Queimados f c 2015

241 visualizações

Publicada em

Clube da serie B do Rio de Janeiro

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Queimados f c 2015

  1. 1. QUEIMADOS FUTEBOL CLUBE
  2. 2.  Considera-se talento esportivo o indivíduo que através de suas condições herdadas e adquiridas, possui uma aptidão especial para o desempenho esportivo, acima da população em geral (BÖHME, 2002)
  3. 3. Na literatura utiliza-se os termos, detecção, seleção e promoção do talento esportivo. Durante esses processos os indivíduos seriam: identificados como talentos, submetidos ao treinamento sistemático; avaliados em cada uma das fases que acompanham a performance esportiva e a evolução biológica; sendo promovidos ao nível esportivo condizente com suas características inatas e/ou com o efeito do treinamento a longo prazo.
  4. 4. Conforme Csikszentmihaly et al. (1972, citado por Böhme, 2002) a utilização da expressão talento no sentido de aptidão inata ou adquirida provavelmente tenha origem bíblica decorrente da parábola dos talentos (Mateus 25). QUEIMADOS FUTEBOL CLUBE
  5. 5. Decorrente de sua evolução semântica a expressão talento consagrou-se com o significado de algo raro e valioso no domínio intelectual ou artístico, ou, ainda, como aptidão natural ou habilidade adquirida (Maia, 1996). Talento Esportivo
  6. 6.  No âmbito das práticas esportivas, como refere Borms (1997), um talento pode ser definido como um indivíduo que, num determinado estágio de desenvolvimento, dispõe de certas características somáticas, funcionais, psicológicas e de envolvimento social que o capacita, com grande probabilidade de acerto, para altas performances em determinadas disciplinas esportivas. Talento Esportivo
  7. 7. Objetivo: O perfil de atletas pode ser utilizado como critério de desempenho esportivo e auxiliar os processos de detecção, seleção e promoção do talento esportivo. Características para o alto desempenho esportivo: Maior número de características possíveis Nível de desempenho esportivo Idade biológica Modalidade esportiva
  8. 8. Genética: Por que algumas pessoas possuem mais habilidade motora para determinados esportes do que outras? Por que um mesmo treino causa diferentes adaptações em atletas? (BOUCHARD; MALINA & PÉRUSSE,1997). Alguns avanços já foram feitos. Descobriu-se que fenótipos como altura, peso, adiposidade, força muscular, velocidade e potência aeróbia são altamente dependentes da constituição genética.
  9. 9.  “O mapeamento genético serve para balizar quais são as prontidões físicas: se o atleta desenvolve bem a força, a potência ou a resistência, por exemplo.” O estudo do DNA do atleta também pode servir para identificar jovens talentos e colocá-los no caminho certo. “Cada esporte exige um grupo de aptidões físicas e, se você tem predisposição para algumas qualidades, a tendência é que se dê bem com o treinamento”
  10. 10.  TALENTO: palavra empregada para conceituar pessoas com atributos ou características admiradas e valorizadas pela cultura e pelo momento histórico. Guenther (2000).  O TALENTO deve ser interpretado em função da constituição individual herdada ou adquirida e as condições sociais apresentadas.Böhme (1994).  Ainda, o TALENTO pode ser observado de acordo com a teoria das PROBABILIDADES.Guenther (2000).
  11. 11. Apesar dos muitos candidatos a campeões, são poucos os que logram alcançar a glória dos títulos desportivos. Sobre a estabilidade do desempenho . Os programas de detecção e seleção de talentos esportivos estruturam-se sobre o postulado da estabilidade dos indicadores de desempenho. Por estabilidade designamos a manutenção absoluta ou relativa de um ou de um conjunto de indicadores de desempenho no interior de uma distribuição de valores.
  12. 12. Porquê alguns atletas atingem a excelência desportiva e outros não? Em que medida os resultados alcançados e a alcançar, decorrem do potencial genético de cada indivíduo e/ou das aquisições operadas nos processos de aprendizagem e treino? Como poderemos identificar e desenvolver o potencial de um praticante desportivo, de modo a alcançar a excelência?
  13. 13. Identificação e seleção de talentos têm gerado argumentos controversos, com conseqüências importantes para um número expressivo de crianças e jovens.
  14. 14. A noção clássica de “talento” associada a um conjunto de capacidades inerentes ao sujeito, está a ser substituída por outra, relacionada com as aquisições operadas através da prática sustentada e estruturada.
  15. 15. Da idéia de talento genético está a transitar-se para a concepção de talento hipergenético e desempenho emergente. D. Araújo (2004)
