Questões de gramática -o caçador que falava demais(ficha 3)

20.275 visualizações

Publicada em

Questões gerais de gramática

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.275
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15.547
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
374
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Questões de gramática -o caçador que falava demais(ficha 3)

  1. 1. ***FICHA DE TRABALHO COM QUESTÕES DE GRAMÁTICA*** (questões de escolha múltipla) Lê o excerto comatençãoe responde às questões, selecionandoas alíneas corretas. O caçador que falou demais-PARTE II 5 10 15 (Pela bocamorreo peixe,diz-se entrenós. Esta fábulado Benim vai um pouco mais longe: quem fala sem pensar bem no que diz pode causar muito dano a si e aos outros.) […]Mas o que tinha visto era de tal maneira extraordinário que, apenas chegou à aldeia, se esqueceu da promessa e foi direito à casa do rei, não descansando enquanto não lhe contou tudo: – Meu rei, disse-lhe, não imaginas o que me aconteceu: andava à caça na floresta quando descobri numa clareira um grande campo de milho onde as plantas cresciam apesar da seca. E o mais surpreendente é que o dono do campo era um sapo fiador! – Um sapo fiador a guardar o seu campo de milho?! Não pode ser verdade, disse o rei, isso é coisa que tu inventaste. – Não, insistiu Koumba, não se trata de um sonho. Vi o sapo com os meus olhos e comi as espigas do seu campo! Se não acreditas, meu rei, eu posso mostrar-te o campo, se tiveres a bondade de me seguir pela floresta. Como na aldeia reinava a fome, o rei decidiu seguir Koumba à descoberta do campo de milho. Se se trata de uma mentira, sentenciou o rei, vais arrepender-te: farei de ti meu escravo. Koumba, acompanhado pelo rei e pelos seus homens a cavalo, embrenhou-se de novo pela floresta, seguindo o caminho que tinha feito no dia anterior e chegou finalmente à clareira onde tinha descoberto o campo de milho e o seu insólito cultivador. Mas de Ponta e do seu campo de milho nem rasto! – Devo ter-me enganado no caminho – confessou Koumba. – Vamos por este outro carreiro. […] Por: PAOLO VALENTE http://www.alem-mar.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEZpEVFlyliYvLYdrH (cons. dia 16/09/2014) 1. Na palavra “extraordinário” (linha 3) o prefixo tem significado de a) «externamente, fora de, além de, à exceçãode». b) “localizaçãono espaço”. c) “localizaçãono tempo”. d) “açãocontrária”. 2. A palavra “que” surge repetida na linha 3 e podemos afirmar que a) nas duas situações pertence à classe dos pronomes. b) nos dois contextos é uma conjunção subordinativa. c) na primeira vez em que surge é um pronome, mas na segunda é uma conjunção. d) na primeira vez em que surge é uma conjunção, mas na segunda é um pronome. 3. A forma verbal “tinha visto “ (linha 3) encontra-se no a) pretérito perfeito composto do modo Indicativo. b) pretérito imperfeito composto do modo Indicativo. c) pretérito mais-que-perfeito composto do modo Indicativo. d) pretérito perfeito composto do modo Conjuntivo. 4. Atenta no enunciado “Maso quetinha visto era detal maneira extraordinário que, apenas chegou à aldeia, se esqueceu da promessa” (linhas 3 e 4) e classifica a oração sublinhada: a) oração subordinada adverbial consecutiva. b) oração coordenada conclusiva. c) oração subordinada adjetiva relativa explicativa. d) oração subordinada substantiva completiva. 5. O constituinte “à casa do rei “ (linha 4) desempenha a função sintática de a) modificador do grupo verbal (com valor locativo). b) complemento direto. c) modificador de frase.
