SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 89
O BRAZIL, O BRASIL E OS BRASIS:  uma releitura do livro: O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil, de Darcy Ribeiro Profa. Dra. LuciBonini
Objetivos Quem foi Darcy Ribeiro; Mapear os pontos mais importantes do livro, sob o aspecto cultural; Discutir a diversidade social étnica e cultural, seus reflexos na cultura, na educação e no direito
Darcy Ribeiro (1922 -  Darcy Ribeiro nasceu em Minas  Formou-se em Antropologia em São Paulo (1946) e dedicou seus primeiros anos de vida profissional ao estudo dos índios do Pantanal, do Brasil Central e da Amazônia Fundou o Museu do Índio e criou o Parque Indígena do Xingu  escreveu uma vasta obra etnográfica e de defesa da causa indígena. Nos anos seguintes (1955)  criou a Universidade de Brasília e foi Ministro da Educação Foi Ministro-Chefe da Casa Civil quando o golpe militar de 64, que o lançou no exílio.
Viveu em vários países da América Latina  foi assessor do presidente Salvador Allende, do Chile, e Velasco Alvarado, do Peru. Escreveu neste período Estudos de Antropologia da Civilização (O processo civilizatório, As Américas e a Civilização, O dilema da América Latina, Os Brasileiros: 1. Teoria do Brasil, e Os índios e a Civilização) Publicou Aos trancos e barrancos, que é um balanço crítico da história brasileira de 1900 a 1980.
Foi secretário da Cultura e Coordenador do Programa de Educação, com o encargo de implantar 500 CIEPs Criou, então, a Biblioteca Pública Estadual, a Casa França-Brasil, a Casa Laura Alvin, o Centro Infantil de Cultura de Ipanema.  E o Sambódromo, em que colocou 200 salas de aula para fazê-lo funcionar também como uma enorme escola primária. Elegeu-se senador da República  defendeu uma lei dos transplantes ; uma lei contra o uso vicioso da cola de sapateiro  Combateu energicamente no Congresso para que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação fosse mais democrática e mais eficaz.
Foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras. Contribuiu para o tombamento de 98 quilômetros de belíssimas praias e encostas, além de mais de mil casas do Rio antigo.  Colaborou na criação do Memorial da América Latina, edificado em São Paulo com projeto de Oscar Niemeyer.  E mereceu títulos de Doutor Honoris Causa da Sorbonne e das Universidades de Montevidéu, Copenhague e da Venezuela Central.
I O Novo Mundo Povo novo, ainda, porque é um  novo modelo de estruturação societária, que inaugura uma forma singular de  organização sócio-econômica, fundada num tipo renovado de escravismo e numa  servidão continuada ao mercado mundial. Novo, inclusive, pela inverossímil alegria e  espantosa vontade de felicidade, num povo tão sacrificado, que alenta e comove a  todos os brasileiros. (p.19)
Distância social Falta compreensão da história vivida, toda reordenação  social se faz com convulsão social   “Cada vez que um político nacionalista ou populista se encaminha para a revisão da institucionalidade, as classes dominantes apelam para a repressão e a força.” (p. 26)
O BRAZIL
WTC SÃO PAULO
BRASÍLIA
Café
O Brasil
Os índios Miríade de povos tribais Na escala da evolução cultural, os povos Tupi davam os primeiros passos da revolução agrícola Agricultura rudimentar e extrativismo
Índios e escravidão Os índios eram imprestáveis para o escravismo D. Sebastião (rei de Portugal) autorizava o apresamento  e o leilão de índios (para cada lote vendido pagavam-se taxas para o governo português)  é claro que isso acabou incentivando o tráfico de índios
Exércitos de índios A escravidão de índios prevaleceu no século XVI e os jesuítas passaram a usá-los como soldados de um exército a lutar contra os invasores protestantes aqui no Brasil
Igreja x Índios Depois da reforma protestante a Igreja católica perdeu muitos fiéis, por isso ela autorizou o processo colonizatório a partir de missões evangelizadoras. A Igreja (O tribunal do Sto. Ofício) regulamentava as normas básica da ação colonizadora
Por isso nós, tudo pensando com devida ponderação, concedemos ao  dito rei Afonso a plena e livre faculdade, entre outras, de invadir, conquistar, subjugar  a quaisquer sarracenos e pagãos, inimigos de Cristo, suas terras e bens, a todos  reduzir à servidão e tudo praticar em utilidade própria e dos seus descendentes. Tudo declaramos pertencer de direito in perpetuumaos mesmos D. Afonso e seus  sucessores, e ao infante. Se alguém, indivíduo ou coletividade, infringir essas  determinações, seja excomungado [...]” (p. 40) (g.n)
O Vaticano e a bula Inter Cœtera “ A Vós e a vossos herdeiros e sucessores (reis de Castela e  Leão) pela autoridade do Deus onipotente a nós concedida em S. Pedro, assim como  do vicariado de Jesus Cristo, a qual exercemos na terra, para sempre, no teor das presentes, vô-las doamos, concedemos e entregamos com todos os seus domínios,  cidades, fortalezas, lugares, vilas, direitos, jurisdições e todas as pertenças. E a vós e  aos sobreditos herdeiros e sucessores, vos fazemos, constituímos e deputamos por  senhores das mesmas, com pleno, livre e onímodo poder, autoridade e jurisdição. [...]” (p.40) (g.n.)