  16. 16.  Para o fisiologista, Turíbio Leite Barros, 2015 o mapeamento genético é capaz de dividir as capacidades físicas em dois grandes grupos: atletas de resistência e os que combinam força e velocidade. “Maratonistas, por exemplo, têm indicadores de um coração excepcional, com boa capacidade de bombeamento sanguíneo e se destacam por esse órgão superdotado”.  O segredo dos lutadores de MMA, por sua vez, está no músculo. “É possível identificar em atletas, ainda crianças, a presença de um gene que indica que o tecido tem uma fibra de contração rápida ou lenta.”
  17. 17. Atleta Treinamento Ambiente
  18. 18. Atletas com Talentos são aqueles que foram concedidos há oportunidades e tiveram a inteligência para saberem aproveitar.
  19. 19. Vários estudos têm permitido reforçar a importância da relação entre o tempo de prática acumulado numa atividade e o nível de desempenho conseguido pelos praticantes nessa atividade.(Abernethy, 1994; Hodges & Starkes; 1996; Krampe & Ericsson, 1996; Helsen et al., 1998; Helsen & Starkes, 1999).
  20. 20. QUEIMADOS FUTEBOL CLUBE Talento Esportivo Tempo mínimo para alcançar a excelência desportiva 10 anos (10 000 horas)
  21. 21. O apoio parental, adequada condução do processo de treino, as influências culturais e o efeito da idade relativa, têm sido considerados determinantes para viabilizar o acesso à excelência desportiva. (Burland & Davidson, 2002; Baker et al., 2003)
  22. 22. ADVENTO PRECOCE vs. ECLOSÃO TARDIA DO “TALENTO” O PODER DA IDADE RELATIVA A crença de que “dons inatos” são uma pré condição para altos desempenhos, leva a que crianças e jovens não identificados como talentos, sejam rejeitados ou não se invista neles.
  23. 23. Os não identificados como talentosos, aolongo dos anos ficam cativos de padrões de sub desempenho, devido a déficit de solicitação, de exercitação e de experiência ao nível do treino e da competição.
  24. 24. Não raramente, os observadores apercebesse, não de habilidades específicas do Futebol, mas de algo relacionado com vantagem maturacional.
  25. 25. À medida que os cientistas examinam as carreiras dos seres humanos mais proficientes, menor parece ser o papel atribuído ao “talento inato” e mais significativo se revela o contributo da aprendizagem/treino.
  26. 26. Fundamental no dia a dia de um clube,Fundamental no dia a dia de um clube, abordagem biomolecular, e já ganha adeptos.abordagem biomolecular, e já ganha adeptos.
  27. 27.  Valorização do profissional da Base;  Maior investimento para infra estrutura;  Autonomia nas decisões;  Maior participação na transição dos atletas;
  28. 28. F L E X IB IL ID A D E P O T Ê N C IA V E L O C ID A D E F O R Ç A R E S IS T Ê N C IA C A P A C ID A D E S F ÍS IC A S R IT M O R E A Ç Ã O O R IE N T A Ç Ã O E Q U IL ÍB R IO D IF E R E N C IA Ç Ã O C O O R D E N A Ç Ã O C A P A C ID A D E S C O O R D E N A T IV A S S O L ID A R IE D A D E C A R Á T E R C O R A G E M V O N T A D E IN T E L IG Ê N C IA C A P A C ID A D E S P S ÍQ U IC A S O A L E T A ID E A L TALENTO O ATLETA IDEALO ATLETA IDEAL
  29. 29. Foi destaque no campeonato brasileiro em chutes a gol, dribles certos e faltas sofridas. Jornal Extra 28/09/2010
  30. 30.  Promover prática assídua e relevante  Controlar o efeito da idade relativa  Avaliar a resposta ao treino/competição
  31. 31. *O nível de maturação afeta a performance motora. *Crianças que maturam precocemente tendem a ter melhor desempenho do que aqueles que maturam mais tardiamente. *Essa “vantagem” tende a desaparecer e até mesmo reverter quando se instala a adolescência.
  32. 32.  Somente feeling do observador?  Basta jogar bem?  Garantir a reposição de craques dentro de preceitos éticos, morais e humanos.  Cientificidade e minimização de erros!!!
  33. 33. No futebol moderno só entra em campo o profissional  Treinado, Disciplinado, Alimentado, Preparado para o Esforço Máximo, Conscientizado para superar os limites de Velocidade, Agilidade, Resistência, Fôlego e Potência do chute. Foi-se o tempo que o esporte era conhecido apenas pela garra e talento dos atletas naturalmente bem dotados. Hoje, jogadores com visão de jogo e que dominam a bola devem ter essas qualidades somadas à habilidade de correr atrás do adversário como “felino” e de evitar ser derrubado por um “safanão”. E por isso é necessário que se desenvolva fisicamente um jogador técnico, para que ele não seja anulado por um atleta não-técnico que tenha preparo físico.
  34. 34. NÃO UMA CAIXA DE GULOSEIMAS
  35. 35. Luciano Sousa Profº Esp. Prep. Física/Fisiologia Cref1. RG 023766-G/RJ E-mail: lucianofisiol@gmail.com Tel.: 77626965 ID:112*90683 Assinatura:.Luciano Maximiano de Sousa

×