Questões de gramática - a bruxa

10.499 visualizações

Publicada em

Ficha de trabalho de escolha múltipla, com correção, para rever praticamente toda gramática do 3º ciclo

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.499
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7.726
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
307
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Questões de gramática - a bruxa

  1. 1. ***FICHA DE TRABALHO COM QUESTÕES DE GRAMÁTICA*** (questões de escolha múltipla) Lê o excerto com atenção e responde às questões, selecionando as alíneas corretas. A bruxa que queria sacrificar a filha 1 5 10 15 20 25 30 Neste conto africano da Serra Leoa, nem a própria filha escaparia à malvadez da mãe, se num sonho que a rapariga teve uma voz estranha a não avisasse do que estava para lhe acontecer: sacrificada a um espírito cruel. Era uma vez uma velha bruxa, que vivia junto do rio Mabole e tinha poderes mágicos, com os quais fazia desaparecer as crianças, que depois oferecia em sacrifício ao cruel espírito do rio. A bruxa tinha uma filha muito linda, chamada Simiti, que desconhecia a ignóbil atividade da mãe. Certa noite, Simiti teve um estranho sonho e ouviu uma voz que lhe dizia para fugir de casa da mãe, porque ela resolvera sacrificá-la também ao espírito do rio. «Amanhã, de madrugada, vem ter comigo junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos. Não tenhas medo.» De madrugada, Simiti saiu de casa e dirigiu-se ao local combinado. Logo que aí chegou, viu um caçador, que segurava numa das mãos um veado morto e na outra uma lança. «Sou a voz que ouviste. Pedi-te que viesses aqui para te salvar das garras da tua mãe. Ando sempre pela floresta a caçar. Nas noites de lua cheia, a tua mãe vem ao rio sacrificar uma criança. Da última vez, ouvi-a dizer ao espírito que não havia mais crianças. Ele ordenou-lhe que te sacrificasse a ti.» «De facto, na aldeia não há mais crianças», respondeu Simiti. «Não é possível que aquela malvada seja minha mãe!» «Se confiares em mim, eu salvo-te», adiantou o caçador. «Quando a tua mãe, logo à noite, te mandar buscar água ao rio, tu metes as tuas coisas numa trouxa, vens aqui ter comigo e fugimos.» Infelizmente, a mãe escutava a conversa escondida no meio do mato e correu para casa antes da filha. Logo que esta chegou, deu-lhe uma reprimenda por ter regressado tão tarde. E mandou-a ir buscar água. A filha meteu algumas roupas numa trouxa, agarrou na cabaça e dirigiu-se ao rio, na intenção de fugir. Mas a mãe, que sabia da tramoia, seguia-a de longe. O caçador aguardava Simiti no local combinado e, ao ouvir um barulho no matagal, agarrou na lança, pensando que se tratava de uma peça de caça, e atirou sobre a presa. Mas não: era a mãe de Simiti, que o caçador atingiu mortalmente no coração. Simiti nem queria acreditar no que os seus olhos viam. O caçador pediu-lhe então que o ajudasse a levá-la para a aldeia, onde queria desmascará-la pela morte de tantas crianças. E assim aconteceu. A população fez-lhe o enterro, tratando-a da forma que merecem todos aqueles que praticam a bruxaria e crimes. O caçador foi, então, escolhido para chefe da aldeia, recebendo como presente uma esposa: Simiti. E viveram felizes o resto dos seus dias. In http://www.alem-mar.org/cgi-bin/quickregister/scripts/redirect.cgi?redirect=EEuFlpykyVfMvUsMLq (cons. dia 08/05/2015) 1. Identifica a classe e a subclasse de palavras à qual pertence a palavra “que” inserida no título do conto. a) Conjunção subordinativa completiva. b) Conjunção coordenativa copulativa. c) Conjunção subordinativa relativa. d) Pronome relativo. 2. A palavra “africano” (linha 1) trata-se de um a) adjetivo qualificativo. b) adjetivo relacional. c) nome comum contável. d) nome comum contável coletivo. 3. A palavra “Leoa” (linha 1) e “leoa”, quanto ao processo de formação, são palavras que resultam do processo de
