3-01num02
Plano de-aula-mat3-01num02Plano de-aula-mat3-01num02
Plano de-aula-mat3-01num02Graça Sousa
 
MAT 4º ANO EF-2020
 MAT 4º ANO EF-2020 MAT 4º ANO EF-2020
MAT 4º ANO EF-2020Graça Sousa
 
Projeto,juliana cristina gomes.
Projeto,juliana cristina gomes.Projeto,juliana cristina gomes.
Projeto,juliana cristina gomes.Juliana Cristina
 
Plano de-aula-mat3-01num05
Plano de-aula-mat3-01num05Plano de-aula-mat3-01num05
Plano de-aula-mat3-01num05Graça Sousa
 
Plano de-aula-mat3-01num01
Plano de-aula-mat3-01num01Plano de-aula-mat3-01num01
Plano de-aula-mat3-01num01Graça Sousa
 
Plano de aula luciane antoniolli números racionais
Plano de aula luciane antoniolli   números racionaisPlano de aula luciane antoniolli   números racionais
Plano de aula luciane antoniolli números racionaisLuciane Antoniolli
 
Construção do hexaedro completa
Construção do hexaedro completaConstrução do hexaedro completa
Construção do hexaedro completaslucarz
 
Planos de aula_matematica_5_ano_2012
Planos de aula_matematica_5_ano_2012Planos de aula_matematica_5_ano_2012
Planos de aula_matematica_5_ano_2012Jane Silva
 

Mais procurados (15)

Plano de aula PEJA I
Plano de aula PEJA IPlano de aula PEJA I
Plano de aula PEJA I
 
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das Cónicas
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das CónicasTratamento Metodológico no Estudo Particular das Cónicas
Tratamento Metodológico no Estudo Particular das Cónicas
 
No plano de aula
No plano de aulaNo plano de aula
No plano de aula
 
Plano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reaisPlano de trabalho – Números reais
Plano de trabalho – Números reais
 
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]
Materiais apoio prof_racionais_jul09.[1]
 
Plano de-aula-mat3-01num04
Plano de-aula-mat3-01num04Plano de-aula-mat3-01num04
Plano de-aula-mat3-01num04
 
Plano de-aula-mat3-01num02
Plano de-aula-mat3-01num02Plano de-aula-mat3-01num02
Plano de-aula-mat3-01num02
 
MAT 4º ANO EF-2020
 MAT 4º ANO EF-2020 MAT 4º ANO EF-2020
MAT 4º ANO EF-2020
 
Projeto,juliana cristina gomes.
Projeto,juliana cristina gomes.Projeto,juliana cristina gomes.
Projeto,juliana cristina gomes.
 
Razões trigonométricas
Razões trigonométricasRazões trigonométricas
Razões trigonométricas
 
Plano de-aula-mat3-01num05
Plano de-aula-mat3-01num05Plano de-aula-mat3-01num05
Plano de-aula-mat3-01num05
 
Plano de-aula-mat3-01num01
Plano de-aula-mat3-01num01Plano de-aula-mat3-01num01
Plano de-aula-mat3-01num01
 
Plano de aula luciane antoniolli números racionais
Plano de aula luciane antoniolli   números racionaisPlano de aula luciane antoniolli   números racionais
Plano de aula luciane antoniolli números racionais
 
Construção do hexaedro completa
Construção do hexaedro completaConstrução do hexaedro completa
Construção do hexaedro completa
 
Planos de aula_matematica_5_ano_2012
Planos de aula_matematica_5_ano_2012Planos de aula_matematica_5_ano_2012
Planos de aula_matematica_5_ano_2012
 

Destaque

Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulos
Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulosLista de exercícios racionalização e semelhança de triângulos
Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulosMichele Boulanger
 
Potenciaçao e radiciaçao lista 5
Potenciaçao e radiciaçao   lista 5Potenciaçao e radiciaçao   lista 5
Potenciaçao e radiciaçao lista 5Ariosvaldo Carvalho
 