As missões Os índios descobriram que por sua iniquidade Deus os ameaçava a lançá-los no inferno. Muitos fugiram para o interior, levando seus corpos contaminados; 40 mil índios na aldeia do Recôncavo (sec. XVI) morreram em virtude da varíola  restaram 3 mil
Mapa da Colonização do Brasil
Tecnologia de navegação Os iberos expulsaram os árabes e os judeus ao atravessar os oceanos Atlântico, no entanto conquistaram, saquearam e evangelizaram os povos da África, Ásia e Américas
Organização da vida social econômica Estratificação das classes (patronato) Introdução da escravatura O colono enriquecia e os trabalhadores se salvavam para a vida eterna Aplicação de complexos procedimentos agrícolas, químicos, mecânicos para a produção de açúcar, mineração do ouro e do diamante; Introdução do gado e outros animais como a galinha e o porco; Produção de tijolos, telhas
II Gestação étnica O cunhadismo criatório de gente Mutirão de parentes que podia pôr a seu serviço, seja para seu conforto pessoal, seja para a produção de mercadorias
João Ramalho (1493? – 1580) Sua viagem para o Brasil. - 1514 (?): É aceito pela tribo tupiniquim chefiada pelo cacique Tibiriçá, o qual lhe dá como esposa a sua filha Potira 1532: Ajuda Martim Afonso de Sousa a fundar a vila de São Vicente (no litoral do atual Estado de São Paulo) 1553: Funda e é nomeado Alcaide-mor da vila de Santo André da Borda do Campo, no planalto de Piratininga. 1554: Ajuda o jesuíta Padre Manuel da Nóbrega a levantar a povoação de São Paulo de Piratininga. 1560: Mem de Sá, Governador-geral do Brasil, extingue a vila de Santo André e promove São Paulo a vila 1562: João Ramalho,com a ajuda de Tibiriçá, comanda a defesa de São Paulo contra o ataque da chamada "confederação dos tamoios"
A "CONFEDERAÇÃO" DOS TAMOIOS “ Tantas atrocidades são cometidas que bastam apenas dois anos para unir todas as tribos dos tamoios, desde Bertioga ao Cabo Frio, e até mesmo ao vale do Paraíba... E eis uma nação de índios congregada para arrasar São Paulo, com todos os seu moradores, homens de armas, padres, artesãos, mercadores e senhores de engenho, o povo todo...
... Com Tibiriçá, o meu sogro, em dois dias reuno milhares de homens. Em 1562 há lutas, escaramuças, guerras e morticínios, mas os tamoios não conseguem entrar em São Paulo. Sou eu quem comanda toda a defesa. Assim o querem os portugueses, assim o faço.”
“ Na maloca de Tibiriçá vivem, entre homens, mulheres e crianças, umas duzentas pessoas. Está dividida em várias secções, em vários lares, e em cada lar um homem com as suas mulheres e os seus filhos. Entre os moradores da maloca não há segredos e o que pertence a um pertence a todos. ..
... E o mesmo altruísmo estende-se aos moradores das seis malocas vizinhas, e aos dos outros aldeamentos mais à frente porque, por casamentos cruzados das mulheres de um grupo, ou maloca, ou taba, com homens de outro grupo, de outra maloca, de outra taba, todos eles são parentes, e assim toda as tribos de uma mesma nação que ocupa um território por vezes maior do que o de Portugal, vivem em amizade e harmonia.”
Villegaignon e a França Artártica Em  1554 Villegagnon visitou  Cabo Frio  Ali obteve valiosas informações junto aos Tamoios, informando-se dos hábitos dos portugueses naquele litoral, colhendo dados essenciais ao futuro projeto de uma expedição para a fundação de um estabelecimento colonial.  O local escolhido localizava-se cerca de duzentos quilômetros ao Sul: a baía de Guanabara, evitada pelos portugueses devido à hostilidade dos indígenas na região.  O projeto concebia transformá-la em uma poderosa base militar e naval, de onde a Coroa Francesa poderia tentar o controle do comércio com as Índias..
As capitanias hereditárias contra o cunhadismo Uma nova forma de administrar tantas terras e tantos invasores Embora tenha vigorado por pouco tempo, o sistema das Capitanias Hereditárias deixou marcas profundas na divisão de terra do Brasil.  A distribuição desigual das terras gerou posteriormente os latifúndios, causando uma desigualdade no campo.
Tratado de Tordesilhas ,[object Object]
Não adiantou muito a expansão veio....,[object Object]
Burocracia colonial Exercia funções de governo civil e militar, a religiosa, catequese dos índios Algumas normas regulamentavam a sociedade que já se caracterizava por algumas classes sociais: capitães, prelados, trabalhadores braçais, comerciantes, funcionários
Os negros A coroa portuguesa permitia a cada Senhor de engenho importar 120 peças O mercador africano de escravos  regastava-os em troca de tabaco, aguardente e bugigangas Comboios de pescoços atados com outros negros Chicotadas soltas, castigos semanais preventivos 300 chicotadas para matar 50 para sobreviver
