SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
A PERSONALIDADE CONSISTE EM CARACTERÍSTICAS AFETIVAS,
FÍSICAS E INTELECTUAIS QUE DÃO A CADA PESSOA TANTO
INDIVIDUALIDADE COMO SEMELHANÇAS AOS DEMAIS.
É O RESULTADO DA INTERAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS
BIOLÓGICAS OU GENETICAMENTE DETERMINADAS DO INDIVÍDUO
E O MEIO AMBIENTE.
HÁ TRANSTORNO DE PERSONALIDADE QUANDO
OS ASPECTOS SE TORNAM RÍGIDOS, INFLEXÍVEIS
E MAL ADAPTATIVOS, HAVENDO SIGNIFICATIVA
RUPTURA PESSOAL E SOCIAL, COM PADRÕES DE
RELACIONAMENTO DESAJUSTADOS E DE
CARÁTER PERMANENTE.
ALGUNS CONSIDERAM TPAS E PSICOPATIA COMO O MESMO TRANSTORNO -
APESAR DOS MUITOS ASPECTOS COMUNS E ÁREAS DE INTERSECÇÃO,
OS TERMOS NÃO SÃO INTERCAMBIÁVEIS
A MAIORIA DOS INDIVÍDUOS PSICOPATAS TEM DIAGNÓSTICO DE TPAS, MAS O INVERSO NÃO É VERDADEIRO
NA PSICOPATIA
•HÁ UM PREDOMÍNIO DE PERTURBAÇÕES
RELACIONAIS E EMOCIONAIS.
NO TPAS
•PREDOMINAM AS PERTURBAÇÕES
COMPORTAMENTAIS.
•A CAUSALIDADE DA PSICOPATIA RESIDE EM UMA
INTERAÇÃO AINDA MAL COMPREENDIDA ENTRE
FATORES GENÉTICOS, BIOLÓGICOS, AMBIENTAIS,
SOCIAIS E PSICODINÂMICOS.
O CLÁSSICO MODELO BIOPSICOSSOCIAL
•DESENVOLVE QUANDO HÁ COMPONENTES GENÉTICOS E NEUROBIOLÓGICOS ASSOCIADOS
A TRAÇOS DE PERSONALIDADE COMO IMPULSIVIDADE,
•AUMENTO DE RISCO QUANDO ESSES INDIVÍDUOS SÃO EXPOSTOS A UMA FAMÍLIA
DISFUNCIONAL
•AGRAVAMENTO QUANDO O AMBIENTE SOCIAL DO ENTORNO FALHA NA PROTEÇÃO BÁSICA
OUTROS MODELOS - INTERAÇÃO BIOSSOCIAL
•FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS: CATEGORIZA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO
CEREBRAL, NEUROTRANSMISSORES E HORMÔNIOS.
•A MANEIRA COMO SE MANIFESTAM E ALTERAÇÕES NESSAS ESTRUTURAS PODEM TER
ORIGEM TANTO GENÉTICA QUANTO AMBIENTAL, OU REFLETIR UMA INTERAÇÃO ENTRE
AMBOS.
•EXPRESSÃO GÊNICA - FATORES AMBIENTAIS PODEM MODIFICAR
O CÉREBRO, ALTERANDO OS TRAÇOS PSICOPÁTICOS E
AUMENTANDO O RISCO PARA A PATOLOGIA OU, AO CONTRÁRIO
(DE MANEIRA POSITIVA), PROTEGENDO O INDIVÍDUO.
Influências:
•INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS - DISFUNÇÃO FAMILIAR É O FATOR PSICOLÓGICO MAIS
IMPORTANTE, ABRANGENDO COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL OU ALCOOLISMO
PATERNOS, FALTA DE LIMITES E SUPERVISÃO ENQUANTO CRIANÇA E SEPARAÇÃO OU
PERDA DE UM DOS PAIS.
Influências:
•TRAUMA INFANTIL - PODE TER UM IMPACTO DRAMÁTICO NA SAÚDE
MENTAL DA CRIANÇA, ESTANDO TAMBÉM RELACIONADO À
PSICOPATIA.
Influências:
• SALIENTADA ARROGÂNCIA, INSENSIBILIDADE, COMPORTAMENTO MANIPULADOR E
