A MÚSICA NO CERNE DOS
PROCESSOS COMUNICACIONAIS
Lucina ReitenbachViana - UTP
OBJETIVOS
“Tonal, modal, atonal não significam mais
quase nada. Não existe senão a música para
ser arte como cosmos e traç...
A música discutida de forma separada das artes em geral
Possibilidade de abordagem direta
FILÓSOFOS FUNDAMENTAIS
PONTO DE PARTIDA
“A música é uma arte tão grandiosa e majestosa que
atinge o interior do homem, onde é compreendida
com in...
HISTÓRICO
Schöenberg e seu sistema dodecafônico:
liberação de convenções permitindo a transgressão,
que acabou ganhando o ...
ROMPIMENTO
Tecnologias digitais:
rompimento dessa unificação, permitindo novas formas
de trabalho acerca da música, tanto ...
Música
Pensamento
humano
Aparato
tecnológico
A relação entre música e pensamento está no vínculo de
ambos com o aparato te...
MEDIAÇÃO POR COMPUTADOR
A partir da mediação do computador no
processo de produção musical comoprocesso de produção musica...
AUTOCONHECIMENTO
“A música desperta sensações. Ela me liberta de
mim mesmo, torna-me autoconsciente, como se
eu pudesse ve...
FACILIDADES
AUTOCONHECIMENTO Facilidades de composição pela adoção
da tecnologia
pessoas comuns tornam-se produtores
A vir...
FERRAMENTAS
AUTOCONHECIMENTO As ferramentas tecnológicas devolvem
ao homem mais do que se espera:
possibilidade de se reen...
EVOLUÇÃO
Composição
musical
Adoção da
tecnologia
Liberação do
artista
Autoconheci-
mento
Ser humano
melhorado
Música
eletrônica
Deleuze
Nietzsche
Vislumbre de Nietzsche sobre o futuro da música
Richard Pinhas – De Nietzsche aoTechno
NIETZSCHE E A MÚSICA
Nosso ponto sintético vindouro:
Música eletrônica como a música das sínteses
O Super-homem:
o criador...
DELEUZE E A MÚSICA
O rizoma
Sistema aberto, onde os conceitos são relacionados
com as circunstancias e não com as essência...
SINTETIZADORES
“suspendem literalmente as células musicais
dentro da captura de forças sonoras até entãodentro da captura ...
PINHAS
“O homem integral, o homem sintético é
aquele que agita o novo futuro das forças, oaquele que agita o novo futuro d...
MÚSICA ELETRÔNICA
a “verdadeira grande música” como uma “operação
artista da música”, dos músicos mais abstratos que
parte...
CONCLUSÃO
pontos relacionados por Nietzsche são previsões sobre o
futuro da música, desembocando na relação desta com a
te...
BIBLIOGRAFIA
DANTAS, Danilo Fraga. A dança invisível. In FREIRE FILHO e JANOTTI JUNIOR (orgs).
Comunicação e Música Massiv...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides Pdf A Musica No Cerne Dos Processos Comunicacionais

796 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
796
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides Pdf A Musica No Cerne Dos Processos Comunicacionais

  1. 1. A MÚSICA NO CERNE DOS PROCESSOS COMUNICACIONAIS Lucina ReitenbachViana - UTP
  2. 2. OBJETIVOS “Tonal, modal, atonal não significam mais quase nada. Não existe senão a música para ser arte como cosmos e traçar as linhas virtuais da variação infinita.” (DELEUZE e GUATTARI, 1995)
  3. 3. A música discutida de forma separada das artes em geral Possibilidade de abordagem direta FILÓSOFOS FUNDAMENTAIS
  4. 4. PONTO DE PARTIDA “A música é uma arte tão grandiosa e majestosa que atinge o interior do homem, onde é compreendida com intensidade e perfeição como se fosse uma linguagem totalmente comum, cuja clareza ultrapassasse mesmo a do próprio mundo intuitivo” (SHOPENHAUER )
  5. 5. HISTÓRICO Schöenberg e seu sistema dodecafônico: liberação de convenções permitindo a transgressão, que acabou ganhando o status de linguagem musical. Amplificação: o músico se ouve: ao transformar em registros gravados que era só execução efêmeraefêmera Passa a avaliar o que faz com distanciamento e pensa sua própria arte A evolução dos sistemas de amplificação disponibilizou a música gravada a cada vez mais pessoas Geração de núcleos de identificação por gêneros decorrentes dessa evolução Desencadeia processo de consumo, do qual se apropriou a indústria fonográfica, que passa a ditar uma unificação do que se escuta, para obter mais lucro.