  2. 2. a) derivação por parassíntese. b) derivação não afixal. c) conversão. d) composição morfológica. 4. A forma verbal “escaparia” (linha 1) encontra-se conjugada em que modo? a) Gerúndio. b) Condicional. c) Indicativo. d) Conjuntivo. 5. A forma verbal “escaparia” (linha 1), quanto à subclasse, pertence a um verbo a) copulativo. b) principal transitivo direto. c) principal transitivo indireto. d) intransitivo. 6. O sufixo “ez”, na palavra “malvadez” (linha 1) significa a) “nome de lugar, depositório”. b) “qualidade ou característica”. c) “abundância, aglomeração”. d) “noção coletiva”. 7. A palavra “à” (linha 1) é uma das poucas palavras que, na língua portuguesa, são acentuadas com acento grave. Que regra justifica o uso desse acento? a) O seu uso justifica-se com o facto de a palavra ser aguda. b) Usa-se porque é um monossílabo. c) A sua utilização explica-se por derivar de uma preposição. d) Usa-se para indicar que a palavra resulta de uma contração entre uma preposição e um determinante ou um pronome. 8. As palavras “filha” e “mãe” (linha 1) a) pertencem à mesma família de palavras. b) estabelecem entre si ima relação de hiperonímia e hiponímia. c) pertencem ao mesmo campo lexical. d) são palavras parónimas. 9. Atenta no enunciado “nem a própria filha escaparia à malvadez da mãe, se num sonho que a rapariga teve uma voz estranha a não avisasse do que estava para lhe acontecer” (linhas 1-2) e classifica a oração sublinhada: a) Oração subordinante. b) Oração subordinada adjetiva relativa restritiva. c) Oração subordinada substantiva relativa. d) Oração coordenada explicativa. 10. Para manter a coesão textual, o narrador recorreu ao nome “a rapariga” (linha 2). A esse mecanismo chama-se a) pronominalização. b) repetição intencional. c) progressão temática. d) substituição lexical. 11. A contração “do” (linha 2) resulta da junção a) da preposição “do” e do determinante artigo definido “o”. b) da preposição “de” e do determinante artigo definido “o”. c) da preposição “de” e do pronome demonstrativo “o”. d) da preposição “de” e do pronome possessivo “o”. 12. A fórmula introdutória “Eraumavez” (linha 4)
  3. 3. a) tem comosujeito o constituinte “uma velha bruxa”. b) trata-se de uma expressão que tem uma função textual e discursiva. c) classifica-se como oraçãosubordinada adverbial temporal. d) seleciona um predicativo do sujeito. 13. O antecedente da palavra “que” (linha5) é a palavra expressão a) “bruxa”. b) “rio”. c) “poderes”. d) “crianças”. 14. O grupo preposicional “ao cruel espírito do rio” (linha 5) desempenha a função sintática de a) complemento indireto. b) modificador do nome. c) complemento direto. d) complemento oblíquo. 15. O adjetivo “linda” (linha 6) encontra-se no grau a) normal. b) comparativo de superioridade. c) superlativo relativo de superioridade. d) superlativo absoluto analítico. 16. O constituinte “chamada Simiti” (linha 6), que se encontra isolado por vírgulas, desempenha a função sintática de a) modificador apositivo do nome. b) modificador do grupo verbal. c) modificador de frase. d) vocativo. 17. O adjetivo “ignóbil” (linha 6) é sinónimo de a) “misteriosa”. b) “desprezível”. c) “secreta”. d) “antiga”. 18. No enunciado “Simiti teve um estranho sonho e ouviu uma voz que lhe dizia para fugir de casa da mãe “ (linha 7), o pronome “lhe” surge anteposto ao verbo porque a) é seguido de uma forma verbal no pretérito imperfeito do Indicativo. b) integra uma oração subordinada. c) se trata de um pronome pessoal. d) pertence à ultima oração do período. 19. A forma verbal “resolvera” (linha 8) encontra-se em que tempo e modo verbais? a) Pretérito perfeito simples do modo Indicativo. b) Pretérito imperfeito simples do modo Indicativo. c) Pretérito mais-que-perfeito simples do modo Indicativo. d) Pretérito imperfeito simples do modo Conjuntivo. 20. Coloca as frases seguintes no discurso direto: “Amanhã, de madrugada, vem ter comigo junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos. Não tenhas medo.” (linhas 8-9). a) O caçador disse à rapariga para ir ter com ele amanhã, junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos e para não ter medo. b) O caçador disse à rapariga para, no dia seguinte, de madrugada, ir ter com ele junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos e acrescentou que não tivesse medo. c) O caçador pediu à rapariga para amanhã, de madrugada, ir ter com ele junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos e disse-lhe que não tenha medo. d) O caçador disse-lhe para no dia seguinte, de madrugada, ir ter com ele junto do grande embondeiro, nos quatro caminhos e acrescentou que não tenha medo.