SUPERFICIALIDADE NAS EMOÇÕES.
• APRESENTAM-SE COMO LISONJEIROS E GRANDIOSOS,
• ENXERGAM AS PESSOAS COMO OBJETOS A SEREM USADOS PARA A PRÓPRIA GRATIFICAÇÃO,
• ESTILO DE VIDA PARASITA,
• SEM REMORSO PELOS DANOS QUE CAUSAM A OUTROS,
• POBRE CAPACIDADE DE EMPATIA.
Características:
• COMUMENTE ASSUMEM CONDUTAS PERIGOSAS OU CRIMINOSAS,
• PERSISTENTE VIOLAÇÃO DE EXPECTATIVAS E NORMAS SOCIAIS,
• INCAPAZES DE APRENDER COM A PUNIÇÃO,
• POBRE POSSIBILIDADE DE RECUPERAÇÃO DO COMPORTAMENTO DESVIANTE
Características:
Incidência de 0,6 a 4% na população geral, com maior proporção em homens
ESTUDOS DE NEUROIMAGEM CEREBRAL INDICAM:
• AMÍGDALA E CÓRTEX PRÉ-FRONTAL MENORES E COM MENOS
ATIVIDADE,
• DESREGULAÇÃO NA HOMEOSTASE DE NEUROTRANSMISSORES
(DOPAMINA E SEROTONINA),
• RESPOSTA ENDÓCRINA ALTERADA (TESTOSTERONA E CORTISOL)
• RESPOSTA AUTONÔMICA MODIFICADA AOS ESTÍMULOS
EMOCIONAIS E ESTRESSORES
Thompson DF, Ramos CL, Willett JK.. 2014
• RAINE 1
DEFENDE A IDEIA DE QUE A MANEIRA COMO OS CÉREBROS DE TAIS INDIVÍDUOS SE DESENVOLVEM NO
INÍCIO DA VIDA É IMPREVISÍVEL. COGITA QUE ISSO POSSA RESULTAR DE INSULTOS PRECOCES, COMO, POR
EXEMPLO, EXPOSIÇÃO À NICOTINA OU AO ÁLCOOL, OU A ALGUM OUTRO AGENTE TERATOGÊNICO QUE
INTERFIRA NO DESENVOLVIMENTO NORMAL.
• HARE 2
IDENTIFICOU QUE OS PSICOPATAS DE FAMÍLIAS INSTÁVEIS COMETIAM ATOS MUITO MAIS VIOLENTOS
DO QUE OS PROVENIENTES DE FAMÍLIAS ESTÁVEIS. ESSES FATORES AMBIENTAIS AJUDARIAM A MODELAR A
EXPRESSÃO DO FENÔMENO, MAS TERIAM MENOS EFEITO SOBRE A CAPACIDADE DE SENTIR EMPATIA.
1
Raine A. The anatomyof violence: the biological roots of
crime. New York: Pantheon; 2013.
2
Hare RD. Sem consciência: o mundo perturbador dos psicopatas que
vivem entre nós. Porto Alegre: Artmed; 2013
. ESCALA HARE;
. PADRÃO GERAL DE DESPREZO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DOS OUTROS QUE EXISTE DESDE DA
INFÂNCIA OU INÍCIO DA ADOLESCÊNCIA;
. A PESSOA TER MAIS DE 18 ANOS;
. PRESENÇA DE T.C. COM INÍCIO ANTES DOS 15 ANOS.
Avaliação
•SÃO TRATÁVEIS? SIM
•O QUE FAZER?
•MELHORAR O MANEJO DOS COMPORTAMENTOS DISRUPTIVOS;
•DIMINUIR DANOS = PODE FAZER O QUE QUISER SEM PREJUDICAR OS OUTROS
NÃO ADIANTA INDUÇÃO DE VERGONHA E CULPA
Tratamento
• TRABALHAR MANEJO DA RAIVA, DESONESTIDADE E PROBLEMAS DE RELACIONAMENTO;
• MOSTRAR QUE SEU TRANSTORNO É CRÔNICO = PERDAS DE LONGO PRAZO;
NÃO HÁ MOTIVAÇÃO PARA O TRATAMENTO = PARTICIPAÇÃO ATIVA DO PACIENTE NA SESSÃO
• DESENVOLVER H.S. NO LUGAR DA MANIPULAÇÃO;
–TOLERAR A FRUSTRAÇÃO E ASSERTIVIDADE;