Os escravos
Os castigos
Lei Áurea A Lei do ventre livre provocou a criação de asilos para acolher crianças A Lei do Sexagenário expulsou, também os idosos das fazendas  muitos morreram abandonados pelas ruas
O Navio Negreiro
Apartheid ou assimilacionismo? O racismo brasileiro decorre de uma situação em que a mestiçagem não é punida, mas louvada O apartheid tem conteúdos de tolerância  quem afasta o alterno admite que ele se conserve  induz à solidariedade O assimilacionismo dilui a negritude numa vasta escala de gradações que quebra a solidariedade e reduz a combatividade
Assimilacionismo Desarma o negro para lutar contra a pobreza Cria condições de sobrevivência em que o negro possa aproveitar as linhas de capilaridade social para ascender ( através da adoção explícita das formas de conduta e de etiqueta dos brancos bem sucedidos)
III Processos socioculturais
IBGEhttp://www.ibge.gov.br/brasil500/index2.html
A Cabanagem (1835-1840) foi a revolta na qual negros, índios e mestiços se insurgiram contra a elite política e tomaram o poder no Pará O Quilombo dos Palmares localizava-se  em Alagoas  foi o mais emblemático dos quilombos formados no período colonial, tendo resistido por mais de um século, o seu mito transformando-se em moderno símbolo da resistência do africano à escravatura Canudos  foi o confronto entre o Exército da República e um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro, que durou de 1896 a 1897, na comunidade de Canudos, no interior do estado da Bahia
Antonio Conselheiro
Comunidade quilombola
Engenho de cana de açúcar
Engenho de cana (Debret)
Mineração
Tiradentes
Aleijadinho
População do Brasil Fins do século XVI: 60.000    Fins do século XVII: 300.000    Fins do século XVIII: 3.000.000   	Fonte: Estimativas baseadas em cronistas contemporâneos.
Imigrantes
Os imigrantes 7 milhões de europeus  vêm para o Brasil na passagem do século XIX para o século XX por causa da crise econômica Eles reconfiguram nossa agricultura: café, uva etc. Redesenham nossas cidades, principalmente no sul
Paisagem típica de cidades urbanizadas pelos imigrantes europeus
Arquitetura gótica de influência alemã
Processo de urbanização
Moderna industrialização brasileira Getúlio Vargas  incentivou a industrialização Compania Siderúrgica Nacional Vale do Rio Doce - mineração
Deterioração urbana Favelas mais próximas aos seus locais de trabalho Bolsões negados que irrompem como fenômenos midiáticos (hip hop, funk, música sertaneja, rap etc) Em nossos dias o principal problema brasileiro é atender essa imensa massa urbana que não pode ser exportada, como fez a Europa
Classe e poder
Crise no trânsito
Terceiro setor
Pastoral da Criança
Programa de aceleração do crescimento
Programa Fome Zero
Transfiguração étnica Biótica  fenômeno da depopulação (germes, vírus – doenças de modo geral) Ecológica – novos animais e plantas trazidos de outros lugares Econômica  novas condições de existência (novos tipos de trabalho, de produção e consequentemente de consumo) Psicocultural – preconceito social, discriminação, tolerância
Os brasis
Crioulo Economia açucareira  caráter familiar da empresa De geração a geração a burguesia se fundamentou na política e legislaram em benefício de si mesmo O engenho deu a rapadura e o aguardente O açúcar amargou a vida de muitos O aguardente desmantelou famílias desde sempre
Fernando Collor ,[object Object]
 Congresso Nacional, pressionado pela população, votou o impeachment (impedimento) presidencial.
 O processo foi apreciado na Câmara dos deputados, em 29 de setembro de 1992, e, depois, no Senado Federal, em 29 de dezembro de 1992.
O Parlamento decidiu afastar Collor do cargo de Presidente da República e seus direitos políticos são cassados por oito anos.
Foi também denunciado pela Procuradoria-Geral da República pelos crimes de formação de quadrilha e de corrupção.,[object Object]
Teatro Amazonas teve sua construção inicial em 1882, e foi inaugurado em 31 de dezembro de 1896 No auge do ciclo econômico da borracha, na administração do governador Fileto Pires Ferreira.  É o principal patrimônio cultural arquitetônico do Amazonas.
Sertanejo  O gado e a força de trabalho barata A indústria da seca “ O sertanejo é, antes de tudo, um  forte.” Euclides da Cunha
Transposição do Rio São francisco
Caipira O feijão, o milho e  a abóbora O Jeca Tatu de Monteiro Lobato As fazendas de café  a oligarquia dos barões do café e o crack da Bolsa de NY em 1929 Semana de Arte Moderna “Nós não fomos colonizados, fizemos foi carnaval”
Semana de Arte moderna de 1922  ,[object Object]
Oswald de Andrade
Mário de Andrade
MenotidelPichia
Anita Malfati
Tarsila do Amaral  O Abaporu,[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasilprogerio81
 