Atividade resolvida teorema de tales
Atividade resolvida teorema de talesAtividade resolvida teorema de tales
Atividade resolvida teorema de talesKaren Paz
 
Triângulos Semelhantes
Triângulos SemelhantesTriângulos Semelhantes
Triângulos Semelhantesguest10f3e
 
Lista de Exercícios 2 – Semelhança
Lista de Exercícios 2 – SemelhançaLista de Exercícios 2 – Semelhança
Lista de Exercícios 2 – SemelhançaEverton Moraes
 
Lista de Exercícios 1 – Semelhança
Lista de Exercícios 1 – SemelhançaLista de Exercícios 1 – Semelhança
Lista de Exercícios 1 – SemelhançaEverton Moraes
 
Fórmulas da potenciação e da radiciação revisao apostila color
Fórmulas da potenciação e da radiciação    revisao   apostila colorFórmulas da potenciação e da radiciação    revisao   apostila color
Fórmulas da potenciação e da radiciação revisao apostila colorAgamenon21
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Semelhança de Triângulos
 www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática -  Semelhança de Triângulos www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática -  Semelhança de Triângulos
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Semelhança de TriângulosBeatriz Góes
 
Exercícios teorema pitagoras
Exercícios teorema pitagorasExercícios teorema pitagoras
Exercícios teorema pitagorasMichele Boulanger
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulosELIZEU GODOY JR
 
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exercicios
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exerciciosMat utfrs 18. semelhanca de triangulos exercicios
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exerciciostrigono_metria
 
Trigonometria Triangulo Retangulo
Trigonometria Triangulo RetanguloTrigonometria Triangulo Retangulo
Trigonometria Triangulo Retangulotioheraclito
 
Aula - semelhança de figuras
Aula - semelhança de figurasAula - semelhança de figuras
Aula - semelhança de figurasmmffg
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasAjudar Pessoas
 
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade uso do papel q...
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade  uso do papel q...Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade  uso do papel q...
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade uso do papel q...João Batista Barbosa Filho
 
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORAS
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORASMATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORAS
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORASAlexander Mayer
 
Semelhança em figuras planas
Semelhança em figuras planasSemelhança em figuras planas
Semelhança em figuras planasSilvana Santos
 

Destaque (20)

Mat semelhanca
Mat semelhancaMat semelhanca
Mat semelhanca
 
Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulos
Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulosLista de exercícios racionalização e semelhança de triângulos
Lista de exercícios racionalização e semelhança de triângulos
 
Potenciaçao e radiciaçao lista 5
Potenciaçao e radiciaçao   lista 5Potenciaçao e radiciaçao   lista 5
Potenciaçao e radiciaçao lista 5
 
Atividade resolvida teorema de tales
Atividade resolvida teorema de talesAtividade resolvida teorema de tales
Atividade resolvida teorema de tales
 
Triângulos Semelhantes
Triângulos SemelhantesTriângulos Semelhantes
Triângulos Semelhantes
 
Lista de Exercícios 2 – Semelhança
Lista de Exercícios 2 – SemelhançaLista de Exercícios 2 – Semelhança
Lista de Exercícios 2 – Semelhança
 
Lista de Exercícios 1 – Semelhança
Lista de Exercícios 1 – SemelhançaLista de Exercícios 1 – Semelhança
Lista de Exercícios 1 – Semelhança
 
Polígonos semelhantes 2014 9 ano gabarito do 2
Polígonos semelhantes 2014 9 ano gabarito do 2Polígonos semelhantes 2014 9 ano gabarito do 2
Polígonos semelhantes 2014 9 ano gabarito do 2
 
Aula semelhança
Aula semelhança Aula semelhança
Aula semelhança
 
Fórmulas da potenciação e da radiciação revisao apostila color
Fórmulas da potenciação e da radiciação    revisao   apostila colorFórmulas da potenciação e da radiciação    revisao   apostila color
Fórmulas da potenciação e da radiciação revisao apostila color
 