• ENSINAR QUE PENSAMENTOS NEGATIVOS SÃO PASSAGEIROS E QUE PODE ENFRENTÁ-LOS EM VEZ DE
AGREDIR OU MANIPULAR
Tratamento
LIGAR P.A.’S DISTORCIDOS COM OS CPT´S DESADAPTATIVOS:
• JUSTIFICAÇÃO;
• PENSAR É ACREDITAR: “MEUS SENTIMENTOS SÃO EXATOS”;
• INFALIBILIDADEPESSOAL: “SEMPRE FAÇO BOAS ESCOLHAS”;
• OS SENTIMENTOS SE CONSTITUEM EM FATOS: “SEI QUE ESTÁ CERTO PORQUE SINTO QUE O QUE FAÇO ESTÁ
CERTO”;
• IMPOTÊNCIA DOS OUTROS: “O QUE ELES PENSAM É IRRELEVANTE A MENOS QUE POSSAM ME CONTROLAR
Tratamento
MANEJO DA RAIVA:
1. IDENTIFICAR PENSAMENTOS E EMOÇÕES;
2. AVALIAR A PERCEPÇÃO;
3. DECIDIR SE VALE A PENA RESPONDER;
4. GERAR POSSÍVEIS RESPOSTAS;
5. ESCOLHER A MELHOR RESPOSTA;
6. RESPONDER
Tratamento
A PRESENÇA DA PSICOPATIA ALTERA A RESPONSABILIDADE PENAL DESSES
INDIVÍDUOS? SE SIM, DE QUE FORMA?
O LUGAR DO PSICOPATA, APÓS UM CRIME COMETIDO, É A PRISÃO OU O HOSPITAL
FORENSE?
É CORRETO SUBMETER PSICOPATAS A PESQUISAS E INVESTIGAÇÕES CIENTÍFICAS?
Questionamentos éticos
“ TODOS VÊEM O QUE
APARENTAS, POUCOS SE DÃO
CONTA DE QUEM TU ÉS”
Nicolau Maquiavel
FONTES: 1. BECK, A. T. ET AL. TERAPIA COGNITIVA DOS TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE.2. ED. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2005 /2. BINS, H. D. C. E TABORDA, J. G. V., PSICOPATIA:
INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS, INTERAÇÕES BIOSSOCIAIS E QUESTÕES ÉTICASABP Nº 1/16 /3. HARE RD. SEM CONSCIÊNCIA: O MUNDO PERTURBADOR DOS PSICOPATAS QUE VIVEM ENTRE NÓS. PORTO
ALEGRE: ARTMED; 2013 /4. RAINE A. THE ANATOMY OF VIOLENCE: THE BIOLOGICAL ROOTS OF CRIME. NEW YORK: PANTHEON; 2013 /5. THOMPSON DF, RAMOS CL, WILLETT JK. PSICOPATIA:
CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, BASE DE DESENVOLVIMENTO E DESAFIOS TERAPÊUTICOS. J CLIN PHARM THER. 2014. /6. YOUNG, J. E. TERAPIA COGNITIVA PARA TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE:
UMA ABORDAGEM FOCADA NO ESQUEMA. 3. ED. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2003
OBRIGADA!!!
lucimary.psi@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeCaio Maximino
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasenfermagem
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidadeLuisa Sena
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos BásicosFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAroldo Gavioli
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologialucasvazdelima
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Aroldo Gavioli
 