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIROA FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRORonaldo Junio
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroferaps
 
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e CidadaniaPluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e CidadaniaOdairdesouza
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º anoseixasmarianas
 
A diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilA diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilAndreia Bastos
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade culturalPaula Tomaz
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileiramartinsramon
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilJoemille Leal
 
Cultura negra / Afro-Brasileira
Cultura negra / Afro-BrasileiraCultura negra / Afro-Brasileira
Cultura negra / Afro-BrasileiraNiela Tuani
 
Matrizes culturais do brasil
 Matrizes culturais do brasil Matrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasilGilberto Pires
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancinialexrrosaueja
 

Mais procurados (20)

Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIROA FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
A FORMAÇÃO DO POVO BRASILEIRO
 
Minorias Sociais
Minorias SociaisMinorias Sociais
Minorias Sociais
 
Questão racial
Questão racialQuestão racial
Questão racial
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e CidadaniaPluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
Pluralidade Cultural, Diversidade e Cidadania
 
íNdios do brasil aula 1º ano
íNdios do brasil   aula 1º anoíNdios do brasil   aula 1º ano
íNdios do brasil aula 1º ano
 
A diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do BrasilA diversidade cultural do Brasil
A diversidade cultural do Brasil
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro   BrasileiraCultura Afro   Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
Diversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No BrasilDiversidade Cultural No Brasil
Diversidade Cultural No Brasil
 
Cultura negra / Afro-Brasileira
Cultura negra / Afro-BrasileiraCultura negra / Afro-Brasileira
Cultura negra / Afro-Brasileira
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
Raça e etnia
Raça e etniaRaça e etnia
Raça e etnia
 
Matrizes culturais do brasil
 Matrizes culturais do brasil Matrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasil
 
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa AvanciniAula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
Aula Quilombos no Brasil - Prof. Elsa Avancini
 

Destaque

Os brasis de Darcy Ribeiro
Os brasis de Darcy RibeiroOs brasis de Darcy Ribeiro
Os brasis de Darcy Ribeiroma.no.el.ne.ves
 
Darcy ribeiro
Darcy ribeiroDarcy ribeiro
Darcy ribeiroEscola
 
Composição étnica do povo brasileiro
Composição étnica do povo brasileiroComposição étnica do povo brasileiro
Composição étnica do povo brasileiroRodrigo Baglini
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraGisele Finatti Baraglio
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoNilberte Correia
 
Identidade Nacional Brasileira
Identidade Nacional BrasileiraIdentidade Nacional Brasileira
Identidade Nacional Brasileiracarvalhomav
 
Diversidade cultural e a formação Social Brasileira
Diversidade cultural e a formação Social BrasileiraDiversidade cultural e a formação Social Brasileira
Diversidade cultural e a formação Social BrasileiraMaria Clara Silva
 

Destaque (20)

O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
 
Darcy ribeiro o_povo_brasileiro
Darcy ribeiro o_povo_brasileiroDarcy ribeiro o_povo_brasileiro
Darcy ribeiro o_povo_brasileiro
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 
A Formação do Povo Brasileiro
A Formação do Povo BrasileiroA Formação do Povo Brasileiro
A Formação do Povo Brasileiro
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
Darcy Ribeiro
Darcy RibeiroDarcy Ribeiro
Darcy Ribeiro
 
Formação do Povo Brasileiro: indagações
Formação do Povo Brasileiro: indagaçõesFormação do Povo Brasileiro: indagações
Formação do Povo Brasileiro: indagações
 
Os brasis de Darcy Ribeiro
Os brasis de Darcy RibeiroOs brasis de Darcy Ribeiro
Os brasis de Darcy Ribeiro
 
Darcy ribeiro
Darcy ribeiroDarcy ribeiro
Darcy ribeiro
 
Povo brasileiro
Povo brasileiroPovo brasileiro
Povo brasileiro
 
Composição étnica do povo brasileiro
Composição étnica do povo brasileiroComposição étnica do povo brasileiro
Composição étnica do povo brasileiro
 
Formação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª sérieFormação do povo brasileiro - 7ª série
Formação do povo brasileiro - 7ª série
 
Marketing Brasileiro - Formação Cultural do Povo Brasileiro
Marketing Brasileiro - Formação Cultural do Povo BrasileiroMarketing Brasileiro - Formação Cultural do Povo Brasileiro
Marketing Brasileiro - Formação Cultural do Povo Brasileiro
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
 
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura BrasileiraInfluências Indígenas na Cultura Brasileira
Influências Indígenas na Cultura Brasileira
 
Migraçoes
MigraçoesMigraçoes
Migraçoes
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Identidade Nacional Brasileira
Identidade Nacional BrasileiraIdentidade Nacional Brasileira
Identidade Nacional Brasileira
 
Prof gislaine capitalismo e socialismo
Prof gislaine capitalismo e socialismoProf gislaine capitalismo e socialismo
Prof gislaine capitalismo e socialismo
 
Diversidade cultural e a formação Social Brasileira
Diversidade cultural e a formação Social BrasileiraDiversidade cultural e a formação Social Brasileira
Diversidade cultural e a formação Social Brasileira
 

Semelhante a O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil

Da colonização a proclamação da república show
Da colonização a proclamação da república showDa colonização a proclamação da república show
Da colonização a proclamação da república showFabio Salvari
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Donoeneidaberto
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidadeVítor Santos
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Gisah Silveira
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaJorge Miklos
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoSUPORTE EDUCACIONAL
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaPatrícia Sanches
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdiobloghist
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese históricaAEDFL
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdfVítor Santos
 

Semelhante a O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil (20)

Da colonização a proclamação da república show
Da colonização a proclamação da república showDa colonização a proclamação da república show
Da colonização a proclamação da república show
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade05 as novas representações da humanidade
05 as novas representações da humanidade
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02Brasil 140302114545-phpapp02
Brasil 140302114545-phpapp02
 
