Dalinha Catunda
Sou das águas retiradas. 
Sou do sertão nordestino. 
Das caatingas desertei, 
Lamentando meu destino. 
Pois deixar o meu t...
Meu dialeto sagrado, 
Era motivo de riso. 
Era uma rês desgarrada, 
Mas seguir era preciso. 
Pedi a Deus proteção, 
E virg...
Não reneguei minha terra, 
E jamais renegarei. 
De ser filha do Nordeste, 
Sempre me orgulharei. 
Lamento até ter perdido,...
Na minha casa nova, 
Onde hoje brilha o chão, 
Num canto especial, 
Avista-se um pilão, 
Em outro canto uma rede 
Onde emb...
Tapioca com manteiga, 
Não deixo de comer não. 
Numa panela de ferro, 
Faço um gostoso baião. 
Cabeça de galo e mal-assada...
Rezo pra são Francisco, 
E padre Cícero Romão. 
Pra proteger Ipueiras, 
Meu pequenino rincão 
Pois é lá minha ribeira, 
On...
Eu vim sem querer vir 
Fiquei sem querer ficar, 
Mas um dia ainda volto, 
A morar no meu Ceará. 
Longe da terra amada, 
Se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Migrante

1.121 visualizações

Publicada em

Poema da Dalinha Catunda

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
549
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Migrante

  1. 1. Dalinha Catunda
  2. 2. Sou das águas retiradas. Sou do sertão nordestino. Das caatingas desertei, Lamentando meu destino. Pois deixar o meu torrão, Machucava-me o coração Causando-me desatino.
  3. 3. Meu dialeto sagrado, Era motivo de riso. Era uma rês desgarrada, Mas seguir era preciso. Pedi a Deus proteção, E virgem Conceição, Para me dar mais juízo.
  4. 4. Não reneguei minha terra, E jamais renegarei. De ser filha do Nordeste, Sempre me orgulharei. Lamento até ter perdido, Aquele sotaque antigo, Que de lá eu carreguei.
  5. 5. Na minha casa nova, Onde hoje brilha o chão, Num canto especial, Avista-se um pilão, Em outro canto uma rede Onde embalo com sede, As saudades do sertão.
  6. 6. Tapioca com manteiga, Não deixo de comer não. Numa panela de ferro, Faço um gostoso baião. Cabeça de galo e mal-assada, São iguarias apreciadas, Com gosto de tradição.
  7. 7. Rezo pra são Francisco, E padre Cícero Romão. Pra proteger Ipueiras, Meu pequenino rincão Pois é lá minha ribeira, Onde a linda carnaubeira, Ao vento lança canções.
  8. 8. Eu vim sem querer vir Fiquei sem querer ficar, Mas um dia ainda volto, A morar no meu Ceará. Longe da terra amada, Serei sempre ave arribada Voando tentando voltar.

×