Psicopatia a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia    a origem do mal material janaína loboPsicopatia    a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia a origem do mal material janaína loboJuliana Lobo
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Alexandre Simoes
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa MandyNeres7
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaUNICEP
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeAroldo Gavioli
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidadoFelipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia Clínica
Psicologia ClínicaPsicologia Clínica
Psicologia ClínicaAnna C
 

Mais procurados (20)

Transtornos de ansiedade
Transtornos de ansiedadeTranstornos de ansiedade
Transtornos de ansiedade
 
DoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicasDoençAs PsicossomáTicas
DoençAs PsicossomáTicas
 
Transtorno de personalidade
Transtorno de personalidadeTranstorno de personalidade
Transtorno de personalidade
 
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos BásicosAula 3 -  Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
Aula 3 - Personalidade e Processos Psicológicos Básicos
 
Aula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátricaAula reforma psiquiátrica
Aula reforma psiquiátrica
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Psicopatia a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia    a origem do mal material janaína loboPsicopatia    a origem do mal material janaína lobo
Psicopatia a origem do mal material janaína lobo
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa Os mecanismos de defesa
Os mecanismos de defesa
 
Fundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologiaFundamentos de psicopatologia
Fundamentos de psicopatologia
 
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidadeSaúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
Saúde mental, desenvolvimento e transtornos da personalidade
 
Psicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimentoPsicologia do desenolvimento
Psicologia do desenolvimento
 
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidadoAula 1   introdução à psicologia aplicada ao cuidado
Aula 1 introdução à psicologia aplicada ao cuidado
 
Mecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do egoMecanismos de defesa do ego
Mecanismos de defesa do ego
 
Psicologia Clínica
Psicologia ClínicaPsicologia Clínica
Psicologia Clínica
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
saude mental
saude mental saude mental
saude mental
 

Semelhante a Psicopatia

aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).pptaula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).pptSANDRAREIS96
 
A Odontologia e o paciente com Esquizofrenia
A Odontologia e o paciente com EsquizofreniaA Odontologia e o paciente com Esquizofrenia
A Odontologia e o paciente com EsquizofreniaPaula Portella
 
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...AudiovisualAscom
 
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...Raphaela Marques
 
Esquizofrenia ou mediunidade
Esquizofrenia ou mediunidadeEsquizofrenia ou mediunidade
Esquizofrenia ou mediunidadeVictor Passos
 
5656 17308-1-pb
5656 17308-1-pb5656 17308-1-pb
5656 17308-1-pbJaciany
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Marcelo da Rocha Carvalho
 
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?Ellenpsicologia
 
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante Vieira
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante VieiraAnáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante Vieira
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante VieiraThiago Neves
 
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência QuímicaInstituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência QuímicaInstituto Espírita de Educação
 
Transtornos Disruptivos, do Controle de Impulsos e da Conduta:
Transtornos Disruptivos, do Controlede Impulsos e da Conduta:Transtornos Disruptivos, do Controlede Impulsos e da Conduta:
Transtornos Disruptivos, do Controle de Impulsos e da Conduta:AnderayneAraujoNobre
 
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisaaula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisadragiovannadourado
 
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...Van Der Häägen Brazil
 
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...Van Der Häägen Brazil
 

Semelhante a Psicopatia (20)

aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).pptaula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
aula-1-comportamento-normal-x-comportamento-anormal (2).ppt
 
A Odontologia e o paciente com Esquizofrenia
A Odontologia e o paciente com EsquizofreniaA Odontologia e o paciente com Esquizofrenia
A Odontologia e o paciente com Esquizofrenia
 
Aula 10-04.pptx
Aula 10-04.pptxAula 10-04.pptx
Aula 10-04.pptx
 
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...
Palestra Saúde mental e responsabilidade penal na história do Brasil | Seminá...
 