Brasil
BrasilBrasil
Brasil
 
Brasil ColôNia
Brasil ColôNiaBrasil ColôNia
Brasil ColôNia
 
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & SenzalaGilberto Freyre Casa Grande & Senzala
Gilberto Freyre Casa Grande & Senzala
 
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraisoFundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
Fundhist mod02 08_colonia_busca_paraiso
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdio
 
Brasil síntese histórica
Brasil síntese históricaBrasil síntese histórica
Brasil síntese histórica
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 

Mais de Luci Bonini

Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressãoLuci Bonini
 
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - MandelaUma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - MandelaLuci Bonini
 
Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013Luci Bonini
 
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIALDIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIALLuci Bonini
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaLuci Bonini
 
Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Luci Bonini
 
O pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidadeO pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidadeLuci Bonini
 
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileiraDiversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileiraLuci Bonini
 
Eu odeio política
Eu odeio políticaEu odeio política
Eu odeio políticaLuci Bonini
 
Federalismo e regionalização
Federalismo e regionalizaçãoFederalismo e regionalização
Federalismo e regionalizaçãoLuci Bonini
 
Federalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiroFederalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiroLuci Bonini
 
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADEAtualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADELuci Bonini
 
Políticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humanaPolíticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humanaLuci Bonini
 
Dignidade humana no Alto Tietê
Dignidade humana  no Alto TietêDignidade humana  no Alto Tietê
Dignidade humana no Alto TietêLuci Bonini
 
Políticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humanaPolíticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humanaLuci Bonini
 
A apologia de sócrates
A apologia de sócratesA apologia de sócrates
A apologia de sócratesLuci Bonini
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Luci Bonini
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia GréciaLuci Bonini
 
FORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERALFORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERALLuci Bonini
 

Mais de Luci Bonini (20)

Comunicação e expressão
Comunicação e expressãoComunicação e expressão
Comunicação e expressão
 
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - MandelaUma longa caminhada para a liberdade - Mandela
Uma longa caminhada para a liberdade - Mandela
 
Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013Formação geral - ENADE 2013
Formação geral - ENADE 2013
 
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIALDIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA À LUZ DO ESTADO DE PROTEÇÃO SOCIAL
 
Apontamentos de Filosofia
Apontamentos de FilosofiaApontamentos de Filosofia
Apontamentos de Filosofia
 
Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014Filosofia do Direito 2014
Filosofia do Direito 2014
 
O pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidadeO pacto federativo e a educação de qualidade
O pacto federativo e a educação de qualidade
 
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileiraDiversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
Diversidade cultural e criatividade na cultura popular brasileira
 
Eu odeio política
Eu odeio políticaEu odeio política
Eu odeio política
 
Federalismo e regionalização
Federalismo e regionalizaçãoFederalismo e regionalização
Federalismo e regionalização
 
Federalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiroFederalismo fiscal brasileiro
Federalismo fiscal brasileiro
 
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADEAtualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
Atualidades: conteúdos de formação Geral ENADE
 
Políticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humanaPolíticas públicas e dignidade humana
Políticas públicas e dignidade humana
 
Dignidade humana no Alto Tietê
Dignidade humana  no Alto TietêDignidade humana  no Alto Tietê
Dignidade humana no Alto Tietê
 
Políticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humanaPolíticas públicas e formação humana
Políticas públicas e formação humana
 
A apologia de sócrates
A apologia de sócratesA apologia de sócrates
A apologia de sócrates
 
Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média Período pós socrático a Idade Média
Período pós socrático a Idade Média
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
filosofia
filosofiafilosofia
filosofia
 
FORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERALFORMAÇÃO GERAL
FORMAÇÃO GERAL
 