  6. 6. ROMPIMENTO Tecnologias digitais: rompimento dessa unificação, permitindo novas formas de trabalho acerca da música, tanto na organização quanto na forma de armazenar e distribuir, resultando em outras formas de músicaoutras formas de música Terceiro estágio da relação entre a música e a técnica o estagio pop a música é feita e guardada tecnologicamente pode ser resgatada, num processo que “transforma o material da experiência musical: a música pode agora ser ouvida em qualquer lugar; é móvel através das barreiras espaço-temporais.” (FRITH, 2006)
  7. 7. Música Pensamento humano Aparato tecnológico A relação entre música e pensamento está no vínculo de ambos com o aparato tecnológico A cada giro de inovação, adição de novos elementos humanotecnológico
  8. 8. MEDIAÇÃO POR COMPUTADOR A partir da mediação do computador no processo de produção musical comoprocesso de produção musical como instrumento de notação direta, o compositor eletrônico simplifica o trabalho de criar, libertando-se ao delegar funções que não estão no cerne do processo ao computador, e concentrando-se no que faz diferença no processo criativo.
  9. 9. AUTOCONHECIMENTO “A música desperta sensações. Ela me liberta de mim mesmo, torna-me autoconsciente, como se eu pudesse ver-me e sentir-me de longe. Por isso a música me fortalece: depois de cada noite musical, vem uma manhã plena de idéias claras e originais.” (NIETZSCHE apud ROOS, 2006)
  10. 10. FACILIDADES AUTOCONHECIMENTO Facilidades de composição pela adoção da tecnologia pessoas comuns tornam-se produtores A virtuosidade não é mais necessária AUTOCONHECIMENTO A virtuosidade não é mais necessária Produção musical por notação direta Reapropriação da ferramenta de autoconhecimento perdida O homem passa a pensar-se novamente Retoma o direito de buscar sua significação numa aplicação empírica do pensamento .
  11. 11. FERRAMENTAS AUTOCONHECIMENTO As ferramentas tecnológicas devolvem ao homem mais do que se espera: possibilidade de se reencontrar consigo mesmo AUTOCONHECIMENTO mesmo Possibilidade de crescimento e de se melhorar continuamente O super-homem de Nietzsche: O ser humano melhorado O artista como um homem que vai além
  12. 12. EVOLUÇÃO Composição musical Adoção da tecnologia Liberação do artista Autoconheci- mento Ser humano melhorado
  13. 13. Música eletrônica Deleuze Nietzsche Vislumbre de Nietzsche sobre o futuro da música Richard Pinhas – De Nietzsche aoTechno
  14. 14. NIETZSCHE E A MÚSICA Nosso ponto sintético vindouro: Música eletrônica como a música das sínteses O Super-homem: o criador, o artista, o vidente Música como meio através do qual o homem caminhariaMúsica como meio através do qual o homem caminharia em direção ao super-homem O homem sintético, o artista das sínteses Estaria “esfumaçado” na sua diferenciação para com a máquina, tal qual se apresenta a vindoura simbiose do biológico e do silício. “como hoje toda a música é a das sínteses modulares, analógicas ou digitais, sínteses do silêncio e do tempo com o mundo da eletrônica: o ruído de fundo do choque dos elétrons é literalmente a matéria primária de toda a produção sonora.” (PINHAS, 2002)
  15. 15. DELEUZE E A MÚSICA O rizoma Sistema aberto, onde os conceitos são relacionados com as circunstancias e não com as essências RitorneloRitornelo Um pequeno território capaz de se organizar com outros territórios, num imenso ritornelo cósmico, numa comunhão “é essa comunhão dos pequenos ritornelos com o grande ritornelo que, para mim, parece definir a música” (DELEUZE, 1988-1989)