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Semelhança de Triângulos
 www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática -  Semelhança de Triângulos www.AulasDeMatematicaApoio.com.br  - Matemática -  Semelhança de Triângulos
www.AulasDeMatematicaApoio.com.br - Matemática - Semelhança de Triângulos
 
Exercícios teorema pitagoras
Exercícios teorema pitagorasExercícios teorema pitagoras
Exercícios teorema pitagoras
 
Semelhança de triângulos
Semelhança de triângulosSemelhança de triângulos
Semelhança de triângulos
 
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exercicios
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exerciciosMat utfrs 18. semelhanca de triangulos exercicios
Mat utfrs 18. semelhanca de triangulos exercicios
 
Trigonometria Triangulo Retangulo
Trigonometria Triangulo RetanguloTrigonometria Triangulo Retangulo
Trigonometria Triangulo Retangulo
 
Aula - semelhança de figuras
Aula - semelhança de figurasAula - semelhança de figuras
Aula - semelhança de figuras
 
Exercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de PitágorasExercícios do Teorema de Pitágoras
Exercícios do Teorema de Pitágoras
 
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade uso do papel q...
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade  uso do papel q...Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade  uso do papel q...
Ampliação e redução de figuras geométricas, proporcionalidade uso do papel q...
 
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORAS
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORASMATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORAS
MATEMÁTICA FUNDAMENTAL - TEOREMA DE PITÁGORAS
 
Semelhança em figuras planas
Semelhança em figuras planasSemelhança em figuras planas
Semelhança em figuras planas
 

Semelhante a Plano de trabalho – Semelhança de polígonos

Plano de trabalho - Funções
Plano de trabalho - FunçõesPlano de trabalho - Funções
Plano de trabalho - FunçõesLuciane Oliveira
 
Plano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números ReaisPlano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números ReaisLuciane Oliveira
 
Plano de trabalho – Razões trigonométricas
Plano de trabalho – Razões trigonométricasPlano de trabalho – Razões trigonométricas
Plano de trabalho – Razões trigonométricasLuciane Oliveira
 
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdf
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdfAmpliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdf
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdfssuser901f75
 
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aulaJosé Carlos Martins
 
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.Juliana Cristina
 
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticar
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticarhttps://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticar
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticarJuliana Cristina
 
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões Matemáticas
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões MatemáticasPNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões Matemáticas
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões MatemáticasFelipe Silva
 
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdfJoão Paulo
 
Webquest iniciação ao pensamento algebrico
Webquest iniciação ao pensamento algebricoWebquest iniciação ao pensamento algebrico
Webquest iniciação ao pensamento algebricoJoao Ferreira
 
Ensinando matemática com o geoplano
Ensinando matemática com o geoplanoEnsinando matemática com o geoplano
Ensinando matemática com o geoplanoDaniela Coelho
 
Plano2 razões enize
Plano2 razões enizePlano2 razões enize
Plano2 razões enizeZiinha
 
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VF
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VFProjeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VF
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VFluisadr
 
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...Felipe Silva
 
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e Compasso
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e CompassoProjeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e Compasso
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e CompassoAlexandre Mazzei
 
Plano de trabalho - Teorema de Pitágoras
Plano de trabalho - Teorema de PitágorasPlano de trabalho - Teorema de Pitágoras
Plano de trabalho - Teorema de PitágorasLuciane Oliveira
 

Semelhante a Plano de trabalho – Semelhança de polígonos (20)

Plano de trabalho - Funções
Plano de trabalho - FunçõesPlano de trabalho - Funções
Plano de trabalho - Funções
 
Plano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números ReaisPlano de trabalho - Números Reais
Plano de trabalho - Números Reais
 
Plano de trabalho – Razões trigonométricas
Plano de trabalho – Razões trigonométricasPlano de trabalho – Razões trigonométricas
Plano de trabalho – Razões trigonométricas
 
Execução
ExecuçãoExecução
Execução
 
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdf
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdfAmpliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdf
Ampliação e redução_plano-de-aula-geo9-01und01.pdf
 
Razões trigonométricas
Razões trigonométricasRazões trigonométricas
Razões trigonométricas
 
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula
2011 sequências e regularidades uma tarefa para a sala de aula
 
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.
Plano de execução, juliana cristina gomes, razões trigonométricas.
 