O Povo Brasileiro – a formação e o sentido do Brasil

  • 1. O BRAZIL, O BRASIL E OS BRASIS: uma releitura do livro: O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil, de Darcy Ribeiro Profa. Dra. LuciBonini
  • 2. Objetivos Quem foi Darcy Ribeiro; Mapear os pontos mais importantes do livro, sob o aspecto cultural; Discutir a diversidade social étnica e cultural, seus reflexos na cultura, na educação e no direito
  • 3. Darcy Ribeiro (1922 - Darcy Ribeiro nasceu em Minas Formou-se em Antropologia em São Paulo (1946) e dedicou seus primeiros anos de vida profissional ao estudo dos índios do Pantanal, do Brasil Central e da Amazônia Fundou o Museu do Índio e criou o Parque Indígena do Xingu  escreveu uma vasta obra etnográfica e de defesa da causa indígena. Nos anos seguintes (1955)  criou a Universidade de Brasília e foi Ministro da Educação Foi Ministro-Chefe da Casa Civil quando o golpe militar de 64, que o lançou no exílio.
  • 4. Viveu em vários países da América Latina foi assessor do presidente Salvador Allende, do Chile, e Velasco Alvarado, do Peru. Escreveu neste período Estudos de Antropologia da Civilização (O processo civilizatório, As Américas e a Civilização, O dilema da América Latina, Os Brasileiros: 1. Teoria do Brasil, e Os índios e a Civilização) Publicou Aos trancos e barrancos, que é um balanço crítico da história brasileira de 1900 a 1980.
  • 5. Foi secretário da Cultura e Coordenador do Programa de Educação, com o encargo de implantar 500 CIEPs Criou, então, a Biblioteca Pública Estadual, a Casa França-Brasil, a Casa Laura Alvin, o Centro Infantil de Cultura de Ipanema. E o Sambódromo, em que colocou 200 salas de aula para fazê-lo funcionar também como uma enorme escola primária. Elegeu-se senador da República  defendeu uma lei dos transplantes ; uma lei contra o uso vicioso da cola de sapateiro Combateu energicamente no Congresso para que a Lei de Diretrizes e Bases da Educação fosse mais democrática e mais eficaz.
  • 6. Foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras. Contribuiu para o tombamento de 98 quilômetros de belíssimas praias e encostas, além de mais de mil casas do Rio antigo. Colaborou na criação do Memorial da América Latina, edificado em São Paulo com projeto de Oscar Niemeyer. E mereceu títulos de Doutor Honoris Causa da Sorbonne e das Universidades de Montevidéu, Copenhague e da Venezuela Central.
  • 7. I O Novo Mundo Povo novo, ainda, porque é um novo modelo de estruturação societária, que inaugura uma forma singular de organização sócio-econômica, fundada num tipo renovado de escravismo e numa servidão continuada ao mercado mundial. Novo, inclusive, pela inverossímil alegria e espantosa vontade de felicidade, num povo tão sacrificado, que alenta e comove a todos os brasileiros. (p.19)
  • 8. Distância social Falta compreensão da história vivida, toda reordenação social se faz com convulsão social  “Cada vez que um político nacionalista ou populista se encaminha para a revisão da institucionalidade, as classes dominantes apelam para a repressão e a força.” (p. 26)
  • 12. Café
  • 14. Os índios Miríade de povos tribais Na escala da evolução cultural, os povos Tupi davam os primeiros passos da revolução agrícola Agricultura rudimentar e extrativismo
  • 15. Índios e escravidão Os índios eram imprestáveis para o escravismo D. Sebastião (rei de Portugal) autorizava o apresamento e o leilão de índios (para cada lote vendido pagavam-se taxas para o governo português)  é claro que isso acabou incentivando o tráfico de índios
  • 16. Exércitos de índios A escravidão de índios prevaleceu no século XVI e os jesuítas passaram a usá-los como soldados de um exército a lutar contra os invasores protestantes aqui no Brasil
  • 17. Igreja x Índios Depois da reforma protestante a Igreja católica perdeu muitos fiéis, por isso ela autorizou o processo colonizatório a partir de missões evangelizadoras. A Igreja (O tribunal do Sto. Ofício) regulamentava as normas básica da ação colonizadora
  • 18. Por isso nós, tudo pensando com devida ponderação, concedemos ao dito rei Afonso a plena e livre faculdade, entre outras, de invadir, conquistar, subjugar a quaisquer sarracenos e pagãos, inimigos de Cristo, suas terras e bens, a todos reduzir à servidão e tudo praticar em utilidade própria e dos seus descendentes. Tudo declaramos pertencer de direito in perpetuumaos mesmos D. Afonso e seus sucessores, e ao infante. Se alguém, indivíduo ou coletividade, infringir essas determinações, seja excomungado [...]” (p. 40) (g.n)
  • 19. O Vaticano e a bula Inter Cœtera “ A Vós e a vossos herdeiros e sucessores (reis de Castela e Leão) pela autoridade do Deus onipotente a nós concedida em S. Pedro, assim como do vicariado de Jesus Cristo, a qual exercemos na terra, para sempre, no teor das presentes, vô-las doamos, concedemos e entregamos com todos os seus domínios, cidades, fortalezas, lugares, vilas, direitos, jurisdições e todas as pertenças. E a vós e aos sobreditos herdeiros e sucessores, vos fazemos, constituímos e deputamos por senhores das mesmas, com pleno, livre e onímodo poder, autoridade e jurisdição. [...]” (p.40) (g.n.)
  • 20. As missões Os índios descobriram que por sua iniquidade Deus os ameaçava a lançá-los no inferno. Muitos fugiram para o interior, levando seus corpos contaminados; 40 mil índios na aldeia do Recôncavo (sec. XVI) morreram em virtude da varíola  restaram 3 mil
  • 21.
  • 23. Tecnologia de navegação Os iberos expulsaram os árabes e os judeus ao atravessar os oceanos Atlântico, no entanto conquistaram, saquearam e evangelizaram os povos da África, Ásia e Américas
