O mural de pessoa- ficha sobre gramática

27.987 visualizações

Publicada em

30 questões de escolha múltipla sobre gramática- corrigida

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

O mural de pessoa- ficha sobre gramática

  1. 1. 1 FICHA DE TRABALHO DE PORTUGUÊS SOBRE GRAMÁTICA Lê o texto com atenção e seleciona, para cada item, a única opção correta: Manuel Halpern, “O Mural de Pessoa” 5 10 15 20 25 Se no tempo de Fernando Pessoa houvesse Facebook, então é que a arca nunca mais acabava. E os pessoanos estudariam cada like, com afinco, procurando as motivações literárias e as personalidades escondidas naquele gesto espontâneo. E as partilhas. Talvez aquela Oração que circula por aí, da Banda Mais Bonita da Cidade, lhe despertasse os sentidos, ou pelo menos a um dos heterónimos. Ai, se a equipa do Mark Zuckerberg descobrisse os heterónimos iria logo classificá-los como perfis falsos, e lá se ia o mural do Álvaro de Campos. Talvez não dessem por nada. E só anos mais tarde os pessoanos mais aplicados encontrariam um perfil falso sem amigo nenhum, mas pessoanamente genial. Sim, o Álvaro de Campos seria o mais torrencial. Partilhas em catadupa, remissões para o blogue, momentos de grande euforia e habilidade informática. O Ricardo Reis publicaria, rigorosamente, um post por dia, e só aceitaria amizade de pessoas com quem privasse. O Alberto Caeiro não seria informaticamente dotado, mas até acharia graça à coisa. O Bernardo Soares gostaria mais do Twitter. Nenhum deles teria cinco mil amigos, nem mesmo o Fernando Pessoa ortónimo, sobretudo por uma questão de timidez, apesar de passar demasiado tempo no chat com Ofélia. Todos os posts de amor são ridículos. Imagine-se o manancial de informação arquivado. As publicações do mural. O Almada Negreiros seria um dos mais fervorosos frequentadores, com considerações e discussões acesas. Até ao dia, claro está, em que via a conta bloqueada, por denúncia de Júlio Dantas, que considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral no seu mural. Quando inventaram a revista Orpheu criaram um evento, a que poucos amigos ligaram. Mas eles insistiram muito. Até criaram um site onde publicavam apenas parte dos conteúdos... Quem quisesse ler o resto que comprasse a revista. Contudo, o volume três apenas sairia em edição digital, com grafismo do Almada e ciberarte do Amadeo. Todos choraram muito a Morte de Mário de Sá-Carneiro. De Paris, ele já tinha colocado uns posts que sugeriam a depressão, mas ninguém poderia esperar aquilo. O Mural encheu-se de comoventes mensagens de despedida. Alguns até lhe dedicariam poemas. Quando Fernando Pessoa morreu, misteriosamente, Ricardo Reis continuou ativo, a publicar os seus posts diários. Quem descobriu isso foi esse tal de Saramago, que o matou anos mais tarde. http://visao.sapo.pt/jornaldeletras/rubricas/homemdoleme/homem-do-leme-o-mural-de- pessoa=f610184 (consultado dia 30/10/2015) 1. O processo de formação das palavras “Se” (linha 1) e “se” (linha 15) é a a) derivação não afixal. b) conversão. c) composição morfológica. d) composição morfossintática.
  2. 2. 2 2. A primeira oração do texto (“Se no tempo de Fernando Pessoa houvesse Facebook”, linha 1) classifica-se como sendo uma oração subordinada adverbial a) condicional. b) concessiva. c) consecutiva. d) completiva. 3. A forma verbal “houvesse” (linha 1) encontra-se no a) Pretérito Imperfeito do Indicativo. b) Pretérito Imperfeito do Conjuntivo. c) Pretérito Perfeito do Indicativo. d) Futuro do Conjuntivo. 4. O pronome pessoal “lhe” (linha 3) é uma forma a) enclítica. b) mesoclítica. c) proclítica. d) paroxítona. 5. Entre as palavras “aí” (linha 3) e “Ai” (linha 4) estabelece-se uma relação de a) paronímia. b) homonímia. c) homofonia. d) homografia. 6. Com a expressão “a equipa do Mark Zuckerberg “ (linha 4), o autor procura manter a coesão a) temporal. b) frásica. c) lexical. d) interfrásica. 7. A palavra “nenhum” (linha 6) quanto à sua classe e subclasse, é um a) pronome indefinido. b) determinante indefinido. c) quantificador universal. d) quantificador existencial. 8. No enunciado “encontrariam um perfil falso sem amigo nenhum” (linha 6) o complemento direto substituir-se-ia do seguinte modo: a) “o encontrariam”. b) “encontrariam-no”. c) “encontrá-lo-iam”. d) “encontrariam-o”. 9. O adjetivo “torrencial” (linha 8) encontra-se no grau a) comparativo de superioridade. b) normal. c) superlativo relativo de superioridade. d) superlativo absoluto analítico. 10. No enunciado “Partilhas em catadupa, remissões para o blogue, momentos de grande euforia e habilidade informática.” (linhas 8-9) deparamo-nos com