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticar
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticarhttps://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticar
https://wwww.slideshare.net/julianacristina568089/edit_myinformaticar
 
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões Matemáticas
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões MatemáticasPNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8   Parte 3 - Conexões Matemáticas
PNAIC - 2014 MATEMÁTICA Caderno 8 Parte 3 - Conexões Matemáticas
 
Detalhamento de habilidade de matematica
Detalhamento de habilidade de matematicaDetalhamento de habilidade de matematica
Detalhamento de habilidade de matematica
 
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf
2016_pdp_mat_unespar-campomourao_anacassiadeoliveira.pdf
 
Webquest iniciação ao pensamento algebrico
Webquest iniciação ao pensamento algebricoWebquest iniciação ao pensamento algebrico
Webquest iniciação ao pensamento algebrico
 
Ensinando matemática com o geoplano
Ensinando matemática com o geoplanoEnsinando matemática com o geoplano
Ensinando matemática com o geoplano
 
Plano2 razões enize
Plano2 razões enizePlano2 razões enize
Plano2 razões enize
 
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VF
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VFProjeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VF
Projeto Planejamento - Luis Alberto - 20 out 2012 - VF
 
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...
PNAIC - Matemática - Caderno 7 - Parte 3 - construção e interpretação de gráf...
 
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e Compasso
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e CompassoProjeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e Compasso
Projeto Execução introdução a Geometria Espacial Regua e Compasso
 
Texto didático
Texto didáticoTexto didático
Texto didático
 
Plano de trabalho - Teorema de Pitágoras
Plano de trabalho - Teorema de PitágorasPlano de trabalho - Teorema de Pitágoras
Plano de trabalho - Teorema de Pitágoras
 

Mais de Luciane Oliveira

Plano de trabalho - Circunferência e círculo
Plano de trabalho - Circunferência e círculoPlano de trabalho - Circunferência e círculo
Plano de trabalho - Circunferência e círculoLuciane Oliveira
 
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grau
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grauPlano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grau
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grauLuciane Oliveira
 
Plano de trabalho - Equações do segundo grau
Plano de trabalho - Equações do segundo grauPlano de trabalho - Equações do segundo grau
Plano de trabalho - Equações do segundo grauLuciane Oliveira
 
Tangram nas aulas de Matemática
Tangram nas aulas de MatemáticaTangram nas aulas de Matemática
Tangram nas aulas de MatemáticaLuciane Oliveira
 

Mais de Luciane Oliveira (7)

Plano de trabalho - Circunferência e círculo
Plano de trabalho - Circunferência e círculoPlano de trabalho - Circunferência e círculo
Plano de trabalho - Circunferência e círculo
 
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grau
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grauPlano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grau
Plano de trabalho - Equações redutíveis ao 2º grau
 
Plano de trabalho - Equações do segundo grau
Plano de trabalho - Equações do segundo grauPlano de trabalho - Equações do segundo grau
Plano de trabalho - Equações do segundo grau
 
Tangram(2)
Tangram(2)Tangram(2)
Tangram(2)
 
Tangram
TangramTangram
Tangram
 
Tangram nas aulas de Matemática
Tangram nas aulas de MatemáticaTangram nas aulas de Matemática
Tangram nas aulas de Matemática
 
Tangram
TangramTangram
Tangram
 

Último

A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 

Último (20)

