Mais uma de Semiótica

3.626 visualizações

Publicada em

Algumas outras conjeturas, perspectivas diferentes

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
63
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
228
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mais uma de Semiótica

  1. 1. Semiótica Profa. Dra. Luci M. M. Bonini
  2. 2. Homem como ser de linguagem <ul><li>Todos os animais do planeta têm uma sistema de comunicação próprio  sistema herdado geneticamente, só muda na velocidade da evolução biológica e independe de aprendizado. </li></ul><ul><li>Ser humano  único que desenvolveu milhares de sistemas de comunicação, verbais e não-verbais diferentes. </li></ul><ul><ul><li>Existem, ainda hoje, 3.500 línguas naturais distintas. Cada uma delas só se transmite por aprendizagem, no convívio social. </li></ul></ul>
  3. 3. Experiência Cognição Conceptualização Recortes culturais Conceitos Processos simbólicos Semiotização Competência sistema Desempenho Discurso “ Visão de mundo ” Sistemas de valores Sistemas de crenças Imaginário coletivo Texto SABER COMPARTILHADO SOBRE O MUNDO
  4. 4. <ul><li>A língua e os seus discursos constituem, em conjunto, um processo semiótico. </li></ul><ul><li>Um processo semiótico produz, sustenta e reflete o sistema de valores de uma comunidade humana, o sistema de crenças, o imaginário coletivo, o ‘saber compartilhado sobre o mundo’ . </li></ul><ul><ul><li>o ser humano é um animal cultural, social e histórico </li></ul></ul>
  5. 5. <ul><li>A língua e seus discursos e as semióticas não-verbais, conferem a uma comunidade humana </li></ul><ul><li>a sua memória social </li></ul><ul><li>a sua consciência histórica </li></ul><ul><li>a consciência de sua identidade cultural </li></ul><ul><li>a consciência de sua permanência no tempo </li></ul>“ somos os produtores de nossos discursos e o resultado de nossos discursos” Lacan
  6. 6. Teoria Geral dos Signos: Semiótica <ul><li>É alguma coisa que representa alguma coisa para alguém </li></ul><ul><ul><li>é determinado pelo objeto </li></ul></ul><ul><ul><li>representa o objeto </li></ul></ul><ul><ul><li>só pode representar o objeto </li></ul></ul><ul><ul><li>pode até mesmo representá-lo falsamente </li></ul></ul><ul><ul><li>representar um objeto significa que o signo está apto a afetar uma mente  produzir nela algum tipo de efeito  esse efeito produzido é chamado de interpretante do signo </li></ul></ul><ul><ul><li>o interpretante é imediatamente determinado pelo signo e mediatamente determinado pelo objeto </li></ul></ul><ul><ul><li>o objeto também causa interpretante mas através do signo </li></ul></ul>
  7. 7. TEORIA GERAL DO SIGNO DE PEIRCE <ul><li>Peirce esclarece que algo ou qualquer coisa independente de sua natureza é também um signo </li></ul><ul><li>Assim o objeto da semiose é tanto imanente quanto transcendente </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A semiose é um processo de revelação, e todo processo de revelação envolve em sua natureza a possibilidade de engano ou traição. </li></ul><ul><li>Todo método que revele algo (alguma verdade sobre o mundo, ou algum aspecto sobre o mundo ou algum campo de investigação) na medida em que revela é um método semiótico. (John Deely p 29) </li></ul>O método semiótico: semiose
  9. 9. FENOMENOLOGIA <ul><li>A tarefa da fenomenologia é traçar um catálogo de categorias </li></ul><ul><li>Faculdades de que necessitamos : </li></ul><ul><ul><li>Qualidade de ver o que está diante dos olhos, como se apresenta, não substituído por uma interpretação </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade de discriminar de maneira resoluta; </li></ul></ul><ul><ul><li>Qualidade de generalizar </li></ul></ul>