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
A PSICOMOTRICIDADE JUNTO AO AUTISMO INFANTIL: TRABALHANDO O CORPO ATRAVÉS DA ...
 
Esquizofrenia ou mediunidade
Esquizofrenia ou mediunidadeEsquizofrenia ou mediunidade
Esquizofrenia ou mediunidade
 
Bullying em sobrepeso
Bullying em sobrepesoBullying em sobrepeso
Bullying em sobrepeso
 
5656 17308-1-pb
5656 17308-1-pb5656 17308-1-pb
5656 17308-1-pb
 
Psicologia individual.pptx
Psicologia individual.pptxPsicologia individual.pptx
Psicologia individual.pptx
 
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
Análise do filme: O lenhador, um olhar cognitivo.
 
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
O que são maus tratos e violência contra crianças e adolescentes?
 
Fobia social
Fobia socialFobia social
Fobia social
 
O Psicopata e a Insanidade Moral
O Psicopata e a Insanidade MoralO Psicopata e a Insanidade Moral
O Psicopata e a Insanidade Moral
 
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante Vieira
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante VieiraAnáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante Vieira
Anáclise e Dependência Afetiva - Ana Carolina Barcelos Cavalcante Vieira
 
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência QuímicaInstituto Espírita de Educação -  Adolescência e Dependência Química
Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química
 
Slide Educadores Sociais
Slide Educadores SociaisSlide Educadores Sociais
Slide Educadores Sociais
 
Transtornos Disruptivos, do Controle de Impulsos e da Conduta:
Transtornos Disruptivos, do Controlede Impulsos e da Conduta:Transtornos Disruptivos, do Controlede Impulsos e da Conduta:
Transtornos Disruptivos, do Controle de Impulsos e da Conduta:
 
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisaaula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
 
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...
O BULLYING POR INVEJA. PORTANTO, PROVOCAR UM AUMENTO DE INVEJA. UM EXCESSO DE...
 
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...
Bullying em sobrepeso, obesos e outras diferenças, são um fenômeno devastador...
 

Último

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAndersonMoreira538200
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfGiza Carla Nitz
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadJordanPrazeresFreita1
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfGiza Carla Nitz
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdfThiagoAlmeida458596
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfmarrudo64
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfamaroalmeida74
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdfGiza Carla Nitz
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfThiagoAlmeida458596
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoDjalmadeAndrade2
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAArtthurPereira2
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfGiza Carla Nitz
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfRodrigoSimonato2
 

Último (17)

Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptxAula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
Aula de Anatomia e fisiologia socorrista .pptx
 
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdfAula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
Aula 7 - Tempos Cirurgicos - A Cirurgia Passo A Passo - PARTE 1.pdf
 
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para DownloadSlide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
Slide sobre Estruturalismo - Disponível para Download
 
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdfAula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
Aula 1 - Clínica Médica -Organização, Estrutura, Funcionamento.pdf
 
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
Guia alimentar para a população brasileira  .pdfGuia alimentar para a população brasileira  .pdf
Guia alimentar para a população brasileira .pdf
 
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdfAula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
Aula 8 - Primeiros Socorros - IAM- INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO.pdf
 
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdfAula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
Aula 2 - Sistemas de Informação em Saúde.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdfAula 02 -Biologia Celular -  Células Procariontes e  Eucariontes .pdf
Aula 02 -Biologia Celular - Células Procariontes e Eucariontes .pdf
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdfNutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
Nutrição Enteral e parenteral para enfermagem .pdf
 
Primeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalhoPrimeiros socorros segurança do trabalho
Primeiros socorros segurança do trabalho
 
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIASAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
SAUDE E SEGURANNÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdfAula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
Aula 7 - Sistema Linfático - Anatomia humana.pdf
 
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdfAula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
Aula 5 - Sistema Muscular- Anatomia Humana.pdf
 
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdfControle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
Controle-da-população-microbiana-antibióticos-e-resistência-ENF.pdf
 