A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 

Plano de trabalho – Semelhança de polígonos

  • 1. FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA FUNDAÇÃO CECIERJ / SEEDUC-RJ COLÉGIO: C. E. GENERAL DUTRA PROFESSORA: LUCIANE OLIVEIRA DA SILVA MATRÍCULA: 0951237-7 SÉRIE: 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL TUTOR (A): ELISABETE FERREIRA TERRAÇÃO PLANO DE TRABALHO SOBRE SEMELHANÇA DE POLÍGONOS Luciane Oliveira da Silva Lucyanne_uff@yahoo.com.br 1. Introdução: Este Plano de Trabalho foi elaborado com o objetivo de mostrar aos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental os conceitos básicos sobre semelhança de polígonos. É indicado para ser utilizado em sala de aula, como reforço ao estudo do conteúdo. Pretendo que essa abordagem motive os alunos a buscarem ferramentas de cálculo para resolver os problemas práticos propostos, despertando o interesse em aprender formas rápidas, com significado, que determinem com facilidade o resultado buscado. A tônica desta aula é ajudar o aluno a construir, desenvolver e aplicar idéias e conceitos sobre semelhança, sempre compreendendo e atribuindo significados ao que está fazendo, buscando relacionar a aplicação dos conceitos à sua vida cotidiana. Este Plano de Trabalho foi produzido de forma a conter recursos visuais que levassem os alunos a ter uma oportunidade de visualizar de forma agradável o conteúdo estudado e consequentemente compreender os valores sobre o conteúdo estudado. Semelhança de polígonos, áreas e perímetros de figuras semelhantes são alguns exemplos de conceitos que estão muito mais presentes no nosso cotidiano do que imaginamos. Todas as tarefas propostas neste Plano de Trabalho envolvem ligações com conhecimentos já adquiridos e também com as técnicas e compreensão de conceitos algébricos como a resolução de problemas, os quais partem de contextos reais e também de assuntos matemáticos que precisam ser lembrados e aprofundados. 2. Estratégias adotadas no Plano de Trabalho: As tarefas que proponho visam contribuir para desenvolver nos alunos a linguagem e o pensamento geométrico, bem como a capacidade de interpretar, representar e resolver problemas usando procedimentos algébricos e geométricos e de utilizar estes conhecimentos e capacidades na exploração e modelação de situações em contextos diversos.
  • 2. Na primeira etapa do Plano de Trabalho, iremos classificar ou agrupar figuras discutindo se estas são semelhantes ou não. Na etapa seguinte, o professor deve trabalhar a atividade de dobraduras onde a ideia é usar dobraduras de papel para construir o conceito de semelhança de polígonos, mediante o reconhecimento da proporcionalidade dos seus lados. A terceira etapa será a exploração e resolução de uma lista de exercícios. Atividade 1:  Habilidade relacionada: - Identificar figuras semelhantes mediante o reconhecimento de relações de proporcionalidade. - Efetuar cálculos que envolvam operações com números racionais (adição, subtração, divisão, potenciação).  Pré-requisitos: Para desenvolver esta atividade é requerido dos alunos o conhecimento prévio de:  Conceitos de medidas, frações, polígonos e seus elementos.  Conceito de razão;  Tempo de Duração: 300 minutos (6 horas/aulas).  Recursos Educacionais Utilizados: Para a realização destas atividades, serão necessários os seguintes recursos:  Quadro branco;  Caneta para quadro branco;  Calculadora;  Régua;  Lápis e papel A4;  Folha de aula;  Organização da turma:
  • 3. Esta tarefa será realizada em pequenos grupos (3 ou 4 participantes) para que o trabalho seja colaborativo e que ninguém fique ocioso durante a aula e sim participando e descobrindo o conteúdo apresentado.  Objetivos: Ao término das aulas, o aluno deverá ser capaz de:  Construir o conceito de semelhança;  Verificar a semelhança entre polígonos através da comparação das suas medidas.  Metodologia adotada: Para a realização destas atividades são necessários 300 minutos de aula. As atividades estão divididas em três etapas. 1ª etapa: Na primeira etapa do Plano de Trabalho, iremos classificar ou agrupar figuras discutindo se estas são semelhantes ou não. Será distribuída uma folha com as seguintes imagens para que os alunos analisem e tirem suas conclusões:
  • 4. Nesta etapa, o professor, discutirá a ideia de semelhança com seus alunos a partir das figuras distribuídas. É importante diferenciar o termo popular “parecido” do termo matemático “semelhante”, percebido claramente nas duas imagens dos fuscas. As garrafas de coca-cola não são semelhantes, pois o gargalo de ambas possuem as mesmas dimensões. Já os cilindros, não possuem dimensões proporcionais. É importante fazer distinção entre as diferentes transformações empregadas nas imagens da borboleta e do trevo de quatro folhas. No caso das borboletas, deve-se considerar que a rotação, e a proporcionalidade de suas dimensões mantêm as figuras semelhantes. Já no caso dos trevos de quatro folhas, as transformações lineares empregadas não preservaram a proporcionalidade de suas mediadas, portanto não são semelhantes. 2ª etapa: Esta Atividade busca construir o conceito de semelhança de polígonos mediante o reconhecimento da proporcionalidade dos seus lados e apresentar ao aluno uma forma de verificação da semelhança entre retângulos através de dobraduras de papel e da comparação de suas diagonais. Professor, você pode incentivar os alunos a recortarem conjuntos de retângulos com medidas diferentes da escolhida pelos colegas, Assim eles poderão verificar que os conceitos estudados se aplicam a retângulos de quaisquer tamanhos. Também os orientem para não recortarem retângulos muito pequenos para não dificultar os procedimentos de dobra dos itens subsequentes. C. E. GENERAL DUTRA Nome:________________________________________________ Nº: ______ Turma: _______ Data: ____/____/____ Profª.: Luciane Silva Exercícios de Fixação A. Recorte no papel A4 dois retângulos iguais, ou seja, com as mesmas medidas. B. Tome um dos retângulos recortados e desenhe uma de suas diagonais. C. Com o outro retângulo dobre-o na metade duas vezes, dividindo-o em quatro partes iguais. Recorte um dos retângulos gerados pela dobradura e desenhe uma de suas diagonais, como mostra a imagem abaixo.
  • 5. D. Recorte mais um retângulo gerado pelas dobraduras feitas anteriormente e realize os mesmos procedimentos de dobra indicados no item anterior. Depois recorte um dos retângulos originados desta última dobradura e trace uma de suas diagonais. Você deve obter três retângulos como os da figura abaixo. E. Agora sobreponha os três retângulos fazendo coincidir a base e o vértice de onde parte cada diagonal. O que você pode observar com relação às diagonais dos retângulos? Observe o que acontece com os retângulos dos seus colegas. F. Agora, com o auxílio da régua, meça as bases e as alturas de cada um dos retângulos, calcule a razão entre a base e a altura de cada retângulo e preencha a tabela abaixo. G. O que você pode observar com relação às razões entre a base e a altura de cada retângulo? Converse com seus colegas sobre as respostas que eles encontraram. H. Agora, tome mais dois retângulos de papel vegetal do mesmo tamanho que os recortados no item a, ou seja, do mesmo tamanho que o maior. Em um dos retângulos trace uma das diagonais. No outro dobre ao meio, horizontalmente, recorte um dos retângulos originados da dobra e também trace uma das diagonais, como ilustrado abaixo. I. O que você observa quando sobrepõem esses dois novos retângulos? Suas diagonais se alinham? E nos retângulos dos seus colegas, o que acontece? J. Diante disso, você acha que esses retângulos são semelhantes? Para comprovar a sua resposta, preencha a tabela abaixo.