  16. 16. SINTETIZADORES “suspendem literalmente as células musicais dentro da captura de forças sonoras até entãodentro da captura de forças sonoras até então desconhecidas e inaudíveis que compõem um ambiente cósmico puramente acústico” (PINHAS, 2002) “ o músico(...) torna audíveis forcas que não são audíveis (...) ele não representa o que é audível, torna audível o que não é.”(DELEUZE, 1998-1999)
  17. 17. PINHAS “O homem integral, o homem sintético é aquele que agita o novo futuro das forças, oaquele que agita o novo futuro das forças, o artista: o homem das vibrações e das oscilações: todos nós nos tornamos seres ondulatórios e eletrônicos. O techno eletrônico e sintético, o riso do cérebro e as lágrimas de silício. As crianças do puro simultaneísmo e das sincronicidades.” (PINHAS, 2002)
  18. 18. MÚSICA ELETRÔNICA a “verdadeira grande música” como uma “operação artista da música”, dos músicos mais abstratos que partem do ritornelo, cada um com um ritornelo próprio (DELEUZE, 1988-1989) definindo o grande músico como aquele que “nãodefinindo o grande músico como aquele que “não coloca um ritornelo depois do outro, mas aquele que funde ritornelos num ritornelo mais profundo. (DELEUZE, 1988-1989) Foi só a partir da tecnologia dos sintetizadores que foi permitido ao homem ouvir o ritornelo para partir dele e construir outros ritornelos, num fundir infinito, próprio da construção da música eletrônica.
  19. 19. CONCLUSÃO pontos relacionados por Nietzsche são previsões sobre o futuro da música, desembocando na relação desta com a tecnologia. a tecnologia estaria para a música como a mais importante das coisas, ao permitir que ela desvende o queimportante das coisas, ao permitir que ela desvende o que antes não era audível, que é o que faz o sintetizador na produção eletrônica. Trazer ao plano audível aquilo que já existia, mas não podia ser apreciado, encoberto num todo nuclear do som representado pelo silencio. Mudança do foco de questões como a pirataria (questão mercadológica) para questões essenciais: dar ao homem (e a muitos deles) o controle sobre uma ferramenta de autoconhecimento
  20. 20. BIBLIOGRAFIA DANTAS, Danilo Fraga. A dança invisível. In FREIRE FILHO e JANOTTI JUNIOR (orgs). Comunicação e Música Massiva. Salvador, EDUFBA, 2006. DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil Platôs. São Paulo, Ed. 34, 1995, ________, Gilles e PARNET, Claire. O ABC de Deleuze. 1998-1999. Disponível em http://www.oestrangeiro.net - Acessado em 20 de junho de 2006 ________, Gilles. Conversações. São Paulo, Ed 34, 1992 DIAS, Rosa Maria. Nietzsche e a Música. São Paulo: Discurso Editorial, 2005DIAS, Rosa Maria. Nietzsche e a Música. São Paulo: Discurso Editorial, 2005 FILHO, João Freire e JUNIOR, Jeder Janotti. Comunicação e Música Popular Massiva. Salvador: EDUFBA, 2006 FOUCALT. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. RJ: Ed. Forense, 2001. MAFFESOLI, Michael. O Ritmo da vida. Rio de Janeiro: Record, 2007 MARTINS, Francisco Menezes e SILVA, Juremir Machado da. A Genealogia doVirtual. Porto Alegre: Sulina, 2004 NIETZSCHE, Frederic. Assim falava Zaratustra. São Paulo: Hemus, 1985 PINHAS, Richard. De Nietzsche aoTechno. Paris, 2002. Disponível em: http://www.rizoma.net/interna.php?id=153&secao=esquizofonia - Acessado em 12 de junho de 2006

×