Psicopatia

  • 1.
  • 2. A PERSONALIDADE CONSISTE EM CARACTERÍSTICAS AFETIVAS, FÍSICAS E INTELECTUAIS QUE DÃO A CADA PESSOA TANTO INDIVIDUALIDADE COMO SEMELHANÇAS AOS DEMAIS. É O RESULTADO DA INTERAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS BIOLÓGICAS OU GENETICAMENTE DETERMINADAS DO INDIVÍDUO E O MEIO AMBIENTE.
  • 3. HÁ TRANSTORNO DE PERSONALIDADE QUANDO OS ASPECTOS SE TORNAM RÍGIDOS, INFLEXÍVEIS E MAL ADAPTATIVOS, HAVENDO SIGNIFICATIVA RUPTURA PESSOAL E SOCIAL, COM PADRÕES DE RELACIONAMENTO DESAJUSTADOS E DE CARÁTER PERMANENTE.
  • 4. ALGUNS CONSIDERAM TPAS E PSICOPATIA COMO O MESMO TRANSTORNO - APESAR DOS MUITOS ASPECTOS COMUNS E ÁREAS DE INTERSECÇÃO, OS TERMOS NÃO SÃO INTERCAMBIÁVEIS A MAIORIA DOS INDIVÍDUOS PSICOPATAS TEM DIAGNÓSTICO DE TPAS, MAS O INVERSO NÃO É VERDADEIRO NA PSICOPATIA •HÁ UM PREDOMÍNIO DE PERTURBAÇÕES RELACIONAIS E EMOCIONAIS. NO TPAS •PREDOMINAM AS PERTURBAÇÕES COMPORTAMENTAIS.
  • 5. •A CAUSALIDADE DA PSICOPATIA RESIDE EM UMA INTERAÇÃO AINDA MAL COMPREENDIDA ENTRE FATORES GENÉTICOS, BIOLÓGICOS, AMBIENTAIS, SOCIAIS E PSICODINÂMICOS.
  • 6. O CLÁSSICO MODELO BIOPSICOSSOCIAL •DESENVOLVE QUANDO HÁ COMPONENTES GENÉTICOS E NEUROBIOLÓGICOS ASSOCIADOS A TRAÇOS DE PERSONALIDADE COMO IMPULSIVIDADE, •AUMENTO DE RISCO QUANDO ESSES INDIVÍDUOS SÃO EXPOSTOS A UMA FAMÍLIA DISFUNCIONAL •AGRAVAMENTO QUANDO O AMBIENTE SOCIAL DO ENTORNO FALHA NA PROTEÇÃO BÁSICA
  • 7. OUTROS MODELOS - INTERAÇÃO BIOSSOCIAL •FATORES DE RISCO BIOLÓGICOS: CATEGORIZA ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO CEREBRAL, NEUROTRANSMISSORES E HORMÔNIOS. •A MANEIRA COMO SE MANIFESTAM E ALTERAÇÕES NESSAS ESTRUTURAS PODEM TER ORIGEM TANTO GENÉTICA QUANTO AMBIENTAL, OU REFLETIR UMA INTERAÇÃO ENTRE AMBOS.
  • 8. •EXPRESSÃO GÊNICA - FATORES AMBIENTAIS PODEM MODIFICAR O CÉREBRO, ALTERANDO OS TRAÇOS PSICOPÁTICOS E AUMENTANDO O RISCO PARA A PATOLOGIA OU, AO CONTRÁRIO (DE MANEIRA POSITIVA), PROTEGENDO O INDIVÍDUO. Influências:
  • 9. •INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS - DISFUNÇÃO FAMILIAR É O FATOR PSICOLÓGICO MAIS IMPORTANTE, ABRANGENDO COMPORTAMENTO ANTISSOCIAL OU ALCOOLISMO PATERNOS, FALTA DE LIMITES E SUPERVISÃO ENQUANTO CRIANÇA E SEPARAÇÃO OU PERDA DE UM DOS PAIS. Influências:
  • 10. •TRAUMA INFANTIL - PODE TER UM IMPACTO DRAMÁTICO NA SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA, ESTANDO TAMBÉM RELACIONADO À PSICOPATIA. Influências:
  • 11. • SALIENTADA ARROGÂNCIA, INSENSIBILIDADE, COMPORTAMENTO MANIPULADOR E SUPERFICIALIDADE NAS EMOÇÕES. • APRESENTAM-SE COMO LISONJEIROS E GRANDIOSOS, • ENXERGAM AS PESSOAS COMO OBJETOS A SEREM USADOS PARA A PRÓPRIA GRATIFICAÇÃO, • ESTILO DE VIDA PARASITA, • SEM REMORSO PELOS DANOS QUE CAUSAM A OUTROS, • POBRE CAPACIDADE DE EMPATIA. Características:
  • 12. • COMUMENTE ASSUMEM CONDUTAS PERIGOSAS OU CRIMINOSAS, • PERSISTENTE VIOLAÇÃO DE EXPECTATIVAS E NORMAS SOCIAIS, • INCAPAZES DE APRENDER COM A PUNIÇÃO, • POBRE POSSIBILIDADE DE RECUPERAÇÃO DO COMPORTAMENTO DESVIANTE Características: Incidência de 0,6 a 4% na população geral, com maior proporção em homens
  • 13. ESTUDOS DE NEUROIMAGEM CEREBRAL INDICAM: • AMÍGDALA E CÓRTEX PRÉ-FRONTAL MENORES E COM MENOS ATIVIDADE, • DESREGULAÇÃO NA HOMEOSTASE DE NEUROTRANSMISSORES (DOPAMINA E SEROTONINA), • RESPOSTA ENDÓCRINA ALTERADA (TESTOSTERONA E CORTISOL) • RESPOSTA AUTONÔMICA MODIFICADA AOS ESTÍMULOS EMOCIONAIS E ESTRESSORES Thompson DF, Ramos CL, Willett JK.. 2014
  • 14.
  • 15. • RAINE 1 DEFENDE A IDEIA DE QUE A MANEIRA COMO OS CÉREBROS DE TAIS INDIVÍDUOS SE DESENVOLVEM NO INÍCIO DA VIDA É IMPREVISÍVEL. COGITA QUE ISSO POSSA RESULTAR DE INSULTOS PRECOCES, COMO, POR EXEMPLO, EXPOSIÇÃO À NICOTINA OU AO ÁLCOOL, OU A ALGUM OUTRO AGENTE TERATOGÊNICO QUE INTERFIRA NO DESENVOLVIMENTO NORMAL. • HARE 2 IDENTIFICOU QUE OS PSICOPATAS DE FAMÍLIAS INSTÁVEIS COMETIAM ATOS MUITO MAIS VIOLENTOS DO QUE OS PROVENIENTES DE FAMÍLIAS ESTÁVEIS. ESSES FATORES AMBIENTAIS AJUDARIAM A MODELAR A EXPRESSÃO DO FENÔMENO, MAS TERIAM MENOS EFEITO SOBRE A CAPACIDADE DE SENTIR EMPATIA. 1 Raine A. The anatomyof violence: the biological roots of crime. New York: Pantheon; 2013. 2 Hare RD. Sem consciência: o mundo perturbador dos psicopatas que vivem entre nós. Porto Alegre: Artmed; 2013
  • 16. . ESCALA HARE; . PADRÃO GERAL DE DESPREZO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS DOS OUTROS QUE EXISTE DESDE DA INFÂNCIA OU INÍCIO DA ADOLESCÊNCIA; . A PESSOA TER MAIS DE 18 ANOS; . PRESENÇA DE T.C. COM INÍCIO ANTES DOS 15 ANOS. Avaliação
  • 17. •SÃO TRATÁVEIS? SIM •O QUE FAZER? •MELHORAR O MANEJO DOS COMPORTAMENTOS DISRUPTIVOS; •DIMINUIR DANOS = PODE FAZER O QUE QUISER SEM PREJUDICAR OS OUTROS NÃO ADIANTA INDUÇÃO DE VERGONHA E CULPA Tratamento