  • 6. K. O que aconteceu com a razão entre a base e a altura dos retângulos? Compare suas respostas com as dos seus colegas. L. Você acha que os procedimentos de dobra, indicados no item h, influenciaram no fato dos retângulos não serem semelhantes? O que diferencia esses procedimentos dos indicados no item c? Discuta com seus colegas essas questões, comparando as medidas anotadas nas tabelas A e B. Na etapa A, o professor deve orientar os alunos com os cortes sucessivos. Como é possível notar, estamos dividindo o retângulo no meio duas vezes. Começamos com dois retângulos iguais: um que será guardado com a diagonal desenhada e outro que será dobrado duas vezes no meio, sendo uma dobra horizontal e outra vertical. Essas duas dobras originam quatro retângulos iguais e menores que o inicial. Desses quatro retângulos menores, recortaremos dois: um que será guardado com a diagonal desenhada e outro que será dobrado como o anterior, formando quatro retângulos menores. Por fim, recortar-se-á um desses retângulos menores e se desenhará a diagonal nele, formando um trio de retângulos, como podemos observar na figura da etapa D. O primeiro é o inicial, o segundo tem a base e a altura medindo metade da base e altura, respectivamente, do primeiro. O terceiro tem sua base e altura medindo metade da base e altura, respectivamente, do segundo. Por consequência, o terceiro tem a sua base e altura medindo a quarta parte da base e altura, respectivamente, do primeiro. Na etapa E, o professor deve auxiliar seus alunos para que sobreponham os retângulos da forma correta, como mostra a figura abaixo. Esperamos que eles percebam que as diagonais dos retângulos ficam alinhadas. Na etapa F, os resultados da tabela dependerão do tamanho do retângulo inicial de cada aluno. Se cada grupo fez um retângulo diferente do outro então teremos tantas tabelas quantos forem os grupos de alunos participando desta Atividade. E isso é ótimo! Apesar de inúmeros retângulos diferentes, eles perceberão que a base e altura serão dividas por 2 a medida que reduzimos o retângulo pelas dobras. E Isso será constante em todos os retângulos! Além disso, perceberão que a razão entre a base e a altura permanece constante para cada trio de retângulos.
  • 7. Na etapa G, é importante que o professor alerte os alunos para pequenas diferenças nos valores, devido à imprecisão dos instrumentos de medição e possíveis aproximações que possam acontecer. Analisando a tabela, os alunos terão a oportunidade de perceber que as razões entre a base e a altura de cada retângulo são iguais, em cada conjunto de retângulos considerado. Deve conversar com eles que quando isso acontece, dizemos que os retângulos são semelhantes. Caso algum aluno comente que essa razão que encontramos, entre base e altura, é a razão de semelhança, cabe aqui uma intervenção. Sabemos que a razão de semelhança é a razão entre as bases (ou as alturas) dos retângulos semelhantes, e, portanto, é uma razão diferente da razão que calculamos. Nos retângulos semelhantes produzidos pela atividade proposta, a razão entre a base do maior retângulo e a base do retângulo intermediário é 2, assim como a razão entre as respectivas alturas também é 2. O mesmo ocorre entre o intermediário e o menor: eles são semelhantes com razão 2. Esta é a razão de semelhança. Cabe ainda ressaltar que a razão de semelhança inverte se fizermos o contrário, isto é, se compararmos a base do intermediário com a base do maior, veremos que essa 1 razão é na verdade 2 , o inverso de 2. Na etapa I, temos uma observação matemática a fazer. É possível que algum grupo de alunos ao cortar um retângulo inicial e dividi-lo no meio encontre um retângulo menor semelhante ao original! Observe a seguinte situação: De fato, isso sempre acontece quando a altura do retângulo é igual à base multiplicada por 2 . Na verdade, isso acontece somente nessa situação. Fato esse que pode ser provado, mas que não é nosso propósito nesse momento. Agora, o importante é que o professor esteja atento ao fato de, apesar de parecer difícil, isso não é improvável. Por exemplo, se um determinado grupo cortar um retângulo com altura medindo 20cm e a base medindo 14cm, teremos:
  • 8. Note que essa diferença é muito pequena, alguns milímetros. Como o processo de medir naturalmente faz uso de estimativas, esse problema pode aparecer em sua sala de aula. Na maioria dos casos, os alunos perceberão que as diagonais dos retângulos não se alinham, e que o mesmo acontece com os retângulos dos seus colegas. Na etapa K, os alunos perceberão que os retângulos não são semelhantes, pois suas diagonais não se alinham e a razão entre a base e a altura dos retângulos não são iguais. Na etapa L, o professor deve auxiliar seus alunos a perceberem que, no item c, tanto a base como a altura dos retângulos foram divididos ao meio, o que fez com que o retângulo oriundo dessas dobras fosse semelhante ao original. Fato que não acontece no item h, já que somente a altura foi dividida ao meio, fazendo com que não se possa garantir a semelhança entre esses retângulos. 3ª etapa: Na terceira etapa, os alunos resolverão uma lista de exercícios que será corrigida na aula e discutidas as respostas. C. E. GENERAL DUTRA Nome:________________________________________________ Nº: ______ Turma: _______ Data: ____/____/____ Profª.: Luciane Silva Exercícios de Fixação 1) Entre os polígonos abaixo há dois semelhantes. Quais são eles? 2) Os hexágonos H1 e H2 abaixo são semelhantes. Nessas condições: a) Qual é a razão de semelhança entre H1 e H2? b) Qual é a razão de semelhança entre os perímetros de H1 e H2?
  • 9. c) O que podemos afirmar sobre os ângulos internos de H1 e H2? 3) Os trapézios abaixo são semelhantes. Nessas condições: a) Qual é a razão de semelhança entre ABCD e MNPQ? b) Calcule as medidas x, y e z indicadas. c) Sem fazer cálculos, determine a razão entre os perímetros de ABCD e MNPQ. 1 4) A planta de uma casa, que é uma redução da casa real, foi feita na escala 200 (razão de semelhança). Uma sala retangular dessa casa tem 5 cm e 6 cm de dimensão nessa planta. Nessas condições: a) Quais as dimensões reais da sala? b) Qual a área da sala da planta? c) Qual a área da sala real? 5) Diga se os pares de triângulos abaixo são ou não semelhantes. 6) Na figura a seguir, temos PQ // BC . Nessas condições, responda:
  • 10. a) Quais as medidas a, b e c indicadas? b) Quais os triângulos que são semelhantes nessa figura? 7) As figuras abaixo nos mostram pares de triângulos semelhantes. Calcule x e y em cada uma delas. 8) Nas figuras abaixo, determine os valores de x e y. 9) Nas figuras abaixo, determine as medidas x e y.
  • 11. 10) Na figura abaixo, MN // BC , Nessas condições, determine: a) As medidas x e y indicadas. b) As medidas dos lados AB e AC . c) Os perímetros dos triângulos ABC e AMN. d) A razão de semelhança entre os triângulos ABC e AMN. 11) Para determinar a largura de um lago, foi utilizado o esquema representado pela figura abaixo. Qual é a largura do lago? 3. Avaliação: A avaliação do processo consiste na auto-avaliação e/ou avaliação mútua. A avaliação dispensa qualquer processo formal, tais como: nota, exames, etc. Além do mais, neste processo, tanto o professor quanto o aluno saberão suas dificuldades e, também seus progressos. O professor pode observar a evolução do aluno, isto é, se ele construiu seu conhecimento com relação ao que se propõe.
  • 12. A avaliação levará em conta a participação de cada aluno na execução de cada tarefa proposta, tentativa de resolução dos exercícios de fixação e entendimento do aluno perante os conteúdos apresentados. 4. Referências: BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática. Brasília – DF: MEC/SEF, 1998. STOLF, Denise Ortigosa, Semelhança. Disponível em: <http://www.colegioinovacao.com.br/cms/documentos/denise_matematica_8a_ serie_semelhanca.pdf > Acesso em: 26 mar. 2012.