  2. 2. d) complemento oblíquo. 6. A forma verbal “descansando” (linha 4) encontra-se conjugada no a) Infinitivo. b) Gerúndio. c) Condicional. d) Indicativo. 7. A palavra “tudo” (linha 4), quanto à sua classe, é um a) quantificador universal. b) quantificador numeral. c) pronome indefinido. d) advérbio de quantidade e grau. 8. O constituinte “Meu rei” (linha 5) exerce a função sintática de a) sujeito. b) vocativo. c) modificador do nome. d) modificador do grupo verbal. 9. No enunciado “o mais surpreendente” (linhas 6 e 7), o adjetivo encontra-se no grau a) normal. b) superlativo absoluto analítico. c) comparativo de superioridade. d) superlativo relativo de superioridade. 10. Quanto à sua subclasse, a forma verbal “era” (linha 7) pertence a um verbo a) copulativo. b) principal transitivo direto. c) auxiliar. d) principal transitivo indireto. 11. O sufixo utilizado nos adjetivos “fiador” (linha 7) e “cultivador” (linha 17) possui valor a) coletivo. b) de ocupação. c) de abundância. d) científico. 12. O complexo verbal “pode ser” (linha 8) é composto por a) um verbo auxiliar da passiva + um verbo principal no Infinitivo. b) um verbo auxiliar dos tempos compostos + um verbo principal no Infinitivo. c) um verbo auxiliar modal + um verbo principal no Infinitivo. d) um verbo auxiliar aspetual + um verbo principal no Infinitivo. 13. Com o recurso a dois sinais de pontuação no enunciado “–Um sapo fiador a guardar o seu campo de milho?!” (linha 8) pretende-se demonstrar que o rei reagiu à declaração do caçador com a) naturalidade e expectativa. b) estupefação e dúvida. c) espanto e alegria. d) surpresa e certeza. 14. Coloca no discurso indireto o enunciado “Não pode ser verdade, disse o rei, isso é coisa que tu inventaste.“ (linhas 8 e 9). a) O rei disse a Koumba que não pode ser verdade e que isso era coisa que ele inventou. b) O rei não acreditou que Koumba dissesse a verdade e achava que o caçador inventou tudo. c) O rei disse a Koumba que não era verdade e que era coisa inventada. d) O rei disse a Koumba que não podia ser verdade e que aquilo era coisa que ele inventara. 15. Relê o enunciado “Se não acreditas,meurei, eu posso mostrar-te o campo, se tiveres a bondade de
  3. 3. me seguir pela floresta.“ (linhas 11 e 12) e assinala a alínea correta: a) em ambas as situações é uma conjunção. b) trata-se de um pronome pessoal nos dois contextos. c) a palavra “se”, na primeira vez em que surge, é um pronome pessoal, mas na segunda é uma conjunção. d) na primeira vez em que surge, é uma conjunção, mas na segunda é um pronome. 16. A palavra “Como” (linha 13) e a forma verbal “como” do verbo “comer” são palavras a) parónimas. b) homónimas. c) homófonas. d) homógrafas. 17. Identifica a função sintática desempenhada pelo constituinte sublinhado em “Como na aldeia reinava a fome” (linha 13). a) complemento direto. b) modificador do nome. c) complemento indireto. d) sujeito. 18. O constituinte “acompanhado pelo rei e pelos seus homens a cavalo” (linha 15) surge isolado por vírgulas por desempenhar a função sintática de a) sujeito. b) vocativo. c) modificador apositivo do nome. d) modificador de frase. 19. Classifica as orações presentes no enunciado “Koumba, acompanhado pelo rei e pelos seus homens a cavalo, embrenhou-se de novo pela floresta, seguindo o caminho que tinha feito no dia anterior e chegou finalmente à clareira onde tinha descoberto o campo de milho e o seu insólito cultivador.” (linhas 15-17) pela ordem em que surgem. a) Oração subordinada adverbial final; oração subordinante; oração subordinada substantiva relativa; oração subordinada adjetiva relativa restritiva; oração coordenada copulativa. b) Oração subordinante; oração subordinada substantiva completiva; oração subordinada substantiva relativa; oração subordinada adjetiva relativa restritiva; oração coordenada copulativa. c) Oração subordinada adverbial condicional; oração subordinante; oração subordinada substantiva completiva; oração coordenada copulativa; oração coordenada copulativa. d) Oração subordinante; oração coordenada assindética; oração subordinada adjetiva relativa restritiva; oração coordenada copulativa; oração subordinada adjetiva relativa restritiva. 20. O adjetivo “insólito” (linha 17) é sinónimo de a) “extraordinário”. b) “comum”. c) “absurdo”. d) “magnífico”. BOM TRABALHO!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha CORREÇÃO: 1-a 2-c 3-c 4-a 5-d 6-b 7-c 8-b 9-d 10-a 11-b 12-c 13-b 14-d 15-a 16-b 17-d 18-c 19-d 20-a

×