  • 18. • TRABALHAR MANEJO DA RAIVA, DESONESTIDADE E PROBLEMAS DE RELACIONAMENTO; • MOSTRAR QUE SEU TRANSTORNO É CRÔNICO = PERDAS DE LONGO PRAZO; NÃO HÁ MOTIVAÇÃO PARA O TRATAMENTO = PARTICIPAÇÃO ATIVA DO PACIENTE NA SESSÃO • DESENVOLVER H.S. NO LUGAR DA MANIPULAÇÃO; –TOLERAR A FRUSTRAÇÃO E ASSERTIVIDADE; • ENSINAR QUE PENSAMENTOS NEGATIVOS SÃO PASSAGEIROS E QUE PODE ENFRENTÁ-LOS EM VEZ DE AGREDIR OU MANIPULAR Tratamento
  • 19. LIGAR P.A.’S DISTORCIDOS COM OS CPT´S DESADAPTATIVOS: • JUSTIFICAÇÃO; • PENSAR É ACREDITAR: “MEUS SENTIMENTOS SÃO EXATOS”; • INFALIBILIDADEPESSOAL: “SEMPRE FAÇO BOAS ESCOLHAS”; • OS SENTIMENTOS SE CONSTITUEM EM FATOS: “SEI QUE ESTÁ CERTO PORQUE SINTO QUE O QUE FAÇO ESTÁ CERTO”; • IMPOTÊNCIA DOS OUTROS: “O QUE ELES PENSAM É IRRELEVANTE A MENOS QUE POSSAM ME CONTROLAR Tratamento
  • 20. MANEJO DA RAIVA: 1. IDENTIFICAR PENSAMENTOS E EMOÇÕES; 2. AVALIAR A PERCEPÇÃO; 3. DECIDIR SE VALE A PENA RESPONDER; 4. GERAR POSSÍVEIS RESPOSTAS; 5. ESCOLHER A MELHOR RESPOSTA; 6. RESPONDER Tratamento
  • 21. A PRESENÇA DA PSICOPATIA ALTERA A RESPONSABILIDADE PENAL DESSES INDIVÍDUOS? SE SIM, DE QUE FORMA? O LUGAR DO PSICOPATA, APÓS UM CRIME COMETIDO, É A PRISÃO OU O HOSPITAL FORENSE? É CORRETO SUBMETER PSICOPATAS A PESQUISAS E INVESTIGAÇÕES CIENTÍFICAS? Questionamentos éticos
  • 22. “ TODOS VÊEM O QUE APARENTAS, POUCOS SE DÃO CONTA DE QUEM TU ÉS” Nicolau Maquiavel FONTES: 1. BECK, A. T. ET AL. TERAPIA COGNITIVA DOS TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE.2. ED. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2005 /2. BINS, H. D. C. E TABORDA, J. G. V., PSICOPATIA: INFLUÊNCIAS AMBIENTAIS, INTERAÇÕES BIOSSOCIAIS E QUESTÕES ÉTICASABP Nº 1/16 /3. HARE RD. SEM CONSCIÊNCIA: O MUNDO PERTURBADOR DOS PSICOPATAS QUE VIVEM ENTRE NÓS. PORTO ALEGRE: ARTMED; 2013 /4. RAINE A. THE ANATOMY OF VIOLENCE: THE BIOLOGICAL ROOTS OF CRIME. NEW YORK: PANTHEON; 2013 /5. THOMPSON DF, RAMOS CL, WILLETT JK. PSICOPATIA: CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS, BASE DE DESENVOLVIMENTO E DESAFIOS TERAPÊUTICOS. J CLIN PHARM THER. 2014. /6. YOUNG, J. E. TERAPIA COGNITIVA PARA TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE: UMA ABORDAGEM FOCADA NO ESQUEMA. 3. ED. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2003 OBRIGADA!!! lucimary.psi@hotmail.com