O slideshow foi denunciado.
EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO
NA ESCOLA NOVA
DE FARIA DE VASCONCELLOS
Carlos Meireles-Coelho, Universidade de Aveiro, meireles@ua.pt...
1915 1919 1920 2012
António Sena Faria de Vasconcellos Azevedo (1880-1939)
Escola de Bierges (1912-1914)
Bierges
1912 - 1914
contacto com
a natureza
em ambiente
rural
aprendizagem
inclusiva a partir
da experiência
enriquecida p...
o rural e o urbano
“Instalámo-nos em pleno campo… os alunos podem
acompanhar de perto as grandes aplicações da ciência à
t...
“Colocamos a criança em contacto direto com as formas da vida e
do trabalho humano, apresentando-lhe as coisas e os seres ...
literacia
“…o aluno é obrigado a resolver os problemas pelos seus
próprios meios; deve recorrer ao seu pensamento, à sua a...
competências
“a nossa escola prepara mesmo a criança para a vida real…
Cultura geral e especialização profissional devem c...
aprendizagem inclusiva
“Trabalho de autonomia e solidariedade, a sociedade cooperativa
agrícola da escola… inicia a crianç...
ao ritmo da cada um
“O número de alunos por turma tem de ser limitado (p.73)… No
regime de classes móveis …uma criança pod...
“Levamos cada criança a criar para si própria uma regra interior,
resultado das suas experiências pessoais, e fruto da ada...
“As crianças só podem fazer a seu próprio custo a experiência do
bem e do mal e refletir sobre as consequências dos seus a...
http://blogs.ua.pt/meirelescoelho/publicacoes/
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Educação e formação em Faria de Vasconcelos

476 visualizações

Publicada em

apresentação ao IX congresso luso-brasileiro de história de educação

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Educação e formação em Faria de Vasconcelos

  1. 1. EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO NA ESCOLA NOVA DE FARIA DE VASCONCELLOS Carlos Meireles-Coelho, Universidade de Aveiro, meireles@ua.pt Ana Cotovio, Agrupamento de Escolas de Soure, lc.anapaula@gmail.com Lúcia Ferreira, Agrupamento de Escolas de Mealhada, luciamealhada@gmail.com
  2. 2. 1915 1919 1920 2012 António Sena Faria de Vasconcellos Azevedo (1880-1939) Escola de Bierges (1912-1914)
  3. 3. Bierges 1912 - 1914 contacto com a natureza em ambiente rural aprendizagem inclusiva a partir da experiência enriquecida pelo trabalho manual desenvolvimento de competências assentes na autonomia e na responsabilidade
  4. 4. o rural e o urbano “Instalámo-nos em pleno campo… os alunos podem acompanhar de perto as grandes aplicações da ciência à técnica e à exploração do solo (p.26)… se a região é agrícola, nos arredores existem centros industriais com uma vida intensa, de um trabalho agitado… o que nos permite instrutivas visitas frequentes e regulares a fábricas, a minas, a esse vasto mundo do trabalho e dos trabalhadores (p.27).” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica
  5. 5. “Colocamos a criança em contacto direto com as formas da vida e do trabalho humano, apresentando-lhe as coisas e os seres no seu ambiente natural. Pode observar, ver, experimentar, agir, manipular, criar, construir (p.67)… partimos do concreto para o abstrato, do particular para o geral. Levamos o aluno a tirar por si próprio, do conjunto de fenómenos que os seus olhos observam e as suas mãos executam, as conclusões que resultam em leis (p.135)…” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica estudo e trabalho
  6. 6. literacia “…o aluno é obrigado a resolver os problemas pelos seus próprios meios; deve recorrer ao seu pensamento, à sua ação; a sua destreza manual e as suas faculdades criativas ganham com esta atividade pessoal. O papel do professor é apenas o de orientar os alunos… não é por ouvir dizer nem ver fazer que o aluno adquire conhecimentos (p.129).” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica
  7. 7. competências “a nossa escola prepara mesmo a criança para a vida real… Cultura geral e especialização profissional devem completar-se … O que importa não é apenas possuir conhecimentos, é sobretudo servir-se deles, saber utilizá-los, saber aplicá-los… encadernar, modelar, desenhar, trabalhar em marcenaria é tão importante como ler, escrever e contar (p.47).” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica
  8. 8. aprendizagem inclusiva “Trabalho de autonomia e solidariedade, a sociedade cooperativa agrícola da escola… inicia a criança de forma real para a vida prática e para a vida social (p.64)… Todos os alunos fazem parte da cooperativa… Nomearam um diretor técnico… e um diretor comercial. Um tem a seu cargo a exploração da empresa, a organização do trabalho no campo, o escoamento dos produtos… O outro trata da parte financeira e contabilidade… Os alunos cultivam os campos, lavram, estrumam, semeiam, colhem, tratam dos animais, dão-lhes de comer e beber, levam-nos para o campo, fazem-lhes as camas de forragem, ordenham as vacas… (p.61)” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica
  9. 9. ao ritmo da cada um “O número de alunos por turma tem de ser limitado (p.73)… No regime de classes móveis …uma criança pode estar no 6.º em francês, no 5.º a inglês, no 4.º em aritmética... diminui-se-lhe o número de horas consagradas à área em que está mais avançada, dando-lhe mais tempo para a área em que está mais atrasada… (p.74).“ Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica
  10. 10. “Levamos cada criança a criar para si própria uma regra interior, resultado das suas experiências pessoais, e fruto da adaptação espontânea à vida escolar, à vida social com os colegas e professores (p.214)… Ela é livre, mas responsável, e é ao mesmo tempo capaz de medir as consequências dos seus atos e de os reparar.... Aquele que quebra coisas substitui-as com a sua mesada, o que não fez o trabalho na hora certa, fá-lo durante os tempos livres; o que deixa as coisas desarrumadas, arruma-as, quem suja, limpa (p.215).” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica autonomia e responsabilidade
  11. 11. “As crianças só podem fazer a seu próprio custo a experiência do bem e do mal e refletir sobre as consequências dos seus atos se lhes dermos uma grande liberdade. Isto implica uma organização do ambiente social em que elas vivem, crescem, levando-as a construir por si próprias a sua referência moral. Mas esta organização social deve ser construída pelas próprias crianças. A isto chamamos sistema de autonomia (p.204).” Faria de Vasconcellos (1912-2012) Uma Escola Nova na Bélgica contexto estruturado em sistema de autonomia
  12. 12. http://blogs.ua.pt/meirelescoelho/publicacoes/

×