  4. 4. 21. A forma verbal “tenhas” (linha 9) encontra-se conjugada no presente do conjuntivo, mas está a ser usada com valor do modo a) Condicional. b) Indicativo. c) Particípio. d) Imperativo. 22. As aspas usadas nas linhas 8 a 10 têm como funcionalidade a) transcrever o discurso indireto. b) reproduzir literalmente o discurso proferido pelo caçador. c) apresentar uma citação. d) delimitar palavras usadas com um valor especial. 23. O constituinte “de casa” (linha 10) exerce a função sintática de a) modificador do grupo verbal. b) predicativo do sujeito. c) complemento oblíquo. d) complemento agente da passiva. 24. A oração “Logo que aí chegou” (linha 10) classifica-se como oração a) subordinada substantiva completiva. b) subordinante. c) subordinada adverbial temporal. d) subordinada adverbial final. 25. Na frase “Logo que aí chegou, viu um caçador, que segurava numa das mãos um veado morto e na outra uma lança.” (linhas 10-11) que motivos justificam as vírgulas utilizadas? a) A primeira vírgula é de uso obrigatório já que a oração subordinada adverbial surge antes da subordinante. Já a segunda vírgula isola uma oração subordinada adjetiva relativa explicativa. b) As duas vírgulas encontram-se a isolar do resto da frase um modificador do grupo verbal. c) As vírgulas são de uso obrigatório por estarem a isolar um modificador apositivo do nome. d) As duas vírgulas são obrigatórias quando se pretende isolar a oração subordinante. 26. Entre a palavra “voz” (linha 12) e o pronome pessoal “vós” estabelece-se uma relação de a) paronímia. b) homonímia. c) homografia. d) homofonia. 27. Classifica as orações presentes na frase “Pedi-te que viesses aqui para te salvar das garras da tua mãe.” (linha 12) pela ordem em que surgem. a) Oração coordenada; oração subordinada substantiva completiva; oração subordinada adverbial causal. b) Oração subordinante; oração subordinada substantiva relativa; oração subordinada adverbial comparativa. c) Oração subordinante; oração subordinada adjetiva relativa restritiva; oração subordinada adverbial temporal. d) Oração subordinante; oração subordinada substantiva completiva; oração subordinada adverbial final. 28. Ao recorrer à palavra “garras” (linha 12) o narrador recorre a uma a) comparação. b) metáfora. c) hipérbole. d) personificação.