  10. 10. Realidade e Pensamento <ul><li>A distinção geral entre Mundo Interior e Exterior reside no fato de que os objetos interiores submetem-se prontamente às modificações que desejamos, e os exteriores são fatos difíceis, ninguém pode fazer nada com eles. (Os Pensadores, Peirce, 1980, p.19) </li></ul>
  11. 11. <ul><li>A associação de idéias é regulada por três princípios – semelhança, contigüidade, causalidade. Seria igualmente verdadeiro dizer que os signos denotam segundo esses três princípios. Uma coisa é signo daquilo que lhe está associado por semelhança, contigüidade ou causalidade; o signo relembra a coisa significada . (Peirce, Os Pensadores, p.80) </li></ul><ul><li>... A vida do pensamento e da ciência é inerente a símbolos... (idem p.100) </li></ul>
  12. 12. <ul><li>“ Pode-se fotografar a mesma montanha de diversos ângulos, em diferentes proximidades, de variados lados, ou mesmo de cima, se tomarmos a foto de um helicóptero, por exemplo. Em cada uma dessas variações, são distintos os objetos imediatos, pois varia o modo como o mesmo objeto dinâmico, a montanha, nelas aparece . (Santaella, 2002, 19) </li></ul>
  13. 13. SEMIOSE <ul><li>Processos irreversíveis, auto-organizatórios já em algumas reações. </li></ul><ul><li>O tempo é o desenrolar da semiose, por isso cada comunidade vive num tempo diferente, pois a semiose que se opera dentro dela tem velocidade diferentes das outras, isso não significa que uma comunidade é melhor ou pior, apenas está em semioses diferentes </li></ul><ul><li>Tendência para a autocorreção, para a verdade, para chegar a um contato efetivo com a realidade </li></ul><ul><li>Ação dos signos. Quando o futuro exerce influência sobre o presente temos aí uma semiose </li></ul>
  14. 14. <ul><li>é, portanto: uma conexão formal extrínseca entre o sujeito conhecedor e o objeto conhecido. – possível logo de início. É muito fácil ver-se o que é o interpretante do signo: é tudo que está explícito no signo mesmo, não se considerando o contexto e circunstâncias de produção deste signo </li></ul>
  15. 15. Antropossemiose <ul><li>Inclui todos os processos sígnicos em que os seres humanos se envolvam, todos os processos sígnicos que são específicos da espécie humana – a língua se insere nessa teia </li></ul><ul><li>O papel da semiótica no processo educacional é analisar a antropossemiose no discurso educacional, no tecido formado pelas relações das diferentes linguagens emanadas dos diferentes aparatos tecnológicos ou não utilizados como veículos de informação e conhecimento </li></ul>
  16. 16. O MÉTODO SEMIÓTICO <ul><li>A semiose é um processo de revelação , e todo processo de revelação envolve em sua natureza a possibilidade de engano ou traição. </li></ul><ul><li>Todo método que revele algo (alguma verdade sobre o mundo, ou algum aspecto sobre o mundo ou algum campo de investigação) na medida em que revela é um método semiótico. (John Deely p 29) </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Um método implementa um ou alguns aspectos de um ponto de vista. Na verdade um método consiste exatamente na implementação sistemática de algo sugerido por um ponto de vista. Entretanto um ponto de vista que pudesse ser totalmente implementado por um único método seria bastante acanhado. Quanto mais rico um ponto de vista, tanto mais diversos são os métodos necessários para a exploração das possibilidades de entendimento latentes nele. (J. Deely, p.27) </li></ul>
  18. 18. O conceito de linguagem em Peirce <ul><li>Não há nenhuma estrutura atômica no mundo tal que corresponda a ela palavras uma a uma. (John Deely, p37) </li></ul><ul><li>A linguagem como rede objetiva é parte de um todo maior de relações objetivas. A rede lingüística se alimenta da estrutura da experiência como um todo e é transformada por ela em sua irredutibilidade ao ambiente físico. (idem, p.38) </li></ul>

×