  3. 3. 3 a) uma enumeração. b) um polissíndeto. c) uma adjetivação. d) um paradoxo. 11. Com o recurso ao advérbio “rigorosamente” (linha 10) o autor do texto pretende realçar, em Ricardo Reis, o seu caráter a) manipulador. b) autoritário. c) complacente. d) inflexível. 12. A oração subordinada substantiva relativa sem antecedente “com quem privasse” (linhas 10-11) desempenha a função sintática de a) modificador do grupo verbal. b) complemento direto. c) complemento do nome. d) complemento oblíquo. 13. Associando o semi-heterónimo Bernardo Soares ao “Twitter” (linha 12), o autor refere-se, indiretamente, a) à estrutura do Livro do Desassossego. b) à personalidade fragmentária de Pessoa. c) aos mais de setenta heterónimos pessoanos. d) à publicação tardia do seu livro. 14. A locução prepositiva “apesar de” (linha 13) introduz uma oração subordinada a) substantiva relativa. b) adverbial concessiva. c) adjetiva relativa restritiva. d) adverbial final. 15. O pronome “se” (linha 15) possui valor a) passivo. b) reflexo. c) impessoal. d) recíproco. 16. No segundo e terceiro parágrafos, que relação semântica se estabelece entre os nomes “Álvaro de Campos”, “Ricardo Reis”, “Alberto Caeiro” e “Bernardo Soares”? a) Hiponímia. b) Meronímia. c) Paronímia. d) Heteronímia. 17. No enunciado “via a conta bloqueada” (linhas 16-17), o constituinte sublinhado desempenha a função sintática de a) complemento direto. b) modificador restritivo do nome. c) predicativo do sujeito. d) predicativo do complemento direto.
  4. 4. 4 18. A palavra “indecorosa” (linha 17) é sinónima de a) “obscena”. b) “atrevida”. c) “grandiosa”. d) “surpreendente”. 19. Atenta no enunciado “considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral no seu mural.” (linhas 17- 18) e assinala a alínea onde é feita, corretamente, a sua análise sintática: a) “considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral no seu mural”- predicado; “aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral”- complemento direto; “no seu mural.”- modificador do grupo verbal. b) “considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral”- predicado; “aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral”- predicativo do sujeito; “no seu mural.”- modificador de frase. c) “considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral no seu mural”- predicado; “aquela história do "Pim!"”- complemento direto; “indecorosa e imoral”- predicativo do complemento direto; “no seu mural.”- modificador do grupo verbal. d) “considerou aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral ”- predicado; “aquela história do "Pim!" indecorosa e imoral”- complemento direto; “no seu mural.”- complemento oblíquo. 20. Relê a frase “Quando inventaram a revista Orpheu criaram um evento, a que poucos amigos ligaram.” (linha 19) e assinala a única alínea correta: a) A conjunção “Quando” introduz a oração subordinante. b) A vírgula separa a oração subordinada que antecede a subordinante. c) A palavra “poucos”, quanto à sua classe, é um pronome indefinido. d) A forma verbal “ligaram”, neste contexto, trata-se de um verbo intransitivo. 21. O adjetivo “digital” (linha 21) desempenha a função sintática de a) modificador restritivo do nome. b) complemento do nome. c) modificador do grupo verbal. d) modificador apositivo do nome. 22. A palavra “Todos” (linha 22), quanto à sua classe e subclasse, trata-se de um a) quantificador universal. b) quantificador numeral. c) pronome indefinido. d) determinante indefinido. 23. O complexo verbal “tinha colocado” (linha 22) encontra-se no a) Presente composto do modo Indicativo. b) Pretérito perfeito composto do modo Indicativo. c) Pretérito Imperfeito composto do modo Indicativo. d) Pretérito Mais-que-Perfeito composto do modo Indicativo. 24. Se substituísses o complemento direto na frase “Todos choraram muito a Morte de Mário de Sá-Carneiro.” (linha 22) o pronome pessoal surgiria à esquerda do verbo por a) a frase se iniciar por um pronome indefinido. b) estar incluído numa oração onde consta um quantificador. c) a frase ter um sentido passivo. d) o verbo principal ser intransitivo.
  5. 5. 5 25. Relê a frase “De Paris, ele já tinha colocado uns posts que sugeriam a depressão, mas ninguém poderia esperar aquilo.” (linhas 22-23), e assinala a única alínea falsa: a) O constituinte “De Paris” exerce a função sintática de modificador do grupo verbal. b) No complexo verbal deparamo-nos com um verbo auxiliar dos tempos compostos. c) A palavra “que” é um pronome relativo. d) Na frase distinguimos três pronomes. 26. O constituinte “de comoventes mensagens de despedida” (linhas 23-24) desempenha a função sintática de a) sujeito. b) complemento direto. c) complemento oblíquo. d) complemento indireto. 27. A forma verbal “continuou” (linha 25) pertence à subclasse dos verbos principais a) intransitivos. b) transitivos diretos. c) copulativos. d) transitivos indiretos. 28. O determinante “seus” (linha 25), sendo um mecanismo de coesão, é a) uma anáfora. b) um correferente não-anafórico. c) uma catáfora. d) uma elipse. 29. Como classificas a oração “que o matou anos mais tarde” (linha 26)? a) Oração subordinada adverbial temporal. b) Oração subordinada adjetiva relativa explicativa. c) Oração subordinada adverbial causal. d) Oração subordinada substantiva completiva. 30. Com a forma verbal “matou” (linha 26), o autor recorre a uma a) hipálage. b) metáfora. c) comparação. d) antítese. BOM TRABALHO!!!!!!!!!!! A PROFESSORA: Lucinda Cunha PROPOSTA DE CORREÇÃO 1-b 2-a 3-b 4-c 5-d 6-c 7-b 8-a 9-c 10-a 11-d 12-d 13-a 14-b 15-c 16-a 17-d 18-a 19-c 20-d 21-b 22-c 23-d 24-a 25-d 26-c 27-c 28-a 29-b 30-b
  6. 6. 6

×