  • 24. Organização da vida social econômica Estratificação das classes (patronato) Introdução da escravatura O colono enriquecia e os trabalhadores se salvavam para a vida eterna Aplicação de complexos procedimentos agrícolas, químicos, mecânicos para a produção de açúcar, mineração do ouro e do diamante; Introdução do gado e outros animais como a galinha e o porco; Produção de tijolos, telhas
  • 25. II Gestação étnica O cunhadismo criatório de gente Mutirão de parentes que podia pôr a seu serviço, seja para seu conforto pessoal, seja para a produção de mercadorias
  • 26. João Ramalho (1493? – 1580) Sua viagem para o Brasil. - 1514 (?): É aceito pela tribo tupiniquim chefiada pelo cacique Tibiriçá, o qual lhe dá como esposa a sua filha Potira 1532: Ajuda Martim Afonso de Sousa a fundar a vila de São Vicente (no litoral do atual Estado de São Paulo) 1553: Funda e é nomeado Alcaide-mor da vila de Santo André da Borda do Campo, no planalto de Piratininga. 1554: Ajuda o jesuíta Padre Manuel da Nóbrega a levantar a povoação de São Paulo de Piratininga. 1560: Mem de Sá, Governador-geral do Brasil, extingue a vila de Santo André e promove São Paulo a vila 1562: João Ramalho,com a ajuda de Tibiriçá, comanda a defesa de São Paulo contra o ataque da chamada "confederação dos tamoios"
  • 27. A "CONFEDERAÇÃO" DOS TAMOIOS “ Tantas atrocidades são cometidas que bastam apenas dois anos para unir todas as tribos dos tamoios, desde Bertioga ao Cabo Frio, e até mesmo ao vale do Paraíba... E eis uma nação de índios congregada para arrasar São Paulo, com todos os seu moradores, homens de armas, padres, artesãos, mercadores e senhores de engenho, o povo todo...
  • 28. ... Com Tibiriçá, o meu sogro, em dois dias reuno milhares de homens. Em 1562 há lutas, escaramuças, guerras e morticínios, mas os tamoios não conseguem entrar em São Paulo. Sou eu quem comanda toda a defesa. Assim o querem os portugueses, assim o faço.”
  • 29. “ Na maloca de Tibiriçá vivem, entre homens, mulheres e crianças, umas duzentas pessoas. Está dividida em várias secções, em vários lares, e em cada lar um homem com as suas mulheres e os seus filhos. Entre os moradores da maloca não há segredos e o que pertence a um pertence a todos. ..
  • 30. ... E o mesmo altruísmo estende-se aos moradores das seis malocas vizinhas, e aos dos outros aldeamentos mais à frente porque, por casamentos cruzados das mulheres de um grupo, ou maloca, ou taba, com homens de outro grupo, de outra maloca, de outra taba, todos eles são parentes, e assim toda as tribos de uma mesma nação que ocupa um território por vezes maior do que o de Portugal, vivem em amizade e harmonia.”
  • 31. Villegaignon e a França Artártica Em 1554 Villegagnon visitou Cabo Frio  Ali obteve valiosas informações junto aos Tamoios, informando-se dos hábitos dos portugueses naquele litoral, colhendo dados essenciais ao futuro projeto de uma expedição para a fundação de um estabelecimento colonial. O local escolhido localizava-se cerca de duzentos quilômetros ao Sul: a baía de Guanabara, evitada pelos portugueses devido à hostilidade dos indígenas na região. O projeto concebia transformá-la em uma poderosa base militar e naval, de onde a Coroa Francesa poderia tentar o controle do comércio com as Índias..
  • 32. As capitanias hereditárias contra o cunhadismo Uma nova forma de administrar tantas terras e tantos invasores Embora tenha vigorado por pouco tempo, o sistema das Capitanias Hereditárias deixou marcas profundas na divisão de terra do Brasil. A distribuição desigual das terras gerou posteriormente os latifúndios, causando uma desigualdade no campo.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Burocracia colonial Exercia funções de governo civil e militar, a religiosa, catequese dos índios Algumas normas regulamentavam a sociedade que já se caracterizava por algumas classes sociais: capitães, prelados, trabalhadores braçais, comerciantes, funcionários
  • 36. Os negros A coroa portuguesa permitia a cada Senhor de engenho importar 120 peças O mercador africano de escravos  regastava-os em troca de tabaco, aguardente e bugigangas Comboios de pescoços atados com outros negros Chicotadas soltas, castigos semanais preventivos 300 chicotadas para matar 50 para sobreviver
  • 39. Lei Áurea A Lei do ventre livre provocou a criação de asilos para acolher crianças A Lei do Sexagenário expulsou, também os idosos das fazendas  muitos morreram abandonados pelas ruas
  • 41. Apartheid ou assimilacionismo? O racismo brasileiro decorre de uma situação em que a mestiçagem não é punida, mas louvada O apartheid tem conteúdos de tolerância  quem afasta o alterno admite que ele se conserve  induz à solidariedade O assimilacionismo dilui a negritude numa vasta escala de gradações que quebra a solidariedade e reduz a combatividade
  • 42. Assimilacionismo Desarma o negro para lutar contra a pobreza Cria condições de sobrevivência em que o negro possa aproveitar as linhas de capilaridade social para ascender ( através da adoção explícita das formas de conduta e de etiqueta dos brancos bem sucedidos)
  • 45. A Cabanagem (1835-1840) foi a revolta na qual negros, índios e mestiços se insurgiram contra a elite política e tomaram o poder no Pará O Quilombo dos Palmares localizava-se em Alagoas  foi o mais emblemático dos quilombos formados no período colonial, tendo resistido por mais de um século, o seu mito transformando-se em moderno símbolo da resistência do africano à escravatura Canudos  foi o confronto entre o Exército da República e um movimento popular de fundo sócio-religioso liderado por Antônio Conselheiro, que durou de 1896 a 1897, na comunidade de Canudos, no interior do estado da Bahia