  5. 5. 29. Em que tempos e modos verbais se encontram os verbos sublinhados da frase “Nas noites de lua cheia, a tua mãe vem ao rio sacrificar uma criança. Da última vez, ouvi-a dizer ao espírito que não havia mais crianças. Ele ordenou-lhe que te sacrificasse a ti.” (linhas 13-14)? a) Modo Infinitivo; Pretérito Perfeito simples do modo Indicativo; Pretérito Imperfeito simples do modo Indicativo; Pretérito Imperfeito simples do modo Conjuntivo. b) Presente do modo Indicativo; Pretérito Imperfeito simples do Modo Indicativo; Pretérito perfeito simples do modo Conjuntivo; Pretérito Perfeito simples do modo Conjuntivo. c) Presente simples do modo Conjuntivo; Pretérito Mais-que-perfeito simples do Modo Indicativo; Pretérito perfeito simples do modo Conjuntivo; Pretérito Perfeito simples do modo Indicativo. d) Modo Infinitivo; Pretérito Imperfeito simples do modo Indicativo; Pretérito Perfeito simples do modo Indicativo; Pretérito Imperfeito simples do modo Conjuntivo. 30. A forma verbal “havia” (linha 14) pertence a um verbo a) regular. b) irregular. c) defetivo pessoal. d) defetivo expletivo. 31. Na linha 14, a palavra “que” surge repetida. Assinala a única alínea correta: a) no primeiro caso, introduz uma oração subordinada adverbial, mas no segundo a oração que inicia é uma subordinada adjetiva. b) na primeira vez em que surge pertence à classe das conjunções, mas na segunda vez é um pronome. c) nas duas situações introduz orações subordinadas substantivas completivas com função sintática de complemento direto. d) na primeira vez desempenha a função sintática de complemento oblíquo, mas a seguir introduz uma oração com função de complemento direto. 32. A oração subordinada substantiva completiva “que te sacrificasse a ti “ (linha 14) desempenha que função sintática? a) Sujeito. b) Complemento direto. c) Modificador do nome. d) Predicativo do sujeito. 33. O constituinte “De facto” (linha 15) desempenha a função sintática de a) Modificador de frase. b) Modificador do grupo verbal. c) Sujeito. d) Vocativo. 34. Divide e classifica as orações presentes na frase “Logo que esta chegou, deu-lhe uma reprimenda por ter regressado tão tarde. “ (linha 20). a) Oração subordinada adverbial temporal; oração subordinante; oração subordinada adverbial causal. b) Oração subordinada adverbial temporal; oração subordinada substantiva completiva; oração subordinada adverbial causal. c) Oração subordinada adverbial causal; oração subordinante; oração subordinada adverbial temporal. d) Oração subordinada adverbial final; oração subordinante; oração subordinada adjetiva relativa restritiva. 35. A forma verbal “meteu” (linha 22) seleciona a) um complemento direto e um indireto. b) um complemento direto e um oblíquo. c) um sujeito e um complemento direto. d) um complemento direto e um complemento agente da passiva. 36. No que concerne às palavras “rio” (linha 22) e “rio” (forma verbal do verbo “rir”), assinala a única alínea falsa:
  6. 6. a) As duas palavras são convergentes. b) São palavras homónimas. c) O seu processo de formação designa-se por conversão. d) Tratam-se de palavras parónimas. 37. A palavra “tramoia” (linha 23), com o Novo Acordo Ortográfico (NAO), perdeu o acento agudo. Que regra motivou essa alteração? a) O acento caiu porque a palavra é acentuada na penúltima sílaba. b) Foi-lhe retirado o acento porque é uma palavra derivada. c) Perdeu o acento agudo visto que “comboio” também se escreve sem acento e pretende-se seguir o mesmo critério. d) Atualmente escreve-se sem acento já que o ditongo “oi”, nas palavras graves, deixou de ser acentuado. 38. A palavra “matagal” (linha 24) sofreu uma evolução fonológica em relação à palavra que lhe deu origem. Como se designa esse processo? a) Crase. b) Metátese. c) Redução vocálica. d) Dissimilação. 39. O processo de formação da palavra “caça” (linha 25) é designado por a) composição morfológica. b) truncação. c) derivação não afixal. d) extensão semântica. 40. Em relação à frase “O caçador foi, então, escolhido para chefe da aldeia, recebendo como presente uma esposa: Simiti.” (linha 30) seleciona a única opção correta: a) Esta frase é uma frase ativa. b) O complemento agente da passiva encontra-se omitido, mas subentendido. c) A palavra “como” é um advérbio com valor causal. d) A palavra “então” encontra-se isolada por vírgulas visto desempenhar a função sintática de modificador apositivo do nome. BOM TRABALHO!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha CORREÇÃO: 1-d 2-b 3-c 4-a 5-c 6-b 7-d 8-c 9-b 10-d 11-c 12-b 13-d 14-a 15-d 16-a 17-b 18-b 19-c 20-b 21-d 22-b 23-c 24-c 25-a 26-d 27-d 28-b 29-a 30-d 31-c 32-b 33-a 34-a 35-b 36-d 37-d 38-c 39-c 40-b

×