  • 48.
  • 49. Engenho de cana de açúcar
  • 50. Engenho de cana (Debret)
  • 51.
  • 55. População do Brasil Fins do século XVI: 60.000 Fins do século XVII: 300.000 Fins do século XVIII: 3.000.000 Fonte: Estimativas baseadas em cronistas contemporâneos.
  • 57. Os imigrantes 7 milhões de europeus vêm para o Brasil na passagem do século XIX para o século XX por causa da crise econômica Eles reconfiguram nossa agricultura: café, uva etc. Redesenham nossas cidades, principalmente no sul
  • 58.
  • 59.
  • 60. Paisagem típica de cidades urbanizadas pelos imigrantes europeus
  • 61. Arquitetura gótica de influência alemã
  • 63. Moderna industrialização brasileira Getúlio Vargas  incentivou a industrialização Compania Siderúrgica Nacional Vale do Rio Doce - mineração
  • 64. Deterioração urbana Favelas mais próximas aos seus locais de trabalho Bolsões negados que irrompem como fenômenos midiáticos (hip hop, funk, música sertaneja, rap etc) Em nossos dias o principal problema brasileiro é atender essa imensa massa urbana que não pode ser exportada, como fez a Europa
  • 69. Programa de aceleração do crescimento
  • 71. Transfiguração étnica Biótica  fenômeno da depopulação (germes, vírus – doenças de modo geral) Ecológica – novos animais e plantas trazidos de outros lugares Econômica  novas condições de existência (novos tipos de trabalho, de produção e consequentemente de consumo) Psicocultural – preconceito social, discriminação, tolerância
  • 73. Crioulo Economia açucareira  caráter familiar da empresa De geração a geração a burguesia se fundamentou na política e legislaram em benefício de si mesmo O engenho deu a rapadura e o aguardente O açúcar amargou a vida de muitos O aguardente desmantelou famílias desde sempre
  • 74.
  • 75. Congresso Nacional, pressionado pela população, votou o impeachment (impedimento) presidencial.
  • 76. O processo foi apreciado na Câmara dos deputados, em 29 de setembro de 1992, e, depois, no Senado Federal, em 29 de dezembro de 1992.
  • 77. O Parlamento decidiu afastar Collor do cargo de Presidente da República e seus direitos políticos são cassados por oito anos.
  • 78.
  • 79. Teatro Amazonas teve sua construção inicial em 1882, e foi inaugurado em 31 de dezembro de 1896 No auge do ciclo econômico da borracha, na administração do governador Fileto Pires Ferreira. É o principal patrimônio cultural arquitetônico do Amazonas.
  • 80. Sertanejo O gado e a força de trabalho barata A indústria da seca “ O sertanejo é, antes de tudo, um forte.” Euclides da Cunha
  • 81. Transposição do Rio São francisco
  • 82.
  • 83. Caipira O feijão, o milho e a abóbora O Jeca Tatu de Monteiro Lobato As fazendas de café  a oligarquia dos barões do café e o crack da Bolsa de NY em 1929 Semana de Arte Moderna “Nós não fomos colonizados, fizemos foi carnaval”
  • 84.
  • 89.
  • 90. Sulino Heterogeneidade cultural Jesuítas e espanhóis lutaram e reconfiguraram a cultura, a paisagem A imigração européia encontrou clima favorável a nova inserção de produtos no panorama econômico nacional
  • 91. São Miguel das Missões Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo, onde estão as ruínas jesuítas. Patrimônio Mundial pela UNESCO em 1983.
  • 92. Érico Veríssimo O Tempo e o Vento é uma trilogia épica que remonta ao passado histórico do Rio Grande do Sul, dos séculos XVIII e XX, focalizando as disputas de terra e poder pelas famílias Amaral, Terra e Cambará. Está dividido em O Continente, cobrindo o período histórico do século XVIII até 1895, com as lutas do início da República. O Retrato trata das primeiras décadas do século XX e O Arquipélago chega até l945, durante o governo de Getúlio Vargas.
  • 94. O destino Nacional O que mais atrapalha o futuro do Brasil? Vivemos um paradoxo: o de uma sociedade cada vez mais vigiada (pelos órgãos do Estado, pela mídia, pela internet, etc.) e cada vez menos capaz de distinguir condutas e de punir crimes. Indiferente à transgressão, como conseqüência da impunidade. A educação e a saúde não são prioridades A família desintegra-se e mesmo os novos modelos familiares não capazes de fortalecer o caráter de seus integrantes A intolerância e o preconceito ainda são barreiras para a consolidação da CF
  • 95. Referências MATTELART, A.. Diversidade cultural e mundialização. São Paulo: Parábola. 2005. Morin, E. etalii. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e pela incerteza humana. São Paulo: CORTEZ ED. Brasília: UNESCO. 2003 Pais, C.T.Sistema de valores, sistema de crenças, imaginário coletivo: investigações semióticas, in I Encontro: Mestrado em Semiótica, Tecnologias de Informação e Educação, UBC. Mogi das Cruzes. 2004 Ribeiro, D. O Povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil, Cia das Letras, SP. 1997 Sousa Santos, B. O fim das descobertas imperiais, Oliveira, I.B. & Sgarbi, P (orgs): Redes culturais – diversidade e educação.Rio de Janeiro: DP&A. 2002. ZAOUAL, H. Globalização e Diversidade Cultural. São Paulo: Cortez, 2003. E outras fontes de imagens na web: google, wikipedia .
  • 96. LuciBonini Mestre e Doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC – SP CertifiedprofessionalCoach pela ICA http:// lucibonini.blogspot.com http://slideshare.net/lucibonini Facebook: LuciBonini Twitter: lucibonini